BASEADO NO PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO
DE ÚLCERA POR PRESSÃO
MS/ ANVISA/ FIOCRUZ
AVALIAÇÃO E
INTERVENÇÃO EM
ÚLCERAS POR PRESS...
Definição
• Úlcera por pressão (UPP): lesão localizada da pele e/ou tecido
subjacente, geralmente sobre uma proeminência ó...
Locais de pressão mais incidentes
OCCIPITAL 1%
ESCÁPULA 2-3%
DORSO 4%
COTOVELO 5-9%
SACRA 36-45%
ISQUIÁTICA 6%
CALCÂNEO 19...
Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio I
• eritema não branqueável
– Pele intacta, com rubor não branqueável, numa áre...
Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio II
• perda parcial da espessura da pele
– Perda parcial da espessura da derme, ...
Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio III
• Perda total da espessura da pele
– Perda total da espessura tecidual. Nes...
Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio IV
• Perda total da espessura dos tecidos
– Perda total da espessura dos tecido...
INTERVENÇÕES
ETAPA 1 E 2- NÍVEL: PREVENÇÃO
Avaliação de úlcera por
pressão na admissão de todos
os pacientes
• A avaliação de admissão ...
ETAPA 3 E 4-NÍVEL: INTERVENÇÃO
• Inspeção diária da pele
– Estes pacientes, em geral
hospitalizados, podem
apresentar dete...
AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA
FERIDA
• Feridas necróticas/escara: varia de coloração,
desde a cor preta, cinza, esbranquiça...
AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA
FERIDA
• Fibrina ou esfacelo: é uma proteína
insolúvel formada a partir do fibrinogênio pela
...
AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA
FERIDA
• Feridas com granulação: caracteriza-se pela
formação e crescimento de um tecido vasc...
AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA
FERIDA
• Tecido de epitelização: apresenta migração e
multiplicação de células epiteliais sob...
ETAPA 5 E 6 -NÍVEL: INTERVENÇÃO
• Otimização da nutrição e
da hidratação
– A avaliação de pacientes com
possível risco de
...
CURATIVOS E
COBERTURAS
09/10/2014
Colaboração
 Equipe multiprofissional
 Médico
 Enfermeiro
 Técnico em Enfermagem
09/10/2014
As feridas são interrupções da
integridade cutâneo mucosa e
resultam dos desequilíbrios e
agravos da saúde das pessoas.
El...
Cicratização
Orientações
Nutrição
Necessidade de ingesta de vitaminas e minerais:
A (retinol) – regula o desenvolvimento epidérmico e
a...
Cicatrização
Fase Inflamatória
Apresenta um período de
duração de 1 a 4 dias, com
formação de coágulos
sanguíneos, a ferid...
Cicatrização
Fase Proliferativa
Período de 5-20 dias,
com produção de
colágeno, formação
de tecido de
granulação e
aumento...
Cicatrização
Fase Proliferativa
Formação de tecido de
granulação, função
de preenchimento
tecidual para
posterior depósito...
Cicatrização
Fase Reparadora
Dura em torno de 21 dias a meses, ou até anos,
sendo caracterizada pela reorganização das
fib...
EXSUDATO
• Sanguinolento: Fino, vermelho brilhante;
• Serosanguinolento: Fino, aguado, de vermelho
pálido para róseo;
• Se...
CURATIVO E COBERTURA
• CURATIVO
– Técnica aplicada no
tratamento de
feridas
• COBERTURA
– “Todo material,
substância ou
pr...
TIPOS DE CURATIVOS
• CURATIVO SEMI-OCLUSIVO:
–Este tipo de curativo é absorvente, e
comumente utilizado em feridas cirúrgi...
09/10/2014
09/10/2014
TIPOS DE CURATIVOS
• CURATIVO OCLUSIVO:
–não permite a entrada de ar ou fluídos,
atua como barreira mecânica, impede a
per...
09/10/2014
09/10/2014
TIPOS DE CURATIVOS
• CURATIVO COMPRESSIVO:
–Utilizado para reduzir o fluxo sangüíneo,
promover a estase e ajudar na
aproxi...
TIPOS DE CURATIVOS
• CURATIVOS ABERTOS:
–São realizados em ferimentos que não há
necessidade de serem ocluídos. Feridas
ci...
09/10/2014
MATERIAIS PARA CURATIVO
CURATIVO DE HIDROGEL
• Este curativo cria um meio úmido ideal para
úlceras secas e necróticas, pro...
09/10/2014
09/10/2014
MATERIAIS PARA CURATIVO
CURATIVO CARVÃO ATIVADO E PRATA
• É formado por envelopes de um não tecido
poroso contendo carvão ...
MATERIAIS PARA CURATIVO
ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS (AGE)
• Correspondem a uma classe de óleo vegetal formado
por ácido linol...
MATERIAIS PARA CURATIVO
PAPAÍNA
• É extraído do látex do mamoeiro, e consiste
em um complexo enzimático que possui ação
pr...
09/10/2014
MATERIAIS PARA CURATIVO
CURATIVO DE ALGINATO
• Corresponde a um curativo composto por tecido
formado por fibras de algas m...
09/10/2014
09/10/2014
MATERIAIS PARA CURATIVO
• HIDROCOLÓIDE
– As coberturas de hidrocolóide são estéreis e
encontradas em quatro apresentações:...
09/10/2014
09/10/2014
Apenas um lembrete
OBRIGADA!!!!!
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Avaliação e intervenção em úlceras por pressão
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Avaliação e intervenção em úlceras por pressão

3.114 visualizações

Publicada em

AULA SOBRE AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO EM PACIENTES POTENCIAIS PARA DESENVOLVER ÚLCERAS POR PRESSÃO.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.114
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
91
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação e intervenção em úlceras por pressão

  1. 1. BASEADO NO PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO MS/ ANVISA/ FIOCRUZ AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO EM ÚLCERAS POR PRESSÃO
  2. 2. Definição • Úlcera por pressão (UPP): lesão localizada da pele e/ou tecido subjacente, geralmente sobre uma proeminência óssea, resultante da pressão ou da combinação entre pressão e cisalhamento, causado pela fricção. Outros fatores estão associados à UPP, mas seu papel ainda não foi completamente esclarecido. • Cisalhamento: deformação que sofre um corpo quando sujeito à ação de forças cortantes. • Estadiamento de UPP: classificação da UPP, que auxilia na descrição clínica da profundidade observável de destruição tecidual.
  3. 3. Locais de pressão mais incidentes OCCIPITAL 1% ESCÁPULA 2-3% DORSO 4% COTOVELO 5-9% SACRA 36-45% ISQUIÁTICA 6% CALCÂNEO 19-30% QUEIXO 0,5% CRISTA ILÍACA 4% TROCANTÉRICA 6-11% JOELHO 4% MALÉOLO 7% Decúbito frontal Decúbito Lateral Sentado Decúbito Dorsal
  4. 4. Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio I • eritema não branqueável – Pele intacta, com rubor não branqueável, numa área localizada, normalmente sobre uma proeminência óssea. • OBS: O estágio I pode ser difícil de identificar em indivíduos com tons de pele escuros, visto que nestes o branqueamento pode não ser visível, a sua cor, porém, pode ser diferente da pele ao redor.
  5. 5. Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio II • perda parcial da espessura da pele – Perda parcial da espessura da derme, que se apresenta como uma ferida superficial (rasa) com leito vermelho – rosa sem esfacelo. – Pode também se apresentar como flictena fechada ou aberta, preenchida por líquido seroso ou sero-hemático. Apresenta-se ainda, como uma úlcera brilhante ou seca, sem crosta ou equimose (um indicador de lesão profunda). • OBS: As características deste estágio não devem ser confundidas com fissuras de pele, queimaduras por abrasão, dermatite associada à incontinência, maceração ou escoriações.
  6. 6. Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio III • Perda total da espessura da pele – Perda total da espessura tecidual. Neste caso, o tecido adiposo subcutâneo pode ser visível, mas não estão expostos os ossos, tendões ou músculos. – Pode estar presente algum tecido desvitalizado (fibrina úmida), mas este não oculta a profundidade da perda tecidual. • OBS: A profundidade de uma úlcera de estágio III varia de acordo com a localização anatômica. A asa do nariz, orelhas, região occipital e maléolos não têm tecido subcutâneo (adiposo) e uma úlcera de estágio III pode ser superficial.
  7. 7. Estadiamento Da Úlcera Por Pressão Estágio IV • Perda total da espessura dos tecidos – Perda total da espessura dos tecidos com exposição dos ossos, tendões ou músculos. Neste caso, o tecido desvitalizado (fibrina úmida) e/ou tecido necrótico podem estar presentes. – A profundidade de uma úlcera por pressão de estágio IV varia com a localizaçãoanatômica. Frequentemente são cavitadas e fistulizadas. • OBS: Uma úlcera de estágio IV pode atingir o músculo e/ou estruturas de suporte (fáscia, tendão ou cápsula articular), tornando a osteomielite e a osteíte prováveis de acontecer.
  8. 8. INTERVENÇÕES
  9. 9. ETAPA 1 E 2- NÍVEL: PREVENÇÃO Avaliação de úlcera por pressão na admissão de todos os pacientes • A avaliação de admissão dos pacientes apresenta dois componentes: – A avaliação do risco de desenvolvimento de UPP e; – A avaliação da pele para detectar a existência de UPP ou lesões de pele já instaladas. • Reavaliação diária de risco de desenvolvimento de UPP de todos os pacientes internados – A complexidade e a gravidade dos pacientes internados resultam na necessidade de reavaliação diária do potencial e do risco de desenvolvimento de UPP. – A reavaliação diária permite aos profissionais de saúde ajustar sua estratégia de prevenção conforme as necessidades do paciente.
  10. 10. ETAPA 3 E 4-NÍVEL: INTERVENÇÃO • Inspeção diária da pele – Estes pacientes, em geral hospitalizados, podem apresentar deterioração da integridade da pele em questão de horas. – Em virtude da rápida mudança de fatores de risco em pacientes agudamente enfermos, a inspeção diária da pele é fundamental. • Manejo da Umidade: manutenção do paciente seco e com a pele hidratada – Pele úmida é mais vulnerável, propícia ao desenvolvimento de lesões cutâneas, e tende a se romper mais facilmente. – A pele deve ser limpa, sempre que apresentar sujidade e em intervalos regulares. – O processo de limpeza deve incluir a utilização cuidadosa de um agente de limpeza suave que minimize a irritação e a secura da pele.
  11. 11. AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA FERIDA • Feridas necróticas/escara: varia de coloração, desde a cor preta, cinza, esbranquiçada, marrom até a esverdeada e preta. Corresponde ao tecido morto, desidratado, podendo estar presente também o pus e o material fibroso, que favorecem a multiplicação de microorganismos.
  12. 12. AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA FERIDA • Fibrina ou esfacelo: é uma proteína insolúvel formada a partir do fibrinogênio pela ação proteolítica da trombina durante a coagulação normal do sangue.
  13. 13. AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA FERIDA • Feridas com granulação: caracteriza-se pela formação e crescimento de um tecido vascular novo (angiogênese), pelas células endoteliais dos vasos sanguíneos e uma matriz rica em colágeno secretada pelos fibroblastos.
  14. 14. AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE UMA FERIDA • Tecido de epitelização: apresenta migração e multiplicação de células epiteliais sobre uma superfície desnunda durante o processo cicatricial. (UNICAMP, 2000)
  15. 15. ETAPA 5 E 6 -NÍVEL: INTERVENÇÃO • Otimização da nutrição e da hidratação – A avaliação de pacientes com possível risco de desenvolvimento de UPP deve incluir a revisão de fatores nutricionais e de hidratação. – Pacientes com déficit nutricional ou desidratação podem apresentar perda de massa muscular e de peso, tornando os ossos mais salientes e a deambulação mais difícil. • Minimizar a pressão – A redistribuição da pressão, especialmente sobre as proeminências ósseas, é a preocupação principal. – Todos os esforços devem ser feitos para redistribuir a pressão sobre a pele, seja pelo reposicionamento a cada 02 (duas) horas ou pela utilização de superfícies de redistribuição de pressão.
  16. 16. CURATIVOS E COBERTURAS 09/10/2014
  17. 17. Colaboração  Equipe multiprofissional  Médico  Enfermeiro  Técnico em Enfermagem 09/10/2014
  18. 18. As feridas são interrupções da integridade cutâneo mucosa e resultam dos desequilíbrios e agravos da saúde das pessoas. Elas podem impedir ou dificultar aspectos básicos da vida como a locomoção, a convivência e as relações interpessoais, entre outros (BRUNNER & SUDDARTH, 2009). Conceito 09/10/2014
  19. 19. Cicratização
  20. 20. Orientações Nutrição Necessidade de ingesta de vitaminas e minerais: A (retinol) – regula o desenvolvimento epidérmico e atua na imunidade; B6 (piridoxina) – falta pode deixar a pele escamosa; C – essencial para o desenvolvimento do colágeno; E – propriedade antioxidante
  21. 21. Cicatrização Fase Inflamatória Apresenta um período de duração de 1 a 4 dias, com formação de coágulos sanguíneos, a ferida torna- se edemaciada e os restos do tecido danificados e coágulos de sangue são fagocitados.
  22. 22. Cicatrização Fase Proliferativa Período de 5-20 dias, com produção de colágeno, formação de tecido de granulação e aumento de tensão da ferida.
  23. 23. Cicatrização Fase Proliferativa Formação de tecido de granulação, função de preenchimento tecidual para posterior depósito de matriz do tecido conjuntivo.
  24. 24. Cicatrização Fase Reparadora Dura em torno de 21 dias a meses, ou até anos, sendo caracterizada pela reorganização das fibras de colágeno, que se comprimem para reduzir o tamanho da cicatriz.
  25. 25. EXSUDATO • Sanguinolento: Fino, vermelho brilhante; • Serosanguinolento: Fino, aguado, de vermelho pálido para róseo; • Seroso: Fino. Aguado, claro; • Purulento: Fino ou espesso, de marrom opaco para amarelo; • Purulento pútrido: Espesso, de amarelo opaco para verde, com forte odor.
  26. 26. CURATIVO E COBERTURA • CURATIVO – Técnica aplicada no tratamento de feridas • COBERTURA – “Todo material, substância ou produto que se aplica sobre a ferida, como finalização do curativo que, forma uma barreira física capaz de, pelo menos, cobrir e proteger o seu leito”. (FITZPATRICK,2006) 09/10/2014
  27. 27. TIPOS DE CURATIVOS • CURATIVO SEMI-OCLUSIVO: –Este tipo de curativo é absorvente, e comumente utilizado em feridas cirúrgicas, drenos, feridas exsudativas, absorvendo o exsudato e isolando-o da pele adjacente saudável.
  28. 28. 09/10/2014
  29. 29. 09/10/2014
  30. 30. TIPOS DE CURATIVOS • CURATIVO OCLUSIVO: –não permite a entrada de ar ou fluídos, atua como barreira mecânica, impede a perda de fluídos, promove isolamento térmico, veda a ferida, a fim de impedir enfísema,e formação de crosta.
  31. 31. 09/10/2014
  32. 32. 09/10/2014
  33. 33. TIPOS DE CURATIVOS • CURATIVO COMPRESSIVO: –Utilizado para reduzir o fluxo sangüíneo, promover a estase e ajudar na aproximação das extremidades da lesão.
  34. 34. TIPOS DE CURATIVOS • CURATIVOS ABERTOS: –São realizados em ferimentos que não há necessidade de serem ocluídos. Feridas cirúrgicas limpas após 24 horas, cortes pequenos, suturas, escoriações, etc são exemplos deste tipo de curativo.
  35. 35. 09/10/2014
  36. 36. MATERIAIS PARA CURATIVO CURATIVO DE HIDROGEL • Este curativo cria um meio úmido ideal para úlceras secas e necróticas, promove um desbridamento autolítico sendo composto de água, carboximetilcelulose e propilenoglicol.
  37. 37. 09/10/2014
  38. 38. 09/10/2014
  39. 39. MATERIAIS PARA CURATIVO CURATIVO CARVÃO ATIVADO E PRATA • É formado por envelopes de um não tecido poroso contendo carvão ativado e prata.Possui grande capacidade de absorção de exsudato e odores, sendo indicado para lesões fétidas. Dever ser trocado a cada 48 horas, e quando existe uma grande quantidade de exsudato deve ser trocado com uma maior freqüência. Não é aconselhado cortar o curativo, pois nessa situação poderá ocorrer a intoxicação por prata do paciente..
  40. 40. MATERIAIS PARA CURATIVO ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS (AGE) • Correspondem a uma classe de óleo vegetal formado por ácido linoléico, ácido caprílico, ácido cáprico, vitamina A,E e lecitina de soja. O ácido linoléico é importante para a manutenção da integridade das membranas das células, enquanto a lecitina possui ação hidratante e auxilia a restauração da pele. A vitamna E é antioxidante, protegendo a membrana celular contra radicais livres, e a vitamina A participa como importante cofator na cicatrização.
  41. 41. MATERIAIS PARA CURATIVO PAPAÍNA • É extraído do látex do mamoeiro, e consiste em um complexo enzimático que possui ação proteolítica, agindo como desbridamento químico. Além disso, possui atividade bactericida e antiinflamatória.
  42. 42. 09/10/2014
  43. 43. MATERIAIS PARA CURATIVO CURATIVO DE ALGINATO • Corresponde a um curativo composto por tecido formado por fibras de algas marinhas marrons , rico em ácidos, com fibras embebidas em íons de sódio e cálcio. A interação desses íons com o sangue da ferida e o exsudato promove uma reação que induz a hemostasia rapidamente, alem disso a medida que ocorre a reação, a fibra se transforma em um gel suave não aderente a ferida. Porém, a característica mais marcante dos alginatos é a imensa capacidade de absorção de exsudato, podendo absorver 20 vezes seu peso em fluídos de ferida. Deve ser trocado no máximo a cada 24 horas.
  44. 44. 09/10/2014
  45. 45. 09/10/2014
  46. 46. MATERIAIS PARA CURATIVO • HIDROCOLÓIDE – As coberturas de hidrocolóide são estéreis e encontradas em quatro apresentações: placa, grânulo, pasta e fibra. A placa possui duas camadas: externa e interna; a externa é composta por filme ou espuma de poliuretano, flexível e impermeável e a interna, composta por partículas hidroativas à base de hidrocolóides, que interagem com o exsudato da ferida formando um gel amarelado, viscoso e de odor acentuado.
  47. 47. 09/10/2014
  48. 48. 09/10/2014 Apenas um lembrete
  49. 49. OBRIGADA!!!!!

×