SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Baixar para ler offline
SUMIDOUROS E VALAS DE
INFILTRAÇÃO
Projeto Permanente de Educação Ambiental
PPEA
SumSumááriorio
1-Generalidades
2-O que é o sumidouro e como funciona?
4-Prescrições Normativas e
Critérios de Dimensionamento
5-Exemplo de Dimensionamento
3-Aspectos Construtivos
6-O que são as valas de infiltração e como funcionam?
7-Prescrições Normativas e
Critérios de Dimensionamento
8-Aspectos Construtivos
9-Exemplo de Dimensionamento
1. Generalidades1. Generalidades
-Após passar pela fossa, o efluente líquido, isento de materiais
sedimentáveis e flutuantes (retidos na fossa) deve ser disposto
de alguma forma no meio ambiente.
-Entre os processos eficientes e econômicos de disposição do
efluente líquido das fossas estão:
• diluição (corpo d’água receptor)
• sumidouro
• vala de infiltração
• vala de infiltração e filtro de areia
-Para escolha do processo mais adequado devem ser considerados
• Natureza e utilização do solo;
• Profundidade do lençol freático;
• Grau de permeabilidade do solo;
• Utilização e localização da fonte de água de subsolo, utilizada
para consumo humano;
• Volume e taxa de renovação das águas de superfície;
OBS: No Condomínio Alto da Boa Vista, as formas de
disposição do esgoto adotadas são: sumidouro ou valas de
infiltração. Sendo, esta última, empregada na quadra 206, onde
o lençol freático é muito superficial.
- O lançamento de esgoto no solo acarretará um transporte
(vertical e horizontal) das matérias poluidoras, cuja distância e
direção variarão principalmente com a porosidade do solo e a
localização do lençol freático.
- Pesquisas na Califórnia registram a presença de bactérias
típicas dos esgotos, depois de 33 horas do lançamento de
esgotos no subsolo, a uma distância de 30 m do ponto de
disposição dos esgotos
- Reduções nas concentrações também são registradas em
virtude dos efeitos de filtração e mortalidade das bactérias.
- A localização de poço para consumo de água deve considerar
o círculo de influência da água consumida e possíveis
interferências com a área contaminada pelo lançamento dos
esgotos no solo.
2. O que2. O que éé o sumidouro e comoo sumidouro e como
funciona?funciona?
-Sumidouro: Conceito e aplicação
- Os sumidouros consistem em escavações, cilíndricas ou
prismáticas, tendo as paredes revestidas por tijolos, pedras ou
outros materiais. A disposição desses materiais deve ser tal
que permita fácil infiltração do líquido no terreno.
-Os sumidouros tem a função de poços absorventes, recebendo os
efluentes diretamente das fossas sépticas e permitindo sua
infiltração no solo.
- Possuem vida útil longa, devido à facilidade de infiltração do
líquido praticamente isento dos sólidos causadores da
colmatação.
3. Aspectos Construtivos3. Aspectos Construtivos
-Os sumidouros devem ter as paredes revestidas de alvenaria de
tijolos, assentes com juntas livres, ou de anéis (ou placas) pré-
moldados de concreto, convenientemente fundos, e ter
enchimento no fundo de cascalho, pedra britada e coque de
pelo menos 0,50 m de espessura.
-As lajes de cobertura dos sumidouros devem ficar ao nível do
terreno, ser de concreto armado e dotadas de aberturas de
inspeção com tampão de fechamento hermético, cuja menor
dimensão em seção seja de 0,60 m:
4. Prescri4. Prescriçõções Normativas ees Normativas e
CritCritéérios de Dimensionamentorios de Dimensionamento
-Os sumidouros devem preservar a qualidade das águas
superficiais e subterrâneas, mediante estrita observância das
prescrições da NBR 7229/1993: Projeto, construção e
operação de sistemas de tanques sépticos.
-A norma NBR 7229/1993 prevê três tipos básicos de
sumidouros:
• Cilíndricos sem enchimento
• Cilíndricos com enchimento
• Prismáticos
• As figuras a seguir apresentam esquemas dos 3 tipos citados
Figura 1:Esquema para sumidouros cilíndricos: com/sem enchimento
Fonte: [1]
Figura 2: Esquema para sumidouros prismáticos
Fonte: [2]
-As dimensões do sumidouros são determinadas em função da
capacidade de absorção do terreno, calculada segundo prescritos no
item: B-9-Determinação da capacidade de absorção do solo, da
norma NBR-7229/1993.
-Para determinação da capacidade de absorção do solo é necessário
realizar um ensaio de de infiltração do solo.
-Ensaio de infiltração do solo: A norma NBR-7229/1993 prevê duas
alternativas para o ensaio. Uma em cova prismática e outra em
cova cilíndrica.
• Ensaio de infiltração em cova prismática-metodologia
-Escolher três pontos do terreno próximos ao local onde será lançado o
efluente da fossa séptica.
-No caso de sumidouro, realizar escavações em profundidades diferentes
e no fundo de cada uma das três escavações abrir uma cova de seção
quadrada de 30 cm de lado e 30 cm de profundidade. (a escolha das
profundidades pode ser feita a partir de um pré-dimensionamento
utilizando os coeficientes de infiltração apresentados na Tabela 7 da
Norma NBR-7229/1993-mostrada em seguida )
-No caso de valas de infiltração, a seção do fundo das covas previstas
deve estar a uma profundidade em relação ao nível do terreno de no
mínimo 0,60 m e no máximo 1m. O fundo das três covas também
deverá ser em seção quadrada de 30 cm de lado e 30 cm de profundidade
-Tabela 1: Tabela equivalente a tabela 7 da NBR 7229/1993-
Possíveis Faixas de Variação de Coeficiente de infiltração:
Nota: Os dados referem-se a uma aproximação. Os coeficientes de infiltração
variam segundo o tipo dos solos não saturados. Em qualquer dos casos, é
indispensável a confirmação destes dados por meio dos ensaios de infiltração do solo.
-Raspar o fundo e os lados da cova, de modo que fiquem ásperos.
Retirar da cova todo material solto e cobrir o seu fundo com uma camada
de 5 cm de brita nº 1.
-No dia seguinte, encher as covas com água e aguardar que estas se
infiltrem totalmente.
-No primeiro dia manter as covas cheias de água durante 4 h.
-Com os tempos determinados no processo de infiltração das covas,
é possível obter os coeficientes de infiltração do solo (L/m² x dia)
na curva apresentada a seguir. (Adota-se o menor dos coeficientes
determinados no ensaio)
-Encher novamente as covas com água até a altura de 15 cm e
cronometrar o período de rebaixamento de 15 cm até 14 cm,
correspondente às alturas da água em cada cova. Quando este intervalo
de tempo para rebaixamento de 1 cm se der em menos de 3 min, refazer
o ensaio cinco vezes, adotando o tempo da quinta medição.
Fonte [1]
Figura 3:Gráfico para determinação do coeficiente de infiltração
• Ensaio de infiltração em cova cilíndrica-emprego de trado-
Metodologia:
-O emprego do trado na determinação da capacidade de absorção
do solo elimina a necessidade da escavação de valas, principalmente
quando há necessidade de atingir níveis mais profundos.
- Em três pontos do terreno a ser utilizado para disposição do efluente
da fossa séptica em sumidouro, fazer perfurações verticais com
trado de 30 cm de diâmetro, em profundidades diferentes,
determinadas a partir de um pré-dimensionamento, conforme os
coeficientes de infiltração mostrados na tabela 7 da norma, já
apresentado anteriormente.
- De maneira análoga ao previsto no ensaio de infiltração com cova
prismática, deve-se raspar o fundo e os lados da cova para que
fiquem ásperos e cobrir o fundo com uma camada de 5 cm de brita
nº1. No primeiro dia de ensaio, manter as covas cheias de água
durante 4 h. No dia seguinte encher as covas com água e aguardar
que estas se infiltrem totalmente.
- Em seguida, encher cada cilindro com água até a altura de 19 cm,
cronometrando o período de tempo necessário para o rebaixamento
do nível d’água de 1,3 cm, isto é, de 18 cm a 17,7 cm. Quando este
período for menor que 3 min, refazer o ensaio cinco vezes,
adotando o tempo da quinta medição.
- Os coeficientes de infiltração do solo em L/ m² x dia pode ser
obtido por meio do Gráfico para determinação do coeficiente de
infiltração mostrado anteriormente.
Figura 4: Esquema do ensaio de infiltração por cova cilíndrica
Fonte: [2]
-Determinação da Área de Absorção do solo: A área de
infiltração necessária deve ser calculada pela seguinte
fórmula:
A= V
C1
Em que:
A= área de infiltração necessária, em m², para sumidouro ou
vala de infiltração.
V= volume de contribuição diária, em L/dia, que resulta da
multiplicação do número de contribuintes (N) pela
contribuição unitária de esgotos (C)
C1= coeficiente de infiltração (L/m² x dia) obtido no gráfico
para determinação do coeficiente de infiltração.
Obs:
-Recomenda-se como volume útil mínimo do sumidouro, o
volume útil da fossa séptica contribuinte.
-Apesar da norma considerar o fundo e as paredes como área de
infiltração (A), como segurança, o projetista poderá
contabilizar apenas a área lateral, desprezando a infiltração
pelo fundo do sumidouro devido a colmatação.
-A escolha entre a utilização de valas de infiltração ou
sumidouros, deve levar em conta o nível do lençol freático. É
prudente que o fundo da vala ou do sumidouro esteja no
mínimo a 1,50 m acima do nível máximo do lençol freático.
-Inspeção:
-Os sumidouros e valas de infiltração devem sofrer inspeções
semestrais.
-Observadas a redução da capacidade de absorção do solo,
novas unidades devem ser construídas.
Figura 5: Esquema do sistema integrado, fossa séptica + sumidouro
Figura 6: Esquema do sistema integrado:
fossa séptica + sumidouro +rede de esgoto doméstica
8. Exemplo de Dimensionamento8. Exemplo de Dimensionamento
Exemplo: Dimensionar um sumidouro para uma residência cuja a
fossa séptica apresenta um volume útil já determinado de 2,1 m³
Solução:
1º Passo: Determinação do Volume de Contribuição Diária (V)
O volume de contribuição diária (V) adotado será o equivalente ao
volume útil da fossa séptica, já fornecido pelo problema de 2,1 m³.
2ºPasso: Determinação do coeficiente de infiltração (C1)
Para determinação do coeficiente de infiltração C1 é necessário realizar o
ensaio de infiltração conforme descrito no item B-9 da norma
NBR 7229/1993.
-Para solução do problema será considerado que o ensaio realizado para
infiltração foi o ensaio de infiltração através de cova cilíndrica com
emprego de trado. O maior tempo de infiltração para rebaixamento do
nível d’água de 1,3 cm foi de 10 min.
-Entrando na curva da figura 3, apresentada anteriormente: Gráfico para
determinação do coeficiente de infiltração, têm-se: C1=39 Litros /m² x dia
Fonte [1]
Modificado
3ºPasso: Cálculo da área de infiltração do solo
Para o cálculo da área de infiltração do solo utiliza-se fórmula
apresentada no item B-10 na norma NBR 7229/1993:
A= V/C1
Substituindo os dados obtidos nos passos anteriores:
V= 2,1 m³=2.100 litros
C1=39 litros/m² x dia
A= 2.100/ 39
A= 53,8 m²
4ºPasso: Determinação das dimensões do sumidouro
Obs: Para este dimensionamento, serão consideradas as áreas laterais
do sumidouro bem como a de fundo como superfícies de
infiltração, pois a norma NBR 7229/1993 permite que se
considere a área do fundo do sumidouro como permeável.
-O sumidouro adotado terá formato cilíndrico e o diâmetro será
inicialmente pré-estabelecido como D= 3,00 m.
-Com o diâmetro e a forma cilíndrica já estabelecidos, pode-se calcular
a profundidade h do sumidouro para que a área da superfície lateral
seja de 53,85 m². Assim:
A = 3,14 x R² + 2 x 3,14 x R x h
Em que:
A= 53,85 m² ; área de infiltração necessária, já calculada
R= 1,50 m ; Raio do cilindro com diâmetro D= 3,00 m
h= profundidade do sumidouro, equivalente a altura do cilindro
Assim:
53,85 = 3,14 x 1,50² + 2 x 3,14 x 1,50 x h
h= 4,96 m
Para fins práticos adota-se h= 5,00m. Logo, as dimensões do
sumidouro serão:
Diâmetro (D): 3,00 m
Profundidade (h): 5,00 m
-As dimensões do sumidouro poderiam ser reduzidas se fossem
adotados dois sumidouros.
-A distância da superfície inferior do sumidouro ao lençol freático deve
ser de no mínimo 1,50 m.
-Caso a distância mínima não seja cumprida pode-se tentar reduzir a
dimensão vertical do sumidouro aumentado as suas dimensões laterais
ou o número de sumidouros.
-Caso as alternativas acima não sejam viáveis deverão ser empregadas
valas de infiltração
Obs:
5º Passo: Detalhamento sumidouro-Vista Superior
5º Passo: Detalhamento sumidouro-Corte
6. O que s6. O que sãão as valas de infiltrao as valas de infiltraçãçãoo
e como funcionam?e como funcionam?
-Valas de infiltração: Conceito e aplicação
-As valas de infiltração consistem em um sistema de disposição
do efluente do tanque séptico, que orienta a sua infiltração no
solo e consiste em um conjunto ordenado de caixa de distribuição,
caixas de inspeção e tubulação perfurada assente sobre camada
suporte de pedra britada.
-O sistema é composto por um conjunto de canalizações
assentado a uma profundidade racionalmente fixada, em um solo
cujas características permitam a absorção do esgoto efluente da
fossa séptica conectada ao sistema
Figura 7: Fotos-valas de infiltração
-A percolação do líquido através do solo permitirá a mineralização
dos esgotos, antes que o mesmo se transforme em fonte de
contaminação das águas subterrâneas e de superfície que se deseja
proteger.
-As tubulações podem ser de manilhas de grés cerâmcias, com juntas
abertas, tubos porosos ou tubulações de PVC para drenagem.
-A região onde estão assentadas as canalizações de infiltração é
denominada campo de nitrificação.
7. Prescri7. Prescriçõções Normativas ees Normativas e
CritCritéérios de Dimensionamentorios de Dimensionamento
-As valas de infiltração devem preservar a qualidade as águas
superficiais e subterrâneas mediante estrita observância das
prescrições da NBR 7229/1993: Projeto, construção e operação
de sistemas de tanques sépticos.
•Deverá haver pelo menos duas valas de infiltração;
•O efluente da fossa séptica deverá ser distribuído eqüitativamente
pelas valas de infiltração por meio de caixas de distribuição;
•O comprimento máximo de cada vala de infiltração é de 30 m
•As valas escavadas no terreno deverão ter profundidade entre
0,60 m e 1,00 m, largura mínima de 0,50 m e máxima de 1,00 m.
•O diâmetro mínimo da tubulação é de 100 mm
•O espaçamento mínimo entre as laterais de duas valas de infiltração
é de 1,00 m.
•A tubulação deverá ser envolvida em material filtrante apropriado
e recomendável para cada tipo de tubo de drenagem empregado,
sendo que sua geratriz deve estar a 0,30 m acima da soleira das valas
de 0,50 m de largura ou até 0,30 m, para valas de 1,00 m de largura.
•Sobre a câmara filtrante deve ser colocado papelão alcatroado,
laminado de plástico, filme de termoplástico ou similar
•A declividade das tubulações deve ser de 1:300 a 1500
•A tubulação de efluente entre a fossa séptica e os tubos insaciados
nas valas deve ter juntas tomadas.
•O comprimento total das valas de infiltração é determinado em
função da capacidade de absorção do terreno, determinada segundo
as indicações estabelecidas pela norma no item B-9-Determinação da
capacidade de absorção do solo de maneira análoga ao estipulado
para o sumidouro. Deverá ser considerada como superfície útil de
absorção apenas o fundo da vala.
-Um esquema para execução das valas de infiltração é apresentado
a seguir:
Figura 7: Esquema valas de infiltração
Fonte [1]
8. Aspectos Construtivos8. Aspectos Construtivos
Resumindo, os dados médios de projeto são:
-diâmetro mínimo de canalização.............................................100 mm
-declividade da tubulação.................................................1:300 a 1:500
-comprimento máximo de cada linha....................................30,00 mm
-largura do fundo da vala................................................0,50 a 1,00 m
-A área de absorção necessária (comprimento das valas e largura
do fundo das valas) depende das características do solo, que são
obtidas em função dos testes de infiltração realizados de maneira
análoga ao apresentado para sumidouro.
8. Aspectos Construtivos8. Aspectos Construtivos
Recomendações:
• todas as linhas devem, preferivelmente, ter o mesmo comprimento;
• para permitir uma boa ventilação, as linhas podem terminar em
pequenos poços rasos (90 cm de diâmetro), preferivelmente cheios
de carvão ou cascalho;
•Com o fim de evitar intromissão de raízes nas canalizações e dados
disso decorrentes deve-se evitar a proximidade de árvores;
•O crescimento de gramas no campo de nitrificação auxilia a
absorção do líquido efluente, pela transpiração;
9. Exemplo de Dimensionamento9. Exemplo de Dimensionamento
Exemplo: Dimensionar um sistema de valas de infiltração para uma
residência cuja a fossa séptica apresenta um volume útil já determinado
de 2,1 m³.
Solução:
1º Passo: Determinação do Volume de Contribuição Diária (V)
O volume de contribuição diária (V) adotado será o equivalente ao
volume útil da fossa séptica, já fornecido pelo problema de 2,1 m³.
2ºPasso: Determinação do coeficiente de infiltração (C1)
Para determinação do coeficiente de infiltração C1 é necessário realizar o
ensaio de infiltração conforme descrito no item B-9 da norma
NBR 7229/1993.
-Para solução do problema será considerado que o ensaio realizado para
infiltração foi o ensaio de infiltração através de cova cilíndrica com
emprego de trado. O maior tempo de infiltração para rebaixamento do
nível d’água de 1,3 cm foi de 10 min.
-Entrando na curva da figura 3 apresentada anteriormente: Gráfico para
determinação do coeficiente de infiltração, têm-se: C1=39 Litros /m² x dia
Fonte [1]
Modificado
3ºPasso: Cálculo da área de infiltração do solo
Para o cálculo da área de infiltração do solo utiliza-se fórmula
apresentada no item B-10 na norma NBR 7229/1993:
A= V/C1
Substituindo os dados obtidos nos passos anteriores:
V= 2,1 m³=2.100 litros
C1=39 litros/m² x dia
A= 2.100/ 39
A= 53,8 m²
4ºPasso: Determinação das dimensões do sistema de valas de
infiltração
-Os procedimentos realizados até então foram similares aos passos
efetuados para o dimensionamento do sumidouro. A diferença será
apenas na distribuição geométrica da área necessária para infiltração
(53,85 m²), uma vez que, nas valas, a disposição espacial é diferente.
Como área de infiltração, serão consideradas apenas a área do fundo
De cada vala, que consistem em áreas retangulares
-A largura das valas será de 1,00 m.
-A profundidade total sob a superfície do terreno será de 0,70 m.
-A espessura da camada de solo sobre a camada de brita será de 0,20m
-A espessura da camada de brita sob a camada superficial de solo será de
0,50 m. (vide especificações recomendadas na figura 7 )
-Determinada a largura das valas (1,00 m), pode-se obter o valor do
comprimento total necessário (L) para gerar uma área de 53,85 m²
Assim:
Área = Largura X Comprimento Total
53,85 = 1,00 X Comprimento Total
Comprimento Total= 53,85 m
-Para projeto adota-se um comprimento total de 54,00 m
-Adotando-se 6 valas, cada uma terá comprimento de 9,00 m
-As dimensões finais serão:
•6 valas de 9,00 m de comprimento, 1,00 m de largura e 0,70 m de
profundidade.
OBS: Conforme observado o sistema de valas de infiltração necessita
de uma área útil considerável para sua execução, uma vez que só o
fundo da vala é considerado como área útil de infiltração.
O limite máximo de largura das valas que é de 1,00 m.
O espaçamento entre os centros das valas deverá ser de 1,00 m
5º Passo: Detalhamento do sistema de valas de infiltração
As figuras a seguir apresentam um esquema do sistema de
valas de infiltração dimensionadas.
Figura 8: Esquema em planta valas de infiltração
Obs: Para maiores detalhes consultar Figura 7
Figura 9: Esquema em corte valas de infiltração
Obs: Para maiores detalhes consultar Figura 7
9. Refer9. Referêências Bibliogrncias Bibliográáficasficas
[3] NBR 7229/1993- Projeto, construção e operação de sistemas de
Tanques sépticos.
[2] JORDÃO, Eduardo Pacheco & PESSÔA, Constantino Arruda.
Tratamento de Esgotos Domésticos. ABES. 3ª Edição. Rio de Janeiro
1995.
[1] CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. LTC .
6ª Edição.Rio de Janeiro.2006.
FIMFIM
Colaboradores:
Equipe Técnica do DETEC
Fevereiro de 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaluancaio_aguas
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasGiovanna Ortiz
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgotoGiovanna Ortiz
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Danilo Max
 
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Giovanna Ortiz
 
Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão Carlos Melo
 
Aula 7b lagoa aeradas decantação
Aula 7b lagoa aeradas decantaçãoAula 7b lagoa aeradas decantação
Aula 7b lagoa aeradas decantaçãoGiovanna Ortiz
 
Aula 6 lagoas aeradas facultativas
Aula 6 lagoas aeradas facultativasAula 6 lagoas aeradas facultativas
Aula 6 lagoas aeradas facultativasGiovanna Ortiz
 
1 tratamento de agua mistura rapida n
1 tratamento de agua mistura rapida n1 tratamento de agua mistura rapida n
1 tratamento de agua mistura rapida nHigor Bastos
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbanaDenielle100
 
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2Djair Felix
 
Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2marcosrei85
 

Mais procurados (20)

Apostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagemApostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagem
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
 
Apostila esgotamento sanitário
Apostila esgotamento sanitárioApostila esgotamento sanitário
Apostila esgotamento sanitário
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Taa 2
 
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
 
Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão
 
Rede de esgoto
Rede de esgotoRede de esgoto
Rede de esgoto
 
Aula 7b lagoa aeradas decantação
Aula 7b lagoa aeradas decantaçãoAula 7b lagoa aeradas decantação
Aula 7b lagoa aeradas decantação
 
Aula 6 lagoas aeradas facultativas
Aula 6 lagoas aeradas facultativasAula 6 lagoas aeradas facultativas
Aula 6 lagoas aeradas facultativas
 
1 tratamento de agua mistura rapida n
1 tratamento de agua mistura rapida n1 tratamento de agua mistura rapida n
1 tratamento de agua mistura rapida n
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
 
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
 
Aula 5 aeração
Aula 5   aeraçãoAula 5   aeração
Aula 5 aeração
 
Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Teli 1
 

Destaque

Trabalhos em valas
Trabalhos em valasTrabalhos em valas
Trabalhos em valasJupira Silva
 
Projeto mini estufa
Projeto mini estufaProjeto mini estufa
Projeto mini estufaangelalbres
 
Conheça o fogão ecológico
Conheça o fogão ecológicoConheça o fogão ecológico
Conheça o fogão ecológicoRoniele Maranhao
 
Permacultura-Ecovila Crystal Waters
Permacultura-Ecovila Crystal WatersPermacultura-Ecovila Crystal Waters
Permacultura-Ecovila Crystal WatersUniGaia-Brasil
 
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISONIntrodução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISONMíriam Morata Novaes
 
Manual de Permacultura
Manual de PermaculturaManual de Permacultura
Manual de PermaculturaGabolso
 
Permacultura no Brasil
Permacultura no BrasilPermacultura no Brasil
Permacultura no BrasilLucash Martins
 
Apostila banheiro-seco-adobe
Apostila banheiro-seco-adobeApostila banheiro-seco-adobe
Apostila banheiro-seco-adobe2016arqmiriam
 
Manual de construcao com bambu - oscar hidalgo
Manual de construcao com bambu - oscar hidalgoManual de construcao com bambu - oscar hidalgo
Manual de construcao com bambu - oscar hidalgomiriammorata
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksSlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareSlideShare
 

Destaque (18)

Trabalhos em valas
Trabalhos em valasTrabalhos em valas
Trabalhos em valas
 
Projeto mini estufa
Projeto mini estufaProjeto mini estufa
Projeto mini estufa
 
Lv de sms para serviços de escavação de valas
Lv de sms para serviços de escavação de valasLv de sms para serviços de escavação de valas
Lv de sms para serviços de escavação de valas
 
Fogão ecoeficiente
Fogão ecoeficienteFogão ecoeficiente
Fogão ecoeficiente
 
Valas
ValasValas
Valas
 
Conheça o fogão ecológico
Conheça o fogão ecológicoConheça o fogão ecológico
Conheça o fogão ecológico
 
Permacultura-Ecovila Crystal Waters
Permacultura-Ecovila Crystal WatersPermacultura-Ecovila Crystal Waters
Permacultura-Ecovila Crystal Waters
 
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISONIntrodução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISON
 
Introdução à Permacultura -Bill Mollison
 Introdução à Permacultura  -Bill Mollison    Introdução à Permacultura  -Bill Mollison
Introdução à Permacultura -Bill Mollison
 
Manual de Permacultura
Manual de PermaculturaManual de Permacultura
Manual de Permacultura
 
Permacultura no Brasil
Permacultura no BrasilPermacultura no Brasil
Permacultura no Brasil
 
Banheiroseco
BanheirosecoBanheiroseco
Banheiroseco
 
Apostila banheiro-seco-adobe
Apostila banheiro-seco-adobeApostila banheiro-seco-adobe
Apostila banheiro-seco-adobe
 
Permacultura completo
Permacultura   completoPermacultura   completo
Permacultura completo
 
Manual de construcao com bambu - oscar hidalgo
Manual de construcao com bambu - oscar hidalgoManual de construcao com bambu - oscar hidalgo
Manual de construcao com bambu - oscar hidalgo
 
Estufa ecologica-feita-de-bambu
Estufa ecologica-feita-de-bambuEstufa ecologica-feita-de-bambu
Estufa ecologica-feita-de-bambu
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Dimensionamento de sumidouros e valas de infiltração

Dimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasDimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasAna Silva
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Sistemas de rebaixamento de lençol freatico
Sistemas de rebaixamento de lençol freaticoSistemas de rebaixamento de lençol freatico
Sistemas de rebaixamento de lençol freaticoJaeferson Batista
 
Materiais utilizados em_drenagem
Materiais utilizados em_drenagemMateriais utilizados em_drenagem
Materiais utilizados em_drenagemPelo Siro
 
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfEnsaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfJeanMarques37
 
fundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdf
fundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdffundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdf
fundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdfMarcelaDiasAlves
 
Pt man sologrampeado
Pt man sologrampeadoPt man sologrampeado
Pt man sologrampeadoegues
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfAfonsoCuamba1
 
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxSISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxCamilaCamposGomezFam
 
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptxFUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptxAnaMachado812307
 
aula_sondagem.ppt
aula_sondagem.pptaula_sondagem.ppt
aula_sondagem.pptengkelson1
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaPublicaTUDO
 

Semelhante a Dimensionamento de sumidouros e valas de infiltração (20)

Dimensionamento fossas
Dimensionamento fossasDimensionamento fossas
Dimensionamento fossas
 
Dimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasDimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticas
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
 
Guia de instalação cisterna
Guia de instalação cisternaGuia de instalação cisterna
Guia de instalação cisterna
 
Caixas de gordura
Caixas de gorduraCaixas de gordura
Caixas de gordura
 
Sistemas de rebaixamento de lençol freatico
Sistemas de rebaixamento de lençol freaticoSistemas de rebaixamento de lençol freatico
Sistemas de rebaixamento de lençol freatico
 
Materiais utilizados em_drenagem
Materiais utilizados em_drenagemMateriais utilizados em_drenagem
Materiais utilizados em_drenagem
 
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfEnsaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
 
fundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdf
fundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdffundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdf
fundamentosdepavimentao-150517210937-lva1-app6891.pdf
 
Pt man sologrampeado
Pt man sologrampeadoPt man sologrampeado
Pt man sologrampeado
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
 
Agua fria
Agua friaAgua fria
Agua fria
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Drenagem
 
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxSISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
 
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptxFUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
 
Obras subterraneas
Obras subterraneasObras subterraneas
Obras subterraneas
 
aula_sondagem.ppt
aula_sondagem.pptaula_sondagem.ppt
aula_sondagem.ppt
 
Fundações
FundaçõesFundações
Fundações
 
Fundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentaçãoFundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentação
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
 

Último

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 

Último (6)

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 

Dimensionamento de sumidouros e valas de infiltração

  • 1. SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA
  • 2. SumSumááriorio 1-Generalidades 2-O que é o sumidouro e como funciona? 4-Prescrições Normativas e Critérios de Dimensionamento 5-Exemplo de Dimensionamento 3-Aspectos Construtivos 6-O que são as valas de infiltração e como funcionam? 7-Prescrições Normativas e Critérios de Dimensionamento 8-Aspectos Construtivos 9-Exemplo de Dimensionamento
  • 3. 1. Generalidades1. Generalidades -Após passar pela fossa, o efluente líquido, isento de materiais sedimentáveis e flutuantes (retidos na fossa) deve ser disposto de alguma forma no meio ambiente. -Entre os processos eficientes e econômicos de disposição do efluente líquido das fossas estão: • diluição (corpo d’água receptor) • sumidouro • vala de infiltração • vala de infiltração e filtro de areia
  • 4. -Para escolha do processo mais adequado devem ser considerados • Natureza e utilização do solo; • Profundidade do lençol freático; • Grau de permeabilidade do solo; • Utilização e localização da fonte de água de subsolo, utilizada para consumo humano; • Volume e taxa de renovação das águas de superfície; OBS: No Condomínio Alto da Boa Vista, as formas de disposição do esgoto adotadas são: sumidouro ou valas de infiltração. Sendo, esta última, empregada na quadra 206, onde o lençol freático é muito superficial.
  • 5. - O lançamento de esgoto no solo acarretará um transporte (vertical e horizontal) das matérias poluidoras, cuja distância e direção variarão principalmente com a porosidade do solo e a localização do lençol freático. - Pesquisas na Califórnia registram a presença de bactérias típicas dos esgotos, depois de 33 horas do lançamento de esgotos no subsolo, a uma distância de 30 m do ponto de disposição dos esgotos - Reduções nas concentrações também são registradas em virtude dos efeitos de filtração e mortalidade das bactérias. - A localização de poço para consumo de água deve considerar o círculo de influência da água consumida e possíveis interferências com a área contaminada pelo lançamento dos esgotos no solo.
  • 6. 2. O que2. O que éé o sumidouro e comoo sumidouro e como funciona?funciona? -Sumidouro: Conceito e aplicação - Os sumidouros consistem em escavações, cilíndricas ou prismáticas, tendo as paredes revestidas por tijolos, pedras ou outros materiais. A disposição desses materiais deve ser tal que permita fácil infiltração do líquido no terreno. -Os sumidouros tem a função de poços absorventes, recebendo os efluentes diretamente das fossas sépticas e permitindo sua infiltração no solo. - Possuem vida útil longa, devido à facilidade de infiltração do líquido praticamente isento dos sólidos causadores da colmatação.
  • 7. 3. Aspectos Construtivos3. Aspectos Construtivos -Os sumidouros devem ter as paredes revestidas de alvenaria de tijolos, assentes com juntas livres, ou de anéis (ou placas) pré- moldados de concreto, convenientemente fundos, e ter enchimento no fundo de cascalho, pedra britada e coque de pelo menos 0,50 m de espessura. -As lajes de cobertura dos sumidouros devem ficar ao nível do terreno, ser de concreto armado e dotadas de aberturas de inspeção com tampão de fechamento hermético, cuja menor dimensão em seção seja de 0,60 m:
  • 8. 4. Prescri4. Prescriçõções Normativas ees Normativas e CritCritéérios de Dimensionamentorios de Dimensionamento -Os sumidouros devem preservar a qualidade das águas superficiais e subterrâneas, mediante estrita observância das prescrições da NBR 7229/1993: Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. -A norma NBR 7229/1993 prevê três tipos básicos de sumidouros: • Cilíndricos sem enchimento • Cilíndricos com enchimento • Prismáticos • As figuras a seguir apresentam esquemas dos 3 tipos citados
  • 9. Figura 1:Esquema para sumidouros cilíndricos: com/sem enchimento Fonte: [1]
  • 10. Figura 2: Esquema para sumidouros prismáticos Fonte: [2]
  • 11. -As dimensões do sumidouros são determinadas em função da capacidade de absorção do terreno, calculada segundo prescritos no item: B-9-Determinação da capacidade de absorção do solo, da norma NBR-7229/1993. -Para determinação da capacidade de absorção do solo é necessário realizar um ensaio de de infiltração do solo. -Ensaio de infiltração do solo: A norma NBR-7229/1993 prevê duas alternativas para o ensaio. Uma em cova prismática e outra em cova cilíndrica.
  • 12. • Ensaio de infiltração em cova prismática-metodologia -Escolher três pontos do terreno próximos ao local onde será lançado o efluente da fossa séptica. -No caso de sumidouro, realizar escavações em profundidades diferentes e no fundo de cada uma das três escavações abrir uma cova de seção quadrada de 30 cm de lado e 30 cm de profundidade. (a escolha das profundidades pode ser feita a partir de um pré-dimensionamento utilizando os coeficientes de infiltração apresentados na Tabela 7 da Norma NBR-7229/1993-mostrada em seguida ) -No caso de valas de infiltração, a seção do fundo das covas previstas deve estar a uma profundidade em relação ao nível do terreno de no mínimo 0,60 m e no máximo 1m. O fundo das três covas também deverá ser em seção quadrada de 30 cm de lado e 30 cm de profundidade
  • 13. -Tabela 1: Tabela equivalente a tabela 7 da NBR 7229/1993- Possíveis Faixas de Variação de Coeficiente de infiltração: Nota: Os dados referem-se a uma aproximação. Os coeficientes de infiltração variam segundo o tipo dos solos não saturados. Em qualquer dos casos, é indispensável a confirmação destes dados por meio dos ensaios de infiltração do solo.
  • 14. -Raspar o fundo e os lados da cova, de modo que fiquem ásperos. Retirar da cova todo material solto e cobrir o seu fundo com uma camada de 5 cm de brita nº 1. -No dia seguinte, encher as covas com água e aguardar que estas se infiltrem totalmente. -No primeiro dia manter as covas cheias de água durante 4 h.
  • 15. -Com os tempos determinados no processo de infiltração das covas, é possível obter os coeficientes de infiltração do solo (L/m² x dia) na curva apresentada a seguir. (Adota-se o menor dos coeficientes determinados no ensaio) -Encher novamente as covas com água até a altura de 15 cm e cronometrar o período de rebaixamento de 15 cm até 14 cm, correspondente às alturas da água em cada cova. Quando este intervalo de tempo para rebaixamento de 1 cm se der em menos de 3 min, refazer o ensaio cinco vezes, adotando o tempo da quinta medição.
  • 16. Fonte [1] Figura 3:Gráfico para determinação do coeficiente de infiltração
  • 17. • Ensaio de infiltração em cova cilíndrica-emprego de trado- Metodologia: -O emprego do trado na determinação da capacidade de absorção do solo elimina a necessidade da escavação de valas, principalmente quando há necessidade de atingir níveis mais profundos. - Em três pontos do terreno a ser utilizado para disposição do efluente da fossa séptica em sumidouro, fazer perfurações verticais com trado de 30 cm de diâmetro, em profundidades diferentes, determinadas a partir de um pré-dimensionamento, conforme os coeficientes de infiltração mostrados na tabela 7 da norma, já apresentado anteriormente.
  • 18. - De maneira análoga ao previsto no ensaio de infiltração com cova prismática, deve-se raspar o fundo e os lados da cova para que fiquem ásperos e cobrir o fundo com uma camada de 5 cm de brita nº1. No primeiro dia de ensaio, manter as covas cheias de água durante 4 h. No dia seguinte encher as covas com água e aguardar que estas se infiltrem totalmente. - Em seguida, encher cada cilindro com água até a altura de 19 cm, cronometrando o período de tempo necessário para o rebaixamento do nível d’água de 1,3 cm, isto é, de 18 cm a 17,7 cm. Quando este período for menor que 3 min, refazer o ensaio cinco vezes, adotando o tempo da quinta medição. - Os coeficientes de infiltração do solo em L/ m² x dia pode ser obtido por meio do Gráfico para determinação do coeficiente de infiltração mostrado anteriormente.
  • 19. Figura 4: Esquema do ensaio de infiltração por cova cilíndrica Fonte: [2]
  • 20. -Determinação da Área de Absorção do solo: A área de infiltração necessária deve ser calculada pela seguinte fórmula: A= V C1 Em que: A= área de infiltração necessária, em m², para sumidouro ou vala de infiltração. V= volume de contribuição diária, em L/dia, que resulta da multiplicação do número de contribuintes (N) pela contribuição unitária de esgotos (C) C1= coeficiente de infiltração (L/m² x dia) obtido no gráfico para determinação do coeficiente de infiltração.
  • 21. Obs: -Recomenda-se como volume útil mínimo do sumidouro, o volume útil da fossa séptica contribuinte. -Apesar da norma considerar o fundo e as paredes como área de infiltração (A), como segurança, o projetista poderá contabilizar apenas a área lateral, desprezando a infiltração pelo fundo do sumidouro devido a colmatação. -A escolha entre a utilização de valas de infiltração ou sumidouros, deve levar em conta o nível do lençol freático. É prudente que o fundo da vala ou do sumidouro esteja no mínimo a 1,50 m acima do nível máximo do lençol freático.
  • 22. -Inspeção: -Os sumidouros e valas de infiltração devem sofrer inspeções semestrais. -Observadas a redução da capacidade de absorção do solo, novas unidades devem ser construídas.
  • 23. Figura 5: Esquema do sistema integrado, fossa séptica + sumidouro
  • 24. Figura 6: Esquema do sistema integrado: fossa séptica + sumidouro +rede de esgoto doméstica
  • 25. 8. Exemplo de Dimensionamento8. Exemplo de Dimensionamento Exemplo: Dimensionar um sumidouro para uma residência cuja a fossa séptica apresenta um volume útil já determinado de 2,1 m³ Solução: 1º Passo: Determinação do Volume de Contribuição Diária (V) O volume de contribuição diária (V) adotado será o equivalente ao volume útil da fossa séptica, já fornecido pelo problema de 2,1 m³. 2ºPasso: Determinação do coeficiente de infiltração (C1) Para determinação do coeficiente de infiltração C1 é necessário realizar o ensaio de infiltração conforme descrito no item B-9 da norma NBR 7229/1993.
  • 26. -Para solução do problema será considerado que o ensaio realizado para infiltração foi o ensaio de infiltração através de cova cilíndrica com emprego de trado. O maior tempo de infiltração para rebaixamento do nível d’água de 1,3 cm foi de 10 min. -Entrando na curva da figura 3, apresentada anteriormente: Gráfico para determinação do coeficiente de infiltração, têm-se: C1=39 Litros /m² x dia Fonte [1] Modificado
  • 27. 3ºPasso: Cálculo da área de infiltração do solo Para o cálculo da área de infiltração do solo utiliza-se fórmula apresentada no item B-10 na norma NBR 7229/1993: A= V/C1 Substituindo os dados obtidos nos passos anteriores: V= 2,1 m³=2.100 litros C1=39 litros/m² x dia A= 2.100/ 39 A= 53,8 m²
  • 28. 4ºPasso: Determinação das dimensões do sumidouro Obs: Para este dimensionamento, serão consideradas as áreas laterais do sumidouro bem como a de fundo como superfícies de infiltração, pois a norma NBR 7229/1993 permite que se considere a área do fundo do sumidouro como permeável. -O sumidouro adotado terá formato cilíndrico e o diâmetro será inicialmente pré-estabelecido como D= 3,00 m. -Com o diâmetro e a forma cilíndrica já estabelecidos, pode-se calcular a profundidade h do sumidouro para que a área da superfície lateral seja de 53,85 m². Assim: A = 3,14 x R² + 2 x 3,14 x R x h
  • 29. Em que: A= 53,85 m² ; área de infiltração necessária, já calculada R= 1,50 m ; Raio do cilindro com diâmetro D= 3,00 m h= profundidade do sumidouro, equivalente a altura do cilindro Assim: 53,85 = 3,14 x 1,50² + 2 x 3,14 x 1,50 x h h= 4,96 m Para fins práticos adota-se h= 5,00m. Logo, as dimensões do sumidouro serão: Diâmetro (D): 3,00 m Profundidade (h): 5,00 m
  • 30. -As dimensões do sumidouro poderiam ser reduzidas se fossem adotados dois sumidouros. -A distância da superfície inferior do sumidouro ao lençol freático deve ser de no mínimo 1,50 m. -Caso a distância mínima não seja cumprida pode-se tentar reduzir a dimensão vertical do sumidouro aumentado as suas dimensões laterais ou o número de sumidouros. -Caso as alternativas acima não sejam viáveis deverão ser empregadas valas de infiltração Obs:
  • 31. 5º Passo: Detalhamento sumidouro-Vista Superior
  • 32. 5º Passo: Detalhamento sumidouro-Corte
  • 33. 6. O que s6. O que sãão as valas de infiltrao as valas de infiltraçãçãoo e como funcionam?e como funcionam? -Valas de infiltração: Conceito e aplicação -As valas de infiltração consistem em um sistema de disposição do efluente do tanque séptico, que orienta a sua infiltração no solo e consiste em um conjunto ordenado de caixa de distribuição, caixas de inspeção e tubulação perfurada assente sobre camada suporte de pedra britada. -O sistema é composto por um conjunto de canalizações assentado a uma profundidade racionalmente fixada, em um solo cujas características permitam a absorção do esgoto efluente da fossa séptica conectada ao sistema
  • 34. Figura 7: Fotos-valas de infiltração
  • 35. -A percolação do líquido através do solo permitirá a mineralização dos esgotos, antes que o mesmo se transforme em fonte de contaminação das águas subterrâneas e de superfície que se deseja proteger. -As tubulações podem ser de manilhas de grés cerâmcias, com juntas abertas, tubos porosos ou tubulações de PVC para drenagem. -A região onde estão assentadas as canalizações de infiltração é denominada campo de nitrificação.
  • 36. 7. Prescri7. Prescriçõções Normativas ees Normativas e CritCritéérios de Dimensionamentorios de Dimensionamento -As valas de infiltração devem preservar a qualidade as águas superficiais e subterrâneas mediante estrita observância das prescrições da NBR 7229/1993: Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. •Deverá haver pelo menos duas valas de infiltração; •O efluente da fossa séptica deverá ser distribuído eqüitativamente pelas valas de infiltração por meio de caixas de distribuição; •O comprimento máximo de cada vala de infiltração é de 30 m
  • 37. •As valas escavadas no terreno deverão ter profundidade entre 0,60 m e 1,00 m, largura mínima de 0,50 m e máxima de 1,00 m. •O diâmetro mínimo da tubulação é de 100 mm •O espaçamento mínimo entre as laterais de duas valas de infiltração é de 1,00 m. •A tubulação deverá ser envolvida em material filtrante apropriado e recomendável para cada tipo de tubo de drenagem empregado, sendo que sua geratriz deve estar a 0,30 m acima da soleira das valas de 0,50 m de largura ou até 0,30 m, para valas de 1,00 m de largura. •Sobre a câmara filtrante deve ser colocado papelão alcatroado, laminado de plástico, filme de termoplástico ou similar
  • 38. •A declividade das tubulações deve ser de 1:300 a 1500 •A tubulação de efluente entre a fossa séptica e os tubos insaciados nas valas deve ter juntas tomadas. •O comprimento total das valas de infiltração é determinado em função da capacidade de absorção do terreno, determinada segundo as indicações estabelecidas pela norma no item B-9-Determinação da capacidade de absorção do solo de maneira análoga ao estipulado para o sumidouro. Deverá ser considerada como superfície útil de absorção apenas o fundo da vala. -Um esquema para execução das valas de infiltração é apresentado a seguir:
  • 39. Figura 7: Esquema valas de infiltração Fonte [1]
  • 40. 8. Aspectos Construtivos8. Aspectos Construtivos Resumindo, os dados médios de projeto são: -diâmetro mínimo de canalização.............................................100 mm -declividade da tubulação.................................................1:300 a 1:500 -comprimento máximo de cada linha....................................30,00 mm -largura do fundo da vala................................................0,50 a 1,00 m -A área de absorção necessária (comprimento das valas e largura do fundo das valas) depende das características do solo, que são obtidas em função dos testes de infiltração realizados de maneira análoga ao apresentado para sumidouro.
  • 41. 8. Aspectos Construtivos8. Aspectos Construtivos Recomendações: • todas as linhas devem, preferivelmente, ter o mesmo comprimento; • para permitir uma boa ventilação, as linhas podem terminar em pequenos poços rasos (90 cm de diâmetro), preferivelmente cheios de carvão ou cascalho; •Com o fim de evitar intromissão de raízes nas canalizações e dados disso decorrentes deve-se evitar a proximidade de árvores; •O crescimento de gramas no campo de nitrificação auxilia a absorção do líquido efluente, pela transpiração;
  • 42. 9. Exemplo de Dimensionamento9. Exemplo de Dimensionamento Exemplo: Dimensionar um sistema de valas de infiltração para uma residência cuja a fossa séptica apresenta um volume útil já determinado de 2,1 m³. Solução: 1º Passo: Determinação do Volume de Contribuição Diária (V) O volume de contribuição diária (V) adotado será o equivalente ao volume útil da fossa séptica, já fornecido pelo problema de 2,1 m³. 2ºPasso: Determinação do coeficiente de infiltração (C1) Para determinação do coeficiente de infiltração C1 é necessário realizar o ensaio de infiltração conforme descrito no item B-9 da norma NBR 7229/1993.
  • 43. -Para solução do problema será considerado que o ensaio realizado para infiltração foi o ensaio de infiltração através de cova cilíndrica com emprego de trado. O maior tempo de infiltração para rebaixamento do nível d’água de 1,3 cm foi de 10 min. -Entrando na curva da figura 3 apresentada anteriormente: Gráfico para determinação do coeficiente de infiltração, têm-se: C1=39 Litros /m² x dia Fonte [1] Modificado
  • 44. 3ºPasso: Cálculo da área de infiltração do solo Para o cálculo da área de infiltração do solo utiliza-se fórmula apresentada no item B-10 na norma NBR 7229/1993: A= V/C1 Substituindo os dados obtidos nos passos anteriores: V= 2,1 m³=2.100 litros C1=39 litros/m² x dia A= 2.100/ 39 A= 53,8 m²
  • 45. 4ºPasso: Determinação das dimensões do sistema de valas de infiltração -Os procedimentos realizados até então foram similares aos passos efetuados para o dimensionamento do sumidouro. A diferença será apenas na distribuição geométrica da área necessária para infiltração (53,85 m²), uma vez que, nas valas, a disposição espacial é diferente. Como área de infiltração, serão consideradas apenas a área do fundo De cada vala, que consistem em áreas retangulares -A largura das valas será de 1,00 m. -A profundidade total sob a superfície do terreno será de 0,70 m. -A espessura da camada de solo sobre a camada de brita será de 0,20m -A espessura da camada de brita sob a camada superficial de solo será de 0,50 m. (vide especificações recomendadas na figura 7 ) -Determinada a largura das valas (1,00 m), pode-se obter o valor do comprimento total necessário (L) para gerar uma área de 53,85 m²
  • 46. Assim: Área = Largura X Comprimento Total 53,85 = 1,00 X Comprimento Total Comprimento Total= 53,85 m -Para projeto adota-se um comprimento total de 54,00 m -Adotando-se 6 valas, cada uma terá comprimento de 9,00 m -As dimensões finais serão: •6 valas de 9,00 m de comprimento, 1,00 m de largura e 0,70 m de profundidade.
  • 47. OBS: Conforme observado o sistema de valas de infiltração necessita de uma área útil considerável para sua execução, uma vez que só o fundo da vala é considerado como área útil de infiltração. O limite máximo de largura das valas que é de 1,00 m. O espaçamento entre os centros das valas deverá ser de 1,00 m 5º Passo: Detalhamento do sistema de valas de infiltração As figuras a seguir apresentam um esquema do sistema de valas de infiltração dimensionadas.
  • 48. Figura 8: Esquema em planta valas de infiltração Obs: Para maiores detalhes consultar Figura 7
  • 49. Figura 9: Esquema em corte valas de infiltração Obs: Para maiores detalhes consultar Figura 7
  • 50. 9. Refer9. Referêências Bibliogrncias Bibliográáficasficas [3] NBR 7229/1993- Projeto, construção e operação de sistemas de Tanques sépticos. [2] JORDÃO, Eduardo Pacheco & PESSÔA, Constantino Arruda. Tratamento de Esgotos Domésticos. ABES. 3ª Edição. Rio de Janeiro 1995. [1] CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. LTC . 6ª Edição.Rio de Janeiro.2006.
  • 51. FIMFIM Colaboradores: Equipe Técnica do DETEC Fevereiro de 2008