Curso Inovação em Projetos Culturais

5.058 visualizações

Publicada em

www.inteligenciasociocriativa.com.br

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.058
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.344
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Inovação em Projetos Culturais

  1. 1. INOVAÇÃO EM PROJETOS CULTURAIS André Martinez
  2. 2. Inovação é um processo vivo e cocriativo. Como pensar as relações entre cultura, inovação e sustentabilidade? O que conservar dos princípios aprendidos durante a era industrial? Como transformar a energia da competitividade, da produtividade e do pensamento econômico linear em pensamento sistêmico e práticas cocriativas e colaborativas? Como garantir que contextos culturais, sociais, humanos, digitais e intangíveis contemplados pela economia criativa possam ajudar a gerar novos padrões econômicos, mais afetivos, mais orgânicos, mais sustentáveis? O curso Inovação em Projetos Culturais ajuda gestores e empreendedores a obterem máxima efetividade em projetos culturais, transformando-os em projetos sociocriativos: empreendimentos, organizações, políticas, estratégias e arranjos que buscam inovação social de forma sustentável e a partir de fluxos e processos criativos. O objetivo é preparar profissionais da cultura e da economia criativa para lidar com a complexidade do mundo contemporâneo, desenvolvendo um pensamento inovador, sistêmico, baseado em práticas de pesquisa e orientado ao design da efetividade.
  3. 3. PÚBLICO ALVO Gestores de projetos culturais, sociais e ambientais. Empreendedores, artistas, produtores culturais, gestores empresariais, gestores de organizações sociais. Gestores de programas e poíticas públicas. Gestores de processos pró-desenvolvimento comunitário sustentável. Profissionais da economia criativa em geral. Ativistas da sustentabilidade sócio-ambiental. Pesquisadores, estudantes universitários interessados em empreendimentos culturais, criativos inovadores e sustentáveis. FORMATOS Palestra | 2 a 4 horas-aula (1 turno) Minicurso | 8 a 10 horas-aula (2 a 3 turnos) Imersão | 12 a 16 horas-aula (3 a 4 turnos) Jornada | 20 a 30 horas-aula (6 a 10 turnos)
  4. 4. ESPERA-SE QUE OS PARTICIPANTES Aprendam como utilizar e/ou desenvolver, em seu trabalho como empreendedores ou gestores, metodologias para planejar, agir, observar e refletir de maneira mais efetiva, colaborativa e expansiva; Visualizem e assumam em suas práticas e pensamentos novas perspectivas, mais sistêmicas e complexas, sobre a própria experiência, formulando questões e articulando soluções até então inéditas em relação ao trabalho que desenvolvem; Apropriem-se dos conceitos apresentados a ponto de poder realizar autonomamente pesquisas que os permitam aprofundar o conhecimento adquirido e, assim, encontrar os próprios meios para colocar tais conceitos em prática; Articulem-se em redes de colaboração e conhecimento para coempreender projetos com ecoefetividade e de alto impacto territorial.
  5. 5. CONTEÚDOS Análise Dinergética e Planejamento Complexo | Cultura de Rede e teoria dos Sistemas, novas perspectivas para design e gestão. Sistemas Vivos: autonomia, organicidade, fluxos, auto-eco-poiese, acoplamento estrutural, feedback. Aprendizagem e desenvolvimento sustentável. Pensamento linear-cartesiano e pensamento complexo. Operador dialógico. Circularidade. Fractalidade. Interdisciplinaridade. Dinergia: quando “o limitado dá forma ao ilimitado”. Método dinergético. Quatro elementos: Sentido (fogo), Propósito (ar), Método (terra), Aprendizado (água). Círculos de sentidos e vetores de propósitos. Intercontextualidade e interconectividade. Inteligência Sociocriativa / Patrimônio Vivo Cultural, Criativo e Socioambiental | Noções gerais de Inteligência Sociocriativa / Ecoefetividade e impacto. Contextos colaborativos: instrumentos, linguagens e conteúdos; desenvolvimento humano e direitos culturais; emancipação econômica; identidade e patrimônio vivo; articulação em redes; governança e participação social; diversidade em diálogo; pesquisa em ação. Ativos Culturais e Criativos / Empreendedorismo Criativo e Direitos Econômicos | Provendo instrumentos, linguagens e conteúdos para o mercado e a sociedade; Expressão artística e estética: arte e aprendizagem expansiva; Públicos intérpretes-criadores- realizadores / Economia criativa e desenvolvimento sustentável.
  6. 6. CONTEÚDOS Diversidade em Diálogo / Pesquisa em Ação | Abordagem empreendedora a partir do princípio da diversidade cultural; Não-violência ativa e resolução de conflitos; T3C – Tecnologias de Convivência, Co-criação e Colaboração. Empreendedorismo e produção de conhecimento: metodologia de pesquisa–ação colaborativa, noções gerais. Articulação em Redes / Democratização e Coempreendedorismo | Diálogo com agendas públicas locais, nacionais e intergovernamentais, participação socioeconomica; Redes de colaboração e redes de conhecimento / Cooperação. Legitimidade social e comunitária; Uso de tecnologias para viabilizar a cogestão direta ou indireta pelos segmentos e mercados envolvidos no empreendimento; Governanças setoriais e intersetoriais. Laboratório Sociocriativo | Dinâmicas de conversação dialógica (baseadas em métodos de pesquisa-ação e investigação apreciativa) para descobrir, inventariar e articular os potenciais existentes em sinergia no grupo participante; Produção de um inventário colaborativo de recursos disponíveis, capacidades profissionais, vontades políticas, valores humanos, entre outras possibilidades existentes no grupo e suas redes; Articulação de vetores de colaboração dentro do grupo.
  7. 7. Alguns depoimentos de participantes “Pensar em projetos criativos a partir de tudo aquilo que faz realmente sentido, que nos anima e nos comove, tendo a consciência da capacidade de transformar as coisas, é um aprendizado que levarei para a vida inteira.” Márcia Carvalho – jornalista – Belém PA “Teoria dos sistemas, biologia, física quântica, budismo, taoísmo, geometria sagrada - tudo entrou na dança do fazer arte/cultura/entretenimento e fez sentido, mais do que em qualquer outro momento da vida. Me sinto mais preparado como empreendedor e como artista. É como se tivesse mudado de fase no vídeo game: ainda não cheguei no chefão, mas desbloqueei novas armas.” David Dines - músico – Belo Horizonte MG. “De tantas formações na área de produção cultural, esse foi o mais provocativo, consistente e que efetivamente deu novos significados ao meu trabalho. Permita- se pensar noutras rotações, vale a pena!” Canela Borges – empreendedora criativa - São Paulo SP
  8. 8. www.inteligenciasociocriativa.com.br https://www.facebook.com/inteligenciasociocriativa https://www.facebook.com/andremartinezaprax www.andremartinezcult.com Copyright 2014 | Todos os diretos reservados para Laboratório de Inteligência Sociocriativa

×