Filo annelida

1.080 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.080
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filo annelida

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSOUNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLISCAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAISINSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICASDEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FILO ANNELIDAFILO ANNELIDA Rondonópolis-MT 2013 Prof.: André Valuz
  2. 2. CLASSESCLASSES  Oligochaeta.Oligochaeta.  Polychaeta.Polychaeta.  Hirudinea.Hirudinea.
  3. 3. CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICAS  Corpo alongado e cilíndrico.Corpo alongado e cilíndrico.  Formado por segmentos (anéis)Formado por segmentos (anéis) dispostos em seqüência.dispostos em seqüência.  Hábitat:Hábitat: › Dulcícola.Dulcícola. › Marinho.Marinho. › Terrestre úmido.Terrestre úmido.
  4. 4. CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICAS  Expansões laterais semelhantes aExpansões laterais semelhantes a pernas.pernas. › Presente em alguns marinhos.Presente em alguns marinhos. › Auxílio no rastejamento sobre o fundo doAuxílio no rastejamento sobre o fundo do mar.mar.  Alguns tubícolas.Alguns tubícolas. › Vivem dentro de tubos que constroem.Vivem dentro de tubos que constroem.  Rios, lagos e charcos.Rios, lagos e charcos. › Minhocas aquáticas.Minhocas aquáticas. › Sanguessugas.Sanguessugas.
  5. 5. Classe oligochaetaClasse oligochaeta  Lumbricus terrestrisLumbricus terrestris
  6. 6. Classe polychaetaClasse polychaeta  Perinereis amblyodontaPerinereis amblyodonta
  7. 7. Classe hirudineaClasse hirudinea  Haemopis sanguisugaHaemopis sanguisuga
  8. 8. CLASSE OLIGOCHAETACLASSE OLIGOCHAETA  Gr.:Gr.: oligosoligos = pouco;= pouco; chaitechaite = pêlo, cerda.= pêlo, cerda.  Poucas cerdas corporais.Poucas cerdas corporais.  Cerdas:Cerdas: › Projeções corporais rígidas.Projeções corporais rígidas. › Constituição: Quitina.Constituição: Quitina. › Apoio no solo.Apoio no solo. › Facilitação da locomoção.Facilitação da locomoção. › Difícil ver.Difícil ver.
  9. 9. CERDASCERDAS
  10. 10. CLASSE OLIGOCHAETACLASSE OLIGOCHAETA  Oligoquetos.Oligoquetos.  Tamanho diverso:Tamanho diverso:  1 mm de comprimento.1 mm de comprimento.  2 m de comprimento.2 m de comprimento.  Minhocoçu brasileira.Minhocoçu brasileira.  2,5 cm de diâmetro.2,5 cm de diâmetro. Minhoca.wmvMinhoca.wmv Rhinodrils fafneri
  11. 11. CLASSE OLIGOCHAETACLASSE OLIGOCHAETA  Hábitat:Hábitat:  Solos úmidos.Solos úmidos.  Água doce.Água doce.  Ex.:Ex.: Tubifex.Tubifex.  Pequenas minhocas avermelhadas.Pequenas minhocas avermelhadas.  Tubícolas junto ao lodo do fundo deTubícolas junto ao lodo do fundo de lagos e rios de águas poluídas.lagos e rios de águas poluídas.  Alimentos: Detritos.Alimentos: Detritos.  Indicador positivo de poluição da águaIndicador positivo de poluição da água por detritos orgânicos.por detritos orgânicos.
  12. 12. IMPORTÂNCIA ECOLÓGICAIMPORTÂNCIA ECOLÓGICA  Minhocas do solo:Minhocas do solo:  Auxilia decomposição.Auxilia decomposição.  Alimento – Restos de vegetais (folhas caídas).Alimento – Restos de vegetais (folhas caídas). Fertilização do solo.Fertilização do solo. Oxigenação das raízes das plantas.Oxigenação das raízes das plantas.  Escavação de túneis no solo.Escavação de túneis no solo.  Dia – Túneis.Dia – Túneis.  Noite – Saída para acasalamento eNoite – Saída para acasalamento e alimentação.alimentação.
  13. 13. HúmusHúmus  Terra.Terra.  Detritos orgânicos.Detritos orgânicos.  SubstânciasSubstâncias nitrogenadas.nitrogenadas.  Minhocário.Minhocário.
  14. 14. CLASSE POLICHAETACLASSE POLICHAETA  Gr.:Gr.: polyspolys = muito.= muito.  Poliquetos.Poliquetos.  Presença de numerosas cerdas corporais.Presença de numerosas cerdas corporais.  PARAPÓDIOS (Parápodes):PARAPÓDIOS (Parápodes):  Local de implantação das cerdas.Local de implantação das cerdas.  Expansões laterais de cada segmento.Expansões laterais de cada segmento.  Gr.:Gr.: parapara = semelhante;= semelhante; podospodos = pé, perna.= pé, perna.
  15. 15. CLASSE POLICHAETACLASSE POLICHAETA  Parápodes:Parápodes: › Auxílio na locomoção.Auxílio na locomoção. › Membros locomotores.Membros locomotores.  Cabeça:Cabeça: › Possuem (diferente das minhocas).Possuem (diferente das minhocas). › Presença de apêndices sensoriais.Presença de apêndices sensoriais.  Palpos.Palpos.  Tentáculos.Tentáculos.  Cerdas.Cerdas.
  16. 16. CLASSE POLICHAETACLASSE POLICHAETA  Hábitat:Hábitat: › Maioria marinha.Maioria marinha. › Nereis virens.Nereis virens.  Nereida.Nereida.  Predadores.Predadores.  Rastejamento ativoRastejamento ativo pelo fundo do mar.pelo fundo do mar.  Busca por alimentosBusca por alimentos.. Alitta succinea.wmvAlitta succinea.wmv Poliqueta marinha.
  17. 17. CLASSE POLICHAETACLASSE POLICHAETA › Chaetopterus.Chaetopterus.  Tubícolas.Tubícolas.  Paredes do tubo:Paredes do tubo: grãos de areiagrãos de areia cimentados oucimentados ou calcário.calcário.  Alimento: Larvas eAlimento: Larvas e microcrustáceosmicrocrustáceos filtrados da água.filtrados da água. Poliqueto tubícola.
  18. 18. CLASSE HIRUDINEACLASSE HIRUDINEA  Hirudíneos.Hirudíneos.  Sem cerdas e parápodes.Sem cerdas e parápodes.  Corpo ligeiramente achatadoCorpo ligeiramente achatado dorsiventralmente.dorsiventralmente.  Popular: Sanguessuga.Popular: Sanguessuga. › Alimento: Sangue de vertebrados.Alimento: Sangue de vertebrados.  Hábitat:Hábitat: › Água doce.Água doce. › Brejos.Brejos. › Pântanos.Pântanos.
  19. 19. CLASSE HIRUDINEACLASSE HIRUDINEA  Sanguessuga:Sanguessuga:  2 ventosas – fixação.2 ventosas – fixação.  1 ao redor da boca (VENTOSA ORAL ou1 ao redor da boca (VENTOSA ORAL ou ANTERIOR).ANTERIOR).  1 na extremidade oposta (VENTOSA1 na extremidade oposta (VENTOSA POSTERIOR).POSTERIOR).  Fixação no hospedeiro:Fixação no hospedeiro:  Por ventosas.Por ventosas.  Perfuração da pele sem dorPerfuração da pele sem dor..  Sanguessuga.wmvSanguessuga.wmv
  20. 20. CLASSE HIRUDINEACLASSE HIRUDINEA  Sanguessuga:Sanguessuga:  Hirudo medicinalis.Hirudo medicinalis.  Entre 5 e 45 cm.Entre 5 e 45 cm.  Uso em sangrias.Uso em sangrias.  Remoção de doençasRemoção de doenças por retirada depor retirada de sangue.sangue.  Abandono em meadosAbandono em meados do séc. XIX.do séc. XIX.  Uso atual:Uso atual:  Remoção deRemoção de hematomas.hematomas.
  21. 21. ANATOMIA E FISIOLOGIAANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANELÍDEOSDOS ANELÍDEOS  Simetria bilateral.Simetria bilateral.  Triblásticos.Triblásticos.  Sistema digestório completo.Sistema digestório completo.  São animais celomados.São animais celomados.  Têm o corpo dividido em segmentos ouTêm o corpo dividido em segmentos ou metâmeros que se repetem ao longo dometâmeros que se repetem ao longo do comprimento –comprimento – METAMERIAMETAMERIA..
  22. 22. REVESTIMENTO CORPORALREVESTIMENTO CORPORAL E SISTEMA MUSCULARE SISTEMA MUSCULAR  Pheretima hawayanaPheretima hawayana (minhoca-louca).(minhoca-louca).  Corpo revestido por cutícula fina eCorpo revestido por cutícula fina e transparente.transparente.  Secretada pela epiderme.Secretada pela epiderme.  Embaixo dela encontra-se a musculatura doEmbaixo dela encontra-se a musculatura do animal.animal.  Na fase adulta seu corpo é formado por 85 aNa fase adulta seu corpo é formado por 85 a 95 metâmeros.95 metâmeros.
  23. 23. SISTEMA DIGESTÓRIOSISTEMA DIGESTÓRIO  MINHOCAS.MINHOCAS.  Se alimentam de detritos vegetais emSe alimentam de detritos vegetais em decomposição, larvas microorganismos edecomposição, larvas microorganismos e pequenos animais, vivos ou mortos.pequenos animais, vivos ou mortos.  Têm sistema digestório completo.Têm sistema digestório completo.  Boca localizada no primeiro metâmero.Boca localizada no primeiro metâmero. Prostômio - Equivalente a um lábioProstômio - Equivalente a um lábio utilizado para cavar.utilizado para cavar.
  24. 24. SISTEMA DIGESTÓRIOSISTEMA DIGESTÓRIO  FARINGE.FARINGE.  Possibilita sugar terra e alimento.Possibilita sugar terra e alimento.  PAPO.PAPO.  Ligado a glândulas que lubrificam e umedecem osLigado a glândulas que lubrificam e umedecem os alimentos.alimentos.  MOELA.MOELA.  Tritura os alimentos facilitando sua digestão.Tritura os alimentos facilitando sua digestão.  INTESTINO.INTESTINO.  Duas expansões laterais – cecos intestinaisDuas expansões laterais – cecos intestinais..  ÂNUS.ÂNUS.  Eliminação do material inaproveitado.Eliminação do material inaproveitado.  Húmus.Húmus.
  25. 25. SISTEMA DIGESTÓRIOSISTEMA DIGESTÓRIO
  26. 26. SISTEMA CIRCULATÓRIO ESISTEMA CIRCULATÓRIO E RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO  Sistema circulatório fechado.Sistema circulatório fechado.  O sangue circula sempre dentro de vasosO sangue circula sempre dentro de vasos sanguíneos.sanguíneos.  Um grande vaso dorsal.Um grande vaso dorsal.  Conduz o sangue da região posterior para aConduz o sangue da região posterior para a região anterior do corpo.região anterior do corpo.  Dois vasos ventrais.Dois vasos ventrais.  Conduzem o sangue em sentido contrário.Conduzem o sangue em sentido contrário.  Ligados a rede de finos capilares.Ligados a rede de finos capilares.  irrigam as diversas partes do corpo.irrigam as diversas partes do corpo.
  27. 27. SISTEMA CIRCULATÓRIO ESISTEMA CIRCULATÓRIO E RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO
  28. 28. RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO  RESPIRAÇÃO CUTÂNEA.RESPIRAÇÃO CUTÂNEA.  Pele umedecida.Pele umedecida. Difusão de gases respiratórios.Difusão de gases respiratórios. Líquido eliminado por poros dorsais emLíquido eliminado por poros dorsais em sua superfície corporal (origem – líquido dosua superfície corporal (origem – líquido do celoma).celoma).  Branquial: através de projeções especiaisBranquial: através de projeções especiais do corpo ou brânquias modificadas –do corpo ou brânquias modificadas – comum em anelídeos aquáticos.comum em anelídeos aquáticos.
  29. 29. SISTEMA EXCRETORSISTEMA EXCRETOR  Metanefrídeos.Metanefrídeos.  NEFRIDIÓPOROS.NEFRIDIÓPOROS.  Poros excretores.Poros excretores.  Elimina excreções para exterior.Elimina excreções para exterior.  Aos pares por segmento corporal.Aos pares por segmento corporal.  Amônia.Amônia.  Principal produto da excreção.Principal produto da excreção.  Fertilizam o solo (junto com fezes).Fertilizam o solo (junto com fezes).
  30. 30. SISTEMA EXCRETORSISTEMA EXCRETOR
  31. 31. SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO  Gânglios Cerebrais.Gânglios Cerebrais.  Um par.Um par.  Dorsalmente à faringe.Dorsalmente à faringe.  Cordões Nervosos Ventrais.Cordões Nervosos Ventrais.  Dois.Dois.  Um par de gânglios por metâmero.Um par de gânglios por metâmero.
  32. 32. SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
  33. 33. SISTEMA SENSORIALSISTEMA SENSORIAL  Pouco desenvolvido.Pouco desenvolvido.  Células epidérmicas especializadas.Células epidérmicas especializadas.  Estímulos:Estímulos:  Mecânicos.Mecânicos.  Químicos.Químicos.  Térmicos.Térmicos.  Extremidade anterior.Extremidade anterior.  Estímulos luminosos:Estímulos luminosos:  Claro ou escuro.Claro ou escuro.
  34. 34. REPRODUÇÃOREPRODUÇÃO  Sexuada.Sexuada.  Poliquetos marinhos:Poliquetos marinhos:  Dióicos.Dióicos.  Fecundação externa.Fecundação externa.  DesenvolvimentoDesenvolvimento indireto.indireto.  Larva Trocófora.Larva Trocófora.  Evidência doEvidência do parentesco comparentesco com moluscos.moluscos.  ESTÁGIO LARVAL DE POLIQUETOESTÁGIO LARVAL DE POLIQUETO
  35. 35. REPRODUÇÃOREPRODUÇÃO  Oligoquetos e Hirudíneos.Oligoquetos e Hirudíneos.  Monóicos.Monóicos.  Desenvolvimento direto.Desenvolvimento direto.
  36. 36. REPRODUÇÃO DEREPRODUÇÃO DE MINHOCASMINHOCAS  Face ventral dos segmentos 6, 7 e 8.Face ventral dos segmentos 6, 7 e 8.  3 pares de orifícios.3 pares de orifícios.  Aberturas dos RECEPTÁCULOS SEMINAIS.Aberturas dos RECEPTÁCULOS SEMINAIS.  Armazenamento de espermatozóides de outraArmazenamento de espermatozóides de outra minhoca.minhoca.  Região do clitelo (ventral).Região do clitelo (ventral).  1 par de orifícios.1 par de orifícios.  POROS GENITAIS FEMININOS.POROS GENITAIS FEMININOS.  Conexão interna com os OVIDUTOS.Conexão interna com os OVIDUTOS.  ÓVULOS e OVÁRIOÓVULOS e OVÁRIO
  37. 37. REPRODUÇÃO DEREPRODUÇÃO DE MINHOCASMINHOCAS  Parte masculina:Parte masculina:  2 pares de testículos.2 pares de testículos.  2 pares de vesículas seminais.2 pares de vesículas seminais.  1 par de túbulos seminíferos.1 par de túbulos seminíferos.  1 par de glândulas prostáticas.1 par de glândulas prostáticas.  Testículos:Testículos:  Produzem os espermatozóides.Produzem os espermatozóides.  Vesículas seminais:Vesículas seminais:  Armazenam espermatozóides.Armazenam espermatozóides.
  38. 38. REPRODUÇÃO DEREPRODUÇÃO DE MINHOCASMINHOCAS
  39. 39. CÓPULACÓPULA  Hábito noturno.Hábito noturno.  Fora dos túneis subterrâneos.Fora dos túneis subterrâneos.  Extremidades posteriores dentro do túnel.Extremidades posteriores dentro do túnel.  União de superfícies ventrais.União de superfícies ventrais.  Separação.Separação.  Secreção de tubo mucoso em torno doSecreção de tubo mucoso em torno do clitelo.clitelo.  Deslocamento do tubo mucoso emDeslocamento do tubo mucoso em direção à extremidade anterior.direção à extremidade anterior.
  40. 40. CÓPULACÓPULA  Fecundação externa:Fecundação externa:  Dentro do casulo.Dentro do casulo.  Fora da minhoca.Fora da minhoca.  Casulo desliza até ser expelido.Casulo desliza até ser expelido.  Fechamento de suas extremidades.Fechamento de suas extremidades.  Desenvolvimento dos óvulos no interior doDesenvolvimento dos óvulos no interior do casulo.casulo.  Desenvolvimento direto.Desenvolvimento direto.  Minhocas jovem.Minhocas jovem.
  41. 41. Referências BibliográficasReferências Bibliográficas  BRUSCA, R.C.: BRUSCA, G.J.BRUSCA, R.C.: BRUSCA, G.J. Invertebrados.Invertebrados. 22 ed – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.ed – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.  MOORE, J.MOORE, J. Uma introdução aos Invertenbrados.Uma introdução aos Invertenbrados. Trad. GIANNINI, M.LTrad. GIANNINI, M.L –– São Paulo: Santos,São Paulo: Santos, 2003.2003.  RUPPERT, E. E.; BARNES, R.D.RUPPERT, E. E.; BARNES, R.D. Zoologia dosZoologia dos InvertebradosInvertebrados. 6 ed. São Paulo: Ed. Roca. 1996.. 6 ed. São Paulo: Ed. Roca. 1996.
  42. 42. Obrigado pela AtençãoObrigado pela Atenção

×