Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividade

6.888 visualizações

Publicada em

dinamicas de sala de aula

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.888
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividade

  1. 1. DINÂMICA PARA EXERCITAR E AUMENTAR A CRIATIVIDADE - 1001 UTILIDADES DE UM CLIPS OBJETIVO: Exercitar a criatividade. Conhecer estratégias para deixar fluir a criatividade. Experenciar a Técnica de “Brainstorm” (Tempestade de Ideias) PARTICIPANTES: Até 25 TEMPO: 1h30 MATERIAL: Papel sulfite, lápis, clips, cartaz com as Estratégias para Aumentar e Deixar Fluir a Criatividade. DESCRIÇÃO: O facilitador explica ao grupo que farão uma atividade para exercitar a criatividade. DESENVOLVIMENTO: 1-Dividir os participantes em grupos de até 5 participantes, cada. 2-Entregar, papel, lápis e um clips para cada grupo e explicar que a tarefa é que relacionem a maior quantidade de utilidades de um clips. 3-Explicar que para atingir o maior número de utilidades para o clips irão utilizar uma técnica que se chama Brainstorm ou Tempestade de Ideias. Dizer que Brainstorming é uma expressão inglesa formada pela junção das palavras "brain", que significa cérebro, intelecto e "storm", que significa tempestade. É um método criado nos Estados Unidos, pelo publicitário Alex Osborn, usado para exercitar e explorar a capacidade criativa de indivíduos ou grupos. É muito utilizada na área de criação de propaganda e campanhas de marketing. Essa técnica propõe que um grupo de pessoas se reúna e utilize suas ideias e pensamentos de forma livre a partir de um tema proposto para obter ideias inovadoras e originais. 4- Dizer que nessa técnica existem algumas regras a serem seguidas. (É interessante colocar as regras no quadro ou em um cartaz para melhor fixação). -É proibido debates e críticas às ideias apresentadas, pois causam inibições, quanto mais ideias melhor. -Nenhuma ideia deve ser desprezada, ou seja, as pessoas têm liberdade total para falarem o que quiserem. -Podem-se apresentar ideias modificadas ou combinação de ideias que já foram apresentadas. -Todos devem ter igualmente oportunidade e chance de expor suas ideias. 5-Após todos terem compreendido a técnica e as regras iniciar a atividade propriamente dita. - Pedir para que elejam um redator em cada grupo que terá a responsabilidade de anotar todas as ideias propostas. - - Estabeleça um tempo de 10’ para que executem a tarefa de elencar a maior quantidade de utilidades que um clips pode ter. 6-Ao final desse prazo o facilitador pede para o grupo formar um semicírculo e inicia a coleta dos dados, anotando na lousa ou quadro. 7- Quando todas as sugestões estiverem listadas, fazer uma votação para escolher a 5 mais originais e criativas. Note que nesse caso não é muito importante a escolha em si das mais criativas, mas o processo pelo qual passaram para chegarem a um resultado. DISCUSSÃO: Depois de terminada a atividade o facilitador pergunta ao grupo: 1-Como se sentiram durante a atividade? 2-Surpreenderam-se pela quantidade de usos que um clips pode ter? 3-Conseguiram deixar a censura e a crítica de Lado? 4-Avaliam que conseguiram ter um resultado criativo?
  2. 2. Levar o grupo a refletir sobre a necessidade de não ser crítico, ser flexível, e deixar fluir os pensamentos para depois avaliá-los e chegar a uma conclusão sobre determinado tema ou busca de solução para um problema. Que para que a criatividade flua é preciso se deixar levar primeiro e depois usar as habilidades racionais e críticas. Perguntar: Levando-se em consideração essa vivência, que estratégias poderíamos usar para aproveitar melhor nosso potencial criativo? Levar o grupo a perceber que algumas ações podem ajudar a deixar fluir a criatividade. Utilizar o cartaz: Estratégias para Aumentar e Deixar Fluir a Criatividade, com as seguintes sugestões: - Sonhar acordado, isto é se permitir fazer devaneios. - Reservar períodos durante o dia para relaxar e se desviar dos assuntos que está tratando. - Dormir por 15’, após o almoço. - Deixar-se pensar como uma criança, sem ideias pré-concebidas ou censura. - Permitir-se rir e ver o lado bom das coisas. - Afastar-se do problema ou questão por alguns minutos. - Permitir-se sair do lugar comum ou das tradições, normas e regras. - Tentar dormir pelo menos 8 horas por noite. - Meditar - Dar uma ordem mental para o cérebro, antes de dormir e buscar relaxar e se desapegar do problema. Muitas pessoas têm ideias ou conseguem achar soluções durante os sonhos. - Usar o momento do banho para relaxar. Várias ideias ou soluções são obtidas durante o banho. - Etc. DINÂMICA – Para trabalhar entrosamento grupal e trabalho em equipe DINÂMICA – Fábrica de Barcos PARTICIPANTES: até 20 pessoas. TEMPO: de 1h30 (depende da quantidade de participantes, do grau de exposição individual e do nível de envolvimento do grupo na atividade). MATERIAL: Folhas de revistas usadas, réguas. OBJETIVO: Para o Grupo – Trabalho em equipe, Comunicação verbal, Criatividade, Gestão de tempo, Liderança, Negociação e gestão de conflitos e Melhorar o entrosamento do grupo, percepção de como nossas atitudes e comportamentos influenciam o grupo. Para o instrutor - Conhecer melhor como o grupo trabalha e como as pessoas interagem entre si. DESCRIÇÃO: O facilitador diz ao grupo que o mesmo será dividido em subgrupos e que cada um desses subgrupos representará uma empresa que produz barcos, aqui representados por barquinhos de papel. Diz que um empresário precisa presentear os filhos de seus clientes com barquinhos, que as empresas participarão de uma concorrência e a ganhadora fornecerá os barquinhos. Só poderá vencer a concorrência se tiver
  3. 3. produzido no mínimo 20 barquinhos no prazo estipulado de 10 dias (equivalentes a 10 minutos). Preenchido esse primeiro requisito vencerá a concorrência a empresa que conseguir o melhor resultado, levando-se em consideração os seguintes critérios. - Maior quantidade de barcos produzidos - Qualidade dos barcos produzidos. - Uso de Criatividade para produção dos braços. PROCESSO: 1- O facilitador pede para o grupo dividir-se em subgrupos de aproximadamente 5 participantes e que elejam um líder para cada um dos grupos. Cada subgrupo representará uma empresa. 2- O facilitador conduz os líderes para fora da sala, orientando-os que o papel deles será o de motivar a equipe para produzir em larga escala, observando a qualidade, quantidade e criatividade. Os líderes não saberão que existem papéis divergentes em seus grupos. 3. Enquanto os líderes estão fora da sala, os outros participantes serão informados que cada membro do grupo irá assumir um determinado papel como segue: (O facilitador pode escolher um dos papéis abaixo ou criar um de acordo com as necessidades e características que quer trabalhar o grupo). Os papéis abaixo, deverão existir em cada um dos grupos. Assim se houverem cinco grupos existirão, por exemplo, cinco preguiçosos. 1. Responsável - faz muitos barcos. 2. Preguiçoso - não faz nada. 3. Crítico - faz poucos barcos, critica os outros barcos e tenta desmanchá-los. 4. Gozador - conta piadas e produz pouquíssimo. 5. Desinteressado - fica brincando com o celular e não se envolve no trabalho. 6. Conversador - fica puxando conversas paralelas e atrapalhando os outros membros do grupo. 4. Inicialmente distribui-se uma folha de revista para cada participante e fabrica-se um barquinho de papel juntamente com eles. Deve ressaltar que os barquinhos podem ser de diferentes modelos e tamanhos. 5. Em seguida distribuí-se 20 folhas de revista para cada grupo e o facilitador inicia a atividade. Lembrando as empresas que têm 10 minutos para a produção. (As réguas são depositadas em um canto da sala e poderão ser utilizadas pelos grupos, se estes desejarem). 6. Concluídos os 10 minutos, o facilitador pede para que os grupos apresentem sua produção ao cliente que avaliará o trabalho. Após a avaliação o cliente revelará as notas que obtiveram em cada item e definirá de quem comprará a produção. Critérios para avaliação. . A empresa tem 20 barquinhos, produzidos? (se não tiver é eliminada). Pontuação para os outros critérios: Melhor qualidade e acabamento do produto: 1 ponto Maior quantidade: 1 ponto Mais Criatividade: 1 ponto A empresa que tiver mais ponto, ganha a concorrência.
  4. 4. DISCUSSÃO: O facilitador pergunta ao grupo: - O que acharam da experiência. - Como se sentiram durante o processo. - Conseguiram cumprir o prazo? - Conseguiram realizar a tarefa? - O que fizeram para conseguir produzir mais barcos? Só tinham 20 folhas de revista? Usaram a criatividade? - Como os lideres agiram? - Os lideres perceberam o comportamento dos participantes do grupo? O que fizeram em relação a isso? - Os participantes perceberam como os “bagunceiros” ou “desinteressados” atrapalham o grupo? - O grupo trabalhou bem? Os lideres assumiram seus papéis? Conseguiram fazer o grupo trabalhar ? - Os membros do grupo assumiram seus papéis pré-estabelecidos. Isso ajudou o grupo? - O grupo conseguiu achar saídas para suas dificuldades? CONCLUSÕES Levar o grupo a refletir sobre o que é importante para que atinjam os resultados esperados: .Envolvimento e interesse de todos os membros do grupo. .Busca de aperfeiçoamento nos meios de comunicação, clareza e objetividade no intuito que todos compreendam os objetivos propostos e ajudem no alcance deles. . O entrosamento, o comprometimento de cada um do grupo e o bom relacionamento interpessoal levam aos resultados desejados. . Refletir sobre os papéis assumidos e fazer uma analogia com o trabalho em equipe. . Discutir sobre o papel da liderança, habilidade na negociação. . Conduzir o grupo a uma discussão do porque algumas das fictícias empresas não obtiveram o resultado desejado. O INSTRUTOR/FACILITADOR PRECISA ESTAR ATENTO PARA: - Aparecem lideranças espontâneas? - Como o grupo se relaciona? - Quais necessidades e carências que o grupo apresenta? - Propor atividades futuras no intuito de trabalhar as necessidades e carências. Obs: Esta dinâmica é uma releitura da Dinâmica - Fábrica deBarquinhos que está na apostila Dinâmica em Grupo de Antonia Braz.
  5. 5. DINÂMICA PARA TRABALHAR, BUILLYING, RESPEITO MÚTUO, RESPEITO ÀS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS, LIDAR COM DEFICIÊNCIAS – SEGUINDO O CHEFE Recebi uma pergunta de uma internauta a respeito de dinâmica para trabalhar Buillying, achei essa bastante adequada, por isso estou descrevendo-a. OBJETIVO: Levar o grupo a perceber a importância do respeito mútuo, respeito às diferenças individuais e com isso iniciar o trabalho de temas como Bullying e como evita-lo. PARTICIPANTES: até 15 pessoas. TEMPO: de 1h a 1h30. MATERIAL: Papel sulfite, Canetas Coloridas, Vendas, Mesas, Cadeiras de trabalho, tiras de pano, tapa ouvidos. DESCRIÇÃO: O facilitador explica ao grupo que a tarefa será a de desenhar um barco, sendo que irão ser divididos em grupos e caberá a cada participante a execução de uma parte desse barco. Dizer que o grupo que conseguir completar a tarefa, primeiro será o vencedor. DESENVOLVIMENTO: 1- Dividir os participantes em grupos de 5 ou 4 participantes, cada. 2- Entregar para cada grupo uma folha de sulfite e canetas coloridas. 3- Explicar que cada componente do grupo só poderá fazer um traço de cada vez para executar o barco e que quando terminar o seu traço deve passar a folha para o próximo colega que por sua vez irá executar o traço que lhe cabe. Por exemplo: O primeiro participante faz o traço que se refere à parte de baixo no barco, cabe então ao próximo participante fazer uma das laterais. E assim por diante até que todos possam ter executado sua parte e o barco esteja, totalmente, desenhado. 4- Pedir para que iniciem a atividade. Enfatizar que cada grupo deve ter seu desenho pronto no prazo máximo de 2’. 5- Após a execução da atividade verificar se todos completaram o desenho e qual grupo a terminou mais rapidamente. (A tendência é que todos os grupos terminem rapidamente e não tenham dificuldade para executar a tarefa). 6- Agora, explicar que isso foi apenas um ensaio e que irão novamente fazer o desenho do barco, só que agora serão estabelecidos algumas características para cada participante como descritas a seguir. (colocar na lousa ou levar um cartaz). Participante 1- É cego e só tem o braço direito. Participante 2- É cego e só tem o braço esquerdo. Participante 3- É cego. Participante 4- É mudo. Participante 5- Não tem os dois braços. OBS: Essas combinações são feitas de acordo com o número de participantes de cada grupo, podendo ser acrescentadas ou retiradas dificuldades. O facilitador pode levar fitas para prender a mão ou mãos dos participantes que não podem usá-las, pois estes tendem a não respeitar as instruções até mesmo por ato reflexo. Outras combinações podem ser feitas: cego e surdo,só tem o braço esquerdo, etc.
  6. 6. 7- Depois de explicado quais serão as dificuldades dos membros do grupo, pedir para que estabeleçam quem irá assumir qual característica, entregando as vendas para os que serão cegos, tiras de pano para amarrar os braços que não deverão utilizar e tapa ouvidos para os surdos. 8- Quando todos estiverem prontos, estabelecer o tempo de 4’ para que executem a tarefa. Obs: O facilitador deverá permanecer em silêncio, apenas observando o trabalho. Caso alguém solicite ajuda ou informações, reforçar as instruções já ditas sem dar outras orientações. Caso algum participante faça perguntas do tipo está certo? Pode fazer assim? Deixar o grupo decidir. Não deve interferir. Estas situações poderão ser retomadas no momento de debate, para análise e como ilustração para outros comentários. OBS: É bastante provável que a maioria do grupo não consiga realizar a tarefa. O facilitador poderá dar um tempo para que o grupo discuta como poderia melhorar e propõe que façam, novamente. Se quiserem tentar mais o facilitador pode permitir. (Em alguns casos pode deixar que executem até 3 ou 4 vezes, sempre tendo momentos para discutir o que fazer para ter melhor desempenho e colocar em prática as ações sugeridas. DISCUSSÃO: Depois de terminada a atividade o facilitador pergunta ao grupo: 1- Como se sentiram durante a atividade? 2- Conseguiram executar o barco? Se não conseguiram, por quê? O que faltou? Se conseguiram, o que fizeram para isso? 3- Quais as dificuldades que sentiram? O que são deficiências? Elas são só físicas? Levar o grupo a perceber que foram as limitações impostas que dificultaram ou fizeram com que não conseguissem executar o trabalho. Lembrar que conseguiram facilmente, desenhar o barco na primeira tentativa, já que não havia limitações ou deficiências? Enfatizar que deficiências todos trmos: não só físicas, ser cego, por exemplo, como podemos ter dificuldade para aprender matemática.., ou falar em público, etc. 4- Perguntar: Essa experiência pode ser transportada para o nosso dia a dia? Frequentemente, encontramos pessoas com dificuldades/ “deficiências”? Como, geralmente lidamos com elas? Será que todos nós em algum grau temos alguma deficiência? Como podemos lidar com tudo isso? O que éBUILLYING. Será que esta prática é nova ou sempre existiu com outros nomes. Levar o grupo a refletir sobre como tentamos rotular e afastar as pessoas com dificuldade. Não respeitamos as diferenças individuais e por isso tentamos enquadrá-las aos nossos padrões. Todos somos diferentes e temos qualidades e aspectos a melhorar e que o convívio se torna melhor quando são respeitadas estas diferenças. Que podemos nos voltar para a ajuda ao próximo e não para o julgamento. Que os rótulos são dados a partir de preconceitos e estereótipos. Que todos podemos vencer nossas dificuldades com esforço e ajuda mútua.
  7. 7. Perguntar-: O que o BUILLYING pode acarretar na autoestima da pessoa? Há casos onde a pessoa tem que deixar de frequentar alguns lugares para se preservar ou porque não suporta mais viver com todos os preconceitos. Há, também, rótulos positivos. Por expl.: O bom aluno. Mesmo sendo positivo isso ajuda a pessoa rotulada? Ela pode se sentir tão pressionada que pode também não aguentar. CONCLUSÕES: Todo tipo de preconceito, rótulos e estereótipos são prejudiciais às pessoas e relacionamentos. É preciso que aprendamos o respeito, a paciência e tolerância para que tenhamos relacionamentos mais saudáveis e, por conseguinte uma vida mais saudável. Que todos nós temos “deficiências”, mas que precisamos saber lidar com elas. Que o não julgamento dessas “deficiências” facilita em muito a superação delas. Que todos podemos nos ajudar e respeitar para que nos desenvolvamos cada vez mais. Todos podemos melhorar, basta querer e acreditar que podemos. E quando recebemos aceitação e ajuda as coisas ficam ainda muito mais fáceis.

×