EBD AULA 9 - CAMINHADA PRODUTIVA EBD

335 visualizações

Publicada em

REVISTA COMPROMISSO

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
335
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EBD AULA 9 - CAMINHADA PRODUTIVA EBD

  1. 1. Revista Compromisso
  2. 2. Caminhada produtiva (Lucas 17 e 18) Estamos na terceira parte da viagem de Jesus a Jerusalém. Neste trecho irá a Betânia, pouco antes da chegada triunfal que o conduzirá à morte em nosso lugar. Lucas faz um de situações enfrentadas no caminho, sem se preocupar em deixar claras as conexões entre os episódios.
  3. 3. Cuidados no serviço. • Lucas 17.1-10 Curas a caminho de Jerusalém • Lucas 17.11-19 • Lucas 18.35-43 Parábola sobre oração e riquezas • Lucas 18.1-14 • Lucas 18.18-30
  4. 4. Jesus chama a atenção dos discípulos para o cuidado que precisam ter para não servirem de pedra de tropeço, escândalo, instrumentos que levam outros a errar. Precisavam sentir que eram vistos por muitos e deveriam perceber essa responsabilidade . Jesus disse que era preferível a morte do que fazer alguém errar, a partir do seu péssimo testemunho. (Lucas 17.1,2) CUIDADOS NO SERVIÇO (LUCAS 17.1-10)
  5. 5. O caminho, diante do erro de alguém, será o da repreensão e do perdão sem limite. Agir assim requer fé e os discípulos desejavam ter a fé aumentada. Jesus deseja ajudá-los e mostra que devem buscar uma fé genuína. (Lucas 17.3-6) CUIDADOS NO SERVIÇO (LUCAS 17.1-10)
  6. 6. Jesus conduz o olhar dos discípulos para uma árvore, cujas raízes são profundas e que seria muito difícil removê-la. Tudo indica tratar-se da amoreira negra, cujas raízes podem existir por 600 anos. CUIDADOS NO SERVIÇO (LUCAS 17.1-10)
  7. 7. Talvez os discípulos pudessem ser atraídos a se sentirem orgulhosos por cultivarem uma qualidade de fé capaz de perdoar sem limites, então, Jesus se antecipa e mostra que o servo não pode se vangloriar de executar bem o seu serviço, pois é exatamente esta a sua função: servir. (Lucas 17.7-10) CUIDADOS NO SERVIÇO (LUCAS 17.1-10)
  8. 8. Lucas 17.11-19 Dez leprosos, de longe, pedem a compaixão de Jesus, que lhes ordena darem um gesto de fé: cumprir os preceitos legais, após assumirem a cura. Os dez demonstram ter fé e saem de imediato. Sua fé em obedecer lhes devolveu a saúde, porém só um volta para agradecer. Jesus reconhece naquela atitude a busca de algo mais que a cura física e assegura-lhe a salvação. (Lucas 17.19) CURAS A CAMINHO DE JERUSALÉM (LUCAS 17.11-19, 18.33-43)
  9. 9. Lucas 18.35-43 Mais adiante, Lucas descreve a cura de um cego, que o evangelista Marcos diz ser Bartimeu. O cego, percebendo a movimentação da multidão quis informar-se de quem se tratava. Ao saber eu era Jesus começou a gritar por Jesus afim de chamar-lhe a atenção. Esse cego foi o único que usou o título messiânico de Jesus.(Lucas 18.38) Jesus o curou e, imediatamente, Bartimeu passou a glorificar a Deus. CURAS A CAMINHO DE JERUSALÉM (LUCAS 17.11-19, 18.35-43)
  10. 10. Neste bloco, vamos ouvir Jesus discorrendo sobre a oração. PARÁBOLAS SOBRE A ORAÇÃO E RIQUEZAS (LUCAS 18.1-14, 18-30) O juiz iníquo (Lc 18.2-8) O fariseu e o publicano (Lc 18.10-14)
  11. 11. Neste bloco, vamos ouvir Jesus discorrendo novamente sobre as riquezas. Está inserida na história do governante rico. PARÁBOLAS SOBRE A ORAÇÃO E RIQUEZAS (LUCAS 18.1-14, 18-30) (Lc 18.18-30)

×