Seminário "seu último ano de vida"

444 visualizações

Publicada em

Apresentação que fiz para o seminário de autoconhecimento realizado em janeiro de 2013. Anderson.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
444
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário "seu último ano de vida"

  1. 1. SeminárioSobre o seu último Ano deVida
  2. 2. SeminárioSobre o seu último Ano deVida
  3. 3. Sobre o seu último Ano deVida
  4. 4. Os espíritos anunciam que chegaramos tempos marcados pela Providênciaparauma manifestação universal e que,sendo eles os ministros de Deus e osagentes de Sua vontade, têm pormissão instruir e esclarecer os homens,abrindo uma nova era para aregeneração da Humanidade.( O Livrodos Espíritos –prolegômenos)
  5. 5.  E acrescentou(Jesus) Tende o cuidado de preservar-vos de toda a avareza, porquanto, seja qual for a abundância em que o homem se encontre, sua vida não depende dos bens que ele possua. Disse-lhes a seguir esta parábola: Havia um rico homem cujas terras tinham produzidoextraordinariamente – e que se entretinha a pensar consigo mesmo, assim: Que hei de fazer, pois já não tenho lugar onde possa encerrar tudo o que vou colher?
  6. 6.  – Aqui está, disse, o que farei: Demolirei os meus celeiros e construirei outros maiores, onde porei toda a minha colheita e todos os meus bens. – E direi a minha alma: Minha alma, tens de reserva muitos bens para longos anos; repousa, come, bebe, goza. – Mas, Deus, ao mesmo tempo, disse ao homem: Que insensato és! Esta noite mesmo tomar-te-ão a alma; para que servirá o que acumulaste? É o que acontece àquele que acumula tesouros para si próprio e que não é rico diante de Deus. (S. LUCAS, 12:13 a 21.) Sem
  7. 7. EXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE EXPERIÊNCIA DE QUASE-MORTE Passar por estágios semelhantes ao desencarne permite às pessoas terem umanova perspectiva de vida, reformando intimamente muitos de seus conceitos.- Marco Túlio Michalick - morcomicholick@bol.com.br O que acontece quando morremos? Ao termos uma Experiência de Quase-Morte (EQM), qual é o sentimento que vivemos neste instante?No livro Vida Depois da Vida, o dr. Raymond Moody Jr. descreve as experiênciasde 150 pessoas que viveram o fenômeno de quase-morte. Ele tem pesquisadoeste assunto há vários anos e seus estudos recaíram sobre três categoriasdistintas: a experiência de pessoas que foram ressuscitadas depois de teremsido julgadas, consideradas ou declaradas mortas por seus médicos; aexperiência de pessoas que, durante acidentes, doenças ou ferimentos graves,estiveram muito próximas da morte física; a experiência de pessoas que acontaram para outras que estavam presentes enquanto morriam.
  8. 8.  O dr. Moody considera mais dramática aprimeira categoria, na qual realmenteocorreu o desencarne clínico, já que opaciente teve um contato direto com amorte. Em suas pesquisas, pôde notarque as pessoas que estiveram "mortas"por um tempo mais longo puderamcontar sua experiência com riqueza dedetalhes, além de a terem vivido porcompleto, ou seja, passado por váriosestágios da EQM.EXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE
  9. 9. Nos primeiros passos dessa experiência, muita gente descreve sentimentosde paz muito agradáveis. Outro dado importante é que quem teve uma EQMnão sai falando para todo mundo o que aconteceu. Normalmente, a pessoafaz um comentário para algum parente ou amigo, porém, ao ser reprimidapor seu interlocutor e com medo de ser vista pela sociedade como umadesequilibrada, prefere o silêncio, não tocando mais no assunto. No entanto,essa pessoa jamais esquece cada detalhe do que ocorreu, a experiência ficaviva em sua mente como um filme que assistiu há poucos minutos.Túnel e seres de luzEXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE
  10. 10. No instante da morte clínica, algumas pessoas ouvem omédico declarar seu falecimento. Contam que, nestemomento, escutam sons de sinos, harpas, uma músicamajestosa. Logo após a ocorrência do ruído, conformealgumas declarações, tem-se a sensação de que seentrou em um lugar escuro, como se tivesse sido puxadopara aquele local com uma certa velocidade. Tal espaçoescuro é descrito de diversas formas: caverna, buraco,poço, túnel, bueiro, vale, vácuo, vazio, cilindro etc. Após apassagem rápida pelo local escuro, o dr. Moody explicaque "a pessoa que está morrendo tem, com freqüência,uma surpresa muito grande, pois, nesse ponto, encontra-se olhando seu próprio corpo físico de um ponto fora dele,como se fosse um espectador, uma terceira pessoa noquarto apreciando as figuras e os eventos".EXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE
  11. 11. Experiência de Quase MorteNeste momento, a reação de cada um sealtera. Alguns não têm noção ou não ligampara a possibilidade de estarem mortos,sentem-se confusos. Há aqueles que entramem desespero e querem voltar imediatamenteao seu corpo, enquanto outros não sentemmedo, mantendo-se calmos e serenos,sabendo que têm de voltar ao corpo, mas semsaber como fazê-lo. Após tentar contato comos médicos, sem sucesso, a pessoa descobreque não pode ser ouvida ou vista, ficandosurpresa ao descobrir que a matéria não éobstáculo para aquele corpo espiritual quenecessita de solidez para conseguir tocar aspessoas e pegar qualquer objeto.
  12. 12. Outro estágio da Experiência de Quase-Morte é o encontro com o ser de luz. Valelembrar que, quando uma pessoa está vivendo este fenômeno, ela pode seguir osestágios conforme são colocados, mas também pode ter experiências que nãoseguem este enredo ou apenas parte dele. A experiência é considerada completaquando segue todos os estágios, independentemente da forma que foi executada.Entre os relatos que estudou, o dr. Moody considera como mais incrível o elementoque tem o efeito mais profundo no indivíduo, que é o encontro com uma luzbrilhante. Muitas pessoas fizeram questão de frisar que, apesar da luz ser forte eintensa, em momento algum ela ofusca ou faz doer os olhos, não impedindo queelas vejam outras coisas ao redor. Para o pesquisador, talvez a luz não afete osolhos das pessoas "porque, a essa altura, elas já não têm olhos físicos para seremofuscados".A comunicação entre o ser e a pessoa se dá através do pensamento, comperguntas do tipo "você está pronto para morrer?", "o que você fez com sua vida jáé o suficiente?", entre outras. Estas questões não são feitas com o intuito de punirou condenar, mas de uma forma carinhosa, para que as pessoas reflitam e façamuma auto-análise de como procederam até aquele momento e o que poderiamfazer de melhor. O ser apresenta à pessoa uma recapitulação panorâmica de suavida. Conforme informações de grande parte daqueles que passaram pelaExperiência de Quase-Morte, as imagens são vistas em cores vibrantes,tridimensionais e em movimento. Em alguns casos, até as emoções expressas nasimagens podem ser sentidas novamente naquele instante. São tão marcantesEXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE
  13. 13. Entendida a morte apenas como o final daexistência humana, o problema do ser, do destinoe da dor se simplifica, porque basta se imaginaraniquilado juntamente ao corpo físico para ohomem se sentir descompromissado de qualquertentativa de progresso espiritual. Mais de 90%das pessoas que rememoram a experiênciamudam para melhor, perdem o medo da morte(tanatofobia), passam a dar mais valor à suaprópria vida e a dos demais, percebem uma novaperspectiva da existência física (reciclagemexistencial), para um redimensionamentopessoal. Enfim, há um grande despertamento eEXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE
  14. 14. Assim sendo, creio que deve o Homemser conduzido a profundas reflexões sobrecomo encarar essa realidade e de queforma ela deve influenciar seus objetivosde vida. Espantoso para alguns, fatonormal para outros, ao ter-se certeza daimortalidade da alma, o homem deveaprender a se preparar melhor para essarealidade, mudando hábitos, conceitos ese preparando para um novo ciclo de suaexistência.EXPERIÊNCIA DE QUASEMORTE
  15. 15. CRISE - OCASIÃO DE CRESCIMENTO E EVOLUÇÃO PESSOAL.*Ainor Lotério – Engenheiro Agrônomo, Professor e Mestre em Gestão de PolíticasPúblicas (ainor@loterio.com.br)- www.loterio.com.brQuando estamos entrendo no poço sempre nos preocupar em sair dele. Por outro lado,quando estamos no fundo do poço, nos perguntamos se alguém vai tampá-lo,deixando-nos sem saída. Desta forma, a crise deve ser vista como um poço sem tampá,ou seja, com uma saída para cima.A crise pode ser definida como uma fase de perda, a chegada ao fundo do posso, ouuma fase de substituições rápidas, em que se pode colocar em questão o equilíbrio dapessoa. Torna-se, então, muito importante a atitude e comportamento da pessoa face amomentos como este. É fundamental a forma como os componentes da crise sãovividos, elaborados e utilizados subjetivamente.Dessa forma, a evolução da crise pode ser benéfica ou maléfica, dependendo defatores que podem ser tanto externos, como internos. Toda a crise conduznecessariamente a um aumento da vulnerabilidade, mas nem toda a crise énecessariamente um momento de risco. Pode, eventualmente, evoluir negativamentequando os recursos pessoais estão diminuidos e a intensidade do stress vivenciadopela pessoa ultrapassa a sua capacidade de adaptação e de reacção.Não espere por umacrise para descobrir oque é importante emsua vida.Platão
  16. 16. A razão por que não usamos bem aoportunidade fantástica que esta vida oferecepara nossa autocura é o fato de guardarmossecretamente no coração a esperança devivermos para sempre. Sem contato algumcom a realidade, desperdiçamos todo nossotempo nas atividades desta vida. É claro queprecisamos trabalhar, relaxar, dormir, nosdivertir, fazer compras e consertar a casa;mas precisamos também ter uma perspectivapara a nossa situação atual.(Bel Cesar, Usando a morte e aimpermanência de forma criativa.)
  17. 17. Crisálida Ariovaldo Filho/Alexandre Amorin Crisálida, liberta tuas asas para a amplidãoEsplende a tua luz em forma de cançãoE faz brotar a paz no olhar do teu irmão, doirmão... Crisálida, dormiste o longo sono datransformação...É hora de sair do teu casulo!E ver o mar, e ver o ar, a vida verdadeira... Crisálida, liberta tuas asas para a emoção,Evolve o amor que paira no teu coraçãoE vem voar comigo, amigo! Não suporto a solidão! Crisálida, liberta teus anseios, os teus medos...Emerge para o sol os teus segredos...A luz te guiará, a luz... (2x)
  18. 18. "Nosso desenvolvimento assemelha-se aode uma borboleta. Devemos morrer erenascer, como o ovo morre e se tornalagarta, a lagarta morre e se tornacrisálida, a crisálida morre para que, porseu turno, nasça a borboleta. É umprocesso longo e a borboleta só vive umdia ou dois. Mas cumpre-se o desígniocósmico. Com o homem passa-se omesmo. Precisamos destruir nossosamortecedores. As crianças não os têm,por isso é que devemos nos tornar comoas criancinhas".
  19. 19. Auto-engano é o resultado de umprocesso mental que faz com queum indivíduo, em um momento, aceitecomo verdadeira uma informação tidacomo falsa por ele mesmo noutromomento. Exemplo clássico desseprocesso é o hábito de se adiantar opróprio relógio para não chegar atrasadoaos compromissos.AUTO ENGANO
  20. 20. Ela consegue definir um estado que todos nósvivenciamos muitas vezes em nossa vida. Falo doautoengano, da negação de fatos e também dasimples falta de consciência da realidade. Esse estadoexagerado de autoengano compromete demais a vidapessoal e profissional dos indivíduos.Essa questão intrigante permeia nosso cotidiano eacaba minando nossas capacidades ecomprometendo nossos relacionamentos. O fato éque, na maioria das vezes, não nos damos conta quea culpa é nossa e que somente nós podemos revertersituações ruins. O autoengano costuma ficar evidentequando colocamos a culpa de nossos problemas nosoutros ou temos um olhar crítico em relação aoscomportamentos alheios, sempre achando que nóssomos melhores!AUTO ENGANO
  21. 21. Alguns exemplos comuns seriam:A mãe que diz que os amigos levaram seu filho “para o maucaminho”;A namorada que, ao ser traída, justifica a situação colocando aculpa na outra mulher;O paciente que não acredita ser portador de alguma patologia;O funcionário que não aceita que precisa se aprimorar;O cidadão que se recusa a admitir que é o grande culpado peloseu alto grau de endividamento.Agimos como aquela criança que ao correr tropeça na cadeira, caie fala que a culpa é da cadeira que estava no lugar errado! “Maseu estava me divertindo e a cadeira apareceu derepente…” justifica choramingando o pequeno para a mãe.Vamos confessar que várias vezes somos como essa criança eculpamos o mundo pelo nosso fracasso, intolerância edescontentamentos. Esse tipo de comportamento acaba piorandoo problema e nos torna reféns do próprio modo de pensar, pois nãosomos capazes de ver além do problema ou insatisfação. Essacegueira ou o autoengano provoca uma relação interessante:AUTO ENGANO
  22. 22. AUTO ENGANO
  23. 23.  O esquema nos mostra o ciclo improdutivoem que acabamos entrando porconseqüência do autoengano. Funcionamais ou menos assim: tenho um problemae, por conta da minha “cegueira”, acaboenxergando causas irreais e partindopara soluções inadequadas, e com issoagravo ainda mais minha situação inicial. O autoengano é um recurso de autodefesa(e necessário em alguns casos) que surgetodas as vezes que nos sentimosameaçados, decepcionados ou nosAUTO ENGANO
  24. 24.  O autoengano é um recurso de autodefesa (e necessário emalguns casos) que surge todas as vezes que nos sentimosameaçados, decepcionados ou nos deparamos com algumasverdades inconvenientes. Seria uma maneira de retardar oamadurecimento e ter que se posicionar frente às situações,como argumenta o psicólogo Armando Correa S. Neto:“Enquanto a responsabilidade não recair sobre si mesmo, ainfantilidade permanecerá disfarçada de azar”Quando começamos a nos enxergar de verdade, quando mesmoque dolorido assumimos nossas dificuldades, nosso “padrão deautoengano“ muda. Conseguimos perceber a situação real epassamos a agir com coerência. Difícil? Um pouco, mas vale apena tentar.Comece a ver você como protagonista de sua história e não comovítima dela. Não tente ser perfeito, mas procure fazer o melhorpossível. Sua vida pode ficar melhor a partir dos detalhes! Parasaber mais e aprofundar suas reflexões, indico o livro “Autoengano”(Companhia de Bolso) de Eduardo Giannetti da Fonseca.AUTO ENGANO
  25. 25. Conhecer a realidade espiritual e não se empenhar em vivê-laé um auto engano.Criamos desculpas as mais variadas para não priorizar oamor, o perdão e a bondade para com todas as pessoas .O conhecimento espírita é para isso: Estimular em nós avivência dos preceitos do Cristo.Espírita que não está sinceramente dedicado ao amor aopróximo como prioridade de vida está se enganando.O orgulho, o egoísmo, a preguiça, o ódio, o destempero, acalúnia, a inveja, o despeito, o olho gordo, a discórdia e amaledicência são energias emocionais que conhecemos amilênios. A novidade é a boa Nova de Jesus: Coloca o amorcomo luz no seu caminho, aí sereis meus discípulos.AUTO ENGANO
  26. 26. O paradoxo do auto-enganoestá em como as pessoas sãocapazes de simultaneamente:1) criar seus própriosproblemas, 2) não perceber queestão criando seus própriosproblemas, e ainda assim 3)resistir qualquer tentativa deajudá-las a parar de criar essesproblemas?AUTO ENGANO
  27. 27.  Definição. O termo corrupção vem do Latim corruptio, “ato ouefeito de corromper; podridão,decomposição, putrefação;devassidão; adulteração; suborno, prevaricação”. A autocorrupção é a repetição do ato com o qual a pessoa não sesente confortável e para o qual não consegue dar aprovação, cujalembrança, escamoteada no mais absconso escaninho do íntimo,incomoda, corrompe a si própria. A autodissimulação; auto-hipocrisia; mentira autoimposta,autodepravação, cúmulo do autodesrespeito consciente., gol contraevolutivo, puxada do próprio tapete, defesa do errado, falácia lógica,autengodo; autoperversão; autossadismo; autossuborno,autovitimização consciente; corrosão do caráter; escravidão inerme asi mesmo, os erros propositados; os blefes; as paródias; as indignidades; as patifarias;os pecadilhos mentais; os subterfúgios; a espionagem dupla; asilegalidades; as charlatanices; as venalidades; os subornos;
  28. 28.  As mistificações; as contravenções; os contrabandos; aclandestinidade; os embustes; os logros; os golpes; o subornomais recente; o afilhadismo; o filhotismo; o compadrismo; oaulicismo(puxasaquismo parasitário visando se beneficiar; onepotismo(designar o favorecimento de parentes); otransfuguismo(mudança de lado); o oligarquismo; oparcialismo; o antiprofissionalismo; o banditismo; oclientelismo explícito(é um sub-sistema de relação política,com uma pessoa recebendo de outra a proteção em troca doapoio político.); os esquemas de corrupção; osacumpliciamentos; as comparsarias; as conivências; aquadrilha; a pandilha; os escândalos em série; os postos-chaveinatingíveis;
  29. 29.  Unanimidade. Unanimidade não torna umcomportamento correto. O ato de todos fazeremdeterminada coisa não a torna menos errada.A pessoa, quando coerente, demonstraautoconhecimento. E, de seu ser, irradia-se uma aurade dignidade e integridade.
  30. 30. O autodesrespeito, vender-se barato, autovitimização, auto-escravidão, auto-engano,, auto-anulação, suicídio lento,incoerência existencial, desistência de si. “Inexisteautocorrupção evolutiva”. A autocorrupção pode ser um comportamento totalmenteconsciente, ou seja, fazer o que é errado mesmo sabendoque é errado, ou mascarada, através de falácias lógicas que,dentro de um teatro mental, fazem perfeito sentido. Vitimização. A consciência autocorrupta anula-se pouco apouco, vitimizada por si, escrava de si, só sendo possível serlibertada por si mesma. A força de vontade, nesse caso, éanulada, submissa a uma outra força, a força dosautoenganos.
  31. 31. O conhecimento da realidade espiritual das coisas eliminadefinitivamente qualquer conceito de que nossas açõessejam isoladas. Nossas atitudes repercutem em todo ouniverso; “só de existir, nós agimos”. A lógica espiritual bementendida impõe um confronto com o nosso “homemvelho”Multimilenar e resistente a mudanças.
  32. 32.  Mediocrização. Definição.A mediocrização é a opção pelo que é compartilhado pela maioria,quando essa opção é inferior ao real potencial da pessoa. Numquadro mais amplo, a mediocrização é a opção pelo vulgar, oordinário, o ultrapassado, o que exige menos esforço ecrescimento. É a minoria quem opta por não ser medíocre. D. Maria Luiza teve uma retrocognição do período pré-encarnatório, quando se encontrava ainda no mundo espiritual,que foi muito esclarecedora em relação as nossas procrastinaçõesevolutivas. Ainda desencarnada, pensou com muita força: “setivesse esse corpo, com toda essa energia, faria de tudo pelosoutros, nada iria me deter”. Ao perceber que não agia assim, caiu aficha do quanto estava sendo incoerente.
  33. 33.  Nivelamento. Por medo de se expor, medo deassumir responsabilidades, assumir seus talentos oupor pura falta de autoconhecimento, as pessoas maisindicadas para melhorar a condição planetária nivelam-se por baixo. Com isso, buscam permanecerna área cinza e obscura da média, ou apenas só umpouco melhor, mas nunca alcançando seu realpotencial. Às vezes, ser o “melhor dos melhores”ainda não é ser coerente com o próprio potencial.
  34. 34.  Ganho secundário. É um ganho secundário para essesindivíduos que não se conhecem manterem a maioria dapopulação acumpliciada ao seu comportamentomedíocre. Quem é medíocre não o quer ser sozinho,porque perde as justificativas para se manter naqueleestado, fugindo do autoconhecimento sincero. Diluição. Quando todos estão iguais, existe a ilusão deque a responsabilidade se dilui entre essas pessoas;ninguém se destaca, ninguém é exposto, não há forçapara as crises evolutivas. A passividade mental gerada por esse comportamento prejudica oauto questionamento que é necessário para desenvolvero discernimento. Isso vale não só para o povão, mas paratodas as pessoa
  35. 35.  Interprisão. Esse comportamento gera uma tendênciade nivelamento patológico no qual a pessoa, procurandoacumpliciamento, aceitação, uniformidade, ou apenassofrendo influências de uma psicosfera doentia,compromete-se consigo mesma e com os outros, gerandouma prisão kármica. O costume da autocorrupção faz aspessoas perderem a vergonha dos próprios atos. Éinteressante ter como referência não as tendências ou expectativas do povão, mas asreferências éticas que o conhecimento espírita nos dá,olhando nosso modelo maior Jesus, e todos que ajudarameste mundo a se melhorar.
  36. 36.  Todos os seres são profundamente interligados. Quandoalguém age de modo complacente com uma corrupção, estáalimentando uma atmosfera vibratória – egrégora - decorrupção, só agravando a condição. Uma atmosferaumbralina, densa, desequilibrante, não existeindependentemente dos indivíduos. Todos são contribuintesativíssimos. A pessoa que suborna o policial é tãoresponsável pela condição do país quanto o político.Observando-se o político,o policial e o cidadão, percebe-seque estão usando a mesma justificativa para suas ações.Nenhum deles quer ser o otário, e usam a unanimidade desseabsurdo para mascarar suas ações. O que acontece é uma espécie de contágio anti-ético, pânico de origemsubcerebral, comum ao comportamento das massas. As consciências criam as condições e, depois, justificam-sepor elas. A egrégora umbralina engole aqueles que não estão bem posicionados.
  37. 37. Não há dia melhor do que hoje,para deixar para amanhão que você não vai fazer nunca!
  38. 38. PROCRASTINAÇÃOChama-se procrastinação a protelação ou adiamento de uma açãodecidida ser necessária. Mas evitar tarefas nem sempre é preguiça oudoença. Cogita-se que 80% das pessoas procrastinam com certafrequência e, como consolo, provavelmente 99% das pessoas devemprocrastinar de vez em quando.Deixar para depois não é sinal de que a preguiça ou a irresponsabilidadeimperam. “Aquele que procrastina prioriza coisas menos importantes emvez de direcionar suas ações para aquilo que seria mais necessáriorealizar. Ele coloca diversas tarefas menores na frente”.Mais do que uma questão de não administrar bem o tempo, o ato deprocrastinar faz a pessoa viver a ilusão de que, adiando, tudo serásolucionado como num passe de mágica.
  39. 39. PROCRASTINAÇÃOO adiamento pode proporcionar um alívio temporário, uma sensação detranquilidade, porque a pessoa crê que tudo vai dar certo no final.A pessoa que procrastina não se relaciona bem com o real. “A realidadeassusta. Com medo, a pessoa vira uma espécie de avestruz: enfia a cabeça naterra com a esperança de aquela realidade mude”.“Quem procrastina não toma essa atitude somente em relação às situaçõesque causam desconforto, mas também diante daquilo que lhe dá prazer”.Como exemplo uma aluna que adora escrever cartas, mas, na hora de leva-lasao correio, sempre demora alguns dias. Ela diz que não se sente inspirada.Mas desde quando é preciso inspiração para ir ao correio?
  40. 40. PROCRASTINAÇÃOIndependentemente da fase em que a procrastinação ocorre, as consequências queesse hábito traz podem ir além do nível prático (como chegar atrasado a uma festaporque a compra do presente ficou para o último minuto), tendo reflexos na saúde dapessoa. A procrastinação é um problema sério, que pode causar transtornospsicológicos e atingir o nível físico.Além de ser obrigada a arcar com as consequências de compromissos perdidos ou detarefas malfeitas, a pessoa que deixa tudo para depois pode ter problemas físicos ementais.O sentimento de culpa é um dos que mais atingem essas pessoas. E o pior é que elassentem culpa não pelo que fizeram, mas pelo que deixaram de fazer. Isso acabagerando muito desgaste. Às vezes o indivíduo apresenta um quadro sério de stress,sente-se ansioso, o que pode gerar dores de cabeça, aumento na pressão arterial eproblemas de estômago.As pessoas que procrastinam sofrem com mudanças no seu comportamento psíquico,mas, muitas vezes, não percebem essas alterações, como consequência, a saúdefísica acaba sendo abalada.
  41. 41.  ConsequênciasComo acaba dependendo demais dos outros, pode estabeleceruma relação desgastante com familiares e amigos. Podedesenvolver um sentimento autodestrutivo, acreditando que tudoo que faz é ruim ou tem pouca importância. Sofre com a perda daautoconfiança, o que faz com que as ações posteriores àquelasque adiou tornem-se ainda mais difíceis de serem realizadas.Tende a ficar ansioso quando percebe que não vai conseguirrealizar aquilo a que se propôs. Quando se conscientiza de queadiou demais, pode apresentar um comportamento depressivo.PROCRASTINAÇÃO
  42. 42. Pessoas disciplinadas, as que executam as tarefas aque se propõem de forma obstinada, têm mais chancede sucesso do que as mais indolentes. A disciplina (a"vitória" da razão sobre a preguiça) impede atendência,presente em muitos, de deixar para depois tudo o queé mais chato. Os que são focados e disciplinadostendem a executar seus deveres antes de sededicarem a qualquer tipo de atividade mais prazerosae lúdica.Pessoas mais ambiciosas, as que têm dentro de siuma vontade enorme de sucesso, tendem a lutar commais vigor para atingir seus objetivos.PROCRASTINAÇÃO
  43. 43.  Atitudes para evitar adiamentosIdentifique motivos – Exercite o autoconhecimento e tente perceber asatitudes que você costuma adotar quando adia alguma tarefa. Pergunte-sesempre: “Porque é importante fazer isso agora? Porque deixar de fazeraquilo? Porque estou evitando resolver esse problema?”. Encare arealidade – Enfrente as situações do dia-a-dia como elas de fato seapresentam. Não tente criar a ilusão de que são mais fáceis ou menosimportantes.Calcule o Tempo – Tente não superestimar ou subestimar o temponecessário para a realização das tarefas. Procure organizar sua agenda demodo que tenha tempo suficiente para fazer aquilo de que precisa.Analise o ambiente – Verifique se você não está adiando as tarefas porcausa das condições do ambiente em que está. Em um escritório, porexemplo, a luminosidade inadequada e o nível de ruído podem contribuirpara a perda de concentração e, consequentemente, para a procrastinação.Isso vale também para as atividades que você tem de fazer em casa.Permita-se errar;Aja no lugar de pensar;Aperfeiçoe-se;Ajuste a agenda – Procure saber em que período do dia você é maisprodutivo, aquele em que está menos cansado e mais disposto a realizar
  44. 44.  A experiência da Morte é a mais profundaexperiência da Vida.
  45. 45. Sabemos que apenas um louco perderia tempodecorando seu quarto de hotel, mas noscomportamos assim durante toda a nossa vida.Quando a realidade nos pega de surpresano momento da morte, levamos um grandechoque ao vermos nossas fantasiasinterrompidas pela desintegração do corpo. (BelCesar, op.Cit)
  46. 46. Nós estamos acostumados a ligar a palavra morte apenas àausência de vida e isso é um erro.Existem outros tipos de morte e precisamos morrer tododia.A morte nada mais é do que uma passagem, umatransformação.Não existe planta sem a morte da semente, não existeembrião sem a morte do óvulo e do esperma,não existe borboleta sem a morte da lagarta, isso é óbvio!A morte nada mais é do que o ponto de partida para oinício de algo novo. É a fronteira entre o passado e ofuturo.”
  47. 47. Se você quer ser um bom universitário, mate dentro devocê o secundarista aéreo que acha que ainda tem muitotempo pela frente.Quer ser um bom profissional? Então mate dentro de vocêo universitário descomprometido que acha que a vida seresume a estudar só suficiente para fazer as provas.Quer ter um bom relacionamento, então mate dentro devocê o jovem inseguro ou ciumento ou o solteiro solto quepensa poder fazer planos sozinho, sem ter que dividirespaços, projetos e tempo com mais ninguém.Enfim, todo processo de evolução exige que matemos onosso “eu” passado, inferior.
  48. 48. E qual o risco de não agirmos assim?O risco está em tentarmos ser duas pessoas ao mesmotempo, perdendo o nosso foco, comprometendo nossaprodutividade e, por fim, prejudicando nosso sucesso.Muitas pessoas não evoluem porque ficam se agarrando aoque eram, não se projetam para o que serão ou desejamser.Elas querem a nova etapa, sem abrir mão da forma comopensavam ou como agiam. Acabam se transformando emprojetos acabados, híbridos, adultos “infantilizados”.Precisamos manter as virtudes de criança que também sãonecessárias a nós, adultos, como: brincadeira, sorriso fácil,vitalidade, criatividade etc.
  49. 49. Então, o que você precisa matar em si ainda hoje para quenasça o ser que você tanto deseja ser?Pense nisso e morra! Mas, não esqueça de nascer melhorainda!
  50. 50. “O valor das coisas não está no tempo em que elas duram,mas na intensidade com que acontecem. Por isso existemmomentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoasincomparáveis.” (Fernando Pessoa)
  51. 51. A VALSA
  52. 52. intervalo
  53. 53. HORA DE MORRER
  54. 54. Viva cada dia como se fosse o último,um dia você acerta.
  55. 55.  Vivemos apenas parcialmente,sempre esperando até amanhã pararealizar aquilo que desejamos. Sob afalsa ilusão da eterna continuidadefísica.
  56. 56. "Poderia sempre o homem, pelos seusesforços, vencer as suas másinclinações?Sim, e, frequentemente, fazendoesforços muito insignificantes. O quelhe falta é a vontade. Ah! quão poucosdentre vós fazem esforços!"(questão 909 de "O Livro dos Espíritos"
  57. 57.  Quando uma criatura humanadesperta para um grande sonho esobre ele lança toda a força de suaalma, todo o universo conspira a seufavor. Johann Goethe
  58. 58.  Auto disciplina: Força de Vontade A diferença entre uma pessoa de sucesso e os outros não éa falta de força, nem falta de conhecimento, mas sim a faltade força de vontade. (Vince Lombardi) Força de vontade: uma palavra suja nos dias de hoje.Quantos comerciais você tem visto que tentam posicionar osprodutos vendidos como substitutos para a força devontade? Eles começam a dizer para você que a força devontade não funciona e então tentam vender algo “rápido efácil” como uma pílula de dieta ou algum equipamento deexercício todo descolado.Mas adivinhe só… a força de vontade funciona, sim. Maspara aproveitarmos ao máximo, precisamos aprender o quepodemos e o que não podemos fazer. As pessoas que dizemque a força de vontade não funciona estão tentando utiliza-lade forma além de suas capacidades. O QUE É A FORÇA DE VONTADE? A força de vontade é sua capacidade de começar algo edizer “Hora de ficar engajado!” A força de vontade fornece um turbo intensamente poderoso,porém temporário. Pense nela como um turbo que queimarápido, mas se for direcionado de forma inteligente, podetrazer a aceleração necessária para superar a inércia e criar
  59. 59.  A força de vontade é uma concentraçãode forças. Você junta toda a energia e dáum pulo adiante. Você ataca seusproblemas de forma estratégica em seuspontos mais fracos até que elesquebrem, permitindo mais espaço paramanobrar de forma mais profunda emseu território e dar conta do recado. A aplicação de força de vontade inclui osseguintes passos: Escolher seu objetivo Criar um plano de ataque Executar o plano
  60. 60.  Com a força de vontade você pode levar otempo que for necessário paraimplementar os passos 1 e 2, mas quandochegar ao terceiro passo, é necessárioacertar de forma rápida e forte. Não tente lidar com seus problemas edesafios de modo que um alto nível deforça de vontade seja necessário todos osdias. A força de vontade não é sustentável.Se você tentar a usar por muito tempo,você vai se esgotar. É necessário um nívelde energia que você somente pode manterpor um curto período de tempo…. na maiorparte dos casos a gasolina é gasta emalguns dias.
  61. 61.  Vamos supor que seu objetivo é perder 10quilos. Você tenta fazer dieta. É necessário terforça de vontade, e você vai bem naprimeirasemana. Mas depois de algumassemanas você retornou aos seus antigoshábitos e engordou todo aquele peso que haviaperdido. Você tenta de novo com diferentesdietas, mas o resultado ainda é o mesmo. Vocênão pode sustentar momento por muito tempopara alcançar o peso desejado. Porém, essa é justamente a situação esperada,já que a força de vontade é temporária. É paracorridas de curta distância, e não paramaratonas. A força de vontade requer fococonstante e consciente, o que é muitodesgastante. não pode ser mantida por longoperíodo. Alguma coisa eventualmente te
  62. 62.  Para alcançar o mesmo objetivo com a devida aplicação devontade, basta fazer o seguinte: Você aceita o fato de quepode apenas aplicar uma curta explosão de força devontade… talvez por alguns dias no máximo. Depois disso,ela vai embora. E por isso é melhor usar essa força devontade para alterar o território e as regras do jogo de modoque a manutenção de momento não seja tão difícil. Vocêprecisa usar sua força de vontade para estabelecer um pontode vantagem em direção ao seu objetivo. Assim, você senta e faz um plano. Isso não exige muitaenergia, e você pode espalhar o trabalho por vários dias. Você identifica todos os alvos que deve atingir se quiser teralguma chance de sucesso. Primeiro, toda a comidaporcariada deve sair da sua cozinha, incluindo tudo o quevocê tem a tendência de comer demasiadamente. Você devesubstituir por alimentos que ajudam a perder peso, comofrutas e vegetais. Em segundo lugar, você sabe que vai ficartentado a buscar por um fast food se chegar em casa e nãotiver nada pronto para comer, e por isso decide pre-cozinharsuas refeições suficientes para a semana toda aos sábadose domingos. Dessa forma você sempre terá algo nageladeira. Você deixa reservado um bloco de várias horas acada semana para compras de supermercado e cozinhartoda a sua comida para a semana.
  63. 63. Ao final do dia, você usou sua força devontade não para fazer dietadiretamente, mas para estabelecer ascondições que farão sua dieta mais fácilde ser seguida. Quando você acorda namanhã seguinte, você vai encontar umcenário dramaticamente modificado deacordo com seu plano.
  64. 64. Se pensarmos na morte agora, no momento emque ela acontecer de verdade poderemos morrerem paz e sem arrependimentos.Meditar sobre a morte é um processo de cura, poisnos faz enfrentar nossa recusa,raiva e depressão, até finalmente chegarmos a umestágio de aceitação e paz interior.É melhor fazermos isso agora, antes que umadoença terminal apareça, pois, caso isso aconteça,corremos o risco de não ter tempo suficiente paraaceitar psicologicamente nossa morte, morrendoentão com a mente cheia de medo e raiva,justamente o que desejamos evitar.
  65. 65. "Você podesobreviver, massobrevivêncianão é vida."(Osho)
  66. 66. A vida é um banquete. E a maior tragédia é que a maioria das pessoas estáMorrendo de fome. Motivo: A maioria está hipnotizada. Está adormecida.Está morta para o banquete Da grande luz.Desperte, acorde, desconfie de si mesmo.Encare a ideia de que você não quer ser despertado.O homem velho não é algo que está lá.Ele é você.E, por isso mesmo a não –mudança. A morte em vida. A ação errada contínua.A preguiça em mudar. Você não quer mudar. Preguiça em enxergar. A revoltReceber algum ensino. A antipatia a quem ensina, faz uma palestra, toca na feQue é você...O egoísmo e o orgulho estão atrelados ao sentimento primitivo de auto preservO medo da morte. O medo da morte do velho homem.
  67. 67. Se lembrarmos da morte todos os dias,rapidamente perderemos a fascinaçãoneurótica por esta vida, e nossas atividadesdo dia-a-dia se tornarãoassim ações autocurativas.
  68. 68.  Alcançar novos patamares de qualidade em nossas manifestações não requer apenas mudança na forma depensar e sentir sobre algo, mas também uma reflexão profunda sobre a qualidade da determinação aplicada na direçãodos objetivos prioritários estabelecidos. É essencial verificarcom clareza onde exatamente se quer chegar e o quanto sequer. Cada conquista exige sua cota de esforço e suor. A vida, em qualquer dimensão, é um constante sistema de escolhas interdependentes. Optar por alguma coisasempre implica na renúncia de outra. A condição em que nos encontramos atualmente é resultado das escolhas dopassado, assim como o futuro depende de nossas atitudes nopresente.
  69. 69. Acontece também desse processo sofreruma aceleração, principalmente se o seudespertar espiritual não é aceito de formaconsciente, então surge a crise e setransforma em emergência espiritual, ascrenças são abaladas, surgemquestionamentos sobre o seu jeito de ser,o seu relacionamento com o mundoexterno se modifica, a sua realidadepessoal é abalada. Na realidade o seuespírito quer ir além e com isso o força aum mergulho mais profundo dentro de simesmo, e nesse processo pode surgir adepressão, síndrome do pânico e outrosdesequilíbrios que são vistos pelapsiquiatria como patológicos, mas que, naverdade, fazem parte de um processo detransformação que tratadas,adequadamente, tendem a desaparecer.
  70. 70. Quanto mais a pessoa colocar resistênciaa mudança, quanto mais se apegar a umtipo de vida que tem de ser mudado, maisela sofrerá. Quanto mais quiser controlar erejeitar o processo, mais difícil ele será,podendo surgir uma luta interna muitointensa devido ao medo de tudo aquilo queestá sofrendo e que não entende. A crisese caracteriza, porque a pessoa estácolocando resistência ao processo pormedo, então nesse momento umapsicoterapia adequada é fundamental. Asvezes também a crise se caracteriza eperpetua por longo tempo porque a pessoanão encontra o seu caminho espiritualadequado e muitas vezes se perde numabusca externa, quando na realidade éinterna e não faz a transformação do euinferior que é tudo que ela precisa fazer.
  71. 71. Na realidade estamos nesse mundo numprocesso de evolução, de volta para Deus, masinfelizmente nos perdemos na matéria, achandoque somos somente um corpo e então passamosa viver em busca de satisfazer os desejos dessecorpo.Mas conforme a programação Kármica de umapessoa é possível que ela já tenha entrado numestágio de volta para Deus mais consciente eentão detonadores externos surgirão paradespertá-la para isso e esse despertar vai serfácil ou não, dependendo da resistência quecolocar no processo. A resistência acontece porconta dos nossos apegos materiais no qualestamos presos por conta de crenças distorcidasque teremos que transformar e isso geralmentese torna difícil sem uma ajuda adequada. Os
  72. 72. Esse processo de morte e renascimentopsicológico é difícil e sofrido para as pessoas queo estão vivenciando, mas é imprescindível para asua evolução. Não há como viver a Unificação como Divino que está dentro de nós, sem noslibertarmos desse eu inferior negativo que são osnossos medos, desejos, apegos, agressividades,raivas, culpas, vaidade, orgulho, egoísmo... queestão no nosso subconsciente e que O encobre.Transformar todo o nosso lado sombra é a nossaobrigação evolutiva.
  73. 73. (...) Oh! amigos da Terra! quantos devós podereis evitar o caminho daamargura com o preparo dos camposinteriores do coração? Acendei vossasluzes antes de atravessar a grandesombra. Buscai a verdade, antes que averdade vos surpreenda.Suai agora para não chorardesdepois.(André Luiz, Nosso lar, capítulo 1)
  74. 74. Você realmente QUER melhorar-se como ser humano?Você algum dia se questionou se todas as pessoas que você brigou,não gosta, Ao qual você é antipático, que não concorda com você,que fez algo que te atingiu. Pode ter a sua quota de razão?Você admite isso?Meu amigo se isso nem passou pela sua cabeça saiba que estás presono auto engano evolutivo e na auto corrupção.Pois o seguidor do Cristo não está preocupado em ter razão,mas em amar o próximo, independente de como o próximo é,fez ou age.
  75. 75. Técnica de mais um ano devida Se você deseja fazer sua vida render mais, empregue um recursoenérgico, mas decisivo: suponha que você vai ter só mais um anode vida humana. Pense nisso: tudo o que você tem e faz por aqui,terminará em definitivo daqui, exatamente, um ano, neste mesmodia de hoje, neste mesmo mês, no ano que vem. Faça a perguntaessencial: como posso melhor deixar esta vida humana? Esta postura de só admitir mais 12 meses de vida à frente lhedará, sem dúvidas, forças, inspirações e motivações para realizarem apenas um ano, o equivalente a - pelo menos - uma décadade atribuições das que devem ser cumpridas em sua programaçãoexistencial. Neste sentido, é útil tomar providências desde agora,assumindo as seguintes posturas práticas para os seus próximos365 dias, ou 52 semanas à frente: Elimine tudo o que seja supérfluo ou desnecessário para aconsecução de suas metas prioritárias. Anule para sempre apossibilidade da melancolia no final da vida e após a mortebiológica. Corte excessos, discipline-se, durma um pouco menos,execute na vida prática, diária, o que lhe falta fazer, desenvolver,realizar.
  76. 76.  Firme-se nas facetas positivas das suas relações com a família,seres amados, adversários, colegas, filhos e até animaisdomésticos. Expresse toda a sua fraternidade para todas aspessoas vivenciando com AMOR as suas afeições, ao máximo,neste ano crítico e decisivo para você. Faça essE AMOR dar-lheforças e motivações redobradas para você atingir suas metas,sem perder sua saúde, tempo, energias e chances. Elimine todas as suas áreas problemáticas, dificuldades, tropeçose embaraços a partir da sua premência inevitável de realizar seustrabalhos dentro do prazo exíguo de um ano de vida apenas.Abra mão de seus personalismos, atritos, mágoas eressentimentos. Melhore o que restou das suas ações pelas quaisainda se arrepende. Identifique quais os programas, projetos e metas libertárias quevocê vem alimentando, há muito tempo, e não conseguiu cumpriraté o momento. Agora que sabe que está deixando tudo por aqui, dentro de umano, ponha em uma planilha o seu novo programa existencial,exequível, e mude para melhor tudo o que puder, em umareciclagem emergencial ou ponto de viragem da vida.
  77. 77. Vaso EscolhidoTim e VanessaNo deserto das incompreensões o amor de Deus a nos chamarA nos levantar das lutas humanas e enxugar lágrimas de um mundo afãEm Damasco, num portal de luz o inolvidável tecelãoVai se encantar com a visão celeste,se curvar ante o seu MestreSe ofuscar com a luz amiga e entender a razão da vida enfimPalavra em harmonia, canções maestramente entoadasPor anjos de esferas sublimadas ao clarão que ofuscaO brilho do sol compadecido, inspirado, amávelPercorre os caminhos, acalma o gemido dos aflitosDe todos irmãos pequeninos, dos sedentos de DeusDe amor, pois Tu és o meu Vaso EscolhidoNecessário se faz amar, renovar-se no entendimentoNecessário é trabalhar, ser fiel no pouco e no muitoNecessário é esperar, a esperança é companheiraNecessário é perdoar, o amor mais puro se doa

×