Este artigo tem a função de trazer ao leitorum conhecimento geral da história do cinemade animação como estudo da represen...
No teatro, os primeiros ensaios registradosna Idade Média, narravam histórias atravésda interação dos personagens, dos cen...
Paola Gama & Fernanda SendraO “bullet time” éum efeito especialcinematográfico emque enquanto umaação se desenrola, otempo...
04Após analisar a história do cinema deanimação, pode-se perceber então, aimportância do trabalho de fotografiasseqüenciai...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fotografia, Cinema e Desenho Animado

2.142 visualizações

Publicada em

A relação entre a fotografia, o cinema e o desenho animado.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
790
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fotografia, Cinema e Desenho Animado

  1. 1. Este artigo tem a função de trazer ao leitorum conhecimento geral da história do cinemade animação como estudo da representaçãográfica do movimento, tendo comoprincipal personagem o fotógrafo EadweardMuybridge, autor da maior pesquisa defotografia seqüencial já realizada. Seutrabalho foi considerado um marco parao desenvolvimento das técnicas do cinemade animação, sendo utilizado até hoje comoreferência para diversos animadores.Estudos históricos mostram que desde aIdade Média o Homem se preocupou emrepresentar o movimento. Aproximadamenteno ano de 12.000 a.C., o Homem ainda nãoconhecia a escrita e para narrar um fato ouregistrar um acontecimento, era comumpintá-losnasparedesdasgrutas.Aprovadistoestá escondida nas Grutas de Altamira, naEspanha, onde foram encontradas pinturasrupestres de animais com o dobro do númerodepatasquepossui,representandoatentativade demonstrar o movimento. A linguagemdesses desenhos podia ser compreendida porum grande número de pessoas e assim osfatos não foram esquecidos dentro daquelasociedade.Devido a grande preocupação em representaro movimento nessas pinturas, os Egípcioscriaram, em 1.120 a.C. aproximadamente,o que foi chamado pelos pesquisadores deCódigo Social. Esse “código” nada mais erado que uma espécie de padrão gráfico derepresentação que era facilmente reconhecidopor todos. Dessa forma, todo podiamcompreender a narrativa proposta pelo autorproporcionando sua conservação para novasgerações.Com o tempo o Homem desenvolveu novasformas de comunicação e novos meios denarrativas nas quais a representação domovimento muitas vezes estava presente,como nas artes, na pintura, na escultura, naescrita e no teatro.Paola Gama & Fernanda SendraEm Junho de 1878na Califórnia,Eadweard Muybridgefotografou a primeirade uma série deimagens sequenciaisem movimento(cinematografia).01Eadweard Muybridge, o pai da fotografia seqüencial.A fotografia seqüencial deEadweard Muybridgee o cinema de animação
  2. 2. No teatro, os primeiros ensaios registradosna Idade Média, narravam histórias atravésda interação dos personagens, dos cenários eda platéia. Há quem acredite que a históriaera contada não só através do diálogo dospersonagens, mas também pelo cenário ondea história se passava e o figurino que o elencoutilizava. Porém, aproximadamente em5.000 a.C. na china, o teatro era apresentadoapenas pela projeção das silhuetas (sombras)dos personagens em uma parede: nascia oTeatro de Sombras Chinesas. A narrativa eraapresentada à platéia apenas pela projeçãodo movimento, sem vozes, sem figurino, ena maioria das vezes, sem cenário. Talvez asSombras Chinesas provem a importância dadescrição do movimento para a compreensãoda narrativa e explica o porquê o Homemsempre tentou representá-lo.Osanossepassaramemuitasoutraspesquisassobre a decomposição do movimento foramfeitas. No século II, por exemplo, o astrônomogrego Cláudio Ptolomeu observou e estudoua persistência das impressões visuais naretina. Este estudo mostrou que nossa retinanão é capaz de ver o movimento por inteiro,mas apenas uma seqüência fragmentada,ou seja, imagens estáticas em seqüência,que são unidas pelo cérebro, nos dando aimpressão de estarmos vendo o movimento.Tal descoberta abriu espaço para a pesquisa epara o desenvolvimento de novas tecnologiasque permitiram estudos mais aprofundadossobre o assunto.Estes fatos fizeram do século XIX, umperíodo marcado pela criação de diversosaparelhos que tinham como objetivo narrarhistórias através da projeção de desenhosque criavam a ilusão de movimento,sendo os principais: Fenasquistoscópio,Zootrópico, Praxinoscópio, Zoopraxinoscópioe Taumatroscópio. Esses aparelhos já tinhama capacidade de projetar o movimento apartir da sucessão de imagens (desenhossequênciais). Essa decomposição domovimento desenhada por artistas só erapossível após um minucioso trabalho deobservação e compreensão do movimento.Essas projeções fizeram grande sucesso naépoca, tornando-se a principal forma deentretenimento. Este foi o início da históriada animação. Além disso, essas imagensrevelavam um enorme avanço estético darepresentação gráfica do movimento.Em 1820, os franceses Niecephore Niepsee Louis Daguerre inventaram a fotografia.Esse avanço tecnológico permitiu o iníciode análises e pesquisas aprofundadas sobrea decomposição do movimento humano eanimal, através da captura real das diversasfases do movimento. A fotografia permitiaagora o desenvolvimento de uma nova formade expressão gráfica: estava nascendo ocinema.Em 1872, sob a encomenda do Governadorda Califórnia Leland Standford, o fotógrafoEadweard Muybridge desenvolveu umapesquisa que mais tarde seria considerada otrabalhomaisimportantedefotosseqüenciaisda história. Nascido em Kingston-on-Thames(Inglaterra) em 1830, Eadweard Muybridgefoi trabalhar como fotógrafo nos EUA, ondeganhava a vida retratando paisagens do Oesteamericano.Em 1872, já reconhecido por seu trabalho,foi convidado pelo Governador da Califórniapara fotografar o galope de um cavalo,com o objetivo de mostrar que este, em umdeterminado momento da ação, retiravaas quatro patas do chão (tratava-se de umaMuybridge instala24 máquinasfotográficas emintervalos regularesao longo de umapista de corrida eliga a cada máquinafios que atravessama pista. Com apassagem do cavalo,os fios são rompidos,desencadeando odisparo sucessivodos obturadores, queproduzem 24 posesconsecutivas.02Fotografia seqüencial de Eadweard Muybridge.
  3. 3. Paola Gama & Fernanda SendraO “bullet time” éum efeito especialcinematográfico emque enquanto umaação se desenrola, otempo é desaceleradoe conseguimos vera trajetória de ummovimento em 360graus, comose fosse emcâmera lenta.03aposta, na qual Standford estaria envolvido, eas fotos serviriam de provas para a apuraçãodos resultados).Muybridge,auxiliadopeloengenheiroJohnD.Isaacs,criouumsistemacompreendidopor24câmeras escuras, cada qual com uma chapaemulsionada, que eram acionadas por fiosdevidamente esticados no local onde o cavalocorreria. À medida que o cavalo passava, eletocava nos fios e acionava sucessivamenteas câmeras, capturando posições chaves domovimento do galope. Esse experimento foitão bem sucedido que não só provou que ocavalo em determinado momento do galoperetirava as quatro patas do chão, comodeu a Muybridge e a Standford as honrasda descoberta do processo de a ánalise domovimento fotograficamente.Muybridge ficou tão entusiasmado com oresultado do trabalho que dedicou o restode sua carreira à fotografia seqüencial domovimento. Sua pesquisa foi tão completaque até hoje é utilizada como referência poranimadores do mundo inteiro.Nãohádúvidassobreaimportânciadotrabalhode Muybridge para o desenvolvimento docinema. Sua pesquisa unida à descoberta daemulsão sensível à luz sobre película flexívelde celulose, criada em 1887 pelo fotógrafoamador Hannibal Goodwin, foi o ponto departida para que em 1895, os irmãos AugusteeLouisLumiéreapósanalisaremosaparelhosde projeção já existentes, puderam criar ocinematógrafo. Este aparelho apresentavaum sistema de captura e de projeção à partirde películas emulsionadas. As imagensseqüenciais das películas eram projetadascom uma freqüência capaz de dar a ilusão demovimento contínuo. Estava criado então, ocinema de animação.Ao longo do tempo o cinema foi evoluindocada vez mais e novas tecnologias foram sendodesenvolvidas e aplicadas. No século XX,surgiu então, uma nova forma de demonstrar aação, que é a tridimensionalidade à 360 graus.Esseefeitoespecialpôdeservistopelaprimeiravez em “Matrix” e foi um dos elementos quemais chamaram a atenção do público nolançamento do filme. Cenas jamais vistas eefeitos criados especialmente para o filmeprovocaram uma verdadeira revolução natécnica cinematográfica. Não seria exagerodizer que, pelo menos no aspecto técnico,o cinema nunca mais foi o mesmo depoisde “Matrix”.A principal inovação do filme era o chamado“bullet time”, um efeito que ilustrava amanipulação do tempo pelo personagemNeo (Keanu Reeves). Enquanto a ação sedesenrola, o tempo é desacelerado a ponto devermos a trajetória das balas numa espécie decâmera lenta. Enquanto o personagem desviadasbalas,manipulandoagravidade,câmerasmostram a ação em 360 graus.Praticamente todas as produções de aventuralançadas depois de “Matrix” copiavam, deuma forma ou de outra, este efeito. O “bullettime” virou mote até mesmo de comerciaispara a TV e paródias como “Todo Mundoem Pânico”. As inesquecíveis cenas de luta,misturando golpes de kung fu com câmeraslentas e acrobacias inovadoras, tambémcaíram nas mãos dos plagiadores de filmes edesenhos animados.O efeito “bullet time” em uma cena de Matrix.
  4. 4. 04Após analisar a história do cinema deanimação, pode-se perceber então, aimportância do trabalho de fotografiasseqüenciais de Eadweard Muybridge. Elasajudaram os animadores a compreendermelhor o movimento e suas posiçõeschaves, afinal é muito mais fácil estudarum movimento decomposto em uma sériede fotografias do que tentar fazê-los a “olhonú” e em tempo real. Esse estudo permitiu odesenvolvimento cinematográfico e permitiua evolução na forma de representar umaação, que é o caso do filme “Matrix”. Oestudo fotográfico do movimento foi a maiorimportância do trabalho de Muybridge para odesenvolvimento do cinema.Hoje, pode-se dizer que as evoluçõescinematográficas não têm limites. A cada diaquepassaohomemdesenvolvenovastécnicas,novos efeitos especiais, novas formas dedemonstrar os movimentos e as ações, que setornamcadavezmaisreaisenosfazconfundirmuitas vezes a ficção com a realidade. BIBLIOGRAFIABARBOSA JÚNIOR, Alberto Lucena. Arte daAnimação Técnica e Estética através daHistória, São Paulo: Editora SENAC SP,2002. 456 p.JANSON, H. W. & JANSON, Antony F. Iniciaçãoà História da Arte - 2ª ed. São Paulo:Martins Fontes, 1996. 475 p.LAYBOURNE, Kit. The Animation book:A complete guide animated filmmarkingfrom flip-books to sound cartoons to 3-Danimation. new digital edition. New York:Three Rivers Press, 1998. 426 p.MORENO, Antonio. A experiência brasileira nocinema de animação, Rio de Janeiro:Artenova, 1978. 127 p.PERISIC, Zoran. Guia prático do cinema deanimação. Lisboa: Presença; São Paulo:Martins Fontes, 1979. 238 p.1826Thaumatrópo1812Fenacistoscópio1834Zootrópo1877Praxinoscópio1878Zoopraxinoscópio1878Fuzil fotográfico1890Cinetoscópio1895CinematógrafoLinha do Tempodas invençõesdos principaisaparelhos dahistória daevolução docinema.

×