Marketing Internacional

1.565 visualizações

Publicada em

Os Preços a nível das multinacionais.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Marketing Internacional

  1. 1. Marketing Internacional A variável preço em Marketing Internacional Ana Patrícia Dias Baltazar nº7664 Introdução De uma maneira global o preço é algo que sempre interessou às pessoas, tirando aquelas que realmente têm muitas posses e o preço das coisas não lhes faz muita diferença, pois onde quer que olhemos perguntamo-nos sempre queiramos ou não qual é o preço, se realmente estivermos interessados em comprar algo, logo o preço é um dos factores mais importantes nas decisões de compra de qualquer consumidor normal e que o faz variar muitas vezes de um produto ou de um serviço que pretenda adquirir. Quando falamos de Marketing Internacional, estamos a conjecturar sobre produtos ou serviços que vão ser transaccionados para além dos limites onde estamos, logo uma das coisas que mais concessiona esta tomada de decisões na internacionalização é o preço, se compensa ou não faze-lo, pois como as realidades são diferentes de país para país a marca1 quando exporta tem que pensar nos custos no estrangeiro e no poder de compra do mesmo, pois se tiver que aumentar os preços será que a nova sociedade onde se vai inserir pode suporta-lo? Ou mesmo será melhor fazer uma fábrica no país onde nos vamos inserir de forma a baixar os preços? E será que isso compensa com o preço das matérias-primas? Ou seja todas as questões que envolvem o preço têm que ser bem ponderadas pois as marcas nunca se podem internacionalizar de “ânimo” leve com o risco de porem o resto da empresa toda em causa. Pois quando uma marca se internacionaliza tem que saber 1 É um nome, termo, sinal, símbolo ou colaboração dos mesmos, que tem o propósito de identificar bens ou serviços e de diferenciá-los dos concorrentes. 4
  2. 2. conjugar muitas coisas e uma das mais importantes é o preço em relação ao seu próprio estatuto perante a concorrência que certamente quererá manter no estrangeiro. Palavra-chave: preço, marketing internacional, mercado internacional, diferenças. A Variável “Preço” Os preços a nível das multinacionais2 têm dois níveis diferentes, especialmente quando falamos do marketing internacional. No primeiro nível há tendência para se fixar os preços de cedência interna, ou seja, como a troca de produtos é feita em prol de fins comuns entre a casa mãe e a filiar a tendência é fixarem-se os preços das trocas comerciais, de forma a se poder beneficiar ao máximo da internacionalização, pois na maioria dos países onde novas empresas se querem instalar por norma as cargas fiscais são um pouco mais baixas para se incentivar a que as marcas e as empresas se fixem nos países e se os preços forem mantidos iguais e por norma baixos existes ganhos fiscais importantes para estas empresas que se querem implantar no novo mercado. No segundo nível os preços são fixados quando os produtos são vendidos ao distribuidor ou ao consumidor final, podendo estes preços também variar conforme o mercado em questão o que pode levar a que o preço varie irremediavelmente de preço conforme o sítio em questão. “Os custos de produção e/ou de transporte do produto podem variar consideravelmente: uma garrafa de água de Evian exportada para o Japão, por exemplo, torna-se muito mais cara que uma garrafa comercializada em Paris ou Lisboa.” (Mercator XXI, p.485) As razões para que isto aconteça são que conforme o país onde se está inserido os objectivos do marketing podem ser diferentes dependo do tipo de politica que é escolhida pela empresa, que pode ser de penetração3 ou de desnatação4, outra razão é os 2 É uma empresa que opera e/ou fabrica em dois ou mais países diferentes 3 Preço baixo 4 Preço elevado 4
  3. 3. custos que a produção do produto pode ter, os impostos praticados no país para o qual nos vamos internacionalizar, as variações de preço da nova moeda que existe no país se for o caso desse mesmo país ter uma moeda diferente da nossa, a concorrência que existe nesse país que pode ser maior ou menor dependendo do grau de desenvolvimento do país, o nível de vida do país entre outros. Logo postos estes factos todos acima referidos o facto de o mundo ser visto como uma aldeia global, não tem propriamente a ver com o preço praticado de sítio para sítio pois esse varia e bastante por norma, mas sim com o facto de o preço se manter no mesmo nível social que no seu país de origem, ou seja, se uma produto for visto com um estatuto elevado pois os seus produtos são de qualidade e se referem a um nível de vida elevado, e como a marca certamente quer manter esse estatuto no país para o qual se vai internacionalizar, então vai acontecer que mesmo que o preço seja mais baixo é porque o nível de vida nesse país também o é mas mesmo assim isso só é viável porque as pessoas que vão adquirir do nosso produto ou serviço no país em que nos vamos internacionalizar têm um estatuto elevado e/ou dinheiro suficiente para poderem usufruir do nosso produto ou serviço. Mas de qualquer maneira a marca quando se internacionaliza tem que ponderar se o preço é justo e viável para poder ser internacionalizado, o que cria um dilema interno. O que fazer para que nem a marca perca estatuto nem os preços da marca subam a ponto de se tornarem insustentáveis? “A marca das empresas multinacionais esforça-se por utilizar a mesma marca em todos os países onde opera e tira assim pleno partido dos seus investimentos em comunicação sobre a marca” (Mercator XXI, P.484) A ideia lógica é conseguir chegar a um consenso no meio disto tudo, ou seja, fazer ajustes no preço tendo em relação aos custos iniciais (que podem ser os mesmos mais altos ou mais baixos, depende se a marca produz no país para onde se moveu se exporta da casa mãe os seus produtos) sem que o foco entre o preço inicial perante o mercado em questão não seja muito grande do preço que a marca costuma fazer, pois se isto não for uma “regra” a marca corre o risco de começar a ser mal vista o que pode ter efeitos avassaladores a nível internacional e posteriormente a nível nacional. Estas variações de preços entre os países trazem riscos a nível do posicionamento do produto e no incentivo de importações paralelas5 as da marca que podem ser completamente nocivas para a nossa marca, o que se tornará fácil que aconteça pois a 5 É a importação realizada à margem do circuito oficial de distribuição de um produto. 4
  4. 4. discrepância entre o dollar e o euro é muito assentada e a própria Internet veio permitir a que seja possível saber os preços das coisas em qualquer ponto do país, ou seja, se os consumidores se apercebem que estão a pagar muito mais por um produto podem optar por criar as tais importações paralelas, o que gera ainda mais concorrência. Devido a isto muitas empresas têm optado por simplesmente não divulgar os preços através da Internet de forma a não fazerem concorrência a elas próprias, pois imagine-se que uma empresa vende um telemóvel por exemplo que tem de diferença de uma país para o outro de 100 euros, é normal que alguém tente importar o telemóvel do estrangeiro que até sai da casa mãe, ou seja, provoca lucros à partida, mas faz uma concorrência ao mesmo telemóvel no pais onde a empresa se internacionalizou, ainda por cima hoje em dia na união europeia por exemplo existe a livre circulação de pessoas e bens o que torna ainda mais fácil a importação livre das coisas. Logo as marcas têm todo o interesse em que os seus preços sejam confidenciais através da Internet, e também têm o interesse de aconselhar as suas filiais a vender os seus produtos por determinado preço de forma à marca não cair completamente e isso possa obviamente prejudicar e de que maneira a boa imagem que a empresa tem no seu mercado. Conclusão Podemos concluir que o preço é uma das variável mais importantes do para o estabelecimento de uma marca no estrangeiro, sendo também muito difícil de ser calculado o que gera quase sempre um factor acrescido nas empresas que se querem internacionalizar que é o risco, o que pode levar a que a reputação da empresa seja completamente destruída. 4
  5. 5. Bibliografia • LINDON, Denis; LENDREVIE, Jacques; LÉVY, julien; DIONÍSIO; Pedro; RODRIGUES, Joaquim Vicente; (1999-2004) “Mercator XXI – Teoria e prática do Marketing”, 10a edição, publicações Dom Quixote. • LOMBIN, Jean-Jacques ; (2000)“Marketing Estratégico”, 4a edição, editora McGraw – Hill Webgrafia • Global.estgp http://www.global.estgp.pt/alunos/pmlopes/Marketing/Marketing (4/11/2008) • Wikipedia http://pt.wikipedia.org/wiki/Multinacional (2/11/2008) • Marketing Tingteacher http://www.marketingteacher.com/Lessons/lesson_marketingmix_portuguese.ht m (2/11/2008) • Portal do Marketing http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos/Marketing (4/11/2008) 4

×