As primeiras descobertas na América
As primeiras incursões dos colonizadores na América é um acontecimento
datado do fim d...
além de que apesar de serem alvos de crueldades, muitos dos nativos eram protegidos
pelos missionários, como frei Bartolom...
vingança, a desunião e o descontentamento das demais tribos se aliaram a cobiça
espanhola, influenciando na vitória dos es...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As primeiras descobertas na américa.lamarca

291 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As primeiras descobertas na américa.lamarca

  1. 1. As primeiras descobertas na América As primeiras incursões dos colonizadores na América é um acontecimento datado do fim do século XV até meados do XVI. Várias são as denominações dadas pelos conquistadores ao continente recém-descoberto, como: “Paraiso Terrenal” (p.434); “Tierra Firme” (p.499); e a mais utilizada “Nuevo Mundo” (p.419), além disso, Carlos Lamarca se utiliza da localização geográfica dos países no continente (norte, sul, centro) para situar o leitor, utilizando raramente apenas a expressão “America”. O processo de descoberta do continente americano foi iniciado com a revolução intelectual –representada pelo advento da bússola e do Renascimento Italiano- e com as mudanças políticas- como o controle, pelos turco-otamanos, das rotas de navegação que ligavam a Europa a Ásia- que tornaram impraticáveis as rotas de mercadorias entre os continentes e que culminaram com a Descoberta da América em 1492. Entretanto, a Descoberta de 1492 é relegada ao segundo plano devido a figura imponente de Cristóvão Colombo. Assim, o acontecimento é contado através das características pessoais do navegador e das suas quatro viagens ao continente. Nessas viagens, os nativos aparecem como passivos, impotentes ao poderio espanhol ou até mortos em chacinas. Apesar de considerar Colombo como um enviado de Deus à América, Lamarca deixa claro, em sua narrativa, que não só de maravilhas foi passagem do genovês pelo continente: como, de inicio, não se encontrou ouro em abundância nas terras descobertas, outros colonizadores desanimavam e ficavam indisciplinados diante a situação, somados ainda a falta de apoio da coroa espanhola. Outro problema enfrentado por Colombo eram as incursões inglesas ao continente, que devido a disputas políticas, decidiu competir com a Espanha na América e assim destruir a sua supremacia no mundo colonial e marítimo. No acontecimento das descobertas na América, também são tratados os primeiros indícios de colonização do continente, tendo destaque os “repartimientos” empreendidos pelos espanhóis, que representaram a base geral da colonização espanhola em todo continente. Quanto ao encontro, muitas vezes marcado pela violência, entre os colonizadores e os nativos, Lamarca defende que os espanhóis dos séculos XV e XVI não foram mais e nem menos cruéis que os de qualquer outra nação,
  2. 2. além de que apesar de serem alvos de crueldades, muitos dos nativos eram protegidos pelos missionários, como frei Bartolomeu de Las Casas. Ao encerrar o acontecimento das descobertas da América, Carlos Lamarca retoma a figura de Colombo que, apesar de considerá-lo o maior navegador de seu século, cometeu muitos erros: era orgulhoso, parcial demais com os espanhóis e cruel com os nativos. Entretanto, esses erros devem ser esquecidos diante da magnitude dos seus atos. Assim, a lição final é clara: apesar do processo de descoberta do continente ser feito através de atrocidades com os nativos, os espanhóis não devem ser julgados pelos valores morais e noções de direito da sociedade do século XX. A conquista da América A conquista da América é um acontecimento que ocorre no século XVI. Para Lamarca, existe uma correlação entre a Descoberta e a Conquista do continente, o que ele chama de uma “história progressiva da América”, na qual existe, entre os acontecimentos, uma causa-consequência que ultrapassa tanto a Descoberta da América quanto a Conquista. Seguindo esse preceito de história progressiva, o continente americano é separado de acordo com a sua localização geográfica (norte, sul e central) e ao tratar dos exemplos mexicanos e peruanos é utilizada a expressa “Nueva España”. Na América do Sul e Central, a conquista foi empreendida através dos “fantasmas” do ouro e da prata que obcecavam os ambiciosos espíritos espanhóis. Para Lamarca, a conquista é um momento importante da História americana, pois é quando Hernán Cortes e os seus viram, pela primeira vez, os astecas, seres que representavam uma etapa da evolução cultural da humanidade. Sobre os astecas- localizados no México-, as superstições influíram drasticamente em sua derrocada para os espanhóis: além dos presságios funestos –como o caso de um índio arrebatado por uma águia- a crença na lenda de Quetzacoatl (ou serpente emplumada) fez com que Montezuma e seus súditos relacionassem esse mito a chegada dos espanhóis no México, os considerando como seres sobrenaturais, dando-lhe presentes, o que aumentou a confiança e cobiça dos colonizadores. É com a conquista dos astecas que os nativos adquirem um representante na História da América: Montezuma, um líder extremamente sanguinário e que era odiado pelas outras tribos devido ao seu poder e domínio do México. Assim, o sentimento de
  3. 3. vingança, a desunião e o descontentamento das demais tribos se aliaram a cobiça espanhola, influenciando na vitória dos espanhóis, liderados por Hernán Cortes- o “maior marinheiro do seu século”. Repleta de aspectos dramáticos, para Lamarca, a conquista, o desmembramento e o aniquilamento da confederação asteca é um dos episódios mais românticos que registram a história. A conquista nos outros territórios da América do Sul e Central não diferem muito do exemplo mexicano, o resultado é sempre o mesmo: mortandade dos nativos, revoltas desorganizadas e depois reconstrução dos países pelos espanhóis ou portugueses. Com relação à América do Norte, apesar das regiões que compreendem o Rio Mississipi e o Oceano Atlântico serem uma barreira intransponível para os colonos espanhóis, foi com as investidas da Espanha ao continente que foram fixadas as ideias sobre a sua extensão e dissipados os erros geográficos. Após o término das hostilidades entre a Espanha e a Inglaterra (1585) é que se inicia a conquista da América do Norte. Por fim, Lamarca defende os conquistadores espanhóis: esses, com exemplos de habilidade, energia e resistência física superaram as investidas inglesas e francesas e ocupam uma posição honrosa entre os grandes exploradores que registram a história. Sobre os julgamentos que são advindos das crueldades espanholas, Lamarca adverte: não há porque julgar os outros, o tempo e os seus pecados os castigaram depois (p.104).

×