Musicoterapia no luto e na perda reprodutiva

1.045 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.045
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Musicoterapia no luto e na perda reprodutiva

  1. 1. ATIVIDADE S CRIATIVAS NA TERAPIA DAPERDA GESTACIONAL Ana Maria Arruda Lana
  2. 2. PERDA REPRODUTIVAAborto, gravidez ectópica, gravidez molar, fertilização “in vitro”, óbito perinatal FATORES • FREQUÊNCIA • HISTÓRICOS • IMPACTO • CULTURAIS • ATITUDE • SOCIAIS • ECONÔMICOS • SUPORTE
  3. 3. Aborto Óbito fetal e perinatal precoce Natimorto Neomorto < 10 semanas > 20 semanas tardio > 500 g  precoce 11 a 20 < 7 dias semanas  tardio < 500 g 8 – 28 dias
  4. 4. FREQUÊNCIAEuropa , século XIXMortalidade infantil (< 1 ano) = 150-200/1.000 nascidos vivosNatimortalidadeInglaterra: registros a partir de 1928UK, Europa, USA (6 cidades), 1880-1930 = 5-10% dos nascimentosSéculo XXMortalidade perinatal, UK1945 = 45 / 1.000 nascidos vivos1981 = 12 / 1.000 nascidos vivos (Badenhorst & Hughes, 2007)
  5. 5. Século XXI15 % das gestações clinicamente reconhecidas (≥ 6 semanas)Entre 6-12 semanas: risco de 9-12% em mulheres < 35 anos 45% acima dos 40 anos Recurrente: 5% dos casais que planejam família 30 % de todas as concepçõesÓbito perinatal - USA, 2003 = 11/1.000 * Brasil, 2007** óbito fetal = 11.1/1.000 óbito neonatal precoce = 8.1/1.000 tardio = 2.5/1.000*National Center for Health Statistics, 2003** MS/SVS/DASIS-SIM
  6. 6. PERDA REPRODUTIVA NO HC/UFMG 107 autópsias perinatais2007 a 2008 280 abortos precoces 53 abortos tardios 440 casos 81 óbitos perinatais (12% dos óbitos 2009 hospitalares) 23 abortos / mês 357 casos MAIS DE UMA PERDA / DIA
  7. 7. IMPACTO E SIGNIFICADO FASES DO LUTOKübler-Ross, E. (1969) Silvermann, P. (2000)Negação Impacto Raiva Negociação SIGNIFICADO “Rebote” Depressão Aceitação AcomodaçãoNa perda reprodutiva diferente e ainda pouco compreendido “Perder o futuro” Culpa Memória traumática A PERDA INVISÍVEL Recurrência
  8. 8. MÃE Tristeza, raiva Irritabilidade , insônia Sintomas somáticosVÍNCULO PRECOCE Depressão Morrison, 2006 Ansiedade Stress pós-trauma em gravidez subsequente (em 1/5) Transtorno obsessivo-compulsivo Conflito conjugal PAI IRMÃOS FAMÍLIA
  9. 9. ATITUDE / SUPORTEOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE E O MEIO SOCIALElia, A.D. The management of grief situations in obstetrics.BMQ v.10, n.1, p.6-12, 1959 Primeiro relato (literatura médica)Kennel, J.H. et al . The mourning response of parents to the death of thenewborn infant. N Engl J Med, v.283, n. 7, p.344-349, 1970. O “NÃO-EVENTO” FASE IMEDIATA  A atitude dos médicos do ultrassonografista ao patologista  Programas hospitalares de humanização e de aconselhamento FASE TARDIA (seis meses / um ou dois anos)  Não-reconhecimento pelos profissionais da área da saúde e pela própria sociedade
  10. 10. A grief without a shape is imageless. ATIVIDADES CRIATIVAS………………………………….A grief without a shape is endless… P.Petrie, “Lost child” (1984) Artesanato Tapeçaria Apoio Artes plásticas SÍMBOLOS espiritual RITUAL Literatura e poesia Apoiopsicológico Psicodrama / Histórias Give sorrow words. Música The grief that does not speak Whispers the oer-fraught heart And bids it break. William Shakespeare, MacBeth
  11. 11. Mizuko Kuyō (水子供養) Mizuko jizō Mizuko , 水子 “filho da água” vida líquida
  12. 12. ARTE COMO ELABORAÇÃO E EXPRESSÃO DA PERDA REPRODUTIVA Frida Kahlo Hospital Henry Ford (1932)
  13. 13. CURANDO COM ARTE ponte entre o consciente e o inconsciente via de expressão dos sentimentos forma produtiva de revelar e processar emoções oportunidade de ver situações sob nova perspectiva forma de os outros compreenderem a experiência da perda registro visual e memorial permanente Laura Seftel, Grief Unseen, 2006
  14. 14. The Secret Club
  15. 15. FORMAS DE SUPORTE AO LUTO  Psicoterapia  Arteterapia  Redes de apoio MUSICOTERAPIACrianças e adolescentes Cuidados paliativos , câncer, AIDS Idosos / cuidadoresAdultos Mulheres (viúvas) Refugiados, guerras, catástrofes Pais Ruth Bright O LUTO NA PERDA REPRODUTIVA : UM CAMPO DE ATUAÇÃO DA MUSICOTERAPIA ?
  16. 16. ENCONTROS HUMANISTASAtividades criativas na terapia da perda gestacional Ana Maria A. Lana Criatividade e expressão pessoal sob a ótica da Abordagem Centrada na Pessoa Marcia Piramo Proença Dia 26/09, quarta-feira, das 19 às 21 horas Instituto Humanista de Psicoterapia Rua Aristóteles Caldeira, 87 Prado Tel: 3292-8431
  17. 17. FUTUROPASSADO Programa de atendimentoSuporte ausente ou informal em Musicoterapia CRIATIVAPRESENTE  Improvisação  Recriação Profissionais sensibilizados  Composição Serviço Social atuante Programa de Humanização Perform dar forma a Outras formas de expressão  Verbalização  Outras formas de arte
  18. 18. O LUTO NA PERDA REPRODUTIVAUM CAMPO DE ATUAÇÃO DA MUSICOTERAPIA
  19. 19. Obrigada

×