Anais IV CBED

11.717 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Anais IV CBED

  1. 1. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: A AUTOIMAGEM DOS CLIENTES COM AFECÇÕES CUTÂNEAS HOSPITALIZADOSAutores: PATRICIA BRITTO RIBEIRO DE JESUS EUZELI DA SILVA BRANDÃO ENEAS RANGEL TEIXEIRA IRACI DOSSANTOSTítulo: A EXPERIÊNCIA DOS GRADUANDOS DE ENFERMAGEM NO CUIDAR DE PACIENTES INTERNADOS COMFERIDASAutores: ARIANA NOGUEIRA DO NASCIMENTO CHRISTIANY NATASHA PEREIRA SILVEIRA JOSIANA HERZOG DECARVALHO KAROLINE CARVALHO SIGLERTítulo: A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UM CASO DE PACIENTE PORTADOR DE PÊNFIGOFOLIÁCEO (PF)Autores: JAQUELINE SUZAN CARDOSO FREITAS LAYSE V. R. PASSOS GABRIELE S. MAZZOCHIN DANIELA F.OLIVEIRA DAIANE ARRAZ ROCHATítulo: A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM NO APOIO PSICOSSOCIAL AO PACIENTE PORTADOR DE VITILIGOAutores: NAYARA MAGDA GOMES BARBOSA LANA KELLY LINS BRAGA LUCILIANA RODRIGUES DA SILVA VANESSADIAS DA SILVATítulo: A IMPORTÂNCIA DAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA HANSENÍASEAutores: LANA KELLY LINS BRAGA LUCILIANA RODRIGUES DA SILVA NAYARA MAGDA GOMES BARBOSA VANESSADIAS DA SILVATítulo: A INFLUÊNCIA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NA QUALIDADE DE VIDA DAS PESSOAS COM ÚLCERA VENOSAAutores: THALYNE YURÍ ARAÚJO FARIAS DIAS ISABELLE KATHERINE FERNANDES COSTA CRISTINA KATYA TORRESTEIXEIRA MENDES SAMILLY MÁRJORE DANTAS LIBERATO AMANDA JÉSSICA GOMES DE SOUZA GILSON DEVASCONCELOS TORRESTítulo: A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DA EQUIPE ASSISTENCIAL PARA TRATAMENTO DE LESÕESSECUNDÁRIA A MAU FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRALAutores: ISABEL MARTINS ANGELITA LENZ VANESSA ARAÚJO PALOMA LEMOSTítulo: A UTILIZAÇÃO DE UMA FERRAMENTA TOPOGRÁFICA PARA MENSURAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE FERIDASAutores: ROSANA MARCELINO BRAZ REGINA HELENA SQUIZATTO NADIA APARECIDA ANTONIA POLETTI THAISANDRADE FRANCISCOTítulo: A UTILIZAÇÃO DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NA IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DA SINDROME DA LUVAPURPÚRAAutores: CAROLINA DE BARROS NUNES DIAS FARIA ANDREIA DE FÁ• TIMA CORNÉLIO DAVID PINTO RIBEIRO ANAFLÁ• BEZERRA IVANY MACHADO DE CARVALHO BAPTISTA STELA MÁ• VIA RCIA DRAIB GERVÁSIOTítulo: AÇÃO PROGRAMÁTICA EM SAÚDE: AVALIAÇÃO DE LESÕES DE PELEAutores: AMANDA MUNIZ DE OLIVEIRA ANA CAROLINE DIAS DE ALMEIDA CAROLINA JACQUES ALMEIDA SOUZAÉRICA SOARES DE ALMEIDA MARYDULCE VASCONCELOS BATISTA RITA DE CÕ BARBOSA DE ARAÚJO SSIATítulo: ALTERAÇÃO NA INTEGRIDADE/COLORAÇÃO DA PELE: VALIDAÇÃO DE ESCALA CROMÁTICA NOS TRAUMASPOR PUNÇÕES VASCULARES PERIFÉRICASAutores: CRISTINA ARREGUY-SENA PAULA KREMPSER RAQUEL NOGUEIRA AVELAR E SILVA DELIANE VILELA DEOLIVEIRA NATHÁLIA ALVARENGA MARTINSTítulo: ANÁLISE DAS SUBESCALAS DE BRADEN COMO INDICATIVOS DE RISCO PARA ÚLCERA POR PRESSÃOAutores: DÓRIS BARATZ MENEGON ROSSANA ROSA BERCINI CÁSSIA TEIXEIRA DOS SANTOS AMÁLIA DE FÁTIMALUCENA ANA GABRIELA SILVA PEREIRA SUZANA FIORE SCAINTítulo: APLICAÇÃO INTRAMUSCULAR DE COMPLEXO VITAMÍNICO DE USO VETERINÁRIO ASSOCIADO A ÓLEOMINERAL: ESTUDO DE CASOAutores: EUZELI DA SILVA BRANDÃO VIVIANE PINTO MARTINS BARRETO MARCOS EUGÊNIO DA SILVATítulo: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PORTADORES DE PSORÍASEAutores: LUCILIANA RODRIGUES DA SILVA LANA KELLY LINS BRAGA NAYARA MAGDA GOMES BARBOSA VANESSADIAS DA SILVA
  2. 2. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO DO PÉ DIABÉTICOAutores: ANDERSON ALVES LIMA SANTOS CAROLINA MADEIRO MEIRA CHARLINE MACHADO DE SOUZA BRITOJÉSSICA SILVA DE ARAÚJO MANUELLA COELHO NOVAIS LUCIANA CUNHA PAIXÃOTítulo: AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE FERIDASAutores: RAFAELA DA SILVA ARGOLO MARGARETE COSTA SANTOSTítulo: AVALIAÇÃO CLÍNICA DE ÚLCERAS DE PERNA EM IDOSOSAutores: JORDANA PRADO BENEVIDES JANAINA FONSECA VICTOR COUTINHO MÍRIA CONCEIÇÃO LAVINAS SANTOSMARIA JOSÉ AGUIAR DE OLIVEIRA FRANCISCA DE FÁTIMA VASCONCELOS TIAGO BARRETO DE CASTRO E SILVATítulo: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA BOTA DE UNNA ARTESANAL NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS VENOSASAutores: ADRIANA RODRIGUES DOS ANJOS MENDONÇA BRUNA SUELLEN RAYMUNDO LUZ CRISTINA SOUSAARAÚJO DÊNIA AMÉLIA NOVATO CASTELLI VON ATZINGENTítulo: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM ÚLCERA VENOSA COM O SF-36Autores: ISABELLE KATHERINNE FERNANDES COSTA THALYNE YURÍ ARAÚJO FARIAS DIAS CRISTINA KATYATORRES TEIXEIRA MENDES ISABELLE CHRISTINE MARINHO DE OLIVEIRA LAYS PINHEIRO DE MEDEIROS GILSONDE VASCONCELOS TORRESTítulo: AVALIAÇÃO DE FERIDAS EM USUÁRIOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE UM SERVIÇO PÚBLICO DETERESINA-PIAutores: SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA ALLANA KAREN SANTOS SERRA LAYANE CARVALHO DOS REISMARIA DO LIVRAMENTO SARAIVA LUCOVEIS MARIA HELENA BARROS ARAÚJO LUZTítulo: AVALIAÇÃO DE PACIENTES COM ÚLCERA VENOSA SEGUNDO A TAXONOMIA II DA NANDAAutores: GLYCIA DE ALMEIDA NOGUEIRA BEATRIZ GUITTON RENAUD BAPTISTA DE OLIVEIRATítulo: AVALIAÇÃO DE TOXICIDADES DERMATOLÓGICAS EM UM AMBULATÓRIO DE QUIMIOTERAPIA: ROTINA EINSTRUMENTOAutores: MARIA CRSITINA SARDINI ANA CRSITINA PIRES DA SILVA CAROLINA DA CUNHA FERNANDES FABIANOGUEIRA LAURA MARIA SAHM BUENO RUIZ RAQUEL CALDEIRA SANCHESTítulo: AVALIAÇÃO DE ÚLCERAS ARTERIAISAutores: LUMA SANTOS RAQUEL CUNHA TAIS TONELLI SHEILA MARIA PATRICIA FERREIRATítulo: AVALIAÇÃO DE ÚLCERAS VENOSASAutores: TAIS TONELLI LUMA SANTOS SHEILA MARIA RAQUEL CUNHA PATRICIA FERREIRATítulo: AVALIAÇÃO DO IMPACTO PSICO-SOCIAL DA PSORÍASE EM PACIENTES ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE UMHOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO INTERIOR DE SÃO PAULOAutores: MARIA HELENA SANT ANA MANDELBAUM SAMUEL HENRIQUE MANDELBAUMTítulo: AVALIAÇÃO DO USO DA TECNOLOGIA HIDROFIBER NO TÉTANOAutores: GERLUCE ARAÚJO SILVA DE SOUZA MONTEIRO FLÁVIA LUCIENE NOVAES MÁRCIA MARIA DE LIMA SILVATítulo: AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO EXTRATO AQUOSO DA POLPA E DA CASCA DE BANANA VERDE (MUSASAPIENTUM) SOBRE INCISÕES CIRÚRGICAS EM RATOS.Autores: LORRAINE LORENE FELIX CARDOSO THIAGO RICARDO SILVA DÊNIA AMÉLIA NOVATO CASTELLI VONATZINGEN FABIO HERBST FLORENZANO LILIANE CRISTINA DA SILVA ADRIANA RODRIGUES DOS ANJOSMENDONÇATítulo: BOAS PRÁTICAS DA PREVENÇÃO DE ULCERAS POR PRESSÃOAutores: CLODINE PEPES WENDY YAMAMMOTO TATIANA TIRADENTESTítulo: CÂNCER ENTRE PORTADORES DE EPIDERMOLISE BOLHOSA DISTROFICA RECESSIVA (EBDR) NO BRASILAutores: VANIA DECLAIR COHEN
  3. 3. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: CARACTERIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE PESSOAS COM ÚLCERA VENOSA ATENDIDAS EM UM HOSPITALUNIVERSITÁRIOAutores: THALYNE YURÍ ARAÚJO FARIAS DIAS CRISTINA KATYA TORRES TEIXEIRA MENDES ISABELLE KATHERINNEFERNANDES COSTA GABRIELA DE SOUSA MARTINS MELO MANUELA PINTO TIBÚRCIO GILSON DE VASCONCELOSTORRESTítulo: CARACTERIZAÇÃO DE FERIDAS EM PACIENTES ACAMADOS EM DOMICÍLIO CADASTRADO NA ESTRATÉGIASAÚDE DA FAMÍLIA DE TERESINA - PIAUIAutores: SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA JEANE ARAÚJO DE BRITO MARIA DO LIVRAMENTO SARAIVALUCOVEIS KAROLINE MONTEIRO BARROS MARIA HELENA BARROS ARAÚJO LUZTítulo: CARACTERIZAÇÃO DE PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE PÉ DIABÉTICO ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIODO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULOAutores: JESSICA SANTOS DENILSON PEREIRA JOSÉ CLEA DOMETILDE SOARES RODRIGUES NADIA ANTONIAAPARECIDA POLETTITítulo: CARACTERIZAÇÃO DOS PACIENTES PORTADORES DE FERIDAS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE UMHOSPITAL ESCOLAAutores: RAFAELA BUTINHOLI ANTONUCCI NADIA ANTONIA APARECIDA POLETTITítulo: CARACTERIZAÇÃO DOS PORTADORES DE ÚLCERA VENOSA ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DETRATAMENTO DE FERIDASAutores: ISIS DE CARVALHO OLIVEIRA LUANA CECYLIA GOMES LUCAS MARIA LYSETE DE ASSIS BASTOS INGRIDMARTINS LEITE LÚCIO CLAUDIA SARMENTO PORTO MARCELLE DE VASCONCELOS TEIXEIRATítulo: CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS PORTADORES DO PÉ DIABÉTICO ACOMPANHADOS NUM AMBULATÓRIODE REFERÊNCIA NO RIO DE JANEIROAutores: VERA LÚCIA DE CASTRO PERISSÉ CRISTIANE FERRAZ DA SILVA VANESSA COSTA DAS NEVES MICHELLESALLES DA SILVA SAMARA OLIVEIRA MOREIRATítulo: CASCA DA MUSA SAPIENTUM VERDE NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDA OPERATÓRIA EM RATOS.Autores: DÊNIA AMÉLIA NOVATO CASTELLI VON ATZINGEN ALFREDO GRAGNANI DANIELA FRANCESCATO VEIGALORRAINE LORENE FELIX CARDOSO ADRIANA RODRIGUES DOS ANJOS MENDONÇA LYDIA MASAKO FERREIRATítulo: COBERTURA COM PELÍCULA DE SILICONE SUAVE APLICADA EM LESÃO CUTÂNEA CAUSADA PORAMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICAAutores: CARLA GIOVANA VIEIRA DA ROSA ROSELENE DE CAMPOS CORPOLATO DANIELE ALAIDE DE SIQUEIRATítulo: COBERTURAS A BASE DE SILICONE EM ECZEMA DE CONTATO OCASIONADO POR CURATIVOS COMADESIVOS TRADICIONAIS.Autores: JOSE ROBERTO RIBEIRO ARAUJO HELIDA CABRAL ELAINE ALBOLEDO MONTEIROTítulo: COBERTURAS COM SILICONE SUAVE NO TRATAMENTO PARA LESÕES DE MEMBROS INFERIORESRESULTANTES DE ERISIPELA BOLHOSAAutores: EDILENE MARIA KIESZKOWSKI DANIELE ALAIDE DE SIQUEIRATítulo: COMORBIDADES EM PACIENTES COM PSORÍASE:ESTUDO CASO-CONTROLEAutores: DÓRIS BARATZ MENEGON ANA GABRIELA PEREIRA DA SILVA ANNA CAROLINA CAMERIN TANIA CESTARITítulo: COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM DERMATOLOGIAAutores: MARIA HELENA SANT ANA MANDELBAUMTítulo: COMPLICAÇÕES NEUROPÁTICAS E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PARA PÉ DIABÉTICO EM UNIDADE DE SAÚDEDA FAMÍLIAAutores: WANDERSON DOS SANTOS NUNES DE MELO KADYDJA RUSSELL DE ARAÚJO BATISTA PRISCILA DAYANNEDOS SANTOS ARAÚJO MANUELA PINTO TIBÚRCIO MARIA MÔNICA PAULINO DO NASCIMENTO GILSON DEVASCONCELOS TORRES
  4. 4. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: CONHECIMENTO SOBRE O DIREITO À SAÚDE DAS PESSOAS COM ÚLCERA VENOSA CRÔNICAAutores: KADYDJA RUSSELL DE ARAÚJO BATISTA RANE CRISTINA PEREIRA ANGÉLICO QUINIDIA LÚCIA DUARTE DEA. Q. DE VASCONCONCELOS WANDERSON DOS SANTOS NUNES MICHELINE DA FONSECA SILVA GILSON DEVASCONCELOS TORRESTítulo: CONHECIMENTOS DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE TRATAMENTO DE FERIDAS E EDUCAÇÃOPERMANENTEAutores: KADYDJA RUSSELL DE ARAÚJO BATISTA MARIA IZABEL DOS SANTOS NOGUEIRA WANDERSON DOSSANTOS NUNES RHAYSSA DE OLIVEIRA E ARAÚJO GABRIELA SOUSA MARTINS MELO GILSON DE VASCONCELOSTORRESTítulo: CONTROLE DA DOR NA TROCA DE CURATIVOS EM PORTADORES DE EPIDERMÓLISE BOLHOSA DISTRÓFICARECESSIVAAutores: VANIA DECLAIR COHEN LUIZ GUSTAVO BALAGUER CRUZTítulo: CRIAÇÃO DE UM WEB SITE SOBRE FERIDAS CRÔNICASAutores: THAIANE ALVES SOTERTO DIEGO BONIL DE ALMEIDA NÁDIA ANTONIA APARECIDA POLETTI JÉSSICA DOSSANTOS DE ALMEIDATítulo: CRITERIOS DE AVALIAÇÃO DA ENFERMAGEM PARA DEFINIÇÃO DA TERAPIA TÓPICA DE FERIDAS CIRÚRGICASINFECTADASAutores: PATRICIA BISPO DA SILVA EVANILDA SOUZA DE SANTANA CARVALHOTítulo: CUIDADO COM OS PÉS: INTERFERÊNCIA DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS COM DIABETES MELLITUSTIPO 2Autores: ELAINE CRISTINA SANTOS ALVES MÔNICA ANTAR GAMBA KENIA ALENCAR FROES ESTEVES WELLINSONSANTOS ALVES ROSANA MIRANDA FERNANDES SILVA LUCIANA SOARES DOS SANTOSTítulo: CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO PORTADOR DE FERIDAS EM DOMICÍLIO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICOAutores: JANAINA NASCIMENTO LASSALATítulo: CUIDADO HUMANIZADO NO ATENDIMENTO A PACIENTES COM FERIDAS: INTEGRAÇÃO ENSINO/PESQUISAPOR MEIO DE AULAS PRÁTICASAutores: TAMYES NEVES E SILVA ROSANY MARIA BIANCOVILLI ALVES JORDANA APARECIDA DE PAULA TATIANEALMEIDA DE OLIVEIRATítulo: CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM PÊNFIGO:UMA REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURAAutores: EUZELI DA SILVA BRANDÃO IRACI DOS SANTOS SHIMMENES KAMACAEL PEREIRA MAGALI REZENDECARVALHOTítulo: CUIDADOS DE ENFERMAGEM AOS CLIENTES COM ÚLCERAS VENOSAS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DALITERATURAAutores: PATRICIA BRITTO RIBEIRO DE JESUS EUZELI DA SILVA BRANDÃO CARLOS ROBERTO LYRA DA SILVATítulo: CURATIVO EM FRATURA EXPOSTA DE FÊMUR: USO DA HIDROFIBRA COM PRATA PARA O CONTROLEMICROBIANO.Autores: LUCIENE DE MORAES LACORT NATIVIDADE CARLA CAMILO DE SOUZATítulo: DERMACAMP: NOVA ABORDAGEM NA ATENÇÃO A ADOLESCENTES COM DERMATOSES SEVERASAutores: MARIA HELENA SANT ANA MANDELBAUM ROSILENE FARIAS CALIXTO SAMUEL HENRIQUE MANDELBAUMFLAVIA REGINA FERREIRATítulo: DIAGNÓSTICOS E INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM EM SITUAÇÕES DE RISCO PARA DANO TECIDUALAutores: MARIA CLAUDIA GALDINO ARAÚJO LIMA MARIA SOLANGE GURGEL ALEXANDRE FRANCISCA ALEXANDRAARAÚJO SILVA MARIA CLAUDIA MOREIRA ALCÂNTARA FERNANDA MARIA GONÇALVES MAÍRA JOSIANA AGUIARMAIA
  5. 5. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: DISPONIBILIDADE DE RECURSOS E DIFICULDADES RELACIONADAS POR PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEMNO TRATAMENTO DE FERIDASAutores: WANDERSON DOS SANTOS NUNES DE MELO MARIA IZABEL DOS SANTOS NOGUEIRA KADYDJA RUSSELLDE ARAÚJO BATISTA CAMYLLA CAVALCANTE SOARES DE FREITAS MARJORIE DANTAS MEDEIROS MELO GILSONDE VASCONCELOS TORRESTítulo: EPIDERMÓLISE BOLHOSAAutores: ANDREA BEATRIZ OLIVEIRA DA SILVA BÁRBARA EMANUELLE ALBUQUERQUE DE SOUZA JANAÍNA ALVESFERREIRA EDJA MÁRCIA BARBOSA DA SILVA REIS JENEFFER JÉSSICA BOMFIM COSTA MARIA JAQUELINE DASILVA SOUZATítulo: ESTUDANTES DE ENFERMAGEM E CUIDADORES: PREVENÇÃO DE FERIDAS EM UM ASILO EM SALVADOR,BAHIA.Autores: JÉSSICA ANASTÁ• SILVA BARBOSA LAÍS FERNANDA DA NOVA CASTRO CIATítulo: ESTUDO CLÍNICO DA UTILIZAÇÃO DE ZINGIBER OFFICINALES ROSCOE NA DIMINUIÇÃO DE ODOR EM FERIDASNEOPLÁSICASAutores: DIEGO BONIL DE ALMEIDA NADIA ANTONIA APARECIDA POLETTI HÉLIDA CAROLINE PADOVANIDANATHIELLE ATIQUE REI DE OLIVEIRA BARBARA FONTANELLI GRIGOLLITítulo: ESTUDO DO MODO PSICOSSOCIAL DO MODELO ADAPTATIVO DE ROY DE PESSOAS COM ÚLCERA VENOSAAutores: ISABELLE KATHERINNE FERNANDES COSTA CRISTINA KATYA TORRES TEIXEIRA MENDES THALYNE YURÍARAÚJO FARIAS DIAS ANDRÉA TAYSE DE LIMA GOMES MICHELINE DA FONSECA SILVA GILSON DEVASCONCELOS TORRESTítulo: EVOLUÇÃO DA CICATRIZAÇÃO DE DEISCENCIA CIRURGICA ABDOMINALAutores: CLODINE PEPES WENDY YAMAMMOTO ELBIA REGINA PEREIRA DE SOUZA JESSICA EVERTHY CAROLINOTítulo: EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UMA COMISSÃO INTERDISCIPLINAR DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DELESÕES DE PELEAutores: JAQUELINE SUZAN CARDOSO FREITAS DANIELA F. OLIVEIRA ALANE OLIVEIRA VERENA CERQUEIRADARLENE S. DE AZEVEDOTítulo: FATORES ASSOCIADOS À OCORRÊNCIA DE ÚLCERA POR PRESSÃO EM LESADOS MEDULARESAutores: ROSIMEYRE CORREIA COSTA LUCIANA SCARLAZZARI COSTA MARIA HELENA LARCHER CALIRI MÔNICAANTAR GAMBATítulo: FATORES ASSOCIADOS AO APARECIMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM UNIDADE DE TERAPIAINTENSIVAAutores: MARIA CLAUDIA GALDINO ARAÚJO LIMA MARIA SOLANGE GURGEL ALEXANDRE FRANCISCA ALEXANDRAARAÚJO SILVA MARIA CLAUDIA MOREIRA ALCÂNTARA FERNANDA MARIA GONÇALVES MAÍRA JOSIANA AGUIARMAIATítulo: FITOTERÁPICOS NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDASAutores: ADRIANA RODRIGUES DOS ANJOS MENDONÇA LILIANE CRISTINA DA SILVA DÊNIA AMÉLIA NOVATOCASTELLI VON ATZINGENTítulo: IMPACTOS PSICOSSOCIAIS ASSOCIADOS ÀS MANCHAS DE PELE GRAVÍDICASAutores: MARISTELA BELLETTI MUTT URASAKI MARIA HELENA SANT ANA MANDELBAUM ROSELANE GONÇALVEZTítulo: IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA AVALIAÇÃO DAS LESÕES DE PELE EM UNIDADE BÁSICA DESAÚDE NO MUNICÍPIO SALVADORAutores: IRANILDA CARVALHO DA SILVA ELIZABETH MEDRADO GOMES ROSE MARY DE JESUS SANTOSTítulo: IMPORTÂNICA DO SUPLEMENTO NUTRICIONAL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDASAutores: SUSETTE ALEIXO GONÇALVES ALINE GRANATO FLORIDO DOMINGUESTítulo: INCIDÊNCIA DE ÚLCERA POR PRESSÃO NO PÓS-OPERATÓRIOAutores: IZABEL DAYANA DE LEMOS SANTOS MARCIA PASCHOALINA VOLPATO MITIKO MOROOKA
  6. 6. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: LASER DE BAIXA INTENSIDADE (LBI) E A SUA RELAÇÃO COM MECANISMOS HEMOSTÁTICOSAutores: IVANY MACHADO DE CARAVLHO BAPTISTA MARIA CRISTINA CHAVANTES NATHALI C.PINTOTítulo: LASERTERAPIA ADJUVANTE NA REPARAÇÃO DE FERIDAS CRÔNICASAutores: IVANY MACHADO DE CARAVLHO BAPTISTA MARIA CRISTINA CHAVANTES LINA MONETTA REGINA B.NARCISOTítulo: LINHA DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE À PACIENTE COM FERIDAONCOLÓGICAAutores: CAMILA BRASIL MOREIRA SULAMITA SOUZA BRANDÃO SILVA ESLANE COSTA DO NASCIMENTOMATUZIANY PEIXOTO MAIA SARAH MARIA DE SOUSA FEITOZA TIAGO BARRETO CASTRO E SILVATítulo: MANCHAS NA PELE EM MULHERES NO CICLO GRAVÍDICO PUERPERALAutores: MARISTELA BELLETTI MUTT URASAKI MARIA HELENA SANT ANA MANDELBAUM CARINA PINHEIROBARRETOTítulo: O USO DE FITOTERÁPICOS EM FERIDAS CUTÂNEAS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA*Autores: REGINA HELENA SQUIZATTO ROSANA MARCELINO BRAZ RENATO MENDONÇA RIBEIRO NADIA ANTONIAAPARECIDA POLETTITítulo: OCORRÊNCIAS DE COMPLICAÇÕES NO PÉ DIABÉTICO: CARACTERIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃOAutores: DENILSON PEREIRA JOSE NÁDIA ANTONIA APARECIDA POLLETITítulo: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PESSOAS COM ÚLCERA VENOSA ATENDIDOS EM UM HOSPITALUNIVERSITÁRIOAutores: CRISTINA KATYA TORRES TEIXEIRA MENDES ISABELLE KATHERINE FERNANDES COSTA THALYNE YURÍARAÚJO FARIAS DIAS MARJORIE DANTAS MEDEIROS MELO CAMYLLA CAVALCANTE SOARES DE FREITAS GILSONDE VASCONCELOS TORRESTítulo: POLIHEXAMETILENO DE BIGUANIDA A 0,2% ASSOCIADO À TERAPIA HIPERBÁRICA NO TRATAMENTO DASLESÕES POR DESENLUVAMENTOAutores: DELMA GARRIDO ALVAREZ BASTOS UBIRAYLSON BRANDÃO DE ANDRADETítulo: PREVENÇÃO DA ÚLCERA POR PRESSÃO: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA AVALIAÇÃO DO ESTADONUTRICIONAL DO CLIENTEAutores: JAMILE AMORIM MACHADO GICÉLIA DE LIMA RÊGOTítulo: PREVENÇÃO DAS ÚLCERAS POR PRESSÃO NA ÓTICA DE ENFERMEIROS EM UMA UNIDADE DE TERAPIAINTENSIVAAutores: ANA PAULA HEY DEBORA CORDEIRO DE MELOTítulo: QUESTIONÁRIOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM ULCERAS DE PERNAAutores: RAFAELLE FREITE BOMFIM GABRIELE PRAZERES DOS SANTOS NEUZA MARIA SOUZA GAVIAO BEIJOINOROBERTA AZOUBEL JOSE CARLOS CANDIDO DOS SANTOS JUNIORTítulo: RADIODERMATITES: AÇÕES DE ENFERMAGEM AO PORTADOR DE LESÕES RADIODERMATOLÓGICASAutores: ANDREA PACHECO DA SILVA DULTRA LORENA DA SILVA DE ALENCAR LIBÓRIO SILVATítulo: RELAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA ÚLCERA VENOSA COM OS DOMÍNIOS DA QUALIDADE DE VIDA DO SF-36Autores: CRISTINA KATYA TORRES TEIXEIRA MENDES ISABELLE KATHERINNE FERNANDES COSTA THALYNE YURÍARAÚJO FARIAS DIAS LÍVIA SÊMELE CÂMARA BALDUINO ANDRÉA TAYSE DE LIMA GOMES GILSON DEVASCONCELOS TORRESTítulo: RELATO DE ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UTI NEONATAL NA INDICAÇÃO DOS MELHORES MÉTODOS DECURATIVOSAutores: CÉLIA DA SILVA FREITAS ELLEN REGINA SEVILLA QUADRADO SIMONE MENEZES DE MELLO TATIANERODRIGUES THALITA QUAGLIOTTI
  7. 7. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO DO ADESIVO TÓPICO EM SUTURAS DE CRIANÇAS EM UMMUNICÍPIO: HUMANIZAÇÃO E QUALIDADE NO ATENDIMENTOAutores: LUZINETE SILVA BARBOSA SEBASTIANA MARTINSTítulo: RELATO DE EXPERIÊNCIA: CURSO DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM EM FERIDAS ECURATIVOSAutores: RULIO GLECIAS MARÇAL DA SILVATítulo: RELATO DE EXPERIÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE LESÕES DE PELEAutores: ANDRÉIA CRISTINE DENELUZ SCHUNCK DE OLIVEIRA MARIANA T. F. COSTA SAYONARA SCOTA MÁRCIADE SOUZA MORAESTítulo: RELATO DE EXPERIËNCIA: PESSOA COM LESÃO CUTÂNEA VÍTIMA DE TRAUMA POR ACIDENTE DE MOTOAutores: SUZEL REGINA RIBEIRO CHAVAGLIA MARINA STARK REZENDE DE PAULA PRISCILA FERREIRA DE MOURALÍVIA FERREIRA OLIVEIRA ROSALI ISABEL BARDUCHI OHLTítulo: RELATO DE EXPERIÊNCIA: PLANO DE CUIDADOS ADOTADO PARA PACIENTE COM LESÕES POR PÊNFIGOAutores: MARIANA TAKAHASHI FERREIRA COSTA LUIZA KEIKO MATSUKA OYAFUSO MÔNICA ANTAR GAMBATítulo: RESSECÇÃO DE TUMOR DE BUSCHKE-LOWENSTEIN E CUIDADOS TÓPICOSAutores: MARIANA TAKAHASHI FERREIRA COSTA ALINE DA SILVA GOMES POLIANA BRITO DOS SANTOS RENATASOARES MARTINS SARA RIBEIRO MOURA ANDREIA CRISTINE DENELUZ SCHUNCK DE OLIVEIRATítulo: REVISÃO INTEGRATIVA: A INTEGRIDADE DA PELE PREJUDICADA EM IDOSOSAutores: GLYCIA DE ALMEIDA NOGUEIRA ELIANE RAMOS PEREIRA ROSE MARY COSTA ROSA A. SILVATítulo: REVISÃO SISTÊMICA DA LITERATURA: LESÕES DE PELE DE CORRENTES DE POSICIONAMENTO VENTRAL EMCIRURGIAS DE LAMINECTOMIAAutores: MAGALI ANTONIA BATISTA MARIA DE FÁTIMA GOMES DOS SANTOS DA SILVA SORAYA CORREA SOARES.Título: SAE: DIFICULDADES ENCONTRADAS NO TRATAMENTO AO PACIENTE COM ESCABIOSE.Autores: BIANCA NASCIMENTO DE OLIVEIRA LÚCIO PEREIRA BRAZ SERGIO MOLFITítulo: SAÚDE E INTEGRIDADE DA PELE DE PACIENTES COM SOLICITAÇÃO JUDICIAL PARA TRATAMENTO POROXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICAAutores: RODRIGO MAGRI BERNARDES MARIA HELENA LARCHER CALIRI EMÍLIA MARIA PAULINA CAMPOSCHAYAMITITítulo: SENTIMENTOS VIVENCIADOS POR PESSOAS COM FERIDA CRÔNICAAutores: BÁRBARA FONTANELLI GRIGOLLI CLÉA DOMETILDE SOARES RODRIGUES ISABELA SHUMAHERFRUTUOSO HÉLIDA CAROLINE PADOVANI DIEGO BONIL DE ALMEIDA RAFAELA BUTINHOLI ANTONUCCITítulo: SÍNDROME DE FOURNIER E A SAÚDE DO HOMEM: ESTUDO BIBLIOGRÁFICOAutores: MARCELO BATISTA SOUZA JANAÍNA NASCIMENTO LASSALATítulo: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO OSTOMIZADOAutores: AMANDA MUNIZ DE OLIVEIRA ANA CAROLINE DIAS DE ALMEIDA CAROLINA JACQUES ALMEIDA SOUZAÉRICA SOARES DE ALMEIDA MARYDULCE VASCONCELOS BATISTATítulo: TOMADA DE DECISÃO DE ACADEMICOS DE ENFERMAGEM QUANTO A TÉCNICA ESTÉRIL OU LIMPA NAREALIZAÇÃO DE CURATIVOSAutores: THAÍS ANDRADE FRANCISCO THAIANE ALVES SOTERO RAFAELA BUTINHOLI ANTONUCCI NADIA ANTONIAAPARECIDA POLETTITítulo: TRATAMENTO DE FERIDAS: O SABER E O FAZER DA EQUIPE DE ENFERMAGEMAutores: PATRICIA BISPO DA SILVA EVANILDA SOUZA DE SANTANA CARVALHO
  8. 8. Relação de Trabalhos – SumárioTítulo: TRATAMENTO DE LESÕES POR HIDRADENITE SUPURATIVA COM USO DE PHMB E COBERTURA DE SILICONECOM PRATAAutores: LINA MONETTA CARLA REGINA GOMES SIMÕESTítulo: TRATAMENTO DE ÚLCERA VENOSAAutores: PATRICIA FERREIRA LUMA SANTOS SHEILA MARIA RAQUEL CUNHA TAIS TONELLITítulo: TRATAMENTO DE ÚLCERAS CRÔNICAS COM GEL DE CLORETO DE SÓDIO, ÁCIDO GRAXO INSATURADO,SILICONE SUAVEAutores: LISANDREIA COSTA RODRIGUES DANIELE ALAIDE DE SIQUEIRATítulo: TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO COM COBERTURA DE ESPUMA E BORDAS ADERENTES COMSILICONE SUAVEAutores: EDILENE MARIA KIESZKOWSKI DANIELE ALAIDE DE SIQUEIRATítulo: ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTES HOSPITALIZADOS EM CLÍNICA MÉDICA: ANÁLISE DE INDICADORESDE QUALIDADEAutores: ELAINE CRISTINA SANTOS ALVES MARIA D´INNOCENZO KENIA ALENCAR FROES ESTEVES WELLINSONSANTOS ALVES ROSANA MIRANDA FERNANDES SILVA LUCIANA SOARES DOS SANTOSTítulo: ÚLCERAS POR PRESSÃO: DISCURSSÃO DA ANTIBIOTICOTERAPIA TÓPICA.Autores: MEIRIELLY KELLYA HOLANDA DA SILVA ROSEMEYRE CORREIA COSTATítulo: UM OLHAR SOBRE A MANIFESTAÇÃO DA HANSENÍASE DURANTE A GRAVIDEZ: UM RELATO DE CASOAutores: NAYARA MAGDA GOMES BARBOSA ADELITA AGRIPINA REFOSCO CAMILA NOGUEIRA LÉLIS JOSIANDRADE DA SILVA ANA MÁRCIA PONTES SOARES PAULA SACHA FROTA NOGUEIRATítulo: USO DE ALGINATO DE CÁLCIO COM PRATA EM LESÃO DECORRENTE DE SÍNDROME DE FOURNIERAutores: ANDREIA CRISTINE DENELUZ SCHUNCK DE OLIVEIRA IVONETE MENDES MARIANA TAKAHASHI FERREIRACOSTA SAYONARA SCOTATítulo: USO DE HIDROFIBRAS COM PRATA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DE FOURNIERAutores: DELMA GARRIDO ALVAREZ BASTOSTítulo: USO DE HIDROGEL COM ALGINATO EM FERIDA CONSEQÜENTE DO PÉ DIABÉTICO: RELATO DE CASOAutores: BÁRBARA FONTANELLI GRIGOLLI BRUNA PRINI RAFALDINI CARLA MARIA FONSECA SIMÃO DENÍLSONPEREIRA JOSÉ PAULA BUCK DE OLIVEIRA RUIZ CLÉA DOMETILDE SOARES RODRIGUESTítulo: UTILIZAÇÃO DE AQUACEL AG NO PACIENTE PORTADOR DE FERIDA ONCOLÓGICA: ESTUDO DE CASO CLÍNICOAutores: BRUNA PRINI RAFALDINI NADIA ANTONIA APARECIDA POLETTITítulo: UTILIZAÇÃO DE COBERTURA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DE QUEIMADURAS TERCEIRO GRAU EMMÉDIO E GRANDE QUEIMADOSAutores: REGINA CLAUDIA DA SILVA REIS CRISTIANE APARECIDA DE SOARES CARVALHO CARLOS ALBERTOMATTARTítulo: UTILIZAÇÃO DE UMA COBERTURA DE ESPUMA DE POLIURETANO ASSOCIADA À IBUPROFENO EM FERIDASONCOLÓGICASAutores: RAFAELA BUTINHOLI ANTONUCCI BRUNA PRINI RAFALDINI NADIA ANTONIA APARECIDA POLETTI PAULABUCK RUIZTítulo: VÍTIMAS DE ATROPELAMENTO E LESÕES RESULTANTES DESTE TRAUMA: DESAFIOS PARA CUIDADOS DAEQUIPE ASSISTENCIALAutores: JONAS SARTORI DURVALINA DA CONCEIÇÃO FRANCO PALOMA LEMOSTítulo: WORKSHOP DE FERIDAS: UMA ESTRATÉGIA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE PARA OSTRABALHADORES DE ENFERMAGEMAutores: MARGARETE COSTA SANTOS ANDRÉ FILIPE PINHEIRO GÓES JESSICA SILVA DE ARAUJO TAIANDSON DOSSANTOS CARNEIRO
  9. 9. Relação de Trabalhos Resumos
  10. 10. A AUTOIMAGEM DOS CLIENTES COM AFECÇÕES CUTÂNEAS HOSPITALIZADOS Patrícia Britto Ribeiro de Jesus, Euzeli da Silva Brandão 2, Enéas Rangel Teixeira3, Iraci dos Santos 4Os primeiros contatos com clientes com afecções cutâneas hospitalizados tiveram início durante o 4º período do curso degraduação em enfermagem, que me levaram a refletir sobre as influências do acometimento cutâneo na vida dessas pessoas,principalmente no que tange à alteração da autoimagem. Objetiva-se com o estudo Discutir como os clientes acometidos porafecções cutâneas hospitalizados percebem sua autoimagem e analisar as influências da autoimagem na vida dos mesmos.Tratarsobre dimensões vivenciais que envolvem o adoecimento cutâneo é indispensável para promoção de um cuidado de enfermagemmais holístico e sensível do ser humano, no sentido de atender maneiras de cuidados que vão além dos procedimentos técnicos.Além de contribuir para prática de enfermagem, este estudo poderá contribuir para o ensino de enfermagem dermatológica, querequer estudos aprofundados e pesquisas. Estudo de natureza descritiva e exploratória com abordagem qualitativa, realizado nasenfermarias clínicas de um Instituto de Saúde no Município de Niterói. Foram 09 clientes, adultos e idosos de ambos os sexosacometidos por afecções cutâneas. O período de coleta de dados ocorreu entre 23 de julho e 05 de novembro de 2009. Técnicasde pesquisa: levantamento de dados em prontuários e a realização de entrevista semi-estruturada com uso de formulário próprio.O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição, sob o número Certificado de Apresentação paraApreciação Ética (CAAE) nº 0055.0.258.000-09. Os dados foram tratados tendo por base a análise de conteúdo, por Bardin (1).Para a caracterização dos sujeitos investigados considerou-se um levantamento em relação ao perfil etário, sexo e diagnósticomédico, onde sendo constatado que a maioria dos sujeitos está na faixa entre 40-49 e 50-59 anos. Com a interpretação e análisedas unidades de registro, foram construídas duas categorias: Sentimentos decorrentes da percepção da afecção cutânea e oEstigma Social na vida dos clientes com afecções cutâneas. Na primeira categoria, os sentimentos expressados foram de medo,frustração e insegurança decorrentes do acometimento cutâneo. Essas consequências sofridas pelos clientes com afecçõescutâneas referem-se ao fato de ser uma questão evidente, exposta na pele, que não pode ser escondida da sociedade (2). Nasegunda categoria, as alterações na autoimagem são alvo de estigmas sociais. Seja pelo receio de ser transmissível ou por teruma aparência que não é aceita pela sociedade, de modo a gerar estigmas sociais. As influências negativas da doença cutânea navida desses clientes foram percebidas em todos os depoimentos, mesmo naqueles que negaram, confirmando que a pessoa quetem a sua imagem alterada fica vulnerável a repercussões emocionais e sociais. Tal fato leva a esta clientela a utilizar algumasestratégias que vão desde o isolamento do corpo, até o isolamento social, caracterizado pelo contato restrito aos familiares eamigos mais íntimos, e também a negação de sua condição. Para facilitar a avaliação holística do cliente, sugere-se o formuláriode admissão do cliente com afecções cutâneas, além da realização de grupos de apoio (3). Essas estratégias podem facilitar aaquisição de informações e promover a troca de conhecimentos/experiências entre os clientes e equipe de enfermagem e outrosprofissionais de saúde.Referências 1. Bardin L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70; 1994.2. Brandão ES, Santos I. Promovendo o conforto e a auto-estima de pessoas com afecções cutâneas – Paradigma sociopoético. In:Santos I, Figueiredo NMA, Padilha MICS, Cupello AJ, Souza SROS, Machado WCA. Enfermagem Assistencial no AmbienteHospitalar: realidade, questões, soluções. São Paulo: Atheneu; 2004. p.395-405.3.Santos I, Brandão ES. O Cuidar/Pesquisar em Dermatologia. In: Brandão ES, Santos I. Enfermagem em Dermatologia: cuidadostécnico, dialógico e solidário. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 2006. p.11-53.Elaborado a partir do Trabalho de Conclusão de Curso, intitulado como “Influências da auto-imagem na vida dos clientes comafecções cutâneas hospitalizados”, 2009, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense.Orientador: Euzeli da Silva Brandão. Co-orientador: Enéas Rangel Teixeira.Enfermeira. Graduada pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica eControle de Infecção em Assistência à Saúde. Aluna do curso de Mestrado em Enfermagem pela UERJ.E-mail de contato:patty_brj@hotmail.com² Enfermeira. Graduada em Enfermagem,Especialista em Enfermagem Intensivista e Mestre em Enfermagem pela Faculdade deEnfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.Especialista em Enfermagem Dermatológica pela Sociedade Brasileirade Enfermagem em Dermatologia (SOBENDE - São Paulo. Assumiu em maio de 2009 a Diretoria da Associação Brasileira deEnfermagem em Dermatologia (SOBENDE) - Regional Rio de Janeiro. Atualmente é Professora Assistente do Departamento deFundamentos de Enfermagem e Administração da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade FederalFluminense e Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da Universidade doEstado do Rio de Janreiro. Membro da Comissão Nacional de Elaboração das Diretrizes Nacionais para o Tratamento de Feridas.³ Enfermeiro e psicólogo. Psicoterapeuta corporal de linha reichiana. Doutor em Enfermagem/UFRJ. Pós-doutorando em PsicologiaClínica na área de psicossomática/PUC-SP. Prof . Titular da EEAAC/UFF.4 Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Mestrado em Enfermagem pelaUniversidade Federal do Rio de Janeiro e Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Livre-Docenteem Pesquisa em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Titular de Pesquisa em Enfermagempela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Adjunta da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado doRio de Janeiro, atuando no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (Mestrado e Doutorado) e no Curso de Graduação emEnfermagem. Líder do Grupo de Pesquisa "Concepções Teóricas do Cuidar em Saúde e Enfermagem". Bolsista de Produtividadeem Pesquisa CNPq.
  11. 11. A EXPERIÊNCIA DOS GRADUANDOS DE ENFERMAGEM NO CUIDAR DE PACIENTES INTERNADOS COM FERIDAS ARIANA NOGUEIRA DO NASCIMENTO¹ CHRISTIANY NATASHA PEREIRA SILVEIRA² JOSIANA HERZOG DE CARVALHO² KAROLINE CARVALHO SIGLER²Desde o surgimento da profissão, a enfermagem sempre esteve inserida no papel de principal cuidador de lesões de pele.(FERREIRA; BOGAMIL; TORMENA, 2008). Os graduandos de enfermagem, no campo de estágio, devem conhecer e enfrentarvários desafios, como, por exemplo, cuidar de pacientes portadores de feridas, desempenhando suas atividades comcompetência técnica, científica, habilidade, humanização. Segundo Salomé (2008), prestar cuidado é difundir durante aassistência, zelo, compromisso e respeito ao cliente e à família. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com relato de experiênciasobre o cuidar de pacientes com feridas. Tendo como questões norteadoras: “Como foi para você cuidar dos pacientesinternados neste setor?” e “Como você vê a importância da atuação do Enfermeiro?”. Realizada com acadêmicos deenfermagem do 7º período de uma Universidade Particular de Vila Velha/ES dentro da disciplina de estágio supervisionado naAssistência de Enfermagem ao Adulto e ao Idoso em um Hospital Público da Grande Vitória. Para análise dos dados serárealizada pelo discurso do sujeito coletivo. Todos os participantes da pesquisa assinaram o Termo de Consentimento LivreEsclarecido, conforme resolução Federal nº 196/96, do Conselho Nacional de Saúde, que dispõe sobre os aspectos éticos-legaisdos trabalhos de investigação científica. O objetivo deste estudo é compreender a vivencia dos graduandos de enfermagem narealização de curativos. O tempo de estágio é de cinco meses de atuação na instituição prestando cuidados relativos aotratamento de feridas.Questão 1: Como foi para você cuidar dos pacientes internados neste setor?“De grande importância para o meu aprendizado, por ter oportunidade de manusear diversos procedimentos. Para mim foi algomuito construtivo, pois o campo é amplo, os profissionais cooperativos e amigos, enfim, foi tudo muito bom.” (Discurso 1)Questão 2: Como você vê a importância da atuação do Enfermeiro?“O Enfermeiro pode ser considerado peça fundamental na organização e otimização do tempo do setor, ou seja, ser como umaaliança de interligação entre os outros profissionais de saúde, como articulador e integrador nas ações. É fundamental a atuaçãodo Enfermeiro na arte do cuidar. A enfermagem é o equilíbrio de uma instituição hospitalar dentro de sua área.” (Discurso 2) Esteestudo revelou que os graduandos de enfermagem sentem-se despreparados para a execução do curativo. Porém acham muitoimportante para suas vidas profissionais essa vivencia e consideram que o papel do enfermeiro é primordial na atuação, direta eindireta, no cuidar de pacientes internados com feridas.FERREIRA, A.M; BOGAMIL, D.D.D; TORMENA, P.C. O enfermeiro e o tratamento de feridas: em busca da autonomia docuidado. Arquivo Ciência Saúde, Mato Grosso do Sul, v.15, n.3, p. 105-9, 2008.SALOMÉ, G.M; ESPÓSITO, V.H.C. Vivências de acadêmicos de enfermagem durante o cuidado prestado às pessoas comferidas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.61, n.6, p.822-7, 2008.Ariana Nogueira do Nascimento (27) 9925-4299Christiany Natasha Pereira Silveira (27) 9808-7116Josiana Herzog de Carvalho (27) 9921-1867Karoline Carvalho Sigler (27) 9953-2024
  12. 12. A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UM CASO DE PACIENTE PORTADOR DE PÊNFIGO FOLIÁCEO (PF) Jaqueline Suzan C. Freitas1, Layse V. R. Passos2, Gabriele S. Mazzochin3, Daniela F. Oliveira4, Daiane Arraz Rocha5.Introdução: Os Pênfigos são lesões dermatológicas elementares do tipo primária generalizadas, de natureza autoimune, queapresentam evolução crônica, ilimitada e com prognóstico grave. O cuidar da pessoa portadora de PF é complexo e exige umaassistência de enfermagem sistematizada e humanizada, destacando-se pelo importante papel na recuperação e prevenção denovas lesões e/ou complicações.Objetivo: Relatar um caso de paciente portador de PF, enfocando as intervenções de enfermagem implementadas e osresultados alcançados.Metodologia: A modalidade de pesquisa utilizada foi o relato de caso do sujeito N.M.S, 44 anos, com diagnóstico médico de PF,internado no período de 22 de junho de 2011 a 18 de julho de 2011 em um hospital geral da cidade do Salvador-BA. A presentepesquisa foi submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Santa Izabel, aprovado sob parecer número 63/2012,conforme determina a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Pesquisa (CONEP) no que diz respeito aos “Aspectos Éticosda Pesquisa Envolvendo Seres Humanos”.Resultados: A prescrição de enfermagem na admissão incluiu: internar paciente em quarto privativo com banheiro próprio;instituir precaução de contato; limpar as lesões com soro fisiológico a 0,9%, proteger com gaze sintética impregnada competrolato e enfaixar com atadura; utilizar luva estéril na aplicação da cobertura; trocar o curativo a cada 48h com técnicaasséptica e de forma delicada; administrar medicamentos conforme prescrição médica, evitar o uso de esparadrapos e adesivosdiretamente na pele e pressão nas áreas da pele aparentemente sadias, manter unhas aparadas e limpas, estimular a aceitaçãocompleta da dieta, observar e registrar o aparecimento de novas lesões e/ou infecções locais ou sistêmicas; realizar banho noleito, auxiliar na deambulação. Ao 26o dia de internação, o paciente evoluía com significativa melhora do estado geral,deambulando com segurança, sem processos infecciosos instalados, lesões cicatrizadas e sem queixas. Recebeu alta hospitalarcom as seguintes orientações: aplicar óleo à base de ácidos graxos essenciais na pele do corpo até completa pigmentação;aplicar protetor solar na face; evitar exposição solar; utilizar regularmente os medicamentos prescritos pelo médico e procurarassistência médica imediata no caso de surgimento de novas lesões.Conclusões: O presente estudo demonstra a impacto da assistência de enfermagem na recuperação do paciente portador de PF.Sendo assim, deve-se considerar a importância da existência de modelos de intervenção assistencial, visando direcionar aequipe de enfermagem nas instituições de saúde.Referências: 1.BRANDÃO, E. da S. Enfermagem em Dermatologia: cuidados técnicos, dialógico e solidário. Rio de Janeiro:Cultura Médica, 2006; 2. JORGE, S. A.; DANTAS, S. R. P. E. D. Abordagem Multiprofissional do Tratamento de Feridas. SãoPaulo: Editora Atheneu, 2003; 3. SILVA, R. C. L.; FIGUEIREDO, N. M. A.; MEIRELES, I. B. Feridas: fundamentos e atualizaçõesem enfermagem. São Paulo: Yendis Editora, 2007.1Bacharel em Enfermagem – Universidade Católica do Salvador; Pós-Graduanda do Curso de Especialização EnfermagemDermatológica – Universidade Federal da Bahia; Especialista em Unidade de Terapia Intensiva – Universidade de Guarulhos;Enfermeira do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar - Hospital Santa Izabel (Salvador-BA); Enfermeira do Serviço deControle de Infecção Domiciliar – SOS Vida (Salvador-BA); Membro Assessor da Comissão de Ensino, Prevenção e Tratamentodas Lesões de Pele (ComPele) – Hospital Santa Izabel; e-mail: jaque.suzan@gmail.com .2Bacharelem Enfermagem – Universidade Estácio de Sá; Enfermeira do Hospital do Santa Izabel; Membro Executor daComPele – Hospital Santa Izabel; e-mail: layse@scmba.com.br.3Bacharel em Enfermagem – Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública; e-mail: gabi_mazzochin@hotmail.com.4Bacharel em Enfermagem – Universidade Estadual da Bahia; Especialista em Unidade de Terapia intensiva – UniversidadeFederal da Bahia; Enfermeira da Educação Permanente – Hospital Santa Izabel; Enfermeira da Unidade de Terapia Intensiva –Hospital Geral do Estado; Membro Assessor da ComPele – Hospital Santa Izabel; e-mail: danielafagundes@hotmail.com.br.5Bacharel em Enfermagem – Centro Universitário da Bahia; Especialista em Unidade de Terapia Intensiva – Castelo Branco;Enfermeira do Hospital Santa Izabel; scih@scmba.com.br
  13. 13. A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM NO APOIO PSICOSSOCIAL AO PACIENTE PORTADOR DE VITILIGO Nayara Magda Gomes Barbosa1 Lana Kelly Lins Braga2 Luciliana Rodrigues da Silva3 Vanessa Dias da Silva4Introdução: O vitiligo é doença adquirida, freqüente, caracterizada patogenicamente pela destruição de melanócitos econseqüente perda da melanina. Caracteriza-se pela presença de máculas acrômicas, com diagnóstico clínico fácil na maioriados casos (Silvia, 2007). Ainda que a etiologia do vitiligo seja desconhecida, várias teorias relacionam sua patogênese a fatoresgenéticos, auto-imunidade, toxinas derivadas dos melanócitos e influências neurais. Fatores, como o estresse, a exposição solarintensa e a exposição a alguns pesticidas, parecem estar correlacionadas ao aparecimento da dermatose (Silvia, 2007). Podeser classificado em: focal (mácula atingindo apenas uma área do corpo), generalizado ou vulgar (forma mais freqüente,caracterizada pela presença de numerosas máculas simetricamente distribuídas), universal (acometendo praticamente todo otegumento, com pequenas áreas ainda pigmentadas) e segmentar (distribuição unilateral, respeitando um dermátomo) (Barros,2007). Quanto mais precoces forem o diagnóstico e o tratamento, melhor será a resposta e maiores serão as chances de impedira evolução da doença. Objetivo: Relatar os cuidados de enfermagem aos portadores de vitiligo.Metodologia: Para atingir o objetivo proposto, optou-se por realizar uma pesquisa bibliográfica, de natureza exploratória,descritiva com abordagem qualitativa. Foi realizada uma busca em periódicos para localizar artigos de publicações científicasque enfocaram os cuidados de enfermagem no Vitiligo. As seguintes etapas foram seguidas: análise dos resultados do conteúdodos artigos. Os critérios de seleção dos artigos definidos foram: a) ter sido publicado de 2005 a 2011 na base LILACS noperiódico An Bras Dermatol e b) tratarem de estudos realizados com o cuidado com a pele. Foram excluídos os artigosindisponíveis eletronicamente. O levantamento foi realizado no mês de maio de 2012 e foram encontrados 05 e lidos 05trabalhos, e a amostra foi composta por 03 artigos que atenderam aos critérios de seleção.Resultado: Foram encontrados 03 artigos que versavam sobre o apoio e o incentivo á esses pacientes que em momentos defragilidade, o apoio de outras pessoas fortalece a autoconfiança, o que possibilita um melhor enfrentamento das situações desofrimento (Costa, 2009). O acompanhamento multiprofissional tem como objetivo a busca por um estado de saúde integraldentro das possibilidades individuais e coletivas. O enfermeiro, membro da equipe multiprofissional para melhor assistir aoindivíduo portador desta dermatose, deve buscar embasamento científico que norteie o conhecimento do vitiligo, estabelecendoorientações corretas e tem como maior desafio tentar enxergar este indivíduo para além da sua pele, assim como auxiliá-lo paraque ele próprio consiga fazer o mesmo (Costa, 2009). Conclusão: As pessoas acometidas pelo vitiligo em geral, sofrem impactos psicossociais que desequilibram o organismo,trazendo alterações físicas, emocionais e sociais. É notório a importância da equipe de enfermagem na assistênciapsicoterapêutica e equilíbrio emocional.Referências: Costa et al.Vitiligo:influência na autoestima das pessoas acometidas.Revista Enfermagem Integrada.MinasGerais.V2.N2.2009; Silva et al.Vitiligo na infância:características clínicas e epidemiológicas.An Bras Dermatol.MinasGerais.V82.N1.P47-51.2007; Barros et al.Vitiligo:avaliação histológica e clínica após curetagem seqüencial.An BrasDermatol.Santo André.V82.N4.P327-335.2007.1 – Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza – E-mail: nayaradacostasilva@hotmail.com2 – Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza3- Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza4 – Docente do curso de graduação em Enfermagem da Universidade de Fortaleza
  14. 14. A IMPORTÂNCIA DAS INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA HANSENÍASE Lana Kelly Lins Braga1 Luciliana Rodrigues da Silva2 Nayara Magda Gomes Barbosa3 Vanessa Dias da Silva4Introdução: A lepra é ainda um problema de primeira ordem em algumas áreas do mundo por falta de recursos socioeconômicos,embora, seja possível encontrar alguns casos isolados em nosso meio (Palau, 2001). Os quesitos socioeconômicos estãodiretamente ligados a Hanseníase, devido aos custos do tratamento. É uma doença infectocontagiosa crônica causada peloMicobacterium leprae podendo ter comprometimento dermatoneurológico. A hanseníase é uma doença sistêmica comenvolvimento da pele e dos nervos; manifestações articulares são comuns e é a queixa principal (Ribeiro et al, 2009). Otratamento realizado devidamente, essas lesões cicatrizam.Objetivo: Caracterizar os cuidados de enfermagem aos portadores de hanseníase.Metodologia: Para atingir o objetivo proposto, optou-se por realizar uma pesquisa bibliográfica, de natureza exploratória,descritiva com abordagem qualitativa. Foi realizada uma busca em periódicos para localizar artigos de publicações científicasque enfocaram os cuidados de enfermagem na Hanseníase. As seguintes etapas foram seguidas: análise dos resultados doconteúdo dos artigos. Os critérios de seleção dos artigos definidos foram: a) ter sido publicado de 1985 a 2009 na baseSCIELO(Scientific Electronic Library Online) no periódico Salusvita e b) tratarem de estudos realizados com o cuidado com apele. Foram excluídos os artigos indisponíveis eletronicamente. O levantamento foi realizado entre os meses de fevereiro emarço de 2012 e foram encontrados 10 e lidos 10 trabalhos, e a amostra foi composta por 04 artigos que atenderam aos critériosde seleção.Resultado: Foram encontrados 04 artigos que versavam sobre os cuidados de enfermagem, atendendo ao objetivo proposto peloestudo. A assistência de enfermagem foi fundamentada na educação em saúde no sentido de obter uma participação conscientee constante do paciente nos programas (Cristofolini, 1985). As técnicas, chamadas simples, são de eficiência comprovada. Entreelas as mais comumente usadas são: tratamento das neurites; hidratação e lubrificação da pele; massagens e exercícios;adaptação dos instrumentos de trabalho; cuidados com pés anestésicos; tratamento da úlcera plantar;cuidados com a mãoreacional; cuidados com os olhos e cuidados com o nariz(Cristofolini,1985). São pequenos cuidados que foram significantes paraesse tratamento, devido à pele ficar muito desidratada e ressecada. As pessoas devem ter noção dos cuidados com a saúde,não necessariamente precisam estar doentes para realizá-los.Conclusão: A partir dos artigos analisados, pode-se perceber que a importância dos cuidados de enfermagem na Hanseníase éde grande valor, pois se feito como deve, esses pacientes terão um tratamento bem feito e a probabilidade de ter umadeformidade física será menor.Referências: Bruna et al.Impacto na qualidade de vida em pacientes com haseníase:correlação do Dermatology Life QualityIndex com diversas variáveis relacionadas á doença. An Bras Dermatol. Rio de Janeiro. v1. p39-43, 2007; Cristofolini,Lúcia.Assistência de enfermagem na hanseníase. Salusvita. São Paulo. n4.v1. p1-9, 1985; Palau et al. Diagnóstico tardio delepra lepramatosa em paciente geriátrico. An. Med. Interna. Madrid. v8.n6.p340-342, 2001; Ribeiro et al. Systemic manifestationsand ulcerative skin lesions in leprosy:differential with rheumatic diseases.Bras. J. Rheumatol.49(5).p623-629, 2009.1 - Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza – E-mail: lanalins_9@hotmail.com2 - Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza3 - Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza4 - Docente do curso de graduação em Enfermagem da Universidade de Fortaleza
  15. 15. A INFLUÊNCIA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NA QUALIDADE DE VIDA DAS PESSOAS COM ÚLCERA VENOSA Thalyne Yurí Araújo Farias Dias Isabelle Katherine Fernandes Costa Cristina Katya Torres Teixeira Mendes Samilly Márjore Dantas Liberato Amanda Jéssica Gomes de Souza Gilson de Vasconcelos TorresIntrodução: Qualidade de vida (QV) é um termo popular e amplo que tem sido usado em vários contextos e tem atraído aatenção de profissionais de diversas áreas, particularmente na área da saúde. A valorização do conceito de QV reflete numaumento da preocupação com o paciente, que agora é visto como um todo1. A doença venosa crônica (DVC), sendo umadoença extremamente relevante, acomete diferentes faixas etárias, afetando diretamente os níveis socioeconômicos, pois poderetirar o indivíduo de suas atividades normais, como o trabalho, e pode chegar a ponto de provocar a aposentadoria precocedesse indivíduo que se encontra em fase produtiva2. O impacto negativo da doença venosa crônica na qualidade de vida éreferido por uma revisão sistemática com artigos internacionais realizada em 2007, particularmente em relação aos domínios dor,função física e mobilidade3. A depressão e o isolamento social também são reportados como manifestações decorrentes daDVC, sobretudo no estágio mais avançado da doença, caracterizado pela presença da úlcera varicosa não cicatrizada4.Objetivos: Este estudo visou avaliar como a assistência à saúde pode influenciar na qualidade de vida das pessoas com úlceravenosa crônica atendidas no ambulatório de um Hospital Universitário.Métodos: Estudo analítico, com delineamento transversal com abordagem quantitativa de tratamento e análise de dados. Aamostra do estudo foi composta por 100 pessoas. Utilizamos nesta pesquisa dois instrumentos de coleta de dados, umformulário estruturado de entrevista com características sociodemográficas e da assistência à saúde e o instrumento dequalidade de vida relacionado a saúde (QVRS), SF-36. No programa SPSS 15.0, realizamos as análises inferencial noscruzamentos das variáveis, com nível de significância estatística de p-valor < 0,05, e na aplicação do teste Teste de MannWhitney, utilizado para verificação de diferença significante entre as médias dos escores das variáveis assistência à saúde e osdomínios e dimensões da qualidade de vida. O estudo obteve parecer favorável pela Comissão de Ética em Pesquisa/UFRN(Protocolo n.279/09).Resultados: Na caracterização sociodemográfica do estudo predominaram as pessoas acima de 60 anos (55%), sexo feminino(69%), casados/ união estável (62%), com baixa escolaridade (83%), profissão/ocupação presente (56%) e renda menor que 1salário mínimo (76%). Em relação às características da assistência 69 pacientes apresentaram até 3 características positivas e31 pacientes de 4 a 10 características positivas. No cruzamento com esse aspecto, apresentaram significância estatística osdomínios capacidade funcional (p= 0,005), dor (p= 0,001) e dimensão saúde física (p=0,001), destacaram- se ainda com valorespróximos a significância os domínios aspecto físico, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, saúde mental edimensão saúde mental.Conclusão: Compreende-se que, para melhorar a qualidade de vida das pessoas com úlcera venosa, é necessária umaassistência integral e de qualidade, com planejamento assistencial contínuo e multiprofissional, bem como a utilização deinstrumentos que forneçam uma avaliação global, baseada no contexto vivenciado podendo assim atuar na melhoria daqualidade de vida dessas pessoas.Referências:1. Santos RFFN, Porfírio GJM, Pitta GBB. A diferença na qualidade de vida de pacientes com doença venosa crônica leve egrave. Alagoas. J Vasc Bras [internet]. 2009 [citado 2011 fev 15]; 8(2): 143–147. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/jvb/v8n2/a08v8n2.pdf.2. Yamada BFA, Santos VLCG. Construção e validação do Índice de Qualidade de Vida de Ferrans & Powers: versão feridas.Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2009 Dez [citado 2011 Fev 17]; 43(spe):1105-1113. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000500015&lng=pt. doi: 10.1590/S0080-62342009000500015. 3. Zapata CS, Romero HG. Calidad de vida y factores asociados en mujeres con cáncer de mama en Antioquia, Colombia. RevPanam Salud Publica. 2010;28(1):9-18. 4. Moura RMF, Gonçalves GS, Navarro TP, Britto RR, Dias RC. Correlação entre classificação clínica ceap e qualidade de vidana doença venosa crônica. São Carlos. Revista Brasileira de Fisioterapia [internet]. 2010 [citado 2011 fev 15]; 14(2): 99-105.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-35552010000200003
  16. 16. A importância do conhecimento da equipe assistencial para tratamento de lesões secundária a mau formação do sistema nervoso centralIntroduçãoMalformações congênitas são todas as anomalias funcionais ou estruturais do desenvolvimento fetal decorrentes de fatoresoriginados antes do nascimento, podendo ter causas genéticas, ambientais ou desconhecidas, mesmo que o defeito não sejaaparente no recém-nascido (RN) ou que se manifeste mais tardiamente (1). Dentre estas malformações, as que envolvem osistema nervoso central tem alta prevalência e decorrem de alterações decorrem de defeitos de fechamento do tubo neural, noprosencéfalo, no tronco cerebral e cerebelo, e de falha na neurogênese, migração e diferenciação neuronais (2). Estasmalformações apresentam espectro variável, sendo os mais comuns à anencefalia e a espinha bífida (3). Esta última podeapresentar-se recoberta por pele normal ou estar associada à protusão cística, contendo meninges anormais e líquidocefalorraquidiano (meningocele), ou elementos da medula espinhal e nervos (mielomeningocele) (4). O reparo destasmalformações citadas geralmente é feito nas primeiras horas após o nascimento, porém apenas 25% dos neonatos podem sertratados por fechamento direto e os demais necessitam algum outro tipo de tratamento (5). Diante da complexidade dotratamento destas lesões, novos tratamentos vêm sendo utilizados aliado a um conhecimento técnico- cientifico da equipeassistencial objetivando a cicatrização local com redução dos eventos adversos associados, redução da dor e melhor bem estarpara o RN e seus familiares.Objetivo:Torna-se objetivo deste estudo apresentar a evolução de dois RN com lesões decorrentes de sequela devido ameningomielocele em uma Unidade de Terapia Intensiva Infantil.Metodologia:Trata-se de um estudo descritivo, relato de caso, realizado em um Hospital Estadual do interior de São Paulo, no período de 28-08-2011 a 15-11-2011 . Os dados foram coletados utilizando-se registros escritos e fotografias digitais. A coleta iniciou-se apósa assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido pelos responsáveis dos RN e autorização da Instituição para coletados dados. Como opção de tratamento para as lesões do RN foi utilizada uma espuma revestida com silicone suave (safetac)composta por prata iônica. A troca do curativo era realizada a cada 5 dias ou se houvesse necessidade.Resultados:O tratamento da lesão durou aproximadamente três meses. A equipe de enfermagem acompanhou a evolução até fechamentocompleto da mesma. Ao iniciar a utilização do mepilex ag observou-se uma rápida evolução da lesão com regressão cicatricial epresença de 100% de tecido de granulação no leito. Considerando este curativo, além da facilidade da aplicação, observou-seuma menor força para retirada do curativo, uma menor agressão a área peri-lesional, e uma maior permanência (em comparaçãoaos curativos previamente utilizados). Com isso, diminui-se o tempo de cuidado com o RN na realização do curativo e adiminuição de fatores externos que estressam o RN.Considerações Finais:Concluímos que a atuação de profissionais capacitados e atualizados aliado a novas tecnologias para tratamento de feridasrepresentou um diferencial na evolução dos casos acompanhados. A utilização da espuma revestida por silicone suave(safetac)composta por prata iônia foi uma opção de tratamento eficiente e eficaz que auxilio na melhora do bem estar do paciente.Descritores: Cicatrização de Feridas, Deiscência da Ferida Operatória , Cuidados de EnfermagemReferencias Bibliográficas:1- Ramos JLA, Corradini HB, Neme B. Malformações. In: Alcântara P, Marcondes E et al. Pediatria Básica. Vol. 2. São Paulo:Sarvier, 1974. p.1614-16.2-Campobasso P, Pesce C, Costa L, Cimaglia ML. The use of the Limberg skin flap for closure oflarge lumbosacral myelomeningoceles. Pediatr Surg Int (2004) 20: 144–73- Calone A, Madi JM, Araújo BF, Zatti H, Madi SRC, Lorencetti J, Marcon NO. Malformações congênitas: aspectos maternos eperinatais. Rev AMRIGS. 2009;53(3):226-30.4- Drugan A, Weissman A, Evans MI. Screening for neural tube defects. Clin Perinatol. 2001;28(2):279-87
  17. 17. A UTILIZAÇÃO DE UMA FERRAMENTA TOPOGRÁFICA PARA MENSURAÇÃO DA EVOLUÇÃO DE FERIDAS * Rosana Marcelino Braz1 Regina Helena Squizatto1 Thais Andrade Francisco1 Nadia Antonia Aparecida Poletti2Introdução A ferida é uma interrupção da integridade e das funções do tecido, não são formadas da mesma maneira, portanto énecessário construir classificações que descrevam o status da integridade da pele, causa da ferida, severidade ou extensão dalesão tecidual, ou qualidades descritivas do tecido das feridas como, por exemplo, a cor, temperatura, edema, entre outros. Como avanço tecnológico se faz necessário criar ferramentas para facilitar a análise e evolução de feridas, com o intuito decontemplar uma melhor observação dos diferentes tecidos e seus vários estágios evolutivos. Neste enfoque é preciso buscaralternativas que tenham por finalidade um registro fidedigno da ferida.Objetivo Elaborar um software com a utilização de fotografias, para acompanhar a evolução da cicatrização de feridas crônicas.Metodologia Para responder ao objetivo estabelecido, nessa pesquisa, será realizado um estudo descritivo. As fotografias dasferidas dos pacientes, serão analisadas pelo programa de computador Auto CAD 3D®, as imagens serão capturadas pelaMáquina Fotográfica Sony® Cyber-Shot, Zoom Óptico de 4X, 14.1 megapixels, e as feridas serão milimetradas com PaquímetroDigital 150mm Profissional LEE Tools® com graduação 0,0005”/0,01mm. O estudo será realizado no Ambulatório de Curativodo Hospital de Base de São José do Rio Preto. As fotografias serão capturadas à 20 cm da lesão, com flash, foco de luz,identificação do paciente, data da realização da imagem e o número da imagem. As feridas serão fotografadas a cada 7 diasEste trabalho faz parte de um projeto mãe que foi enviado ao Comitê de Ética sob o número de protocolo04194712.8.0000.5415.Resultados esperados Os resultados estão sendo analisados, serão tabulados e apresentados sob a forma de gráficos etabelas, pois ainda se encontram em desenvolvimento.Palavras chave: Fotografia, Cicatrização de Feridas, Topografia, Assistência de Enfermagem.Referências Bibliográficas1-CORDARO, L. M. C. Emprego da Fotografia Digital para avaliação da Topografia microscópica daPele. Dissertação demestrado Unesp Botucatu. 2008.http://www.athena.biblioteca.unesp.br/exlibris/bd/bbo/33004064056P5/2008/cordaro_lmc_me_botfm.pdf acesso em 23 abril 20122-ANDRADE, AG – Revista Brasileira de Queimaduras - 2010;9(1):21-30 http://www.sbqueimaduras.com.br/revista/marco-2010/05efeitosdolaser.pdf -acesso em 22 abril 2012.3-MENDONÇA,R. J. de, COUTINHO-NETTO, J. Aspectos celulares da cicatrização. Revisão. 2009.Anais Brasileiros deDermatologia http://www.scielo.br/pdf/abd/v84n3/v84n03a07.pdf - acesso em 22 abril 20121- Relatora: Rosana Marcelino BrazContato: rosana_braz@hotmail.comCel: (17) 9607-9225Endereço: A.V. Rio Brilhante nº 1000, Jardim Salles.CEP: 15804-335 - Catanduva - SP2- Nadia Aparecida Antonia PolettiContato: nadiapoletti@terra.com.brCel: (17) 8115-0222Tel: (17) 3021-94541 – Acadêmicas da 3ª série do curso de Graduação em Enfermagem da FAMERP.e-mail: rosana_braz@hotmail.com2- Professora Doutora Adjunta do Curso de Graduação em Enfermagem da FAMERP*Este trabalho é parte de um projeto desenvolvido pelo Grupo de estudos e assistência de Enfermagem em feridas e cuidadoscom a pele do Curso de Graduação de Enfermagem da FAMERP
  18. 18. A UTILIZAÇÃO DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NA IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DA SINDROME DA LUVA PURPÚRA CAROLINA DE BARROS NUNES DIAS FARIA1 ; ANDREIA DE FÁTIMA CORNÉLIO1; DAVID PINTO RIBEIRO1; ANA FLÁVIA BEZERRA2; IVANY M. C. BAPTISTA2; STELA MÁRCIA DRAIB GERVÁSIO3.INTRODUÇÃO: A terapia intravenosa é um dos procedimentos mais utilizados durante o processo terapêutico.O extravasamento de fármacos por cateter venoso periférico, pode ocasionar lesões teciduais. A síndrome da luva púrpura éuma complicação do extravasamento de fenitoina, droga utilizada no tratamento de crise convulsiva. Os cristais causados pelainsolubilidade da fenitoina durante a infusão intravenosa periférica formam precipitados que ocasionam fistulas nas quais atingeos tecidos adjacentes. A síndrome é caracterizada por três estágios: Aparecimento, Progressão e Resolução. Cabe aoenfermeiro identificar precocemente através dos diagnósticos de enfermagem os possíveis fatores de risco como: fragilidade dosistema vascular e tegumentar, a incapacidade do paciente de relatar dor local, diâmetro e local de inserção do cateter, diluiçãodo medicamento, e velocidade de infusão.OBJETIVO: Destacar os fatores de riscos para prevenção da síndrome da luva púrpura através dos diagnósticos de enfermagemMÉTODO: Revisão da literatura no período de 2002 a 2012 nas bases de dados: Scielo, Med LIne, Lilacs e Google Acadêmico.Foram utilizados os seguintes descritores: síndrome da luva púrpura, diagnóstico de enfermagem e terapia intravenosa.RESULTADO: A implementação dos diagnósticos de enfermagem facilita a identificação precoce dos fatores de risco paraprevenção da síndrome da luva púrpura.CONCLUSÃO: É necessário conhecer fatores de risco desencadeantes da síndrome da luva púrpura. Os diagnósticos deenfermagem são ferramentas norteadoras nas ações preventivas e terapêuticas.REFERENCIAS:KUSAHARA, D. M et al. Síndrome da Luva: principais intervenções de enfermagem e terapêuticas de enfermagem. Acta Paul.Enferm. Vol. 20, n2, São Paulo Apr/ June 2007OLIVEIRA, K. R. P.; SILVA, D. G.; A síndrome da luva púrpura na administração de fenitoina em cateteres intravenososperiféricos. Ciência e Consciência, vol.2, ano 2008.ANDRADE, L.F.S, et al – Conhecimento e prática do enfermeiro no centro de terapia intensiva pediátrica – Revista Cogitareenfermagem, v.13, n.1, p. 52-60 – São Paulo – 2008AMANTE, L.N., et al – Sistematização de Assistência de Enfermagem em UTI sustentada pela teoria de Wanda Horta – rev., Esc.De Enfermagem, v.43, n.1, p. 50-60 – São Paulo – 2009.APPLETON RE,Gill A. Adverse events associated with intravenous phenytoin in children: a prospective study. Seizure.2003;12(6):369-72Diagnósticos de ANDA. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação (2007-2008). Porto Alegre:,2NANDA. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação (2007-2008). Porto Alegre:. 1-Discentes do Curso de Graduação em Enfermagem da UNIP - Campus São José dos Campos – SP-email:caroldiasfaria@gmail.com2-Prof . Adjunto do Curso de Enfermagem da UNIP - Campus São José dos Campos – SP3-Coordenadora do Curso de Enfermagem da UNIP - Campus São José dos Campos – SP
  19. 19. AÇÃO PROGRAMÁTICA EM SAÚDE: AVALIAÇÃO DE LESÕES DE PELE AMANDA MUNIZ DE OLIVEIRA ANA CAROLINE DIAS DE ALMEIDA1 CAROLINA JACQUES ALMEIDA SOUZA1 ÉRICA SOARES DE ALMEIDA1 MARYDULCE VASCONCELOS BATISTA1 RITA DE CÁSSIA BARBOSA DE ARAÚJO1Introdução: Prestar uma assistência de excelência a clientes portadores de feridas é um desafio diário na prática deenfermagem. A cicatrização dessas feridas consiste em uma complexa seqüência de eventos coordenados e desencadeadospelo organismo, constituindo um processo dinâmico e gradual, necessitando de uma avaliação contínua e de qualidade. Asações ou práticas programáticas em saúde constituem uma forma de organizar coletivamente esse trabalho nos serviços deassistência à saúde, favorecendo a comunicação entre a equipe multiprofissional e facilitando a avaliação e evolução dosresultados.Objetivos: Avaliar as mudanças ocorridas em uma unidade pública de atenção à saúde após implementação de açõesprogramáticas em saúde, através da introdução de formulário para avaliação e tratamento de lesões de pele.Métodos: O estudo comportou duas etapas. A primeira consistiu na elaboração de um formulário para avaliação eacompanhamento de lesões, realizado após análise qualitativa relacionada ao tema, através de referências bibliográficas eleitura de artigos científicos nas bases de dados LILACS, SciELO e MEDLINE. O segundo momento correspondeu à introduçãodeste formulário numa unidade pública de saúde.Resultados: Constatou uma melhor avaliação das feridas. Proporcionou uma maior comunicação entre a equipe multiprofissional.Organizou as ações de enfermagem. Favoreceu conseqüentemente a cicatrização das lesões de pele.Descritores: Práticas programáticas; Feridas; Enfermagem.ReferênciasSCHRAIBER, L.B. NEMES, M.I.B. GONÇALVES, R.B.M. Saúde do adulto: programas e ações na unidade básica. 2° ed. SãoPaulo: Hucitec, 2000.SILVA,R.C.L. FIGUEIREDO, N.M.A. MEIRELES,I.B. Feridas: fundamentos e atualizações em enfermagem. São Caetano do Sul,SP: Yendis Editora, 2007.BORGES, E.L. et al . Feridas: como tartar. 2° ed. Belo Horizonte: Coopmed, 2008. NASCIMENTO, Maristella Santos and NASCIMENTO, Maria Angela Alves do. Prática da enfermeira no Programa de Saúde daFamília: a interface da vigilância da saúde versus as ações programáticas em saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2005, vol.10,n.2, pp. 333-345.Bajay, Helena Maria e ARAUJO, Izilda Esmenia Muglia. Validação e confiabilidade de um instrumento de avaliação deferidas . Acta paul. enferm. [online].2006, vol.19, n3, pp290-295.Discentes do curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Jorge Amado, 5° semestre. Salvador – BA
  20. 20. ALTERAÇÃO NA INTEGRIDADE/COLORAÇÃO DA PELE: VALIDAÇÃO DE ESCALA CROMÁTICA NOS TRAUMAS POR PUNÇÕES VASCULARES PERIFÉRICAS Cristina Arreguy-Sena Paula Krempser Raquel Nogueira Avelar e Silva Deliane Vilela de Oliveira 3 Nathália Alvarenga MartinsIntrodução: O trauma vascular periférico pode ser concebido como um diagnóstico de enfermagem decorrente da presença docateter intravascular (IV) inserido em veias periféricas para fins terapêuticos, diagnósticos ou hemoterápicos. Dentre asmanifestações do trauma vascular periférico estão às alterações na integridade da pele que cursam com modificações nacoloração da pele em decorrência de danos internos ou externos à estrutura do vaso ou às áreas adjacentes a ele. Na práticaclínica de enfermeiros as alterações na coloração da pele constituem em evidências. Elas são capazes de alertar e subsidiar oraciocínio diagnóstico e clínico do enfermeiro na identificação precoce de tais lesões a tempo de instituírem condutasterapêuticas capazes de conter a progressão de tais lesões por meio de intervenções de impacto sobre a qualidade do cuidado.Objetivo: Construir e validar um instrumento para captar alterações na integridade da pele que cursam com modificação decoloração cutânea durante o uso de cateteres IV periféricos para fins terapêuticos, diagnósticos ou hemoterápicos. Método:Construção e validação de uma paleta cromática para captar a cor original da pele onde os cateteres IV são inseridos e permitircategorizar alterações de cor nestas estruturas por análise comparativa durante o período em que os vasos periféricos foremusados terapeuticamente. Foram acompanhados 338 adultos/idosos puncionados num serviço de urgência/emergência; 338crianças internadas e 472 adultos/idosos em tratamento clínico ou cirúrgico, perfazendo 1.148 avaliações comparativasrealizadas em 1998, 2010 e 2010. Todas as investigações foram submetidas a comitês de ética (números 001/98; 019/10 e295/2010). As cores incluídas possibilitaram apreender: 1) tipos diversos de tonalidade de peles entre sujeitos distintos; 2)percepção de modificação nas tonalidades da pele num mesmo indivíduo e num mesmo sítio e 3) retratar evidências cromáticasde trauma vascular. Resultados: A paleta cromática foi construída em degradê de cores, posicionadas em colunas e linhas parafacilitar a localização e a identificação de alterações por método de análise comparativa. Foram utilizados códigos pararepresentar cada possibilidade. A versão avaliada foi construída com recursos de informática. Havia 72 tonalidades quepossibilitaram identificar manifestações de alteração da integridade com modificação de coloração da pele decorrentes detraumas vasculares secundários ao uso de cateteres IV periféricos. Foram identificadas e documentadas com fotografias: 1)petéquias e equimoses (pigmentos sanguíneos no tecido subcutâneo); 2) vesícula, bolha e pústula (eflorescência elementaresde conteúdos líquidos circunscritos) e 3) edema (eflorescências elementares de conteúdos líquidos não circunscritos).Conclusões: A utilização da paleta cromática mostrou-se aplicável à pesquisa e à prática clínica de enfermeiros comoinstrumento auxiliar para registro e documentação do trauma vascular nas punções que evoluíram com alterações na coloraçãoda pele.Referências:Arreguy-Sena C. Trajetória de Construção e validação do(s) diagnósticos: trauma vascular relacionado ao procedimento depunção venosa periférica e risco para trauma vascular relacionado ao procedimento a punção venosa periférica. 280p. [TeseDoutorado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2002.Azualy DR, Abulafia-Azulay A, Azulay RD. Semiologia Dermatológica. Cap 4 p.39-61. In: Azulay RD. Dermatologia. 5 ediçãorevisada e atualizada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.Infusion Nurses Society. Infusion Nursing Standards of Practice. Revised 2011. Journal of Infucion Nursing; 2011: Jan/Fev34(1S):-S1-S2110.NANDA International. Nursing Diagnoses da NANDA: definitions e classification 2012-2014. Otawa: Willey-Blackwell, 2012.Phillips Lynn Dianne. Manual of I.V. Therapeutics: evidence-based practice for infusion therapy, 5th Edition Editora Davis plus,2010.Enfermeira, Doutora e Professora Associada da Faculdade de Enfermagem da UFJF. E-mail: cristina.arreguy@ufjf.edu.br, Juizde Fora, Minas Gerais, Brasil.Enfermeira graduada pela Faculdade de Enfermagem da UFJF. E-mail: paula@krempser.com.br, Juiz de Fora, Minas Gerais,BrasilEnfermeiras, doutorandas do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu, Mestrado em Enfermagem pela Faculdade deEnfermagem da UFJF. E-mails: delianevilela@gmail.com e raquelavelar1@yahoo.com.br; Juiz de Fora, Minas Gerais, BrasilEnfermeira, Mestrando do Programa de Pós-graduação, Mestrado em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem daUniversidade Federal de Juiz de Fora. E-mail: nath.alvarenga.martins@gmail.com
  21. 21. ANÁLISE DAS SUBESCALAS DE BRADEN COMO INDICATIVOS DE RISCO PARA ÚLCERA POR PRESSÃO Dóris Baratz Menegon1, Rossana Rosa Bercini2, Cássia Teixeira dos Santos 3, Amália de Fátima Lucena4, Ana Gabriela Silva Pereira5, Suzana Fiore Scain 6Introdução: Estudo transversal com objetivo de identificar a pontuação das subescalas que avaliam o risco para úlcera porpressão na aplicação da Escala de Braden e, associá-las aos motivos de internação hospitalar, às comorbidades e àscaracterísticas demográficas de pacientes adultos hospitalizados.Resultados: A amostra constou de 187 pacientes em risco para UP com escore total ≤ 13 na referida escala. Os dados foramcoletados retrospectivamente em fichas com a Escala de Braden e em prontuários, analisados pela estatística descritiva e testesde Mann-Whitney e Sperman. Os resultados demonstraram que 121 eram mulheres (64,7%), a média de idade foi de 67 anos(± 11,4), portadores de doenças cerebrovasculares, pulmonares, cardiovasculares, metabólicas e neoplásicas. Os escoresverificados pelas subescalas apontaram pacientes acamados e com mobilidade limitada em 156 (83,4%) . A nutrição alteradaem 119 (63,6%) também se mostrou fator importante, seguido pelos problemas de fricção e/ou cisalhamento em 99 (52,9%), 93(49,7%) com alteração da percepção sensorial e umidade em 83(44,4%). Na pontuação do escore total apontado pela Escala deBraden, 65 (34,8%) pacientes somaram 13 pontos; 35 (18,7%) 12 pontos; 32 (17,1%) 11 pontos. Portanto, 132 deles tinhamrisco moderado para UP.Conclusão: Estes achados permitiram conhecer melhor o cenário de pacientes hospitalizados em risco para UP e assim,poderão subsidiar a implementação de cuidados preventivos direcionados às especificidades de cada uma das subescalas quecompõem a Escala de Braden.O desenvolvimento da pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa em Saúde da Instituição sob o protocolo no 08-319 e os pesquisadores assinaram Termo de Comprometimento para utilização de dados.DESCRITORES: Úlcera por pressão. Cuidados de enfermagem. Protocolos.1 Mestreem Ciências Médicas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Enfermeirado Serviço de Saúde Pública do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). 2 Enfermeira do Serviço de Saúde Pública doHCPA. 3Mestranda no Pós-graduação da Escola de Enfermagem da UFRGS. Enfermeira. 4 Doutora em Ciências. ProfessoraAdjunto da Escola de Enfermagem e do Programa de Pós-graduação da UFRGS. 5 Enfermeira. 6 Doutora em Endocrinologia.Enfermeira do Serviço de Enfermagem em Saúde Pública do HCPA.Correspondência: Dóris Baratz MenegonHospital de Clínicas de Porto Alegre – Grupo de enfermagemRua Ramiro Barcelos, 2350, 5º andar90035-903 - Porto Alegre, RS, BrasilE-mail: dmenegon@hcpa.ufrgs.br
  22. 22. APLICAÇÃO INTRAMUSCULAR DE COMPLEXO VITAMÍNICO DE USO VETERINÁRIO ASSOCIADO A ÓLEO MINERAL: ESTUDO DE CASO Euzeli da Silva Brandão*, Viviane Pinto Martins Barreto**, Marcos Eugênio da Silva***O aumento da massa muscular tem sido um dos principais objetivos de muitos jovens e adultos que freqüentam academias.Porém, além da prática saudável de exercícios, muitos acabam optando pelo uso de anabolizantes e/ou de outras substânciasnocivas à saúde, resultando em disfunções dos vários sistemas fisiológicos, tonando-se um problema de saúde pública1. Umestudo revela que entre 15% e 33% dos frequentadores de academias administram substâncias como andrógenos e óleos deaplicação local2. Os óleos de aplicação local são substâncias que quando injetadas promovem um aumento no volume muscularno local e não a hipertrofia muscular3. Objetiva-se descrever o caso de um jovem com lesões decorrentes da aplicaçãointramuscular de um complexo vitamínico de uso veterinário associado ao óleo mineral, e sua evolução após condutasimplementadas por enfermeiras especialistas em dermatologia. Trata-se de um estudo de caso ocorrido em um HospitalUniversitário Federal, localizado no Estado do Rio de Janeiro. A queixa do jovem de 24 anos era de dor de forte intensidade emambos membros superiores que apresentavam-se com extensa necrose, edema importante e várias fístulas drenando exsudatopurosanguinolento, oleoso em grande quantidade, evoluindo para insuficiência renal aguda. Segundo ele, a droga utilizada foiPotenay®, uma das substâncias mais utilizadas por usuários das academias dos bairros populares. Trata-se de um complexovitamínico de uso veterinário associado ao Sulfato de mefentermina, queeleva a pressão sangüínea, indicado na recuperação de eqüinos debilitados4. No caso em questão a substância foi associada aoóleo mineral. A administração foi realizada uma vez por semana durante cinco semanas, com injeção de 18 a 21ml de cada lado,(bíceps, tríceps e trapézio), obtendo resultados imediatos. Após aplicação sentia dores musculares locais, aliviadas comanalgésicos. Na ultima aplicação, a dor não cedeu mesmo com uso de analgésicos, restringindo os movimentos, além deapresentar sede e boca seca. Após cinco dias, procurou assistência médica, sendo internado no Centro de Terapia Intensiva(CTI). Nas áreas necrosadas foram aplicadas placas de hidrogel, sendo indicado desbridamento cirúrgico após delimitação,procedimento realizado pela cirurgia geral. Devido ao intenso sangramento após desbridamento cirúrgico, foi utilizado alginato decálcio, objetivando o controle do mesmo, além da absorção do exsudato. A equipe médica prescreveu concentrado de hemácias.Após evolução clínica satisfatória, foi transferido para a enfermaria, sendo mantido curativo diário. Nesta fase, as feridasapresentavam-se menos profundas, com tecido de granulação e exsudato serosanguinolento em média quantidade, sendomantido o alginato de cálcio, que posteriormente foi substituído pelos ácidos graxos essenciais. Após alta hospitalar, manteve-seo acompanhamento ambulatorial, mantendo uso de anti-hipertensivos e malha impregnada com petrolatum na ferida com trocaem dias alternados. Conclui-se que apesar da recuperação do jovem em questão, a utilização desses produtos vem promovendosérios efeitos lesivos e deformações físicas. Considera-se necessária a realização de campanhas de prevenção.*Professora Assistente da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Doutoranda emEnfermagem pela FENF/UERJ. Especialista em dermatologia pela SOBENDE. euzelibrandao@gmail.com**Enfermeira da Comissão de curativos do Hospital Universitário Antônio Pedro. Mestre em Enfermagem pela Universidade doRio de Janeiro (UNIRIO). Especialista em dermatologia e terapia intensiva.***Graduado em Educação Física pela UNIVERSO.Venâncio DP, Nóbrega ACL, Tufik S, Mello MT. Avaliação descritiva sobre o uso de esteróides anabolizantes e seu efeito sobreas variáveis bioquímicas e neuroendócrinas em indivíduos que praticam exercício resistido. Rev Bras Med Esporte [serial on theInternet]. 2010 June [cited 2012 June 25]; 16(3):191-195. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922010000300007&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922010000300007Calfee R, Fadale P. Popular ergogenic drugs and supplements in young athletes. Pediatrics. 2006;117:577-589.Azevedo MPA, Ferreira ACD, Ferreira UMG. Óleos de aplicação local intramuscular: epidemiologia do uso em praticantes demusculação. R. bras. Ci. E Mov 2009;17(3):45-53.Iriart JAB, Chaves JC, Orleans RG. Culto ao corpo e uso de anabolizantes entre praticantes de musculação. Cad. Saúde Pública,Rio de Janeiro, 25(4):773-782, abr, 2009.
  23. 23. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PORTADORES DE PSORÍASE Luciliana Rodrigues da Silva1 Lana Kelly Lins Braga2 Nayara Magda Gomes Barbosa3 Vanessa Dias da Silva4Introdução: A psoríase é uma doença dermatológica, inflamatória da pele, não contagiosa e crônica, que atinge de 1 a 3% dapopulação mundial e se manifesta em pessoas de todas as idades e de ambos os sexos, atingindo igualmente homens emulheres, sendo mais freqüente na raça branca. A doença pode se manifestar logo após o nascimento ou tardiamente no idoso,entretanto é mais comum ter seu início entre a segunda e a quarta décadas de vida(Arruda,2010). O início e o curso dependemde fatores genéticos, comportamentais e ambientais(Arruda,2004). Apesar de apresentar evolução benigna, a psoríasedetermina um importante impacto na qualidade de vida dos pacientes, interferindo em suas atividades diárias, nas relaçõessociais e interpessoais ou ainda atuando sobre aspectos psicossociais(Arruda,2004).Objetivos: Caracterizar os cuidados de enfermagem aos portadores de psoríase.Metodologia: Para atingir o objetivo proposto, optou-se por realizar uma pesquisa bibliográfica, de natureza exploratória, comabordagem qualitativa. Foi realizado uma busca em periódicos para localizar artigos de publicações cientificas que enfocaram oscuidados de enfermagem na psoríase. As seguintes etapas foram seguidas: análise dos conteúdos dos artigos. Os critérios deseleção dos artigos definidos foram: a) ter sido publicado de 2004 a 2010 na base SCIELO(Scientific Electronic Library Online)no periódico An Bras Dermatol e b) tratarem de estudos realizados com o cuidado da pele. Foram excluídos os artigosindisponíveis eletronicamente. O levantamento foi realizado no mês de maio de 2012 e foram encontrados 07 e lidos 07trabalhos e amostra foi composta por 03 artigos que atenderam aos critérios de seleção.Resultado: Foram encontrados 03 artigos que versavam sobre os cuidados de enfermagem, atendendo ao objetivo proposto peloestudo. A enfermagem, como componente essencial da equipe de saúde que presta assistência a essa clientela, deve focalizarseu cuidado no modo como o paciente lida com a enfermidade detectando o seu real impacto, já que a doença está diretamenteligada à questão da auto-imagem, do estilo de vida, do risco de infecções, devido à pele encontrar-se com sua integridadeprejudicada e com o déficit de conhecimento sobre a doença e seu tratamento, podendo levar a quadros de depressão edificuldades de interação social(Arruda,2010). É fundamental a investigação realizada pelo enfermeiro mediante umrelacionamento de confiança e de apoio, facilitando a apreensão das informações do paciente especialmente sobre seu estilo devida, buscando correlações com o surgimento e agravamento da doença, o que pode contribuir para uma tomada de decisõesacerca das intervenções a serem adotadas, assim como as medidas e orientações para minimização dos efeitos nocivos daterapêutica(Arruda,2010).Conclusão: A partir dos artigos analisados pode-se perceber que a importância dos cuidados de enfermagem na psoríase é degrande valor, pois como a doença causa modificações estéticas à orientação e as intervenções de enfermagem se fazemnecessárias, tanto para o paciente como para o familiar.Referência:Arruda et al.Avanços e desafios da enfermagem na produção científica sobre psoríase.Rev BrasEnferm.Brasília.V63.N2.P264-273.2010;Arruda et al.Tratamento sistêmico da psoríase-Parte II:imunomoduladores biológicos.AnBras Dermatol.Rio de Janeiro.V79.N4.P393-408.2004;Rodrigues e Teixeira.Desvendando a psoríase.RBAC.SantaCatarina.V41.N4.P303-309.2009.1 – Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza – E-mail: lucilianamendes@hotmail.com2 – Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza3 – Acadêmica de Enfermagem do 6º semestre da Universidade de Fortaleza4 – Docente do curso de graduação em Enfermagem da Universidade de Fortaleza
  24. 24. AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO DO PÉ DIABÉTICO Anderson Alves Lima Santos¹ Carolina Madeiro Meira¹ Charline Machado de Souza Brito¹ Jéssica Silva de Araújo¹ Manuella Coelho Novais¹ Luciana Cunha Paixão¹O Diabetes Melittus (DM) é uma síndrome causada pela falta de insulina e/ou da incapacidade da insulina exerceradequadamente sua função. Dentre as diversas complicações derivadas do DM destaca-se o pé diabético, caracterizado poruma infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associados a vários graus de doença vascular periférica nomembro inferior. Estima-se que 4% a 10%, dos indivíduos com DM, desenvolvam lesões nos pés. Existem diversas opções parao tratamento das lesões, a exemplo de curativos, desbridamento de tecidos desvitalizados, oxigenoterapia, uso demedicamentos, revascularização, aplicação local de fatores de crescimento e a amputação de extremidades. O tratamentoadequado vai depender do grau de comprometimento do membro, considerando-se a presença e/ou gravidade de isquemia e/ouinfecção. Embora o tratamento e prevenção das feridas venham sendo atribuídas como tarefa do profissional enfermeiro, muitos,ainda, por falta de conhecimento ou por falta da própria legislação, que falha em dispor informações a respeito da atuação doenfermeiro no tratamento de feridas, não tem assumido o processo de cuidar e do cuidado com autonomia. Através dos artigosencontrados e referenciados nesse resumo foi possível constatar que dentre os tratamentos, vale ressaltar as amputações, cujaalta frequência (85% das úlceras resultam em amputação) se deve, principalmente, pela falta de prevenção na Atenção Primária,muitas vezes pela ausência dos usuários no próprio serviço, outras, por negligência ou falta de conhecimento por parte dosprofissionais de enfermagem. Observou-se que, muito embora, os enfermeiros possuam autonomia para avaliar e tratar o pédiabético existe, ainda, uma escassez na legislação (COREN e COFEN) que disponibilizem informações sobre a atuação doenfermeiro nessa atividade. Geralmente o respaldo, se dá por parte das próprias instituições através das normas, dos protocolose das rotinas estabelecidas. O trabalho teve como objetivos: ressaltar a autonomia do enfermeiro no tratamento do paciente como pé diabético; elencar os métodos mais utilizados no tratamento de pé diabético e enfatizar os riscos do tratamento inadequadoao paciente com pé diabético. Trata-se de uma revisão bibliográfica realizada a partir de artigos selecionados sobre o assuntoautonomia do enfermeiro no cuidado ao pé diabético e pé diabético. A pesquisa sobre a temática de interesse foi levantadaatravés da busca de literatura científica na internet, à qual se teve acesso pela Biblioteca Virtual em Saúde. Foi feita uma buscade artigos nas bases de dados LILACS e SCIELO. Para a inclusão de artigos na revisão de literatura pretendida foramestabelecidos os seguintes critérios: artigos de revistas e capítulos de livros; publicação em português realizada entre os anos de2003 a 2008. Portanto, o enfermeiro possui respaldo ético-legal para interferir junto a ferida, em pacientes diagnosticados compé diabético, tanto na avaliação quanto na prescrição de terapêuticas tópicas, desde que esteja dentro dos limites da Lei doExercício Profissional de Enfermagem. Cabe lembrar ainda que o profissional precisa estar preparado para assumir essaautonomia, visto que, ela está atada ao conhecimento técnico-científico e as responsabilidades éticas.Palavras-chaves: Enfermeiro, autonomia, tratamento, pé diabético1 Discentes do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia/ linizinha_88@hotmail.comReferências BibliográficasFERREIRA, A. M; BOGAMIL, D. D. D; TORMENA, P. C. O enfermeiro e o tratamento de feridas: em busca da autonomia docuidado. Arq Ciênc Saúde, v.15, n.3, p.105-9, 2008 jul-set.FERREIRA, A. M; CANDIDO, M. C. F. S; CANDIDO, M.A. O Cuidado de Pacientes com Feridas e a Construção da Autonomiado Enfermeiro. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v.18, n. 4, p. 656-60, 2010 out-dezHIROTA, C.M.O.H; HADDAD, M.C.L.; GUARIENTE, M.H.D.M. Pé diabético: O papel do enfermeiro no contexto das inovaçõesterapêuticas. Cienc Cuid Saude, v.7, n.1, p.114- 120, 2008, Jan-Mar.LOPES, C. F. Pé diabético. In: PITTA GBB, CASTRO AA, BURIHAN E. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió:UNCISAL/ECMAL & LAVA, 2003. P. 1-21
  25. 25. AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE FERIDAS Rafaela da Silva Argolo1 Margarete Costa Santos2A autonomia profissional é alcançada por meio do saber técnico-científico, conquistas legais e representações sociais de umadeterminada categoria. Com o avanço da ciência no tratamento de feridas e o crescente interesse dos profissionais deenfermagem, desenha-se um novo campo de atuação e esta categoria assume-se como a principal cuidadora de pessoas comalterações tissulares. As delimitações dos campos de saberes e práticas em saúde, e suas especialidades se por um lado temlevado ao desenvolvimento e a melhoria das condições de tratamento, por outro lado objetos de intervenção de naturezainterdisciplinar, como é o cuidado em feridas, tem levado a embates entre diversas categoriais profissionais. Este trabalho temcomo objetivo identificar na literatura científica nacional os principais limites e possibilidades de autonomia profissional notratamento de feridas. Para alcançar tais objetivos utilizou-se como desenho metodológico a revisão sistemática de literatura. Afonte de dados foram artigos disponíveis em SCIELO e LILACS com recorte temporal de 2000 a 2010. Os artigos foram filtradospela combinação dos unitermos: autonomia, feridas e enfermagem. Da seleção prévia de 15 artigos, foi realizada leitura flutuantee capturados 06 artigos que atendiam ao objetivo do estudo. Os resultados obtidos indicam que os principais limites naautonomia profissional do enfermeiro que cuida de feridas são: falta de legislação dos CORENs que versem sobre o tratamentode feridas; ausência de protocolos e normas para o suporte legal da prática profissional; autonomia limitada para prescrevercurativos; poucos cursos de pós-graduação em estomaterapia e enfermagem dermatológica no país; hegemonia do trabalhomédico; falta de estímulo para o exercício do poder pela enfermagem. Como possibilidades de autonomia na atuação foramidentificados; criação de algorítimos para o cuidado; difusão das Comissões de Feridas nos hospitais e serviços de atenção apessoa com lesões de pele; Fortalecimento das especialiddes de estomaterapia e enfermagem dermatológica; padronização dosprocedimentos de prevenção e tratamento de feridas; estruturação de indicadores de qualidade na terapêutica de lesões.Conclui-se que o exercício da autonomia implica uma atitude proativa dos sujeitos, do aparato jurídico-institucional e doreconhecimento social da enfermagem enquanto profissão autônoma na produção do conhecimento em feridas enquanto campode saberes e fazeres.REFERÊNCIASFERREIRA, Adriano M; BOGAMIL, Daiane D.D; TORMENA, Paula C. O enfermeiro e o tratamento de feridas: em busca daautonomia do cuidado. Arq Ciênc Saúde 2008 jul-set; 15(3):105-9RODRIGUES, Franciele Silva; SANTOS, Emanuelle Fernandes. A autonomia do enfermeiro no tratamento de feridas em umaabordagem ética e legal. IV Forum de Ensino. Universidade Estadual de Montes Claros.FERREIRA, Adriano Menis; CANDIDO, Mariluci Camargo Ferreira da Silva; CANDIDO, Marco Antonio. O cuidado de pacientescom feridas e a construção da autonomia do enfermeiro. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18 (4):656-60.1Discente do curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Email:2Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Bahia. Especialista em Saúde Coletiva.Email: mcssantos@hotmail.comDescritores: Autonomia; Enfermagem; Ferida.
  26. 26. AVALIAÇÃO CLÍNICA DE ÚLCERAS DE PERNA EM IDOSOS Jordana Prado Benevides Janaina Fonseca Victor Coutinho Míria Conceição Lavinas Santos Maria José Aguiar de Oliveira Francisca de Fátima Vasconcelos Tiago Barreto de Castro e SilvaAs úlceras crônicas dos membros inferiores ou úlceras de perna são consideradas um problema de saúde pública, maisprevalentes em idosos, alcacomo: doença arterial periférica; doença venosa crônica; hipertensão arterial; neuropatias; traumafísico; infecções cutâneas, doenças inflamatórias, neoplasias e alterações nutricionais. Objetivou-se realizar avaliação clínica deúlceras de perna em idosos atendidos em um ambulatório especializado. Pesquisa exploratório-descritiva, transversal,desenvolvida na sala de curativo de um ambulatório especializado em Fortaleza-CE, Brasil. O referido ambulatório estávinculado a um ambulatório de cirurgia vascular e atende clientes portadores de úlcera de perna independente da etiologia,contando com uma equipe composta por duas técnicas de enfermagem e uma enfermeira. A população do estudo foi de 55idosos, portadores de úlceras de perna, acompanhados no referido nçando uma taxa superior a 4% em pessoas com idadeacima de 65 anos. Sua etiologia está associada a diversos fatores ambulatório que atenderam os critérios de inclusão eaceitaram participar do estudo assinando o termo de consentimento livre e esclarecido. Os critérios de inclusão no estudo foram:ter idade igual ou superior a 60 anos; ser portador de úlcera de perna, independente da etiologia; não ser portador de demênciaou outras alterações que acarretassem em prejuízos na comunicação verbal e ter procurando o serviço para realização decurativo. Os critérios de exclusão foram: ter procurado o serviço para exames, consultas ou outros procedimentos. A amostraresultou em 53 idosos. O período de coleta ocorreu durante entre agosto e novembro de 2010, de segunda a sexta-feira, noperíodo diurno. A coleta de dados foi realizada através de entrevista e avaliação clinica da úlcera com o auxílio de uminstrumento estruturado pelas pesquisadoras. A avaliação da úlcera foi procedida pelo pesquisador, no momento da realizaçãodo curativo pelo enfermeiro do ambulatório de cirurgia. Após a realização do curativo, o pesquisador avaliou a presença deedema no membro afetado e realizou a palpação do pulso pedioso, tibial posterior e poplíteo. O projeto de pesquisa foisubmetido ao Comitê de Ética e Pesquisa do Hospital Universitário, do qual obteve aprovação sob protocolo n°. 065.07.10.Foram atendidas as exigências das Diretrizes e Normas da Pesquisa em Seres Humanos, apresentadas na Resolução 196/96,do Conselho Nacional de Saúde, Ministério da Saúde. A média de idade foi de 69,3 anos; 27(51,0%) com tempo de existência daúlcera ≥ de 1 ano; 34 (64,1%) com localização da úlcera na ZONA I, 53 (100%) com perda tecidual; 40 (75,5%) com necrose; 43(81,1%) com infecção; 32 (60,4%) com exsudato e destes com 50,0% com odor e 29 (54,7%) presença de dor. Concluiu-se quea avaliação clínica das úlceras de perna é uma etapa importante durante a abordagem do paciente e a escolha do tratamento.Esta deve ser realizada por uma equipe multidisciplinar com competência acerca do assunto. É interessante destacar, que aequipe de enfermagem é responsável pela execução de curativos nos diferentes níveis de atenção à saúde, além da avaliaçãoclínica, pois somente após este procedimento, pode-se escolher a terapêutica adequada.Descritores: Idoso; Úlcera da Perna; Avaliação em enfermagem.REFERÊNCIAS:1. ABBADE, L.; LASTORIA, S. Venous ulcer: epidemiology, physiopathology, diagnosis and treatment. Int J Dermatol. v. 44, p.449-56, 2005.2. REICHENBERG, J.; DAVIS, M. Venous Ulcers. Semin Cutan Med Surg, v. 24, p. 216-26, 2005.3. FRADE, M. A. C.; CURSI, I.B.; ANDRADE, F.F.; SOARES, S.C.; RIBEIRO, W.S.; SANTOS, S.V.; FOSS, N.T. Úlcera de perna:um estudo de casos em Juiz de Fora-MG (Brasil) e região. An Bras Dermatol, v. 80, n. 1, p. 41-6, 2005.4. HECKE, V. A.; GOEMAN, C.; BEECKMAN, D.; HEINEN, M.; DEFLOOR, T. Development and psychometric evaluation of aninstrument to assess venous leg ulcer lifestyle knowledge among nurses. J Adv Nurs, v. 19, p. 2159-87, 2011.5. AUGUSTIN, M.; RUSTENBACH, S. J.; DEBUS, S.; GRAMS, L.; MÜNTER, K-C.; TIGGES, W.; SCHÄFER, E.; HERBERGER,K.; Quality of Care in Chronic Leg Ulcer in the Community: Introduction of Quality Indicators and a Scoring System. Dermatology,v. 12, p. 1018-65, 2011.Enfermeira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza-CE, Brasil.Doutora em Enfermagem (UFC). Professor Adjunto II da Faculdade Farmácia, Odontologia e Enfermagem. Fortaleza-CE, Brasil.Doutora em Enfermagem (UFC). Professora do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFC. Fortaleza-CE, Brasil.Especialista em Enfermagem do Trabalho pela Universidade Estadual do Ceará – UECE. Enfermeira do Ambulatório de CirurgiaVascular do Hospital Universitário Walter Cantídio. Fortaleza-CE, Brasil.Mestre em Enfermagem na Promoção da Saúde (UFC). Fortaleza-Ceará. Brasil.Mestre em Ciências na Área de Enfermagem em Saúde Pública (USP). Professor Assistente do Departamento de Enfermagemda UFC. E-mail: tiagobcs@ufc.br

×