CONSUMO SAUDÁVEL DE PIPOCAS E ALIMENTOS SIMILARES
Ô COISINHA BOA!!!!!!
“Proposta de confecção de acessórios utilizando
materiais recicláveis e de baixo custo para introduzir nas
embalagens de p...
Explicando: Minha Proposta é confeccionar acessórios utilizando
materiais recicláveis e de baixo custo para introduzir
nas...
CONSUMO SAUDÁVEL DE PIPOCAS E ALIMENTOS SIMILARES
1 - INTRODUÇÃO
Escolhemos a pipoca para desenvolver a presente proposta ...
Os índios, principalmente os guaranis, tinham o alimento, (que é um cereal)
como o principal ingrediente de sua dieta e qu...
No século XIX a pipoca já era vendida em feiras e parques nos Estados
Unidos. No fim desse século surgiram os primeiros ci...
A pipoca pode ser industrializada ou caseira. Atualmente existem vários tipos e
sabores: doces, salgadas, com pasta de ame...
Apesar de parecer uma prática banal o fato é que o hábito de manter as mãos limpas
pode reduzir bastante a transmissão de ...
No ato prazeroso de pegar com as mãos a pipoca (e os demais alimentos) no
saquinho e leva-la até a boca possivelmente pode...
3.1 - OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1) - propor a confecção de: A) Luvas higiênicas, descartáveis e adaptáveis aos vários
tamanhos...
constatamos que trata-se de uma ideia viável, de baixo custo e que
contribuirá efetivamente na diminuição de riscos de con...
Proposta de Projeto confecção acessórios para embalagens de saquinhos de pipoca e outros
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Proposta de Projeto confecção acessórios para embalagens de saquinhos de pipoca e outros

514 visualizações

Publicada em

Minha Proposta é confeccionar acessórios utilizando materiais recicláveis e de baixo custo para introduzir nas embalagens de pipocas e alimentos similares possibilitando diminuir os riscos de contaminação durante o manuseio desses alimentos à boca. Imagino que já deve existir algum tipo de acessório para pegar alimentos e levar à boca. Mas, minha proposta é introduzir luvas ou pegadores nas embalagens de saquinhos de pipoca, salgadinhos, amendoim, e outros para evitar contaminação do alimento ao levá-lo até a boca.
Pesquisei na internet, nos sites recomendados de ideias patenteadas e não encontrei se quer ideias parecidas com a minha. Não patenteei minha ideia por falta de condições financeiras e a burocracia aqui no Brasil é imensa. Tentei buscar apoio mas sem sucesso. Na verdade eu tinha interesse de apresentar minha ideia para alguns empresários do ramo, mas, não consegui. Enfim, por considerar uma ideia importante que visa melhorar a qualidade da saúde das pessoas, resolvi torná-la pública. Caso alguém considere a ideia interessante e viável, queira levar adiante, e, consiga ganhar muito dinheiro, aceito uma porcentagem é claro e agradecerei imensamente.
Anadja Rios - 17/11/2015

Publicada em: Alimentos
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Proposta de Projeto confecção acessórios para embalagens de saquinhos de pipoca e outros

  1. 1. CONSUMO SAUDÁVEL DE PIPOCAS E ALIMENTOS SIMILARES Ô COISINHA BOA!!!!!!
  2. 2. “Proposta de confecção de acessórios utilizando materiais recicláveis e de baixo custo para introduzir nas embalagens de pipocas e alimentos similares possibilitando diminuir os riscos de contaminação durante o manuseio desses alimentos à boca”. Anadja Maria dos Santos Rios Autora da presente proposta 81-986662941 nadirrio@gmail.com 17/11/2015 CONSUMO SAUDÁVEL DE PIPOCAS E ALIMENTOS SIMILARES
  3. 3. Explicando: Minha Proposta é confeccionar acessórios utilizando materiais recicláveis e de baixo custo para introduzir nas embalagens de pipocas e alimentos similares possibilitando diminuir os riscos de contaminação durante o manuseio desses alimentos à boca. Imagino que já deve existir algum tipo de acessório para pegar alimentos e levar à boca. Mas, minha proposta é introduzir luvas ou pegadores nas embalagens de saquinhos de pipoca, salgadinhos, amendoim, e outros para evitar contaminação do alimento ao levá-lo até a boca. Pesquisei na internet, nos sites recomendados de ideias patenteadas e não encontrei se quer ideias parecidas com a minha. Não patenteei minha ideia por falta de condições financeiras e a burocracia aqui no Brasil é imensa. Tentei buscar apoio mas sem sucesso. Na verdade eu tinha interesse de apresentar minha ideia para alguns empresários do ramo, mas, não consegui. Enfim, por considerar uma ideia importante que visa melhorar a qualidade da saúde das pessoas, resolvi torná-la pública. Caso alguém considere a ideia interessante e viável, queira levar adiante, e, consiga ganhar muito dinheiro, eu aceito uma porcentagem é claro! Anadja Rios - 17/11/2015.
  4. 4. CONSUMO SAUDÁVEL DE PIPOCAS E ALIMENTOS SIMILARES 1 - INTRODUÇÃO Escolhemos a pipoca para desenvolver a presente proposta por constatar através de pesquisa que historicamente trata-se de um alimento importante na dieta dos índios e outros povos. Comer pipoca é com toda a certeza um hábito cultural e prazeroso. Comê-las fazendo o movimento de pegar com a mão a pipoca no saquinho e leva-la até a boca nos leva a outra dimensão e altos devaneios, e, assistindo um bom filme em casa ou no cinema então! Contudo, para falar mais sobre a pipoca foi preciso resgatar a história do cultivo do milho. Segundo Mary Poll, em seu trabalho publicado na revista PNAS, os primeiros registros do cultivo do milho datam de 7.300 anos, e foram encontrados em pequenas ilhas próximas ao litoral do México, no golfo do México e seu nome é de origem indígena caribenha que significa “sustento da vida”. Era uma alimentação básica para várias civilizações importantes ao longo dos séculos, os Olmecas, Maias, Astecas e Incas reverenciavam o cereal na arte e na religião. O milho era plantado por índios americanos em montes, usando um sistema complexo diversificando a espécie cultivada de acordo com o seu uso. Esse método foi substituído por plantações de uma única espécie. No século XVI e início do processo de colonização da América, trazendo as grandes navegações, a cultura do milho se expandiu para outras partes do mundo. Hoje é cultivado e consumido em todos os continentes. No Brasil, o cultivo do milho vem desde antes da chegada dos europeus.
  5. 5. Os índios, principalmente os guaranis, tinham o alimento, (que é um cereal) como o principal ingrediente de sua dieta e que, com a chegada dos portugueses, o consumo aumentou e novos produtos à base de milho foram incorporados aos hábitos alimentares dos brasileiros. O milho foi fundamental para a dieta e cultura de antigas civilizações americanas. Na América é conhecido por diferentes nomes: milho, choclo, jojoto, corn, maíz, elote. Ressaltamos que existem tipos diferentes de milho, como: o dentado, o duro, o macio ou farinhoso, o doce e o pipoca. No Brasil, na década de 20, a Escola Agrícola de Lavras - MG, atual Universidade Federal de Lavras, teve grande participação no melhoramento de milho, o que culminou com a publicação de dois livros, sendo o primeiro sobre a cultura e melhoramento do milho no Brasil e o segundo sobre genética e melhoramento de plantas, publicado por Hunnicutt (1924) e Paiva (1925). “A Pipoca”, também chamada de pororoca originou-se do termo tupi pï'poka, "estalando a pele", formado pela junção de pira (pele) e poka (estourar). "Pororoca" originou-se do termo tupi poro'roka, gerúndio de poro'rog, "estrondar". Além de ser usada pelos índios como alimento servia também como enfeite para o cabelo. Para fazer a pipoca, utiliza-se milho dos tipos everta ou rastrata, que apresentam grãos pequenos, duros e cristalinos. São considerados tipos extremos do milho duro (indurata). Ao serem aquecidos os grãos explodem de maneira rápida porque sua umidade interna é convertida em vapor. Num determinado ponto a pressão estoura a casca externa, transformando a parte interna numa massa pouco consistente de amidos e fibras.
  6. 6. No século XIX a pipoca já era vendida em feiras e parques nos Estados Unidos. No fim desse século surgiram os primeiros cinemas americanos, e, com eles, vieram os ambulantes e seus carrinhos com pipoca e guloseimas, mistura de pipoca, amendoim e açúcar queimado. No começo, os donos dos cinemas faziam pouco caso e achavam que a pipoca distraía os expectadores durante a apresentação dos filmes. Durante a Grande Depressão, a pipoca era relativamente barata e se tornou popular. Assim, o negócio da pipoca prosperou e se tornou uma fonte de renda para alguns agricultores em dificuldades. A pipoca, além de ser um alimento saboroso, se preparada e consumida da forma correta, pode trazer vários benefícios para nossa saúde, pois possui nutrientes importantes para o organismo. Ela pode até ajudar na prevenção de doenças por conter altas doses de polifenóis, antioxidantes que protegem as células do organismo contra os danos causados pelos radicais livres desacelerando o envelhecimento. Sua elevada concentração de antioxidante auxiliam na prevenção do diabetes, câncer, controle dos índices de colesterol, triglicerídeos e da glicemia, retardando o processo de esvaziamento gástrico. Contem ainda a zeaxantina e luteína que são duas substâncias antioxidantes que contribuem com a saúde dos olhos, prevenindo a catarata e degeneração macular (uma condição médica geral dos adultos mais velhos, que resulta em uma perda de visão no centro do campo visual).
  7. 7. A pipoca pode ser industrializada ou caseira. Atualmente existem vários tipos e sabores: doces, salgadas, com pasta de amendoim, picante, temperada com manteiga, com caramelo, entre outras. 2 - JUSTIFICATIVA Assistindo a um bom filme em casa ou no cinema, lendo um bom livro, em grupos de amigos e/ou família, nas praças, no jogo de futebol, no frio ou no calor, pelo prazer e/ou pela saúde, o ato de comer pipoca cresceu cada vez mais, aumentando assim o numero de adeptos desse alimento. De acordo com a Gazeta Mercantil, 2009, o Brasil já consumia à época em média 80 mil toneladas de pipocas por ano, sendo o segundo maior do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. Segundo Gabriel João Cherubini, executivo da Popping York, O mercado brasileiro com este alimento, movimenta cerca de R$ 160 milhões por ano e tem crescido de 8% a 10% nos últimos anos. É importante observarmos o avanço considerável da fabricação, venda e consumo deste alimento. Atualmente há várias opções de marcas e sabores da pipoca, contudo, a forma de comer todas elas é sempre a mesma: colocamos a mão dentro do saco da pipoca e a levamos à boca e fazemos isso repetidas vezes. Ressaltamos, porém, que no prazer e satisfação do hábito de comer pipoca há também alguns riscos à saúde que requerem certos cuidados, uma vez que nossas mãos são potentes veículos de contaminação quando não bem higienizadas. A limpeza das mãos é algo que os Pais nunca se cansam de repetir para seus filhos. Sempre ouvimos, desde criança sobre a importância de lavar as mãos antes das refeições, depois de usar o banheiro, pegar em dinheiro e/ ou brincar, etc. Foi assim no passado, é assim nos dias de hoje e assim continuará. Ou seja, aprendemos desde cedo os cuidados que devemos ter com a higiene das mãos.
  8. 8. Apesar de parecer uma prática banal o fato é que o hábito de manter as mãos limpas pode reduzir bastante a transmissão de doenças consideradas infectocontagiosas, são elas: gripe, resfriado, catapora, rubéola, conjuntivite, entre outras, como também aquelas parasitárias como: schistosoma, áscaris lumbricoide, ameba, taenia, etc. Dessa forma, percebemos e constatamos que as mãos estão entre os principais veículos de transmissão de bactérias, vírus e fungos. No Brasil foi realizada uma pesquisa por Diego Pinho, Antônio Ayres e Fernando Machado-Jr através do Instituto de Pesquisas Biomédicas da Universidade Gama Filho (RJ) comprovando que há contaminação nas cédulas de dinheiro por microrganismos (fungos, bactérias e leveduras), onde praticamente uma em cada três cédulas contém micróbios causadores de doenças. No entanto, o hábito de comer pipoca independe do lugar que estejamos. Para se consumir esse alimento dependemos apenas de três coisas: vontade de comer, ter o alimento à venda e dinheiro para compra-lo. A maioria de nós, independente de faixa etária e sexo, em algum momento ficamos parados e com os olhos e apenas as mãos trabalhando neste movimento: uma mão segura o saco da pipoca e a outra pega a pipoca e leva até a boca. É assim que fazemos ao assistir um programa em casa, no cinema, na pracinha, nas festinhas de rua, entre outras. Além do sabor do alimento ser atrativo e convidativo, a forma como consumirmos a pipoca como já citamos é historicamente um hábito prazeroso. No entanto, com o desenvolvimento da indústria alimentícia foram surgindo outros alimentos em embalagens de saquinhos que para consumi-los requer o uso direto das mãos no sacos e na boca (assim como a pipoca), trata-se dos salgadinhos, amendoins, batatinhas fritas, jujubas entre outros. A grande questão é que nem sempre estamos em locais onde podemos lavar as mãos antes de comer esses tipos de alimentos, de forma que a exemplo da pipoca a mão que pega no dinheiro para pagá-la, é a mesma que vai ao saco pegando a pipoca e levando-a à boca.
  9. 9. No ato prazeroso de pegar com as mãos a pipoca (e os demais alimentos) no saquinho e leva-la até a boca possivelmente poderá ocorrer um processo de contaminação por bactérias e fungos que podem desencadear algum (ou vários) tipo de problemas de saúde, conforme citamos acima. Ciente dos perigos em que uma pessoa se expõe durante o delicioso hábito de comer pipoca, salgados, amendoim, etc. surgiram duas questões para reflexão: 1 – Como reduzir os riscos de contaminação de uma pessoa ao comer pipoca e alimentos similares com as mãos em lugares onde não há possibilidades de fazer a higienização correta? 2 - Como proteger a saúde de uma pessoa durante o consumo da pipoca e alimentos similares sem sacrificar o hábito prazeroso de levar a mão ao saquinho do alimento e leva-lo à boca? Desta forma a presente proposta visa responder a estas questões: A confecção de acessórios utilizando materiais recicláveis e de baixo custo para introduzir nas embalagens de pipocas e similares possibilitando diminuir os riscos de contaminação durante o manuseio desses alimentos à boca. 3 - OBJETIVO GERAL De acordo com a legislação da ANVISA e da Segurança Alimentar, Confeccionar acessórios para introduzir nas embalagens de pipocas e alimentos similares de forma que possam minimizar a contaminação durante o manuseio para consumo desses alimentos sem sacrificar o movimento histórico/cultural e prazeroso de colocar a mão no saco de pipoca e similares e levar o alimento até a boca, tornando este, um hábito saudável. Como também contribuir com a preservação do meio ambiente a medida que esses acessórios sejam confeccionados com materiais recicláveis, assim como plásticos que levam anos para se decompor na natureza.
  10. 10. 3.1 - OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1) - propor a confecção de: A) Luvas higiênicas, descartáveis e adaptáveis aos vários tamanhos das mãos para o consumidor usar levando a pipoca e alimentos similares à boca; B) pegador de pipoca e alimentos similares para o consumidor levar o alimento à boca; 2) - Propor o uso desses acessórios da seguinte forma: a luva e pegador devem acompanhar (introduzidos) as embalagens das pipocas e alimentos similares; podem ser vendidos também separadamente para os comerciantes ambulantes que trabalham com esses alimentos, e, para os consumidores. 3) - Confeccionar os acessórios com materiais recicláveis (garrafas peti e outros tipos de plásticos) devidamente e rigorosamente higienizados, adequados ao manuseio das pessoas sem danos à saúde, conforme preconiza a Legislação de Segurança Alimentar e da ANVISA; 4) - Contribuir com a preservação do meio ambiente a medida que materiais como plásticos que levam anos para se decompor serão reaproveitados. 4 - CONCLUSÃO Considerando a necessidade de reduzir danos à saúde da população a partir de medidas e práticas preventivas; considerando o avanço da tecnologia que consegue transformar materiais que poderiam provocar danos a natureza em produtos que são reaproveitados e utilizados pela população; considerando ainda que é fundamental para o planeta iniciativas e práticas que possam reduzir os danos causados à natureza, e, considerando ainda os itens acima abordados e descritos neste projeto,
  11. 11. constatamos que trata-se de uma ideia viável, de baixo custo e que contribuirá efetivamente na diminuição de riscos de contaminação à saúde da população/ consumidores desses alimentos, bem como a preservação do meio ambiente, uma vez que os acessórios acima propostos deverão ser confeccionados com materiais recicláveis, retirando-os da natureza. 5 - Bibliografia https://www.google.com.br/ https://pt.wikipedia.org/wiki/Pipoca http://www.bolsademulher.com/gourmet/pipoca-faz-bem-a-saude-nao-engorda- e-ate-previne-algumas-doencas http://www.fiesp.com.br/sindimilho/sobre-o-sindmilho/curiosidades/milho-e- suas-riquezas-historia/- Milho e suas riquezas – História – Sindicato da Indústria do Milho, Soja e seus Derivados no Estado de São Paulo - SINDMILHO & SOJA http://tcconline.utp.br/wp-content/uploads//2013/09/projeto-de-viabilidade- economica-fabrica-de-pipocas-pipocrok.pdf - PROJETO DE VIABILIDADE ECONOMIA FÁBRICA DE PIPOCAS - PIPOCROK - L TOA - Anderson Otero Paulo Ferreira dos Santos, Regina Krause Bretzke, Rosane França e Sandro Aniceto – Curitiba – 2003

×