SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
A SEGUNDA METADE DO SÉC. XIX
- Um novo olhar sobre o
real
» Positivismo de Auguste Comte – a experiência e a observação do real
conduz ao conhecimento.
» descristianização da sociedade industrial desvirtua a Idade Média que
fora retomada pelo Romantismo
» Revolução de 1848 – Queda da Monarquia – Proclamação da II
República – o 1º Presidente eleito, Luís Bonaparte, implanta o II Império
(1852 – 1870) – III República (1871 – 1940) – período de prosperidade
económica e progresso social
Abandono da subjectividade e imaginação
Gosto pelo imediato
Camille Corot
REALISMO – 1845 – 1870
-Visão mais objectiva e rigorosa
- arte ao serviço da sociedade – denúncia da
opressão trazida pela industrialização
Realismo
Compromisso Social - Courbet, Millet
Naturalismo (Escola de Barbizon) – Camille Corot,
Théodore Rousseau
Jean François Millet, Angelus, 1859, 50*60 cm
Jean François Millet, Descanço do Meio Dia, 1866
Introspecção para a oração, ao toque
dos sinos.
Solenidade das figuras – cores esbatidas
e escuras.
Ao fundo – a luz do pôr-do-sol intensa ,
dourada e uma cidade desenhada com
poucas pinceladas.
Figuras no 1º plano, curvadas pelo
cansaço e concentração espiritual.
Compromisso Social
Gustave Courbet – “Ser capaz de reflectir os costumes, as
ideias, o aspecto da minha época; ser não só pintor, mas
também um homem; numa palavra: fazer arte viva. Esse é
o meu objectivo.”
Marques de Oliveira, Costureiras Trabalhando, óleo sobre tela, 79,2*101,6 cm
Silva Porto, Colheita ou Ceifeiras
*Tema realista.
*Enquadramento
naturalista.
*Serenidade.
*Luz e calor.
*Céu muito azul.
*Representação
da vastidão
espacial.
José Malhoa, Praia das Maçãs, óleo sobre madeira, 1918
Evolução da FOTOGRAFIA
- Nicéphore Niepce consegue as 1ªs imagens fotográficas
permanentes (1816 – 28)
- Fox Talbot inventa o papel coberto com sais de prata que
permite o negativo para revelação
Fotografia e Pintura influenciam-se mutuamente.
Natureza Morta (O Atelier do Artista), Louis Daguerre, 1837
A Pintura oferece à fotografia referências temáticas, de composição e
enquadramento das imagens.
A Fotografia ensina o pintor a captar o real em fragmentos, apreciando
gestos e movimentos espontâneos e liberta-o gradualmente da
representação mimética da realidade, acabando com as concepções
académicas sobre a composição, obrigando a uma revisão das técnicas
de representação do real.
“Impressionismo” (1874)
aplicado por Louis Leroy ao
Sol Nascente, de Monet.
Obra exposta fora dos circuitos
oficiais por um grupo
“Sociedade anónima de
artistas pintores, escultores e
“graveurs”” – Degas, Renoir,
Pissarro, Cézanne, Sisley.
- Valorização do momento;
- Captação do instante , da luz;
- Reprodução de sensações ópticas do mundo visível;
- Observação do real que, de forma imediata, é passado para a tela.
Os Impressionistas reprovam a
arte académica de trabalho em
atelier que favorece o desenho
sobre a cor.
Defendem que a renovação da
arte se faz, não pelos temas, mas
pelo tratamento da cor e da luz.
Monet, Rapariga com Sombrinha
Alfred Sisley, Próximo de Louveciennes, óleo sobre tela, 38*55cm, 1873 (?)
Camille Pissarro, Rue de St. Lazare
O Impressionismo beneficia
de:
-Tratados sobre a luz (Newton)
- Círculo cromático (Eugène
Chevreul) – partindo da
decomposição da luz solar
define cores primárias
(amarelo, azul e vermelho)
opostas às secundárias
(verde, violeta e laranja) e
estabelece a teoria das cores
complementares
Henrique Pousão, A casa das persianas azuis, óleo sobre madeira, 28,5*25,6 cm, 1883 (?)
Auguste Rodin (1840 – 1917) – entre o Realismo e o Impressionismo
Homem a andar, 1877
Uso inteligente do “inacabado”.
Inspiração na arte clássica – figura
humana fragmentada, sem cabeça
e braços.
Toda a energia se concentra no
movimento das pernas e na força
invulgar do tronco.
Modelado vibrante da matéria, com
marcas intencionais do trabalho do
escultor.
O Pensador, 1880 – 1904, bronze
Trabalho
inserido no
projecto para o
grande portal
do Museu de
Artes
Decorativas,
inspirado na
Divina
Comédia.
Símbolo da
reflexão
humana.
Corpo
descrito com
realismo
anatómico.
Torção da
figura ,
dobrada
sobre si
própria.
Modelado
que acentua
os efeitos da
luz.
Recusa do
polimento
académico.
Soares dos Reis, O Desterrado, 1872
Nu perfeitamente modelado
na tradição clássica.
Abandonado e intensamente
nostálgico – metáfora à
situação cultural do País que
deixa em profundo
desencanto uma geração de
artistas.
Entre o Romantismo e o Naturalismo
Neo – Impressionismo
- Georges Seurat
Continuidade – pintura em “plein air”
- temas quotidianos
- cores claras
Oposição – “divisão” da cor (estudos científicos da relação entre luz e
cor)
PONTILHISMO
(aplicação de pequenos pontos de tons complementares que são
misturados na leitura óptica)
O Divisionismo destaca a expressão através da cor.
Georges Seurat, O Circo, 1891 (última obra do autor)
Forte dinamismo do 1º plano
opõe-se às poses estáticas
dos espectadores.
Contornos insólitos do
palhaço repetem-se noutras
figuras – no acrobata, na
bailarina, na cauda do cavalo.
Cores do público conferem
calma e estabilidade –
amarelos claros e roxos -
face à agitação das figuras
acrobáticas - amarelo ácido.
Técnica de pontilhismo muito
elaborada.
Tema popular e social.
O Pós – Impressionismo ( 1880 – 1900) – realidade heterogénea e
complexa
Vicent Van Gogh, Retrato do Doutor Gachet, 1890
“com uma expressão de melancolia que
frequentemente, para quem olhar para
este quadro, poderá parecer uma
careta. E, no entanto, é assim que se
deveria pintar, porque somente desta
maneira podemos dar conta de como,
em confronto com os retratos calmos
dos antigos, os nossos modernos têm a
expressão da paixão, como que de
expectativa e como que de um grito.”
“Não procuro qualquer semelhança
fotográfica, mas sim a nossa
capacidade de exprimir sentimentos
usando, como meio de expressão e de
exaltação do carácter, a técnica e o
gosto moderno pela cor.”
Van Gogh (1853 – 1901)
» nova forma de expressão;
» a introspecção consegue-se expressar através da cor, do exagero do
essencial, através de tons vivos e pinceladas exasperadas ( que expressam
a sua agitação interior);
» juntamente com Paul Gauguin, defende que a pintura deve evitar o
naturalismo para se tornar um reflexo do mundo interior do artista;
» ambos fogem da sociedade contemporânea, hostil aos valores do espírito.
Van Gogh procura transmitir a experiência emocional e
espiritual que sente perante o mundo.
Van Gogh, Café à Noite, 1888
“Tentei com o vermelho e com o verde exprimir as
terríveis paixões dos homens. É uma cor que não é
literalmente verdadeira, do ponto de vista do
realismo, é uma ilusão de ótica, mas é uma cor
sugestiva que exprime que o café é um local onde
uma pessoa fica enlouquecida e pode tornar-se
criminosa. Tentei isso pelo contraste do rosa-suave
com o vermelho-rútilo e um vermelho-escuro cor de
vinho; por um verde-amarelo e um verde-veronese,
que contrastam com um verde-amarelo e um severo
verde-cinzento. Tudo isto exprime a atmosfera de um
mundo subterrâneo incandescente, um pálido
sofrimento, a escuridão que domina por sobre tudo
aquilo que dorme”
Van Gogh, Cartas a Seu Irmão
Van Gogh, O quarto de Van Gogh em Arles, 1889
Perspectiva
ligeiramente
realçada, ondulante
e alongada;
O observador é
chamado para
dentro do quarto
vazio;
Objectos definidos
com traço espesso;
Cores vivas e
brilhantes, nada
realistas.
Paul Cézanne, A Casa do Enforcado, 1873
Espaço da
composição
estruturado em
torno de um
ponto central
luminoso, de
onde partem
linhas oblíquas
de diferente
intensidade
cromática e
luminosa;
pequenos
toques de cor
sobre uma
primeira
demão ligeira,
sublinham a
volumetria das
formas.
Puvis de Chavannes, Jovens Raparigas à Beira-mar, 1879
O Pintor afasta-se da poética
impressionista e aproxima-se de
temas históricos, fruto da influência
dos pintores italianos primitivos.
Referência clássica das figuras –
compactas e sinuosas.
Jovem do 1º plano – postura lânguida
sobre a rocha nua, rosto pensativo.
Cabelos espalhados criam contraste.
Jovem em pé – alusão ao fuste de uma
coluna; o panejamento lembra as obras
da antiguidade. Em contraste, a massa
sedosa dos cabelos ao vento.
Paisagem trabalhada com variedade de
elementos naturais definidos por
grandes extensões de cor.
Pequenos ramos floridos – atmosfera
mágica, sonhadora.
Puvis de Chavannes, O Pescador Pobre, 1881
Tema da miséria,
muito usado na
literatura.
A obra
transcende a
descrição
naturalista – tom
melancólico.
Composição
simples e
rigorosa.
Cores sóbrias,
esbatidas.
Contornos
precisos –
antecipam o
estilo de
Gauguin.
Paul Gauguin
» Simbolismo – natureza trabalhada
de forma a transmitir uma mensagem
pessoal carregada de significados
(aproximação ao Romantismo) – a arte
reproduz a realidade espiritual;
» Sintetismo – simplificação das
formas e pureza das cores; o artista
deve sintetizar as suas impressões e
pintar de memória e não fazer uma
transcrição directa dos motivos;
» Cloisonnisme – aplicação de cor
plana dentro de uma linha de contorno
bem definida.
Paul Gauguin, Auto-Retrato
“Os impressionistas, é verdade, estudavam a cor
puramente como valor decorativo, mas não eram
ainda livres, permanecendo agrilhoados à
verosimilhança com a natureza (…). Investigavam
o olho em vez de investigarem a misteriosa
profundidade da alma.”
Paul Gauguin
Paul Gauguin, Mulheres do Tahiti (Na Praia), 1891
Fuga para
uma
civilização
pura e
incorrupta.
Formas
maciças e
severas,
cores
compactas e
puras
estendidas
com a
espátula –
evocam a
simplicidade
existencial do
povo da
Polinésia
Grupo Nabis (profetas) “um nome que fazia de nós iniciados,
uma espécie de sociedade secreta
de conotação mística.”
Maurice Denis
Maurice Denis, As Musas, 1893
• Espiritualidade intensa
• Tema de inspiração clássica /
Renascimento
“Se Deus me tivesse deixado nascer
alguns séculos antes, em Florença, teria
sido um daqueles crentes antiquados, fiéis à
sacralidade do passado”
Paul Sérusier, Jovens Bretãs Envergando Túnicas, 1895
Características do Simbolismo
Nabis:
•bidimensionalidade;
• falta de regras perspécticas,
• contorno das figuras,
• simplificação das formas,
• relevância do aspecto
decorativo.
Fim
Ana Maria Silva, H.C.A.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XXbia139
 
Introdução ao Realismo
Introdução ao RealismoIntrodução ao Realismo
Introdução ao RealismoCrisBiagio
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaSusana Simões
 
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoRevisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoCLEBER LUIS DAMACENO
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historiaguestbdbdf55
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoMarcio Duarte
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoCarlos Pinheiro
 
Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12
Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12
Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12www.historiadasartes.com
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXMiguel Duarte
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaSusana Simões
 

Mais procurados (20)

HCA grupo B
HCA   grupo BHCA   grupo B
HCA grupo B
 
A arte no Século XX
A arte no Século XXA arte no Século XX
A arte no Século XX
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Introdução ao Realismo
Introdução ao RealismoIntrodução ao Realismo
Introdução ao Realismo
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Aula 4 art em
Aula 4   art emAula 4   art em
Aula 4 art em
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoRevisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
Fundamentos da arte
Fundamentos da arteFundamentos da arte
Fundamentos da arte
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12
Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12
Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, na Rússia, Turma 2c12
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
 
Aula arte realista
Aula   arte realistaAula   arte realista
Aula arte realista
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
 

Destaque

Lizbona prezenctacja tarnowski 30189
Lizbona prezenctacja tarnowski 30189Lizbona prezenctacja tarnowski 30189
Lizbona prezenctacja tarnowski 30189Damian Tarnowski
 
VERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSED
VERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSEDVERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSED
VERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSEDDean Currall
 
My future vacations
My future vacationsMy future vacations
My future vacationsGaby240612
 
Webinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance Issues
Webinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance IssuesWebinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance Issues
Webinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance IssuesJennifer Finney
 
Technology in service of learning
Technology in service of learningTechnology in service of learning
Technology in service of learningJulio César Dantas
 
Km @ business_standard
Km @ business_standardKm @ business_standard
Km @ business_standardRakesh Tiwari
 
Issue of Linguistic Identity among the Chepang Students
Issue of Linguistic Identity among the Chepang StudentsIssue of Linguistic Identity among the Chepang Students
Issue of Linguistic Identity among the Chepang StudentsDr.Rishiram Adhikari
 
Ed Gallagher Account Relationships
Ed Gallagher Account RelationshipsEd Gallagher Account Relationships
Ed Gallagher Account RelationshipsEdward Gallagher
 
Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)
Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)
Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)Oliver Puckering
 
Jinghong song financial writer
Jinghong song financial writerJinghong song financial writer
Jinghong song financial writerJinghong Song
 
Video lucìa còrdova
Video lucìa còrdovaVideo lucìa còrdova
Video lucìa còrdova0985639851
 
Network Emulation in SOASTA 57 Spring Release
Network Emulation in SOASTA 57 Spring ReleaseNetwork Emulation in SOASTA 57 Spring Release
Network Emulation in SOASTA 57 Spring ReleaseJennifer Finney
 

Destaque (19)

mvc
mvcmvc
mvc
 
Lizbona prezenctacja tarnowski 30189
Lizbona prezenctacja tarnowski 30189Lizbona prezenctacja tarnowski 30189
Lizbona prezenctacja tarnowski 30189
 
SwimSpas
SwimSpasSwimSpas
SwimSpas
 
VERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSED
VERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSEDVERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSED
VERB_BROCHURE_PRINT.COMPRESSED
 
My future vacations
My future vacationsMy future vacations
My future vacations
 
Webinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance Issues
Webinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance IssuesWebinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance Issues
Webinar: Proactive Strategies for Finding and Fixing Performance Issues
 
Technology in service of learning
Technology in service of learningTechnology in service of learning
Technology in service of learning
 
Km @ business_standard
Km @ business_standardKm @ business_standard
Km @ business_standard
 
Issue of Linguistic Identity among the Chepang Students
Issue of Linguistic Identity among the Chepang StudentsIssue of Linguistic Identity among the Chepang Students
Issue of Linguistic Identity among the Chepang Students
 
Libreta Militar
Libreta Militar Libreta Militar
Libreta Militar
 
Ed Gallagher Account Relationships
Ed Gallagher Account RelationshipsEd Gallagher Account Relationships
Ed Gallagher Account Relationships
 
Majdi Rihani CV
Majdi Rihani CVMajdi Rihani CV
Majdi Rihani CV
 
SwimSpa
SwimSpaSwimSpa
SwimSpa
 
Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)
Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)
Xylem WasteWater instrumentation presentation (291015)
 
Jinghong song financial writer
Jinghong song financial writerJinghong song financial writer
Jinghong song financial writer
 
Rajiv Bhatia
Rajiv BhatiaRajiv Bhatia
Rajiv Bhatia
 
Video lucìa còrdova
Video lucìa còrdovaVideo lucìa còrdova
Video lucìa còrdova
 
Network Emulation in SOASTA 57 Spring Release
Network Emulation in SOASTA 57 Spring ReleaseNetwork Emulation in SOASTA 57 Spring Release
Network Emulation in SOASTA 57 Spring Release
 
Examen
ExamenExamen
Examen
 

Semelhante a Do realismo ao pós impressionismo

Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Os finais do século xix
Os finais do século xixOs finais do século xix
Os finais do século xixCarla Teixeira
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoJorge Almeida
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticosDaniele Duque
 
A arte da 1ª metade do séc beatriz
A arte da 1ª metade do séc   beatrizA arte da 1ª metade do séc   beatriz
A arte da 1ª metade do séc beatrizBioquinha
 
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - ArteImpressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - ArteHadassa Castro
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismocamilagarciaia
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesEline Lima
 

Semelhante a Do realismo ao pós impressionismo (20)

Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Os finais do século xix
Os finais do século xixOs finais do século xix
Os finais do século xix
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticos
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
 
Barroco atualizado
Barroco atualizadoBarroco atualizado
Barroco atualizado
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Linha do tempo
Linha do tempoLinha do tempo
Linha do tempo
 
A arte da 1ª metade do séc beatriz
A arte da 1ª metade do séc   beatrizA arte da 1ª metade do séc   beatriz
A arte da 1ª metade do séc beatriz
 
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - ArteImpressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Romantismo 2
Romantismo 2Romantismo 2
Romantismo 2
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Impressionismo
Impressionismo Impressionismo
Impressionismo
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
 
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

Do realismo ao pós impressionismo

  • 1. A SEGUNDA METADE DO SÉC. XIX - Um novo olhar sobre o real
  • 2. » Positivismo de Auguste Comte – a experiência e a observação do real conduz ao conhecimento. » descristianização da sociedade industrial desvirtua a Idade Média que fora retomada pelo Romantismo » Revolução de 1848 – Queda da Monarquia – Proclamação da II República – o 1º Presidente eleito, Luís Bonaparte, implanta o II Império (1852 – 1870) – III República (1871 – 1940) – período de prosperidade económica e progresso social Abandono da subjectividade e imaginação Gosto pelo imediato
  • 3. Camille Corot REALISMO – 1845 – 1870 -Visão mais objectiva e rigorosa - arte ao serviço da sociedade – denúncia da opressão trazida pela industrialização Realismo Compromisso Social - Courbet, Millet Naturalismo (Escola de Barbizon) – Camille Corot, Théodore Rousseau
  • 4. Jean François Millet, Angelus, 1859, 50*60 cm Jean François Millet, Descanço do Meio Dia, 1866 Introspecção para a oração, ao toque dos sinos. Solenidade das figuras – cores esbatidas e escuras. Ao fundo – a luz do pôr-do-sol intensa , dourada e uma cidade desenhada com poucas pinceladas. Figuras no 1º plano, curvadas pelo cansaço e concentração espiritual. Compromisso Social
  • 5. Gustave Courbet – “Ser capaz de reflectir os costumes, as ideias, o aspecto da minha época; ser não só pintor, mas também um homem; numa palavra: fazer arte viva. Esse é o meu objectivo.”
  • 6. Marques de Oliveira, Costureiras Trabalhando, óleo sobre tela, 79,2*101,6 cm
  • 7. Silva Porto, Colheita ou Ceifeiras *Tema realista. *Enquadramento naturalista. *Serenidade. *Luz e calor. *Céu muito azul. *Representação da vastidão espacial.
  • 8. José Malhoa, Praia das Maçãs, óleo sobre madeira, 1918
  • 9. Evolução da FOTOGRAFIA - Nicéphore Niepce consegue as 1ªs imagens fotográficas permanentes (1816 – 28) - Fox Talbot inventa o papel coberto com sais de prata que permite o negativo para revelação Fotografia e Pintura influenciam-se mutuamente.
  • 10. Natureza Morta (O Atelier do Artista), Louis Daguerre, 1837
  • 11. A Pintura oferece à fotografia referências temáticas, de composição e enquadramento das imagens. A Fotografia ensina o pintor a captar o real em fragmentos, apreciando gestos e movimentos espontâneos e liberta-o gradualmente da representação mimética da realidade, acabando com as concepções académicas sobre a composição, obrigando a uma revisão das técnicas de representação do real.
  • 12. “Impressionismo” (1874) aplicado por Louis Leroy ao Sol Nascente, de Monet. Obra exposta fora dos circuitos oficiais por um grupo “Sociedade anónima de artistas pintores, escultores e “graveurs”” – Degas, Renoir, Pissarro, Cézanne, Sisley. - Valorização do momento; - Captação do instante , da luz; - Reprodução de sensações ópticas do mundo visível; - Observação do real que, de forma imediata, é passado para a tela.
  • 13. Os Impressionistas reprovam a arte académica de trabalho em atelier que favorece o desenho sobre a cor. Defendem que a renovação da arte se faz, não pelos temas, mas pelo tratamento da cor e da luz. Monet, Rapariga com Sombrinha
  • 14. Alfred Sisley, Próximo de Louveciennes, óleo sobre tela, 38*55cm, 1873 (?)
  • 15. Camille Pissarro, Rue de St. Lazare O Impressionismo beneficia de: -Tratados sobre a luz (Newton) - Círculo cromático (Eugène Chevreul) – partindo da decomposição da luz solar define cores primárias (amarelo, azul e vermelho) opostas às secundárias (verde, violeta e laranja) e estabelece a teoria das cores complementares
  • 16. Henrique Pousão, A casa das persianas azuis, óleo sobre madeira, 28,5*25,6 cm, 1883 (?)
  • 17. Auguste Rodin (1840 – 1917) – entre o Realismo e o Impressionismo Homem a andar, 1877 Uso inteligente do “inacabado”. Inspiração na arte clássica – figura humana fragmentada, sem cabeça e braços. Toda a energia se concentra no movimento das pernas e na força invulgar do tronco. Modelado vibrante da matéria, com marcas intencionais do trabalho do escultor.
  • 18. O Pensador, 1880 – 1904, bronze Trabalho inserido no projecto para o grande portal do Museu de Artes Decorativas, inspirado na Divina Comédia. Símbolo da reflexão humana. Corpo descrito com realismo anatómico. Torção da figura , dobrada sobre si própria. Modelado que acentua os efeitos da luz. Recusa do polimento académico.
  • 19. Soares dos Reis, O Desterrado, 1872 Nu perfeitamente modelado na tradição clássica. Abandonado e intensamente nostálgico – metáfora à situação cultural do País que deixa em profundo desencanto uma geração de artistas. Entre o Romantismo e o Naturalismo
  • 20. Neo – Impressionismo - Georges Seurat Continuidade – pintura em “plein air” - temas quotidianos - cores claras Oposição – “divisão” da cor (estudos científicos da relação entre luz e cor) PONTILHISMO (aplicação de pequenos pontos de tons complementares que são misturados na leitura óptica) O Divisionismo destaca a expressão através da cor.
  • 21. Georges Seurat, O Circo, 1891 (última obra do autor) Forte dinamismo do 1º plano opõe-se às poses estáticas dos espectadores. Contornos insólitos do palhaço repetem-se noutras figuras – no acrobata, na bailarina, na cauda do cavalo. Cores do público conferem calma e estabilidade – amarelos claros e roxos - face à agitação das figuras acrobáticas - amarelo ácido. Técnica de pontilhismo muito elaborada. Tema popular e social.
  • 22. O Pós – Impressionismo ( 1880 – 1900) – realidade heterogénea e complexa Vicent Van Gogh, Retrato do Doutor Gachet, 1890 “com uma expressão de melancolia que frequentemente, para quem olhar para este quadro, poderá parecer uma careta. E, no entanto, é assim que se deveria pintar, porque somente desta maneira podemos dar conta de como, em confronto com os retratos calmos dos antigos, os nossos modernos têm a expressão da paixão, como que de expectativa e como que de um grito.” “Não procuro qualquer semelhança fotográfica, mas sim a nossa capacidade de exprimir sentimentos usando, como meio de expressão e de exaltação do carácter, a técnica e o gosto moderno pela cor.”
  • 23. Van Gogh (1853 – 1901) » nova forma de expressão; » a introspecção consegue-se expressar através da cor, do exagero do essencial, através de tons vivos e pinceladas exasperadas ( que expressam a sua agitação interior); » juntamente com Paul Gauguin, defende que a pintura deve evitar o naturalismo para se tornar um reflexo do mundo interior do artista; » ambos fogem da sociedade contemporânea, hostil aos valores do espírito. Van Gogh procura transmitir a experiência emocional e espiritual que sente perante o mundo.
  • 24. Van Gogh, Café à Noite, 1888
  • 25. “Tentei com o vermelho e com o verde exprimir as terríveis paixões dos homens. É uma cor que não é literalmente verdadeira, do ponto de vista do realismo, é uma ilusão de ótica, mas é uma cor sugestiva que exprime que o café é um local onde uma pessoa fica enlouquecida e pode tornar-se criminosa. Tentei isso pelo contraste do rosa-suave com o vermelho-rútilo e um vermelho-escuro cor de vinho; por um verde-amarelo e um verde-veronese, que contrastam com um verde-amarelo e um severo verde-cinzento. Tudo isto exprime a atmosfera de um mundo subterrâneo incandescente, um pálido sofrimento, a escuridão que domina por sobre tudo aquilo que dorme” Van Gogh, Cartas a Seu Irmão
  • 26. Van Gogh, O quarto de Van Gogh em Arles, 1889 Perspectiva ligeiramente realçada, ondulante e alongada; O observador é chamado para dentro do quarto vazio; Objectos definidos com traço espesso; Cores vivas e brilhantes, nada realistas.
  • 27. Paul Cézanne, A Casa do Enforcado, 1873 Espaço da composição estruturado em torno de um ponto central luminoso, de onde partem linhas oblíquas de diferente intensidade cromática e luminosa; pequenos toques de cor sobre uma primeira demão ligeira, sublinham a volumetria das formas.
  • 28. Puvis de Chavannes, Jovens Raparigas à Beira-mar, 1879 O Pintor afasta-se da poética impressionista e aproxima-se de temas históricos, fruto da influência dos pintores italianos primitivos. Referência clássica das figuras – compactas e sinuosas. Jovem do 1º plano – postura lânguida sobre a rocha nua, rosto pensativo. Cabelos espalhados criam contraste. Jovem em pé – alusão ao fuste de uma coluna; o panejamento lembra as obras da antiguidade. Em contraste, a massa sedosa dos cabelos ao vento. Paisagem trabalhada com variedade de elementos naturais definidos por grandes extensões de cor. Pequenos ramos floridos – atmosfera mágica, sonhadora.
  • 29.
  • 30. Puvis de Chavannes, O Pescador Pobre, 1881 Tema da miséria, muito usado na literatura. A obra transcende a descrição naturalista – tom melancólico. Composição simples e rigorosa. Cores sóbrias, esbatidas. Contornos precisos – antecipam o estilo de Gauguin.
  • 31. Paul Gauguin » Simbolismo – natureza trabalhada de forma a transmitir uma mensagem pessoal carregada de significados (aproximação ao Romantismo) – a arte reproduz a realidade espiritual; » Sintetismo – simplificação das formas e pureza das cores; o artista deve sintetizar as suas impressões e pintar de memória e não fazer uma transcrição directa dos motivos; » Cloisonnisme – aplicação de cor plana dentro de uma linha de contorno bem definida. Paul Gauguin, Auto-Retrato
  • 32. “Os impressionistas, é verdade, estudavam a cor puramente como valor decorativo, mas não eram ainda livres, permanecendo agrilhoados à verosimilhança com a natureza (…). Investigavam o olho em vez de investigarem a misteriosa profundidade da alma.” Paul Gauguin
  • 33. Paul Gauguin, Mulheres do Tahiti (Na Praia), 1891 Fuga para uma civilização pura e incorrupta. Formas maciças e severas, cores compactas e puras estendidas com a espátula – evocam a simplicidade existencial do povo da Polinésia
  • 34. Grupo Nabis (profetas) “um nome que fazia de nós iniciados, uma espécie de sociedade secreta de conotação mística.” Maurice Denis Maurice Denis, As Musas, 1893 • Espiritualidade intensa • Tema de inspiração clássica / Renascimento “Se Deus me tivesse deixado nascer alguns séculos antes, em Florença, teria sido um daqueles crentes antiquados, fiéis à sacralidade do passado”
  • 35. Paul Sérusier, Jovens Bretãs Envergando Túnicas, 1895 Características do Simbolismo Nabis: •bidimensionalidade; • falta de regras perspécticas, • contorno das figuras, • simplificação das formas, • relevância do aspecto decorativo.