SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
“Imagens de Velhice – Sementes de Sabedoria” 
Curso de Formação: Serviço Social Módulo: Sociologia da Família 
Oradores: Vanda Afonso 
Ana Santos 
Jorge Silveira Beja, 01 de Outubro de 2014
2 
OBJETIVOS 
O aumento da esperança de vida tem conduzido a uma nova 
realidade nas sociedades que, traduzindo-se num aumento do 
número de idosos, obriga a um novo olhar e novas formas de 
intervenção junto desta população. 
• Conhecer o envelhecimento, as suas medidas e políticas, os 
seus comportamentos e a prevenção de doenças, para poder 
lidar eficazmente com os idosos e os seus familiares; 
• Proporcionar informação base, nomeadamente no que se refere 
às finalidades dos acolhimentos para idosos que devem reunir 
um conjunto de características que possam constituir o ponto de 
partida para a promoção da qualidade de vida dos seus utentes; 
• Reforçar os saberes e desenvolver competências pessoais, 
sociais, indispensáveis a uma atuação responsável e de 
qualidade.
TEMAS 
1 - Políticas Sociais para os Idosos 
2 - Respostas Sociais para os Idosos 
3 - Aspetos históricos dos Lares 
4 - O lar como organização 
5 - Residências Sénior 
6 - Exigências de um acolhimento com qualidade 
7 - A importância do ambiente institucional 
8 - Direitos, princípios e valores no cuidar 
3
4 
1 - Políticas Sociais para os Idosos 
Foto 1 
Foto 1
Emergência de respostas sociais dirigidas ao idoso 
Família 
Políticas de prestação 
de cuidados aos idosos 
Prestação de 
cuidados ao 
domicílio 
5 
1 - Políticas Sociais para os Idosos
6 
2 - Respostas Sociais para os Idosos 
Centros de 
convívio 
Centros de 
dia 
Lares Residências 
Serviços de 
Apoio 
Domiciliário 
Acolhimento 
Familiar 
Centro de 
Noite 
Centro de 
Acolhimento 
Temporário de 
Urgência 
Foto 2
7 
3 - Aspetos históricos dos Lares 
Foto 3 
Pias 
Baixo Alentejo
8 
3 - Aspetos históricos dos Lares 
Segundo Jacob (2002a) no final do séc. XV estas instituições dividiam-se em 
quatro tipos: 
 Albergarias; 
 Mercearias (instituições que praticavam o bem pela alma ou saúde de alguém); 
 Hospitais; 
 Gafarias ou Leprosarias. 
A definição de IPSS segundo a Constituição de 1976 (art.º nº 63), sendo posteriormente, no 
art.º 1 do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro, definidas como “Entidades jurídicas 
constituídas sem finalidade lucrativa, por iniciativa privada, com o propósito de expressão 
organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre indivíduos e desde que não 
sejam administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico…”.
Lar de idosos 
“é o estabelecimento em que sejam 
desenvolvidas actividades de 
apoio social a pessoas idosas 
através do alojamento colectivo, 
de utilização temporária ou 
permanente, fornecimento de 
alimentação, cuidados de saúde, 
higiene e conforto, fomentando o 
convívio e propiciando a 
animação social e a ocupação 
dos tempos livres dos utentes” 
Despacho Normativo nº 12/98 de 25 de Fevereiro 
9 
3 - Aspetos históricos dos Lares
 Entre 1998 e 2005, a resposta social que teve um crescimento maior 
(41,4%), foi dirigida aos idosos. (MTTS, 2006b). 
 Com o programa PARES, governo pretendia investir nos próximos 
quatro anos (2006 - 2009) 450 milhões de euros, pretendendo-se que 
haja um reforço, a nível dos equipamentos dos idosos. 
 Existia uma lista de espera de cerca de 18 mil pessoas, no final de 
2006, referentes apenas às IPSS. 
10 
3 - Aspetos históricos dos Lares
11 
4 - O lar como organização 
Foto 4
Acolhimento residencial é um tipo de casa específico, que contém 
características e formas de organização próprias. 
Organização 
Estratégia 
Visão 
Missão 
Valores 
12 
4 - O lar como organização
“ …não devemos esquecer 
que, muitas vezes, o lar 
cumpre papel de abrigo 
para o idoso excluído da 
sociedade e da família, 
abandonado e sem um lar 
fixo, podendo se tornar o 
único ponto de referência 
para uma vida e um 
envelhecimento dignos”. 
Júnior e Tavares (2005, p. 152) 
13 
4 - O lar como organização
14 
5 - Residências Sénior 
Foto 5
Estas Residências tentam responder: 
 Às necessidades básicas individuais dos utentes nomeadamente: alimentação, 
saúde, higiene e conforto pessoal; 
 Auto-estima do utente, respeitando a sua independência, privacidade e 
individualidade; 
 A proporcionar contactos com o exterior e o convívio no interior da Residência, 
de forma a proporcionar ao sénior a sua realização pessoal e social. 
 À continuidade e reforço dos laços familiares, na continuação do bem-estar 
emocional; 
 felicidade e bem-estar do sénior num 
ambiente familiar, reunindo um conjunto 
de técnicos e auxiliares de elevada 
competência. 
15 
5 - Residências Sénior
6 - Exigências de um acolhimento com qualidade 
16 
Foto 6
6 - Exigências de um acolhimento com qualidade 
 Flexibilidade de horários 
 Alimentação e hidratação 
 Sono 
 Higiene e apresentação 
 Cuidados de saúde 
 Promoção da saúde e prevenção da doença 
 Actividades 
 Sexualidade 
 Dependência 
17
7 - A importância do ambiente institucional 
18
7 - A importância do ambiente institucional 
Psicologia 
Ambiental 
Gerontologia 
Ambiental 
 O estudo de determinantes ambientais que influenciam a vida dos 
idosos pode ser um contributo marcante para melhorar a sua qualidade de 
vida, neste caso, dos idosos institucionalizados em lares de terceira idade. 
19
7 - A importância do ambiente institucional 
Devido à heterogeneidade que constitui o grupo etário 
das pessoas idosas colocam-se, sobretudo, três 
grandes desafios aos lares de terceira idade 
(Quintela:2001). 
 Conciliar a colectivização com a individualidade; 
 Satisfazer a população, apesar de, em princípio, a sua 
permanência neste local ser imposta; 
 Satisfazer, tanto quanto possível, a insuficiência de 
recursos. 
20 
Foto 8
7 - A importância do ambiente institucional 
Quando se projectam ambientes para idosos, estes deveriam possuir 
as seguintes características (Perracini, 2006, p.1144): 
 “Acessibilidade e uso; 
 Facilidade de circulação, especificamente no que diz respeito ao 
conforto, à conveniência e à possibilidade de escolha; 
 Conservação de energia; 
 Comunicação: aspectos sensoriais e interacção social; 
 Segurança: sem risco de lesões ou acidentes; 
 Protecção: que não cause medo ou ansiedade e que seja 
previsível (confiável); 
 Privacidade”. 
21
22 
8 - Direitos, princípios e valores no cuidar 
Foto 9
Dignidade 
Respeito 
Participação 
Sénior 
Individualidade 
Autonomia 
Capacidade 
de escolher 
Privacidade 
e 
Intimidade 
Igualdade 
Confidencialidade 
23 
8 - Direitos, princípios e valores no cuidar
Alguns direitos a destacar: 
 Direito à integridade e ao desenvolvimento da sua 
personalidade 
 Direito à liberdade de expressão 
 Direito à liberdade religiosa 
 Direito a uma vida afetiva, 
sexual e social 
24 
8 - Direitos, princípios e valores no cuidar
25 
CONCLUSÃO 
• Compete-nos promover a qualidade de vida e, 
consequentemente, o envelhecimento ativo na saúde do 
idoso; 
• Identificar e compreender a velhice e o processo de 
envelhecimento; 
• Consciencializar a importância da qualidade no 
acolhimento residencial para o bem estar do idoso.
 Almeida, A. J. (2008). A Pessoa Idosa institucionalizada em Lares: Aspectos e contextos da Qualidade 
de Vida. Tese não-publicada, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, universidade do Porto, 
Porto, Portugal. 
 Araújo, M., Ceolim M. (2005). Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituições 
de longa permanência. 
 Carvalho, M. (n.d.). Uma Abordagem do Serviço Social à Política de Cuidados na Velhice em Portugal. 
 Ferrão, S. A pessoa idosa e o processo de institucionalização em lar. Revista Portuguesa de Enfermagem. 
(n.º20 – Outubro/Novembro/Dezembro 2009, pp. 39 – 44) 
 Grupo de Coordenação do Plano de Autoria Social e CID – Crianças, Idosos e Deficientes – Cidadania, 
Instituições e Direitos. (2005) Manual de Boas práticas. Barcelos 
 Júnior, R. & Tavares, M. A saúde sob o olhar do idoso institucionalizado: conhecendo e valorizando sua 
opinião. Interface - Comunic., Saúde, Educ., Vol.9, n.16, pp.147-158, set.2004/fev.2005 
 Lobo A., Pereira A. (2007) Idoso Institucionalizado: Funcionalidade e Aptidão Física 
 Marques de Oliveira, C., Souza C., Martins de Freitas, T. & Ribeiro C. (2006) Idosos e Família: Asilo ou 
casa 
 Paúl, C. & Fonseca, A. M. (2005). Envelhecer em Portugal. Lisboa: Clinepsi Editores 
 Saraceno, C. & Naldini, M. (2003) – Sociologia da Família. Lisboa: Estampa 
 Tolbert, P. e Zucker, L. (n.d.). A institucionalização da teoria institucional. 
 Yamamoto A., Diogo MJD. (2002). Os idosos e as instituições asilares do município de Campinas. Rev 
Latino-am Enfermagem 2002 setembro-outubro 
26 
Bibliografia
27 
Bibliografia 
 Foto1: http://www.vitormeireles.sc.gov.br/uploads/895/imagens/178882.jpg 
 Foto2: http://www.samarilar.com.br/os-direitos-dos-idosos-e-os-deveres-da-soceidade 
 Foto3:https://www.facebook.com/217515711655005/photos/pb.217515711655005.- 
2207520000.1409342268./684394374967134/?type=1&permPage=1 
 Foto4: http://www.mulherbeleza.com.br/cabelos/dicas-de-cortes-de-cabelo-para-idosos-fotos/ 
 Foto5: http://www.laridosos.net/o-bom-peregrino-lar-de-idosos-lda/ 
 Foto6: http://www.homeangels.com.br/campinas-baraogeraldo/BlogComentariosVer.asp?Id 
 =3252&Idfranqueado=716 
 Foto7: http://www.webstudy.pt/formacao_curso_182_15_1.php 
 Foto8: http://www.concordiam.es/taller-cuidados-geriatria/ 
 Foto9: http://casaderepousofernaodias.wordpress.com/ 
 Foto10: http://mariamartacruz.blogspot.pt/2009_11_22_archive.html 
 Pedimos desculpa mas não foi possível identificar a origem dass restantes imagens não referenciadas.
Obr igado ! 
28 
Foto 10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de pesquisa idosos
Projeto de pesquisa idososProjeto de pesquisa idosos
Projeto de pesquisa idosos
Silvio Medeiros
 
10 política nacional do idoso
10  política nacional do idoso10  política nacional do idoso
10 política nacional do idoso
Alinebrauna Brauna
 
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIA
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIACUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIA
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIA
Márcio Borges
 
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idosoTerapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Abrato-SC
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

Ilpi qualidade
Ilpi qualidadeIlpi qualidade
Ilpi qualidade
 
Projeto de pesquisa idosos
Projeto de pesquisa idososProjeto de pesquisa idosos
Projeto de pesquisa idosos
 
TCC - Idosos
TCC - IdososTCC - Idosos
TCC - Idosos
 
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidadeExperiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
 
Suas e a Primeira Infância
Suas e a Primeira InfânciaSuas e a Primeira Infância
Suas e a Primeira Infância
 
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - TERAPIA OCUPACIONAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - TERAPIA OCUPACIONALCUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - TERAPIA OCUPACIONAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - TERAPIA OCUPACIONAL
 
Lei do idoso apresentação
Lei do idoso apresentaçãoLei do idoso apresentação
Lei do idoso apresentação
 
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIALCUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
ASPECTOS PSICOLÓGICOS ENTRE A FAMÍLIA E O IDOSO INSTITUCIONALIZADO
ASPECTOS PSICOLÓGICOS ENTRE A FAMÍLIA E O IDOSO INSTITUCIONALIZADOASPECTOS PSICOLÓGICOS ENTRE A FAMÍLIA E O IDOSO INSTITUCIONALIZADO
ASPECTOS PSICOLÓGICOS ENTRE A FAMÍLIA E O IDOSO INSTITUCIONALIZADO
 
Tcc o idoso na sociedade moderna m2
Tcc   o idoso na sociedade moderna m2Tcc   o idoso na sociedade moderna m2
Tcc o idoso na sociedade moderna m2
 
10 política nacional do idoso
10  política nacional do idoso10  política nacional do idoso
10 política nacional do idoso
 
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIA
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIACUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIA
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - VISÃO DA GERIATRIA
 
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idosoTerapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
 
As Várias Maneiras de Cuidar
As Várias Maneiras de CuidarAs Várias Maneiras de Cuidar
As Várias Maneiras de Cuidar
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
O Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade AtualO Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade Atual
 
Tcc Avaliação da Qualidade de Vida em Idosos que Praticam e não Praticam Cami...
Tcc Avaliação da Qualidade de Vida em Idosos que Praticam e não Praticam Cami...Tcc Avaliação da Qualidade de Vida em Idosos que Praticam e não Praticam Cami...
Tcc Avaliação da Qualidade de Vida em Idosos que Praticam e não Praticam Cami...
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
 
Relacao da cognicao e qualidade de vida entre idosos comunitarios estudo tr...
Relacao da cognicao e qualidade de vida entre idosos comunitarios   estudo tr...Relacao da cognicao e qualidade de vida entre idosos comunitarios   estudo tr...
Relacao da cognicao e qualidade de vida entre idosos comunitarios estudo tr...
 
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para IdososManual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
 

Destaque (10)

IrmãOs Koala
IrmãOs KoalaIrmãOs Koala
IrmãOs Koala
 
Materia lar idosos
Materia lar idososMateria lar idosos
Materia lar idosos
 
Conheça nossos residenciais
Conheça nossos residenciaisConheça nossos residenciais
Conheça nossos residenciais
 
Mgq li
Mgq liMgq li
Mgq li
 
Caracterização da qualidade de vida na 3ªidade Actual
Caracterização da qualidade de vida na 3ªidade ActualCaracterização da qualidade de vida na 3ªidade Actual
Caracterização da qualidade de vida na 3ªidade Actual
 
Lar De Idosos
Lar De IdososLar De Idosos
Lar De Idosos
 
Lar idosos
Lar idososLar idosos
Lar idosos
 
Estudo de Caso: Vila dos Idosos-SP
Estudo de Caso: Vila dos Idosos-SPEstudo de Caso: Vila dos Idosos-SP
Estudo de Caso: Vila dos Idosos-SP
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
 

Semelhante a CasaSenior_a+v+j

Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASTest Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Cuidar de Idosos
 
AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf
 AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf
AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf
ShesterDamaceno1
 
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIAcção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
susanamota
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Educação
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Jessica Monteiro
 
Vera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Vera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUSVera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Vera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Autismo & Realidade
 

Semelhante a CasaSenior_a+v+j (20)

Manual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosaManual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosa
 
Manual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosaManual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosa
 
Manual da boas practicas
Manual da boas practicasManual da boas practicas
Manual da boas practicas
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
 
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASTest Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
 
AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf
 AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf
AULA CORINGA - Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa PDF.pdf
 
Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa.pdf
Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa.pdfGestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa.pdf
Gestao_de_cuidado_da_pessoa_idosa.pdf
 
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
Pessoas idosas e suas dificuldades no SUS
 
Inserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidadeInserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidade
 
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIAcção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDE DO IDOSO.pptx
 
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDARUM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
UM OLHAR GERONTOLÓGICO SOBRE O CUIDAR
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
 UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
 
Livro7
Livro7Livro7
Livro7
 
Vera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Vera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUSVera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Vera Mendes - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
 

Último

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (8)

AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 

CasaSenior_a+v+j

  • 1. “Imagens de Velhice – Sementes de Sabedoria” Curso de Formação: Serviço Social Módulo: Sociologia da Família Oradores: Vanda Afonso Ana Santos Jorge Silveira Beja, 01 de Outubro de 2014
  • 2. 2 OBJETIVOS O aumento da esperança de vida tem conduzido a uma nova realidade nas sociedades que, traduzindo-se num aumento do número de idosos, obriga a um novo olhar e novas formas de intervenção junto desta população. • Conhecer o envelhecimento, as suas medidas e políticas, os seus comportamentos e a prevenção de doenças, para poder lidar eficazmente com os idosos e os seus familiares; • Proporcionar informação base, nomeadamente no que se refere às finalidades dos acolhimentos para idosos que devem reunir um conjunto de características que possam constituir o ponto de partida para a promoção da qualidade de vida dos seus utentes; • Reforçar os saberes e desenvolver competências pessoais, sociais, indispensáveis a uma atuação responsável e de qualidade.
  • 3. TEMAS 1 - Políticas Sociais para os Idosos 2 - Respostas Sociais para os Idosos 3 - Aspetos históricos dos Lares 4 - O lar como organização 5 - Residências Sénior 6 - Exigências de um acolhimento com qualidade 7 - A importância do ambiente institucional 8 - Direitos, princípios e valores no cuidar 3
  • 4. 4 1 - Políticas Sociais para os Idosos Foto 1 Foto 1
  • 5. Emergência de respostas sociais dirigidas ao idoso Família Políticas de prestação de cuidados aos idosos Prestação de cuidados ao domicílio 5 1 - Políticas Sociais para os Idosos
  • 6. 6 2 - Respostas Sociais para os Idosos Centros de convívio Centros de dia Lares Residências Serviços de Apoio Domiciliário Acolhimento Familiar Centro de Noite Centro de Acolhimento Temporário de Urgência Foto 2
  • 7. 7 3 - Aspetos históricos dos Lares Foto 3 Pias Baixo Alentejo
  • 8. 8 3 - Aspetos históricos dos Lares Segundo Jacob (2002a) no final do séc. XV estas instituições dividiam-se em quatro tipos:  Albergarias;  Mercearias (instituições que praticavam o bem pela alma ou saúde de alguém);  Hospitais;  Gafarias ou Leprosarias. A definição de IPSS segundo a Constituição de 1976 (art.º nº 63), sendo posteriormente, no art.º 1 do Decreto-Lei nº 119/83 de 25 de Fevereiro, definidas como “Entidades jurídicas constituídas sem finalidade lucrativa, por iniciativa privada, com o propósito de expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre indivíduos e desde que não sejam administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico…”.
  • 9. Lar de idosos “é o estabelecimento em que sejam desenvolvidas actividades de apoio social a pessoas idosas através do alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, fornecimento de alimentação, cuidados de saúde, higiene e conforto, fomentando o convívio e propiciando a animação social e a ocupação dos tempos livres dos utentes” Despacho Normativo nº 12/98 de 25 de Fevereiro 9 3 - Aspetos históricos dos Lares
  • 10.  Entre 1998 e 2005, a resposta social que teve um crescimento maior (41,4%), foi dirigida aos idosos. (MTTS, 2006b).  Com o programa PARES, governo pretendia investir nos próximos quatro anos (2006 - 2009) 450 milhões de euros, pretendendo-se que haja um reforço, a nível dos equipamentos dos idosos.  Existia uma lista de espera de cerca de 18 mil pessoas, no final de 2006, referentes apenas às IPSS. 10 3 - Aspetos históricos dos Lares
  • 11. 11 4 - O lar como organização Foto 4
  • 12. Acolhimento residencial é um tipo de casa específico, que contém características e formas de organização próprias. Organização Estratégia Visão Missão Valores 12 4 - O lar como organização
  • 13. “ …não devemos esquecer que, muitas vezes, o lar cumpre papel de abrigo para o idoso excluído da sociedade e da família, abandonado e sem um lar fixo, podendo se tornar o único ponto de referência para uma vida e um envelhecimento dignos”. Júnior e Tavares (2005, p. 152) 13 4 - O lar como organização
  • 14. 14 5 - Residências Sénior Foto 5
  • 15. Estas Residências tentam responder:  Às necessidades básicas individuais dos utentes nomeadamente: alimentação, saúde, higiene e conforto pessoal;  Auto-estima do utente, respeitando a sua independência, privacidade e individualidade;  A proporcionar contactos com o exterior e o convívio no interior da Residência, de forma a proporcionar ao sénior a sua realização pessoal e social.  À continuidade e reforço dos laços familiares, na continuação do bem-estar emocional;  felicidade e bem-estar do sénior num ambiente familiar, reunindo um conjunto de técnicos e auxiliares de elevada competência. 15 5 - Residências Sénior
  • 16. 6 - Exigências de um acolhimento com qualidade 16 Foto 6
  • 17. 6 - Exigências de um acolhimento com qualidade  Flexibilidade de horários  Alimentação e hidratação  Sono  Higiene e apresentação  Cuidados de saúde  Promoção da saúde e prevenção da doença  Actividades  Sexualidade  Dependência 17
  • 18. 7 - A importância do ambiente institucional 18
  • 19. 7 - A importância do ambiente institucional Psicologia Ambiental Gerontologia Ambiental  O estudo de determinantes ambientais que influenciam a vida dos idosos pode ser um contributo marcante para melhorar a sua qualidade de vida, neste caso, dos idosos institucionalizados em lares de terceira idade. 19
  • 20. 7 - A importância do ambiente institucional Devido à heterogeneidade que constitui o grupo etário das pessoas idosas colocam-se, sobretudo, três grandes desafios aos lares de terceira idade (Quintela:2001).  Conciliar a colectivização com a individualidade;  Satisfazer a população, apesar de, em princípio, a sua permanência neste local ser imposta;  Satisfazer, tanto quanto possível, a insuficiência de recursos. 20 Foto 8
  • 21. 7 - A importância do ambiente institucional Quando se projectam ambientes para idosos, estes deveriam possuir as seguintes características (Perracini, 2006, p.1144):  “Acessibilidade e uso;  Facilidade de circulação, especificamente no que diz respeito ao conforto, à conveniência e à possibilidade de escolha;  Conservação de energia;  Comunicação: aspectos sensoriais e interacção social;  Segurança: sem risco de lesões ou acidentes;  Protecção: que não cause medo ou ansiedade e que seja previsível (confiável);  Privacidade”. 21
  • 22. 22 8 - Direitos, princípios e valores no cuidar Foto 9
  • 23. Dignidade Respeito Participação Sénior Individualidade Autonomia Capacidade de escolher Privacidade e Intimidade Igualdade Confidencialidade 23 8 - Direitos, princípios e valores no cuidar
  • 24. Alguns direitos a destacar:  Direito à integridade e ao desenvolvimento da sua personalidade  Direito à liberdade de expressão  Direito à liberdade religiosa  Direito a uma vida afetiva, sexual e social 24 8 - Direitos, princípios e valores no cuidar
  • 25. 25 CONCLUSÃO • Compete-nos promover a qualidade de vida e, consequentemente, o envelhecimento ativo na saúde do idoso; • Identificar e compreender a velhice e o processo de envelhecimento; • Consciencializar a importância da qualidade no acolhimento residencial para o bem estar do idoso.
  • 26.  Almeida, A. J. (2008). A Pessoa Idosa institucionalizada em Lares: Aspectos e contextos da Qualidade de Vida. Tese não-publicada, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, universidade do Porto, Porto, Portugal.  Araújo, M., Ceolim M. (2005). Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituições de longa permanência.  Carvalho, M. (n.d.). Uma Abordagem do Serviço Social à Política de Cuidados na Velhice em Portugal.  Ferrão, S. A pessoa idosa e o processo de institucionalização em lar. Revista Portuguesa de Enfermagem. (n.º20 – Outubro/Novembro/Dezembro 2009, pp. 39 – 44)  Grupo de Coordenação do Plano de Autoria Social e CID – Crianças, Idosos e Deficientes – Cidadania, Instituições e Direitos. (2005) Manual de Boas práticas. Barcelos  Júnior, R. & Tavares, M. A saúde sob o olhar do idoso institucionalizado: conhecendo e valorizando sua opinião. Interface - Comunic., Saúde, Educ., Vol.9, n.16, pp.147-158, set.2004/fev.2005  Lobo A., Pereira A. (2007) Idoso Institucionalizado: Funcionalidade e Aptidão Física  Marques de Oliveira, C., Souza C., Martins de Freitas, T. & Ribeiro C. (2006) Idosos e Família: Asilo ou casa  Paúl, C. & Fonseca, A. M. (2005). Envelhecer em Portugal. Lisboa: Clinepsi Editores  Saraceno, C. & Naldini, M. (2003) – Sociologia da Família. Lisboa: Estampa  Tolbert, P. e Zucker, L. (n.d.). A institucionalização da teoria institucional.  Yamamoto A., Diogo MJD. (2002). Os idosos e as instituições asilares do município de Campinas. Rev Latino-am Enfermagem 2002 setembro-outubro 26 Bibliografia
  • 27. 27 Bibliografia  Foto1: http://www.vitormeireles.sc.gov.br/uploads/895/imagens/178882.jpg  Foto2: http://www.samarilar.com.br/os-direitos-dos-idosos-e-os-deveres-da-soceidade  Foto3:https://www.facebook.com/217515711655005/photos/pb.217515711655005.- 2207520000.1409342268./684394374967134/?type=1&permPage=1  Foto4: http://www.mulherbeleza.com.br/cabelos/dicas-de-cortes-de-cabelo-para-idosos-fotos/  Foto5: http://www.laridosos.net/o-bom-peregrino-lar-de-idosos-lda/  Foto6: http://www.homeangels.com.br/campinas-baraogeraldo/BlogComentariosVer.asp?Id  =3252&Idfranqueado=716  Foto7: http://www.webstudy.pt/formacao_curso_182_15_1.php  Foto8: http://www.concordiam.es/taller-cuidados-geriatria/  Foto9: http://casaderepousofernaodias.wordpress.com/  Foto10: http://mariamartacruz.blogspot.pt/2009_11_22_archive.html  Pedimos desculpa mas não foi possível identificar a origem dass restantes imagens não referenciadas.
  • 28. Obr igado ! 28 Foto 10