O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Setorial de cultural proposta para plano de cultura

370 visualizações

Publicada em

Proposta de Planejamento Estratégico do Setorial Cultural do PT para o Piaui.
A ideia é postar as propostas de todos os candidatos ao Governo do Piaui.

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Setorial de cultural proposta para plano de cultura

  1. 1. 2015 -2018 CULTURA Setorial de Cultura: Sônia Terra Marleide Lins Wellington Soares Assaí Campelo Fábio Costa Contatos: Marleidelins@hotmail.com 86.9930.3944
  2. 2. Apresentação: A política Cultural Brasileira implementada pelo Ministério da Cultura (MINC) a partir de 2003 tem potencialmente se firmado em diretrizes pautadas em três dimensões: simbólica, cidadã e econômica: A dimensão simbólica possibilita instituir uma política cultural que enfatiza, além das artes consagradas, toda gama de expressões que caracterizam a diversidade cultural piauiense. A dimensão cidadã fundamenta-se no princípio de que os direitos culturais são partes integrantes dos direitos humanos e devem constituir-se como plataforma de sustentação das políticas culturais. “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais” (art.215, CF/88). Contudo esses direitos são ainda pouco conhecidos e constantemente desrespeitados e subestimados, quando comparados aos direitos civis, políticos econômicos e sociais, que gozam de maior reconhecimento. A dimensão econômica compreende que a cultura vem se transformando num dos segmentos mais dinâmicos das economias de todos os países, gerando trabalho e riqueza. A cultura hoje é considerada elemento estratégico da chamada nova economia, que se baseia na informação, na criatividade e no conhecimento. No Piauí, compreendemos que sua rica diversidade de expressões culturaia e artísticas será estratégica às positivas mudanças sociais e econômicas que almejamos, daí, a nossa opção de trabalhar contextualizando as comunidades, municípios, segmentos identitários, respeitando suas características, “modus vivendi”, seus potenciais humanos e ambientais. O desenvolvimento das propostas para a pasta da cultura se deu a partir dos anseios da classe artística, da Conferência Estadual de Cultura e Conferências Municipais de Cultura, experiências em gestão cultural petista com base nos eixos norteadores do Plano Nacional de Cultura (PNC). É importante enfatizar a importância de se criar a Secretaria de Cultura do Estado do Piauí, o Sistema Estadual de Cultura e o Fundo Estadual de Cultura, para que possamos dialogar com o Sistema Nacional de Cultura e estarmos aptos a receber recursos do Tesouro Nacional, de Fundo a Fundo.
  3. 3. O DIAGNÓSTICO: Para produzir o diagnóstico cultural de um estado fez-se necessário diagnosticar a realidade deste estado analisando as demandas e o estágio de desenvolvimento que ele se encontra. Precisou-se ter informações abrangentes sobre seus os vários aspectos culturais, matérias, estruturais e imateriais, simbólicos. Portanto, o Planejamento estratégico para o “Plano Estadual de Cultura do Piauí” foi construído a partir da elaboração de um diagnóstico da cultura no estado do Piauí, tendo como base o documento final das conferências municipais de cultura e da última conferência estadual de cultura realizada no estado do Piauí. Realizou-se um levantamento dos referidos dados por meio das atividades realizadas e propostas em âmbito territorial. Considerou-se, também, a demanda dos fóruns de segmentos artísticos, agregando, portanto, essas contribuições junto aos diagnósticos territoriais. PREMISSAS: Criação do Plano Estadual de Cultura: Participativo: envolvendo os representantes o legislativo, a sociedade civil e o executivo, para discutir propostas e meios de alcançá-las, com acompanhamento dos seus resultados. Seguido a premissa do Plano Nacional de Cultura, torna-se obrigatório a participação da sociedade civil por meio do Conselho Estadual de Cultura e a Conferência de Cultura. Político: o Plano Estadual deve considerar os diferentes interesses de classes e grupos sociais e fazer parte do planejamento da política pública, isto é, a cultura deve se relacionar com outras áreas de desenvolvimento. Os planos nacional, estadual e municipal devem ter correspondência entre si: significa que o desenvolvimento cultural do estado deve ser planejado considerando as metas estabelecidas nos planos municipal e federal.
  4. 4. DIRETRIZES: 1. Implantação do Sistema Estadual de Cultura com 100% dos Municípios com Sistemas de Cultura Institucionalizados e implementados, fortalecendo a relação com política de cultura nacional possibilitando o repasse de recursos fundo a fundo; 2. Criar a Secretaria de Estado da Cultura que implantará a política pública estadual de cultura, e consolidará a política do Sistema Nacional de Cultura, integrando municípios, estado e país. Em conjunto com a Fundação Cultural do Piauí; 3. Inclusão sociocultural por meios de metas e ações de descentralização e democratização da cultura; 4. Relacionamento da cultura com outras políticas públicas dos municípios, do estado e do país (economia, educação, turismo e outras áreas); 5. Fortalecimento e valorização das manifestações culturais e salvaguarda dos patrimônios culturais (eixo dimensão simbólica); 6. Criação de equipamentos culturais Espaços MULTIUSO nos 11 territórios do estado; 7. Implementação de Política de intercâmbios culturais, circulação e consumo dos produtos; 8. Planejamento sobre ensino e profissionalização da cultura (eixo dimensão desenvolvimento econômico) 9. Democratização da cultura abrangendo todos os segmentos identitários: etnia, gênero, LGBT’S, deficientes, comunidades tradicionais e urbanas, dentre outros (eixo dimensão cidadã). 10. Identificação das manifestações tradicionais e das diversas linguagens artísticas do estado.
  5. 5. METAS: 1. Com o Sistema Estadual de Cultura institucionalizado e implementado, incentivar a adesão dos 100% dos municípios, criando os sistemas municipais de cultura institucionalizados e implementados; 2. Garantir no mínimo 2% do orçamento anual para “Secretaria Estadual de Cultura” ou para a Fundação Cultural a partir de 2014; 3. Realizar a cartografia (mapeamento), da diversidade das expressões culturais em todo o território piauiense com intuito de proteger e valorizar os conhecimentos e expressões das culturas populares, étnicas e tradicionais implantadas; 4. 5. Mapear os segmentos culturais com cadeias produtivas da economia criativa; 6. Implementar o Sistema Estadual de Informações e Indicadores Culturais envolvendo 100% dos municípios, atualizando o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC); 7. 8. Desenvolver junto a Secretaria Estadual da Educação projetos de ensino com disciplina de Arte no currículo escolar regular com ênfase em cultura brasileira e piauiense, linguagens artísticas e patrimônio cultural, mantendo os professores de Arte de escolas públicas com formação continuada; 9. Investir em gestão cultural, com a qualificação e a formação de gestores e de artistas, com intuito de aprimorar o produto artístico e avançar na política de gestão dos órgãos públicos de cultura. Envolver parcerias com entidades governamentais e não governamentais. A Universidade Estadual do Piauí poderia ser mola propulsora na formação artística do Estado, criando cursos na área de gestão e de formação artística – cultural; 10. Fazer interfaces com outras áreas de atuação, como a educação, o turismo, o meio ambiente e o trabalho, como forma de valorização da ação cultural, da multiplicação de programas e de recursos e fruição dos bens culturais; 11. Ampliar o número de Pontos de Cultura no Piauí, lançando editais para mais 100 Pontos, priorizando as regiões que ainda não têm Pontos de Cultura e fortalecer os já existentes;
  6. 6. 12. Criar uma biblioteca de referência do Piauí, além de criar e/ou ampliar em cada território (11) bibliotecas públicas, cinemas, teatros e centros culturais, com modernização e atendendo aos requisitos legais de acessibilidade e desenvolvendo ações de promoção da fruição cultural por parte das pessoas com deficiência; 13. Construir espaços culturais multiuso com sala de cinemas, biblioteca, sala de artes, dança e auditório, no mínimo, um em cada território (11) do Piauí até 2018; 14. Envolver a TV Antares, como meio de democratização da cultura, produzindo e veiculando programas e ideias criadas por produtores e artistas locais; 15. Fazer circular a produção cultural piauiense, no país e no exterior, assumindo, como política de governo, a circulação de bens culturais, fortalecendo a identidade e a imagem do estado, valorizando, difundindo e promovendo um novo olhar nacional e internacional sobre a cultura piauiense; 16. Consolidar o SIEC - Sistema de Incentivo Estadual à Cultura - Lei do Mecenato e Fundo, como forma de captação de recursos do empreendedor cultural, ampliando o valor de renúncia fiscal e difundindo junto ao empresariado. Manter o Fundo de Incentivo á Cultura sem reduzir o percentual do Mecenato, para apoio à produção e a circulação de bens culturais fora do sistema de mercado, a exemplo das expressões tradicionais, do patrimônio imaterial e outras culturas de resistência; 17. Realizar, anualmente, a Conferência Estadual de Cultura e incentivar as Conferências Municipais dando assessoria e suporte técnico; 18. Consolidar os Festivais de Cultura existentes no estado, bem como incentivar o surgimento de outros nos 11 territórios do estado;

×