A ética deontológica de kant

14.713 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.713
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10.026
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
172
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A ética deontológica de kant

  1. 1. A ÉTICA DEONTOLÓGICA DE KANTINTRODUÇÃOO PROBLEMA DA FUNDAMENTAÇÃO DA MORALTeorias deontológicas e teorias consequencialistasO BEM ÚLTIMO E O CRITÉRIO DE MORALIDADE , , ,IMPERATIVO CATEGÓRICOAUTONOMIA DA VONTADEOBJEÇÕESREVISÃO 1
  2. 2. Immanuel Kant (1724-1804) Filósofo Alemão, um dos mais importantes da história da Filosofia, apresentou uma teoria ética Principalmente na obras: - Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Crítica da Razão PráticaA Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 2
  3. 3. PROBLEMA DA TEORIAS CONSEQUENCIALISTAS - O critério deFUNDAMENTAÇÃO DA moralidade está nas suas consequênciasMORAL:– QUAL O CRITÉRIO QUENOS PERMITE DIZER QUEUMA AÇÃO ÉMORALMENTE CORRETA,DE QUE DEPENDE O VALORMORAL DE UMA AÇÃO? TEORIAS DEONTOLÓGICAS - O valor moral de uma ação está no seu valor intrínseco A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 3
  4. 4. O ÚLTIMO BEM A A AÇÃO REALIZADACRITÉRIO DEMORALIDADE O CUMPRIMENTO DO A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 4 ESDJII
  5. 5. A única coisa intrinsecamente boa em si mesma (todas as outras qualidades são avaliadas em função dos seus resultados) Vontade de agir por (cumpre o dever de forma incondicional em toda e qualquerBOA circunstância).VONTADE Cumpre o que a exige por puro e simples respeito por ela Cumpre o dever de forma autónoma fazendo da lei moral um imperativo categórico, absoluto. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 5 ESDJII
  6. 6. DEVER O que temos a obrigação de fazer A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 6 ESDJII
  7. 7. Ações contra o Ações que violam o dever dever Acções não são exclusivamenteTIPOS DE Ações conforme motivadas pelo cumprimento do deverAÇÕES o dever mas por interesses ou inclinações sensíveis Acções que cumprem o dever como fim em si mesmo. O cumprimento do dever Ações por dever é o único motivo em que a ação se baseia. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 7 ESDJII
  8. 8. “Deves em qualquer circunstância cumprir o dever pelo dever” Lei presente na consciência de todos os seres racionaisLEI Exige o cumprimento do dever sem qualquerMORAL outro motivo a não ser o respeito pelo dever) Apresenta-se como obrigação incondicional ou categórica A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 8 ESDJII
  9. 9. Expressão da lei moral que se apresenta sob a forma de imperativo (Deves)IMPERATIVOCATEGÓRICO Obrigação absoluta e incondicional que exige que a vontade seja exclusivamente motivada pela razão (independentemente de desejos e interesses/ inclinações particulares) A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 9 ESDJII
  10. 10. “Age apenas segundo uma máxima tal que possas querer ao mesmo tempo que se torne lei universal”A FÓRMULADA LEI Uma ação é moralmente correta se a sua máxima (regra de ação que nosUNIVERSAL indica o motivo por que fazemos algo) puder ser universalizada, se se pode tornar um princípio universal de ação –“Age de tal maneira que uses a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de outrem, sempre e simultaneamente como fim e nunca apenas como meio” Cada ser humano é um fim em si e nunca um simples meio (é moralmente errado instrumentalizar os outros usando-os como meros meios paraA FÓRMULA atingir um objectivo)DA Os seres humanos, enquanto seres racionais, têm valor intrínseco absolutoHUMANIDADE (dignidade) Nenhum ser humano vale mais do que outro (pela condição de ser racional) Esta fórmula não proíbe as pessoas de serem meios umas para as outras, desde que sejam tratadas com respeito e não apenas como meios, ou tratadas como instrumentos ou objectos. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 10
  11. 11. A vontade puramente racional que faz sua a lei moralAUTONOMIA DA Ao agir por dever obedecemos à lei moralVONTADE que é colocada pela nossa própria razão O ser racional é legislador A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 11
  12. 12. 12A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII
  13. 13. Não resolve conflitos entre deveres Desculpa más consequências se a ação for bemOBJEÇÕES intencionada Ignora o papel das emoções e sentimentos morais A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 13 ESDJII
  14. 14. 1. Porque razão é a ética de Kant uma ética deontológica?• RESPOSTA• Por que razão a ética de Kant não é consequencialista?2.• RESPOSTA3. Segundo Kant o que é a Boa vontade?• RESPOSTA4. • Segundo Kant, para agirmos moralmente bem basta cumprirmos os nossos deveres, fazer o que devemos? Porquê.• RESPOSTA A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 14
  15. 15. 1 Porque razão é a ética de Kant uma ética deontológica? SUGESTÃO DE RESPOSTA:Considera-se que a ética kantiana é deontológica porquedefende que o valor moral de uma ação reside em si mesma,no seu valor intrínseco, e não nas suas consequências.As teorias deontológicas tendem a considerar que agirmoralmente consiste em cumprir o dever peloindependentemente das consequências.. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 15 ESDJII
  16. 16. 2. Por que razão a ética de Kant não é consequencialista?SUGESTÃO DE RESPOSTA:As éticas consequencialistas defendem que o valor moral dasações depende unicamente das suas consequências.A ética kantiana é deontológica porque afirma que o valormoral da ação depende do seu valor intrínseco, que a açãomoralmente correta é aquela que é realizada por dever . Amoralidade de um acto é determinada pela intenção do agente.Kant não admite que se cumpra o dever em virtude dasdesejáveis consequências que daí possam resultar. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 16 ESDJII
  17. 17. 3. Segundo Kant, o que é a Boa vontade? R: A boa vontade é o maior bem, a única coisa absolutamente boa, independentemente das suas consequências; é a única coisa intrinsecamente boa em si mesma (todas as outras qualidades são avaliadas em função dos seus resultados). Assim, a boa vontade é a vontade de agir por dever, isto é, com a única intenção de cumprir o dever, de forma incondicional em toda e qualquer circunstância. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 17 ESDJII
  18. 18. Segundo Kant, para agirmos moralmente bem basta4. cumprirmos os nossos deveres, fazer o que devemos? Porquê.R: Não. O que importa, para Kant, não é cumprir o dever massim a forma como cumprimos o dever quando o fazemos. Oconteúdo da acção – fazer o que deve ser feito – não ésuficiente para determinar a sua moralidade. A forma – aintenção ou o motivo – é que tem importância decisiva. Não émoralmente correcto – embora não seja, propriamentefalando imoral – cumprir o dever por interesse, receio decastigos e censuras ou até por compaixão. Para Kant, aquestão essencial da ética é esta: como cumprir de formamoralmente correcta o dever? A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 18 ESDJII
  19. 19. 5. O que distingue uma ação conforme o dever de uma ação por dever?• RESPOSTA6. O que é a lei moral?• RESPOSTA7. O que é um imperativo categórico? •RESPOSTA8.•M Como se relaciona a lei moral com o imperativo categórico? •RESPOSTA A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 19
  20. 20. O que distingue uma ação conforme o dever de uma ação5. por dever? .R: Uma ação conforme o dever é aquela que está de acordocom o dever, que o cumpre, mas não como fim em si, mascomo meio para atingir outros fins (interesses ou inclinaçõessensíveis). Esta ação, embora não seja imoral (não é contráriaao dever, não tem valor moral.A ação por dever é realizada como fim em si mesmo, com omotivo do cumprimento do dever pelo dever. É a ação própriada boa vontade. Só a ação realizada por dever tem valormoral. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 20 ESDJII
  21. 21. O que é a lei moral?6. .R: A lei moral é uma que existe na consciência de todos oseres racionais. Não nos nos diz o que devemos fazer em cadasituação concreta mas o modo de agir corretamente ( porexemplo, não nos diz “não deves mentir” mas diz “deves agirde forma a cumprir o dever pelo dever”. A lei moral exige umrespeito absoluto pelo dever e apresenta-se sob a forma deimperativo («Deves»). A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 21 ESDJII
  22. 22. O que é um imperativo categórico?7. .R: O imperativo categórico expressa o que a lei moral exige,uma obrigação absoluta e incondicional.Exige que a vontade seja exclusivamente motivada pela razão,que seja independente em relação a desejos, interesses einclinações particulares. Ordena que uma cção seja realizadapelo seu valor intrínseco, que seja querida por ser boa em si enão por causa dos seus efeitos A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 22 ESDJII
  23. 23. Como se relaciona a lei moral com o imperativo9. categórico? .A lei moral é um imperativo categórico porque exige ocumprimento do dever sem qualquer outro motivo a não ser orespeito pelo dever, apresenta-se como obrigaçãoincondicional ou categórica. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 23 ESDJII
  24. 24. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 24 ESDJII

×