Brasivianos perspectivas de uma educação intercultural ana goncalves

378 visualizações

Publicada em

Ensino de português para estrangeiros

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
378
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasivianos perspectivas de uma educação intercultural ana goncalves

  1. 1. Brasivianos: Perspectivas de uma Educação Intercultural Ana Lúcia Novais Gonçalves Introdução e Justificativa A Globalização é conhecida como um fenômeno que vivenciamos atualmente, nela são extintas fronteiras entre países numa tentativa de integração em aspectos políticos, sociais, culturais, econômicos etc. Este fenômeno ocorre pela necessidade da dinâmica do capitalismo, no qual os países “desenvolvidos “ precisam expandir seu mercado interno aos mercados externos. Os impactos produzidos pela globalização sobre as sociedades no cenário mundial, de um modo geral, têm gerado diferentes processos de exclusão intensificando, assim, as desigualdades entre povos. Tais reflexos podem ser sentidos tanto na esfera socioeconômica, como no âmbito educacional e cultural. De acordo com Candau, a globalização pode ser vista em vários ângulos entre os quais o econômico, mostrando que: a globalização no plano econômico é um processo de desfazer fronteiras e pensar o mundo como um todo comunicável por regras e práticas comuns, que devem ser adotadas por todos indistintamente. Nesta perspectiva, muitas são as vantagens apregoadas a globalização: um mercado sem limites entre nações, ideal de liberdade máxima que se auto-regula, abrindo inúmeras perspectivas pros países de todos os “mundo. (CANDAU, 2002, p. 13). É importante ressaltar que, a globalização expandiu e destacou as desigualdades sociais, tanto entre continentes e países, como no âmbito regional e local; ela acarretou conseqüências tanto para o trabalho, como para educação e cultura. No que se refere ao trabalho, a globalização foi ampliando o desemprego em detrimento da empregabilidade, sobretudo, nos centros urbanos, onde se verifica a expansão de crescentes problemas tais como: bolsões de miséria, pobreza e violência. a globalização da economia torna cada vez mais visível o terceiromundismo dos centros urbanos, revelando uma massa de excluídos, a polarização de classes, gênero e raça, com crescente número
  2. 2. 2 de sem-terra, sem-habitação, carentes de serviços urbanos básicos. Se a cidade global tem a face de muitos lugares, marcas de outros povos, diferentes culturas, por ser lugar de imigração, é também espaço de não- lugares, do transitório, do não-identitário e histórico. (VÉRAS, 1999, p.13). Neste contexto da globalização iremos analisar a educação Intercultural. Entendemos que a educação faz parte da cultura e ela exerce um papel fundamental na compreensão da realidade social. Faz-se, portanto, necessário empreender processos educativos que procurem pensar uma sociedade em que cada sujeito social que nela habita possa aprender a viver junto compartilhando saberes. Deste modo, a cultura torna-se um dos elementos fundantes de compreensão do mundo em que vivemos e do lugar no qual estamos inseridos. Por outro lado, concordamos com Veiga-Neto quando afirma que: “a cultura é central não porque ocupe um centro, uma posição única e privilegiada, mas porque perpassa tudo o que acontece nas nossas vidas e todas as representações que fazemos desses acontecimentos”. (VEIGANETO, 2003, p.6). Definir cultura pode parecer bastante complexo, porém numa visão antropológica entendemos como uma rede de significados que dão sentido ao mundo que cerca um individuo. Essa rede engloba um conjunto de diversos aspectos, como crenças, valores, costumes, leis, moral, línguas etc. Assim, o objetivo deste trabalho é analisar a interculturalidade na educação, tendo como referências as propostas de Freire de uma educação como cultura. Salientamos que a educação intercultural possibilita uma prática pedagógica cuja ação educativa, favorece o encontro entre culturas, viabilizando, dessa forma, o diálogo entre os saberes. Para tanto, faz-se necessária uma educação intercultural dentro do contexto da globalização a fim de promover o respeito entre as diferentes culturas. Contudo, trataremos neste projeto especificamente do município de São Paulo – Brasil do qual observamos receber a cada ano maior número de estrangeiros bolivianos, que já passam de 50 mil segundo o Consulado da Bolívia. Nesta perspectiva iremos analisar o caso dos imigrantes bolivianos na cidade de São Paulo especificamente na região central nos bairros do Brás e Pari.
  3. 3. 3 Este artigo tem o objetivo de analisar a educação brasileira numa perspectiva intercultural, ou seja, entendendo o aluno como centro do processo educacional tendo direito a sua vez e voz, que seja compreendido e possa compreender independentemente de sua etnia. Problematização • As escolas com maior números de bolivianos levam em conta a cultura desses alunos? • Promovem uma educação Intercultural? Categorias de análise Imigração, Inserção, Interculturalidade, Educação. Objeto Por meio dos estudos já levantados, iremos investigar a inserção de bolivianos na cidade de São Paulo. Teremos como norteadores para tal pesquisa, as seguintes hipóteses: • A busca de melhores condições de vida é o principal motivo para a imigração ao Brasil. • Quando chegam ao Brasil sofrem discriminações de várias espécies. • A grande maioria dos bolivianos chega ao Brasil de maneira ilegal, não conseguem emprego registrado e muitos realizam trabalho escravo. • As crianças bolivianas recentemente chegadas ao Brasil, quando matriculadas no ensino fundamental não conseguem acompanhar a aprendizagem, não são compreendidas em sua língua materna e nem compreendem a língua ministrada nas aulas( português). • Crianças bolivianas deparam com fracasso escolar ao ingressarem no Brasil. Universo
  4. 4. 4 Imigrantes bolivianos na cidade de São Paulo especificamente na região central nos bairros do Brás e Pari, sendo analisadas quatro escolas com maior número destes alunos. Entre elas: • E. E. Padre Anchieta; • E.E Prudente de Morais; • E.E Eduardo Prado; • E. E. Marechal Deodoro. Metodologia Para realização do presente artigo, fizemos pesquisa de campo composta por questionários abertos e fechados, entrevistas com alunos bolivianos e seus familiares e análise dos projetos políticos pedagógicos das escolas citadas anteriormente. Referencial Teórico Numa perspectiva Intercultural da educação, teremos como referencial teórico as idéias de Paulo Freire nos Círculos de Cultura em seu livro intitulado Educação como prática da liberdade (1983), onde nos oferece uma explicação complexa sobre tais Círculos : Em lugar de escola, que nos parece um conceito, entre nós, demasiado carregado de passividade, em face de nossa própria formação (mesmo quando se lhe dá o atributo de ativa), contradizendo a dinâmica fase de transição, lançamos o Círculo de Cultura. Em lugar do professor, com tradições fortemente “doadoras”, o Coordenador de Debates. Em lugar de aula discursiva, o diálogo. Em lugar de aluno, com tradições passivas, o participante de grupo. Em lugar dos “pontos” e de programas alienados, programação compacta, “reduzida” e “codificada” em unidades de aprendizado (Freire, 1983:103). Com isso, podemos compreender que o contexto destes Círculos de cultura permitem a percepção da seriedade e da profundidade educacional com que os trabalhos
  5. 5. 5 são realizados, voltando-se à construção de um currículo com base na cultura dos participantes. Outra autora que irá nos nortear será Vera Maria Candau, pois a mesma tem realizado diversos estudos acerca da Educação intercultural. Nesse sentido, Candau (2000) entende a educação intercultural: Um processo permanente, sempre inacabado, marcado por uma deliberada intenção de promover uma relação dialógica e democrática entre culturas e os grupos involucrados e não unicamente de uma coexistência pacífica num mesmo território. Esta seria a condição fundamental para qualquer processo ser qualificado de intercultural ( CANDAU, 2000, p. 56). A partir dessa perspectiva a concepção de Educação é ampliada, passando a ser entendida, como salienta Fleuri (2003, p. 20): [...] como um processo construído pela relação tensa e intensa entre diferentes sujeitos, criando contextos interativos que, justamente por se conectarem dinamicamente com os diferentes contextos culturais em relação aos quais os diferentes sujeitos desenvolvem suas respectivas identidades, torna-se um ambiente criativo e propriamente formativo [...]. Para a escola, ficar alheia nesta problemática significaria praticamente como tratá-la com seus meios e fins em si própria, destituindo seu valor como instituição social, transmissora e produtora de cultura(s) que, juntamente com outros fatores, são a base para a construção de novos conhecimentos e para a aprendizagem dos sujeitos Referências Bibliográficas CANDAU, V. M. Interculturalidade e educação escolar. In: CANDAU, V. M. (org.) Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2000. CANDAU, V.M. Nas teias da globalização: cultura e educação. In; Sociedade, educação e cultura(s): questões propostas. RJ:Vozes, 2002.
  6. 6. 6 FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 10ª.ed. SP:Paz e Terra, 2002. FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade, 14a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. FLEURI, R. M. (2003): “Intercultura e educação”, em: Revista Brasileira de Educação, n.º 23, maio/ago, pp. 16-35. FLEURI, Reinaldo. Interculturalidade e educaçãointercultural: mediações necessárias. RJ:DP&A, 2003. VEIGA-NETO, Alfredo. Cultura, culturas e educação. In: Revista Brasileira de Educação. São Paulo: n. 23, maio/jun/jul/Ago, p. 5-14, 2003. VÉRAS, Maura P.B. Fim de milênio: novas feições urbanas e velhas questões sociais. In: Revista Unicsul, n.5, São Miguel Paulista: UNICSUL, Abril/1999. Revisão da Literatura CAVALCANTI, Marilda C. Estudos sobre educação bilíngüe e escolarização em contextos de minorias lingüísticas no Brasil. DELTA [online]. 1999, vol.15, pp. 385- 417. CYMBALISTA, Renato A comunidade boliviana em São Paulo: definindo padrões de territorialidade. Cadernos metrópole 17 pp. 119-133.1º sem. 2007. FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura, educação e movimentos sociais no Brasil - V Colóquio Internacional Paulo Freire – Recife, 19 a 22-setembro 2005.
  7. 7. 7 NETO, João Colares da Mota - O diálogo como fundamento da educação intercultural: Contribuições de Paulo Freire e Martin Buber- -V Colóquio Internacional Paulo Freire – Recife, 19 a 22-setembro 2005. SILVA, Sidney Antonio. Costurando sonhos. Trajetória de um grupo de imigrantes bolivianos em São Paulo. São Paulo: Paulinas, 1997. _______ . Bolivianos em São Paulo: entre o sonho e a realidade. Revista de Estudos Avançados da USP – Dossiê Migrações, v. 20, maio-ago, n. 57, 2006.

×