As relações interpessoais no contexto educacional

545 visualizações

Publicada em

Reclamações

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
545
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As relações interpessoais no contexto educacional

  1. 1. Cuidar e Educar: Papel de quem? As relações interpessoais no contexto educacional: educadores, crianças e as famílias
  2. 2. Artista Plástico Ivan Cruz nasceu em 1947 nos subúrbios do Rio de Janeiro, e brincava pelas ruas de seu bairro como toda criança. Apesar de amante da Arte, enveredou-se pelo caminho do Direito e se formou em 1970, mas nunca deixando de lado a pintura. Em 1990, se preparando para uma exposição em Portugal, Ivan Cruz pintou seus primeiros quadros com temas de sua infância, mais precisamente suas Brincadeiras. Passou a retratar em suas telas: piões, crianças pulando corda, jogando bola-de-gude, pulando amarelinha, soltando pipa, pulando carniça e muito mais... Ivan Cruz baseia seu trabalho na frase que criou: “A criança que não brinca não é feliz, ao adulto que quando criança não brincou,falta-lhe um pedaço no coração”. 
  3. 3. Leitura • Mania de explicação
  4. 4. Vídeo • Tempos da Vida
  5. 5. A escola é lugar de... 1 2 3 4 5 6
  6. 6. O cuidar e o educar como relação pedagógica dos diferentes atores • O homem se constitui como ser humano nas diversas relações com o OUTRO. • Todos os relacionamentos que acontecem na escola estão ligados ao aspecto pedagógico, isto significa que as relações sociais estão comprometidas com a formação das crianças.
  7. 7. • Podemos entender que as relações podem ser consideradas como uma rica trama de encontros
  8. 8. Como queremos viver na escola? • Lugar onde crianças, famílias e profissionais cresçam e aprendam juntos. • Os adultos são responsáveis por configurar o cenário de vida para a infância. • As decisões que tomamos como adultos e as ações do cotidiano não são “neutras”.
  9. 9. Papel de quem???
  10. 10. • Necessidade de um meio social onde os adultos de referência as ajudem na resolução de suas necessidades. • As ações cotidianas, quando são gratificantes para a criança, contribuem para o seu processo pessoal de desenvolvimento. Pensando na perspectiva das crianças
  11. 11. Papel de quem???
  12. 12. Pensando na perspectiva dos profissionais O papel dos profissionais é decisivo na configuração do projeto e da vida que se produz na escola, considerando: •Organização dos contextos. •As ações que se desenvolvem nesse espaço. •Atitude e intervenção: escuta, pergunta, observação e disponibilidade.
  13. 13. Papel de quem???
  14. 14. Pensando na perspectiva das famílias.... • As famílias são elementos constituintes das relações que acontecem na instituição educativa. • A relação das famílias com as escolas inicia antes mesmo da relação com as crianças. • As relações no cotidiano, são pautadas além dos contextos familiares, por contextos diferentes que tanto as famílias quanto as escolas pertencem: identidades sociais, étnicas, culturais e religiosas.
  15. 15. • Como qualquer contato entre pessoas e grupos sociais, a relação escola- família não pode ser unidirecional. • Essa relação deve ser pautada no diálogo, o que significa a possibilidade de estabelecer conversas e trocas que somente acontecem se há escuta e respeito ao ponto de vista do outro, se há diálogo mediado pela ética.
  16. 16. • Interagir com as famílias significa ser uma instituição aberta às diferentes formas que as configurações familiares adquirem na contemporaneidade e à participação das famílias em diferentes estâncias.
  17. 17. Avaliação
  18. 18. “Posso saber pedagogia, biologia como astronomia, posso cuidar da terra como posso navegar. Sou gente. Sei que ignoro e sei que sei. Por isso, tanto posso saber o que ainda não sei como posso saber melhor o que já sei...” Paulo Freire, in Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa

×