SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
Universidade Do Estado Do Amazonas 
Escola Superior De Ciências Da Saúde 
Internato De Saúde da Criança 
REANIMAÇÃO NEONATAL 
Acadêmica: Ana Cláudia Ferreira 
Professor: Rodrigo Duarte
Introdução 
3 milhões de RN/ano 
13 RN/dia 
– Asfixia 
Neonatal 
1 a cada 
2h 
5 a termo 
PRN – Mortalidade Neonatal Precoce associada a Asfixia 
ao Nascer. DATASUS, 2012.
Introdução 
• Ventilação 
1 em cada 
10 
• IOT ou Massagem 
Cardíaca 
1 em cada 
100 
• Medicações 
1 em cada 
1000
EVIDÊNCIAS 
Texto disponível em www.sbp.com.br – 1o de Abril de 
2013 
Texto disponível em www.ilcor.org/home - 
2010
“QUANTO MAIOR A 
DEMORA NA 
REANIMAÇÃO, MAIS 
DIFÍCIL ESTA SE TORNA 
E MAIOR O RISCO DE 
LESÃO CEREBRAL”
PREPARO PARA 
ASSISTÊNCIA 
História Materna 
• Intercorrências 
Clínicas 
• Intercorrências na 
Gestação 
• Trabalho de Parto 
• Termo e Mecônio 
Equipamentos 
• Fonte de calor 
radiante 
• Fonte de oxigênio, 
ar e vácuo 
• Material para 
aspiração 
• Material para 
ventilação 
• Material para 
oxigenação 
• Intubação e 
medicações 
Equipe 
• Pelo menos 1 
profissional 
capacitado a 
realizar todas as 
manobras no RN
ANTECIPAÇÃO DO RISCO 
 Moderado risco 
 Cesariana 
 Gemelaridade 
 RCIU 
 Prematuridade 
 Pós-maturidade (bebês 
acima de 42 semanas) 
 Isoimunização Rh 
 Hipertensão induzida na 
gestação (DHEG) 
 Sangramento vaginal 
 Líquido amniótico meconial 
sem sofrimento fetal 
 DM 
 Apresentação anômala 
 Alto risco 
 Prematuro < 34 semanas 
 < de 1.500 gramas 
 Imaturidade pulmonar 
 DM grave ou não controlado 
 Pré-eclâmpsia 
 Eclâmpsia 
 Sofrimento fetal 
 LA meconial com sofrimento 
fetal 
 Malformações fetais 
 Placenta prévia 
 Descolamento prematuro de 
placenta (DPP) com 
sangramento
Preparo da sala 
 Ligar berço aquecido 
 Preparar o material de reanimação ventilatória (máscara, ambu, 
reservatório ligado a fonte de oxigênio, laringoscópio com lâmina 
reta 00, 0, 1, cânulas traqueais sem balonete (2,5 - 4), material 
para fixação) 
 Preparar material de aspiração (sonda 6 ou 8 conectada a vácuo, 
intermediário de mecônio) 
 Preparar material para cateterismo umbilical 
 Preparar material para clampeamento de cordão(clamp, tesoura, 
gaze, álcool 70%) 
 Preparar material para credeização: nitrato de prata 
 Drogas para reanimação: 
 Cristalóide isotônico (2 seringas de 20ml) 
 Adrenalina: 0,1- 0,3ml/kg (1:9 SF, retirar 1ml) 
 Bicarbonato 2mcg/kg SN
GESTAÇÃO A 
TERMO? 
AUSÊNCIA DE 
MECÔNIO? 
CHOROU AO 
NASCER? 
TÔNUS BOM? 
AO 
NASCER 
Caso SIM = ROTINA DA SALA DE 
PARTO
PRÉ ou PÓS-TERMO ou 
RESPIRAÇÃO 
IRREGULAR/APNÉIA ou 
HIPOTONIA 
 PASSOS INICIAIS em 30 segundos 
 Pegar o RN de lado e levá-lo até o berço 
 Colocá-lo com cabeça para o lado da fonte de luz 
(Hipotermia/Hipertermia) 
 Posicionar a cabeça em leve extensão 
 Aspirar o RN com sonda, se necessário 
 Enxugá-lo e desprezar os campos úmidos 
 Reposicioná-lo
AVALIAÇÃO AO NASCER 
 FC  Principal parâmetro de indicação e 
eficácia da reanimação 
 FR 
 COR 
Qual destes RN está rosado?
Mas mano, e o APGAR? 
Não é utilizado para determinar o início da reanimação nem as 
manobras a serem instituídas no decorrer do procedimento. No 
entanto, sua aplicação permite avaliar a resposta do paciente às 
manobras realizadas e a eficácia dessas manobras
Avaliação ao Nascer
LÍQUIDO MECONIAL 
• Posicionar e aspirar boca e 
nariz 
• Secar 
Respiração 
regular, FC>100, 
tônus bom 
• Sob visualização direta: 
Aspirar boca e hipofaringe 
com sonda N10 
• Aspirar traquéia com CET 
Respiração 
irregular/ausente 
e/ou FC<100 
e/ou hipotonia 
AVALIAR 
FC 
FR
DISPOSITIVO PARA ASPIRAÇÃO 
DE MECÔNIO 
 Aspirar o excesso de mecônio, UMA ÚNICA 
VEZ! Se não responder  VPP
Avaliação ao Nascer 
FC < 100 
Apnéia ou Gasping 
Respiração Irregular
VENTILAÇÃO 
PULMONAR 
Procedimento mais simples, mais importante e 
mais efetivo em reanimação do RN na sala de 
parto
PASSOS INICIAIS 
• FC < 100 
• Apnéia, Gasping ou Respiração Irregular 
60 s 
• Ventilação com Pressão Positiva 
• Golden Minute 
% 
• Qual a concentração de oxigênio?
Ar ambiente x O2 a 100% em RN ≥ 
34 semanas 
AR AMBIENTE 
 ↓ tempo para iniciar respiração espontânea 
ou chorar 
 ↑ mais rápido da FC 
 ↓ da mortalidade neonatal precoce e com 28 
dias 
 25% necessitou de oxigênio suplementar 
 Se não respondeu, iniciar próxima com 100%
Ar ambiente x O2 a 100% em RN < 
34 semanas 
 Não há estudos sobre a concentração ideal 
 Oximetria de pulso no lado direito
Uso de Oxigênio Suplementar 
RN ≥ 34 semanas 
• Ar ambiente 
• Se blender e 
oximetria 
disponíveis, ajustar 
conforme 
necessidade 
• Se não, O2 a 100% 
RN < 34 semanas 
• Se blender + 
oximetria, iniciar a 
40% 
• Ajustar conforme 
necessidade 
• Caso não, ar 
ambiente e depois 
100%
Qual dispositivo usar para 
VPP? 
Balão auto-inflável Balão inflado por 
fluxo 
Ventilador Mecânico 
Manual em T
MANOBRA DO C e E
Qual a frequência da VPP? 
 40 a 60 movimentos/minuto 
 Iniciar com 20mmHg, aumentar SN (30-40) 
 Observar expansão torácica
Sinais de VPP efetiva 
1. Aumento da FC 
2. Melhora do tônus muscular 
3. Início da respiração regular 
 Sem melhora, checar técnica: 
1. Máscara 
2. Via aérea 
3. Pressão 
SUSPENDE 
R VPP
Sem resposta = IOT 
Golden 
Minute
INTUBAÇÃO 
OROTRAQUEAL
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL 
 Indicação – MANTER VIA AÉREA 
PÉRVIA E SEGURA 
 Aspirar mecônio em traqueia (RN não 
vigorosos) 
VPP inefetiva / prolongada 
 Hérnia diafragmática 
Massagem cardíaca: deve-se intubar em 
todos os casos de parada cardíaca, a não ser 
que esteja ventilando adequadamente com 
máscara
EQUIPAMENTO PARA 
INTUBAÇÃO 
DIÂMETRO INTERNO DAS CÂNULAS 
TRAQUEAIS
POSIÇÃO DO ADULTO
PARTICULARIDADES DO RN
POSIÇÃO DO RN
Posição correta da IOT 
 Inserção da cânula orotraqueal 
TEMPO ENTRE INÍCIO DA IOT E VPP 
= 30 SEGUNDOS
Avaliação da IOT 
 Melhora da FC 
 Inspeção 
 Elevação da Caixa Torácica 
 Ausência de Distensão Abdominal 
 Vapor de água na cânula 
 Ausculta 
 Entrada de ar nos pulmões 
 Ausência de ruído no estômago 
 Detector de CO2 expirado
Como ventilar? 
 Pressão 20mmHg (aumentar SN, mt raro) 
 Frequência 40 a 60 movimentos/min 
 Avaliar efetividade: 
1. Aumento da FC 
2. Melhora do Tônus 
3. Respiração regular
Conduta
Conduta
MASSAGEM CARDÍACA 
Só deve ser iniciada quando a ventilação 
pulmonar estiver bem estabelecida!
MASSAGEM CARDÍACA 
 Indicação: FC < 60 
bpm (parada cardíaca 
em RN) 
 Posição correta: terço 
inferior do esterno
TÉCNICA DE MASSAGEM 
CARDÍACA 
 Técnica dos polegares 
Vantagem: mais eficiente; 
 Desvantagem: não é possível realizar 
cateterismo umbilical, pois os braços do 
reanimador estão em cima 
 Técnica dos dois dedos 
Vantagem: favorece o cateterismo umbilical; 
 Desvantagem: compressões menos eficazes, 
por isso, a fração de ejeção miocárdica é 
menor
MASSAGEM CARDÍACA 
 No RN, a ventilação e a massagem cardíaca 
são realizadas de forma sincrônica, 
mantendo-se uma relação de 3:1, ou seja, 3 
movimentos de massagem cardíaca para 1 
movimento de ventilação, com uma frequência 
de 120 eventos por minuto (90 movimentos de 
massagem e 30 ventilações) 
 RITMO: 1, 2, 3 - VENTILA
POSIÇÃO CORRETA 
 Fazer MC 1 cm abaixo da linha 
intermamilar, envolvendo o tórax, 
diminuindo o diâmetro ântero-posterior do 
tórax em 1/3 a 2/3 
 MC + VP = 45 a 60 segundos  
Reavaliar 
 Complicações de massagem cardíaca 
 Fratura de costelas 
 Laceração de fígado
ABC 
Estabelecer Via Aérea Definitiva 
Tubo na traquéia – sem cuff 
Ventilação 
Não se usa ventilador durante REANIMAÇÃO! 
Máscara com AMBU com reservatório e O2 
Circulação 
3:1 
45 a 60 segundos – REAVALIAR FC 
FC: Avalia a eficácia da reanimação
Conduta
E se não houver melhora?
Medicações 
 Via preferencial: Veia umbilical ou sonda 
traqueal 
 Via traqueal  Adrenalina
ADRENALINA 
 Concentração: diluir uma ampola de 1 ml 
em 9 ml de soro fisiológico; 
 Dose: 
EV: 0,1 a 0,3 ml/kg de solução, em intervalos 
de 5 a 10 min; 
Traqueal: 0,5 a 1 ml/kg de solução (Dose 
única)
EXPANSORES DE VOLUME 
 Indicação: RN com evidências de perda 
sanguínea (DPP ou placenta prévia) ou com 
sinais de choque (palidez, má perfusão 
periférica, pulsos finos e taquicardia ou 
bradicardia persistente) 
 Não houve melhora com VPP + MC + 
Adrenalina 
 SF ou Ringer 
 Dose: 10 ml/kg por 5 a 10 min.
Quando parar? 
Verificar efetividade da VPP + MC + 
IOT 
Administração de adrenalina e 
expansor de volume 
Assistolia após 10 min da 
reanimação com técnica adequada 
Considerar interrupção da 
reanimação
FLUXOGRAMA 
Verificar vitalidade do RN: Prover calor 
+ aspirar + secar 
VPP +B&M 
Intubação 
Massagem 
Cardíaca 
Medicações 
SEMPRE! 
1 EM CADA 1000 RN, 
desde que VPP correta
ALGORITMO
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatalNayara Dias
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto tvf
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemBeatriz Cordeiro
 
2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatal2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatalMickael Gomes
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátricaresenfe2013
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoAmanda Thomé
 
Classificação de RN
Classificação de RNClassificação de RN
Classificação de RNArnaldo Neto
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Caroline Reis Gonçalves
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasSUELLEN SILVA
 
Exame Físico e Avaliação inicial do Recém Nascido
Exame Físico e Avaliação inicial do Recém NascidoExame Físico e Avaliação inicial do Recém Nascido
Exame Físico e Avaliação inicial do Recém NascidoSamuel Cevidanes
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasCaroline Reis Gonçalves
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapiaRodrigo Abreu
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoLaped Ufrn
 

Mais procurados (20)

02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatal
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatal2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatal
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Classificação de RN
Classificação de RNClassificação de RN
Classificação de RN
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Exame Físico e Avaliação inicial do Recém Nascido
Exame Físico e Avaliação inicial do Recém NascidoExame Físico e Avaliação inicial do Recém Nascido
Exame Físico e Avaliação inicial do Recém Nascido
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 

Semelhante a Reanimação Neonatal em Sala de Parto

ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziRafael Otsuzi
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaFábio Falcão
 
REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011
REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011
REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011Letícia Spina Tapia
 
2º Parada infantil.pptx
2º Parada infantil.pptx2º Parada infantil.pptx
2º Parada infantil.pptxMarciaLucia5
 
Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -
Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -
Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -LIPED
 
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLaec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLAEC UNIVAG
 
Airway management ligami 04 04-13
Airway management   ligami 04 04-13Airway management   ligami 04 04-13
Airway management ligami 04 04-13fabianonagel
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Paulo Sérgio
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCRMarco Lamim
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCRMarco Lamim
 
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017WALFRIDO Farias Gomes
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 

Semelhante a Reanimação Neonatal em Sala de Parto (20)

ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Reanimao%20 neonatal[1]
Reanimao%20 neonatal[1]Reanimao%20 neonatal[1]
Reanimao%20 neonatal[1]
 
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone CrispimReanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
 
REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011
REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011
REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011
 
aula jornada.pptx
aula jornada.pptxaula jornada.pptx
aula jornada.pptx
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
2º Parada infantil.pptx
2º Parada infantil.pptx2º Parada infantil.pptx
2º Parada infantil.pptx
 
Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -
Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -
Reanimao neonatal e adaptao a vida extra uterina - final -
 
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLaec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Airway management ligami 04 04-13
Airway management   ligami 04 04-13Airway management   ligami 04 04-13
Airway management ligami 04 04-13
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
 
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
 
Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 

Mais de UEA - Universidade do Estado do Amazonas (9)

Manejo da Neutropenia Febril em Pacientes Oncológicos
Manejo da Neutropenia Febril em Pacientes OncológicosManejo da Neutropenia Febril em Pacientes Oncológicos
Manejo da Neutropenia Febril em Pacientes Oncológicos
 
Neoplasias Periampulares
Neoplasias PeriampularesNeoplasias Periampulares
Neoplasias Periampulares
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 
Ameloblastoma
AmeloblastomaAmeloblastoma
Ameloblastoma
 
Violência doméstica
Violência doméstica   Violência doméstica
Violência doméstica
 
Imperícias Profissionais na Saúde
Imperícias Profissionais na Saúde Imperícias Profissionais na Saúde
Imperícias Profissionais na Saúde
 
Hipertireodismo e Tireoidites
Hipertireodismo e Tireoidites   Hipertireodismo e Tireoidites
Hipertireodismo e Tireoidites
 
Doença de Kawasaki
Doença de Kawasaki  Doença de Kawasaki
Doença de Kawasaki
 

Reanimação Neonatal em Sala de Parto

  • 1. Universidade Do Estado Do Amazonas Escola Superior De Ciências Da Saúde Internato De Saúde da Criança REANIMAÇÃO NEONATAL Acadêmica: Ana Cláudia Ferreira Professor: Rodrigo Duarte
  • 2. Introdução 3 milhões de RN/ano 13 RN/dia – Asfixia Neonatal 1 a cada 2h 5 a termo PRN – Mortalidade Neonatal Precoce associada a Asfixia ao Nascer. DATASUS, 2012.
  • 3. Introdução • Ventilação 1 em cada 10 • IOT ou Massagem Cardíaca 1 em cada 100 • Medicações 1 em cada 1000
  • 4. EVIDÊNCIAS Texto disponível em www.sbp.com.br – 1o de Abril de 2013 Texto disponível em www.ilcor.org/home - 2010
  • 5. “QUANTO MAIOR A DEMORA NA REANIMAÇÃO, MAIS DIFÍCIL ESTA SE TORNA E MAIOR O RISCO DE LESÃO CEREBRAL”
  • 6. PREPARO PARA ASSISTÊNCIA História Materna • Intercorrências Clínicas • Intercorrências na Gestação • Trabalho de Parto • Termo e Mecônio Equipamentos • Fonte de calor radiante • Fonte de oxigênio, ar e vácuo • Material para aspiração • Material para ventilação • Material para oxigenação • Intubação e medicações Equipe • Pelo menos 1 profissional capacitado a realizar todas as manobras no RN
  • 7. ANTECIPAÇÃO DO RISCO  Moderado risco  Cesariana  Gemelaridade  RCIU  Prematuridade  Pós-maturidade (bebês acima de 42 semanas)  Isoimunização Rh  Hipertensão induzida na gestação (DHEG)  Sangramento vaginal  Líquido amniótico meconial sem sofrimento fetal  DM  Apresentação anômala  Alto risco  Prematuro < 34 semanas  < de 1.500 gramas  Imaturidade pulmonar  DM grave ou não controlado  Pré-eclâmpsia  Eclâmpsia  Sofrimento fetal  LA meconial com sofrimento fetal  Malformações fetais  Placenta prévia  Descolamento prematuro de placenta (DPP) com sangramento
  • 8. Preparo da sala  Ligar berço aquecido  Preparar o material de reanimação ventilatória (máscara, ambu, reservatório ligado a fonte de oxigênio, laringoscópio com lâmina reta 00, 0, 1, cânulas traqueais sem balonete (2,5 - 4), material para fixação)  Preparar material de aspiração (sonda 6 ou 8 conectada a vácuo, intermediário de mecônio)  Preparar material para cateterismo umbilical  Preparar material para clampeamento de cordão(clamp, tesoura, gaze, álcool 70%)  Preparar material para credeização: nitrato de prata  Drogas para reanimação:  Cristalóide isotônico (2 seringas de 20ml)  Adrenalina: 0,1- 0,3ml/kg (1:9 SF, retirar 1ml)  Bicarbonato 2mcg/kg SN
  • 9. GESTAÇÃO A TERMO? AUSÊNCIA DE MECÔNIO? CHOROU AO NASCER? TÔNUS BOM? AO NASCER Caso SIM = ROTINA DA SALA DE PARTO
  • 10. PRÉ ou PÓS-TERMO ou RESPIRAÇÃO IRREGULAR/APNÉIA ou HIPOTONIA  PASSOS INICIAIS em 30 segundos  Pegar o RN de lado e levá-lo até o berço  Colocá-lo com cabeça para o lado da fonte de luz (Hipotermia/Hipertermia)  Posicionar a cabeça em leve extensão  Aspirar o RN com sonda, se necessário  Enxugá-lo e desprezar os campos úmidos  Reposicioná-lo
  • 11. AVALIAÇÃO AO NASCER  FC  Principal parâmetro de indicação e eficácia da reanimação  FR  COR Qual destes RN está rosado?
  • 12. Mas mano, e o APGAR? Não é utilizado para determinar o início da reanimação nem as manobras a serem instituídas no decorrer do procedimento. No entanto, sua aplicação permite avaliar a resposta do paciente às manobras realizadas e a eficácia dessas manobras
  • 14. LÍQUIDO MECONIAL • Posicionar e aspirar boca e nariz • Secar Respiração regular, FC>100, tônus bom • Sob visualização direta: Aspirar boca e hipofaringe com sonda N10 • Aspirar traquéia com CET Respiração irregular/ausente e/ou FC<100 e/ou hipotonia AVALIAR FC FR
  • 15. DISPOSITIVO PARA ASPIRAÇÃO DE MECÔNIO  Aspirar o excesso de mecônio, UMA ÚNICA VEZ! Se não responder  VPP
  • 16. Avaliação ao Nascer FC < 100 Apnéia ou Gasping Respiração Irregular
  • 17. VENTILAÇÃO PULMONAR Procedimento mais simples, mais importante e mais efetivo em reanimação do RN na sala de parto
  • 18. PASSOS INICIAIS • FC < 100 • Apnéia, Gasping ou Respiração Irregular 60 s • Ventilação com Pressão Positiva • Golden Minute % • Qual a concentração de oxigênio?
  • 19. Ar ambiente x O2 a 100% em RN ≥ 34 semanas AR AMBIENTE  ↓ tempo para iniciar respiração espontânea ou chorar  ↑ mais rápido da FC  ↓ da mortalidade neonatal precoce e com 28 dias  25% necessitou de oxigênio suplementar  Se não respondeu, iniciar próxima com 100%
  • 20. Ar ambiente x O2 a 100% em RN < 34 semanas  Não há estudos sobre a concentração ideal  Oximetria de pulso no lado direito
  • 21. Uso de Oxigênio Suplementar RN ≥ 34 semanas • Ar ambiente • Se blender e oximetria disponíveis, ajustar conforme necessidade • Se não, O2 a 100% RN < 34 semanas • Se blender + oximetria, iniciar a 40% • Ajustar conforme necessidade • Caso não, ar ambiente e depois 100%
  • 22. Qual dispositivo usar para VPP? Balão auto-inflável Balão inflado por fluxo Ventilador Mecânico Manual em T
  • 24. Qual a frequência da VPP?  40 a 60 movimentos/minuto  Iniciar com 20mmHg, aumentar SN (30-40)  Observar expansão torácica
  • 25. Sinais de VPP efetiva 1. Aumento da FC 2. Melhora do tônus muscular 3. Início da respiração regular  Sem melhora, checar técnica: 1. Máscara 2. Via aérea 3. Pressão SUSPENDE R VPP
  • 26. Sem resposta = IOT Golden Minute
  • 28. INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL  Indicação – MANTER VIA AÉREA PÉRVIA E SEGURA  Aspirar mecônio em traqueia (RN não vigorosos) VPP inefetiva / prolongada  Hérnia diafragmática Massagem cardíaca: deve-se intubar em todos os casos de parada cardíaca, a não ser que esteja ventilando adequadamente com máscara
  • 29. EQUIPAMENTO PARA INTUBAÇÃO DIÂMETRO INTERNO DAS CÂNULAS TRAQUEAIS
  • 33. Posição correta da IOT  Inserção da cânula orotraqueal TEMPO ENTRE INÍCIO DA IOT E VPP = 30 SEGUNDOS
  • 34. Avaliação da IOT  Melhora da FC  Inspeção  Elevação da Caixa Torácica  Ausência de Distensão Abdominal  Vapor de água na cânula  Ausculta  Entrada de ar nos pulmões  Ausência de ruído no estômago  Detector de CO2 expirado
  • 35. Como ventilar?  Pressão 20mmHg (aumentar SN, mt raro)  Frequência 40 a 60 movimentos/min  Avaliar efetividade: 1. Aumento da FC 2. Melhora do Tônus 3. Respiração regular
  • 38. MASSAGEM CARDÍACA Só deve ser iniciada quando a ventilação pulmonar estiver bem estabelecida!
  • 39. MASSAGEM CARDÍACA  Indicação: FC < 60 bpm (parada cardíaca em RN)  Posição correta: terço inferior do esterno
  • 40. TÉCNICA DE MASSAGEM CARDÍACA  Técnica dos polegares Vantagem: mais eficiente;  Desvantagem: não é possível realizar cateterismo umbilical, pois os braços do reanimador estão em cima  Técnica dos dois dedos Vantagem: favorece o cateterismo umbilical;  Desvantagem: compressões menos eficazes, por isso, a fração de ejeção miocárdica é menor
  • 41. MASSAGEM CARDÍACA  No RN, a ventilação e a massagem cardíaca são realizadas de forma sincrônica, mantendo-se uma relação de 3:1, ou seja, 3 movimentos de massagem cardíaca para 1 movimento de ventilação, com uma frequência de 120 eventos por minuto (90 movimentos de massagem e 30 ventilações)  RITMO: 1, 2, 3 - VENTILA
  • 42. POSIÇÃO CORRETA  Fazer MC 1 cm abaixo da linha intermamilar, envolvendo o tórax, diminuindo o diâmetro ântero-posterior do tórax em 1/3 a 2/3  MC + VP = 45 a 60 segundos  Reavaliar  Complicações de massagem cardíaca  Fratura de costelas  Laceração de fígado
  • 43. ABC Estabelecer Via Aérea Definitiva Tubo na traquéia – sem cuff Ventilação Não se usa ventilador durante REANIMAÇÃO! Máscara com AMBU com reservatório e O2 Circulação 3:1 45 a 60 segundos – REAVALIAR FC FC: Avalia a eficácia da reanimação
  • 45. E se não houver melhora?
  • 46. Medicações  Via preferencial: Veia umbilical ou sonda traqueal  Via traqueal  Adrenalina
  • 47. ADRENALINA  Concentração: diluir uma ampola de 1 ml em 9 ml de soro fisiológico;  Dose: EV: 0,1 a 0,3 ml/kg de solução, em intervalos de 5 a 10 min; Traqueal: 0,5 a 1 ml/kg de solução (Dose única)
  • 48. EXPANSORES DE VOLUME  Indicação: RN com evidências de perda sanguínea (DPP ou placenta prévia) ou com sinais de choque (palidez, má perfusão periférica, pulsos finos e taquicardia ou bradicardia persistente)  Não houve melhora com VPP + MC + Adrenalina  SF ou Ringer  Dose: 10 ml/kg por 5 a 10 min.
  • 49. Quando parar? Verificar efetividade da VPP + MC + IOT Administração de adrenalina e expansor de volume Assistolia após 10 min da reanimação com técnica adequada Considerar interrupção da reanimação
  • 50. FLUXOGRAMA Verificar vitalidade do RN: Prover calor + aspirar + secar VPP +B&M Intubação Massagem Cardíaca Medicações SEMPRE! 1 EM CADA 1000 RN, desde que VPP correta

Notas do Editor

  1. Estudos indicam que neonatologistas experientes atribuem cor rósea a RN com saturação de O2 que varia de 20-100 A avaliação da cor das extremidades, tronco e membros é extremamente subjetiva e não tem relação com a saturação ao nascer A avaliação clínica da cor (rosada/cianose) não deve ser usada como indicador da saturação de oxihemoglobina no período neonatal imediato
  2. Head size (large occiput) – causes neck flexion. The infant’s tongue is relatively large in proportion to the rest of the oral cavity. It therefore more easily obstructs the airway, and is more difficult to manipulate with a laryngoscope blade. The infant’s larynx is higher in the neck (C3–4) than in an adult (C4–5). The epiglottis is angled away from the axis of the trachea, and it is therefore more difficult to lift the epiglottis with the tip of a laryngoscope blade. The narrowest portion of the infant larynx is the cricoid cartilage (compared to the vocal cords in an adult). Therefore a tracheal tube will pass through the cords and be tightly wedged against the tracheal wall at the level of the cricoid, causing damage to the tracheal mucosa and potential sub-glottic stenosis or post-extubation stridor. The trachea is relatively short, increasing the risk of bronchial intubation or extubation during patient transfer. No teeth in infancy. The child develops adult anatomy