Desnutrição na Infância

1.120 visualizações

Publicada em

Aula sobre Desnutrição na Infância

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.120
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desnutrição na Infância

  1. 1. DesnutriçãoDesnutrição Protéico - EnergéticaProtéico - Energética Elza Maria O. Alves Preceptora – HRASPreceptora – HRAS Ala BAla B 20052005
  2. 2. DesnutriçãoDesnutrição Protéico - EnergéticaProtéico - Energética 1/3 da população infantil dos países1/3 da população infantil dos países em desenvolvimento apresenta algumem desenvolvimento apresenta algum tipo de desnutriçãotipo de desnutrição Mais de 50% das mortes de criançasMais de 50% das mortes de crianças menores de 5 anos é influenciada pelamenores de 5 anos é influenciada pela desnutriçãodesnutrição J. Pediatria; 2000
  3. 3. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética PrevalênciaPrevalência A situação nutricional de menores deA situação nutricional de menores de 5 anos melhorou nos últimos anos5 anos melhorou nos últimos anos 11% das crianças brasileiras são11% das crianças brasileiras são desnutridasdesnutridas 30% dos adultos são seqüelados pela30% dos adultos são seqüelados pela baixa estaturabaixa estatura ONU; 1990
  4. 4. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética IndicadoresIndicadores Altura para idade (A/I)Altura para idade (A/I) Peso para a idade (P/I)Peso para a idade (P/I) Peso para a altura (P/A)Peso para a altura (P/A) Há déficit ponderal e estatural quando o peso e aHá déficit ponderal e estatural quando o peso e a altura estão abaixo de 2 DPaltura estão abaixo de 2 DP
  5. 5. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética IndicadoresIndicadores O déficit de estatura é um indicador melhorO déficit de estatura é um indicador melhor da má nutrição para a população infantil (A/I)da má nutrição para a população infantil (A/I) Déficit neste índice indica inadequaçãoDéficit neste índice indica inadequação cumulativa e prolongada da situação de saúdecumulativa e prolongada da situação de saúde e nutricionale nutricional O peso para a idade é o índice maisO peso para a idade é o índice mais habitualmente usadohabitualmente usado Reflete o acúmulo de peso alcançado a longoReflete o acúmulo de peso alcançado a longo ou curto período de tempoou curto período de tempo
  6. 6. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética EtiologiaEtiologia O Fundo das Nações UnidasO Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) resumiu opara a Infância (UNICEF) resumiu o pensamento atual de quepensamento atual de que as causas imediatas de má nutrição são aas causas imediatas de má nutrição são a dieta carente e a doençadieta carente e a doença
  7. 7. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Classificação de GOMEZ – até 2 anosClassificação de GOMEZ – até 2 anos P/I= peso observado X 100P/I= peso observado X 100 Peso esperado para idade e sexo (p50)Peso esperado para idade e sexo (p50) (p50) – percentil 50 do padrão de referência (NCHS)(p50) – percentil 50 do padrão de referência (NCHS)
  8. 8. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Classificação de GOMEZClassificação de GOMEZ % P/I Estado de Nutrição % Déficit 91 – 110 Eutrofia < 9 76 – 90 Desnutrição leve ou 1º grau 10 – 24 61 – 75 Desnutrição moderada ou 2º grau 25 – 39 ≤ 60 Desnutrição grave ou 3º grau > 40
  9. 9. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Classificação de WATERLOW – 2 a 10 anosClassificação de WATERLOW – 2 a 10 anos A/I= Estatura observada X 100A/I= Estatura observada X 100 Estatura esperada para idade e sexo (p50)Estatura esperada para idade e sexo (p50) P/A= peso observado X 100P/A= peso observado X 100 Peso esperado para estatura observadaPeso esperado para estatura observada
  10. 10. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Classificação de WATERLOWClassificação de WATERLOW Estado de Nutrição A/I P/A Eutrófico > 95% > 90% Desnutrido Agudo > 95% < 90% Desnutrido Crônico < 95% < 90% Desnutrido Pregresso < 95% > 90%
  11. 11. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Classificação da OMS – escore DPClassificação da OMS – escore DP Desnutrição P/A A/I Edema Moderada DP – 3 ≤ -2 DP – 3 ≤ -2 Não Grave DP < -3 DP < -3 Sim
  12. 12. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Classificação utilizada na Rede Básica de SaúdeClassificação utilizada na Rede Básica de Saúde Abaixo do p3: desnutrição moderada/graveAbaixo do p3: desnutrição moderada/grave Entre p3 e p10: desnutrição leveEntre p3 e p10: desnutrição leve
  13. 13. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Aspectos ClínicosAspectos Clínicos DPE leveDPE leve  falência do crescimentofalência do crescimento ((pesopeso  estaturaestatura)) DPE graveDPE grave  Kwashiorkor e marasmoKwashiorkor e marasmo
  14. 14. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Aspectos ClínicosAspectos Clínicos Acentuada limitação naAcentuada limitação na ingestão de proteínasingestão de proteínas Retardo no crescimentoRetardo no crescimento Edema depressívelEdema depressível ““face de lua”face de lua” HepatomegaliaHepatomegalia Alterações mentais e doAlterações mentais e do humorhumor Kwashiorkor – 1 a 3 anosKwashiorkor – 1 a 3 anos
  15. 15. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Aspectos ClínicosAspectos Clínicos Lesões de cabelo:Lesões de cabelo: despigmentaçõesdespigmentações Lesões de pele:Lesões de pele: dermatosesdermatoses descamativasdescamativas AnorexiaAnorexia DiarréiaDiarréia Deficiências deDeficiências de micronutrientesmicronutrientes Kwashiorkor – 1 a 3anosKwashiorkor – 1 a 3anos
  16. 16. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Aspectos ClínicosAspectos Clínicos Restrição crônicaRestrição crônica e severa de energiae severa de energia e de proteínae de proteína Perda de gordura ePerda de gordura e massa muscularmassa muscular Hipotrofia severaHipotrofia severa Face simiescaFace simiesca Deficiências deDeficiências de micronutrientesmicronutrientes (vit. A e D)(vit. A e D) Marasmo – abaixo de 1 anoMarasmo – abaixo de 1 ano
  17. 17. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Aspectos ClínicosAspectos Clínicos DiarréiaDiarréia InfecçãoInfecção respiratóriarespiratória ParasitosesParasitoses TuberculoseTuberculose Mais ansioso doMais ansioso do que apáticoque apático Marasmo – abaixo de 1 anoMarasmo – abaixo de 1 ano
  18. 18. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética DiagnósticoDiagnóstico História ClínicaHistória Clínica Exame FísicoExame Físico
  19. 19. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações FisiológicasAlterações Fisiológicas Pele e gordura subcutânea atrofiadasPele e gordura subcutânea atrofiadas  pregas cutâneaspregas cutâneas Glândulas atrofiadasGlândulas atrofiadas  secura desecura de boca e olhosboca e olhos Olhos encovados devido a perda daOlhos encovados devido a perda da gordura subcutânea na órbitagordura subcutânea na órbita
  20. 20. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas - TGIAlterações Fisiológicas - TGI Produção de ácido gástrico reduzidaProdução de ácido gástrico reduzida Motilidade intestinal reduzidaMotilidade intestinal reduzida Pâncreas atrofiado e secreção dePâncreas atrofiado e secreção de enzimas digestivas reduzidaenzimas digestivas reduzida Mucosa do intestino delgadoMucosa do intestino delgado atrofiada em graus variadosatrofiada em graus variados
  21. 21. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas - FígadoAlterações Fisiológicas - Fígado Síntese protéica diminuídaSíntese protéica diminuída Gliconeogênese reduzida –Gliconeogênese reduzida – risco derisco de hipoglicemiahipoglicemia Secreção de bile reduzidaSecreção de bile reduzida Esteatose hepáticaEsteatose hepática
  22. 22. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas - SCVAlterações Fisiológicas - SCV Débito cardíaco e volume circulatórioDébito cardíaco e volume circulatório reduzidosreduzidos Pressão arterial baixaPressão arterial baixa Perfusão renal e tempo de circulaçãoPerfusão renal e tempo de circulação reduzidosreduzidos Qualquer aumento no volumeQualquer aumento no volume sangüíneo pode produzir ICCsangüíneo pode produzir ICC
  23. 23. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas - SCVAlterações Fisiológicas - SCV Filtração glomerular reduzidaFiltração glomerular reduzida Excreção de sódio e ácidos reduzidaExcreção de sódio e ácidos reduzida Dificuldade na capacidade deDificuldade na capacidade de concentrar urina - hipostenúriaconcentrar urina - hipostenúria
  24. 24. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas -Alterações Fisiológicas - ENDOCRINOENDOCRINO Níveis de insulina reduzidos eNíveis de insulina reduzidos e intolerância a glicoseintolerância a glicose Níveis de cortisol geralmenteNíveis de cortisol geralmente aumentadosaumentados Taxa de metabolismo reduzida emTaxa de metabolismo reduzida em 30%30%
  25. 25. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas -Alterações Fisiológicas - IMUNIDADEIMUNIDADE Todos os aspectos da imunidadeTodos os aspectos da imunidade estão diminuídosestão diminuídos Imunidade mediada por célulasImunidade mediada por células severamente deprimidaseveramente deprimida Níveis de IgA nas secreções reduzidosNíveis de IgA nas secreções reduzidos Componentes do complemento baixosComponentes do complemento baixos
  26. 26. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Alterações Fisiológicas –Alterações Fisiológicas – Função celularFunção celular Atividade da bomba de sódio reduzidaAtividade da bomba de sódio reduzida e membranas mais permeáveis, o quee membranas mais permeáveis, o que leva a um aumento do sódioleva a um aumento do sódio intracelular e redução do potássio eintracelular e redução do potássio e magnésiomagnésio
  27. 27. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Tratamento Inicial – 2 a 7 diasTratamento Inicial – 2 a 7 dias Tratar ou prevenir hipoglicemia eTratar ou prevenir hipoglicemia e hipotermia (hipotermia (glicemia < 54 mg/dl eglicemia < 54 mg/dl e temperatura axilar < 35 ºCtemperatura axilar < 35 ºC)) Tratar ou prevenir desidratação /Tratar ou prevenir desidratação / choque e restaurar o equilíbriochoque e restaurar o equilíbrio eletrolíticoeletrolítico SRO – 1 pacote/2 L água + 50g sacaroseSRO – 1 pacote/2 L água + 50g sacarose SF 0,45% - 15 ml/Kg EV em 1hSF 0,45% - 15 ml/Kg EV em 1h Tratar choque sépticoTratar choque séptico
  28. 28. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Tratamento InicialTratamento Inicial Começar a alimentar a criança comComeçar a alimentar a criança com restrição de proteínas, gordura erestrição de proteínas, gordura e sódio, além de ricos em carboidratos,sódio, além de ricos em carboidratos, potássio e magnésio em pequenospotássio e magnésio em pequenos volumes e freqüentementevolumes e freqüentemente Proteínas de alto valor biológico –Proteínas de alto valor biológico – 1 a1 a 2g/Kg/dia2g/Kg/dia Calorias –Calorias – 80 a 100 cal/Kg/dia80 a 100 cal/Kg/dia Alimentação por SNG se necessárioAlimentação por SNG se necessário
  29. 29. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Tratamento InicialTratamento Inicial Tratar infecçãoTratar infecção Identificar e tratar outros problemas,Identificar e tratar outros problemas, incluindo deficiência de vitaminas,incluindo deficiência de vitaminas, anemia severa, ICC, dermatoses ...anemia severa, ICC, dermatoses ...
  30. 30. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Tratamento ReabilitaçãoTratamento Reabilitação Aumentar a alimentação para recuperarAumentar a alimentação para recuperar o peso perdido (crescimento rápido)o peso perdido (crescimento rápido) Calorias: 150 a 200 cal/Kg/diaCalorias: 150 a 200 cal/Kg/dia Proteínas: 3 a 4g/Kg/diaProteínas: 3 a 4g/Kg/dia Estimular o desenvolvimento emocionalEstimular o desenvolvimento emocional e sensoriale sensorial
  31. 31. DesnutriçãoDesnutrição Protéico – EnergéticaProtéico – Energética Critérios para AltaCritérios para Alta Aceitação da dietaAceitação da dieta Ganho ponderalGanho ponderal Tratadas infecções e deficiênciasTratadas infecções e deficiências Capacitação da famíliaCapacitação da família

×