Successfully reported this slideshow.
HISTÓRIA                             O PERÍODO REGENCIAL                                                                es...
as, teve importância capital, a Revolta dos Malês.          3   Dentre os itens abaixo, assinale aquele que ex-Nestes dias...
relações entre seus agregados e as instâncias       públicas.    c) A Guarda Nacional era uma força repressiva       contr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Período Regencial

910 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Período Regencial

  1. 1. HISTÓRIA O PERÍODO REGENCIAL está foi a mais longa guerra civil de nossa história li-1. PRINCIPAIS FACÇÕES POLÍTICAS derada por Bento Gonçalves e Giusepe Garibaldi Entre a abdicação de D. Pedro I (1831) e a an- Enfim, em março de 1845, quando Davi Cana-tecipação da maioridade de D. Pedro II (1840) situ- barro e Caxias entraram em acordo, a rebelião dosou-se um dos períodos mais agitados de nossa farrapos estava superada. A concessão oficial foi e-história. O governo foi entregue aos regentes, que e- norme: anistia geral aos revoltosos; incorporação dosxerceram o poder no lugar do futuro D. Pedro II. Para soldados e oficiais ao Exército imperial em igual pos-o Brasil, este fato equivaleu a uma verdadeira “expe- to, exceto o de general; devolução das terras confis-riência republicana”. Nesse período, 3 grupos políti- cadas, além do aumento dos impostos sobre ocos se formaram em defesa dos interesses das elites, charque platino.quais foram: Cabanagem Os restauradores: agrupados em torno da A Cabanagem foi precedida de uma série de Sociedade Conservadora, mais tarde Socie- revoltas que agitaram o Grão-Pará desde a época da dade Militar, da qual faziam parte os An- independência. As razões que motivaram a revolução dradas, representavam a tendência ultra- dos cabanos foram praticamente as mesmas que de- reacionária. Na verdade, constituíam uma ram origem a tantas outras revoltas sociais ocorridas força política secundária, limitando-se a de- em diferentes províncias: fome, miséria, escravidão e fender o retorno e a restauração de D. Pedro latifúndio. I, composto quase que exclusivamente por Mais uma vez, formava-se no Grão-Pará um portugueses. governo popular. Esse governo, presidido por Eduar- Os exaltados, agrupados em torno da Soci- do Angelim, não tinha porém condições de atender edade Federalista, defendiam maior auto- aos anseios da população. Em face da ameaça de uma nomia provincial; o fim do voto censitário; poderosa força militar e de uma grande esquadra en- o fim do conselho de estado e do Senado viada pelo governo do Rio de Janeiro, os rebeldes a- vitalício; não raro, alguns deles eram fran- bandonaram a capital e foram para o interior, onde camente republicanos. Expressavam as as- resistiram até 1839. Foram finalmente massacrados; a pirações das camadas urbanas e eram mais “pacificação” da província, em 1840, se fez em cima representativos no sul do país destacando a da crueldade assassina. Saldo: 40.000 cabanos mortos defesa dos interessse da indústria do char- numa província cuja população, antes do conflito, que não chegava a 100 mil habitantes. Os moderados: monarquistas defensores da Sabinada hereditariedade de D. Pedro; conseguiram o Ao contrário do caráter verdadeiramente popu- poder político utilizando os exaltados como lar da Cabanagem, a Sabinada foi uma revolta que fi- massa de manobra, representavam a grande cou restrita às camadas médias urbanas de Salvador e maioria de elite no Brasil. Defendiam a a algumas tropas militares baianas. monarquia escravista e estavam dispostos a Balaiada permitir reformas políticas que não afetas- Ao latifúndio improdutivo, gerador de dispari- sem seus privilégios e exclusivismo políti- dades sociais, somava-se a escravidão e a queda das co. exportações do algodão - principal produto de expor-Farroupilha tação do Maranhão desde a segunda metade do sécu- Do ponto de vista da economia agroexportado- lo XVIII -, que sofria a concorrência da produçãora, que tudo subordinava aos seus objetivos, a pecuá- norte-americana nos mercados internacinais.ria rio-grandense era, naturalmente, um setor que não Embora a pauta de reivindicações não fossepodia ambicionar grandes lucros, pois estava impedi- precedida por uma pregação ideológica e tampoucoda de onerar o setor principal da economia, cujos tenham sido traçados objetivos claros, a luta levoupreços deveriam se manter competitivos no mercado todos os mestiços, todas as castas oprimidas, todos osinternacional. Por essa razão, as províncias do Norte resíduos humanos espalhados pelas perseguições ounão hesitavam em importar o charque produzido nas acossados pelas violências dos poderes públicos ouregiões platinas com baixos direitos aduaneiros. dos senhores de engenho. A solução para a crise da empresa do charque, A Revolta dos Malêsencaminhada pela elite agrária foi a guerra de separa- A Bahia também foi palco de uma rebelião deção e independência em relação ao estado brasileiro escravos, que, embora tenha durado somente dois di-Editora Exato 27
  2. 2. as, teve importância capital, a Revolta dos Malês. 3 Dentre os itens abaixo, assinale aquele que ex-Nestes dias, os escravos de origem malê, de religião pressa CORRETAMENTE uma característica domuçulmana, se rebelaram contra a pressão dos senho- Brasil, na primeira metade do século XIX:res brancos. a) Em 1824, foi promulgada a primeira constitui- Durante 24 horas, a cidade de Salvador viveu ção brasileira, cuja característica principal foi ahoras de extrema tensão. Desarmados, os escravos instituição dos três poderes e nos leva a perce-foram dominados com facilidade e a repressão foi vi- ber o caráter descentralizador do governo deolenta tanto durante o conflito, que vitimou 70 ne- D. Pedro I.gros, quanto após, quando 500 negros receberam b) O período regencial foi marcado por várias re-castigos que variavam do açoite até a pena de morte. voltas, que acabaram desestabilizando a vida política daquela época. Os liberais aproveita- ESTUDO DIRIGIDO ram tal motivo para articular a posse de D. Pe- dro II como imperador, alegando que só a1 Cite as facções políticas que caracterizaram o figura rei, com poderes plenos, poderia “paci- quadro político brasileiro no período regencial. ficar” o país e fazer voltar a estabilidade. c) No período regencial foi criada a Guarda Na- cional, com o objetivo de proteger, juntamente com o exército, as propriedades dos barões do café das possíveis fugas de escravos descon- tentes.2 Que motivo fez com que os estancieiros do Sul d) Ocorreram várias revoltas (Farroupilha, Caba- organizassem uma revolta contra o governo? nagem, Balaiada) todas de caráter popular e bem organizadas, que acabaram levando os re- gentes a reverem algumas posturas políticas chegando até mesmo a conceder mais autono- mia às províncias para tentar conter os ânimos dos rebelados.3 Explique a razão que considera o período regen- cial como uma fase republicana. 4 “Quantas revoluções já houve no Brasil? Uma porção, desde a Proclamação da República, e ele continua de pé. A base é o chefe local, o “coro- nel” que manda seus eleitores votarem contra ou a favor de determinado candidato. O coronel é o homem que comanda a Guarda Nacional, porque ele é quem elege os homens que a fazem. E o co- EXERCÍCIOS ronel não é um homem atrasado e imbecil como se afirma. Todo mundo pensa que o sujeito vai1 Entre as revoltas que se iniciaram no Período para o “curral eleitoral” à força. Não, ele vai por- Regencial, a única que teve suas reivindicações que quer. [...]”. atendidas foi: (José Bonifácio Andrade, publicado em O Estado a) a Sabinada. de São Paulo, de 16 de Março de 1980.) b) a Balaiada. O texto se refere a um personagem bastante c) a Revolução Farroupilha. comum na política nacional, o coronel, desde os tem- d) a Cabanagem. pos do Império até os dias de hoje. A respeito do co- ronelismo e com base no texto acima, assinale a ÚNICA alternativa INCORRETA:2 Dentre as modificações ocorridas na Regência a) Na sua origem, o posto do coronel era ocupado Trina Permanente, a que contribuiu para uma cer- pelos principais proprietários rurais que ingres- ta descentralização político-administrativa foi: saram na Guarda Nacional, criada no período a) a aprovação do Ato Adicional. regencial, com objetivo inicial de conter as vá- b) a criação a Guarda Nacional. rias rebeliões ocorridas naquela época. c) a outorga da Constituição Imperial. b) Diante da fragilidade das instituições públicas, d) a promulgação do Primeiro Código Civil. o coronel assume funções que deveriam ser de atribuição do Estado. Questões de justiça, elei- ções e benefícios públicos tornavam-se atribu- tos dos coronéis que intermediavam asEditora Exato 28
  3. 3. relações entre seus agregados e as instâncias públicas. c) A Guarda Nacional era uma força repressiva contra revoltas de grupos sociais descontentes. Aos poucos a patente de coronel deixou de vincular-se ao exército militar e passou a ser empregada para distingüir os principais líderes políticos de cada centro urbano, que, articula- dos entre si, agem com total autonomia, des- vinculados do governo federal. d) O coronelismo articulava a política brasileira durante a República Velha. Mas podemos a- firmar que muitas das características da ação dos coronéis ainda estão presentes na política brasileira nos dias de hoje como, por exemplo, a ligação entre o poder público e o interesse privado e a influência de determinados chefes políticos sobre os eleitores de algumas regiões. GABARITOEstudo Dirigido1 Os restauradores; os moderados e os exaltados.2 A concorrência comercial e a autonomia admi- nistrativa.3 Devido ao exercício do poder de forma descen- tralizada, assumido por regentes durante a meno- ridade de D. Pedro II.Exercícios1 C2 A3 B4 DEditora Exato 29

×