VERSÃO DO PROFESSOR
D I S C I P L I N A

Didática e o Ensino de Geografia

A interdisciplinaridade no ensino de
Geografia ...
Governo Federal
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva
Ministro da Educação
Fernando Haddad
Secretário de Educa...
Apresentação

A

pedagogia de projetos, embora não seja novidade, está sendo usada a partir de
uma nova perspectiva diante...
A origem e os fundamentos
dos projetos pedagógicos
John Dewey
John Dewey –1859-1952)
um dos fundadores
da escola filosófic...
projetos a partir de uma perspectiva influenciada pela globalização e os novos paradigmas
da sociedade informacional. Hern...
Estou no caminho certo?
A partir desta perspectiva do desenvolvimento da aprendizagem, é correto
relacionar o conceito de ...
Em Vygotsky a mediação pedagógica é realizada através de uma pessoa,
“conseqüentemente, é clara a importância do trabalho ...
Atividade 2

sua resposta

A Geografia como ciência, é por sua própria concepção epistemológica,
interdisciplinar já que r...
A fundamentação
dos projetos de trabalho

O

s Projetos de Trabalho contribuem para uma resignificação dos espaços de
apre...
3. Configura-se a partir da previsão dos professores de uma estrutura lógica e seqüencial
dos conteúdos numa ordem que fac...
Como elaborar
um projeto de trabalho

O

primeiro passo é a escolha do tema. Ele pode surgir de uma dúvida, uma curiosidad...
desde cedo, desenvolvendo nos alunos a estrutura básica para a realização de qualquer
experimento científico. Observe o de...
sua resposta
O comportamento dos alunos também deve ser diferenciado durante o processo de
realização dos projetos, eles s...
Sugestões de projetos
integradores em geografia

C

omo já mencionamos aqui, a Geografia, enquanto ciência, já apresenta e...
Projeto mundo oriental
Ano: 9°

Objetivos

Conhecer os aspectos culturais dos países asiáticos,
resgatando sua história, c...
Atividade 5
Depois de trabalhar os fundamentos da pedagogia de projetos e conhecer
alguns exemplos, você pode agora elabor...
Concluindo o percurso

A

pedagogia de projetos proposta nesta aula está estruturada em uma nova
leitura dos projetos, a p...
Resumo
A pedagogia de projetos é uma forma diferenciada de trabalhar os conteúdos
em sala de aula, na perspectiva de uma n...
HERNÁNDEZ, F. Transgressão e Mudança na Educação: Os Projetos de Trabalho. Porto
Alegre, Artes Médicas, 1998.
HERNÁNDEZ, F...
Anotações

18

Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
Anotações

Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia

19
Anotações

20

Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
Didática e o Ensino de Geografia – GEOGRAFIA

EMENTA
Análise dos documentos necessários à organização do ensino; fundament...
Didaticgeoaula6
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Didaticgeoaula6

798 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
798
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Didaticgeoaula6

  1. 1. VERSÃO DO PROFESSOR D I S C I P L I N A Didática e o Ensino de Geografia A interdisciplinaridade no ensino de Geografia e a pedagogia de projetos Autoras Sônia de Almeida Pimenta Ana Beatriz Gomes Carvalho aula 06 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: ___/___/___ Nome:_______________________________________
  2. 2. Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância – SEED Carlos Eduardo Bielschowsky Universidade Federal do Rio Grande do Norte Universidade Estadual da Paraíba Reitor José Ivonildo do Rêgo Reitora Marlene Alves Sousa Luna Vice-Reitora Ângela Maria Paiva Cruz Vice-Reitor Aldo Bezerra Maciel Secretária de Educação a Distância Vera Lúcia do Amaral Coordenadora Institucional de Programas Especiais - CIPE Eliane de Moura Silva Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Diagramadores Ivana Lima (UFRN) Johann Jean Evangelista de Melo (UFRN) Mariana Araújo (UFRN) Vitor Gomes Pimentel Projeto Gráfico Ivana Lima (UFRN) Revisora Tipográfica Nouraide Queiroz (UFRN) Revisora de Estrutura e Linguagem Rossana Delmar de Lima Arcoverde (UFCG) Ilustradora Carolina Costa (UFRN) Revisora de Língua Portuguesa Maria Divanira de Lima Arcoverde (UEPB) Editoração de Imagens Adauto Harley (UFRN) Carolina Costa (UFRN) Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central - UEPB 372.891 P644d    Pimenta, Sônia de Almeida.    Didática e o ensino de geografia / Sônia de Almeida Pimenta; Ana Beatriz Gomes Carvalho. – Campina Grande: EDUEP, 2008.    244 p. ISBN 978-85-7879-014-1 1. Geografia – Estudo e Ensino. I. Carvalho, Ana Beatriz Gomes. II. Título. 21. ed. CDD Copyright © 2008  Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da UEPB - Universidade Estadual da Paraíba.
  3. 3. Apresentação A pedagogia de projetos, embora não seja novidade, está sendo usada a partir de uma nova perspectiva diante da globalização e seus impactos na educação. Vamos apresentar as possibilidades do uso da pedagogia de projetos no ensino de Geografia, com foco na interdisciplinaridade. Você conhecerá o contexto e a proposta mais recente de utilização de projetos na organização do currículo, propiciando uma aprendizagem significativa e contextualizada. Para o melhor aproveitamento desta aula, sugerimos que você resgate os conceitos sobre a metodologia de trabalho da disciplina Metodologia Científica e realize as atividades propostas durante a sua leitura. Objetivos Ao final desta aula, esperamos que você: 1 2 3 4 Conheça os fundamentos da pedagogia de projetos; Identifique os procedimentos para a estruturação de um trabalho por projetos; Conheça os conceitos de aprendizagem significativa e interdisciplinaridade; Compreenda as possibilidades de interdisciplinaridade no ensino de Geografia. Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  4. 4. A origem e os fundamentos dos projetos pedagógicos John Dewey John Dewey –1859-1952) um dos fundadores da escola filosófica de Pragmatismo e representante principal do movimento da educação progressiva norte- americana. Concebia o conhecimento e o seu desenvolvimento como um processo social- integrando os conceitos de sociedade e indivíduo. Para ele, o indivíduo somente passa a ser um conceito significante quando considerado parte inerente de sua sociedade – enquanto esta nenhum significado possui, se for considerada à parte, longe da participação de seus membros individuais. William Kilpatrick William Kilpatrick (1871- 1965) é provavelmente, a seguir a John Dewey, o grande filósofo do movimento educacional e curricular progressista ‘norteamericano’ na primeira metade do século XX. Foi professor do Ensino Básico, de Matemática e Latim, e veio a mergulhar no campo da educação e dos estudos do currículo. 2 A idéia de desenvolver projetos pedagógicos em sala de aula não é exatamente uma novidade. Em 1918, o professor John Dewey já defendia a idéia de uma pedagogia aberta a partir das aprendizagens concretas e significativas. Mais tarde, o professor Kilpatrick desenvolveu uma proposta de trabalho por projetos como método educativo. Este método caracteriza-se por partir de problemas reais, do cotidiano do aluno. As atividades escolares são elaboradas através de projetos, classificados em quatro grupos: a) de produção, no qual se produzia algo; b) de consumo, no qual se aprendia a utilizar algo já produzido; c) para resolver um problema e d) para aperfeiçoar uma técnica. Estou no caminho certo? A proposta de projetos não é semelhante ao centro de interesse ou temas geradores utilizados na educação infantil? Não seria o mesmo princípio? A Escola Nova trouxe a idéia de método de projetos como contraponto aos métodos da escola tradicional proposta por Anísio Teixeira e Lourenço Filho. Embora remeta aos centros de interesse, a proposta de projetos é diferenciada porque o foco não é a aprendizagem por descoberta, mas sim, através da aprendizagem significativa, como veremos a seguir. Estas idéias foram (re)elaboradas por educadores de diversas localidades do mundo. Nesta aula, vamos focar as experiências do professor Fernando Hernández em Barcelona, que detalhou em seu livro “A Organização do Currículo por Projetos de Trabalho” (publicado em 1996), sua vivência ao implementar a proposta de projetos em uma escola da Educação Básica. Estas idéias são particularmente interessantes, porque retomam a pedagogia de Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia  
  5. 5. projetos a partir de uma perspectiva influenciada pela globalização e os novos paradigmas da sociedade informacional. Hernández e Ventura (1998) usam a expressão pedagogia de projetos, também utilizada pela francesa Josette Jolibert do Instituto Nacional de Pesquisas Pedagógicas da França (INRP), referindo-se aos princípios teóricos que norteiam a aprendizagem tendo como ponto de partida a pesquisa. Na justificativa para a implantação dos projetos na escola de Educação Básica, Hernández traça um panorama das demandas do mundo globalizado e a necessidade de dinamizar o currículo para tornar a aprendizagem mais interessante para os alunos, contextualizando os conteúdos e tornando o processo realmente significativo para o aluno. A aprendizagem significativa e interdisciplinaridade L ev Vygotsky contribuiu para uma nova compreensão entre aprendizagem e desenvolvimento na perspectiva histórico-cultural. Para Vygotski, o processo de construção do indivíduo começa biologicamente, ele não nega a importância da biologia (ao resgatar a filogênese – história biológica, e a ontogênese –história do homem). As duas linhas aparecem com o nascimento do indivíduo até se cruzarem e a linha biológica vai desaparecendo, predominando a linha cultural. O desenvolvimento cultural supera a condição biológica rapidamente. A relação entre os objetos do mundo e o desenvolvimento da consciência é a mediação. Para ele, o conhecimento primeiro está fora do sujeito, é na interação e relação entre o sujeito e os outros sociais que você vai internalizar os conceitos acerca do mundo. O conhecimento vai do social para o individual. No processo de internalização, por meio das trocas sociais, ela reconstrói os conceitos do mundo, ao mesmo tempo, atuando e sendo influenciada pelo outro. Lev Vygotsky Psicólogo russo descoberto nos meios acadêmicos ocidentais depois da sua morte, aos 37 anos. Pensador importante, foi pioneiro na noção de que o desenvolvimento intelectual das crianças ocorre em função das interações sociais (e condições de vida). Vygostky propõe o conceito de Zonas de Desenvolvimento Proximal (as ZDP) e afirma que o desenvolvimento real é a capacidade de resolver problemas sozinho, o desenvolvimento proximal é a solução dos problemas com ajuda de outro. Os processos avaliativos só consideram o desenvolvimento real, o proximal que se refere às possibilidades de aprendizagem potenciais do sujeito. O professor é uma figura fundamental neste processo de desenvolvimento. Ele é um mediador da construção da aprendizagem potencial e cabe a ele ser um sistematizador do conhecimento. Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  6. 6. Estou no caminho certo? A partir desta perspectiva do desenvolvimento da aprendizagem, é correto relacionar o conceito de Zonas de Desenvolvimento Proximal com a possibilidade de uma aprendizagem colaborativa, já que a aprendizagem, em última análise, depende do outro? Vygostky (1993) afirma que a aprendizagem se realiza sempre em um contexto de interação, através da internalização de instrumentos e signos levando a uma apropriação do conhecimento. Esse processo promove a aprendizagem que precede o desenvolvimento. Ao compreender desta forma as relações entre aprendizagem e desenvolvimento Vygostky confere uma grande importância à escola (lugar da aprendizagem e da produção de conceitos científicos); ao professor (mediador desta aprendizagem); às relações interpessoais (através das quais este processo se completa). A aprendizagem é um processo de construção compartilhada, uma construção social. Atividade 1 Estabeleça uma relação entre a importância das trocas sociais para a construção de conceitos e a proposta de Vygotsky sobre a Zona de Desenvolvimento Proximal, com foco na necessidade de ajuda do outro (colega, professor, orientador) para a concretização das etapas de aprendizagem. 4 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia  
  7. 7. Em Vygotsky a mediação pedagógica é realizada através de uma pessoa, “conseqüentemente, é clara a importância do trabalho dos professores na hora de estimular essa zona de desenvolvimento proximal, selecionando experiências de aprendizagem baseadas nos conhecimentos já assimilados pelos seus alunos e aproveitando seus conceitos espontâneos” (SANTOMÉ, 1998, p. 40). Ainda segundo este autor, a aprendizagem significativa ocorre quando as novas informações e conhecimentos podem relacionar-se de uma maneira estruturada com o que a pessoa já sabe, implicando em que os alunos devem possuir algumas idéias, teorias ou conhecimento experiencial, relacionados com o conteúdo apresentado. Neste sentido, o trabalho com projetos possibilita o desenvolvimento de todas estas estruturas e promove a interdisciplinaridade uma preocupação reforçada pela aplicabilidade do conhecimento. Aprendizagem significativa aprendizagem significativa ou aprendizagem que adianta o desenvolvimento humano Podemos afirmar que o aumento na complexidade dos problemas enfrentados pelas sociedades modernas e a preocupação com a aplicabilidade do conhecimento, saber fazer e para que, acirraram os questionamentos sobre a política de fragmentação disciplinar. Esta fragmentação foi resultado do positivismo e da racionalidade científica, que impôs metodologias de pesquisa e legitimação do conhecimento, favorecendo o reducionismo. Filosoficamente, a interdisciplinaridade está associada ao enfrentamento de problemas que preocupam toda a sociedade e exige um papel de negociação entre todas as pessoas que participam do processo de trabalho para debater as questões conceituais, metodológicas e ideológicas. O quadro a seguir foi desenvolvido a partir da proposta de flexibilidade que devem estar presentes em qualquer intervenção interdisciplinar (SANTOMÉ, 1998, p. 65). Fase Ação Elementos Os conhecimentos necessários, modelos, tradições e bibliografia. Desenvolver Um marco integrador e as questões a serem pesquisadas. Os estudos ou pesquisas concretas que devem ser empreendidos. Reunir Todos os conhecimentos atuais e buscar novas informações. Resolver Os conflitos entre as diferentes disciplinas implicadas, trabalhando com um vocabulário comum e em equipe. E manter a comunicação através de encontros, intercâmbios, interações freqüentes etc). Comparar Desenvolvimento Determinar Construir Conclusão O problema (interrogação, questão, tópico). Especificar Introdução Definir Todas as contribuições e valiar sua adequação, relevância e adaptabilidade. Integrar Os dados obtidos individualmente para determinar um modelo coerente e relevante. Ratificar Ou não, a solução ou resposta oferecida. Decidir Sobre o futuro da tarefa, vem como sobre a equipe de trabalho. Fonte: Adaptação do texto de Klein, apud Santomé (1998, p. 65). Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  8. 8. Atividade 2 sua resposta A Geografia como ciência, é por sua própria concepção epistemológica, interdisciplinar já que reúne conhecimentos de diferentes ciências como Economia, Geologia, Climatologia, Estatística, Sociologia, entre tantas outras. Neste aspecto, encontraríamos muito mais facilidade de trabalhar de forma interdisciplinar do que em outras ciências. Enumere aqui os conteúdos obrigatórios da Educação Básica que são também trabalhados por outras disciplinas (às vezes até mesmo simultaneamente) e os problemas provocados por esta superposição na aprendizagem dos alunos. Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  9. 9. A fundamentação dos projetos de trabalho O s Projetos de Trabalho contribuem para uma resignificação dos espaços de aprendizagem de tal forma que eles se voltem para a formação de sujeitos ativos, reflexivos, atuantes e participantes (HERNÁNDEZ, 1998). É uma proposta de intervenção pedagógica com o objetivo de desenvolver um novo conhecimento, diante de uma situação problema, cuja resolução será conduzida a partir da pesquisa. Um projeto gera situações de aprendizagem ao mesmo tempo, reais e diversificadas, permitindo que os alunos decidam, opinam, participem da construção do conhecimento, com autonomia no papel de sujeitos de sua própria aprendizagem. Segundo Abrantes (1995, p. 62), os projetos apresentam as seguintes características: 1. Um projeto é uma atividade intencional com objetivos formulados pelos autores e executores; 2. Um projeto requer responsabilidade e autonomia dos alunos como condição essencial. Os alunos são co-responsáveis pelo trabalho e pelas escolhas ao longo do desenvolvimento do projeto. 3. A autenticidade é uma característica fundamental de um projeto: o problema a resolver é relevante e tem caráter real para os alunos. Não se trata de mera reprodução de conteúdos prontos. 4. Um projeto envolve complexidade e resolução de problemas. O objetivo central do projeto constitui um problema ou uma fonte geradora de problemas, que exige investigação para sua resolução. 5. Um projeto tem etapas, percorre várias fases: escolha do objetivo central e formulação dos problemas, planejamento, execução, avaliação, divulgação do trabalho. Hernández (1998) propõe uma organização curricular a partir de Projetos de Trabalho que estão fundamentadas em bases teóricas que apresentam uma estrutura cogniscitiva com um problema eixo, vinculado as diferentes informações que confluem em um tema para facilitar o estudo e a compreensão por parte dos alunos. São elas: 1. Um sentido de aprendizagem significativa que possa ser conectado com o conhecimento anterior dos alunos; 2. Tem como principio básico a articulação e uma atitude favorável para o conhecimento; Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  10. 10. 3. Configura-se a partir da previsão dos professores de uma estrutura lógica e seqüencial dos conteúdos numa ordem que facilite a sua compreensão (observando-se que esta estrutura é um ponto de partida e poderá ser modificada na interação com os alunos); 4. Apresenta um sentido de funcionalidade do que se deve aprender, os procedimentos e as estratégias organizativas estão relacionados com os problemas abordados; 5. Valoriza-se a memorização compreensiva de aspectos da informação como base para estabelecer novas aprendizagens e relações; 6. A avaliação trata da análise do processo seguido ao longo de toda a seqüência e das inter-relações criadas na aprendizagem. Atividade 3 sua resposta Compare os elementos que compõem um projeto segundo Hernández e Ventura e a proposta de intervenção interdisciplinar de Santomé esquematizada no quadro. Quais elementos você considera comuns entre as duas propostas? Podemos afirmar que elas se complementam? Por quê? Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  11. 11. Como elaborar um projeto de trabalho O primeiro passo é a escolha do tema. Ele pode surgir de uma dúvida, uma curiosidade ou um material trazido por algum aluno para a sala de aula, ou até mesmo de uma experiência particular vivida por algum aluno (por exemplo, uma viagem, uma doença, a chegada de um aluno de outra cidade ou país). O tema deverá necessariamente, ser discutido com o grupo sobre a sua relevância e as etapas necessárias para o desenvolvimento da aprendizagem. É importante que a escolha do tema não seja aleatória ou alijada do processo de conhecimento precedente ou contextualizado ao trabalho realizado. Não existem temas que não possam ser abordados através dos projetos, seu sucesso dependerá da condução do processo. Após a escolha do tema, caberá ao professor realizar as seguintes atividades (HERNÁNDEZ E VENTURA, 1998, p. 68): 1. Especificar qual será o motor do conhecimento, o fio condutor que permitirá que o projeto vá além dos aspectos informativos ou instrumentais imediatos e possa ser aplicado a outros temas e problemas. 2. Realizar uma primeira previsão dos conteúdos (conceituais e procedimentais) e as atividades, encontrando as primeiras fontes de informação que permitam iniciar e desenvolver o projeto. 3. Estudar e atualizar as informações em torno do tema ou problema escolhido, trazendo novidades, paradoxos e desafios para os alunos. 4. Criar um clima de envolvimento e comprometimento no grupo, reforçando a importância do trabalho em equipe e estruturando o desenvolvimento de uma aprendizagem colaborativa. 5. Fazer uma previsão dos recursos e estratégias necessárias para o desenvolvimento do projeto. 6. Planejar o desenvolvimento do projeto sobre a base de uma seqüência de avaliação, considerando a inicial (o que os alunos sabem sobre o tema quais sãos as suas hipóteses e referências de aprendizagem) e a formativa (o que estão aprendendo como estão acompanhando o projeto). Um projeto de trabalho realizado em uma sala de aula requer os mesmos elementos de um projeto apresentado em qualquer curso de graduação ou pós-graduação, ele deve ter uma introdução, justificativa, objetivo, metodologia, fundamentação, cronograma, avaliação e conclusão. Este exercício é bastante interessante para a internalização destes elementos Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  12. 12. desde cedo, desenvolvendo nos alunos a estrutura básica para a realização de qualquer experimento científico. Observe o detalhamento destes itens como um roteiro de elaboração de projetos: 1. Tema ou título (escolhido pelo grupo, é o centro do projeto); 2. Justificativa (por que estamos realizando este estudo, qual é a relevância desta pesquisa e o que ela nos impactará?) 3. Objetivos do projeto (para que estamos realizando esta pesquisa, onde queremos chegar?). 4. Metodologia (quais são as etapas para o desenvolvimento da pesquisa, quais os caminhos que vamos escolher, quais os critérios e procedimentos, ou seja, como realizar a pesquisa proposta). 5. Fundamentação (critérios de seleção das referências bibliográficas que sustentarão a pesquisa, definição das fontes). 6. Cronograma (quanto tempo este projeto levará, quais são as etapas e sua duração). 7. Avaliação (como será a avaliação, atividades, seminários, apresentações, etc. é importante que o critério de avaliação seja definido antes e não durante a realização do projeto). 8. Conclusão (quais foram as novas descobertas, as impressões, as dificuldades na realização do projeto, aqui é o fechamento do processo e pode incluir aqui uma autoavaliação). Atividade 4 Considerando o que você já viu até aqui sobre o desenvolvimento de projetos de trabalho, faça uma relação dos temas que poderiam ser organizados na perspectiva da pedagogia de projetos com seus respectivos objetivos. 10 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  13. 13. sua resposta O comportamento dos alunos também deve ser diferenciado durante o processo de realização dos projetos, eles são co-autores do processo. Depois da escolha do tema, os alunos também deverão realizar seu próprio percurso na condução do projeto, considerando uma avaliação inicial (o que sabemos e o que precisamos saber sobre o assunto), busca de fontes e referências sobre o tema, organização dos conteúdos e distribuição das tarefas em grupo, tratamento das informações adquiridas considerando princípios de classificação e organização, compartilhamento, socialização e apresentação do conhecimento adquirido, auto-avaliação. Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia 11
  14. 14. Sugestões de projetos integradores em geografia C omo já mencionamos aqui, a Geografia, enquanto ciência, já apresenta em sua própria estruturação um diálogo intenso como outras disciplinas, que se constituem como base do pensamento geográfico. Por outro lado, a influência do positivismo pode ser observada na fragmentação de seu currículo na educação básica, compartimentando o conhecimento e desestruturando as possibilidades de uma ação interdisciplinar, transversal e integradora. O trabalho com projetos permite a superação destes obstáculos, através de uma ação agregadora dos temas que compõem o currículo básico. Aqui, vamos sugerir alguns projetos que já foram realizados em sala de aula e podem ser reproduzidos, aprofundando o debate sobre os temas e fomentando a pesquisa, a investigação e o senso crítico dos nossos alunos. Projeto dinossauros Ano: 6° Tema: A Extinção dos Dinossauros Conteúdos A Pangéia, teoria da deriva continental, era do gelo, formação da Terra, teorias de extinção dos dinossauros e mudanças climáticas Objetivos Conhecer as diferentes teorias de extinção dos dinossauros, identificar as espécies e sua forma de alimentação, traçar um panorama das características físicas da Terra e suas mudanças ao longo do período, identificar as eras geológicas e sua relação com o aparecimento do homem. Metodologia Revisão da literatura existente sobre o tema para a faixa etária, filmes científicos e desenhos animados, quadrinhos, construção de maquetes e elaboração de desenhos pelos alunos. Cronograma Doze semanas (duas semanas para introduzir o tema e levantar questões, quatro semanas para o levantamento de informações, três semanas para a construção de maquetes, modelos e desenhos, duas semanas de apresentação dos trabalhos e uma semana de avaliação. Avaliação Apresentação dos seminários, exposição das maquetes e desenhos, trabalho escrito dos grupos sobre o tema. Conclusão Registro dos processos, procedimentos e resultados do projeto. Conclusão Desenvolvimento Introdução Justificativa Nesta faixa etária, as crianças estão interessadas em animais diferentes e os dinossauros parecem exercer um fascínio sobre eles. O conteúdo deste segmento é bastante abstrato, e o desenvolvimento de um projeto com um elemento motivador favorece a compreensão sobre os demais elementos que queremos trabalhar. 12 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  15. 15. Projeto mundo oriental Ano: 9° Objetivos Conhecer os aspectos culturais dos países asiáticos, resgatando sua história, cultura, idioma, paisagem relacionando-os com as questões econômicas e políticas. Desenvolvimento Aspectos econômicos, políticos e físicos dos países asiáticos, especificamente, Japão, China e Tigres Asiáticos. A introdução de aspectos da cultura oriental apresenta uma certa dificuldade de assimilação em função da diversidade Justificativa cultural, religiosa, étnica e histórica. A investigação a partir dos aspectos culturais, mobilizados pela curiosidade dos alunos, propiciará uma discussão rica sobre o assunto. Metodologia Levantamento de informações sobre o tema, reprodução de vestimentas, comida, objetos relacionados com a cultura oriental. Cronograma Oito semanas (duas semanas para introduzir o tema e levantar questões, quatro semanas para o levantamento de informações, uma semana para apresentação dos trabalhos e uma semana de avaliação. Conclusão Introdução Conteúdos Tema: A Cultura Oriental Avaliação Conclusão Apresentação dos seminários, exposição dos materiais e confecção e degustação dos alimentos. Registro dos processos, procedimentos e resultados do projeto. Projeto ponto de vista Orientação, diferentes perspectivas dos objetos, embaixo, em cima, desenhos, mapas, cartas, escalas e legendas. Introdução Conteúdos Justificativa Desenvolvimento Tema: Orientação, Percepção, Perspectiva e Cartografia Metodologia Conclusão Ano: 7° Avaliação Objetivos Cronograma Conclusão A construção dos fundamentos da orientação e a percepção dos objetos em perspectiva é uma das grandes dificuldades com estes conteúdos que estão relacionados com a geometria e educação artística. Construir as bases de orientação, através da percepção artística e geométrica, introduzindo conceitos da cartografia e as relações entre o real e a reprodução no papel. Desenvolvimento de atividades e oficinas práticas, orientação corporal, percepção de cores, distância e representações. Apresentação de mapas, cartas e desenhos para elaboração da percepção e orientação. Exposição de desenhos, maquetes e modelagens construídas pelos alunos. Doze semanas (duas semanas para introduzir o tema e levantar questões, quatro semanas para o levantamento de informações, três semanas para a construção de maquetes, modelos e desenhos, duas semanas de apresentação dos trabalhos e uma semana de avaliação. Apresentação dos seminários, exposição das maquetes e desenhos, trabalho escrito dos grupos sobre o tema. Registro dos processos, procedimentos e resultados do projeto. Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia 13
  16. 16. Atividade 5 Depois de trabalhar os fundamentos da pedagogia de projetos e conhecer alguns exemplos, você pode agora elaborar seu próprio projeto, organizando sua proposta em etapas. Bom trabalho! Ano: Tema: Conteúdos Introdução Justificativa Desenvolvimento Objetivos Metodologia Cronograma Conclusão Avaliação Conclusão 4 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia  
  17. 17. Concluindo o percurso A pedagogia de projetos proposta nesta aula está estruturada em uma nova leitura dos projetos, a partir da proposta de Hernández e Ventura. Esta proposta permite a construção de uma proposta curricular integrada, onde aspectos como interdisciplinaridade e aprendizagem significativa sejam os elementos norteadores de todo o processo de construção da aprendizagem. As sugestões de projetos apresentadas nesta aula apontam para a construção de inúmeros caminhos possíveis, já que a Geografia por sua característica interdisciplinar permite a realização de diversos experimentos, cada qual mais interessante, investigativo e motivador para os alunos da Educação Básica. Leituras complementares MARTINS. J.S. O Trabalho com Projetos de Pesquisa. São Paulo: Papirus, 2006. Este livro apresenta uma proposta pedagógica baseada no princípio de que é fundamental mobilizar e envolver o aluno para que seu aprendizado seja significativo. O autor explica como utilizar atividades calcadas em projetos de trabalho escolar, integrando diversos conteúdos das disciplinas regulares e do cotidiano da comunidade. O professor pode estimular a iniciativa dos alunos por meio do trabalho em grupo, destinado a promover a interatividade e o espírito associativo, sementes da colaboração e da solidariedade. HERNÁNDEZ, F. Transgressão e Mudança na Educação: Os Projetos de Trabalho. Porto Alegre, Artes Médicas, 1998. Este livro é um convite à transgressão das amarras que impedem o indivíduo de pensar por si mesmo, de construir uma nova relação educativa baseada na colaboração em sala de aula, na escola e com a comunidade. Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia 15
  18. 18. Resumo A pedagogia de projetos é uma forma diferenciada de trabalhar os conteúdos em sala de aula, na perspectiva de uma nova organização do currículo. Embora não seja nova, esta proposta abarcou as mudanças provocadas com a globalização no final do século XX, buscando dinamizar e aprofundar as informações de forma interdisciplinar em contraponto com a organização fragmentada do conhecimento. A aprendizagem significativa e colaborativa, a partir dos pressupostos de Vygostsky propõe uma nova dimensão para o trabalho docente, uma estrutura de projetos de trabalho que desenvolvem a pesquisa, a investigação, a cooperação e a negociação entre o professor e os alunos e entre o próprio grupo. A Geografia, por seu viés interdisciplinar enquanto ciência possibilita o desenvolvimento de inúmeros arranjos para a organização de seu próprio currículo na Educação Básica. Auto-avaliação 1 2 Qual é a sua compreensão sobre os fundamentos a aplicabilidade dos projetos de trabalho em sala de aula? É possível estruturar um currículo integrado na perspectiva dos projetos no ensino de Geografia? Como você estruturaria seu trabalho? Referências ABRANTES, P. Trabalho de projetos e aprendizagem da matemática. In: Avaliação e Educação. Matemática, RJ: MEM/USU – GEPEM, 1995. Buck Institute for Education. Aprendizagem baseada em projetos: Guia para professores de ensino fundamental e médio. Porto Alegre, Artes Médicas, 2008. HERNÁNDEZ, F. VENTURA, M. A Organização dos Currículos por Projetos de Trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. 16 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  19. 19. HERNÁNDEZ, F. Transgressão e Mudança na Educação: Os Projetos de Trabalho. Porto Alegre, Artes Médicas, 1998. HERNÁNDEZ, F. Cultura Visual, Mudança Educativa e Projeto de Trabalho. Porto Alegre, Artes Médicas, 2000. SANTOMÉ, J. Globalização e Interdisciplinaridade: O Currículo Integrado. Porto Alegre, Artes Médicas, 1998. TEITELBAUM, K. APPLE, M. John Dewey. In: Currículo sem Fronteiras, v.1, n.2, pp. 194201, Jul/Dez 2001. Anotações Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia 17
  20. 20. Anotações 18 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  21. 21. Anotações Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia 19
  22. 22. Anotações 20 Aula 06  Didática e o Ensino de Geografia
  23. 23. Didática e o Ensino de Geografia – GEOGRAFIA EMENTA Análise dos documentos necessários à organização do ensino; fundamentação teórico-metodológica para a organização do trabalho docente; tendências atuais do ensino de geografia; a geografia e a interdisciplinaridade; a utilização de diferentes fontes de informações e linguagens e a prática docente em geografia; situações problemas e a prática de ensino em geografia. AUTORAS n  Sônia de Almeida Pimenta n  Ana Beatriz Gomes Carvalho AULAS Didática e a prática educativa 02 Elementos da didática: os diferentes métodos de ensino 03 Tendências no ensino de Geografia 04 A contribuição dos parâmetros curriculares para o ensino de Geografia 05 O ensino de Geografia, a multiculturalidade e as tecnologias de informação 06 A interdisciplinaridade no ensino de Geografia e a pedagogia de projetos 07 Elementos para o ensino de Geografia (orientação e representação cartográfica) 08 O planejamento na organização da prática pedagógica 09 Teorias e práticas sobre a avaliação 10 A construção de conceitos nos primeiros anos do ensino fundamental 11 Temas em geografia no ensino fundamental 12 Temas em geografia no ensino médio 15 2º Semestre de 2008 01

×