SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Um Passeio Pelo Mundo da Cerveja

@ Valentyn Volkov

Música: Ein Prosit der Gemütlichkeit (um brinde ao momento de alegria)
Cantam: Joe und die party singers

By Ney Deluiz
Ligue o Som
@ Ambev

Convido-os para um passeio pelo irresistível mundo da cerveja, começando pela sua origem, passando
por seus variados tipos e terminando com a descrição de cada etapa do seu processo de fabricação.
Cena de um banquete na Mesopotâmia, onde 2 homens bebem cerveja de canudo, vinda de um recipiente que está sobre uma mesinha.

A cerveja surgiu por acaso na Mesopotâmia há 5.000 anos, quando grãos de cevada molhada fermentaram ao
relento. Inclusive o Código de Hamurabi punia os taberneiros que enganassem os clientes e dava uma cota
diária de 2 litros para operários, 3 para funcionários públicos e 5 para administradores e o sumo sacerdote.
Uma refeição do Egito antigo, que normalmente incluía cerveja diariamente

No Egito, a cerveja era feita para ajudar quem não podia pagar o vinho e o Faraó Ramsés III passou
a ser conhecido como Faraó Cervejeiro por doar aos sacerdotes 1 milhão de litros das suas cervejarias.
Os vikings bebiam nos crâneos dos inimigos

Para os romanos, a cerveja era uma bebida menor diante do vinho e eles diziam que era bebida de bárbaros.
Já os vikings a bebiam nos crânios inimigos com o brinde (em sueco/norueguês/dinamarquês) Skål = caveira
@ Edward Von Grutzner - 1898

Na Idade Média, a cerveja era feita pelos monges, que usavam ervas para aromatizá-la. Era adocicada,
até que eles começaram a adicionar uma florzinha, o lúpulo, para dar a ela o amargor que conhecemos.
@ Pilsner Urquell

Mas no século XVIII tudo mudou. Até então as cervejas eram do tipo Ale, turvas e encorpadas, e na Baviera
eram armazenadas no verão em grutas nos Alpes: o lagering (lagern em alemão = armazenar). Só que, com o frio,
a cerveja sofria uma 2ª fermentação no fundo do barril, ficando mais leve. Assim surgiu a Cerveja Lager.
A loura gelada nasceu exatamente aqui, na hoje cervejaria da Pilsner Urquell, em Pilsen

@ Ney Deluiz

Melhor ainda aconteceu em 1842 em Pilsen, na Boêmia, República Tcheca, quando uma nova fórmula de lager
foi testada e resultou numa cerveja dourada e de espuma branca que conquistou o mundo: a Cerveja Pilsen.
Produção de Cervejas tipo Ale

Produção de Cervejas tipo Lager

Cervejas de alta fermentação
do tipo Ale (stout, porter, brown,
pale ale, wheat, etc) são
fermentadas na parte alta do tonel

Temperatura quente
Alta fermentação em tonéis abertos

Cervejas de baixa fermentação
do tipo Lager (pilsen, malzbier, bock,
oktoberfest, etc) são fermentadas
na parte baixa do tonel

Temperatura fria

Cerveja Ale

Cerveja Lager

A cerveja pilsen é apenas um dos tipos de cervejas Lager

Com o advento da tecnologia de refrigeração, a fermentação a frio no fundo dos tonéis passou a ser
o padrão, produzindo lagers dos mais variados tipos, como pilsens, malzbiers, bocks ou oktoberfests.
Lei da Pureza da Baviera
Proclamamos com este decreto, por Autoridade de nossa Província, que no
Ducado da Baviera, bem como no país, nas cidades e nos mercados, as
seguintes regras se aplicam à venda da cerveja:
Do dia de São Miguel (29 de Setembro) ao dia de São Jorge (23 de Abril), o
preço para um litro ou um copo não pode exceder o valor do pfennig de
Munique. Do dia de São Jorge (23/Abril) ao dia de São Miguel (29/Setembro),
o litro não será vendido por mais de dois pfennig do mesmo valor, e o copo não
mais de três Heller (Heller geralmente é meio pfennig).
Se isto não for cumprido, a punição indicada abaixo será administrada.
Se o cervejeiro tiver outra cerveja que não a cerveja do verão, não deve
vendê-la por mais de um pfennig por litro. Além disso, nós desejamos
enfatizar que no futuro em todas as cidades, nos mercados e no país,
os únicos ingredientes usados para a fabricação da cerveja devem ser
malte de cevada, lúpulo e água.
Qualquer um que negligenciar, desrespeitar ou transgredir estas
determinações, será punido pelas autoridades da corte, que
confiscarão tais barris de cerveja, sem falha.
Se, entretanto, um comerciante no país, na cidade ou nos mercados comprar
2 ou 3 barris da cerveja (que contém 60 litros) para revendê-los ao vendedor
comum, apenas para este será permitido acrescentar mais um Heller por Copo,
do que o mencionado acima. Além disso, deverá acrescentar um imposto e
aumentos subsequentes ao preço da cevada (considerando também que os
tempos da colheita diferem, devido à localização das plantações).
Nós, o Ducado da Baviera, teremos o direito de fazer apreensões para o bem
de todos os interessados. Ass. Guilherme IV Duque da Baviera

Cerveja na Baviera é um assunto tão sério que em 1516, Guilherme IV, Duque da Baviera, promulgou uma lei
chamada Lei da Pureza da Baviera, pela qual as cervejas só poderiam usar água, malte de cevada e lúpulo.
Processo de Fabricação da Cerveja
Maltagem – a cevada se transforma em malte

Grãos da cevada

Secos e chamados de malte verde, os grãos são
moídos para os açúcares serem extraídos

Imersão da cevada em
água por até 40 horas

Secagem com ar quente para
interromper a germinação

Os gãos molhados germinam
no chão por cerca de 5 dias

A cevada germinada

São necessários 40 gramas de cevada para cada litro de cerveja, o equivalente a 12 pés de cevada. No
Brasil, a melhor cevada é cultivada no DF, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais, com qualidade comparável à
Processo de Fabricação da Cerveja

Brassagem – converte os amidos em açúcares fermentados

Tanques de Mistura
Nos Tanques de Mistura, o interior gira para que os grão moídos sejam misturados com água quente, criando o mosto,

Tanques de Decantação
Nos Tanques de Decantação, água quente é jogada sobre o mosto e um xarope adocicado é extraído da mistura. O bagaço vira ração para animais.

Na brassagem, as enzimas no malte convertem os amidos dos grãos em açúcares. Esta conversão
é chamada de sacarificação. O resultado da brassagem é um líquido rico em açúcares, o mosto.
Processo de Fabricação da Cerveja
Fervura, Centrifugação e Resfriamento

Lúpulo

Tanques de Fervura

Durante a fervura é adicionado o lúpulo, uma planta da família canabinácea, a mesma da maconha, que dará o aroma e o amargor à cerveja

Placas de Resfriamento

Tanques de Centrifugação

Após a fervura, o mosto é centrifugado para eliminar resíduos e é resfriado através de Placas de Resfriamento.

O mosto então é fervido para ser esterilizado e o calor da fervura faz com que suas proteínas
coagulem e seu pH diminua. Quanto maior o tempo de ebulição, mais amarga será a cerveja.
Processo de Fabricação da Cerveja
Fermentação

Tanques de Fermentação

Na fermentação se define se a cerveja será Ale ou Lager e isto depende do fermento e da temperatura.
Nas Lagers, o fermento usado inicia uma fermentação a frio entre 6° e 12°C no fundo do tanque, enquanto
nas Ales, o tipo de fermento inicia a fermentação a quente entre 15° e 24°C e ocorre no topo do tanque.
Processo de Fabricação da Cerveja

Maturação, Filtragem, Pasteurização e Engarrafamento

Tanques de Condicionamento

Unidade de Filtragem

Nos Tanques de Condicionamento, a cerveja é armazenada e fica maturando entre 2 semanas a meses ou anos, dependendo do tipo

Linha de Engarrafamento

Unidade de Pasteurização

Depois de filtrada, a cerveja é pasteurizada, ou seja, aquecida a alta temperatura para matar as bactérias e terminar de vez a fermentação

O passo seguinte é armazenar a cerveja em Tanques de Condicionamento para que
depois ela seja filtrada, pasteurizada e engarrafada para ser distribuída.
@ Latitude News

Todas as cervejas são feitas a partir do mesmo tipo de cevada e o que define suas
cores mais claras ou mais escuras é a torragem ou a caramelização que é obtida,
entre outros métodos, pela fervura mais prolongada dos açúcares do mosto.
@ Veja Rio

Na Europa, os fabricantes desenham copos personalizados ao seu tipo de cerveja e os distribuem aos bares.
Manda a tradição que a cerveja só possa ser servida no seu copo específico e as variedades são incontáveis.
@ Veja Rio

Estes copos estão chegando no Brasil e as medidas variam. O nosso chopp de 300 ml erradamente se refere
a uma medida alemã antiga, o schoppen, que dependendo da região continha 400 ou 500 ml. Nos EUA, os
bares servem em calderetas de 1 Pint Americano (16 onças = 473 ml) ou então de 1 Pint Imperial (20 onças = 568
@ Library of Congress – Washington D.C.

Os primeiros colonos ingleses que foram para os EUA não queriam ir para a Nova Inglaterra e sim para um
lugar mais quente, mais para o sul. Só que a cerveja do navio acabou e, numa reunião, os homens decidiram
desembarcar o mais rápido possível para fazer mais cerveja. Parece incrível, mas este é um fato histórico.
@ Granger

Como levaria tempo até colher a cevada, eles acharam os estoques de milho que os índios guardavam
para o inverno e, mandando às favas a Lei da Pureza da Baviera, fizeram cerveja de milho mesmo.
Pelo jeito gostaram, pois muitas cervejas americanas são feitas hoje com os mais variados cereais.
Cerveja de aveia (oat)

Cerveja de trigo (wheat)

@ Agência Haute

Budweiser – feita com 30% de malte de arroz
Cerveja de milho (corn)
Cerveja de centeio (rye)

A mais famosa delas é a Budweiser, que leva 30% de malte de arroz em sua fórmula e a empresa consome
15% da produção anual de arroz dos EUA. Há também cervejas de aveia, centeio, trigo, milho, e outros...
A Budweiser tcheca vendida nos EUA tem malte de cevada

A Bud, Budweiser americana vendida na Europa Continental

E por falar em Budweiser, eis uma história curiosa pois a Budweiser original é tcheca e nasceu na cidade de
Budějovice (Budweis em alemão) em 1265. Mas como eles registraram a marca nos EUA depois da americana,
houve um acordo no qual a Budweiser americana se chama Bud na Europa e a tcheca virou Czechvar nos EUA.
Ingredientes de praticamente todas as cervejas brasileiras, que usam principalmente milho

A cerveja no Brasil é monótona pois é sempre a mesma, só mudam as marcas. Seus rótulos dizem que são
Pilsen, mas na verdade são American Lager. As Pilsens são mais amargas e só usam malte de cevada,
enquanto as American Lagers usam cerais não maltados, permitidos pela legislação brasileira em até 50%.
Lá, não só as marcas variam mas os tipos de cervejas também

Já nos EUA e Europa, a variedade de tipos de cervejas em barril em cada bar é tão grande que, em alguns,
chegam às dezenas. Por isto mesmo é bom entender um pouco de cerveja para não tomar a cerveja errada.
Maiores Bebedores de Cerveja do Mundo
Consumo Per Capita

Consumo Total

1 República Tcheca l
132
2
Alemanha 107 l
3
Áustria 106 l
4
Irlanda 104 l
12
EUA 78 l
27
Brasil 65 l
40
China 32 l

1
China
44.683
2
EUA24.138
3
Brasil12.170
4
Rússia 9.389
5 Alemanha
8.787
6
México6.419
7
Japão 5.813

(milhões de litros)

(em litros)

* Fonte: Wikipedia – Dados de 2010

O campeão da modalidade

O campeão da modalidade

@ AFP

@ Getty Images
Tcheco bebendo cerveja

@ Buster Gutman

Chinês bebendo cerveja

Os maiores bebedores de cerveja per capita no mundo são os tchecos e o Brasil fica em 27º lugar.
Já se considerarmos o consumo total em milhões de litros, a China fica em 1º e o Brasil em 3º.
Curiosidades Cervejísticas
 O padroeiro da cerveja é o santo belga Arnoldo de Oudenburg.
Durante uma peste no século XI na sua região, ele proibiu os
cristãos de beber água e os obrigou a só tomar cerveja. Por ficarem
longe da água contaminada, a peste se foi e o monge virou santo.

Santo Arnoldo de Oudenburg

 O bar com a maior variedade de cervejas no mundo é o Delirium Café,
em Bruxelas, com 2.004 cervejas no cardápio, recorde no Guinness.
O alemão Oliver Strümpfel bateu o recorde do
Guinness levando 23 canecas de 1 litro por 40
m.
Já a alemã Anita Schwarz bateu o recorde
feminino carregando 19 canecas de 1 litro.

@ Anna-Maria Mora

Oliver Strümpfel batendo o recorde

O recorde de abrir garrafas de cerveja
com os dentes é do indiano Murali K. C.,
que removeu 68 tampinhas em 1 minuto.

@ DPA

Anita Schwarz batendo o recorde

A cerveja mais forte do mundo é a alemã
Schorschbock 43, com 43% de teor alcoólico.
Já a cerveja americana campeã de teor alcoólico
é a Samuel Adams Utopias, com 27%
A maior coleção de cervejas é do americano
Ron Werner, que reuniu 25.867 garrafas.
Schorschbock 43

 Como é possível viver sem saber isto?... (rs)

Samuel Adams Utpoias
À Nossa!

Inglês
Cheers!
Francês
Santé!
Espanhol
Salud!
Italiano
Salute!
Alemão
Prost!

Turco
Şerefe!

Romeno
Noroc!

Sueco
Skål!
Japonês
Kampai! 

Norueguês
Skål!
Dinamarquês:
Skål!
Russo
Будем здоровы!

Finlandês
Kippis!

Holandês
Proost!

Húngaro:
Egeszsegere!
Sérvio
Ziveli!

Tcheco
Na Zdravi!

Bósnio
Živjeli! 

Eslovaco
Na Zdravie! 

Croata
Živjeli! 

Polonês
Na Zdrowie!

Irlandês
Sláinte! 
Chinês:  乾杯 !

Árabe
‫!في صحتكم‬
Hebreu: L’Chaim!

Zulu
Oogy wawa!

FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers
 Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers
Primeira Edição da Revista Cerveja LoversSimone Núñez Reis
 
Curso Cerveja. Apresentação
Curso Cerveja. ApresentaçãoCurso Cerveja. Apresentação
Curso Cerveja. Apresentaçãoacademiadeideias
 
Faz a tua própria CERVEJA - Módulo Avançado
Faz a tua própria CERVEJA - Módulo AvançadoFaz a tua própria CERVEJA - Módulo Avançado
Faz a tua própria CERVEJA - Módulo AvançadoFazatuapropriacerveja
 
Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos Mauricio Campos
 
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2ABCursos OnLine
 
Apostila Básica de Coquetelaria
Apostila Básica de Coquetelaria Apostila Básica de Coquetelaria
Apostila Básica de Coquetelaria Mauricio Campos
 
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2ABCursos OnLine
 
Faz a tua própria cerveja - Módulo Inicial
Faz a tua própria cerveja - Módulo InicialFaz a tua própria cerveja - Módulo Inicial
Faz a tua própria cerveja - Módulo InicialFazatuapropriacerveja
 
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livreAnexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livreJS Silva
 
Ead formação degustadores de cerveja - plano de aula
Ead   formação degustadores de cerveja - plano de aulaEad   formação degustadores de cerveja - plano de aula
Ead formação degustadores de cerveja - plano de aulaDanilo Bueno
 
Aprenda a fazer cerveja artesanal
Aprenda a fazer cerveja artesanalAprenda a fazer cerveja artesanal
Aprenda a fazer cerveja artesanalJoao Rumpel
 
Kaiser producao cerveja
Kaiser producao cervejaKaiser producao cerveja
Kaiser producao cervejaThiagofmg
 
APOSTILA DE CAIPIRINHAS
APOSTILA DE CAIPIRINHAS APOSTILA DE CAIPIRINHAS
APOSTILA DE CAIPIRINHAS Mauricio Campos
 

Mais procurados (18)

Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers
 Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers
Primeira Edição da Revista Cerveja Lovers
 
Curso Cerveja. Apresentação
Curso Cerveja. ApresentaçãoCurso Cerveja. Apresentação
Curso Cerveja. Apresentação
 
Confraria do Marquês - 01
Confraria do Marquês - 01Confraria do Marquês - 01
Confraria do Marquês - 01
 
Faz a tua própria CERVEJA - Módulo Avançado
Faz a tua própria CERVEJA - Módulo AvançadoFaz a tua própria CERVEJA - Módulo Avançado
Faz a tua própria CERVEJA - Módulo Avançado
 
Cerveja
CervejaCerveja
Cerveja
 
Produção de Cerveja
Produção de CervejaProdução de Cerveja
Produção de Cerveja
 
Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos Curso de Drinks para Leigos
Curso de Drinks para Leigos
 
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 1/2
 
Apostila Básica de Coquetelaria
Apostila Básica de Coquetelaria Apostila Básica de Coquetelaria
Apostila Básica de Coquetelaria
 
Mundo cervejeiro II
Mundo cervejeiro IIMundo cervejeiro II
Mundo cervejeiro II
 
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2
Processo Genérico de Fazer Cerveja - Parte 2/2
 
Faz a tua própria cerveja - Módulo Inicial
Faz a tua própria cerveja - Módulo InicialFaz a tua própria cerveja - Módulo Inicial
Faz a tua própria cerveja - Módulo Inicial
 
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livreAnexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
 
A terra da caipirinha
A terra da caipirinha A terra da caipirinha
A terra da caipirinha
 
Ead formação degustadores de cerveja - plano de aula
Ead   formação degustadores de cerveja - plano de aulaEad   formação degustadores de cerveja - plano de aula
Ead formação degustadores de cerveja - plano de aula
 
Aprenda a fazer cerveja artesanal
Aprenda a fazer cerveja artesanalAprenda a fazer cerveja artesanal
Aprenda a fazer cerveja artesanal
 
Kaiser producao cerveja
Kaiser producao cervejaKaiser producao cerveja
Kaiser producao cerveja
 
APOSTILA DE CAIPIRINHAS
APOSTILA DE CAIPIRINHAS APOSTILA DE CAIPIRINHAS
APOSTILA DE CAIPIRINHAS
 

Semelhante a Um passeio pelo mundo da cerveja

Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaJoão Franco
 
Guia The Beer Planet da Cerveja - 001
Guia The Beer Planet da Cerveja - 001Guia The Beer Planet da Cerveja - 001
Guia The Beer Planet da Cerveja - 001Alline Leão
 
Vamos falar sobre cerveja? (19.1)
Vamos falar sobre cerveja? (19.1)Vamos falar sobre cerveja? (19.1)
Vamos falar sobre cerveja? (19.1)JooGabrielKroth
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2kaje17
 
Apresentação cervio comércio de bebidas
Apresentação cervio comércio de bebidasApresentação cervio comércio de bebidas
Apresentação cervio comércio de bebidasRosemberg Lima
 
O Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread SulO Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread SulAlessandro Saade
 
Projeto Design de Embalagem - Cachaça Cantiga
Projeto Design de Embalagem - Cachaça CantigaProjeto Design de Embalagem - Cachaça Cantiga
Projeto Design de Embalagem - Cachaça CantigaAlexandre Fontes
 
DRINKS E COQUETÉIS .pptx
DRINKS E COQUETÉIS .pptxDRINKS E COQUETÉIS .pptx
DRINKS E COQUETÉIS .pptxKeilla Cardoso
 
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no BrasilCASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no BrasilAlessandro Saade
 
Guia The Beer Planet da Cerveja - 002
Guia The Beer Planet da Cerveja - 002Guia The Beer Planet da Cerveja - 002
Guia The Beer Planet da Cerveja - 002Alline Leão
 
Red lager, a cerveja gourmet
Red lager, a cerveja gourmetRed lager, a cerveja gourmet
Red lager, a cerveja gourmetThiago Sanchez
 
Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2LorenaIsabel77
 
Cms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistas
Cms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistasCms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistas
Cms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistasRonaldo Rodrigues
 
Culinaria do río grande do sul.doc
Culinaria do río grande do sul.docCulinaria do río grande do sul.doc
Culinaria do río grande do sul.docLorenaIsabel77
 
Volta ao mundo em 18 bebidas nacionais
Volta ao mundo em 18 bebidas nacionaisVolta ao mundo em 18 bebidas nacionais
Volta ao mundo em 18 bebidas nacionaisSTILOVIDA E BEM-ESTAR
 

Semelhante a Um passeio pelo mundo da cerveja (20)

Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
 
YURILATUCHA 6
YURILATUCHA 6YURILATUCHA 6
YURILATUCHA 6
 
Guia The Beer Planet da Cerveja - 001
Guia The Beer Planet da Cerveja - 001Guia The Beer Planet da Cerveja - 001
Guia The Beer Planet da Cerveja - 001
 
Artigo bioterra v19_n2_07
Artigo bioterra v19_n2_07Artigo bioterra v19_n2_07
Artigo bioterra v19_n2_07
 
YURILATUCHA 5
YURILATUCHA 5YURILATUCHA 5
YURILATUCHA 5
 
Vamos falar sobre cerveja? (19.1)
Vamos falar sobre cerveja? (19.1)Vamos falar sobre cerveja? (19.1)
Vamos falar sobre cerveja? (19.1)
 
Cerveja Svyturys
Cerveja SvyturysCerveja Svyturys
Cerveja Svyturys
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
O DESAFIO DA CRIAÇÃO
O DESAFIO DA CRIAÇÃOO DESAFIO DA CRIAÇÃO
O DESAFIO DA CRIAÇÃO
 
Apresentação cervio comércio de bebidas
Apresentação cervio comércio de bebidasApresentação cervio comércio de bebidas
Apresentação cervio comércio de bebidas
 
O Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread SulO Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread Sul
 
Projeto Design de Embalagem - Cachaça Cantiga
Projeto Design de Embalagem - Cachaça CantigaProjeto Design de Embalagem - Cachaça Cantiga
Projeto Design de Embalagem - Cachaça Cantiga
 
DRINKS E COQUETÉIS .pptx
DRINKS E COQUETÉIS .pptxDRINKS E COQUETÉIS .pptx
DRINKS E COQUETÉIS .pptx
 
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no BrasilCASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
 
Guia The Beer Planet da Cerveja - 002
Guia The Beer Planet da Cerveja - 002Guia The Beer Planet da Cerveja - 002
Guia The Beer Planet da Cerveja - 002
 
Red lager, a cerveja gourmet
Red lager, a cerveja gourmetRed lager, a cerveja gourmet
Red lager, a cerveja gourmet
 
Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2Culinaria do río grande do sul2
Culinaria do río grande do sul2
 
Cms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistas
Cms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistasCms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistas
Cms files 8708_1457470669ebook+guia+de+cervejas+trapistas
 
Culinaria do río grande do sul.doc
Culinaria do río grande do sul.docCulinaria do río grande do sul.doc
Culinaria do río grande do sul.doc
 
Volta ao mundo em 18 bebidas nacionais
Volta ao mundo em 18 bebidas nacionaisVolta ao mundo em 18 bebidas nacionais
Volta ao mundo em 18 bebidas nacionais
 

Mais de Amebas

Blog cozinha internacional da dona sinhá
Blog cozinha internacional da dona sinháBlog cozinha internacional da dona sinhá
Blog cozinha internacional da dona sinháAmebas
 
Borboletas da vida
Borboletas da vidaBorboletas da vida
Borboletas da vidaAmebas
 
Birds high fashion show
Birds high fashion show   Birds high fashion show
Birds high fashion show Amebas
 
Mansao do jose sarney
Mansao do jose sarneyMansao do jose sarney
Mansao do jose sarneyAmebas
 
Honoráveis terroristas
Honoráveis terroristasHonoráveis terroristas
Honoráveis terroristasAmebas
 
Honoráveis terroristas
Honoráveis terroristasHonoráveis terroristas
Honoráveis terroristasAmebas
 

Mais de Amebas (6)

Blog cozinha internacional da dona sinhá
Blog cozinha internacional da dona sinháBlog cozinha internacional da dona sinhá
Blog cozinha internacional da dona sinhá
 
Borboletas da vida
Borboletas da vidaBorboletas da vida
Borboletas da vida
 
Birds high fashion show
Birds high fashion show   Birds high fashion show
Birds high fashion show
 
Mansao do jose sarney
Mansao do jose sarneyMansao do jose sarney
Mansao do jose sarney
 
Honoráveis terroristas
Honoráveis terroristasHonoráveis terroristas
Honoráveis terroristas
 
Honoráveis terroristas
Honoráveis terroristasHonoráveis terroristas
Honoráveis terroristas
 

Último

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 

Último (20)

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 

Um passeio pelo mundo da cerveja

  • 1. Um Passeio Pelo Mundo da Cerveja @ Valentyn Volkov Música: Ein Prosit der Gemütlichkeit (um brinde ao momento de alegria) Cantam: Joe und die party singers By Ney Deluiz Ligue o Som
  • 2. @ Ambev Convido-os para um passeio pelo irresistível mundo da cerveja, começando pela sua origem, passando por seus variados tipos e terminando com a descrição de cada etapa do seu processo de fabricação.
  • 3. Cena de um banquete na Mesopotâmia, onde 2 homens bebem cerveja de canudo, vinda de um recipiente que está sobre uma mesinha. A cerveja surgiu por acaso na Mesopotâmia há 5.000 anos, quando grãos de cevada molhada fermentaram ao relento. Inclusive o Código de Hamurabi punia os taberneiros que enganassem os clientes e dava uma cota diária de 2 litros para operários, 3 para funcionários públicos e 5 para administradores e o sumo sacerdote.
  • 4. Uma refeição do Egito antigo, que normalmente incluía cerveja diariamente No Egito, a cerveja era feita para ajudar quem não podia pagar o vinho e o Faraó Ramsés III passou a ser conhecido como Faraó Cervejeiro por doar aos sacerdotes 1 milhão de litros das suas cervejarias.
  • 5. Os vikings bebiam nos crâneos dos inimigos Para os romanos, a cerveja era uma bebida menor diante do vinho e eles diziam que era bebida de bárbaros. Já os vikings a bebiam nos crânios inimigos com o brinde (em sueco/norueguês/dinamarquês) Skål = caveira
  • 6. @ Edward Von Grutzner - 1898 Na Idade Média, a cerveja era feita pelos monges, que usavam ervas para aromatizá-la. Era adocicada, até que eles começaram a adicionar uma florzinha, o lúpulo, para dar a ela o amargor que conhecemos.
  • 7. @ Pilsner Urquell Mas no século XVIII tudo mudou. Até então as cervejas eram do tipo Ale, turvas e encorpadas, e na Baviera eram armazenadas no verão em grutas nos Alpes: o lagering (lagern em alemão = armazenar). Só que, com o frio, a cerveja sofria uma 2ª fermentação no fundo do barril, ficando mais leve. Assim surgiu a Cerveja Lager.
  • 8. A loura gelada nasceu exatamente aqui, na hoje cervejaria da Pilsner Urquell, em Pilsen @ Ney Deluiz Melhor ainda aconteceu em 1842 em Pilsen, na Boêmia, República Tcheca, quando uma nova fórmula de lager foi testada e resultou numa cerveja dourada e de espuma branca que conquistou o mundo: a Cerveja Pilsen.
  • 9. Produção de Cervejas tipo Ale Produção de Cervejas tipo Lager Cervejas de alta fermentação do tipo Ale (stout, porter, brown, pale ale, wheat, etc) são fermentadas na parte alta do tonel Temperatura quente Alta fermentação em tonéis abertos Cervejas de baixa fermentação do tipo Lager (pilsen, malzbier, bock, oktoberfest, etc) são fermentadas na parte baixa do tonel Temperatura fria Cerveja Ale Cerveja Lager A cerveja pilsen é apenas um dos tipos de cervejas Lager Com o advento da tecnologia de refrigeração, a fermentação a frio no fundo dos tonéis passou a ser o padrão, produzindo lagers dos mais variados tipos, como pilsens, malzbiers, bocks ou oktoberfests.
  • 10. Lei da Pureza da Baviera Proclamamos com este decreto, por Autoridade de nossa Província, que no Ducado da Baviera, bem como no país, nas cidades e nos mercados, as seguintes regras se aplicam à venda da cerveja: Do dia de São Miguel (29 de Setembro) ao dia de São Jorge (23 de Abril), o preço para um litro ou um copo não pode exceder o valor do pfennig de Munique. Do dia de São Jorge (23/Abril) ao dia de São Miguel (29/Setembro), o litro não será vendido por mais de dois pfennig do mesmo valor, e o copo não mais de três Heller (Heller geralmente é meio pfennig). Se isto não for cumprido, a punição indicada abaixo será administrada. Se o cervejeiro tiver outra cerveja que não a cerveja do verão, não deve vendê-la por mais de um pfennig por litro. Além disso, nós desejamos enfatizar que no futuro em todas as cidades, nos mercados e no país, os únicos ingredientes usados para a fabricação da cerveja devem ser malte de cevada, lúpulo e água. Qualquer um que negligenciar, desrespeitar ou transgredir estas determinações, será punido pelas autoridades da corte, que confiscarão tais barris de cerveja, sem falha. Se, entretanto, um comerciante no país, na cidade ou nos mercados comprar 2 ou 3 barris da cerveja (que contém 60 litros) para revendê-los ao vendedor comum, apenas para este será permitido acrescentar mais um Heller por Copo, do que o mencionado acima. Além disso, deverá acrescentar um imposto e aumentos subsequentes ao preço da cevada (considerando também que os tempos da colheita diferem, devido à localização das plantações). Nós, o Ducado da Baviera, teremos o direito de fazer apreensões para o bem de todos os interessados. Ass. Guilherme IV Duque da Baviera Cerveja na Baviera é um assunto tão sério que em 1516, Guilherme IV, Duque da Baviera, promulgou uma lei chamada Lei da Pureza da Baviera, pela qual as cervejas só poderiam usar água, malte de cevada e lúpulo.
  • 11. Processo de Fabricação da Cerveja Maltagem – a cevada se transforma em malte Grãos da cevada Secos e chamados de malte verde, os grãos são moídos para os açúcares serem extraídos Imersão da cevada em água por até 40 horas Secagem com ar quente para interromper a germinação Os gãos molhados germinam no chão por cerca de 5 dias A cevada germinada São necessários 40 gramas de cevada para cada litro de cerveja, o equivalente a 12 pés de cevada. No Brasil, a melhor cevada é cultivada no DF, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais, com qualidade comparável à
  • 12. Processo de Fabricação da Cerveja Brassagem – converte os amidos em açúcares fermentados Tanques de Mistura Nos Tanques de Mistura, o interior gira para que os grão moídos sejam misturados com água quente, criando o mosto, Tanques de Decantação Nos Tanques de Decantação, água quente é jogada sobre o mosto e um xarope adocicado é extraído da mistura. O bagaço vira ração para animais. Na brassagem, as enzimas no malte convertem os amidos dos grãos em açúcares. Esta conversão é chamada de sacarificação. O resultado da brassagem é um líquido rico em açúcares, o mosto.
  • 13. Processo de Fabricação da Cerveja Fervura, Centrifugação e Resfriamento Lúpulo Tanques de Fervura Durante a fervura é adicionado o lúpulo, uma planta da família canabinácea, a mesma da maconha, que dará o aroma e o amargor à cerveja Placas de Resfriamento Tanques de Centrifugação Após a fervura, o mosto é centrifugado para eliminar resíduos e é resfriado através de Placas de Resfriamento. O mosto então é fervido para ser esterilizado e o calor da fervura faz com que suas proteínas coagulem e seu pH diminua. Quanto maior o tempo de ebulição, mais amarga será a cerveja.
  • 14. Processo de Fabricação da Cerveja Fermentação Tanques de Fermentação Na fermentação se define se a cerveja será Ale ou Lager e isto depende do fermento e da temperatura. Nas Lagers, o fermento usado inicia uma fermentação a frio entre 6° e 12°C no fundo do tanque, enquanto nas Ales, o tipo de fermento inicia a fermentação a quente entre 15° e 24°C e ocorre no topo do tanque.
  • 15. Processo de Fabricação da Cerveja Maturação, Filtragem, Pasteurização e Engarrafamento Tanques de Condicionamento Unidade de Filtragem Nos Tanques de Condicionamento, a cerveja é armazenada e fica maturando entre 2 semanas a meses ou anos, dependendo do tipo Linha de Engarrafamento Unidade de Pasteurização Depois de filtrada, a cerveja é pasteurizada, ou seja, aquecida a alta temperatura para matar as bactérias e terminar de vez a fermentação O passo seguinte é armazenar a cerveja em Tanques de Condicionamento para que depois ela seja filtrada, pasteurizada e engarrafada para ser distribuída.
  • 16. @ Latitude News Todas as cervejas são feitas a partir do mesmo tipo de cevada e o que define suas cores mais claras ou mais escuras é a torragem ou a caramelização que é obtida, entre outros métodos, pela fervura mais prolongada dos açúcares do mosto.
  • 17. @ Veja Rio Na Europa, os fabricantes desenham copos personalizados ao seu tipo de cerveja e os distribuem aos bares. Manda a tradição que a cerveja só possa ser servida no seu copo específico e as variedades são incontáveis.
  • 18. @ Veja Rio Estes copos estão chegando no Brasil e as medidas variam. O nosso chopp de 300 ml erradamente se refere a uma medida alemã antiga, o schoppen, que dependendo da região continha 400 ou 500 ml. Nos EUA, os bares servem em calderetas de 1 Pint Americano (16 onças = 473 ml) ou então de 1 Pint Imperial (20 onças = 568
  • 19. @ Library of Congress – Washington D.C. Os primeiros colonos ingleses que foram para os EUA não queriam ir para a Nova Inglaterra e sim para um lugar mais quente, mais para o sul. Só que a cerveja do navio acabou e, numa reunião, os homens decidiram desembarcar o mais rápido possível para fazer mais cerveja. Parece incrível, mas este é um fato histórico.
  • 20. @ Granger Como levaria tempo até colher a cevada, eles acharam os estoques de milho que os índios guardavam para o inverno e, mandando às favas a Lei da Pureza da Baviera, fizeram cerveja de milho mesmo. Pelo jeito gostaram, pois muitas cervejas americanas são feitas hoje com os mais variados cereais.
  • 21. Cerveja de aveia (oat) Cerveja de trigo (wheat) @ Agência Haute Budweiser – feita com 30% de malte de arroz Cerveja de milho (corn) Cerveja de centeio (rye) A mais famosa delas é a Budweiser, que leva 30% de malte de arroz em sua fórmula e a empresa consome 15% da produção anual de arroz dos EUA. Há também cervejas de aveia, centeio, trigo, milho, e outros...
  • 22. A Budweiser tcheca vendida nos EUA tem malte de cevada A Bud, Budweiser americana vendida na Europa Continental E por falar em Budweiser, eis uma história curiosa pois a Budweiser original é tcheca e nasceu na cidade de Budějovice (Budweis em alemão) em 1265. Mas como eles registraram a marca nos EUA depois da americana, houve um acordo no qual a Budweiser americana se chama Bud na Europa e a tcheca virou Czechvar nos EUA.
  • 23. Ingredientes de praticamente todas as cervejas brasileiras, que usam principalmente milho A cerveja no Brasil é monótona pois é sempre a mesma, só mudam as marcas. Seus rótulos dizem que são Pilsen, mas na verdade são American Lager. As Pilsens são mais amargas e só usam malte de cevada, enquanto as American Lagers usam cerais não maltados, permitidos pela legislação brasileira em até 50%.
  • 24. Lá, não só as marcas variam mas os tipos de cervejas também Já nos EUA e Europa, a variedade de tipos de cervejas em barril em cada bar é tão grande que, em alguns, chegam às dezenas. Por isto mesmo é bom entender um pouco de cerveja para não tomar a cerveja errada.
  • 25. Maiores Bebedores de Cerveja do Mundo Consumo Per Capita Consumo Total 1 República Tcheca l 132 2 Alemanha 107 l 3 Áustria 106 l 4 Irlanda 104 l 12 EUA 78 l 27 Brasil 65 l 40 China 32 l 1 China 44.683 2 EUA24.138 3 Brasil12.170 4 Rússia 9.389 5 Alemanha 8.787 6 México6.419 7 Japão 5.813 (milhões de litros) (em litros) * Fonte: Wikipedia – Dados de 2010 O campeão da modalidade O campeão da modalidade @ AFP @ Getty Images Tcheco bebendo cerveja @ Buster Gutman Chinês bebendo cerveja Os maiores bebedores de cerveja per capita no mundo são os tchecos e o Brasil fica em 27º lugar. Já se considerarmos o consumo total em milhões de litros, a China fica em 1º e o Brasil em 3º.
  • 26. Curiosidades Cervejísticas  O padroeiro da cerveja é o santo belga Arnoldo de Oudenburg. Durante uma peste no século XI na sua região, ele proibiu os cristãos de beber água e os obrigou a só tomar cerveja. Por ficarem longe da água contaminada, a peste se foi e o monge virou santo. Santo Arnoldo de Oudenburg  O bar com a maior variedade de cervejas no mundo é o Delirium Café, em Bruxelas, com 2.004 cervejas no cardápio, recorde no Guinness. O alemão Oliver Strümpfel bateu o recorde do Guinness levando 23 canecas de 1 litro por 40 m. Já a alemã Anita Schwarz bateu o recorde feminino carregando 19 canecas de 1 litro. @ Anna-Maria Mora Oliver Strümpfel batendo o recorde O recorde de abrir garrafas de cerveja com os dentes é do indiano Murali K. C., que removeu 68 tampinhas em 1 minuto. @ DPA Anita Schwarz batendo o recorde A cerveja mais forte do mundo é a alemã Schorschbock 43, com 43% de teor alcoólico. Já a cerveja americana campeã de teor alcoólico é a Samuel Adams Utopias, com 27% A maior coleção de cervejas é do americano Ron Werner, que reuniu 25.867 garrafas. Schorschbock 43  Como é possível viver sem saber isto?... (rs) Samuel Adams Utpoias