SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO SOCIAL

                                                   Amanda Leticia Ferreira

                                                   RESUMO

                     Abordagem do desenvolvimento do serviço social a partir do movimento de
                     Reconceituação. Abordam-se os conceitos originados desse movimento e
                     as consequências desse. No decorrer do texto realça-se como a profissão
                     se metamorfoseou a partir dadécada de 1960 e, como isso influenciou o
                     meio e as classes sociais.

                     Palavras-chave: Serviço social, Movimento de Reconceituação, pedagogia,
                     ruptura, saúde mental.

   1.   Introdução



         O Serviço Social surge com as mazelas próprias à ordem burguesa, com as
sequelas necessárias dos processos que comparecem na construção e no envolver
do     capitalismo,    em     especial  aqueles    concernentes    ao    binômio
industrialização/urbanização, momento marcado pelo afloramento da “questão
social”, entendida aqui como:

                     “A questão social não é senão as expressões do processo de formação e
                     desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário politico da
                     sociedade, exigindo seu reconhecimento como classe por parte do
                     empresariado e do Estado. É a manifestação, no cotidiano da vida social, da
                     contradição entre o proletariado e a burguesia [...]” (Iamamoto, in Iamamoto
                     e Carvalho, 1983: 77).

        Contudo, não é nesse momento que a “questão social” emerge,pois a
mesma, segundo Pastorinni (2004), apresenta diferentes formas nos diferentes
estágios pelos quais passou o sistema capitalista, mas sua origem marcada pela
contradição de classes manteve-se a mesma no decorrer da história.

        A questão social sustenta a base de intervenção do Serviço Social, porém
não se coloca de imediato nesta relação, pois “as conexões genéticas do Serviço
Social profissional não se entretecem com a „questão social‟, mas com suas
peculiaridades no âmbito da sociedade burguesa fundada na organização
monopólica”. (NETTO, 2000:18).

         A profissão ao defender os interesses da classe trabalhadora, ao buscar
fundamentação teórica para compreender essa realidade contraditória onde se
insere, passou a produzir novos conhecimentos e dar novas respostas para seu
exercício profissional no sentido de atender as demandas postas pela “questão
social”.



                                                                                               1
Essas novas demandas e respostas dadas, por sua vez também se dão de
forma contraditória, pois são estabelecidas a partir da reorganização do capital, que
busca manter sua hegemonia organizando sob novas formas de exploração
trabalhista.

        O movimento de reorganização do capital se inicia em 1970 com sua
evidente crise, desencadeando uma serie de transformações na sociedade.

   2. A década de 1970 e as mudanças sociais

         A década de 1970 marca o aumento da crise capitalista iniciada na década
anterior, chegava ao fim um período de crescimento e nascia um período de
recessão tão grave quanto a Segunda Grande Guerra.

        No Brasil um governo repressor controlava a vida cultura, politica e
econômica da sociedade. Fazendo com que surgisse uma necessidade de alteração
do perfil do profissional do Serviço Social, que passa a ser mais qualificado e
polivalente pra atender as necessidades da população desgastada, excluída e
carente dessa década.

        Influenciado pelo Personalismo e pela Fenomenologia, presentes no código
de ética do assistente social, foi nessa década que a profissão se reformulou
tomando como premissa básica e muito importante para a "construção de uma
sociedade da pessoa humana", o Personalismo. Ressaltando que a existência
humana estava diretamente ligada à sua ação.

       Ainda na década de 1970 encontramos forte influência da Fenomenologia no
Serviço Social, já que o direito a liberdade nesta época era reprimido e a
manifestação da liberdade de pensamento e decisão eram de importância
fundamental na prática profissional, colocando-o como premissa para a profissão.

                     “Para o Serviço Social, o princípio da autodeterminação é básico e,
                     expressa o reconhecimento do direito à liberdade do homem, que decorre
                     de sua dignidade inerente como ser humano" (PAVÃO, 1981, p. 35).

        Na década de 1970, com a mobilização popular contra a ditadura militar, o
Serviço Social revê seu objeto, e o define como a transformação social. Convivendo
diariamente com as mais amplas expressões da questão social.Essas novas
expressões da “questão social” apresentam uma demanda por serviços
anteriormente inexistentes e que precisam receber respostas eficientes, seja via
ações públicas ou privadas.

        Essa conquista é histórica e inicia com o Movimento de Reconceituação na
década de 1970, que marca os rumos do Serviço Social “afinado com os novos
tempos”. Não apenas para atender as necessidades postas pelo mercado
detrabalho, mas, sobretudo, para dar respostas profissionais à classe trabalhadora
cada vez mais empobrecida.

                                                                                         2
3. O movimento de Reconceituação
         Os profissionais do Serviço Social, inicialmente, se viram obrigados a
importar e utilizar processos metodológicos e teóricos de países em maior grau de
desenvolvimento. Esses processos, contudo se mostraram inadequados a realidade
vivida por esses profissionais na América Latina e Brasil. Tornando sua ação
paliativa e demandando soluções estruturais.
         A metodologia utilizada, impregnada de princípios cristãos e filosóficos, deu
ao Serviço Social um caráter confessional. Em sua gênese o Serviço Social foi visto
como uma missão, que dependia de uma vocação especifica daqueles que o
realizavam. Isso significava realizar um trabalho de ajuda com competência técnica,
com base em princípios filosóficos e morais, que seriam transmitidos aos assistentes
sociais, através da educação.
         Através de estudos publicados em 1960 revelando a real situação de
subdesenvolvimento da América Latina, a marginalidade da maioria da população e
a dependência em relação aos países desenvolvidos, os profissionais da assistência
social junto com os demais profissionais da área político-social viram a necessidade
de questionar formas de reverter essa situação.
         Com a situação, crescia entre os profissionais da área um sentimento de
impotência para atender à demanda e frustração, aliados a falta de reconhecimento
e de prestigio profissional.
         No Brasil pós-1964, as mudanças do cenário econômico redefiniram e
aumentaram as relações de dependência com os países industrializados. A alta
injeção de capital estrangeiro no mercado nacional possibilitou a reformulação da
economia, permitindo uma reorganização nos setores tecnológicos, administrativos e
financeiros.
         O fortalecimento desse novo modelo permitiu a expansão capitalista que se
consolidou e acompanhou novas formas de dominação político-social, com controle
salarial e repressão das classes trabalhadoras. Surge então a necessidade de um
novo perfil do profissional do Serviço Social, sendo exigido desses a especialização
em políticas sociais, planejamento, administração de serviço, adequados a exigência
do mercado.
         É nesse contexto que surge o movimento de Reconceituaçãoque se
caracterizou pela crítica radical ao sistema vigente e às formas tradicionais de ação,
propondo novos enfoques teóricos e metodológicos. Nascido na década de 60
cresceu na de 70 e serviu de estímulo para a produção de vários documentos na
área, com importante contribuição para a revisão da teoria, da prática e do ensino de
Serviço Social.
         Esse movimento se dá a partir de seminários que são realizados
primeiramente pela CBCISS - Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de
Serviços Sociais, abrindo-se uma série de importantes seminários a cerca da
temática mobilizando associações profissionais, sindicatos etc.E depois se
articulando com a ABESS (Associação Brasileira de Assistentes Sociais).


                                                                                    3
Entre as propostas apresentadas se colocavam as seguintes: adequação do
Serviço Social à problemática dos países latino-americanos, definição de um marco
teórico referencial para a prática do latino-americano; busca de metodologia
adequada às exigências dessa realidade e que pudesse assegurar a integração
teórico-prática na atividade profissional; produção de uma literatura que refletisse as
respostas do Serviço Social à realidade latino-americana (Macedo, 1981).
         As reflexões do conteúdo desses seminários propiciaram três direções
principais: a Perspectiva Modernizadora, a Reatualização do Conservadorismo e a
Intenção de Ruptura.
       a.     A perspectiva modernizadora
         Caracterizada     pela    incorporação    de   abordagens      funcionalistas,
estruturalistas e sistêmicas, voltou-separa uma modernização conservadora e à
melhoria do sistema pela mediação do desenvolvimento social e do enfrentamento
da marginalidade e da pobreza na perspectiva de integração da sociedade.
         A perspectiva modernizadora foi à primeira expressão da renovação do
serviço social no Brasil, tendo suas primeiras formulações em 1965 em um encontro
em Porto Alegre, foiprojetada no documento do Congresso 1967 realizado em
Araxá/MG. Nele fica elencada a necessidade da busca do desenvolvimento
associado à promoção humana, através da conscientização da população, apoiado
na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948).
         O documento do congresso de Araxá traz um contraponto entre o moderno e
o tradicional na atuação em um nível micro social que compreende práticas junto à
indivíduos com desajustamento familiar e social em uma relação direta com os
usuários do serviço, e no nível macrossocietário na relação com a conformação da
tecno-burocracia e racionalização da gestão do Estado em conformidade com os
interesses dos monopólios.
         O seminário de Teresópolis foi o segundo seminário de teorização do serviço
social, ele foirealizado de 10 a 17 de janeiro de 1970, a ditadura exigia que o
profissional fosse preparado paraatuar nas instituições que foram adaptados ao
projeto de autocracia burguesa, vinculado ao capitalinternacional. A crise da ditadura
contribuiu para que a perspectiva modernizadora do serviço social perdesse a sua
hegemonia. O mesmo regime que moldou a perspectiva modernizadora faziaemergir
posições contestadoras, criando um espaço onde se inscrevia a possibilidade de se
gestaremalternativas às práticas e as concepções profissionais que ela demandava.
       b.     A Reatualização do conservadorismo
         Segundo Netto (1998), foi nomarco do seminário de Sumaré (1978) e no
Seminário do Alto da Boa vista (1984) que explicitou à perspectiva da reatualização
do conservadorismo. Essa perspectiva foi expressa primeiramente nalivre- docência
de Anna Augusta de Almeida (1978) que tinha como base otexto intitulado “Nova
Proposta”.
         Fazia-se necessário uma elaboração teórica, no sentido de produzir ou
organizar conhecimentos para fundar as práticas profissionais.Os teóricos não se
apoiaram na teoria marxista e nem tão pouco na teoria positivista. No que se refere

                                                                                     4
à abordagem positivista,Netto (1998) faz a seguinte observação: ao pensamento
causal quer substituir-se “um pensamento não-causal, o fenomenológico, cujo
quadrode referência não é a explicação, mais a compreensão” (Carvalho 1987)
citado por Netto (1998: 205).
         Neste quadro a fenomenologia nasce para responder a um Serviço Social
cada vez mais ligado a um positivismo lógico, que ocultava a possibilidade de
compreender o vivido humano e se fechava ao questionamento, já que a base para
a compreensão estava nos modelos sociais.
         Os principais traços desta perspectiva são:
                       a compreensão do Serviço Social como a ajuda psico-social;
                       o diálogo como instrumento de trabalho;
                       a transformação social entendida como ser-mais; eo objeto de
                       intervenção profissional como situação existencial problema:
                       (SEP), o problema vivenciado pelo usuário.
     c. A intenção de ruptura
         A principal proposta da perspectiva de intenção de ruptura era romper com
as práticas tradicionais do serviço social,vinculadas aos interesses da classe
dominante. Essa perspectiva discute a relação entre o serviçosocial e a sociedade
capitalista.
         Quem concebeu as primeiras ideias do da perspectiva de intenção de
ruptura foram osassistentes sociais que fizeram opção política de trabalhar em favor
dos explorados e subalternos.
         José Paulo Netto (1998) dividiu três momentos dessa perspectiva: O
momento da emersão da intenção de ruptura, o momento da consolidação
acadêmica da intenção de ruptura e o momento doespalhamento da intenção de
ruptura no âmbito da categoria profissional.
         A perspectiva da intenção de ruptura emergiu com um grupo da Escola de
Serviço Social da Universidade Católica de Minas Gerais (1972 a1975). Mesmo com
a repressão da ditadura militar foi criado nesse período, por Ana Maria Queiroga e
Leila Lima dos Santos, o método Belo Horizonte mais conhecido como método
BH,considerado um trabalho de critica teórico-prática ao tradicionalismo.
         O momento de consolidação aconteceu no final da década de 1970 e
começo da década de 1980, foi nessa década que as universidades começaram a
apresentar algumas teses de pós-graduação e trabalhos sobre a intenção de
ruptura.
         No período entre 1982 e 1983 o debate a respeito da perspectiva de ruptura
estendeu-se para os profissionais da área dando base a suas produções intelectuais
atingindo as organizações representativas da assistência social.
         Em 1979, foi publicada a revista Serviço Social e Sociedade, que divulgou
muitos textos pautados na perspectiva da intenção de ruptura. Seus registros vão
desde a origem da profissão até o serviço social na contemporaneidade.
    4. Perfis pedagógicos


                                                                                  5
Para enfrentar a questão social agravada pelo aumento da pobreza e
expansão do capitalismo o assistente social teve que assumir um papel
socioeducativo na busca por uma reforma social. Nesse contexto os pilares da
assistência social de construíram na ideia de que o homem como base para o bom
funcionamento da sociedade deveria se moldar de acordo com esta a fim de manter
a harmonia.
         Em meio ao trajeto histórico da profissionalização, Abreu (2002) reconstrói o
que denomina “processos de organização da cultura”, que são três modos de ação e
inserção da profissão. Esses modos são o serviço social atuando sob a “Pedagogia
da Ajuda”; “Pedagogia da Participação”; e “Pedagogia da Emancipação”.
         A pedagogia de ajuda é um ajustamento baseado no funcionalismo e no
positivismo. Baseados na ideia de que o homem precisa se adaptar ao meio no qual
se encontra desajustado
         A pedagogia de participação desenvolve-se sob a influência da ideologia
desenvolvimentista modernizadora, contando com a adesão dos governos e lideres
nacionais. É uma estratégia para acalmar qualquer forma de mobilização das
massas, sendo também uma estratégia na luta pela hegemonia.
         Assim buscam-se profissionais especializados para desenvolver funções
pedagógicas e integrar programas governamentais assim, seguindo as exigências
dos programas de desenvolvimento de comunidade, vê-se uma expansão dos
programas de capacitação, auxiliando as redefinições profissionais.
         O acesso a bens e serviços básicos e os programas de desenvolvimento
constituem a manipulação das classes menos privilegiadas, contudo fazia-se
parecer que as mudanças eram provocadas e desejadas pela própria comunidade.
         A pedagogia emancipatória pretendia adequar a pratica profissional as lutas
das classes subalternas.Elementos como a solidariedade, a colaboração entre
classes subalternas, a mobilização, a capacitação e organização das mesmas,
apresentaram-se como elementos de base da pedagogia emancipatória e como
principio educativo a partir dos processos de mobilizações das classes.
         As mudanças ocorridas no conjunto de relações sociais criaram um novo
conceito educativo, baseado nas experiências pedagógicas e integrando-se a lutas
sociais e processos revolucionários, tendo como perspectiva a hegemonia das
classes desprivilegiadas.
    5. Serviço social e os espaços sócio-ocupacionais
           a. Serviço social e saúde mental

      O Serviço social em clinicas de saúde mental ocorre em parcerias com as
demais áreas ligadas a psiquiatria, proporcionando as famílias aconselhamento
sobre o transtorno e indicando como se procederá o tratamento dentro da instituição
visando a conservação do tratamento indicado pelo psiquiatra.

       Nos primeiros trinta anos de assistência social no Brasil não eram expressivos
os números de profissionais da área trabalhando em Saúde Mental no Brasil. Esses
índices começaram a mudar a partir de 1970, paralelo a reforma sanitária, devido ao
                                                                                    6
aumento de clinicas psiquiátricas particulares por causa da privatização da saúde
importa pela ditadura e a exigência da participação de assistentes sociais nas
equipes multiprofissionais nas organizações de saúde.

      A grande injeçãodo Serviço Social em hospitais psiquiátricos se deve as
exigências do Ministério da Previdência e Assistência Social - MPAS, nos anos
1970: “quando o MPAS enfatizava a importância da equipe interprofissional para a
prestação de assistência ao doente mental, numa de suas tentativas de melhorá-la -
que se abriu um maior espaço para o Serviço Social nas Instituições Psiquiátricas.”
(SOUZA, 1986: 118).

       Era um “emprego-fantasma”, os hospitais psiquiátricos contratavam
profissionais apenas para cumprir as exigências do MPAS, não havia demanda de
empregadores, os contratos eram provisórios, e poucas eram as horas de trabalho.

       O governo ditatorial exigia a presença de assistentes sociais em clinicas
psiquiátricas para camuflar a pobreza que poderia gerar contestações da sociedade
após a implantação do atendimento aos trabalhadores e seus dependentes. O
Estado ditatorial queria um executor das politicas sociais na área.

      A reforma psiquiátrica acontece visando a superação da violência manicomial,
defendendo o fim dos manicômios e a integração do usuário com a comunidade,
sendo marcada por tensões, conflitos e desafios.

       No final da década de 1980 e começo da década de 1990 reorganizou-se a
saúde no Brasil, mas só entre 1992 e 1995 houve significativas mudanças na politica
de saúde, inclusive na área de saúde mental. Nos hospitais psiquiátricos houve
redução do numero de leitos e aumento de profissionais, a redefinição da rede de
serviços de atenção psicossocial (CAPS), e núcleos de atenção psicossocial
(NAPS), trocaram os tratamentos farmacológicos pela integração social.

       Mesmo com significativas melhoras, a reforma na saúde mental não foi
suficiente, sendo necessário criar novas politicas de viabilização do serviço de saúde
mental, facilitando o acesso dos usuários ao tratamento.

   6. Conclusão


       O governo ditatorial impôs muitas dificuldades à trajetória do serviço social
mais foi durante esse governo que a profissão se encontrou e amadureceu. Com o
movimento de Reconceituação, as várias interfaces do serviço social foram
alteradas, buscando a renovação e adequamento da profissão. Se desvinculando da
ideia de “fazer caridade” e criando um novo perfil do assistente social desvinculado
da Igreja Católica.



                                                                                     7
Hoje a assistência social mudou sua alteração profissional levada pela
necessidade de responder as exigências da sociedade capitalista. Sendo uma soma
de experiências de profissionais de diversas áreas.

       Com o passar os anos o profissional de assistência social vem sendo
considerado o profissional mais capacitado para executar as politicas publicas
voltadas ao bem estar social. E, nos próprios indivíduos ele deve procurar a solução
para o problema social que os afetam.




                                  REFERENCIAS

                                                                                  8
ABREU. Marina Maciel. Serviço Social e Organização da Cultura: perfis

pedagógicos da prática profissional, 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007

ALMEIDA, Ana Augusta. Reflexões sobre a construção do Serviço Social a partir de
uma abordagem de compreensão, ou seja, interpretação fenomenológica do estudo
científico do Serviço Social. Teorização do Serviço Social – Documentos. 2. ed. Rio
de Janeiro: Agir, 1986. p. 183-193.

ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE MENTAL FRENTE AO
NEOLIBERALISMO disponível em:
http://web.intranet.ess.ufrj.br/monografias/103142713.pdfacesso em 09/01/2012 as
09hrs54min

IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e
formação profissional. São Paulo: Cortez, 1998

MACEDO, Mirtes de Aguiar. Reconceituação do Serviço Social : formulações
teóricas. São Paulo: Cortez, 1981.

NETTO, José Paulo. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no
Brasil pós-64. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1998

__________.Capitalismo monopolista e Serviço Social. 4 ed. Ed Cortez. São Paulo:
2005

PAVÃO, Ana Maria Braz. O princípio da autodeterminação no serviço social: visão
fenomenológica. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1981.

Transformações no estado capitalista:refletindo e refratando transformações na
questão social disponível em:
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/1019/799 acesso
em 02/01/2012 às 09h44min




                                                                                      9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Serviço social de caso
Serviço social de casoServiço social de caso
Serviço social de casoCarol Alves
 
Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3
Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3
Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3Daniele Rubim
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALConceição Amorim
 
Aula a evolução dos códigos de ética profissional
Aula a evolução dos códigos de ética  profissionalAula a evolução dos códigos de ética  profissional
Aula a evolução dos códigos de ética profissionalJúlia Nascimento
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilArare Carvalho Júnior
 
Fundamentos serviço social a ilusao de servir - 1 º semestre
Fundamentos serviço social   a ilusao de servir - 1 º semestreFundamentos serviço social   a ilusao de servir - 1 º semestre
Fundamentos serviço social a ilusao de servir - 1 º semestreDaniele Rubim
 
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaMovimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaIlana Fernandes
 
Código de ética do Serviço Social de 1947
Código de ética do Serviço Social de 1947Código de ética do Serviço Social de 1947
Código de ética do Serviço Social de 1947MacDannie
 
Capitalismo monopolista e servico social
Capitalismo monopolista e servico socialCapitalismo monopolista e servico social
Capitalismo monopolista e servico socialPatricia Silva
 
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudosCodigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudosRosane Domingues
 
Atualização da profissao fundamentos do serviço social
Atualização da profissao   fundamentos do serviço socialAtualização da profissao   fundamentos do serviço social
Atualização da profissao fundamentos do serviço socialDaniele Rubim
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Alinebrauna Brauna
 
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.Rosane Domingues
 
Trajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço SocialTrajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço SocialConceição Amorim
 
Fundamentos serviço social resumo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social   resumo - 1 º semestreFundamentos serviço social   resumo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social resumo - 1 º semestreDaniele Rubim
 
Apresentação serviço social.
Apresentação serviço social.Apresentação serviço social.
Apresentação serviço social.Felipe Marques
 
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialOficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialRosane Domingues
 

Mais procurados (20)

Serviço social de caso
Serviço social de casoServiço social de caso
Serviço social de caso
 
Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3
Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3
Fundamentos do serviço social 2 - parte 2 - Capitulo 3
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
Aula a evolução dos códigos de ética profissional
Aula a evolução dos códigos de ética  profissionalAula a evolução dos códigos de ética  profissional
Aula a evolução dos códigos de ética profissional
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Fundamentos serviço social a ilusao de servir - 1 º semestre
Fundamentos serviço social   a ilusao de servir - 1 º semestreFundamentos serviço social   a ilusao de servir - 1 º semestre
Fundamentos serviço social a ilusao de servir - 1 º semestre
 
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaMovimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
 
Código de ética do Serviço Social de 1947
Código de ética do Serviço Social de 1947Código de ética do Serviço Social de 1947
Código de ética do Serviço Social de 1947
 
Capitalismo monopolista e servico social
Capitalismo monopolista e servico socialCapitalismo monopolista e servico social
Capitalismo monopolista e servico social
 
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudosCodigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
 
éTica e serviço social
éTica e serviço socialéTica e serviço social
éTica e serviço social
 
Atualização da profissao fundamentos do serviço social
Atualização da profissao   fundamentos do serviço socialAtualização da profissao   fundamentos do serviço social
Atualização da profissao fundamentos do serviço social
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
OFICINA DE SERVIÇO SOCIAL - ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS E LAUDOS.
 
Trajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço SocialTrajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço Social
 
Fundamentos serviço social resumo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social   resumo - 1 º semestreFundamentos serviço social   resumo - 1 º semestre
Fundamentos serviço social resumo - 1 º semestre
 
Apresentação serviço social.
Apresentação serviço social.Apresentação serviço social.
Apresentação serviço social.
 
Serviço social de caso
Serviço social de casoServiço social de caso
Serviço social de caso
 
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer SocialOficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
Oficina de Serviço Social - Elaboração de Estudos e Parecer Social
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
 

Destaque

48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social
48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social
48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-socialJorge Oscar Miranda
 
Origem do serviço social
Origem do serviço socialOrigem do serviço social
Origem do serviço socialamintasepjunior
 
Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1
Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1
Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1Daniele Rubim
 
Tarefa 16 - Introdução ao Serviço Social
Tarefa 16 - Introdução ao Serviço SocialTarefa 16 - Introdução ao Serviço Social
Tarefa 16 - Introdução ao Serviço SocialMichelly Wiese
 
Muq netto. ditadura e serviço social
Muq  netto. ditadura e serviço socialMuq  netto. ditadura e serviço social
Muq netto. ditadura e serviço socialmaisumaquestao
 
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Aula de pós graduação   polítca social e questão social1Aula de pós graduação   polítca social e questão social1
Aula de pós graduação polítca social e questão social1Estevam Cesar
 
Fundamentos serviço social 1º semestre introdução
Fundamentos serviço social   1º semestre introduçãoFundamentos serviço social   1º semestre introdução
Fundamentos serviço social 1º semestre introduçãoDaniele Rubim
 
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettoA construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettodeyselfreire
 
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964   1985 )trabalhoDitadura militar ( 1964   1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalhoNilmaguimaraes
 
TCC - Serviço social
TCC - Serviço socialTCC - Serviço social
TCC - Serviço socialGui Souza A
 
O serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalistaO serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalistaNayara Fernanda
 
Servico social 1
Servico social 1Servico social 1
Servico social 1Léia Mayer
 

Destaque (14)

48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social
48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social
48735318 fundamentos-historicos-teoricos-e-metodologicos-do-servico-social
 
Origem do serviço social
Origem do serviço socialOrigem do serviço social
Origem do serviço social
 
Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1
Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1
Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1
 
Tarefa 16 - Introdução ao Serviço Social
Tarefa 16 - Introdução ao Serviço SocialTarefa 16 - Introdução ao Serviço Social
Tarefa 16 - Introdução ao Serviço Social
 
Muq netto. ditadura e serviço social
Muq  netto. ditadura e serviço socialMuq  netto. ditadura e serviço social
Muq netto. ditadura e serviço social
 
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Aula de pós graduação   polítca social e questão social1Aula de pós graduação   polítca social e questão social1
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
 
Fundamentos serviço social 1º semestre introdução
Fundamentos serviço social   1º semestre introduçãoFundamentos serviço social   1º semestre introdução
Fundamentos serviço social 1º semestre introdução
 
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettoA construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
 
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964   1985 )trabalhoDitadura militar ( 1964   1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
 
TCC - Serviço social
TCC - Serviço socialTCC - Serviço social
TCC - Serviço social
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 
O serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalistaO serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalista
 
Servico social 1
Servico social 1Servico social 1
Servico social 1
 
Aula 3 - Satisfação
Aula 3  - SatisfaçãoAula 3  - Satisfação
Aula 3 - Satisfação
 

Semelhante a O Movimento de Reconceituação e a Transformação do Serviço Social

Aula_4_Fundamentos_V.ppt
Aula_4_Fundamentos_V.pptAula_4_Fundamentos_V.ppt
Aula_4_Fundamentos_V.pptRaquelVieira86
 
Unidade 2 - 04-04-2023.ppt
Unidade 2 - 04-04-2023.pptUnidade 2 - 04-04-2023.ppt
Unidade 2 - 04-04-2023.pptIslanaPereira1
 
Trabalho escrito (reconc. do ss)
Trabalho escrito (reconc. do ss)Trabalho escrito (reconc. do ss)
Trabalho escrito (reconc. do ss)thaisrafael_
 
Texto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.doc
Texto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.docTexto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.doc
Texto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.docMariah Tamirys
 
O serviço social na cena contemporânea
O serviço social na cena contemporâneaO serviço social na cena contemporânea
O serviço social na cena contemporâneaRita Jussara
 
O serviço social na contemporaneidade piana
O serviço social na contemporaneidade pianaO serviço social na contemporaneidade piana
O serviço social na contemporaneidade pianaEvilásio Leal
 
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...pollymarchiotti
 
4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora
4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora
4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadoraRosane Domingues
 
O serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalistaO serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalistaNayara Fernanda
 
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...Isabel Amaral
 
O DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIAL
O DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIALO DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIAL
O DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIALRosane Domingues
 
4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal
4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal
4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatalRosane Domingues
 
1 -o_significado_socio-_historico_da_profissao
1  -o_significado_socio-_historico_da_profissao1  -o_significado_socio-_historico_da_profissao
1 -o_significado_socio-_historico_da_profissaoDANIELI PIRES
 
Trajetória da Assistência Social sistematizada
Trajetória da Assistência Social sistematizadaTrajetória da Assistência Social sistematizada
Trajetória da Assistência Social sistematizadaAnna Trina
 
Trajetória da Assistencia Social Sistematizada
Trajetória da Assistencia Social SistematizadaTrajetória da Assistencia Social Sistematizada
Trajetória da Assistencia Social SistematizadaAnna Trina
 
Atps de etica profissional
Atps de etica profissionalAtps de etica profissional
Atps de etica profissionalMariza Marques
 
Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01
Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01
Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01kady2014
 
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
 Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.  Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social. Rose Rocha
 

Semelhante a O Movimento de Reconceituação e a Transformação do Serviço Social (20)

Aula_4_Fundamentos_V.ppt
Aula_4_Fundamentos_V.pptAula_4_Fundamentos_V.ppt
Aula_4_Fundamentos_V.ppt
 
Unidade 2 - 04-04-2023.ppt
Unidade 2 - 04-04-2023.pptUnidade 2 - 04-04-2023.ppt
Unidade 2 - 04-04-2023.ppt
 
Trabalho escrito (reconc. do ss)
Trabalho escrito (reconc. do ss)Trabalho escrito (reconc. do ss)
Trabalho escrito (reconc. do ss)
 
Texto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.doc
Texto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.docTexto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.doc
Texto nº 2 os fundamentos do ss.s na contemporaneidade yasbek.doc
 
O serviço social na cena contemporânea
O serviço social na cena contemporâneaO serviço social na cena contemporânea
O serviço social na cena contemporânea
 
O serviço social na contemporaneidade piana
O serviço social na contemporaneidade pianaO serviço social na contemporaneidade piana
O serviço social na contemporaneidade piana
 
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
 
4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora
4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora
4.7 o trabalho_do_assistente_social_nas_organizações_da_classe_trabalhadora
 
O serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalistaO serviço social na sociedade capitalista
O serviço social na sociedade capitalista
 
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
 
O DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIAL
O DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIALO DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIAL
O DEBATE DA RELIGIÃO NO SERVIÇO SOCIAL
 
4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal
4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal
4.2 o trabalho_do_assistente_social_na_esfera_estatal
 
1 -o_significado_socio-_historico_da_profissao
1  -o_significado_socio-_historico_da_profissao1  -o_significado_socio-_historico_da_profissao
1 -o_significado_socio-_historico_da_profissao
 
temporalis
temporalistemporalis
temporalis
 
Trajetória da Assistência Social sistematizada
Trajetória da Assistência Social sistematizadaTrajetória da Assistência Social sistematizada
Trajetória da Assistência Social sistematizada
 
Trajetória da Assistencia Social Sistematizada
Trajetória da Assistencia Social SistematizadaTrajetória da Assistencia Social Sistematizada
Trajetória da Assistencia Social Sistematizada
 
Atps de etica profissional
Atps de etica profissionalAtps de etica profissional
Atps de etica profissional
 
Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01
Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01
Atualizaodaprofissao fundamentosdoserviosocial-140602161114-phpapp01
 
Congresso
CongressoCongresso
Congresso
 
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
 Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.  Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
 

Último

Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 

O Movimento de Reconceituação e a Transformação do Serviço Social

  • 1. O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO SOCIAL Amanda Leticia Ferreira RESUMO Abordagem do desenvolvimento do serviço social a partir do movimento de Reconceituação. Abordam-se os conceitos originados desse movimento e as consequências desse. No decorrer do texto realça-se como a profissão se metamorfoseou a partir dadécada de 1960 e, como isso influenciou o meio e as classes sociais. Palavras-chave: Serviço social, Movimento de Reconceituação, pedagogia, ruptura, saúde mental. 1. Introdução O Serviço Social surge com as mazelas próprias à ordem burguesa, com as sequelas necessárias dos processos que comparecem na construção e no envolver do capitalismo, em especial aqueles concernentes ao binômio industrialização/urbanização, momento marcado pelo afloramento da “questão social”, entendida aqui como: “A questão social não é senão as expressões do processo de formação e desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário politico da sociedade, exigindo seu reconhecimento como classe por parte do empresariado e do Estado. É a manifestação, no cotidiano da vida social, da contradição entre o proletariado e a burguesia [...]” (Iamamoto, in Iamamoto e Carvalho, 1983: 77). Contudo, não é nesse momento que a “questão social” emerge,pois a mesma, segundo Pastorinni (2004), apresenta diferentes formas nos diferentes estágios pelos quais passou o sistema capitalista, mas sua origem marcada pela contradição de classes manteve-se a mesma no decorrer da história. A questão social sustenta a base de intervenção do Serviço Social, porém não se coloca de imediato nesta relação, pois “as conexões genéticas do Serviço Social profissional não se entretecem com a „questão social‟, mas com suas peculiaridades no âmbito da sociedade burguesa fundada na organização monopólica”. (NETTO, 2000:18). A profissão ao defender os interesses da classe trabalhadora, ao buscar fundamentação teórica para compreender essa realidade contraditória onde se insere, passou a produzir novos conhecimentos e dar novas respostas para seu exercício profissional no sentido de atender as demandas postas pela “questão social”. 1
  • 2. Essas novas demandas e respostas dadas, por sua vez também se dão de forma contraditória, pois são estabelecidas a partir da reorganização do capital, que busca manter sua hegemonia organizando sob novas formas de exploração trabalhista. O movimento de reorganização do capital se inicia em 1970 com sua evidente crise, desencadeando uma serie de transformações na sociedade. 2. A década de 1970 e as mudanças sociais A década de 1970 marca o aumento da crise capitalista iniciada na década anterior, chegava ao fim um período de crescimento e nascia um período de recessão tão grave quanto a Segunda Grande Guerra. No Brasil um governo repressor controlava a vida cultura, politica e econômica da sociedade. Fazendo com que surgisse uma necessidade de alteração do perfil do profissional do Serviço Social, que passa a ser mais qualificado e polivalente pra atender as necessidades da população desgastada, excluída e carente dessa década. Influenciado pelo Personalismo e pela Fenomenologia, presentes no código de ética do assistente social, foi nessa década que a profissão se reformulou tomando como premissa básica e muito importante para a "construção de uma sociedade da pessoa humana", o Personalismo. Ressaltando que a existência humana estava diretamente ligada à sua ação. Ainda na década de 1970 encontramos forte influência da Fenomenologia no Serviço Social, já que o direito a liberdade nesta época era reprimido e a manifestação da liberdade de pensamento e decisão eram de importância fundamental na prática profissional, colocando-o como premissa para a profissão. “Para o Serviço Social, o princípio da autodeterminação é básico e, expressa o reconhecimento do direito à liberdade do homem, que decorre de sua dignidade inerente como ser humano" (PAVÃO, 1981, p. 35). Na década de 1970, com a mobilização popular contra a ditadura militar, o Serviço Social revê seu objeto, e o define como a transformação social. Convivendo diariamente com as mais amplas expressões da questão social.Essas novas expressões da “questão social” apresentam uma demanda por serviços anteriormente inexistentes e que precisam receber respostas eficientes, seja via ações públicas ou privadas. Essa conquista é histórica e inicia com o Movimento de Reconceituação na década de 1970, que marca os rumos do Serviço Social “afinado com os novos tempos”. Não apenas para atender as necessidades postas pelo mercado detrabalho, mas, sobretudo, para dar respostas profissionais à classe trabalhadora cada vez mais empobrecida. 2
  • 3. 3. O movimento de Reconceituação Os profissionais do Serviço Social, inicialmente, se viram obrigados a importar e utilizar processos metodológicos e teóricos de países em maior grau de desenvolvimento. Esses processos, contudo se mostraram inadequados a realidade vivida por esses profissionais na América Latina e Brasil. Tornando sua ação paliativa e demandando soluções estruturais. A metodologia utilizada, impregnada de princípios cristãos e filosóficos, deu ao Serviço Social um caráter confessional. Em sua gênese o Serviço Social foi visto como uma missão, que dependia de uma vocação especifica daqueles que o realizavam. Isso significava realizar um trabalho de ajuda com competência técnica, com base em princípios filosóficos e morais, que seriam transmitidos aos assistentes sociais, através da educação. Através de estudos publicados em 1960 revelando a real situação de subdesenvolvimento da América Latina, a marginalidade da maioria da população e a dependência em relação aos países desenvolvidos, os profissionais da assistência social junto com os demais profissionais da área político-social viram a necessidade de questionar formas de reverter essa situação. Com a situação, crescia entre os profissionais da área um sentimento de impotência para atender à demanda e frustração, aliados a falta de reconhecimento e de prestigio profissional. No Brasil pós-1964, as mudanças do cenário econômico redefiniram e aumentaram as relações de dependência com os países industrializados. A alta injeção de capital estrangeiro no mercado nacional possibilitou a reformulação da economia, permitindo uma reorganização nos setores tecnológicos, administrativos e financeiros. O fortalecimento desse novo modelo permitiu a expansão capitalista que se consolidou e acompanhou novas formas de dominação político-social, com controle salarial e repressão das classes trabalhadoras. Surge então a necessidade de um novo perfil do profissional do Serviço Social, sendo exigido desses a especialização em políticas sociais, planejamento, administração de serviço, adequados a exigência do mercado. É nesse contexto que surge o movimento de Reconceituaçãoque se caracterizou pela crítica radical ao sistema vigente e às formas tradicionais de ação, propondo novos enfoques teóricos e metodológicos. Nascido na década de 60 cresceu na de 70 e serviu de estímulo para a produção de vários documentos na área, com importante contribuição para a revisão da teoria, da prática e do ensino de Serviço Social. Esse movimento se dá a partir de seminários que são realizados primeiramente pela CBCISS - Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviços Sociais, abrindo-se uma série de importantes seminários a cerca da temática mobilizando associações profissionais, sindicatos etc.E depois se articulando com a ABESS (Associação Brasileira de Assistentes Sociais). 3
  • 4. Entre as propostas apresentadas se colocavam as seguintes: adequação do Serviço Social à problemática dos países latino-americanos, definição de um marco teórico referencial para a prática do latino-americano; busca de metodologia adequada às exigências dessa realidade e que pudesse assegurar a integração teórico-prática na atividade profissional; produção de uma literatura que refletisse as respostas do Serviço Social à realidade latino-americana (Macedo, 1981). As reflexões do conteúdo desses seminários propiciaram três direções principais: a Perspectiva Modernizadora, a Reatualização do Conservadorismo e a Intenção de Ruptura. a. A perspectiva modernizadora Caracterizada pela incorporação de abordagens funcionalistas, estruturalistas e sistêmicas, voltou-separa uma modernização conservadora e à melhoria do sistema pela mediação do desenvolvimento social e do enfrentamento da marginalidade e da pobreza na perspectiva de integração da sociedade. A perspectiva modernizadora foi à primeira expressão da renovação do serviço social no Brasil, tendo suas primeiras formulações em 1965 em um encontro em Porto Alegre, foiprojetada no documento do Congresso 1967 realizado em Araxá/MG. Nele fica elencada a necessidade da busca do desenvolvimento associado à promoção humana, através da conscientização da população, apoiado na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948). O documento do congresso de Araxá traz um contraponto entre o moderno e o tradicional na atuação em um nível micro social que compreende práticas junto à indivíduos com desajustamento familiar e social em uma relação direta com os usuários do serviço, e no nível macrossocietário na relação com a conformação da tecno-burocracia e racionalização da gestão do Estado em conformidade com os interesses dos monopólios. O seminário de Teresópolis foi o segundo seminário de teorização do serviço social, ele foirealizado de 10 a 17 de janeiro de 1970, a ditadura exigia que o profissional fosse preparado paraatuar nas instituições que foram adaptados ao projeto de autocracia burguesa, vinculado ao capitalinternacional. A crise da ditadura contribuiu para que a perspectiva modernizadora do serviço social perdesse a sua hegemonia. O mesmo regime que moldou a perspectiva modernizadora faziaemergir posições contestadoras, criando um espaço onde se inscrevia a possibilidade de se gestaremalternativas às práticas e as concepções profissionais que ela demandava. b. A Reatualização do conservadorismo Segundo Netto (1998), foi nomarco do seminário de Sumaré (1978) e no Seminário do Alto da Boa vista (1984) que explicitou à perspectiva da reatualização do conservadorismo. Essa perspectiva foi expressa primeiramente nalivre- docência de Anna Augusta de Almeida (1978) que tinha como base otexto intitulado “Nova Proposta”. Fazia-se necessário uma elaboração teórica, no sentido de produzir ou organizar conhecimentos para fundar as práticas profissionais.Os teóricos não se apoiaram na teoria marxista e nem tão pouco na teoria positivista. No que se refere 4
  • 5. à abordagem positivista,Netto (1998) faz a seguinte observação: ao pensamento causal quer substituir-se “um pensamento não-causal, o fenomenológico, cujo quadrode referência não é a explicação, mais a compreensão” (Carvalho 1987) citado por Netto (1998: 205). Neste quadro a fenomenologia nasce para responder a um Serviço Social cada vez mais ligado a um positivismo lógico, que ocultava a possibilidade de compreender o vivido humano e se fechava ao questionamento, já que a base para a compreensão estava nos modelos sociais. Os principais traços desta perspectiva são: a compreensão do Serviço Social como a ajuda psico-social; o diálogo como instrumento de trabalho; a transformação social entendida como ser-mais; eo objeto de intervenção profissional como situação existencial problema: (SEP), o problema vivenciado pelo usuário. c. A intenção de ruptura A principal proposta da perspectiva de intenção de ruptura era romper com as práticas tradicionais do serviço social,vinculadas aos interesses da classe dominante. Essa perspectiva discute a relação entre o serviçosocial e a sociedade capitalista. Quem concebeu as primeiras ideias do da perspectiva de intenção de ruptura foram osassistentes sociais que fizeram opção política de trabalhar em favor dos explorados e subalternos. José Paulo Netto (1998) dividiu três momentos dessa perspectiva: O momento da emersão da intenção de ruptura, o momento da consolidação acadêmica da intenção de ruptura e o momento doespalhamento da intenção de ruptura no âmbito da categoria profissional. A perspectiva da intenção de ruptura emergiu com um grupo da Escola de Serviço Social da Universidade Católica de Minas Gerais (1972 a1975). Mesmo com a repressão da ditadura militar foi criado nesse período, por Ana Maria Queiroga e Leila Lima dos Santos, o método Belo Horizonte mais conhecido como método BH,considerado um trabalho de critica teórico-prática ao tradicionalismo. O momento de consolidação aconteceu no final da década de 1970 e começo da década de 1980, foi nessa década que as universidades começaram a apresentar algumas teses de pós-graduação e trabalhos sobre a intenção de ruptura. No período entre 1982 e 1983 o debate a respeito da perspectiva de ruptura estendeu-se para os profissionais da área dando base a suas produções intelectuais atingindo as organizações representativas da assistência social. Em 1979, foi publicada a revista Serviço Social e Sociedade, que divulgou muitos textos pautados na perspectiva da intenção de ruptura. Seus registros vão desde a origem da profissão até o serviço social na contemporaneidade. 4. Perfis pedagógicos 5
  • 6. Para enfrentar a questão social agravada pelo aumento da pobreza e expansão do capitalismo o assistente social teve que assumir um papel socioeducativo na busca por uma reforma social. Nesse contexto os pilares da assistência social de construíram na ideia de que o homem como base para o bom funcionamento da sociedade deveria se moldar de acordo com esta a fim de manter a harmonia. Em meio ao trajeto histórico da profissionalização, Abreu (2002) reconstrói o que denomina “processos de organização da cultura”, que são três modos de ação e inserção da profissão. Esses modos são o serviço social atuando sob a “Pedagogia da Ajuda”; “Pedagogia da Participação”; e “Pedagogia da Emancipação”. A pedagogia de ajuda é um ajustamento baseado no funcionalismo e no positivismo. Baseados na ideia de que o homem precisa se adaptar ao meio no qual se encontra desajustado A pedagogia de participação desenvolve-se sob a influência da ideologia desenvolvimentista modernizadora, contando com a adesão dos governos e lideres nacionais. É uma estratégia para acalmar qualquer forma de mobilização das massas, sendo também uma estratégia na luta pela hegemonia. Assim buscam-se profissionais especializados para desenvolver funções pedagógicas e integrar programas governamentais assim, seguindo as exigências dos programas de desenvolvimento de comunidade, vê-se uma expansão dos programas de capacitação, auxiliando as redefinições profissionais. O acesso a bens e serviços básicos e os programas de desenvolvimento constituem a manipulação das classes menos privilegiadas, contudo fazia-se parecer que as mudanças eram provocadas e desejadas pela própria comunidade. A pedagogia emancipatória pretendia adequar a pratica profissional as lutas das classes subalternas.Elementos como a solidariedade, a colaboração entre classes subalternas, a mobilização, a capacitação e organização das mesmas, apresentaram-se como elementos de base da pedagogia emancipatória e como principio educativo a partir dos processos de mobilizações das classes. As mudanças ocorridas no conjunto de relações sociais criaram um novo conceito educativo, baseado nas experiências pedagógicas e integrando-se a lutas sociais e processos revolucionários, tendo como perspectiva a hegemonia das classes desprivilegiadas. 5. Serviço social e os espaços sócio-ocupacionais a. Serviço social e saúde mental O Serviço social em clinicas de saúde mental ocorre em parcerias com as demais áreas ligadas a psiquiatria, proporcionando as famílias aconselhamento sobre o transtorno e indicando como se procederá o tratamento dentro da instituição visando a conservação do tratamento indicado pelo psiquiatra. Nos primeiros trinta anos de assistência social no Brasil não eram expressivos os números de profissionais da área trabalhando em Saúde Mental no Brasil. Esses índices começaram a mudar a partir de 1970, paralelo a reforma sanitária, devido ao 6
  • 7. aumento de clinicas psiquiátricas particulares por causa da privatização da saúde importa pela ditadura e a exigência da participação de assistentes sociais nas equipes multiprofissionais nas organizações de saúde. A grande injeçãodo Serviço Social em hospitais psiquiátricos se deve as exigências do Ministério da Previdência e Assistência Social - MPAS, nos anos 1970: “quando o MPAS enfatizava a importância da equipe interprofissional para a prestação de assistência ao doente mental, numa de suas tentativas de melhorá-la - que se abriu um maior espaço para o Serviço Social nas Instituições Psiquiátricas.” (SOUZA, 1986: 118). Era um “emprego-fantasma”, os hospitais psiquiátricos contratavam profissionais apenas para cumprir as exigências do MPAS, não havia demanda de empregadores, os contratos eram provisórios, e poucas eram as horas de trabalho. O governo ditatorial exigia a presença de assistentes sociais em clinicas psiquiátricas para camuflar a pobreza que poderia gerar contestações da sociedade após a implantação do atendimento aos trabalhadores e seus dependentes. O Estado ditatorial queria um executor das politicas sociais na área. A reforma psiquiátrica acontece visando a superação da violência manicomial, defendendo o fim dos manicômios e a integração do usuário com a comunidade, sendo marcada por tensões, conflitos e desafios. No final da década de 1980 e começo da década de 1990 reorganizou-se a saúde no Brasil, mas só entre 1992 e 1995 houve significativas mudanças na politica de saúde, inclusive na área de saúde mental. Nos hospitais psiquiátricos houve redução do numero de leitos e aumento de profissionais, a redefinição da rede de serviços de atenção psicossocial (CAPS), e núcleos de atenção psicossocial (NAPS), trocaram os tratamentos farmacológicos pela integração social. Mesmo com significativas melhoras, a reforma na saúde mental não foi suficiente, sendo necessário criar novas politicas de viabilização do serviço de saúde mental, facilitando o acesso dos usuários ao tratamento. 6. Conclusão O governo ditatorial impôs muitas dificuldades à trajetória do serviço social mais foi durante esse governo que a profissão se encontrou e amadureceu. Com o movimento de Reconceituação, as várias interfaces do serviço social foram alteradas, buscando a renovação e adequamento da profissão. Se desvinculando da ideia de “fazer caridade” e criando um novo perfil do assistente social desvinculado da Igreja Católica. 7
  • 8. Hoje a assistência social mudou sua alteração profissional levada pela necessidade de responder as exigências da sociedade capitalista. Sendo uma soma de experiências de profissionais de diversas áreas. Com o passar os anos o profissional de assistência social vem sendo considerado o profissional mais capacitado para executar as politicas publicas voltadas ao bem estar social. E, nos próprios indivíduos ele deve procurar a solução para o problema social que os afetam. REFERENCIAS 8
  • 9. ABREU. Marina Maciel. Serviço Social e Organização da Cultura: perfis pedagógicos da prática profissional, 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007 ALMEIDA, Ana Augusta. Reflexões sobre a construção do Serviço Social a partir de uma abordagem de compreensão, ou seja, interpretação fenomenológica do estudo científico do Serviço Social. Teorização do Serviço Social – Documentos. 2. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1986. p. 183-193. ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE MENTAL FRENTE AO NEOLIBERALISMO disponível em: http://web.intranet.ess.ufrj.br/monografias/103142713.pdfacesso em 09/01/2012 as 09hrs54min IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 1998 MACEDO, Mirtes de Aguiar. Reconceituação do Serviço Social : formulações teóricas. São Paulo: Cortez, 1981. NETTO, José Paulo. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil pós-64. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1998 __________.Capitalismo monopolista e Serviço Social. 4 ed. Ed Cortez. São Paulo: 2005 PAVÃO, Ana Maria Braz. O princípio da autodeterminação no serviço social: visão fenomenológica. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1981. Transformações no estado capitalista:refletindo e refratando transformações na questão social disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/1019/799 acesso em 02/01/2012 às 09h44min 9