Endermoterapia e Peelings Mecanicos

430 visualizações

Publicada em

Para atualizar seus conhecimentos

Publicada em: Ciências
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Endermoterapia e Peelings Mecanicos

  1. 1. DERMOTONUS ESTHETIC/SLIN Amanda Hamaue Crefito N°183662F
  2. 2. DERMOTHONUS ESTETHIC/SLIN  Endermoterapia corporal  Endermoterapia facial  Peeling cristal (esthetic)  Peeling diamante
  3. 3. ACESSÓRIOS Ventosas de vidro Ventosas de plástico Caneta para peeling de diamante,com ponteiras de 50,100,150 microns Canetas para peeling de cristas em formato A,U e caju Peneira, Cristais de Oxido de alumínio
  4. 4. ACESSÓRIOS COMPLEMENTARES
  5. 5. INDICAÇÕES DA ENDERMOTERAPIA  Tratamento da celulite e da gordura localizada  Tratamento de aderências e cicatrizes  Pré e pós-operatório de cirurgia plástica  Remodelagem corporal e mobilização de líquidos  Drenagem linfática e a eliminação de toxinas  Extração de comedões durante a limpeza de pele  Lifting e tonificação facial  Tratamento de estrias  Tratamento de dores miofasciais e fibromialgia  Queimaduras, linfedemas
  6. 6. HISTÓRIA DA ENDERMOTERAPIA  Louis Paul Guitay, 1970  Década de 70 após acidente automobilístico desenvolveu o 1° aparelho de endermoterapia....  Pauper roller.  Endermoterapia motorizada(LPG thecniques)
  7. 7. ENDERMOTERAPIA MECÂNICA X MOTORIZADA Mecânica  Baixo custo  Não há necessidade de malha protetora  Baixo risco de complicações (hematomas) Motorizada  Custo alto  Necessidade de malha protetora  Risco de complicações hematomas, petequias
  8. 8. OBJETIVO TERAPÊUTICO  ↓ sensibilidade  Remodelamento Corporal  Tonificação da pele  Mobilização do adipócitos  Aumento da circulação local  Estimulação profunda e tracionamento do tecido conjuntivo  Drenagem linfática e eliminação de toxinas
  9. 9. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA ENDERMOTERAPIA  Hipervascularização e hiperoxigenação  Desfibrosagem  Melhora da maleabilidade tecidual  Drenagem tecidual e linfática  Descongestão e tonificação tecidual
  10. 10. HIPERVASCULARIZAÇÃO
  11. 11. MECANOTRANSDUÇÃO Conversão de sinais mecânicos em sinais biológicos  Diretamente  Canais íons: transcrição, células satélite, ribossomos  integrinas Fatores de crescimento = FGF, VEGF, TGFα e β
  12. 12. ENDERMOTERAPIA  Estímulo mecânico – ativação de fibroblastos  Indução de remodelagem da matriz extracelular  Neo-síntese de colágeno Propriedades eletromecânicas dos tecidos conjuntivos  Mecanismo piezoelétrico  Transdução mecânica  Crescimento e remodelagem do conjuntivo interação eletromecânica linear entre a força mecânica e o estado elétrico
  13. 13. ENDERMOTERAPIA = FLACIDEZ???? Nãoooooooo!!!!!!!
  14. 14. COMPORTAMENTO VISCOELÁSTICO  A pele é um material biológico de comportamento viscoelástico (com capacidade de deformar-se frente a uma pressão exercida contra o tecido)
  15. 15. SE O LIMITE ELÁSTICO FOR ULTRAPASSADO, NÃO HAVERÁ O RETORNO AS CARACTERÍSTICAS ORIGINAIS DO TECIDO. A FASE PLÁSTICA CARACTERIZA-SE PELA DEFORMAÇÃO PERMANENTE. compressão distensão cisalhamento
  16. 16. FIBROEDEMA GELOÍDE (CELULITE)
  17. 17. FATORES QUE INFLUENCIAM O APARECIMENTO  PREDISPOSIÇÃO GENÉTICA -> a distribuição de gorduras é considerada um fator hereditário no qual predomina o tipo de GINÓIDE  GRAVIDEZ -> há um aumento da produção hormonal e compressão da circulação de retorno venoso  TABAGISMO -> o fumo prejudica a microcirculação  ALIMENTAÇÃO -> a elevada ingestão de açúcar, sal e gordura, excesso de bebida gasosa ( refrigerante, cerveja, água mineral c/gás), associada à baixa ingestão de água, proteínas e fibras, causa desequilíbrio no balanço energético e concorre para o aumento de tecido adiposo.  DISTÚRBIOS EMOCIONAIS -> ansiedade, stress, e outros distúrbios psicológicos levam ao aumento da produção de neurotansmissores prejudiciais à circulação.  VESTUÁRIO -> roupas apertadas e saltos altos prejudicam o retorno venoso.  POSTURA -> vícios posturais causam acúmulo de gordura em determinadas regiões, levando ao aparecimento da LDG. Desvios da coluna vertebral, como Lordose, Cifose e Escoliose podem favorecer o surgimento ou agravamento da LDG.  CONTACEPTIVO ORAL -> outro fator fortemente associado, pelo próprio fato de ser um hormônio e pelo fato de induzir a um ganho de peso  SEDENTARISMO -> a falta de atividade física, conduz a uma dificuldade no retorno venoso, prejudicando o balanço energético.
  18. 18. EFEITOS NO FIBROEDEMA GELOIDE  Hipervascularização;  Oferta de nutrientes  Oferta de hormônios  Hiperoxigenação  Ativação de fibroblastos;  Aumento do metabolismo nos adipócitos;  Drenagem linfática;  Estímulo do fluxo linfático  Eliminação de resíduos  Tonificação tecidual – elasticidade;  Mobilização da fáscia superficial.
  19. 19. ENDERMOTERAPIA E ULTRASSOM TERAPÊUTICO ASSOCIADO À MASSAGEM MODELADORA NA REDUÇÃO DE MEDIDAS ABDOMINAIS DOI: HTTP://DX.DOI.ORG/10.5892/RUVRD.V13I1. 2260 PÂMELA CAMILA PEREIRA, JENNIFER LUCHESCA FERREIRA CÉZAR, LUÍS HENRIQUE SALES OLIVEIRA, MARTA MARIA DELFINO  11 mulheres : 20 a 35 anos  10 sessões do tratamento proposto por meio da aplicação da endermoterapia, ultrassom e massagens.  Apresentaram uma diminuição geral do perímetro corporal após as sessões de ultrassom 3MHz, massagem modeladora associado à endermoterapia. Foi observada uma redução em todas as medidas propostas nas pacientes, com resultados significativos na perimetria.
  20. 20. GORDURA LOCALIZADA / REMODELAGEM CORPORAL  Reserva energética  Modelagem corporal  Termorregulação  Absorção de choques  Secreção de hormonios  Lipase, lipoproteica, adiponectina, leptina.
  21. 21. ENDERMOTERAPIA /REMODELAGEM  O tecido adiposo é altamente modelável  Facilita e reposiciona o tecido gorduroso contribuindo para reduzir medidas  Melhoramos o metabolismos celular hipervascularização Pressão Região 100-150 mmHg Facial 150-300mmHg Corporal
  22. 22. MANOBRAS PARA MODELAGEM
  23. 23. TERAPIA SUBDÉRMICA NÃO INVASIVA NIST  Indicada para tratamentos anti- celulite para estimular a ruptura de fibroses, estimular a circulação sanguínea, mobilização e ativação do metabolismo dos lipídios. (Soriano et al 1986)
  24. 24. CIRURGIA PLÁSTICA  Pré operatório Pós operatório imediato  Drenagem linfática Pós -operatório tardio  Fibroses  Aderências cicatriciais  Modelagem corporal Indicação
  25. 25. FASES DE REPARO DE TECIDO
  26. 26. DRENAGEM LINFÁTICA
  27. 27. RELAXAMENTO  Hipervascularização  Relaxamento muscular  Diminui pontos de retrações faciais  Ganho de amplitude de movimento  ↓ dor  ↓ tensão muscular  ↑ oxigenação,nutrição Ventosa Pressão Modo Roletes 150mmHg continuo Esferas 200mmHg Continuo Sem esferas 60 mmHg Pulsado 50/Min
  28. 28. • Objetivos: • Investigar se a massagem mecânica pode ajudar no tratamento da fibromialgia • Materiais e Métodos: • 10 mulheres entre 28 a 62 anos (+ de 11 pontos e diagnóstico entre 3 e 13 anos) • 15 sessões de massagem mecânica de 35 min cada, 1 vez por semana Avaliação antes e depois do tratamento pelo questionário FIQ (instrumento validado doença-específico), verificou uma melhora percentual em 50 %.
  29. 29. Palavra de origem inglesa que significa descamar ou esfoliar a pele Superficial Médio Profundo Químico (ácidos – agentes abrasivos) Luz (laser alta potência, luz intensa pulsada) Mecânico (esfoliantes, ultrassônico, cristais, diamante) Peeling Mecânico
  30. 30. MICRODERMOABRASÃO  Técnica de esfoliação não cirúrgica, passível de controle, podendo ser executada de forma não invasiva.  Incremento da mitose celular fisiológica, suscitando efeitos como atenuação de rugas superficiais,  Afinamento do tecido epitelial preparando-o para tratamentos de revitalização e proporcionando uma textura fina e saudável através do incremento de proteínas de colágeno, elastina e reticulina, seqüelas de acne, clareamento das camadas mais superficiais da epiderme, foliculite e estrias. Borges (2006)
  31. 31. RENOVAÇÃO CELULAR
  32. 32. PEELING DE DIAMANTE  Método de “lixamento” da pele que utiliza ponteiras diamantadas conectadas à um aparelho de pressão negativa,que elimina a camada superficial da pele.(Pardo,2010)  Esfoliação ocorre por ponteira com lixas que variam de 150,100 e 75 microns.  Indicada para todos os tipos de pele  Ajuda no processo de renovação celular  Uniformiza o tom da pele
  33. 33. TREINAMENTO AVANÇADO IBRAMED Pulverização de cristais de óxido de alumínio Peeling de Cristal
  34. 34. PEELING CRISTAL  Consiste na aplicação direta sobre a pele, de um equipamento mecânico gerador de pressão negativa e pressão positiva simultâneas, em que são utilizados microgrânulos de óxido de alumínio (100 a 140 micras),jateados pela pressão positiva sobre a superfície cutânea numa velocidade passível de controle, provocando erosão nas camadas da epiderme, sendo ao mesmo tempo sugados pela pressão negativa os resquícios dos microcristais e células córneas em disjunção (BORGES, 2006)
  35. 35. INDICAÇÕES  Tratamento de hiperqueratoses  Tratamento de estrias  Hipercromias  Cicatrizes  Poros Dilatados estrias Hiperqueratose folicular
  36. 36. INDICAÇÕES Fotorejuvenescimento,tr atamentos anti aging. Envelhecimento  intrinseco,  extrinseco
  37. 37. CONTRA INDICAÇÕES  Leões de acne e pustulas  Lesões Herpéticas  Rosácea  Fragilidade capilar  Psoriase  Diabetes mellitus  Eczema  Lupus eritematoso psoriase eczema Lupus lesão de asa de borboleta
  38. 38. MÉTODO DE APLICAÇÃO  Quanto maior a pressão mais profundo  Quanto menor a velocidade mais profundo  Eleger a ponteira de acordo com a espessura do tecido e objetivo de tratamento  Três ↑ → / sentidos: uniformizar o peeling Modo Pressão Peeling diamante Vacum therapy 150mmHg- 300mmHg Peeling cristal Peeling mode 100-150mmHg
  39. 39. ASSOCIAÇÃO COM COSMÉTICOS E OUTROS RECURSOS DE ELETROTERAPIA  Microcorrentes  Alta frequência  Luz intensa pulsada  Radiofrequência  Carboxiterapia  Massagens Lifting  Endermoterapia facial  Ionização  Correntes para tonificação muscular
  40. 40. CUIDADOS E RECOMENDAÇÕES  Hiperemia (alguns casos edemaciada);  Eventualmente pode formar crostas que não devem ser retiradas para evitar manchas e cicatrizes;  Usar filtro solar para evitar manchas;  Usar de hidratantes.  Despigmentantes Cosmeticos home care
  41. 41. ARTIGOS CIENTÍFICOS Efeito da microdermoabrasão no envelhecimento facial J de Barba, ER Ribeiro 2009 Amostra:10 mulheres Idade 40-50 Foram submetidas a 4 sessões com intervalos de uma semana ,posteriormente responderam a questionário de auto-avaliação. Resultados: 50% relataram após o tratamento estar bastante satisfeita com o resultado final, 30% relatou melhora razoável 20% melhora mínima 50% teve a melhora da aparência da face observada por terceiros Melhora na textura,luminosidade,uniformidade da cor; Em algumas atenuação das rugas finas e diminuição das discromias.
  42. 42. ARTIGOS CIENTÍFICOS Estudo do Efeito da Microdermoabrasão no Tratamento de Estrias Atróficas: Estudo de Caso 2012 Fernando Marcos Rosa Maia Guerra, Marcia Cristina de Souza Lara Kamei, Alessandra Benatti Burkle 1 voluntária do sexo feminino, 21 anos, caucasiana objetivo avaliar os efeitos da microdermoabrasão com cristais no tratamento de estrias atróficas. coleta de imagens e biopsia de uma estria homogênea, ambos os procedimentos foram realizados antes e após o tratamento. A paciente foi submetida a dez sessões, sendo essas uma vez por semana. Os resultados obtidos revelaram um aumento dos fibroblastos, permitindo uma neovascularização, obtendo-se o retorno da sensibilidade álgica e a normalização gradativa na pigmentação epidérmica, bem como a restituição do preenchimento de colágeno.
  43. 43. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Amaral C N, Benites JCW Tratamentos em Estrias: um levantamento teórico da microdermoabrasão e do peeling químico. BORGES, Fábio dos Santos. Dermato-funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, 2006. Canto SML, Mejia DPM - Efeito da microdermoabrasão com peeling de cristal na terapêutica das estrias Pós-graduação em Fisioterapia …, 2012 - portalbiocursos.com.br Cucce L C,Tamura B, Iaconelli C, Chehin F,Zane T P MICRODERMOABRASÃO ASSOCIADA AO ÁCIDO RETINÓICO NO TRATAMENTO DO MELASMA EM PACIENTES DE PELE ESCURA industra.com.br J de Barba, ER Ribeiro – Efeito da Microdermoabrasão no Envelhecimento Facial,revista inspirar vol.1n.1 2009 - inspirar.com.br Manual equipamento Dermotonus.Disponível em:http://www.ibramed.com.br/upload/produtos_59_manual_pt.pdf
  44. 44. CONTATO Site: www.casadaestetica.com.br Email:treinamento1@casadaestetica.com.br Amanda Hamaue

×