Theodor de Bry - Prof. Altair Aguilar

1.542 visualizações

Publicada em

História

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.542
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Theodor de Bry - Prof. Altair Aguilar

  1. 1. Theodore de Bry (1528 de - 27 de março de 1598 ) foi um gravador, ourives e editor que viajou por toda a Europa , a partir da cidade de Liège , no Prince- Bispado de Liège ( onde nasceu e cresceu ), depois para Estrasburgo, Antuérpia , Londres e Frankfurt, onde se estabeleceu.
  2. 2. Theodore de Bry criou um grande número de ilustrações gravadas em seus livros . A maioria de seus livros foram baseados em observações de primeira mão de exploradores , mesmo se o próprio De Bry , agindo como um gravador de informação, nunca visitou as Américas . Aos olhos modernos , muitas das ilustrações parecem formal, mas detalhado. Theodore de Bry nasceu em 1528, em Liège, o príncipe-bispado de Liège, na Bélgica, nos dias de hoje a uma família que tinha escapado da destruição da cidade de Dinant em 1466 durante as guerras de Liège pelo Duque de Borgonha, Felipe, o Bom e seu filho Carlos, o Temerário. Como homem ele treinou com seu avô, Thiry de Bry sênior (? - 1528), e com o seu pai, Thiry de Bry Júnior (1495-1590), que eram joalheiros e gravadores, placas de gravura de cobre. A arte da placa de cobre gravura era a tecnologia necessária naquele tempo para imprimir imagens e desenhos como parte de livros. Em 1524 Thiry de Bry júnior se casou com Catherine le Blavier, filha de Conrad le Blavier de Jemeppe. Seu filho, Theodorus de Bry, também se tornou um joalheiro, gravador e editor do livro e editor, famoso principalmente por suas representações de expedições européias iniciais para as Américas.
  3. 3. Por volta de 1570, Theodore de Bry, um protestante, fugiu da perseguição religiosa ao sul de Estrasburgo, ao longo da margem oeste do Reno. Em 1577, mudou-se para Antuérpia, no ducado de Brabante, que fazia parte dos Países Baixos espanhóis ou do Sul Holanda e Países Baixos da época (século 16), onde mais desenvolvido e usou suas habilidades como um gravador de cobre. Entre 1585 e 1588 viveu em Londres, onde se encontrou com o geógrafo Richard Hakluyt e começou a coletar histórias e ilustrações de vários explorações europeias, sobretudo a partir de Jacques Le Moyne de morgues. Em 1588, Theodore e sua família se mudou permanentemente para Frankfurt-am- Main, onde se tornou cidadão e começou a planejar suas primeiras publicações. O mais famoso é conhecido como Les Grands Voyages, ou seja, "o grande Travels", ou "A Descoberta da América". Ele também publicou o em grande parte idênticas "IndiaOrientalis-série", assim como muitas outras obras ilustradas em uma ampla gama de assuntos. Seus livros foram publicados em latim, e também foram traduzidos para o Alemão, Inglês e Francês para chegar a um público leitor mais amplo.
  4. 4. Sua obra e gravuras podem hoje ser consultada em vários museus ao redor do mundo, incluindo Liège, sua cidade natal, e em Bruxelas, na Bélgica. Na França, eles estão alojados na Biblioteca do Serviço Histórico da Marinha, no "Château de Vincennes", nos subúrbios de Paris. Nos EUA, existem cópias na Biblioteca Pública de Nova York, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, e em outros lugares. Na Argentina é possível encontrar cópias no Museo Maritimo de Ushuaia, na Tierra del Fuego e no Departamento de Marinha de Estudos Históricos, em Buenos Aires. Na Escócia, onze títulos são listados no catálogo de Edinburgh University Library (Coleções Especiais). Por último, mas não menos importante, suas gravuras, que eram em preto e branco foram recentemente colocadas em cores, o que acrescenta uma nova dimensão para suas obras-primas.
  5. 5. Theodoro de Bry e suas "Grandes Viagens" Theodoro de Bry (1528-1598), publicaria a Admiranda Narratio, em 1590, obra dedicada à primeira viagem inglesa à Virgínia em 1585. Era o início da coleção Thesaurus de Viagens ou Collectionnes Peregrinatorum in Indiam Occidentalem et Indian Orientalem, mais conhecida popularmente como As Grandes Viagens e as Pequenas Viagens. As Grandes Viagens são dedicadas às narrativas do Novo Mundo, compondo ao todo 13 volumes publicados entre 1590 e 1634, e às Pequenas Viagens dedicadas às Índias Orientais formadas também por 13 partes.
  6. 6. O segundo volume a Secvnda Pars Americae ou Brevis Narratio de 1591, foi baseado no diário do capitão Laudonnière sobre a expedição francesa de 1565 à Flórida (1992). A terceira parte, a Americae Tertia Pars publicada em 1592, está baseada nas narrativas do alemão Hans Staden e do francês Jean de Léry sobre as viagens ao Brasil – conhecido nessa época como França Antártica – e os habitantes destas terras, os tupinambá. Durante sua vida De Bry publicaria seis partes da gigantesca coleção (1590-1596), no momento de sua morte, em 1598, a sétima parte não chegou a ficar pronta. Seus sucessores, Johan Theodor e Johan Israel, publicariam as partes 7, 8 e 9 (1598-1601). Depois da morte de Johan Theodor, Matthäus Merian publicaria as últimas quatro partes 10 a 13 entre 1619 e 1634.
  7. 7. As Grandes Viagens como também outras coleções sobre narrativas de viagem exerciam um atrativo, fascinavam e geravam curiosidade tanto nas elites como no resto da população. Ao mesmo tempo ajudaram a impulsionar a colonização das Novas Terras e iniciar empreendimentos comerciais. Porém a coleção editada em vários volumes por Theodoro de Bry e seus descendentes não servia só para o deleite do leitor, mas também para incitar a meditação sobre a bondade e a misericórdia de Deus, além dos "ensinamentos que se podiam tirar do espetáculo de povos infelizes e bárbaros". Aqui incluídos estão a propagação do evangelho e o fortalecimento da posição protestante.
  8. 8. O gigantesco projeto editorial das Grandes Viagens formaria parte de um novo tipo de edições que, ao final do século XVI, se caracterizavam por serem bem cuidadas, feitas em menor tempo e com uma maior qualidade e apuro, tanto das gravuras, agora feitas em metal, como de melhores técnicas de reprodução e impressão. A melhoria na qualidade das ilustrações proporcionou que estas tivessem grande destaque e que não fossem apenas meros complementos dos textos. Os livros ilustrados ganharam maior difusão e converteram-se em um método sofisticado de comunicação, não só para ajudar a simples leitura de semi-analfabetos, mas agora também para atender à demanda de uma elite cultural. Se a Imprensa gerou um processo de transformações na escrita, a gravura vai gerar uma "revolução" no uso da imagem na Europa dos séculos XV e XVI. A imprensa e os diferentes tipos de gravuras promoveram um grande desenvolvimento, já que permitiram, não somente reproduzir infinidade de cópias a partir de um original, como também reduzir o tempo para isso ser conseguido.
  9. 9. O impacto que a imprensa gerou na Europa, bem como sua popularização, fizeram que a gravura também fosse utilizada como veículo de "propaganda" tanto pelos protestantes como pelos católicos. O protestantismo foi pioneiro em explorar o potencial da imprensa como meio de massa. Por outro lado, o Concílio de Trento, no século XVI, estipularia o uso de imagens para a ação evangelizadora católica. É no contexto de guerras religiosas e expansão atlântica que se inserem os primeiros volumes da coleção de Theodoro de Bry, que tinham, entre outras funções, o estímulo do comércio, a colonização do Novo Mundo e a difusão do cristianismo, além de sensibilizar a rainha Elizabeth I para retomar o projeto de colonização da Virginia interrompido em 1588.
  10. 10. O Trvve Imagem de Uma PICTE: gravura de Theodor de Bry de um Pict imaginado (membro de um povo antigo a partir do que é hoje Escócia), publicado em 1588 o livro de Thomas Hariot "Relatório do Novo Briefe e Verdadeiro Encontrado Land of Virginia".
  11. 11. Representação de atrocidades espanholas no Novo Mundo, conforme relatado por Bartolomé de las Casas em Narratio Regionum indicarum por Hispanos Quosdam devastatarum Veríssima. [1]
  12. 12. Gravura de Colombo, o descobridor do Novo Mundo, 1594
  13. 13. O Mapa da Virgínia, cerca de 1585-1586.
  14. 14. Vila de Secoton, ilustração gravada por de Bry que acompanha o livro de 1588 A Briefe e Verdadeiro Relatório do Novo Thomas Hariot Encontrado Land of Virginia
  15. 15. O Towne de Pomeiooc, ilustração gravada por de Bry que acompanha o livro de 1588 A Briefe e Verdadeiro Relatório do Novo Thomas Hariot Encontrado Land of Virginia
  16. 16. Uma das ilustrações de Theodore de Bry mostra um naufrágio que teria acontecido na costa sul paulista, nas proximidades da saída da Baía de Santos. Na imagem, os náufragos conseguem chegar à terra, no trecho onde hoje situa-se a Praia Grande
  17. 17. Como um mercenário alemão da região de Hesse, prisioneiro entre índios canibais brasileiros conseguiu sobreviver para trazer ao público a sua grande aventura, que se tornou um best-seller na Europa
  18. 18. Embarcações sendo preparadas paras as viagens interoceânicas. Apesar da unificação precoce, ocorrida em meados do século XII, Portugual só conseguiu consolidar seu poder no inicio do século XV , justamente quando começou a expansão ultramarina
  19. 19. O mapa de Theodore De Bry publicado em Frankfurt em 1592 oferece uma das melhores representações iniciais da América do Sul, relatando as descobertas até o início da última década do século 16. O mapa é elegantemente gravado e apresenta dois brasões de armas, bússola de rosas, um veleiro e um monstro do mar.
  20. 20. Escravos indígenas e africanos trabalhando num engenho de açúcar, Ilha de São Domingos. Gravura de Theodor de Bry, 1596.
  21. 21. em 1540 mostra um empalamento (ritual de tribos indígenas do século XVI, em que povos tupis executavam seus adversários e introduziam uma estaca pelo ânus que atravessava os órgãos até chegar à boca).

×