 Um dos aspectos mais
significativos da cultura
grega antiga foi o teatro.
Os gregos o
desenvolveram de tal
forma que até...
 O teatro grego surgiu a partir da evolução
das artes e cerimônias gregas como, por
exemplo, a festa em homenagem ao deus...
 Na mitologia grega,
Dionísio era o deus do
vinho, pois possuía os
conhecimentos e segredos
do plantio e colheita da
uva....
 Durante o período clássico da história da Grécia
(século V a.C.) foram estabelecidos os estilos mais
conhecidos de teatr...
 Nesta época clássica foram construídos
diversos teatros ao ar livre. Eram
aproveitadas montanhas e colinas de
pedra para...
 Os temas mais representados nas peças
teatrais gregas eram: tragédias
relacionadas a fatos cotidianos,
problemas emocion...
 A tragédia é uma forma dramática,
frequentemente associada aos gêneros sérios do
teatro, em que os conteúdos morais e ét...
 A tragédia encena o suplicio do herói, que foi
condenado pelos deuses, a vivenciar as
consequências do seu erro. Tal err...
 Aristóteles (384-322 a.c), grande filosofo grego, foi um dos
pensadores que mais se dedicou a teorizar a tragédia como
g...
 É um termo que remete à ideia de purificação,
lavagem. É o resultado produzido no espectador
quando o herói descobre o s...
 O herói trágico seguia o caminho do meio. Ele não
se destacava nem por ser totalmente inocente e
virtuoso nem por ser ju...
 Era uma reviravolta
imprevista, quando
o personagem
passasse da
felicidade para a
infelicidade, ou
vice-versa, em
uma vi...
 Era a teimosia do
herói, a sua
persistência em uma
decisão, que o
levaria ao erro
trágico .
 A comedia consistia na realização de cenas
teatrais, as quais possuíam características mais
leves, ridicularizadas, mund...
 A comedia se consolidou na Grécia no
período em que a democracia também
estava bastante estabelecida, o que foi
necessár...
 A comedia antiga tem como seu maior expoente
o comediógrafo Aristófanes, escritor de peças,
como as rãs, as aves, as ves...
 A comedia nova tem como principal expoente o
comediógrafo menandro. Trata-se de um
momento em que a comedia tem mais
pro...
 Depois da queda de Atenas e sua destruição
pelos persas em 481 a.C. a cidade foi
reconstruída, e o teatro passou a
desem...
 As novidades desta fase são a
introdução de um segundo ator,
o deuteragonista, por Ésquilo, e depois
um terceiro, o trit...
 Embora sejam registrados muitos autores especialmente na
época áurea do teatro grego, somente de quatro nos
chegaram peç...
Teatro Grego - Prof. Altair Aguilar
Teatro Grego - Prof. Altair Aguilar
Teatro Grego - Prof. Altair Aguilar
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teatro Grego - Prof. Altair Aguilar

1.139 visualizações

Publicada em

História

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teatro Grego - Prof. Altair Aguilar

  1. 1.  Um dos aspectos mais significativos da cultura grega antiga foi o teatro. Os gregos o desenvolveram de tal forma que até os dias atuais, artistas, dramaturgos e demais envolvidos nas artes cênicas sofrem a influência suas influências. Diversas peças teatrais criadas na Grecia Antiga são até hoje encenadas.
  2. 2.  O teatro grego surgiu a partir da evolução das artes e cerimônias gregas como, por exemplo, a festa em homenagem ao deus Dionísio (deus do vinho e das festas). Nesta festa, os jovens dançavam e cantavam dentro do templo deste deus, oferecendo- lhe vinho. Com o tempo, esta festa começou a ganhar uma certa organização, sendo representada para diversas pessoas.
  3. 3.  Na mitologia grega, Dionísio era o deus do vinho, pois possuía os conhecimentos e segredos do plantio e colheita da uva. Possuía também os segredos da produção do vinho. Era também associado às festas e atividades relacionadas ao prazer material. Era filho de Zeus (deus dos deuses) com a princesa Sêmele.  Dionísio era um dos doze deuses olímpicos (habitava o Monte Olimpo), portanto era um dos mais importantes da mitologia e religião grega.
  4. 4.  Durante o período clássico da história da Grécia (século V a.C.) foram estabelecidos os estilos mais conhecidos de teatro: a tragédia e a comédia. Ésquilo e Sófocles são os dramaturgos de maior importância desta época. A ação, diversos personagens e temas cotidianos foram representados nos teatros gregos desta época.  Não podemos deixar de destacar também o dramaturgo ateniense Aristófanes. Suas comédias eram fortes sátiras que criticavam diversos aspectos sociais e políticos da sociedade ateniense.
  5. 5.  Nesta época clássica foram construídos diversos teatros ao ar livre. Eram aproveitadas montanhas e colinas de pedra para servirem de suporte para as arquibancadas. A acústica (propagação do som) era perfeita, de tal forma que a pessoa sentada na última fileira (parte superior) podia ouvir tão bem a voz dos atores, quanto quem estivesse sentado na primeira fileira.   Os atores representavam usando máscaras e túnicas de acordo com o personagem. Muitas vezes, eram montados cenários bem decorados para dar maior realismo à encenação.
  6. 6.  Os temas mais representados nas peças teatrais gregas eram: tragédias relacionadas a fatos cotidianos, problemas emocionais e psicológicos, lendas e mitos, homenagem aosdeuses gregos, fatos heróicos e críticas humorísticas aos políticos. Os atores, além das máscaras, utilizam muito os recursos da mímica. Muitas vezes a peça era acompanhada por músicas reproduzidas por um coral.
  7. 7.  A tragédia é uma forma dramática, frequentemente associada aos gêneros sérios do teatro, em que os conteúdos morais e éticos estão enraizados na forma e no enredo da trama.  Ao contrario do que se pensa, a tragédia não se trata simplesmente de um acontecimento triste, que conta uma desgraça de seus personagens.A tragédia liga-se mais a um acontecimento fatídico, inevitável, a uma fatalidade que, por ordens divinas, ou não, esta predestinada a ocorrer .
  8. 8.  A tragédia encena o suplicio do herói, que foi condenado pelos deuses, a vivenciar as consequências do seu erro. Tal erro não é proposital. O herói da tragédia grega não falha por ser mau ou fraco, mas por se encontrar em uma fatalidade que é irremediável.  Por isso, na tragédia grega, o herói é aquele que ultrapassa o seu próprio MÉTRON e que sofre as consequências desse ato.Mas, para Aristóteles, isso não é algo ruim, é, ao contrario, o objetivo maior da tragédia.
  9. 9.  Aristóteles (384-322 a.c), grande filosofo grego, foi um dos pensadores que mais se dedicou a teorizar a tragédia como gênero dramático. Para esse autor, a ação dramática, ou seja, o teatro, diferenciava-se dos textos literários porque acontecia de forma direta, não existindo um narrador que mediasse as ações. No livro Poética, Aristóteles fala de alguns elementos constitutivos da tragédia que são:
  10. 10.  É um termo que remete à ideia de purificação, lavagem. É o resultado produzido no espectador quando o herói descobre o seu erro e toma uma ação trágica, expurgando-se. Esse fenômeno é um dos fins decorrências da tragédia, pois, segundo Aristóteles, assistir a uma representação trágica provoca a piedade e o temor. Assim, o espectador podia experimentar essas emoções, sem, contudo, viver a dor que essas traziam quando advindas de fatos ocorridos na realidade.
  11. 11.  O herói trágico seguia o caminho do meio. Ele não se destacava nem por ser totalmente inocente e virtuoso nem por ser justo, mas por ter sido vitima de um erro. Se ele sofria, não era para pagar um pecado, mas, sim, por um destino traçado ou uma escolha errada. Os personagens das tragédias clássicas normalmente eram pessoas de elevada condição, sejam reis, deuses ou heróis.  Segundo Aristóteles, o herói deveria ser o meio para dois elementos qualitativos importantes na tragédia: a peripécia e o reconhecimento, que seriam realizados por meio da híbris do herói.
  12. 12.  Era uma reviravolta imprevista, quando o personagem passasse da felicidade para a infelicidade, ou vice-versa, em uma virada inesperada.  Acontecia quando o heroi passava do estado de ignorar o erro cometido ao de conhecer plenamente o erro q causou sua desgraça .
  13. 13.  Era a teimosia do herói, a sua persistência em uma decisão, que o levaria ao erro trágico .
  14. 14.  A comedia consistia na realização de cenas teatrais, as quais possuíam características mais leves, ridicularizadas, mundanas. Apresentavam fatos corriqueiros do momento, desvinculadas de qualquer pretensão mais elaborada na realidade das ações apresentadas, devendo, essencialmente, mostrar preocupação com a satisfação e a diversão do publico e, muitas vezes, vinculada a criticas políticas dos governantes e dos costumes da época.
  15. 15.  A comedia se consolidou na Grécia no período em que a democracia também estava bastante estabelecida, o que foi necessário porque a comedia precisava de ampla liberdade de expressão, uma vez que muitos dramaturgos ridicularizavam o próprio governo grego e os seus governantes.  Durante as dionisíacas, a comedia era apresentada ao lada do gênero trágico, possuindo, no entanto, um concurso próprio. Em termos cênicos, a comedia era diferenciada pelo uso de mascaras e figurinos mais exagerados.
  16. 16.  A comedia antiga tem como seu maior expoente o comediógrafo Aristófanes, escritor de peças, como as rãs, as aves, as vespas e as nuvens. São textos cômicos ligados aos “mimos”, com enredos inspirados nos acontecimentos da polis, e que se fundamentaram, especialmente, na critica politica e social.  A comedia media marca a transição da comedia antiga para a comedia nova e tem campo característica um período de amenização das criticas sociais e politicas, alem de marcar o fim das criticas diretas a pessoas vivas.
  17. 17.  A comedia nova tem como principal expoente o comediógrafo menandro. Trata-se de um momento em que a comedia tem mais proximidade co a realidade e que assume uma característica de costumes, lidando com questões, como diferenças de classes sociais, desavenças familiares, amor, entre outros. Oi inspiradora de grandes dramaturgos, como Shakespeare e molière.
  18. 18.  Depois da queda de Atenas e sua destruição pelos persas em 481 a.C. a cidade foi reconstruída, e o teatro passou a desempenhar um papel ainda mais importante na cultura e no orgulho cívico locais. Com a evolução da forma e a introdução de enredos fictícios ou contemporâneos se estabilizaram dois gêneros principais, já plenamente cênicos: a tragédia e a comédia. Nas Grandes Dionísias três poetas concorriam, cada um com três tragédias e um drama satírico. Para além disso, apresentavam-se cinco comédias e 20 ditirambos.
  19. 19.  As novidades desta fase são a introdução de um segundo ator, o deuteragonista, por Ésquilo, e depois um terceiro, o tritagonista, por Sófocles. O coro se formalizou e fixou com cerca de 4 a 8 pessoas, vestidas de negro, e o acompanhamento musical desenvolveu os primeiros sinais de cromatismo e polifonia na história da música do ocidente. Crátinos, por sua vez, foi o primeiro a levar a comédia a um alto nível de dignidade literária.
  20. 20.  Embora sejam registrados muitos autores especialmente na época áurea do teatro grego, somente de quatro nos chegaram peças integrais, todos eles de Atenas: Ésquilo, Sófocles e Eurípedes na tragédia, e Aristófanes na comédia. Suas criações, e mais referências de fontes secundárias como Aristóteles, são a base para o conhecimento do teatro da Grécia Antiga.  Ésquilo (525 a 456 a.C.. aproximadamente) Principal texto: Prometeu acorrentado. Tema principal que tratava: contava fatos sobre os deuses e os mitos.  Sófocles (496 a 406 a.C. aproximadamente) Principal texto: Édipo Rei. Tema principal que tratava: as grandes figuras reais.  Eurípides (484 a 406 a.C. aproximadamente) Principal texto: As troianas Tema principal que tratava: dos renegados, dos vencidos (pai do drama ocidental)  Aristófanes (445 a.C.? – 386 a.C.) Dramaturgo grego considerado o maior representante da comédia grega clássica.

×