Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.

766 visualizações

Publicada em

Filosofia.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
766
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.

  1. 1. FILOSOFIA MODERNA: A NOVA CIÊNCIA E O RACIONALISMO -meados do século XV a fins do século XVIII Profº Altair Aguilar
  2. 2. A partir do século XV, ocorreu uma série de transformações nas sociedades europeias – o começo da construção de uma nova mentalidade. Entre essas transformações, podemos destacar: -A passagem do feudalismo para o capitalismo — florescimento do comércio, o estabelecimento das grandes rotas comerciais, o predomínio do capital comercial e a emergência da burguesia; - A formação dos Estados nacionais — novas concepções político-econômicas - as formas do poder político (ocorreu então a centralização do poder através da monarquia absoluta) e a questão comercial (desenvolveu-se nesse período o mercantilismo e o fortalecimento econômico de alguns Estados, levando ao impulso das grandes navegações marítimas, à descoberta do Novo Mundo e ao estabelecimento das colônias);
  3. 3. - O movimento da Reforma — provocando a quebra da unidade religiosa européia e rompendo com a concepção passiva do homem, entregue aos de signos divinos, concebendo a razão humana como extensão do poder divino, colocando o homem em condições de pensar livremente e responsabilizar-se por seus atos de forma autônoma; - O desenvolvimento da ciência natural — criou-se novos métodos de investigação científicos, impulsionados pela confiança na razão humana e o questionamento da submissão desta aos dogmas da a Igreja Católica, que perdia, nesse momento, parte de seu poder de influência sobre os Estados e de dominação sobre o pensamento; - A invenção da imprensa — que possibilitou a impressão dos textos clássicos gregos e romanos, contribuindo para a formação do humanismo; divulgação de obras científicas, filosóficas e artísticas, que se tomaram acessíveis a um número maior de pessoas, propiciou um maior grau de consciência e liberdade de expressão.
  4. 4. Todas essas transformações modificaram, em muitas regiões, o modo de ser e viver de grande número de europeus. Nas artes, nas ciências e na filosofia surgiram novas ideias, concepções e valores. Um exemplo importante dessas mudanças: -em vez de uma supervalorização da fé cristã, do teocentrismo (Deus como centro), houve uma tendência social ANTROPOCÊNTRICA (homem como centro) - VALORIZAÇÃO DA OBRA HUMANA. -levou ao desenvolvimento do racionalismo e de uma filosofia laica (não-religiosa), que se mostraram, de modo geral, otimistas em relação à capacidade da razão de intervir no mundo, organizar a sociedade e aperfeiçoar a vida humana.
  5. 5. O Renascimento, inspirou-se no HUMANISMO, movimento de intelectuais que defendiam o estudo da cultura greco-romana e o retorno a seus ideais de exaltação do homem e seus atributos como: A RAZÃO E A LIBERDADE. Proporcionando o desenvolvimento de uma mentalidade racionalista. O pensador moderno buscava - conhecer a realidade e fundamentalmente exercer controle sobre ela, para descobrir as leis que regem os fenômenos naturais. O objetivo era prever para prover, como mais tarde se diria – August Comte. A partir do desenvolvimento da ciência moderna questionou-se os critérios e métodos para a elaboração de um conhecimento verdadeiro. Alguns filósofos dos séculos XVII e XVIII, formularam diversas EPISTEMOLOGIAS OU TEORIAS DO CONHECIMENTO.
  6. 6. As duas principais vertentes dessa investigação foram: - A empirista: defendia a tese de que, em última análise, A ORIGEM FUNDAMENTAL DO CONHECIMENTO ESTÁ NA EXPERIÊNCIA SENSÍVEL (análise do objeto em si); -A racionalista: defendia a tese de que, além do conhecimento pela experiência sensível, há principalmente O CONHECIMENTO PELA RAZÃO, isto é, enfatiza a existência de ideias fundadoras do conhecimento. As principais concepções de ciência e filosofia constituem-se por influência dos sistemas filosóficos de Platão e Aristóteles.
  7. 7. Isso não significou um abandono completo das questões cristãs medievais, o que se torna claro se observamos o fundo religioso que persiste nas obras intelectuais e artísticas desse período. O que ocorreu foi uma renovação no tratamento dessas questões, a partir de uma nova perspectiva humana, de uma “humanização” do divino. OS PRINCIPAIS PENSADORES DESTE PERÍODO SÃO:
  8. 8. RENÉ DESCARTES (1596-1650): A dúvida metódica e o cogito Descartes afirmava que, para conhecer a verdade, é preciso, de início, colocar todos os nossos conhecimentos em dúvida. É questionar tudo e analisar, criteriosamente, se existe algo na realidade de que possamos ter plena certeza. Fazendo uma aplicação metódica da dúvida, o filósofo foi considerando como incertas todas as percepções sensoriais, todas as noções adquiridas sobre os objetos materiais. E prosseguiu assim, colocando cada vez mais em dúvida a existência de tudo que constitui a realidade e o próprio conteúdo dos pensamentos.
  9. 9. Em sua obra Discurso do método, descreve os passos de seu método: 1° Não acreditar em nada enquanto possa se duvidar; 2° Divisão das partes (dificuldades) em quantas possíveis e necessárias; 3° Conduzir por ordem (dos mais simples aos mais complexos) meus pensamentos, supondo uma ordem de onde não há ordem; 4° Universalizar – enumerar e revisar completamente (geral) sem nada omitir; Segue a mesma lógica do raciocínio matemático.
  10. 10. Conclui que a única certeza possível é a de que : Já que duvida pensa, e se pensa existe. PENSO, LOGO EXISTO “COGITO ERGO SUM”
  11. 11. Em Paixões da Alma, descreve... Dualismo – O indivíduo é composto por duas substâncias de naturezas distintas, a ALMA mais fácil de conhecer (idéias inatas), o CORPO mais difícil de conhecer (sensações enganosas), mas são inseparáveis – completamente ligadas; CORPO – automaton (Ex.: o funcionamento de um relógio) – vivo: não é a alma que lhe dá a vida. Mas, sem a alma não pensa, não age (um vegetal); ALMA – imortal (o pensamento) – mas o corpo tem que estar vivo para habitá-lo;
  12. 12. quatrocantos.com
  13. 13. Nas Meditações apresenta a ideia de que Deus é o fundamento último (condição) da VERDADE; Pois ele é bom e por isso não é enganador. Em função dos limites humanos, inclusive os da razão, é necessário que exista tal ser como garantia de uma certeza, como garantia (possível) da VERDADE.
  14. 14. ESPINOSA (1632-1677) Holanda: o racionalismo absoluto - Racionalismo radical, caracterizado pela critica às superstições religiosa, política e filosófica. A fonte de toda superstição é a imaginação incapaz de compreender a verdadeira ordem do universo, pois, a imaginação credita a realidade a um Deus transcendental (fora da realidade), nas mãos de quem os homens não passam de joguetes. A partir da superstição religiosa, desenvolvem-se as superstições políticas e filosóficas. Para combater essas superstições em sua origem, é necessário buscar provar a natureza racional de Deus, que se manifesta em todas as coisas (Deus imanente). Desse modo, Deus não está fora do universo, nem dentro do universo: ele é o próprio universo.
  15. 15. Assim não há lugar para tragédia nem mistérios: tudo se torna compreensível à luz da razão. A filosofia seria o conhecimento racional de Deus, e a liberdade humana consistiria na consciência da necessidade, não haveria livre-arbítrio, uma vez que Deus se identifica com a natureza universal e, portanto, tudo o que existe é necessário, não pode ser transgredido pois faz parte da natureza divina. Por isso, Espinosa propunha a equação Deus = Natureza que significa: Deus é a natureza criadora universal, portanto, tudo o que existe foi criado por ele e, assim, mantém-se no seu Ser.
  16. 16. 45graus.com.br
  17. 17. GOTTFRIED LEIBNIZ (1646-1716) Alemanha – Deus (mônoda maior) é o fundamento, a causa de tudo MÔNODA - conceito do autor para designar os entes - seres existentes – a unidade. Espelho do universo, tudo está em tudo - mônoda maior perfeita, onipresente e onisciente, é o princípio de tudo que existe, inclusive de todas as outras mônodas. Todavia, não é propriamente um criador, a ela cabe mais especificamente a designação de arquiteto. - as mônodas são como esferas fechadas (possuem finalidade e características próprias), mas se relacionam e caminham para a perfeição. Delas surge o mal, que não pode provir de Deus, justamente porque elas são imperfeitas. No entanto este mal é entendido sempre, controversamente, como um bem, uma vez que faz parte do caminho para a perfeição.
  18. 18. MÔNODA MAIOR perfeita MÔNODA MENOR imperfeita
  19. 19. FRANCIS BACON (1561-1626) Londres: o método experimental contra os ídolos É considerado um dos fundadores do método indutivo de investigação científica. Atribui-se a ele, também, a criação do lema “saber é poder”. Preocupado com a utilização dos conhecimentos científicos na vida prática, manifestava grande entusiasmo pelas conquistas técnicas que se difundiam em seu tempo: a bússola, a pólvora e a imprensa, revelando sua aversão ao pensamento meramente abstraido, característico da escolástica medieval.
  20. 20. Para Bacon, a ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, proporcionar resultados objetivos ao homem. Para isso, os cientistas tinham que se libertar dos ídolos - falsas noções, preconceitos e maus hábitos mentais. Teoria dos ídolos Em sua obra Novum organum, Bacon destaca quatro gêneros de ídolos que bloqueiam a mente humana e prejudicam a ciência:
  21. 21. Ídolos da tribo- falsas noções provenientes das próprias limitações da natureza da espécie humana; o intelecto distorce as coisas – a mente, os sentidos não produzem um conhecimento do universo, são natureza humana e não do universo, por isso não podem conhecer de maneira imedita – é necessário a experiência objetiva. Ídolos da caverna - falsas noções do ser humano como indivíduo (alusão ao mito da caverna de Platão); neutralidade. Ídolos do mercado ou do foro - falsas noções provenientes da linguagem e da comunicação; Ídolos do teatro - as falsas noções provenientes das concepções filosóficas, científicas e culturais vigentes.
  22. 22. Método indutivo de investigação Para combater os erros provocados pelos ídolos, propôs o método indutivo de investigação, baseado na observação rigorosa dos fenômenos naturais, que cumpriria as seguintes etapas: -Observação da natureza para a coleta de informações; -Organização racional dos dados recolhidos empiricamente; -Formulação de explicações gerais (hipóteses) destinadas à compreensão do fenômeno estudado; -Comprovação da hipótese formulada mediante experimentações repetidas, em novas circunstâncias. Bacon dizia que “aquele que começa uma investigação repleto de certezas acabará terminando cheio de dúvidas. Mas aquele que começa com dúvidas poderá terminar com algumas certezas”.
  23. 23. ensp.fiocruz.br
  24. 24. THOMAS HOBBES (1588-1679) Inglaterra - Oxford: a filosofia é a ciência do corpo Buscou investigar as causas e propriedades das coisas. Para ele, a filosofia seria a ciência dos corpos - tudo que tem existência material. Os corpos se dividiriam em: - Corpos naturais (filosofia da natureza)- elemento material que existe independente do pensamento. -Corpo artificial ou Estado (filosofia política)- movimento das coisas Assim, tudo o que não é corpóreo seria excluído da filosofia como não-filosofia. As qualidades das coisas seriam “fantasmas do sensível” - efeitos dos corpos e de seus movimentos.
  25. 25. Consequência - não há lugar para o acaso e a liberdade (mudanças não-condicionadas) - os movimentos resultam necessariamente dos nexos causais que lhe dão origem. Não há espaço para o bem e o mal como valores universais que deveriam ser introjetados nas pessoas. A noção de bem é somente aquilo que desejamos alcançar; e o mal é apenas aquilo do qual fugimos. Isso se explicaria pelo fato de que o valor fundamental para cada indivíduo seria a conservação da vida- a afirmação e o crescimento de si mesmo. Cada pessoa sempre tenderá a considerar como bem o que lhe agrada e mal o que lhe desagrada ou ameaça.
  26. 26. A pergunta que pode surgir então é a seguinte: se o bem e o mal são relativos, isto é, são determinados pelos indivíduos, como será possível a convivência entre os homens? Hobbes responde a essa questão nos livros Leviatã e De eive, nos quais sustenta a necessidade de um poder absoluto (soberano, que é o espelho de sua sociedade) que mantenha os homens em sociedade e impeça que eles se destruam mutuamente.
  27. 27. JOHN LOCKE (1632-1704) Inglaterra- Oxford: a experiência sensível como fonte das ideias Durante os tempos de Universidade, decepcionou-se com o aristotelismo e com a escolástica medieval, enquanto tomava contato com o pensamento de Francis Bacon e René Descartes. A MENTE COMO TÁBULA RASA Em sua obra Ensaio acerca do entendimento humano, combateu duramente a doutrina que afirmava que o homem possui ideias inatas.
  28. 28. Ao contrário de Descartes, defendeu que nossa mente, no instante do nascimento, é como uma tábula rasa, um papel em branco, sem nenhuma idéia previamente escrita. Retomava a tese empirista, de que nada existe em nossa mente que não tenha sua origem nos sentidos. todo conteúdo do processo do conhecimento são adquiridos ao longo da vida mediante o exercício da experiência sensorial e da reflexão. Vejamos cada uma delas:
  29. 29. 1° Experiência sensorial — nossas primeiras ideias, as sensações, nos vem à mente através dos sentidos, isto é, quando temos uma experiência sensorial. Essas ideias seriam moldadas pelas qualidades próprias dos objetos externos. Por sensação Locke entende, por exemplo: as ideias de amarelo, branco, quente, frio, mole, duro, amargo, doce etc. Diariodaninaa.blogspot.com Ideiasnumapalavra.blogspot.com Jblog.com.br
  30. 30. 2° Reflexão — depois, combinando e associando as sensações por um processo de reflexão, a mente desenvolve outra série de ideias que, não poderiam ser obtidas das coisas externas. Seriam idéias como “a percepção, o pensamento, o duvidar, o crer, o raciocinar.” Soulasallef4blogspot.com Jesuscomnsa.blogspot.com
  31. 31. -a reflexão - “sentido interno”, que se desenvolve quando a mente se debruça sobre si mesma, analisando suas próprias operações. Das ideias simples, a mente avança em direção às ideias cada vez mais complexas. Porém, de qualquer maneira a mente sempre tem “as coisas materiais externas, como objeto de sensação, e as operações de nossas próprias mentes, como objeto da reflexão. Locke admitia que nem todo conhecimento limita-se, exclusivamente, à experiência sensível. Considerava, por exemplo, o conhecimento matemático válido em termos lógicos, embora não tivesse como base a experiência sensível. Nesse sentido, Locke não era um empirista radical.
  32. 32. fepagro.rs.gov.br superabril.com.br
  33. 33. GEORGE BERKELEY: (1685-1753) - Tudo se reduz à percepção Tese empirista: todo o nosso conhecimento do mundo exterior resume-se àquilo que captamos pelos sentidos. A existência das coisas nada mais é do que a percepção que temos dessa existência - "Ser é perceber e ser percebido" •Toda a realidade depende da ideia que fazemos das coisas - nega a existência da matéria como algo independente da mente. •Nega a matéria ou substância corpórea - imaterialidade do mundo.
  34. 34. •Idealismo imaterialista - defendendo que tudo o que existe consiste nos sujeitos com suas experiências e percepções. • Evitou cair no solipsismo (teoria segundo a qual tudo o que existe no mundo resume-se ao eu e sua própria consciência) e no total subjetivismo, Berkeley defendeu a existência de uma mente cósmica, representada por Deus. • Deus percebe, de modo absoluto, a existência de todos os seres, coordenando as distintas percepções elaboradas pelos sujeitos. Assim, o mundo nada mais é do que uma relação entre Deus e os espíritos humanos. umadeni.com.br
  35. 35. DAVID HUME (1711-1776) Escócia: a força do hábito em nossas idéias Na obra Investigação acerca do entendimento humano, formulou a sua teoria do conhecimento. Dividiu, primeiramente, tudo aquilo que percebemos em impressões e ideias: * Impressões referem-se aos dados fornecidos pelos sentidos, por exemplo: as impressões visuais, auditivas, táteis; * Ideias referem-se às representações mentais (memória, imaginação etc.) derivadas das impressões. Assim, toda idéia é uma re(a)presentação de alguma impressão. Essa representação pode possuir diferentes graus de fidelidade. Alguém que nunca teve uma impressão visual- um cego de nascença, jamais poderá ter uma idéia de cor, ainda que seja uma idéia não muito fiel.
  36. 36. dirceurabelo.wordpress.com Abe.mre.gov.br

×