214861544 zygmunt-bauman-vida-liquida

233 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
233
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

214861544 zygmunt-bauman-vida-liquida

  1. 1. VIDA LÍQUIDA
  2. 2. Livros do autor publicados por esta editora: • Amor líquido • Comunidade • Em busca da política • Europa • Globalização: as conseqüências humanas • Identidade • O mal-estar da pós-modernidade • Modernidade e ambivalência • Modernidade e Holocausto • Modernidade líquida • Vidas desperdiçadas
  3. 3. Zygmunt Bauman VIDA LÍQUIDA Tradução: Carlos Alberto Medeiros Rio de Janeiro
  4. 4. Título original: Liquid Life Tradução autorizada da primeira edição inglesa, publicada em 2005 por Polity Press, de Cambridge, Inglaterra Copyright © 2005, Zygmunt Bauman Copyright da edição em língua portuguesa © 2007: Jorge Zahar Editor Ltda. rua México 31 sobreloja 20031-144 Rio de Janeiro, RJ tel.: (21) 2108-0808 / fax: (21) 2108-0800 e-mail: jze@zahar.com.br site: www.zahar.com.br Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação de direitos autorais. (Lei 9.610/98) Capa: Sérgio Campante Foto na capa (túnel): Athewma Athewma Bauman, Zygmund, 1925- B341v Vida líquida / Zygmund Bauman; tradução Carlos Alberto Medeiros.– Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,2007 Tradução de: Liquid life Inclui índice ISBN 978-85-7110-969-8 1. Pós-modernismo – Aspectos sociais. 2. Mudança social. 3. Liberdade de movimento. 4. Individualismo. 5. Consumo (Economia). I. Título. CDD 303.401 06-4470 CDU 316.733 CIP-Brasil.Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ.
  5. 5. l Sumário l Introdução Sobre a vida num mundo líquido-moderno 7 1. O indivíduo sitiado 25 2. De mártir a herói e de herói a celebridade 55 3. Cultura: rebelde e ingovernável 71 4. Procurando refúgio na Caixa de Pandora – 91 ou medo, segurança e a cidade 5. Os consumidores na sociedade 106 líquido-moderna 6. Aprendendo a andar sobre a areia movediça 152 7. O pensamento em tempos sombrios 168 (Arendt e Adorno revisitados) Notas 199 Agradecimentos 205 Índice 207
  6. 6. l Introdução l Sobre a vida num mundo líquido-moderno Quando se patina sobre o gelo fino, a se- gurança está na nossa velocidade. Ralph Waldo Emerson, Sobre a prudência A “vida líquida”e a “modernidade líquida”estão intimamente li- gadas.A “vida líquida”é uma forma de vida que tende a ser levada à frente numa sociedade líquido-moderna. “Líquido-moderna”é uma sociedade em que as condições sob as quais agem seus mem- bros mudam num tempo mais curto do que aquele necessário para a consolidação, em hábitos e rotinas, das formas de agir. A liquidez da vida e a da sociedade se alimentam e se revigoram mutuamente. A vida líquida, assim como a sociedade líquido- moderna, não pode manter a forma ou permanecer em seu curso por muito tempo. Numa sociedade líquido-moderna, as realizações individuais não podem solidificar-se em posses permanentes porque, em um piscar de olhos,os ativos se transformam em passivos,e as ca- pacidades, em incapacidades. As condições de ação e as estraté- gias de reação envelhecem rapidamente e se tornam obsoletas antes de os atores terem uma chance de aprendê-las efetivamente. Por essa razão, aprender com a experiência a fim de se basear em estratégias e movimentos táticos empregados com sucesso no passado é pouco recomendável: testes anteriores não podem dar 7
  7. 7. conta das rápidas e quase sempre imprevistas (talvez imprevisí- veis) mudanças de circunstâncias. Prever tendências futuras a partir de eventos passados torna-se cada dia mais arriscado e, fre- qüentemente, enganoso. É cada vez mais difícil fazer cálculos exatos, uma vez que os prognósticos seguros são inimagináveis: a maioria das variáveis das equações (se não todas) é desconhecida, e nenhuma estimativa de suas possíveis tendências pode ser con- siderada plena e verdadeiramente confiável. Em suma: a vida líquida é uma vida precária, vivida em con- dições de incerteza constante. As preocupações mais intensas e obstinadas que assombram esse tipo de vida são os temores de ser pego tirando uma soneca, não conseguir acompanhar a rapidez dos eventos, ficar para trás, deixar passar as datas de vencimento, ficar sobrecarregado de bens agora indesejáveis, perder o mo- mento que pede mudança e mudar de rumo antes de tomar um caminho sem volta. A vida líquida é uma sucessão de reinícios, e precisamente por isso é que os finais rápidos e indolores, sem os quais reiniciar seria inimaginável, tendem a ser os momentos mais desafiadores e as dores de cabeça mais inquietantes. Entre as artes da vida líquido-moderna e as habilidades necessárias para praticá-las, livrar-se das coisas tem prioridade sobre adquiri-las. Como diz o cartunista Andy Riley, do Observer, o que abor- rece é “ler artigos sobre as maravilhas de se largar tudo, em busca de melhor qualidade de vida, quando ainda nem se alcançou o tudo”1 . É preciso acelerar o “alcançar”, caso se deseje provar das delícias do “largar”. Preparar o local para o “largar”confere signi- ficado ao “alcançar”, que se torna seu principal propósito. É pelo alívio trazido por um “largar”suave e indolor que se julga, em úl- tima instância, a qualidade do “alcançar”... A instrução de que mais necessitam os praticantes da vida lí- quido-moderna (e que mais lhes é oferecida pelos especialistas nas artes da vida) não é como começar ou abrir,mas como encer- rar ou fechar. Outro colunista do Observer, em tom meio irônico, lista as últimas regras para se “chegar ao fim” das parcerias (sem dúvida os episódios mais difíceis de serem “encerrados”, princi- 8 Vida líquida
  8. 8. palmente aqueles que os parceiros desejam e lutam muito para que acabem, os quais provocam, sem surpresa alguma, uma de- manda particularmente ampla pela ajuda de especialistas). A lista começa com: “Lembre-se das coisas ruins. Esqueça as boas”; e termina com: “Conheça outra pessoa”, depois de passar por “apague toda a correspondência eletrônica”. Do princípio ao fim, a ênfase recai em esquecer, apagar, desistir e substituir. Talvez a descrição da vida líquido-moderna como uma série de reinícios seja um cúmplice desavisado de algum tipo de cons- piração. Replicar uma ilusão compartilhada, ajuda a ocultar seu segredo mais íntimo (vergonhoso,ainda que apenas um resíduo). Talvez, uma forma mais adequada de narrar essa vida seja contar a história de sucessivos finais.E talvez a glória de uma vida líquida de sucesso seja mais bem transmitida pela invisibilidade das tum- bas que assinalam seu progresso do que pela ostentação das lápi- des que celebram os conteúdos dessas tumbas. Numa sociedade líquido-moderna, a indústria de remoção do lixo assume posições de destaque na economia da vida líquida. A sobrevivência dessa sociedade e o bem-estar de seus membros dependem da rapidez com que os produtos são enviados aos de- pósitos de lixo e da velocidade e eficiência da remoção dos detri- tos. Nessa sociedade, nada pode reivindicar isenção à regra universal do descarte, e nada pode ter permissão de se tornar in- desejável. A constância, a aderência e a viscosidade das coisas, tanto animadas quanto inanimadas, são os perigos mais sinistros e terminais,as fontes dos temores mais assustadores e os alvos dos ataques mais violentos. A vida numa sociedade líquido-moderna não pode ficar pa- rada. Deve modernizar-se (leia-se: ir em frente despindo-se a cada dia dos atributos que ultrapassaram a data de vencimento e desmantelamento,repelindo as identidades que atualmente estão sendo montadas e assumidas) ou perecer. Cutucada pelo horror da expiração, a vida na sociedade líquido-moderna não precisa mais ser empurrada pelas maravilhas imaginadas no ponto final dos trabalhos modernizantes. A necessidade aqui é de correr com Sobre a vida num mundo líquido-moderno 9
  9. 9. todas as forças para permanecer no mesmo lugar, longe da lata de lixo que constitui o destino dos retardatários. “Destruição criativa”é a forma como caminha a vida líquida, mas o que esse termo atenua e, silenciosamente, ignora é que aquilo que essa criação destrói são outros modos de vida e, por- tanto, de forma indireta, os seres humanos que os praticam. A vida na sociedade líquido-moderna é uma versão perniciosa da dança das cadeiras, jogada para valer. O verdadeiro prêmio nessa competição é a garantia (temporária) de ser excluído das fileiras dos destruídos e evitar ser jogado no lixo. E com a competição se tornando global a corrida agora se dá numa pista também global. 10 Vida líquida

×