SlideShare uma empresa Scribd logo
Representações
 CARTOGRAFIA TEMÁTICA:
 Trata da parte da Cartografia que diz respeito ao
 planejamento e impressão de mapas sobre um
Fundo Básico, ao qual serão anexadas informações
através de simbologia adequada, visando atender
as necessidades de um público específico –
determinado tema.
 Os métodos de representação cartográfica
empregados mundialmente se consolidaram a
partir do fim do séc.. XVII. A partir desse
momento passou-se a destacar apenas um
dos vários elementos que poderiam ser
representados, objetivando mais
compreensão e controle do espaço.
 A cartografia Temática passou a atender a demanda das
concepções filosóficas das novas ciências no fim do séc. XVIII.
 Surgem representações temáticas de fenômenos diversos e as
mesmas passam a explorar a percepção da 3D ( Z,X e Y).
 A cartografia temática quantitativa se fazia diretamente no
mapa, nos lugares de ocorrência, extraído de dados oficiais,
relatos da população, economia, produção e etc.
 Com a Revolução Industrial no final do Séc. XIX, as vias de
circulação são essenciais para geração de riquezas e
desenvolvimento das nações. A cartografia temática passa a
abordar nos mapas o dinamismo espacial e temporal dos
fenômenos.
 Após 1950 se favoreceu dos avanços tecnológicos e de
pesquisas teóricas e experimentais
 Na década de 90, uma linha da cartografia voltou-se para as
possibilidades oferecidas pela informática, geomática e dados
georeferenciados.
 - Cartas, mapas ou plantas em qualquer escala,
destinadas
 a um tema específico;
 - Conhecimentos específicos de um determinado
tema
 (geologia, solos, uso e ocupação, etc.);
 delimita-se parte da realidade a ser
problematizada;
 estabelecem-se diretrizes que orientam a busca
de respostas; e
 define-se o tema. Os mapas temáticos são
construídos levando em conta métodos adequados
as características e a formas de manifestação (em
pontos, em linhas, em áreas) dos fenômenos
considerados em cada tema.
 Os métodos podem ser agrupados em quatro
categorias:
 Métodos para representações qualitativas.
 Métodos para representações ordenadas.
 Métodos para representações quantitativas.
 Métodos para representações dinâmicas.
 Fenômenos que compõe a realidade
geográfica a ser representada em um mapa
podem seguir raciocínio analítico ou
sintético.
 um tema declarado no título;
 o local e a data do acontecimento, respondendo as questões
“oque?”, “onde?” e “quando?”. O tema por ele analisado será
apresentado na estruturação da legenda.
 Legenda– é o meio que o leitor usa para compreender o
conteúdo do mapa, relacionando os símbolos aos seus
significados. A escala é importante no mapa, através dela
pode-se saber quantas vezes a realidade foi reduzida para
caber no papel. Finalmente, deve-se declarar a fonte dos
dados utilizados na preparação do mapa.
 Para representar o tema
seja no aspecto qualitativo
(‡), ordenado (O) ou
quantitativo (Q), com
manifestação em pontos,
linhas ou áreas, é preciso
explorar a terceira
dimensão visual (Z)
mediante a variações
visuais perceptíveis e
compatíveis.
 Após o mapa temático pronto, são feitas leituras,
análise e interpretação para compreensão do
conhecimento, são elaborados comentários que
podem ser:
 Metodológico: analisa o porquê da adoção de
determinado método;
 Interpretativo: avalia as característica da
distribuição do fenômeno, o que mapa revela.
 Num mapa qualitativo a
variação visual tem que
ser seletiva.
 O mapa resultara
exaustivo dispondo
todos os seus atributos.
 Responde a questões
em nível elementar: o
que há em tal lugar?
 No exemplo ao lado, usou-
se o mapa exaustivo, a
coleção de mapas, e a
legenda. Traz a vantagem
de leitura em nível de
conjunto. A fotografia ou
desenho associada a cada
legenda organizada em
uma coleção de mapas,
propicia maior
compreensão do conteúdo
temático do mapa.
 Na representação da
diversidade das ocorrências
com manifestação
localizada, pode-se usar
variações visuais
puntiformes de forma,
orientação ou de
granulação.
 A orientação tem maior
poder seletivo, deve-se ter
o cuidado de manter o
mesmo tamanho e o
mesmo “peso” visual.
 Em fenômenos de com
manifestação linear, as
variações poderão ser de
granulação, orientação e de
forma, sendo preciso
manter invariável a
espessura da linha e seu
peso visual.
 As variações também
podem ser usadas de forma
combinada. Neste caso, a
cor tem limitações, salvos
se a espessura do traço for
bem visível
 Em ocorrências zonais a construção da representação
denomina-se método corocromático. No método aplica-se
cores diferenciadas para as distintas rúbricas em suas áreas
de manifestação. A variação de cor oferece maior eficácia.
 Um exemplo desse tipo de
aplicação pode ser feito na
representação da Geologia,
em nível seletivo,
diferenciando as unidades
lito estruturais, conforme
mostra o mapa da Geologia
do Brasil.
 A solução clássica atribui
cores convencionais as
ocorrências.
 Na impossibilidade de usar cores,
deve-se empregar texturas
compostas por elementos lineares
(forma) ou puntiformes:
 Lineares: forma;
 Puntiformes: orientação ou
granulação;
 É importante cuidar para se obter
resultados de mesmo valor visual.
 Essas variações também podem ser
usadas de forma combinada.
 Na reprodução em branco e preto
pode-se usar texturas diferentes de
mesmo valor visual.
 São representações ordenadas quando as categorias dos
fenômenos se inscrevem numa sequência única, aceita
universalmente.
 A relação dos objetos é de ordem, são definidas as
hierarquias.
 Alguns fenômenos são passíveis de serem classificados por
ordem, são categorias de interpretações qualitativas,
quantitativas ou de datações.
 São exemplos: a hierarquia das cidades pelo tamanho
populacional; a sequência do uso dos espaços agrícolas no
tempo.
 Na percepção ordenada o tamanho expressa
proporcionalidade (B é tantas vezes maior que A).
 Quando não for possível fazer essa relação deve-se usar
somente valor.
 Pode-se usar a ordem visual entre cores,
organizando-as das mais claras as mais
escuras, seja entre cores quentes ou entre
cores frias. Para representações ordenadas
com manifestação pontual, fixa-se o
tamanho e a forma elementar e varia-se o
valor pontual do claro para o escuro.
 Em manifestação linear, fixa-se a espessura
do traço e varia-se o valor visual do claro
para o escuro.
 Na manifestação zonal, considera-se uma
variação visual de valor do claro para o
escuro.
 Outra forma de representar a
Geologia do Brasil em nível
seletivo através da
classificação ordenada é
conforme o exemplo, ao
lado, da coluna estratigráfica.
 As rúbricas da legenda
seguem a ordem cronológica
dos conjuntos espaciais no
tempo geológico.
 A ordem cronológica será
transcrita por uma ordem
visual no mapa, usando a
variável valor.
 Nas representações ordenadas
considera-se ainda, aquelas que
transcrevem duas ordens
opostas de ocorrências com
manifestação zonal. É um
exemplo, o uso da terra e
cobertura do solo, que traz
oposição entre o espaço natural
e o produzido pelo homem. Para
compreensão dessa oposição,
pode-se explorar as cores frias
em oposição as cores quentes,
observando os seus aspectos
sensorial, psicológico, místico e
simbólico.
 A ordem das cores frias ligada as
questões naturais e a ordem das
cores quentes associada
aspectos humanos. Softwares
específicos trazem bons
resultados para esses mapas.
 As representações quantitativas são usadas para destacar a
proporção entre objetos (B é 4 vezes maior que A).
 A realidade é expressa pela quantidade.
 Na relação visual há uma variação de tamanho. Devido as
situações da realidade serem complexas, a cartografia
temática sistematizou uma série de soluções s para
representar corretamente manifestações lineares, pontuais ou
zonais.
 É um método recomendado para representação quantitativa
de fenômenos localizados:
 É um exemplo, a população urbana, ideal para valores
absolutos.
 A proporção entre os objetos é expressa por uma percepção
visual, cuja única variável é o tamanho.
 As figuras geométricas são círculos, acomodados sobre a
base cartográfica.
 Este método foi aplicado por Minard (1851), que estabeleceu
círculos proporcionais em implantação pontual.
 Ele representou a produção das minas de carvão da França,
combinada aos fluxos dos combustíveis minerais no mesmo
território.
 Este autor também idealizou a aplicação da divisão de círculo
em setores para representar parcelas do total.
 Uma forma simples de calcular a proporcionalidade é
considerar a área do círculo (figura escolhida) igual à
quantidade a ser representada (Q), para isso é necessário
conhecer o seu raio.
 O círculo representa uma
quantidade que pode ser
subdividida para abordar
parcelas que compõem o
total.
 Na subdivisão dos
setores a
proporcionalidade está
no ângulo central.
 As parcelas são dadas
em porcentagens,
multiplica-se o valor
percentual por 3,6graus.
 Devido a variabilidade dos dados os círculos podem resultar
muito grandes ou muitos pequenos, devem ser adequados a
escala do mapa multiplicando ou dividindo todos os raios por
uma constante K.
 A Legenda é composta de uma parte quantitativa, qualitativa
ou ordenada. Para a leitura quantitativa ,constrói-se um
gráfico cartesiano.
 Nas ordenadas a medida gráfica dos parâmetros lineares em
que os diâmetros podem ser medidos diretamente sobre o
mapa.
 Para a leitura qualitativa, a legenda é organizada mediante
uma série de caixas separadas que identificam visualmente a
diversidade ou a ordem dos componentes.
 A representação do aspecto quantitativo em escala zonal
considera que as quantidades se estendem por toda área de
ocorrência.
 Utiliza-se como solução centralizar as figuras geográficas no
centro de gravidade da área considerada.
 É uma construção pontual, não leva em conta a superfície
das unidades de observação.
 MEIO FÍSICO
 - ROCHAS - GEOLÓGICOS
 - SOLOS – PEDOLÓGICOS – MATERIAIS
 INCONSOLIDADOS
 - ERODIBILIDADE
 MEIO ANTRÓPICO
 USO E OCUPAÇÃO
 - OUTROS
 Representam um conjunto de informações
relativas as: Rochas, estruturas e idades
Geológicas
 Obtenção da Informação:
 Trabalhos de campo
 Fotografia aérea
 Ensaio de laboratório
 Indicam os contatos entre as diversas
unidades;
 - Variação das camadas com a profundidade;
 – Indicam as estruturas geológicas
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática
Cartografia temática

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Elementos do mapa
Elementos do mapaElementos do mapa
Elementos do mapa
 
Representações do espaço geográfico
Representações do espaço geográficoRepresentações do espaço geográfico
Representações do espaço geográfico
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Paisagens e espaço geográfico
Paisagens e espaço geográficoPaisagens e espaço geográfico
Paisagens e espaço geográfico
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
 
Geografia .a cartografia e as novas tecnologias
Geografia   .a cartografia e as novas tecnologiasGeografia   .a cartografia e as novas tecnologias
Geografia .a cartografia e as novas tecnologias
 
Projeções cartográficas
Projeções cartográficasProjeções cartográficas
Projeções cartográficas
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do Mapa
 
Tipos de mapas
Tipos de mapasTipos de mapas
Tipos de mapas
 
Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 
Aula 1 parte_2
Aula 1 parte_2Aula 1 parte_2
Aula 1 parte_2
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
 

Destaque

Mapas temáticos quantitativos
Mapas temáticos quantitativosMapas temáticos quantitativos
Mapas temáticos quantitativosPedro Wallace
 
Cartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIOCartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIOJorge Ferreira
 
Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Osmar Ansbach
 
Teorias da cor cartografia temática
Teorias da cor   cartografia temáticaTeorias da cor   cartografia temática
Teorias da cor cartografia temáticaAlexandre Amorim
 
Cartografia HistóRia
Cartografia   HistóRiaCartografia   HistóRia
Cartografia HistóRiaMateus Silva
 
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaTecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaAna Selma Sena Santos
 
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografiaTecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografiaRenata Magalhães
 
5 tipos de mapas
5 tipos de mapas5 tipos de mapas
5 tipos de mapasMayjö .
 
Aula de Cartografia - professor Hugo Morais
Aula de Cartografia - professor Hugo MoraisAula de Cartografia - professor Hugo Morais
Aula de Cartografia - professor Hugo MoraisEverton Pessoa
 

Destaque (20)

Aula 02 cartografia sistemática e temática
Aula 02   cartografia sistemática e temáticaAula 02   cartografia sistemática e temática
Aula 02 cartografia sistemática e temática
 
Mapas temáticos quantitativos
Mapas temáticos quantitativosMapas temáticos quantitativos
Mapas temáticos quantitativos
 
Cartografia tematica
Cartografia tematicaCartografia tematica
Cartografia tematica
 
Cartografia tematica aula 3
Cartografia tematica   aula 3Cartografia tematica   aula 3
Cartografia tematica aula 3
 
Cartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIOCartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIO
 
7. mapas temáticos
7. mapas temáticos7. mapas temáticos
7. mapas temáticos
 
Cartografia 1° Ano
Cartografia 1° AnoCartografia 1° Ano
Cartografia 1° Ano
 
Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1
 
Teorias da cor cartografia temática
Teorias da cor   cartografia temáticaTeorias da cor   cartografia temática
Teorias da cor cartografia temática
 
Introdução à cartografia
Introdução à cartografiaIntrodução à cartografia
Introdução à cartografia
 
Cartografia HistóRia
Cartografia   HistóRiaCartografia   HistóRia
Cartografia HistóRia
 
ApresentaçãO Cartografia 2
ApresentaçãO Cartografia 2ApresentaçãO Cartografia 2
ApresentaçãO Cartografia 2
 
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaTecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
 
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografiaTecnologias modernas utilizadas pela cartografia
Tecnologias modernas utilizadas pela cartografia
 
5 tipos de mapas
5 tipos de mapas5 tipos de mapas
5 tipos de mapas
 
Aula 1 - Cartografia
Aula 1 - CartografiaAula 1 - Cartografia
Aula 1 - Cartografia
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Semiologia gráfica
Semiologia gráficaSemiologia gráfica
Semiologia gráfica
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Aula de Cartografia - professor Hugo Morais
Aula de Cartografia - professor Hugo MoraisAula de Cartografia - professor Hugo Morais
Aula de Cartografia - professor Hugo Morais
 

Semelhante a Cartografia temática

A sistematização da Cartografia
A sistematização da CartografiaA sistematização da Cartografia
A sistematização da CartografiaRomilson Barreto
 
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfRepresentacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfAndressaAmorim22
 
O mapa e seus elementos
O mapa e seus elementosO mapa e seus elementos
O mapa e seus elementosJ R Messias
 
Texto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdf
Texto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdfTexto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdf
Texto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdfJefersonMuniz6
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxMrcioHenrique50
 
Geografia: Situação de aprendizagem 1
Geografia: Situação de aprendizagem 1        Geografia: Situação de aprendizagem 1
Geografia: Situação de aprendizagem 1 Luiz Antonio Souza
 
Documentos cartográficos conceitos e representações
Documentos  cartográficos   conceitos e representaçõesDocumentos  cartográficos   conceitos e representações
Documentos cartográficos conceitos e representaçõesLuciano Pessanha
 
Geoprocessamento e mapas
Geoprocessamento e mapasGeoprocessamento e mapas
Geoprocessamento e mapasWander Junior
 
PRIVEST - CAP. 03 - Cartografia - Mapas - 1º EM
PRIVEST - CAP.   03 - Cartografia - Mapas - 1º EMPRIVEST - CAP.   03 - Cartografia - Mapas - 1º EM
PRIVEST - CAP. 03 - Cartografia - Mapas - 1º EMprofrodrigoribeiro
 
Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)
Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)
Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)Isabelaa Duarte
 
A representação do espaço geográfico
A representação do espaço geográficoA representação do espaço geográfico
A representação do espaço geográfico1medioc
 
1 como e-composto_um_mapa
1 como e-composto_um_mapa1 como e-composto_um_mapa
1 como e-composto_um_mapaLucas Cechinel
 
Noções de Cartografia.pdf
Noções de Cartografia.pdfNoções de Cartografia.pdf
Noções de Cartografia.pdfdaniel936004
 
A cartografia 2013
A cartografia  2013A cartografia  2013
A cartografia 2013GeografiaVR
 

Semelhante a Cartografia temática (20)

A sistematização da Cartografia
A sistematização da CartografiaA sistematização da Cartografia
A sistematização da Cartografia
 
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfRepresentacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
 
O mapa e seus elementos
O mapa e seus elementosO mapa e seus elementos
O mapa e seus elementos
 
Texto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdf
Texto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdfTexto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdf
Texto 3 - A IMPORTÂNCIA DA LEITURA DE MAPAS.pdf
 
Aval parc geo 3
Aval parc geo 3Aval parc geo 3
Aval parc geo 3
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
 
Geografia: Situação de aprendizagem 1
Geografia: Situação de aprendizagem 1        Geografia: Situação de aprendizagem 1
Geografia: Situação de aprendizagem 1
 
Mapas escalas e projeções cartográficas
Mapas escalas e projeções cartográficasMapas escalas e projeções cartográficas
Mapas escalas e projeções cartográficas
 
Documentos cartográficos conceitos e representações
Documentos  cartográficos   conceitos e representaçõesDocumentos  cartográficos   conceitos e representações
Documentos cartográficos conceitos e representações
 
Geoprocessamento e mapas
Geoprocessamento e mapasGeoprocessamento e mapas
Geoprocessamento e mapas
 
PRIVEST - CAP. 03 - Cartografia - Mapas - 1º EM
PRIVEST - CAP.   03 - Cartografia - Mapas - 1º EMPRIVEST - CAP.   03 - Cartografia - Mapas - 1º EM
PRIVEST - CAP. 03 - Cartografia - Mapas - 1º EM
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)
Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)
Cartografia - O mundo em escalas II (Aula de Geografia)
 
A representação do espaço geográfico
A representação do espaço geográficoA representação do espaço geográfico
A representação do espaço geográfico
 
Variáveis visuais eliane 2
Variáveis visuais eliane 2Variáveis visuais eliane 2
Variáveis visuais eliane 2
 
1 como e-composto_um_mapa
1 como e-composto_um_mapa1 como e-composto_um_mapa
1 como e-composto_um_mapa
 
Noções de Cartografia.pdf
Noções de Cartografia.pdfNoções de Cartografia.pdf
Noções de Cartografia.pdf
 
A cartografia 2013
A cartografia  2013A cartografia  2013
A cartografia 2013
 
A cartografia 2013
A cartografia  2013A cartografia  2013
A cartografia 2013
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 

Último

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 

Último (20)

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 

Cartografia temática

  • 2.  CARTOGRAFIA TEMÁTICA:  Trata da parte da Cartografia que diz respeito ao  planejamento e impressão de mapas sobre um Fundo Básico, ao qual serão anexadas informações através de simbologia adequada, visando atender as necessidades de um público específico – determinado tema.
  • 3.  Os métodos de representação cartográfica empregados mundialmente se consolidaram a partir do fim do séc.. XVII. A partir desse momento passou-se a destacar apenas um dos vários elementos que poderiam ser representados, objetivando mais compreensão e controle do espaço.
  • 4.  A cartografia Temática passou a atender a demanda das concepções filosóficas das novas ciências no fim do séc. XVIII.  Surgem representações temáticas de fenômenos diversos e as mesmas passam a explorar a percepção da 3D ( Z,X e Y).  A cartografia temática quantitativa se fazia diretamente no mapa, nos lugares de ocorrência, extraído de dados oficiais, relatos da população, economia, produção e etc.
  • 5.  Com a Revolução Industrial no final do Séc. XIX, as vias de circulação são essenciais para geração de riquezas e desenvolvimento das nações. A cartografia temática passa a abordar nos mapas o dinamismo espacial e temporal dos fenômenos.  Após 1950 se favoreceu dos avanços tecnológicos e de pesquisas teóricas e experimentais  Na década de 90, uma linha da cartografia voltou-se para as possibilidades oferecidas pela informática, geomática e dados georeferenciados.
  • 6.  - Cartas, mapas ou plantas em qualquer escala, destinadas  a um tema específico;  - Conhecimentos específicos de um determinado tema  (geologia, solos, uso e ocupação, etc.);
  • 7.  delimita-se parte da realidade a ser problematizada;  estabelecem-se diretrizes que orientam a busca de respostas; e  define-se o tema. Os mapas temáticos são construídos levando em conta métodos adequados as características e a formas de manifestação (em pontos, em linhas, em áreas) dos fenômenos considerados em cada tema.
  • 8.  Os métodos podem ser agrupados em quatro categorias:  Métodos para representações qualitativas.  Métodos para representações ordenadas.  Métodos para representações quantitativas.  Métodos para representações dinâmicas.
  • 9.  Fenômenos que compõe a realidade geográfica a ser representada em um mapa podem seguir raciocínio analítico ou sintético.
  • 10.  um tema declarado no título;  o local e a data do acontecimento, respondendo as questões “oque?”, “onde?” e “quando?”. O tema por ele analisado será apresentado na estruturação da legenda.  Legenda– é o meio que o leitor usa para compreender o conteúdo do mapa, relacionando os símbolos aos seus significados. A escala é importante no mapa, através dela pode-se saber quantas vezes a realidade foi reduzida para caber no papel. Finalmente, deve-se declarar a fonte dos dados utilizados na preparação do mapa.
  • 11.
  • 12.  Para representar o tema seja no aspecto qualitativo (‡), ordenado (O) ou quantitativo (Q), com manifestação em pontos, linhas ou áreas, é preciso explorar a terceira dimensão visual (Z) mediante a variações visuais perceptíveis e compatíveis.
  • 13.  Após o mapa temático pronto, são feitas leituras, análise e interpretação para compreensão do conhecimento, são elaborados comentários que podem ser:  Metodológico: analisa o porquê da adoção de determinado método;  Interpretativo: avalia as característica da distribuição do fenômeno, o que mapa revela.
  • 14.  Num mapa qualitativo a variação visual tem que ser seletiva.  O mapa resultara exaustivo dispondo todos os seus atributos.  Responde a questões em nível elementar: o que há em tal lugar?
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.  No exemplo ao lado, usou- se o mapa exaustivo, a coleção de mapas, e a legenda. Traz a vantagem de leitura em nível de conjunto. A fotografia ou desenho associada a cada legenda organizada em uma coleção de mapas, propicia maior compreensão do conteúdo temático do mapa.
  • 21.
  • 22.  Na representação da diversidade das ocorrências com manifestação localizada, pode-se usar variações visuais puntiformes de forma, orientação ou de granulação.  A orientação tem maior poder seletivo, deve-se ter o cuidado de manter o mesmo tamanho e o mesmo “peso” visual.
  • 23.
  • 24.  Em fenômenos de com manifestação linear, as variações poderão ser de granulação, orientação e de forma, sendo preciso manter invariável a espessura da linha e seu peso visual.  As variações também podem ser usadas de forma combinada. Neste caso, a cor tem limitações, salvos se a espessura do traço for bem visível
  • 25.
  • 26.  Em ocorrências zonais a construção da representação denomina-se método corocromático. No método aplica-se cores diferenciadas para as distintas rúbricas em suas áreas de manifestação. A variação de cor oferece maior eficácia.
  • 27.  Um exemplo desse tipo de aplicação pode ser feito na representação da Geologia, em nível seletivo, diferenciando as unidades lito estruturais, conforme mostra o mapa da Geologia do Brasil.  A solução clássica atribui cores convencionais as ocorrências.
  • 28.  Na impossibilidade de usar cores, deve-se empregar texturas compostas por elementos lineares (forma) ou puntiformes:  Lineares: forma;  Puntiformes: orientação ou granulação;  É importante cuidar para se obter resultados de mesmo valor visual.  Essas variações também podem ser usadas de forma combinada.  Na reprodução em branco e preto pode-se usar texturas diferentes de mesmo valor visual.
  • 29.  São representações ordenadas quando as categorias dos fenômenos se inscrevem numa sequência única, aceita universalmente.  A relação dos objetos é de ordem, são definidas as hierarquias.  Alguns fenômenos são passíveis de serem classificados por ordem, são categorias de interpretações qualitativas, quantitativas ou de datações.  São exemplos: a hierarquia das cidades pelo tamanho populacional; a sequência do uso dos espaços agrícolas no tempo.  Na percepção ordenada o tamanho expressa proporcionalidade (B é tantas vezes maior que A).  Quando não for possível fazer essa relação deve-se usar somente valor.
  • 30.  Pode-se usar a ordem visual entre cores, organizando-as das mais claras as mais escuras, seja entre cores quentes ou entre cores frias. Para representações ordenadas com manifestação pontual, fixa-se o tamanho e a forma elementar e varia-se o valor pontual do claro para o escuro.
  • 31.  Em manifestação linear, fixa-se a espessura do traço e varia-se o valor visual do claro para o escuro.  Na manifestação zonal, considera-se uma variação visual de valor do claro para o escuro.
  • 32.  Outra forma de representar a Geologia do Brasil em nível seletivo através da classificação ordenada é conforme o exemplo, ao lado, da coluna estratigráfica.  As rúbricas da legenda seguem a ordem cronológica dos conjuntos espaciais no tempo geológico.  A ordem cronológica será transcrita por uma ordem visual no mapa, usando a variável valor.
  • 33.  Nas representações ordenadas considera-se ainda, aquelas que transcrevem duas ordens opostas de ocorrências com manifestação zonal. É um exemplo, o uso da terra e cobertura do solo, que traz oposição entre o espaço natural e o produzido pelo homem. Para compreensão dessa oposição, pode-se explorar as cores frias em oposição as cores quentes, observando os seus aspectos sensorial, psicológico, místico e simbólico.  A ordem das cores frias ligada as questões naturais e a ordem das cores quentes associada aspectos humanos. Softwares específicos trazem bons resultados para esses mapas.
  • 34.  As representações quantitativas são usadas para destacar a proporção entre objetos (B é 4 vezes maior que A).  A realidade é expressa pela quantidade.  Na relação visual há uma variação de tamanho. Devido as situações da realidade serem complexas, a cartografia temática sistematizou uma série de soluções s para representar corretamente manifestações lineares, pontuais ou zonais.
  • 35.  É um método recomendado para representação quantitativa de fenômenos localizados:  É um exemplo, a população urbana, ideal para valores absolutos.  A proporção entre os objetos é expressa por uma percepção visual, cuja única variável é o tamanho.  As figuras geométricas são círculos, acomodados sobre a base cartográfica.
  • 36.
  • 37.  Este método foi aplicado por Minard (1851), que estabeleceu círculos proporcionais em implantação pontual.  Ele representou a produção das minas de carvão da França, combinada aos fluxos dos combustíveis minerais no mesmo território.  Este autor também idealizou a aplicação da divisão de círculo em setores para representar parcelas do total.  Uma forma simples de calcular a proporcionalidade é considerar a área do círculo (figura escolhida) igual à quantidade a ser representada (Q), para isso é necessário conhecer o seu raio.
  • 38.
  • 39.  O círculo representa uma quantidade que pode ser subdividida para abordar parcelas que compõem o total.  Na subdivisão dos setores a proporcionalidade está no ângulo central.  As parcelas são dadas em porcentagens, multiplica-se o valor percentual por 3,6graus.
  • 40.  Devido a variabilidade dos dados os círculos podem resultar muito grandes ou muitos pequenos, devem ser adequados a escala do mapa multiplicando ou dividindo todos os raios por uma constante K.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.  A Legenda é composta de uma parte quantitativa, qualitativa ou ordenada. Para a leitura quantitativa ,constrói-se um gráfico cartesiano.  Nas ordenadas a medida gráfica dos parâmetros lineares em que os diâmetros podem ser medidos diretamente sobre o mapa.  Para a leitura qualitativa, a legenda é organizada mediante uma série de caixas separadas que identificam visualmente a diversidade ou a ordem dos componentes.
  • 45.  A representação do aspecto quantitativo em escala zonal considera que as quantidades se estendem por toda área de ocorrência.  Utiliza-se como solução centralizar as figuras geográficas no centro de gravidade da área considerada.  É uma construção pontual, não leva em conta a superfície das unidades de observação.
  • 46.
  • 47.  MEIO FÍSICO  - ROCHAS - GEOLÓGICOS  - SOLOS – PEDOLÓGICOS – MATERIAIS  INCONSOLIDADOS  - ERODIBILIDADE  MEIO ANTRÓPICO  USO E OCUPAÇÃO  - OUTROS
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.  Representam um conjunto de informações relativas as: Rochas, estruturas e idades Geológicas  Obtenção da Informação:  Trabalhos de campo  Fotografia aérea  Ensaio de laboratório
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.  Indicam os contatos entre as diversas unidades;  - Variação das camadas com a profundidade;  – Indicam as estruturas geológicas