Cartografia temática

2.098 visualizações

Publicada em

slides de cartografia e Geografia com temas variados a respeito da cartografia, escala e elaboração de mapas

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.098
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
117
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartografia temática

  1. 1. Representações
  2. 2.  CARTOGRAFIA TEMÁTICA:  Trata da parte da Cartografia que diz respeito ao  planejamento e impressão de mapas sobre um Fundo Básico, ao qual serão anexadas informações através de simbologia adequada, visando atender as necessidades de um público específico – determinado tema.
  3. 3.  Os métodos de representação cartográfica empregados mundialmente se consolidaram a partir do fim do séc.. XVII. A partir desse momento passou-se a destacar apenas um dos vários elementos que poderiam ser representados, objetivando mais compreensão e controle do espaço.
  4. 4.  A cartografia Temática passou a atender a demanda das concepções filosóficas das novas ciências no fim do séc. XVIII.  Surgem representações temáticas de fenômenos diversos e as mesmas passam a explorar a percepção da 3D ( Z,X e Y).  A cartografia temática quantitativa se fazia diretamente no mapa, nos lugares de ocorrência, extraído de dados oficiais, relatos da população, economia, produção e etc.
  5. 5.  Com a Revolução Industrial no final do Séc. XIX, as vias de circulação são essenciais para geração de riquezas e desenvolvimento das nações. A cartografia temática passa a abordar nos mapas o dinamismo espacial e temporal dos fenômenos.  Após 1950 se favoreceu dos avanços tecnológicos e de pesquisas teóricas e experimentais  Na década de 90, uma linha da cartografia voltou-se para as possibilidades oferecidas pela informática, geomática e dados georeferenciados.
  6. 6.  - Cartas, mapas ou plantas em qualquer escala, destinadas  a um tema específico;  - Conhecimentos específicos de um determinado tema  (geologia, solos, uso e ocupação, etc.);
  7. 7.  delimita-se parte da realidade a ser problematizada;  estabelecem-se diretrizes que orientam a busca de respostas; e  define-se o tema. Os mapas temáticos são construídos levando em conta métodos adequados as características e a formas de manifestação (em pontos, em linhas, em áreas) dos fenômenos considerados em cada tema.
  8. 8.  Os métodos podem ser agrupados em quatro categorias:  Métodos para representações qualitativas.  Métodos para representações ordenadas.  Métodos para representações quantitativas.  Métodos para representações dinâmicas.
  9. 9.  Fenômenos que compõe a realidade geográfica a ser representada em um mapa podem seguir raciocínio analítico ou sintético.
  10. 10.  um tema declarado no título;  o local e a data do acontecimento, respondendo as questões “oque?”, “onde?” e “quando?”. O tema por ele analisado será apresentado na estruturação da legenda.  Legenda– é o meio que o leitor usa para compreender o conteúdo do mapa, relacionando os símbolos aos seus significados. A escala é importante no mapa, através dela pode-se saber quantas vezes a realidade foi reduzida para caber no papel. Finalmente, deve-se declarar a fonte dos dados utilizados na preparação do mapa.
  11. 11.  Para representar o tema seja no aspecto qualitativo (‡), ordenado (O) ou quantitativo (Q), com manifestação em pontos, linhas ou áreas, é preciso explorar a terceira dimensão visual (Z) mediante a variações visuais perceptíveis e compatíveis.
  12. 12.  Após o mapa temático pronto, são feitas leituras, análise e interpretação para compreensão do conhecimento, são elaborados comentários que podem ser:  Metodológico: analisa o porquê da adoção de determinado método;  Interpretativo: avalia as característica da distribuição do fenômeno, o que mapa revela.
  13. 13.  Num mapa qualitativo a variação visual tem que ser seletiva.  O mapa resultara exaustivo dispondo todos os seus atributos.  Responde a questões em nível elementar: o que há em tal lugar?
  14. 14.  No exemplo ao lado, usou- se o mapa exaustivo, a coleção de mapas, e a legenda. Traz a vantagem de leitura em nível de conjunto. A fotografia ou desenho associada a cada legenda organizada em uma coleção de mapas, propicia maior compreensão do conteúdo temático do mapa.
  15. 15.  Na representação da diversidade das ocorrências com manifestação localizada, pode-se usar variações visuais puntiformes de forma, orientação ou de granulação.  A orientação tem maior poder seletivo, deve-se ter o cuidado de manter o mesmo tamanho e o mesmo “peso” visual.
  16. 16.  Em fenômenos de com manifestação linear, as variações poderão ser de granulação, orientação e de forma, sendo preciso manter invariável a espessura da linha e seu peso visual.  As variações também podem ser usadas de forma combinada. Neste caso, a cor tem limitações, salvos se a espessura do traço for bem visível
  17. 17.  Em ocorrências zonais a construção da representação denomina-se método corocromático. No método aplica-se cores diferenciadas para as distintas rúbricas em suas áreas de manifestação. A variação de cor oferece maior eficácia.
  18. 18.  Um exemplo desse tipo de aplicação pode ser feito na representação da Geologia, em nível seletivo, diferenciando as unidades lito estruturais, conforme mostra o mapa da Geologia do Brasil.  A solução clássica atribui cores convencionais as ocorrências.
  19. 19.  Na impossibilidade de usar cores, deve-se empregar texturas compostas por elementos lineares (forma) ou puntiformes:  Lineares: forma;  Puntiformes: orientação ou granulação;  É importante cuidar para se obter resultados de mesmo valor visual.  Essas variações também podem ser usadas de forma combinada.  Na reprodução em branco e preto pode-se usar texturas diferentes de mesmo valor visual.
  20. 20.  São representações ordenadas quando as categorias dos fenômenos se inscrevem numa sequência única, aceita universalmente.  A relação dos objetos é de ordem, são definidas as hierarquias.  Alguns fenômenos são passíveis de serem classificados por ordem, são categorias de interpretações qualitativas, quantitativas ou de datações.  São exemplos: a hierarquia das cidades pelo tamanho populacional; a sequência do uso dos espaços agrícolas no tempo.  Na percepção ordenada o tamanho expressa proporcionalidade (B é tantas vezes maior que A).  Quando não for possível fazer essa relação deve-se usar somente valor.
  21. 21.  Pode-se usar a ordem visual entre cores, organizando-as das mais claras as mais escuras, seja entre cores quentes ou entre cores frias. Para representações ordenadas com manifestação pontual, fixa-se o tamanho e a forma elementar e varia-se o valor pontual do claro para o escuro.
  22. 22.  Em manifestação linear, fixa-se a espessura do traço e varia-se o valor visual do claro para o escuro.  Na manifestação zonal, considera-se uma variação visual de valor do claro para o escuro.
  23. 23.  Outra forma de representar a Geologia do Brasil em nível seletivo através da classificação ordenada é conforme o exemplo, ao lado, da coluna estratigráfica.  As rúbricas da legenda seguem a ordem cronológica dos conjuntos espaciais no tempo geológico.  A ordem cronológica será transcrita por uma ordem visual no mapa, usando a variável valor.
  24. 24.  Nas representações ordenadas considera-se ainda, aquelas que transcrevem duas ordens opostas de ocorrências com manifestação zonal. É um exemplo, o uso da terra e cobertura do solo, que traz oposição entre o espaço natural e o produzido pelo homem. Para compreensão dessa oposição, pode-se explorar as cores frias em oposição as cores quentes, observando os seus aspectos sensorial, psicológico, místico e simbólico.  A ordem das cores frias ligada as questões naturais e a ordem das cores quentes associada aspectos humanos. Softwares específicos trazem bons resultados para esses mapas.
  25. 25.  As representações quantitativas são usadas para destacar a proporção entre objetos (B é 4 vezes maior que A).  A realidade é expressa pela quantidade.  Na relação visual há uma variação de tamanho. Devido as situações da realidade serem complexas, a cartografia temática sistematizou uma série de soluções s para representar corretamente manifestações lineares, pontuais ou zonais.
  26. 26.  É um método recomendado para representação quantitativa de fenômenos localizados:  É um exemplo, a população urbana, ideal para valores absolutos.  A proporção entre os objetos é expressa por uma percepção visual, cuja única variável é o tamanho.  As figuras geométricas são círculos, acomodados sobre a base cartográfica.
  27. 27.  Este método foi aplicado por Minard (1851), que estabeleceu círculos proporcionais em implantação pontual.  Ele representou a produção das minas de carvão da França, combinada aos fluxos dos combustíveis minerais no mesmo território.  Este autor também idealizou a aplicação da divisão de círculo em setores para representar parcelas do total.  Uma forma simples de calcular a proporcionalidade é considerar a área do círculo (figura escolhida) igual à quantidade a ser representada (Q), para isso é necessário conhecer o seu raio.
  28. 28.  O círculo representa uma quantidade que pode ser subdividida para abordar parcelas que compõem o total.  Na subdivisão dos setores a proporcionalidade está no ângulo central.  As parcelas são dadas em porcentagens, multiplica-se o valor percentual por 3,6graus.
  29. 29.  Devido a variabilidade dos dados os círculos podem resultar muito grandes ou muitos pequenos, devem ser adequados a escala do mapa multiplicando ou dividindo todos os raios por uma constante K.
  30. 30.  A Legenda é composta de uma parte quantitativa, qualitativa ou ordenada. Para a leitura quantitativa ,constrói-se um gráfico cartesiano.  Nas ordenadas a medida gráfica dos parâmetros lineares em que os diâmetros podem ser medidos diretamente sobre o mapa.  Para a leitura qualitativa, a legenda é organizada mediante uma série de caixas separadas que identificam visualmente a diversidade ou a ordem dos componentes.
  31. 31.  A representação do aspecto quantitativo em escala zonal considera que as quantidades se estendem por toda área de ocorrência.  Utiliza-se como solução centralizar as figuras geográficas no centro de gravidade da área considerada.  É uma construção pontual, não leva em conta a superfície das unidades de observação.
  32. 32.  MEIO FÍSICO  - ROCHAS - GEOLÓGICOS  - SOLOS – PEDOLÓGICOS – MATERIAIS  INCONSOLIDADOS  - ERODIBILIDADE  MEIO ANTRÓPICO  USO E OCUPAÇÃO  - OUTROS
  33. 33.  Representam um conjunto de informações relativas as: Rochas, estruturas e idades Geológicas  Obtenção da Informação:  Trabalhos de campo  Fotografia aérea  Ensaio de laboratório
  34. 34.  Indicam os contatos entre as diversas unidades;  - Variação das camadas com a profundidade;  – Indicam as estruturas geológicas

×