SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
POLISSACARÍDEOS

Nome:                          nº
     Aline Paiva          01
     Bianca Oliveira      05
     Carolina Andrade     12
     Caroline Rodrigues   14
     Vinicius Santos      40
DEFINIÇÃO

   Polissacarídeos
     Polissacarídeossão macromoléculas formadas
     a partir de monossacarídeos


   Monossacarídeos
     Sãocarboidratos simples, cuja constituição tem
     de 3 a 7 carbonos em cadeia saturada e não
     ramificada.
CLASSIFICAÇÃO

   Polissacarídeos Estruturais
     São  polissacarídeos encontrados na parede
      celular de alguns seres vivos, sendo
      responsável pelo seu formato e estrutura


   Polissacarídeos Energéticos
     São polissacarídeos que tem reserva de
      energia, podendo servir de alimento.
PRINCIPAIS POLISSACARÍDEOS

   Celulose

   Quitina

   Amido

   Glicogênio
CELULOSE
HISTÓRICO

   A celulose começou a ser utilizada como
    matéria prima para a produção de papel em
    meados do século XIX

   Nos anos 60 começou a utilização do
    eucalipto para a retirada da celulose. Hoje
    em dia esta é a árvore mais utilizada para
    este fim.
OBTENÇÃO
   A Celulose é o composto orgânico mais
    abundante do planeta e está presente nas
    células vegetais, sua extração é feita de
    árvores, principalmente o eucalipto que tem
    crescimento rápido.

   O tronco das árvores é triturado e submetido
    a processos de branqueamento e
    separação, até a obtenção da fibra de
    celulose.
APLICAÇÕES

   O principal uso da celulose é na produção de
    papel e embalagens.

   A celulose com grau de pureza de 92 a
    98,5% podem também ser utilizada na
    fabrição de diversos itens, como: alimentos,
    cosméticos, fármacos, eletrônicos, filtro para
    cigarros e tintas entre outros.
DESCARTE/TRATAMENTO


   Como a maioria da celulose vira papel, seu
    descarte é o lixo comum, tendo como única
    alternativa de tratamento a reciclagem que é
    um processo complexo, caro e de poucos
    resultados.
SITUAÇÃO


   Papel é um dos produtos mais fabricados no
    mundo, sendo o Brasil o 4º maior produtor
    mesmo que seu consumo per capita seja
    considerado baixo em comparação com
    outros países como os Estados Unidos.
QUITINA
HISTÓRICO


   A primeira vez que a Quitina foi isolada foi
    em 1811, retirada de cogumelos.



   1830 foi isolada pela primeira vez em
    insetos.
OBTENÇÃO
   A quitina é obtida a partir do exoesqueleto de
    crustáceos, no qual o teor de quitina 26 a
    30%

   O exoesqueleto é quebrado em pequenos
    pedaços (de 0,5 a 5mm) e tratado com ácido
    clorídrico para retirar os minerais e uma
    solução de hidróxido de sódio para retirar o
    albúmen e os aminoácidos. Restando
    apenas a Quitina
APLICAÇÕES

   Síntese de antibióticos

   Sutura cirúrgica

   Suplementos Dietéticos

   Cosméticos
DESCARTE/TRATAMENTO



   Os derivados de quitina que forem utilizados
    na medicina devem seguir o procedimento
    de descarte de contaminantes biológicos.
SITUAÇÃO

   Em 1990 a produção mundial de quitina e
    quitosana foi estimada em 10.000 t e já se
    aproximava de 30 mil t em 2004,
    correspondente ao processamento de
    aproximadamente 1.440.000 t de rejeitos
    ricos em quitina gerados naquele ano, em
    nível mundial, pela indústria pesqueira.
AMIDO
HISTÓRICO
   O primeiro uso do amido não foi para fins
    alimentícios, no século XVI o amido era
    usado apenas para engomar roupas.

   No século XIX foi descoberto seu uso na
    alimentação

   Em 1859 o amido começou a ser vendido
    mundialmente.
OBTENÇÃO

   O amido de milho é obtido através de processos industriais

   Maceração: Aonde o milho é posto em um tanque por aquecido
    com o ph controlado, que garante uma fermentação controlada
    por bactérias lácticas e ajuda a separação das proteínas.
    Durante esta operação os componentes solúveis vão sendo
    libertados e os grãos de milho vão sendo amolecidos.

   Separação do Gérmen: Os grãos de milho amolecidos passam
    por moinhos de baixo atrito e perdem a película que envolve o
    endosperma e o gérmen. O gérmen é mais leve que o
    endosperma e a película, por isso é usada a força centrífuga
    para efectuar a separação (hidrociclones).
OBTENÇÃO
   Moagem: A separação do gérmen é seguida da moagem que
    destrói completamente as células e liberta os grânulos de amido.
    A mistura sofre uma série de operações para separar a fibra e
    outros componentes do milho, do “leite de amido” (amido e
    glúten).

   Separação do Gérmen: Os grãos de milho amolecidos passam
    por moinhos de baixo atrito e perdem a película que envolve o
    endosperma e o gérmen. O gérmen é mais leve que o
    endosperma e a película, por isso é usada a força centrífuga para
    efectuar a separação (hidrociclones).

   Desidratação e secagem: O amido refinado é desidratado por
    centrifugação e seco em secadores pneumáticos.
APLICAÇÕES

 Na alimentação , como fonte de glicose.
 Preparação de colas.

 Preparação de gomas utilizadas em
  lavanderia e fabricação de papel e tecidos.
 Fabricação de xaropes e adoçantes.

 Fabricação de álcool etílico.

 Para liberação controlada de fármacos.
DESCARTE/TRATAMENTO




 Como  o amido não é considerado um resíduo
perigoso, ele é descartado como resíduo comum
SITUAÇÃO
   O amido está dividido em cinco matérias-primas,
    quatro delas de origem tropical (milho, batata, batata-
    doce e mandioca). Dessas, o milho é a mais
    significativa, com 75% da produção mundial de
    amido. É a principal fonte de amido nos Estados
    Unidos (99% da produção), na Europa (46%), na
    Ásia e no Brasil.

   A média anual de consumo de amidos por habitante
    é da ordem de 10 quilos nos principais países
    industrializados, contra cerca de 1 quilo nos países
    em desenvolvimento. Essa grande diferença acentua
    o potencial de crescimento para o setor de amido.
GLICOGÊNIO
OBTENÇÃO


   Conforme nosso organismo vai absorvendo
    glicose, ele a transporta para o sangue e
    tecidos, quando essa glicose se torna mais
    do que o necessário ele é armazenada na
    forma de glicogênio, no fígado e músculos.
OBTENÇÃO


   A síntese ou a degradação do glicogênio ocorre
    através de enzimas específicas, diferentes para cada
    processo e diferem também em relação ao local de
    atuação. Desta forma, enzimas relacionadas à
    síntese que atuam no fígado não participarão do
    mesmo processo realizado nos músculos. Assim, a
    falta de determinada enzima compromete a ação do
    processo (síntese ou degradação) realizado naquele
    órgão específico, mas não interfere no processo em
    outro órgão
APLICAÇÕES

   Quando a queda de glicose no sangue o glicogênio
    armazenado se degrada em glicose regulando o os níveis
    de glicose. A substância que sinaliza essa transformação
    no fígado é chamada de glucagon.


   Outro exemplo da utilização do glicogênio é em
    momentos extremos, nos quais nosso organismo
    necessita de respostas imediatas, o glicogênio presente
    nos músculos estriados esqueléticos é rapidamente
    convertido em glicose e esta é oxidada para a produção
    de energia. A substância que permite a liberação imediata
    dessa reserva muscular é a epinefrina (adrenalina).
CONCLUSÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIOHistologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
 
compostos orgânicos e inorgânicos
compostos orgânicos e inorgânicoscompostos orgânicos e inorgânicos
compostos orgânicos e inorgânicos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
009 acucares 2011_2_013
009 acucares 2011_2_013009 acucares 2011_2_013
009 acucares 2011_2_013
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
O citoplasma
O citoplasmaO citoplasma
O citoplasma
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
aula 4 CELULA 6 ANO.pptx
aula 4 CELULA 6 ANO.pptxaula 4 CELULA 6 ANO.pptx
aula 4 CELULA 6 ANO.pptx
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
1º ano- Lipídios
1º ano- Lipídios1º ano- Lipídios
1º ano- Lipídios
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
 
BIOQUIMICA
BIOQUIMICABIOQUIMICA
BIOQUIMICA
 
Biologia a ciência da vida
Biologia a ciência da vidaBiologia a ciência da vida
Biologia a ciência da vida
 
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
AMIDO NA PANIFICAÇÃOAMIDO NA PANIFICAÇÃO
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
 

Semelhante a Polissacarídeos

Produksi etanol dari fermentasi alkohool
Produksi etanol dari fermentasi alkohoolProduksi etanol dari fermentasi alkohool
Produksi etanol dari fermentasi alkohoolCelestino Silva
 
Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .Aline Lorena
 
A química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais mineraisA química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais mineraisMatheus de Paula Medeiros
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013Leonor Vaz Pereira
 
Produksi etanol dari fermentasi
Produksi etanol dari fermentasiProduksi etanol dari fermentasi
Produksi etanol dari fermentasiCelestino Silva
 
Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012Paulo Filho
 
Bioquímica 2012
Bioquímica 2012Bioquímica 2012
Bioquímica 2012Paulo Filho
 
Componentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: CarboidratosComponentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: CarboidratosWerner Mendoza Blanco
 
Aula 18 Estrutura de carboidratos.pdf
Aula 18 Estrutura de carboidratos.pdfAula 18 Estrutura de carboidratos.pdf
Aula 18 Estrutura de carboidratos.pdfrobertocordeiro909
 
Carboidratos - Glícidios - Açúcares
Carboidratos - Glícidios - AçúcaresCarboidratos - Glícidios - Açúcares
Carboidratos - Glícidios - AçúcaresHenrique Sousa
 
Principais componentes dos alimentos. carboidratos
Principais componentes dos alimentos. carboidratosPrincipais componentes dos alimentos. carboidratos
Principais componentes dos alimentos. carboidratosRenato Delmondes
 
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdfFundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdfJorgepedro38
 
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptaula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptssuser2b53fe
 
Carboidrato e vitaminas
Carboidrato  e vitaminasCarboidrato  e vitaminas
Carboidrato e vitaminascristinabio
 

Semelhante a Polissacarídeos (20)

Produksi etanol dari fermentasi alkohool
Produksi etanol dari fermentasi alkohoolProduksi etanol dari fermentasi alkohool
Produksi etanol dari fermentasi alkohool
 
Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
A química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais mineraisA química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais minerais
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
 
Produksi etanol dari fermentasi
Produksi etanol dari fermentasiProduksi etanol dari fermentasi
Produksi etanol dari fermentasi
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I   Carboidratos e LipídiosMetabolismo Energético I   Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012
 
Bioquímica 2012
Bioquímica 2012Bioquímica 2012
Bioquímica 2012
 
Componentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: CarboidratosComponentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: Carboidratos
 
Aula 18 Estrutura de carboidratos.pdf
Aula 18 Estrutura de carboidratos.pdfAula 18 Estrutura de carboidratos.pdf
Aula 18 Estrutura de carboidratos.pdf
 
Aula 3.pptx
Aula 3.pptxAula 3.pptx
Aula 3.pptx
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Carboidratos - Glícidios - Açúcares
Carboidratos - Glícidios - AçúcaresCarboidratos - Glícidios - Açúcares
Carboidratos - Glícidios - Açúcares
 
Principais componentes dos alimentos. carboidratos
Principais componentes dos alimentos. carboidratosPrincipais componentes dos alimentos. carboidratos
Principais componentes dos alimentos. carboidratos
 
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdfFundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
 
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptaula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
 
Carboidrato e vitaminas
Carboidrato  e vitaminasCarboidrato  e vitaminas
Carboidrato e vitaminas
 

Polissacarídeos

  • 1. POLISSACARÍDEOS Nome: nº Aline Paiva 01 Bianca Oliveira 05 Carolina Andrade 12 Caroline Rodrigues 14 Vinicius Santos 40
  • 2. DEFINIÇÃO  Polissacarídeos  Polissacarídeossão macromoléculas formadas a partir de monossacarídeos  Monossacarídeos  Sãocarboidratos simples, cuja constituição tem de 3 a 7 carbonos em cadeia saturada e não ramificada.
  • 3. CLASSIFICAÇÃO  Polissacarídeos Estruturais  São polissacarídeos encontrados na parede celular de alguns seres vivos, sendo responsável pelo seu formato e estrutura  Polissacarídeos Energéticos  São polissacarídeos que tem reserva de energia, podendo servir de alimento.
  • 4. PRINCIPAIS POLISSACARÍDEOS  Celulose  Quitina  Amido  Glicogênio
  • 6. HISTÓRICO  A celulose começou a ser utilizada como matéria prima para a produção de papel em meados do século XIX  Nos anos 60 começou a utilização do eucalipto para a retirada da celulose. Hoje em dia esta é a árvore mais utilizada para este fim.
  • 7. OBTENÇÃO  A Celulose é o composto orgânico mais abundante do planeta e está presente nas células vegetais, sua extração é feita de árvores, principalmente o eucalipto que tem crescimento rápido.  O tronco das árvores é triturado e submetido a processos de branqueamento e separação, até a obtenção da fibra de celulose.
  • 8. APLICAÇÕES  O principal uso da celulose é na produção de papel e embalagens.  A celulose com grau de pureza de 92 a 98,5% podem também ser utilizada na fabrição de diversos itens, como: alimentos, cosméticos, fármacos, eletrônicos, filtro para cigarros e tintas entre outros.
  • 9. DESCARTE/TRATAMENTO  Como a maioria da celulose vira papel, seu descarte é o lixo comum, tendo como única alternativa de tratamento a reciclagem que é um processo complexo, caro e de poucos resultados.
  • 10. SITUAÇÃO  Papel é um dos produtos mais fabricados no mundo, sendo o Brasil o 4º maior produtor mesmo que seu consumo per capita seja considerado baixo em comparação com outros países como os Estados Unidos.
  • 12. HISTÓRICO  A primeira vez que a Quitina foi isolada foi em 1811, retirada de cogumelos.  1830 foi isolada pela primeira vez em insetos.
  • 13. OBTENÇÃO  A quitina é obtida a partir do exoesqueleto de crustáceos, no qual o teor de quitina 26 a 30%  O exoesqueleto é quebrado em pequenos pedaços (de 0,5 a 5mm) e tratado com ácido clorídrico para retirar os minerais e uma solução de hidróxido de sódio para retirar o albúmen e os aminoácidos. Restando apenas a Quitina
  • 14. APLICAÇÕES  Síntese de antibióticos  Sutura cirúrgica  Suplementos Dietéticos  Cosméticos
  • 15. DESCARTE/TRATAMENTO  Os derivados de quitina que forem utilizados na medicina devem seguir o procedimento de descarte de contaminantes biológicos.
  • 16. SITUAÇÃO  Em 1990 a produção mundial de quitina e quitosana foi estimada em 10.000 t e já se aproximava de 30 mil t em 2004, correspondente ao processamento de aproximadamente 1.440.000 t de rejeitos ricos em quitina gerados naquele ano, em nível mundial, pela indústria pesqueira.
  • 17. AMIDO
  • 18. HISTÓRICO  O primeiro uso do amido não foi para fins alimentícios, no século XVI o amido era usado apenas para engomar roupas.  No século XIX foi descoberto seu uso na alimentação  Em 1859 o amido começou a ser vendido mundialmente.
  • 19. OBTENÇÃO  O amido de milho é obtido através de processos industriais  Maceração: Aonde o milho é posto em um tanque por aquecido com o ph controlado, que garante uma fermentação controlada por bactérias lácticas e ajuda a separação das proteínas. Durante esta operação os componentes solúveis vão sendo libertados e os grãos de milho vão sendo amolecidos.  Separação do Gérmen: Os grãos de milho amolecidos passam por moinhos de baixo atrito e perdem a película que envolve o endosperma e o gérmen. O gérmen é mais leve que o endosperma e a película, por isso é usada a força centrífuga para efectuar a separação (hidrociclones).
  • 20. OBTENÇÃO  Moagem: A separação do gérmen é seguida da moagem que destrói completamente as células e liberta os grânulos de amido. A mistura sofre uma série de operações para separar a fibra e outros componentes do milho, do “leite de amido” (amido e glúten).  Separação do Gérmen: Os grãos de milho amolecidos passam por moinhos de baixo atrito e perdem a película que envolve o endosperma e o gérmen. O gérmen é mais leve que o endosperma e a película, por isso é usada a força centrífuga para efectuar a separação (hidrociclones).  Desidratação e secagem: O amido refinado é desidratado por centrifugação e seco em secadores pneumáticos.
  • 21. APLICAÇÕES  Na alimentação , como fonte de glicose.  Preparação de colas.  Preparação de gomas utilizadas em lavanderia e fabricação de papel e tecidos.  Fabricação de xaropes e adoçantes.  Fabricação de álcool etílico.  Para liberação controlada de fármacos.
  • 22. DESCARTE/TRATAMENTO  Como o amido não é considerado um resíduo perigoso, ele é descartado como resíduo comum
  • 23. SITUAÇÃO  O amido está dividido em cinco matérias-primas, quatro delas de origem tropical (milho, batata, batata- doce e mandioca). Dessas, o milho é a mais significativa, com 75% da produção mundial de amido. É a principal fonte de amido nos Estados Unidos (99% da produção), na Europa (46%), na Ásia e no Brasil.  A média anual de consumo de amidos por habitante é da ordem de 10 quilos nos principais países industrializados, contra cerca de 1 quilo nos países em desenvolvimento. Essa grande diferença acentua o potencial de crescimento para o setor de amido.
  • 25. OBTENÇÃO  Conforme nosso organismo vai absorvendo glicose, ele a transporta para o sangue e tecidos, quando essa glicose se torna mais do que o necessário ele é armazenada na forma de glicogênio, no fígado e músculos.
  • 26. OBTENÇÃO  A síntese ou a degradação do glicogênio ocorre através de enzimas específicas, diferentes para cada processo e diferem também em relação ao local de atuação. Desta forma, enzimas relacionadas à síntese que atuam no fígado não participarão do mesmo processo realizado nos músculos. Assim, a falta de determinada enzima compromete a ação do processo (síntese ou degradação) realizado naquele órgão específico, mas não interfere no processo em outro órgão
  • 27. APLICAÇÕES  Quando a queda de glicose no sangue o glicogênio armazenado se degrada em glicose regulando o os níveis de glicose. A substância que sinaliza essa transformação no fígado é chamada de glucagon.  Outro exemplo da utilização do glicogênio é em momentos extremos, nos quais nosso organismo necessita de respostas imediatas, o glicogênio presente nos músculos estriados esqueléticos é rapidamente convertido em glicose e esta é oxidada para a produção de energia. A substância que permite a liberação imediata dessa reserva muscular é a epinefrina (adrenalina).