Relações humanas na sala de aula

2.080 visualizações

Publicada em

Palestra proferida no I Encontro com Educadores, realizado no Campus do Centro Universitário Anhanguera de São Paulo / Universidade Bandeirante Anhanguera - Uniban - Campo Limpo em 03/05/2013, com o tema "Relações Humanas em Sala de Aula".

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Relações humanas na sala de aula

  1. 1. I Encontro com EducadoresSão Paulo – Campo Limpo, 03/05/2013Apresentação: Prof. MS. Alexey CarvalhoDiretor Executivo
  2. 2. ApresentaçãoAlexey CarvalhoDoutorando em EducaçãoMestre em TecnologiaEspecialista em Tecnologia da InformaçãoEspecialista em Gestão de NegóciosDiretor Executivo do Centro Universitário Anhanguera de São Paulo eda Universidade Bandeirante Anhanguera18 anos de atuação docente, desde o ensino médio e técnico até após-graduação, sendo 8 anos em cargos de gestão acadêmica decoordenação e direção.
  3. 3. Relações Humanas naSala de AulaSala de Aula
  4. 4. Referências• BLERGER, José. Psicologia da conduta. PortoAlegre: Artes Médicas, 1997.• LOWMAN,Joseph.Dominando as técnicas deensino.São Paulo: Atlas,2004.• MOREIRA,M.A. Aprendizagem significativaSão Paulo: Moraes, 1992.• SALLUM, J.A. Programa Permanente deCapacitação Docente. Valinhos-SP: AnhangueraEducacional, 2009.
  5. 5. Professor como motivador da aprendizagemProfessor como criador de estímulos
  6. 6. 1.Promover relacionamentos pessoais• Esforçar-se para conhecer o aluno comopessoa.• Abordar a tarefa com uma atitude positivae comprometida.e comprometida.• Promover os diálogos.Qualquer método exige esforço para sereficiente.
  7. 7. 2.Solicitar feedback dos alunos• Dar oportunidades de falar e ouvi-loscuidadosamente pode ser muito valioso.• Prestar atenção aos comentários podemelhorar seu ensinar.• Usar de métodos eficientes de liderança.Estudantes serão mais motivados a agradaraqueles que acreditam que se importam comeles.
  8. 8. 3.Liderar indiretamente• É necessário que os estudantes vejam osprofessores no controle.• Uso de uma linguagem mais igualitária.• Justificativas racionais para as tarefas.• Oferecimento de escolhas aos alunos.Os alunos precisam mais de estrutura noinício de um curso e são mais capazes deaprendizado independente em suas partesfinais
  9. 9. 4.Tratar os alunos individualmenteHá certos estudantes que exigem dosprofessores um esforço especial paraestabelecer relacionamentos interpessoaispositivos.Mann categoriza os estudantes em oitogrupos distintos:
  10. 10. 4.1- Estudantes submissos• Dependentes do professor.• Altamente orientados para as tarefas.• Contentam-se em aprender aquilo que éensinado.• Raramente colocam problemas ou• Raramente colocam problemas ouquestionam o controle do professor.Maioria entre os calouros, decrescendofirmemente com a idade.
  11. 11. 4.2 – Dependentes ansiosos• Excessiva preocupação com notas.• Pedem repetições para as definições.• Esperam questões com “pegadinhas”.• Acreditam em práticas injustas de notas.• Acreditam em práticas injustas de notas.• Ficam até o último momento nas provas.• Têm uma imagem negativa de sua própriacapacidade.
  12. 12. 4.3 – Trabalhadores desencorajados• Seus comentários comunicam atitudesdepressivas e/ou fatalistas.• Acreditam ter pouco controle sobre seuaprendizado.aprendizado.• Muitas vezes são estudantes mais velhos.Podem ser transformados em participantesativos por um professor inspirador.
  13. 13. 4.4 – Estudantes independentes• Orientados para a aprendizagem.• Tomam o que os professores têm paralhes oferecer e perseguem suas metas.• Não se esquivam quando solicitados.• Não se esquivam quando solicitados.• Raramente apresentam problemas.• São escolhidos como porta-vozes dogrupo.
  14. 14. 4.5 - Heróis• Ansiosos em fazer com que o professorperceba os grandes estudantes que são.• Regularmente fracassam em cumprir suapromessa inicial.promessa inicial.• Otimistas, mas pouco esforçados.• Adoram discussão e podem seraborrecidamente argumentativos• Perdem mais aulas do que os outrosalunos.
  15. 15. 4.6 – Franco-atirador• É o herói hostil aos professores.• Pouco esperançoso de que o mundoreconheça seu valor.• Faz interrupções frequentes.• Faz interrupções frequentes.• Respeita a autoridade e se torna maishostil ao professor que considera fraco.• Recebe bem alguém que faz contatosem amedrontá-lo e afastá-lo.
  16. 16. 4.7 – Os que buscam atenção• Gostam de vir as aulas.• Adoram falar, gostam de discussão.• Necessidades sociais predominam sobreas intelectuais.as intelectuais.• Relações sociais próximas.• Organizam grupos para festas ou estudos.• São líderes socioemocionais.
  17. 17. 4.8 – Estudantes silenciosos• Fazem pouquíssimos comentários.• Desejam relacionamentos próximos.• Receiam que o professor não os levem• Receiam que o professor não os levemem alta conta, e também ao seu trabalhoacadêmico.
  18. 18. Pontos de AtençãoEstudantes sobre pressão especial:• Calouros• Incapacidades físicas• Incapacidades físicas• Estudantes com problemas emocionais• Minorias identificáveis.
  19. 19. Estudantes com capacidadeacadêmica fora do comumSão extremamente vulneráveis ao tédio ecapazes de não utilizarem todo o seuPontos de Atençãocapazes de não utilizarem todo o seupotencial, se não encontrarem uma classeintelectualmente desafiadora.
  20. 20. “Nada de poder,uma pitada de saber euma pitada de saber eo máximo possível de sabor”Roland Barthes

×