A Vivência que Valoriza a Influência - Profs. Ivete e Nara

558 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado no Seminário Educação, Diversidade e Relações Interculturais

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
558
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
216
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Vivência que Valoriza a Influência - Profs. Ivete e Nara

  1. 1. “A vivência que valoriza a influência”
  2. 2. EMEF Carlos Drummond de Andrade Professores responsáveis: Ivete Machado (Língua Portuguesa) Nara Georgina Martins Lopes (Educação Física)
  3. 3. Professores colaboradores: Ângela Silveira da Silva (Ensino Religioso) Márcia Elisa Silva (Educação Artística) Loiva Rosa (Geografia)
  4. 4. • Participantes: 20 alunos(as) da 8ª série do Ensino Fundamental• Duração: de 1º. de novembro de 2011 até 30 de novembro de 2011• Abrangência: intensivamente na turma selecionada e superficialmente em forma de apresentação ao restante dos alunos do turno da manhã
  5. 5. Justificando: As questões de diversidade emergem de forma significativano cotidiano escolar. Acreditamos que o ser humano já sesustenta enquanto “diverso” pela sua própria existência ímpar.Culturalmente, há proximidades mais ou menos acentuadas quenos tornam ou não seres de um mesmo grupo. No entanto, asigualdades são bem menos frequentes do que se supõe. A cultura africana chega neste ponto como um diferencial“visível” na sociedade, pouco disfarçado e carregado de umhistórico de aculturação, lutas e vitórias. Sob este enfoquepercebe-se uma necessidade de melhor explicar o contextohistórico em que esta etnia torna-se formadora do povobrasileiro. O quanto temos deste povo “roubado” de seu país deorigem, assassinado em suas crenças e costumes, abortado desuas famílias, convertidos em riquezas para poucos.
  6. 6. Objetivo Geral Proporcionar aos discentes envolvidos certa “aproximação” com a cultura afro- brasileira,por intermédio do vocabulário e de ritmos afins.
  7. 7. Objetivos Específicos• Realizar uma produção literária a partir de releitura da letra da música “Minha Fé” (Zeca Pagodinho) em forma de poesia.• Criar uma coreografia, em forma de oficina, com a turma selecionada.
  8. 8. Conteúdo• Produção textual• Vocabulário: origem e significados• Contextualização gramatical• Ritmo valorizando a percussão• Releitura de desenhos com traços de simbologia africana
  9. 9. Metodologia• Primeira semana: escolha da música e seleção de palavras e expressões a serem pesquisadas.• Segunda semana: início da coreografia com o resultado da pesquisa de movimentos, estudo de vocabulário e construção gramatical.• Terceira semana: continuação da coreografia, produção textual e pesquisa das expressões místicas.• Quarta semana: finalização da recriação artístico- literária com apresentação da coreografia e da produção literária.
  10. 10. CONSTRUÇÃO COREOGRÁFICA
  11. 11. Recursos• Aparelho de som• Cd• Figurino adequado• Xerox• Dicionários• Gramática• Folhas• Internet
  12. 12. Avaliação A avaliação dar-se-á em forma de observaçãoseletiva dos professores em relação aoenvolvimento dos alunos no processo como umtodo, ou seja, nos diversos aspectos abordados,bem como a avaliação oral e descritiva por partedos alunos.
  13. 13. LETRA DA MÚSICA “MINHA FÉ”
  14. 14. MINHA FÉ (Zeca Pagodinho) (Eu tenho um santo Por isso que a vida que euPadroeiro, poderoso levo é belezaQue é meu pai Ogum Apesar das tristezaEu tenho Eu só vivo a cantar, cantarTenho outro santoQue me ampara na descida Cantanto transmito alegriaQue é meu pai Xangô E afasto qualquer nostalgiaCaô Pra lá, sei láE quem me ajudaNo meu caminhar nessa E a quem digavida Que esta minha vidaPra ir na corrida do ouro Não é vida para um serÉ Oxum, é Oxum humano viverNas mandingas que a gente Podes crernão vê Nas mandingas que a genteMil coisas que a gente não não vêcrê Mil coisas que a gente nãoValei-me, meu pai, atotô,Obaluaê crêObaluaê Valei-me, meu pai, atotô, Obaluaê
  15. 15. Compartilhando...
  16. 16. DEPOIMENTOS
  17. 17. COREOGRAFIA
  18. 18. Referencial Bibliográfico• HOLANDA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da Língua Portuguesa. Ed. Positivo• VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Portfólio e Trabalho Pedagógico – Campinas, SP: Papirus, 2004 – (Coleção Magistério, Formação e Trabalho Pedagógico)• CARRIL, Lourdes. Terras de negros, herança de quilombos – São Paulo: Scipione,1997. Ponto de Apoio
  19. 19. “Temos aprendido a voar como os pássaros, a nadar como os peixes, mas não aprendemos a sensível arte de vivermos como irmãos.” (Martin Luther King)
  20. 20. Ivete Machadoivetemachadomsn@hotmail.com Nara Georgina Martins Lopes naragml@hotmail.com

×