CV Alexandre Leibel 2016

189 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
189
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CV Alexandre Leibel 2016

  1. 1. Alexandre Leibel Brasileiro, 55 anos, Casado, 2 filhos (55 21) 97164-5454 / (21) 3648-8281 | lbl.bhe@me.com Rua dos Jacarandás, 300 Bl 4 Apto 708, Rio de Janeiro, RJ PERFIL DE QUALIFICAÇÕES  Executivo com mais de 25 anos de experiência na gestão das áreas de Ativos, Manutenção e Suprimentos, com dest aque para a formação de pessoas e busca de resultados, atuando em multinacionais de grande porte, nos segmentos de Mineração, Logística e Siderurgia.  Experiência nas áreas de Serviços, com atuação destacada em Marketing, Engenharia de Processos e de Produtos, bem como na introdução de novos produtos.  Liderança de equipes multidisciplinares e multiculturais, com desenvolvimento e formação de times de alta performance.  Competência na gestão de projetos complexos, com garantia da execução e atendimento dos prazos e requisitos exigidos.  Criação de planos de ação estratégicos e implementação de táticas para o melhor desempenho organizacional.  Capacidade de implementar novas metodologias e conceitos de Supply Chain, atuando de forma pioneira.  Conhecimento técnico nas áreas de Manutenção, desenvolvendo e implementando soluções inovadoras.  Perfil hands on, inovador, resiliente, com facilidade de comunicação com diferentes níveis hierárquicos.  Atuei como Vice-Presidente, Diretor Nacional e hoje Conselheiro da Associação Brasileira de Manutenção – Abraman e Professor da cadeira de Custos em curso de pós-graduação de Engenharia de Manutenção. HISTÓRICO PROFISSIONAL LEIBEL Consultores Ltda ME 08/15 até o momento Consultor - responsável pelo apoio a empresas no desenvolvimento de estratégias de melhoria de processos e redução de custos em Manutenção e Gestão de Ativos. HARSCO Metals & Minerals 01/11 a 10/14 Diretor de Ativos e Manutenção - América do Sul - responsável pela gestão dos ativos físicos de 26 operações, at uando na gestão de, aproximadamente, 800 equipamentos de médio e grande porte entre móveis e industriais. Principais ações e resultados:  Criei a área de Manutenção e de Ativos, liderando equipe multidisciplinar, atuando como líder regional de suprimentos no 1o ano, o que possibilitou ganhos de US$ 1.5 milhão na venda de ativos inservíveis, bem como redução de US$ 4,6 milhões nos custos de manutenção da região.  Desenvolvi controles para consolidação das necessidades de investimento para defesa e aprovação , junto a alta direção, sendo responsável pela gestão do CAPEX referente a ativos (seleção, aquisição, implantação) cujo valor para 2014 ultrapassou US$ 45 milhões. Fui responsável pela execução do OPEX da manutenção da ordem de US$ 25 milhões.  Assumi a representação da América do Sul no Global Solution Team, influenciando nas definições de estratégias e processos para questões de ativos e manutenção.  Premiado pela Harsco, em 2013, como a Melhor Região de Gestão de Ativos Global. Diretor de Operações (interino)  Respondi em 2012, interinamente, pela Diretoria de Operação da Harsco nos sites Açominas, V&M e VSB, cumulativament e com outras funções. Destaque para reversão de prejuízo do contrato de menos 15% para 2% de lucro. LOCAR Guindastes e Transportes Intermodais 01/10 a 12/10 Diretor de Manutenção - responsável pelo desenvolvimento e gestão dos processos de manutenção para toda a frota, composta de, aproximadamente, 800 equipamentos de grande porte entre guindastes, cavalos mecânicos, carretas, linhas de eixo, gruas, plataformas elevatórias, balsas e rebocadores. Faturamento previsto em 2010 de R$500 milhões. Principais ações e resultados:  Influenciei a alta direção na implantação da estruturação de processos de planejamento e ações estratégicas, de médio e longo prazo, negociando com fabricantes/representantes, o que possibilitou reversão de gastos, de aproximados US$ 250 mil em garantias, aumento da confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos da frota.  Coordenei execução de projetos de modificações e melhorias em equipamentos críticos.  Defini perfil de profissionais para atendimento as necessidades da área e desenvolvi escola de formação de mão-de-obra, que formou técnicos mecatrônicos através de convênio com o Senai no primeiro ano. VALE 10/06 a 09/09 Coordenador Executivo de Processos de Manutenção (03/09 a 09/09) - responsável pela liderança da área VPS - Vale Production System, atuando na gestão dos processos de manutenção globais, com investimento de capital para 2009 estimado em US$ 10 bilhões, para todas as linhas de negócio no Brasil e no mundo da Diretoria de Melhorias Operacionais – DIMO. Principais ações:  Geri a construção do pilar Manutenção no Sistema Vale de Produção (VPS).  Integrei o pilar Manutenção com os demais pilares de Operação, Tecnologia, Gestão e Pessoas do VPS.  Capturei e disseminei as melhores práticas de manutenção globalmente.  Iniciei a implantação do VPS Manutenção nas operações internacionais de Níquel e Carvão.  Liderei o Comitê de Liderança da Manutenção (CLM), atuando em modelos de gestão e controle, pessoas, sistemas e engenharia de manutenção
  2. 2. Alexandre Leibel  Conceituei e aprovei a construção do Centro de Recuperação de Componentes Norte (CRC) no valor orçado de US$ 25 milhões. Principais resultados:  Implantação do VPS Manutenção nas operações de carvão na Austrália.  Criação de 6 comunidades de prática da Manutenção e realização de dois (2) seminários de Boas Práticas.  Diagnóstico do grau de maturidade das 16 Funções Manter do corredor norte em relação ao VPS Manutenção no primeiro bimestre e respectivo desdobramento em planos de ação corretivos.  Desenho da governança da operação do Comitê de Liderança da Manutenção (CLM).  Piloto do programa de qualificação e certificação da mão-de-obra de manutenção. Gerente Geral de Manutenção (10/06 a 03/09) – responsável pela gestão dos ativos e a manutenção de equipamentos das minas da Diretoria de Ferrosos Norte, com frota composta por 250 equipamentos de grande porte (US$ 500 MI em ativos). Principais ações:  Desenvolvi a estrutura da área e liderança da equipe composta de 450 profissionais Vale e 1400 contratados.  Geri orçamento operacional de US$ 250 milhões (OPEX 2009).  Fortaleci a cultura de segurança, meio ambiente e organização na área.  Implantei os projetos inovadores do lavador robotizado e do sistema de controle de combustível CTF para equipamentos da frota. Participei como coordenador regional do projeto do caminhão autônomo (sem operador).  Coordenei a área de automação dos equipamentos de mineração colaborando com o aumento da efetividade operacional.  Geri a manutenção e distribuição de energia elétrica na mina e no núcleo urbano de Carajás (50 MW ).  Reforcei os conceitos de manutenção preditiva para identificação de problemas antes da falha. Principais resultados:  Redução de 53% nas taxas de freqüência de acidentes com e sem perdas.  Redução do custo por tonelada movimentada em 12%, representando economias de US$80 milhões, mesmo com crescimento da frota de 158 para 289 unidades no mesmo período.  Redução de 28% (321 pessoas) do efetivo através da estratégia de primarização da equipe de manutenção.  Redução de 11% na geração de óleo usado e de 30% no consumo específico de lubrificantes na frota de caminhões.  Implantação de técnicas e do “portal preditiva” com reflexo no aumento do MTBF (Tempo Médio Entre Falhas) em 13% na frota de caminhões.  Redução e repetibilidade dos tempos de lavagem de um caminhão fora-de-estrada em 60% com a implantação da primeira aplicação robótica (lavador de equipamentos).  Melhoria da infraestrutura das oficinas e da logística de atendimentos de peças de reposição. CAEMI / MBR - Minerações Brasileiras Reunidas 04/96 a 10/06 Gerente Geral de Suprimentos (08/00 a 10/06) – responsável pela gestão da área de Suprimentos e Logística, compost a de 220 profissionais, efetuando compras nacionais e internacionais, operação de armazéns, gestão de estoques e inteligência de compras, com orçamento US$ 415 milhões anual e investimentos de US$ 126 milhões. Principais ações:  Reestruturei e coordenei a área introduzindo o conceito de Gestão da Cadeia de Suprimentos, integrando as funções tradicionais de compras com o planejamento de manutenção, engenharia de manutenção e de materiais.  Introduzi dos modelos de Compras Estratégicas, sistema de Gestão de Armazéns (WMS) e Compras Eletrônicas (B2B).  Implantei os módulos de compras e inventário do ERP Peoplesoft.  Absorvi a área de compras do negócio de Caulim, com ganhos de sinergia. Principais resultados:  Redução do dispêndio em mais de US$ 10 milhões.  Pesquisa de Clima Organizacional Hay na área com índice de 83% de favorabilidade (um dos melhores da empresa).  Redução do estoque de MRO em 56%, obtido pela introdução de novos modelos de gestão do estoque. Superintendente de Suprimentos (02/97 a 11/97)  Respondi em 1997, interinamente, pela Superintendência de Suprimentos da MBR, cumulativamente com outras funções. Destaque para maior integração entre as áreas de suprimentos e manutenção com significativa melhoria do planejament o das necessidades operacionais da empresa. Gerente Técnico de Manutenção (04/96 a 08/00) – responsável pelo desenvolvimento das estratégias de manutenção para equipamentos industriais e de mineração, liderando time de 176 profissionais e orçamento de US$ 50 milhões. Principais ações:  Introduzi o modelo de Qualidade Total na Manutenção na gestão da área.  Coordenei da implantação do software de gestão da manutenção (CMMS MAXIMO) e do software de gestão da rotina diária.  Executei estudos de benchmarking da função manutenção no mercado de mineração brasileiro.  Criei o planejamento de manutenção centralizado para apoio as equipes de execução de manutenção nas minas.  Realinhei a carteira de componentes da oficina de reparação através de engenharia e análise do valor.  Participei do Due Dilligence na área de manutenção para a eventual compra da CVRD. Principais resultados:  Recuperação estrutural do equipamento crítico Stacker-Reclaimer no porto da ilha Guaíba em 60 dias (previsão inicial de 180 dias) sem impactar fortemente na operação do porto.
  3. 3. Alexandre Leibel  Aumento da disponibilidade da frota de veículos leves de apoio à operação e administrativos de 30% para 80% at ravés do desenvolvimento de parcerias estratégicas.  Redução em 50% do efetivo da oficina de componentes, com melhorias na produtividade, tempo de atendimento e aumento da vida útil dos sobressalentes.  SOTREQ 10/86 a 04/96 Executivo Técnico (03/94 a 04/96) | Gerente de Suporte ao Produto de Mineração (06/92 a 03/94) Gerente de Sucursal (08/90 a 06/92) | Coordenador de Projetos Especiais (02/88 a 08/90) Engenheiro (10/86 a 02/88). Principais ações:  Introduzi os primeiros equipamentos de mineração Caterpillar no Brasil (caminhões 785/789 e carregadeira 994).  Coordenei o recebimento, montagem, manutenção e reforma dos equipamentos de mineração CAT.  Montei e operei a filial de Itabira, que chegou a representar 3% do faturamento da empresa.  Reestruturei o laboratório de análise de óleos (SOS), com novas tecnologias e maior aproximação ao mercado através de marketing e preços agressivos.  Reestruturei a área de treinamento de serviços e reativei a escola de formação de mecânicos.  Criei o suporte ao produto de máquinas especiais no Brasil para o mercado florestal (fabricantes: Kaldness e Hydro-ex).  Coordenei a área de suporte a TI na filial de Belo Horizonte (maior filial do grupo). Principais resultados:  Crescimento do volume de amostras analisadas de 2000 para 7000 ao ano, aumento do market share de 30% para 70% e aumento da margem líquida de 30% para 60% no negócio do laboratório SOS.  Formação de 15 Trainees como Engenheiros de Campo para atuarem nos contratos de manutenção nos clientes.  Primeiro engenheiro Sotreq formado em Análise de Falhas Aplicada (AFA), na Caterpillar nos EUA.  Introdução do plano de carreira para o pessoal operacional, utilizando o processo Treinamento, Desenvolvimento e Reconhecimento (TDR). REDE FERROVIÁRIA FEDERAL - RFFSA 05/85 a 10/86 Engenheiro SOTREQ 03/83 a 05/85 Engenheiro VIAGENS INTERNACIONAIS Diversas viagens para reuniões, seminários, treinamentos, visitas técnicas e a feira de equipamentos, compra de pneus e equipamentos, diligenciamento da fabricação equipamentos, coordenação de execução de trabalhos e lazer ent re os anos de 1988 a 2015. Locais: Américas: Estados Unidos, Canadá, México, Chile, Peru, Argentina Europa: Portugal, Espanha, Alemanha, Suíça, Noruega, Inglaterra, Holanda, França, Itália África: Marrocos, Tunísia Oriente Médio: Israel Ásia: Japão FORMAÇÃO ACADÊMICA  Especialização - Gestão de Negócios, Fundação Dom Cabral, 2003  Especialização - Engenharia Econômica - Fundação Dom Cabral, 1998  Graduação - Engenharia Mecânica - Universidade Federal Fluminense, 1983 CURSOS  Leadership - IMD (Suíça), 2007  Liderança Transformadora - MIT (EUA), 2006  Supply Chain Management - Universidade de Nevada (EUA), 2005  Supply Chain Inventory Management - COPPEAD - UFRJ, 2003  Strategic Sourcing - Andersen Consulting, 2001  Basics of Supply Chain Management (APICS) – Gianesi Associados, 2001  Matemática Financeira - SENAI, 1997  Motivação e Liderança Eficaz - Hay do Brasil, 2001  Análise Viabilidade Econômica de Projetos - IETEC, 1997  Liderança Situacional - BRINBERG/CLS, 1988  Manutenção Orientada para a Qualidade Total - FCO, 1996  Gestão pela Qualidade Total - FCO, 1996  Diversos cursos técnicos de equipamentos IDIOMAS  Inglês fluente. Francês e Espanhol básicos.

×