SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA
PROURGEN
PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO
EM MEDICINA DE URGÊNCIA
ORGANIZADO PELA...
Os autores têm realizado todos os esforços para
localizar e indicar os detentores dos direitos de
autor das fontes do mate...
127
PROURGENSEMCAD
URI ADRIAN PRYNC FLATO
ÍTALO SOUZA OLIVEIRA SANTOS
LUIZ EDUARDO FONTELES RITT
ACESSOS VENOSOS EM
EMERGÊ...
128ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
OBJETIVOS
Neste capítulo busca-se atualizar o médico quanto às peculiaridades, vant...
129
PROURGENSEMCAD
PRINCÍPIOS DE FISIOLOGIA BÁSICA:
MECANISMOS DETERMINANTES DE FLUXO1,3
Analisando determinantes da razão...
130ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Tabela 1
COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS FRENCH E GAUGE
Os cateteres venosos centrais (CVC...
131
PROURGENSEMCAD
1. Quais são as vias de administração de medicação em ordem de prioridade durante
situações de emergênc...
132ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Figura 1 – Locais de punção com cateter venoso periférico (CVP) em membro superior
...
133
PROURGENSEMCAD
Figura 2 – Locais de punção com cateter venoso periférico (CVP) em membro superior
Fonte: Weinstein (20...
134ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Figura 4 – Acesso via veia femoral
Fonte: Modificada de Taylor e Palagiri (2007).6
...
135
PROURGENSEMCAD
Quando se realiza um acesso venoso deve-se considerar, em primeiro lugar o objetivo da
cateterização. P...
136ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
7. Com base nas informações do texto, assinale as complicações tardias do emprego d...
137
PROURGENSEMCAD
Figura 5 – Dispositivo inserido na MO conectado com sinusóides venosos
Fonte: Modificada de Intraosseou...
138ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Figura 7 – Passo 1: realize a assepsia da região e localize o ponto de inserção
Fon...
139
PROURGENSEMCAD
Figura 8 – Passo 2: segure com firmeza o dispositivo, realizando
um ângulo de 90° em relação à perna
Fo...
140ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Figura 13 – Passo 7: aplique o laço de segurança
Fonte: Modificada de Leading Intra...
141
PROURGENSEMCAD
Devemos estar alerta para suas complicações como, por exemplo, necrose tecidual, síndrome
compartimenta...
142ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
12. Quais as indicações para o emprego de acesso intra-ósseo?
........................
143
PROURGENSEMCAD
17. Pode-se administrar medicações através de máscara laríngea (ML)?
A) Não.
B) Apenas adrenalina.
C) A...
144ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Pacientes hospitalizados com insuficiência renal necessitando de diálise de urgênci...
145
PROURGENSEMCAD
LEMBRAR
MANEJO DE INFECÇÕES EM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA22, 23
Com o uso cada vez mais fregüente d...
146ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Quadro 1
Em casos complicados deve-se proceder à retirada do dispositivo seguida de...
147
PROURGENSEMCAD
Figura 15 – Anatomia das veias superficiais dos membros superiores
Cefálica
Axilar
Mediana
Basílica
Cef...
148ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
Com relação ao procedimento de cateterismo venoso por ressecção:
[1] Opacientedeves...
149
PROURGENSEMCAD
LEMBRAR
Figura 17 – Tempo cirúrgico de flebotomia
O cateter deve ser mantido com soro fisiológico em se...
150ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A utilização de vias de acesso para administração de medicamen...
151
PROURGENSEMCAD
24. Ordene os procedimentos do cateterismo venoso por dissecação (flebotomia).
( ) Identifica-se a veia...
152ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
26. Paciente do sexo feminino, 55 anos, em regime de quimioterapia para tratamento ...
153
PROURGENSEMCAD
RESPOSTAS ÀS ATIVIDADES E COMENTÁRIOS
Atividade 1
Resposta: C
Atividade 2
Resposta: B
Comentário: Segun...
154ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS
REFERÊNCIAS
1 Flato UA, Flato E, Guimarães HP. Acessos venosos. In: Quilici AP, Gon...
155
PROURGENSEMCAD
17 III. NKF-K/DOQI Clinical Practice Guidelines for Vascular Access: update 2000. Am J Kidney Dis. 2001...
Sociedade Brasileira de Clínica Médica
Diretoria
Presidente
Antonio Carlos Lopes
Vice-Presidente
Cesar Alfredo Pusch Kubia...
Reservados todos os direitos de publicação à
ARTMED/PANAMERICANA EDITORA LTDA.
Avenida Jerônimo de Ornelas, 670 – Bairro S...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Acessos venosos-em-emergencias-clinicas

1.636 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.636
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Acessos venosos-em-emergencias-clinicas

  1. 1. SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROURGEN PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA ORGANIZADO PELA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CLÍNICA MÉDICA Diretor científico Antonio Carlos Lopes Diretores acadêmicos Hélio Penna Guimarães Renato Delascio Lopes Artmed/Panamericana Editora Ltda. PROURGEN | PORTO ALEGRE | CICLO 1 | MÓDULO 1 | 2007 PROURGEN-01-10.pmd 5/10/2007, 17:553
  2. 2. Os autores têm realizado todos os esforços para localizar e indicar os detentores dos direitos de autor das fontes do material utilizado. No entanto, se alguma omissão ocorreu, terão a maior satisfação de na primeira oportunidade reparar as falhas ocorridas. A medicina é uma ciência em permanente atualização científica. À medida que as novas pesquisas e a experiência clínica ampliam nosso conhecimento, modificações são necessárias nas modalidades terapêuticas e nos tratamentos farmacológicos. Os autores desta obra verificaram toda a informação com fontes confiáveis para assegurar-se de que esta é completa e de acordo com os padrões aceitos no momento da publicação. No entanto, em vista da possibilidade Sociedade Brasileira de Clínica Médica Rua Botucatu, 572. Conjunto 112 04023-061 - São Paulo, SP Tel (11) 5572-4285. Fax (11) 5572-2968 E-mail: sbcm@sbcm.org.br http://www.sbcm.org.br SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA (SEMCAD® ) PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA (PROURGEN) Artmed/Panamericana Editora Ltda. Avenida Jerônimo de Ornelas, 670. Bairro Santana 90040-340 – Porto Alegre, RS – Brasil Fone (51) 3025-2550 – Fax (51) 3025-2555 E-mail: info@semcad.com.br consultas@semcad.com.br http://www.semcad.com.br de um erro humano ou de mudanças nas ciências médicas, nem os autores, nem a editora ou qualquer outra pessoa envolvida na preparação da publicação deste trabalho garantem que a totalidade da informação aqui contida seja exata ou completa e não se responsabilizam por erros ou omissões ou por resultados obtidos do uso da informação. Aconselha-se aos leitores confirmá-la com outras fontes. Por exemplo, e em particular, recomenda-se aos leitores revisar o prospecto de cada fármaco que planejam administrar para certificar-se de que a informação contida neste livro seja correta e não tenha produzido mudanças nas doses sugeridas ou nas contra- indicações da sua administração. Esta recomendação tem especial importância em relação a fármacos novos ou de pouco uso. Estimado leitor É proibida a duplicação ou reprodução deste Programa de Atualização em Medicina de Urgência, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônico, mecânico, gravação, fotocópia, distribuição na web e outros), sem permissão expressa da Editora. Os inscritos aprovados na Avaliação de Ciclo do Programa de Atualização em Medicina de Urgência receberão certificado de 80h/aula, outorgado pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica e pelo Sistema de Educação Médica Continuada a Distância (SEMCAD) da Artmed/Panamericana Editora, e créditos a serem contabilizados pela Comissão Nacional de Acreditação (CNA), para obtenção da recertificação (Certificado de Avaliação Profissional). PROURGEN-01-10.pmd 5/10/2007, 17:552
  3. 3. 127 PROURGENSEMCAD URI ADRIAN PRYNC FLATO ÍTALO SOUZA OLIVEIRA SANTOS LUIZ EDUARDO FONTELES RITT ACESSOS VENOSOS EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS Uri Adrian Prync Flato – Especialista em Clínica Médica com certificação de área de Atuação em Medicina de Urgência pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM) e Associação Médica Brasileira (AMB). Médico instrutor do Centro de Treinamento em Emergências do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Ítalo Souza Oliveira Santos – Cardiologista da Unidade de Cuidados Pós-Operatórios do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Médico instrutor do Centro de Treinamento em Emergências do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Luiz Eduardo Fonteles Ritt – Médico instrutor do Centro de Treinamento em Emergências do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia INTRODUÇÃO Novas evidências científicas1,2,3 modificaram a utilização de acessos para a administração de medicamentos. Atualmente, utilizamos as vias de administração intravenosa (IV), intra-óssea (IO) e endotraqueal (ET). A administração de fármacos é elo relevante em diversas situações clínicas emergenciais, especialmente na cadeia de sobrevivência do suporte avançado de vida. As atuais diretrizes recomendam, em ordem de prioridade, durante situações extremas como a parada cardiorrespiratória, a seguinte seqüência de acessos ou vias de administração de medicamentos:1, 3 ■■■■■ cateter venoso periférico (CVP), ■■■■■ acesso intra-ósseo (IO), ■■■■■ cateter venoso central (CVC) e, por último, ■■■■■ via endotraqueal (ET). PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14127
  4. 4. 128ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS OBJETIVOS Neste capítulo busca-se atualizar o médico quanto às peculiaridades, vantagens e desvantagens de cada via de acesso venoso para administração de medicamentos, visando a estabelecer, otimizar e minimizar danos de estratégias de tratamento em emergências clínicas. ESQUEMA CONCEITUAL Princípios de fisiologia básica: mecanismos determinantes de fluxo1,3 Punção venosa periférica1,3 Acesso venoso central Acesso intra-ósseo6-9 Acesso endotraqueal Acessos para administração de medicamentos em situações especiais Cateterismo venoso por dissecação (flebotomia)21 Considerações finais PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14128
  5. 5. 129 PROURGENSEMCAD PRINCÍPIOS DE FISIOLOGIA BÁSICA: MECANISMOS DETERMINANTES DE FLUXO1,3 Analisando determinantes da razão de fluxo endovenoso através da lei de Poiseuille, pode-se considerar que o fluxo de um líquido através de um cateter endovenoso é regido por uma série de fatores físicos. Tais fatores são descritos pela lei de Poiseuille, que descreve que a velocidade através do cateter está diretamente relacionada à quarta potência do raio (r) do cateter e ao gradiente pressórico (através desse) e inversamente proporcional ao comprimento do cateter e à viscosidade do fluido. O tamanho dos cateteres vascularesé mensurado através do diâmetro externo do cateter. Nessa condição, duas unidades de mensuração são utilizadas atualmente para descrever o tamanho dos cateteres: ■■■■■ uma baseia-se na mensuração métrica French (F); ■■■■■ outra pelo tamanho de fio tipo Gauge (G). A unidade French utiliza números crescentes de 1 a 16, iniciando com 0,33mm e incrementando a cada número adicional. A unidade Gauge apresenta-se inversamente ao tamanho do diâmetro do cateter, representando a quantidade de fios-guia que podem ser colocados no interior do mesmo. Convém citar que existe uma relação exata entre as unidades F e ou G, mas apresentamos uma estimativa entre ambas conforme a Tabela 1, a seguir. LEI DE POUSEILLE Fluxo (Q) = ∏ x r4 x ( P) / 8 x n x L Onde: ∏ = PI (2,13); r = raio; P = gradiente de pressão; n = viscosidade do fluido; L= comprimento. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14129
  6. 6. 130ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Tabela 1 COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS FRENCH E GAUGE Os cateteres venosos centrais (CVC) possuem comprimento maior quando comparados aos cateteres venosos periféricos (CVP) e, em alguns casos, diâmetro menor do que os CVPs de 14 Gauge, por exemplo, CVC de duplo lúmen (18G/18G), que propicia retardo na infusão de medicações endovenosas por sua maior resistência, além de riscos relacionados à sua inserção, como pneumotórax e lesão arterial não- compressível. Pneumotórax e lesão arterial não-compressível são lesões que poderiam ser contornadas pela duplicação do diâmetro de um cateter (aumentando-se seu fluxo em até 16 vezes) e acentuando a pressão exercida no sistema, utilizando dispositivos manuais de compressão (por exemplo, força manual na bolsa de solução salina) e/ou dispositivos pneumáticos automáticos externos (bombas infusoras, bolsas pressóricas). Relevante também se faz a viscosidade do fluido administrado: a água possui viscosidade de 1,002 centipoise (cP) e a albumina ao redor de 40cP, definindo, por exemplo, que quanto maior a viscosidade do fluido, menor será a taxa de fluxo através do cateter. Avaliados os aspectos físicos do fluxo dos fluidos através de cateteres, fica claro que os CVPs são os mais utilizados na prática clínica, devido à sua facilidade de inserção, segurança e administração de qualquer tipo de medicação indispensável em situações de emergência. Geralmente os CVPs são curtos (5cm), têm diâmetro ≥10G e técnica de inserção através de agulha sobre cateter ou, algumas vezes, através da técnica de Seldinger. As substâncias que podem ser administradas pelo CVP e ou CVC são: fármacos, soluções salinas, hemoderivados, entre outras. 1 2 3 4 5 7 9 27 23 20 18 16 13 11 0,1mm 0,3mm 0,5mm 0,6mm 0,7mm 1,3mm 1,6mm 0,4mm 0,6mm 0,9mm 1,2mm 1,7mm 2,4mm 3,2mm LEMBRAR French Gauge Diâmetro interno Diâmetro externo PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14130
  7. 7. 131 PROURGENSEMCAD 1. Quais são as vias de administração de medicação em ordem de prioridade durante situações de emergência como a parada cardiorrespiratória? A) Endotraqueal, intra-óssea, cateter venoso periférico, cateter venoso central. B) Cateter venoso periférico, endotraqueal, cateter venoso central, intra-óssea. C) Cateter venoso periférico, intra-óssea, cateter venoso central, endotraqueal. D) Intra-óssea, cateter venoso periférico, cateter venoso central, endotraqueal. 2. Segundo a lei de Pouseille: A) a velocidade através do cateter está diretamente relacionada ao comprimento do cateter e ao gradiente pressórico (através desse) e inversamente proporcional à quarta potência do raio (r) e à viscosidade do fluido. B) a velocidade através do cateter está diretamente relacionada à quarta potência do raio (r) do cateter e ao gradiente pressórico (através desse) e inversamente proporcional ao comprimento do cateter e à viscosidade do fluido. C) a velocidade através do cateter está inversamente relacionada ao comprimento do cateter, à viscosidade do fluido e é diretamente proporcional à quarta potência do raio (r) e ao gradiente pressórico (através desse). D) a velocidade através do cateter está diretamente relacionada à quarta potência do raio (r) e ao comprimento do cateter e à viscosidade do fluido e inversamente proporcional ao gradiente pressórico (através desse). 3. Segundo as informações do texto, o cateter de tamanho 5 na escala French corresponde a qual tamanho na escala Gauge: Respostas no final do capítulo 4. Como se poderiam contornar o pneumotórax e lesão arterial não-compressível com a atenção ao comprimento do cateter? ........................................................................................................................................................... ......................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................ ......................................................................................................................................................... 5. Por que há preferência pelo emprego dos cateteres venosos periféricos na prática clínica? ........................................................................................................................................................ .......................................................................................................................................................... ......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................... A) B) C) D) Escala Gauge 13 18 11 16 Diâmetro interno Diâmetro externo 1,3mm 0,6mm 1,6mm 0,7mm 2,4mm 1,2mm 3,2mm 1,7mm PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14131
  8. 8. 132ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Figura 1 – Locais de punção com cateter venoso periférico (CVP) em membro superior Fonte: Weinstein (2007).4 PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA1,3 A punção de vasos pode ser realizada com uso de agulhas metálicas ou cateteres de plástico introduzidos sobre agulhas metálicas; sendo as mais utilizadas o escalpe ou cateter sobre agulha. A assepsia prévia deve ser realizada com soluções degermantes à base de clorexidina ou polivinilpirrolidona-iodo (PVP-I). Os locais de punção de veias superficiais em membros superiores são: as veias do dorso da mão, da face anterior do antebraço e, principalmente, as veias basílica e cefálica (Figuras 1 e 2). Na região cervical lateral, interessa a veia jugular externa. Nos membros inferiores, interessa apenas a veia safena magna. As complicações mais freqüentes da punção periférica são a formação de hematomas, trombose venosa e tromboflebites. VVeia basílicaeia basílica VVeias metacarpaiseias metacarpais VVeia cefálicaeia cefálica Arco venoso dorsalArco venoso dorsal PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14132
  9. 9. 133 PROURGENSEMCAD Figura 2 – Locais de punção com cateter venoso periférico (CVP) em membro superior Fonte: Weinstein (2007).4 ACESSO VENOSO CENTRAL A inserção de um cateter venoso central (CVC) deve ser realizada na impossibilidade de utilizar o CVP e/ou o acesso intra-ósseo. Esse procedimento deve ser executado por profissionais habilitados e experientes, devido aos riscos envolvidos na inserção. Existem diversos acessos para canulação e ou introdução desses cateteres como, por exemplo, veia jugular interna, jugular externa, veia subclávia, veia femoral e ou veia axilar (Figuras 3 e 4).1,3,5 VVeia cefálicaeia cefálica VVeia cefálica acessóriaeia cefálica acessória VVeia cefálicaeia cefálica VVeia basílicaeia basílica VVeia intermédia do cotoveloeia intermédia do cotovelo VVeia basílicaeia basílica VVeia intermédia do antebraçoeia intermédia do antebraço PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14133
  10. 10. 134ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Figura 4 – Acesso via veia femoral Fonte: Modificada de Taylor e Palagiri (2007).6 Por ser o acesso venoso central um procedimento que envolve um risco maior de sangramento acidental, a sua inserção em um local não-compressível (veia subclávia) é uma contra-indicação relativa ao uso de fibrinolítico.1,3,5 Espinha ilíaca ântero-superior Artéria femoral Nervo femoral Músculo sartório Ligamento inguinal Veia femoral Tubérculo púbico Músculo adutor longo Veia safena magna Músculo esternocleidomastóideoMúsculo esternocleidomastóideo VVeia jugulareia jugular interna direitainterna direita VVeia subclávia direitaeia subclávia direita VVeia cava superioreia cava superior ClavículaClavícula Primeira costelaPrimeira costela Segunda costelaSegunda costela Incisura esternalIncisura esternal Figura 3 – Acesso venoso central utilizando técnica de inserção jugular anterior e inserção infraclavicular Fonte: Modificada de Taylor e Palagiri (2007).6 PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14134
  11. 11. 135 PROURGENSEMCAD Quando se realiza um acesso venoso deve-se considerar, em primeiro lugar o objetivo da cateterização. Por exemplo, se for administração de volume, devem ser utilizados cateteres curtos e calibrosos. A punção de vasos no acesso venoso central pode ser realizada com o uso de agulhas metálicas ou cateteres de plástico introduzidos sobre ou por dentro de agulhas metálicas. Pode-se, ainda, substituir a agulha metálica por um cateter de plástico, utilizando-se um fio-guia (técnica de Seldinger). As complicações imediatas são: ■■■■■ hematomas; ■■■■■ mau posicionamento do cateter; ■■■■■ punção arterial complicada com hematoma, trombose e embolia; ■■■■■ pneumotórax, hemotórax ou quilotórax; ■■■■■ embolia gasosa; ■■■■■ embolia de fragmento de cateter; ■■■■■ lesão nervosa (plexo braquial, frênico e laringe recorrente); ■■■■■ perfuração de esôfago; ■■■■■ perfuração de traquéia; ■■■■■ perfuração de balonete de sonda endotraqueal; ■■■■■ arritmias cardíacas. As complicações tardias são: ■■■■■ relativas ao cateter (trombose, rachadura, dobras); ■■■■■ trombose venosa; ■■■■■ tromboflebite; ■■■■■ sepse; ■■■■■ fístula artério-venosa; ■■■■■ fístula venobrônquica; ■■■■■ pseudoaneurisma arterial; ■■■■■ osteomielite de clavícula; ■■■■■ perfuração de câmara cardíaca/tamponamento cardíaco. 6. Quais são os locais de punção venosa periférica nos membros superiores, na região cervical lateral e membros inferiores? Quais as complicações mais freqüentes desse tipo de acesso venoso? .......................................................................................................................................................... ...................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................... Além das indicações citadas para o acesso venoso periférico, o acesso venoso central é indispensável quando: ■■■■■ há necessidade de administração de drogas vasoativas; ■■■■■ há necessidade de melhor permitir monitorização fisiológica (pressão venosa central, coleta de sangue venoso central para avaliação gasométrica, pressões de artéria pulmonar e de capilar pulmonar); ■■■■■ énecessáriointroduzirmarca-passoexterno,cateterparadiáliseeparaaadministraçãodenutriçãoparenteral. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14135
  12. 12. 136ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS 7. Com base nas informações do texto, assinale as complicações tardias do emprego do acesso venoso central. Respostas no final do capítulo 8. Quais são as indicações específicas para o emprego de acesso venoso central? ......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................ .......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................... 9. A utilização de acesso venoso central é contra-indicação relativa ao uso de: A) drogas vasoativas. B) administração de volume. C) fibrinolítico. D) nutrição parenteral. Resposta no final do capítulo 10. Por que se deve primeiro ter em mente qual o objetivo da cateterização no contexto do acesso venoso central? ......................................................................................................................................................... .................................................................................................................................................. ......................................................................................................................................................... ...................................................................................................................................................... 11. Em relação ao cateter venoso central (CVC), assinale a alternativa correta. A) A técnica de inserção em veia jugular interna é superior à técnica de inserção em veia subclávia relacionada a infecções de cateter. B) A técnica de inserção em veia femoral é a mais utilizada atualmente. C) O CVC não está associado a infecções de corrente sangüínea. D) Nenhuma das alternativas está correta. Resposta no final do capítulo tromboflebite - hematomas - pseudoaneurisma arterial - punção arterial complicada com hematoma, trombose e embolia - embolia gasosa - osteomielite de clavícula - perfuração de esôfago - fístula venobrônquica - perfuração de balonete de sonda endotraqueal - arritmias cardíacas PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14136
  13. 13. 137 PROURGENSEMCAD Figura 5 – Dispositivo inserido na MO conectado com sinusóides venosos Fonte: Modificada de Intraosseous Infusions System (2005).10 VVeiaeia MedulaMedula ósseaóssea OssoOsso ACESSO INTRA-ÓSSEO 6-9 O acesso intra-ósseo deve ser utilizado caso um acesso venoso periférico não esteja disponível. Pode ser utilizado em qualquer faixa etária e deve ser preferível à via endotraqueal devido sua alta taxa de sucesso, facilidade em sua inserção através de um treinamento adequado e, principalmente, por alcançar níveis plasmáticos adequados de medicação. O acesso intra-ósseo é citado pela diretriz de ressuscitação de 20051,2,5 como dispositivo seguro para a administração de medicamentos, fluidos, infusão contínua de catecolaminas e também para coleta de exames laboratoriais. A canulação é realizada através de uma agulha rígida com estilete ou acessos intra-ósseos especialmente desenvolvidos com dispositivos de gatilho5, 6, 7 em um plexo venoso não-compressível (medula óssea) (Figura 5). O plexo venoso, por sua vez, está conectado aos sinusóides venosos e, conseqüentemente, ao sistema circulatório. Geralmente em 30 a 60 segundos realiza-se sua inserção. Existem dispositivos intra-ósseos que permitem sua inserção próximo à tuberosidade tibial (Figura 7), região superior do esterno (Figura 6), maléolo medial e ou lateral e espinha ilíaca ântero-superior.8, 9 PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14137
  14. 14. 138ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Figura 7 – Passo 1: realize a assepsia da região e localize o ponto de inserção Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 Os passos para inserção de acesso intra-ósseo em região tibial estão apresentados nas Figuras 7 a 14. Figura 6 – Acesso intra-ósseo em região esternal acoplado com solução salina Fonte: Modificada de Intraosseous Infusions System (2005).10 JoelhoJoelho TTuberosidade tibialuberosidade tibial (saliência abaixo do joelho)(saliência abaixo do joelho) 1 cm1 cm 2 cm2 cm LocalLocal de inserçãode inserção CC AA BB X PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14138
  15. 15. 139 PROURGENSEMCAD Figura 8 – Passo 2: segure com firmeza o dispositivo, realizando um ângulo de 90° em relação à perna Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 Figura 9 – Passo 3: tire o lacre de segurança Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 Figura 10 – Passo 4: enquanto segura a parte inferior do dispositivo sobre a pele, aperte para baixo, com a palma da outra mão Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:14139
  16. 16. 140ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Figura 13 – Passo 7: aplique o laço de segurança Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 Figura 12 – Passo 6: remova a agulha do trocater Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 Figura 11 – Passo 5: puxe vagarosamente o dispositivo para trás Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15140
  17. 17. 141 PROURGENSEMCAD Devemos estar alerta para suas complicações como, por exemplo, necrose tecidual, síndrome compartimental geralmente relacionada à inserção inadequada da agulha e ou deslocamento da mesma para outra estrutura. Deve-se manter esse acesso por até 24 horas do início de sua inserção, havendo necessidade de substituí-lo após esse período. ACESSO ENDOTRAQUEAL O acesso endotraqueal é realizado através de tubo orotraqueal ou ainda de dispositivos inseridos através da máscara laríngea (ML), que carecem de melhores evidências científicas. 12 As drogas que podem ser administradas por via endotraqueal comumente usadas em emergências são a vasopressina, atropina, naloxone, epinefrina (adrenalina), lidocaína.3,5 Uma regra mnemônica que pode ser utilizada com as iniciais desses medicamentos: VANEL. As doses recomendadas seriam 2 a 2,5 vezes a dose recomendada por via periférica, ou seja, no caso de adrenalina seriam 2mg em bolus seguidos de flush de 10 a 20mL de solução salina, seguidos de 5 ventilações para dispersar a medicação. Sabe-se que durante uma parada cardiorrespiratória, o fluxo sangüíneo pulmonar produzido pelas compressões torácicas atinge cerca de 20% do basal, em relação a uma pessoa com circulação espontânea. Em virtude disso, a absorção transalveolar e, por conseguinte, sistêmica é extremamente reduzida, necessitando de doses superiores para sua efetividade.12, 13 Preconiza-se o dobro da dose baseado em consenso de especialistas, pois a literatura diverge em relação à dose ideal. Existem estudos experimentais demonstrando que a aplicação de adrenalina através de cateter, na porção inferior ou seja endobrônquica, e não no início do tubo endotraqueal, apresentaria uma maior concentração sérica e talvez uma melhora hemodinâmica. Essas são hipóteses que no entanto ainda necessitam de confirmação.14 Figura 14 – Passo 8: Conecte com uma torneira e em seguida realize um bolus de solução salina de 20mL Fonte: Modificada de Leading Intraosseous Devices.11 PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15141
  18. 18. 142ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS 12. Quais as indicações para o emprego de acesso intra-ósseo? ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................ ............................................................................................................................................................ 13. Devemos estar atentos para quais complicações do acesso intraósseo? ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................ ............................................................................................................................................................ 14. Quais pacientes podem utilizar o acesso intra-ósseo? A) Neonatos. B) Adultos. C) Pediátricos. D) Todas as alternativas acima. 15. Ordene os passos para a inserção de acesso intra-ósseo. ( ) Segure com firmeza o dispositivo, realizando um ângulo de 90° em relação à perna. ( ) Puxe vagarosamente o dispositivo para trás. ( ) Remova a agulha do trocater. ( ) Tire o lacre de segurança. ( ) Conecte com uma torneira e em seguida realize um bolus de solução salina de 20mL. ( ) Enquanto segura a parte inferior do dispositivo sobre a pele, aperte para baixo, com a palma da outra mão. ( ) Realize a assepsia da região e localize o ponto de inserção. ( ) Aplique o laço de segurança. Respostas no final do capítulo 16. Quais as complicações específicas do acesso intra-ósseo? ........................................................................................................................................................... .......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................... PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15142
  19. 19. 143 PROURGENSEMCAD 17. Pode-se administrar medicações através de máscara laríngea (ML)? A) Não. B) Apenas adrenalina. C) Apenas atropina. D) Alternativa B e C estão corretas. Resposta no final do capítulo ACESSOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL Pacientes com insuficiência renal crônica freqüentemente são objeto de dúvida e controvérsia em situações emergenciais no que se refere à necessidade de acesso venoso para infusão de drogas. Para que um correto manejo de pacientes com insuficiência renal crônica seja executado, é de fundamental importância que haja um envolvimento multidisciplinar no conhecimento dos aspectos referentes a esse problema. A principal medida que deve ser tomada é a preservação das veias periféricas desses pacientes.15, 16, 17 Para pacientes que ainda não possuem fístula artério-venosa para hemodiálise, a punção deve ser feita na região mais distal do membro superior (face dorsal da mão), de forma que não impossibilite o procedimento de execução da fístula nesse membro. Deve-se manter sempre a tentativa de acesso em um único membro. A utilização de cateteres centrais de inserção periférica (PICC) e o acesso venoso à veia subclávia (peloelevadoriscodetrombose)devemserevitados,amenosquesejamconsideradosparapacientes terminais ou com qualquer doença que limite de forma significativa a sua expectativa de vida.14 De uma forma geral, o acesso venoso com cateter para diálise deve ser utilizado apenas para o seu objetivo primário, visto que a sua utilização por profissionais não-especializados ocasiona um aumento potencial do risco de infecção, apesar da ausência de evidência nesse cenário.15 No entanto, o uso do cateter de diálise como acesso para medicamentos em situações de emergência deve ser avaliado de forma criteriosa pelo médico quando existirem dificuldades de acesso ou quando os riscos de retardar a infusão de um medicamento tenha conseqüências fatais imediatas (como, por exemplo, na parada cardíaca presenciada e por causa reconhecida reversível, na impossibilidade de estabelecer um acesso à beira do leito, em doenças hematológicas em tratamento com paciente sem acesso central de longa permanência). Em patologias que necessitem de tratamento venoso cuja eliminação é renal, essa característica deve ser utilizada de forma vantajosa. Uma vez que o paciente está em tratamento dialítico, deve-se dar preferência àqueles medicamentos cujas doses necessitam de maior intervalo para que sejam administrados durante a sessão de diálise, evitando a obtenção de novos acessos venosos.16, 17, 18 Os mais freqüentemente utilizados, por permitirem uso três vezes por semana (portanto nos dias de hemodiálise) são a vancomicina, os aminoglicosídeos, as quinolonas e as cefalosporinas.19, 20 PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15143
  20. 20. 144ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Pacientes hospitalizados com insuficiência renal necessitando de diálise de urgência e que necessitam de outra via para administração de medicamentos são candidatos para inserção de cateter de diálise com triplo lúmen.21 Esse cateter tem dois grandes lúmens que são utilizados para a hemodiálise e um terceiro e menor lúmen que é utilizado como um acesso convencional. Uma limitação desse cateter é o fato de ser temporário, podendo ser utilizado somente por até 3 semanas. Nos pacientes que apresentam alto risco para doença renal (creatinina >3mg/dL e/ouclearance de creatinina estimado em 50mL/min ou menos; pacientes diabéticos com proteinúria >150mg/ dia) com indicação de inserção do cateter de diálise e que necessitam também de um cateter para terapia imediata e segura, deve-se optar pela veia jugular interna ou externa.18 Esse acesso é em muitas ocasiões mais rápido, mais fácil e potencialmente menos traumático do que um acesso periférico em uma veia fina e profunda. No entanto, o acesso jugular está mais associado a infecções quando comparado ao cateter implantado na veia subclávia.22, 23 18. Como deve ser feita a punção em pacientes com insuficiência renal crônica que não possuem ainda fístula artério-venosa para hemodiálise? ........................................................................................................................................................... .................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................... .......................................................................................................................................................... 19. Que critérios devem ser considerados para a utilização do cateter de diálise empregado em outras situações de emergência? ...................................................................................................................................................... ......................................................................................................................................................... ...................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................ 20. Quais as condutas para pacientes hospitalizados com insuficiência renal necessitando de diálise de urgência quanto à escolha da via de administração de medicamentos? ....................................................................................................................................................... ...................................................................................................................................................... ......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................... 21. Para pacientes com insuficiência renal crônica, quando pode ser oportuno o acesso por meio da veia jugular, interna ou externa? Quais as características desse acesso, comparando-o com outras formas de acesso nessas circunstâncias? ........................................................................................................................................................ ....................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................... ...................................................................................................................................................... LEMBRAR PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15144
  21. 21. 145 PROURGENSEMCAD LEMBRAR MANEJO DE INFECÇÕES EM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA22, 23 Com o uso cada vez mais fregüente de cateteres de longa permanência nos pacientes em tratamento prolongado com medicações endovenosas e dialíticos, o correto manejo de prováveis infecções desses dispositivos deve ser de conhecimento do médico emergencista, já que esses pacientes podem se apresentar no pronto-socorro com suspeita de infecção que pode ou não estar relacionada ao dispositivo. Deve-se considerar que é necessário um procedimento cirúrgico para seu implante, sendo assim, sua retirada só deve ser realizada com a certeza do diagnóstico. Esses pacientes caracterizam-se por apresentarem um episódio de bacteremia ou fungemia, possuírem um dispositivo intravascular e não apresentarem foco aparente. Para confirmação diagnóstica é necessário que se colham duas amostras de hemoculturas e que pelo menos uma seja colhida do cateter. Confirma-se infecção relacionada ao cateter se ao menos uma das três situações seguintes ocorrerem: ■■■■■ uma razão de 5:1 (cateter central x periférico) em números de unidades formadoras de colônia (UFC) em culturas quantitativas; ■■■■■ um crescimento mais precoce (>2 horas) nas culturas do cateter central em relação ao periférico, no caso de cateteres implantados um crescimento >100 UFC é diagnóstico independente da cultura periférica; ■■■■■ o dispositivo ser retirado um crescimento >100 UFC em cultura quantitativa em concordância com a cultura periférica. Com a confirmação da infecção em cateteres de longa permanência (Porth-a-Cath, cateteres de diálise para diálise de longa permanência), devemos classificá-las em complicadas (infecção na loja ou no túnel do cateter) e não-complicadas (sem infecção na loja ou túnel). Nas formas complicadas, deve-se proceder à retirada do cateter e nas não-complicadas pode-se tentar “salvar o dispositivo”. Para terapia dos casos não-complicados deve-se instituir terapia sistêmica associada à terapia antibiótica intraluminal (lock therapy, Quadro 1) por duas semanas. Caso haja piora do quadro clínico, identificação de fungos em cultura ou simplesmente não ocorrer melhora, deve-se proceder à retirada do dispositivo. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15145
  22. 22. 146ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Quadro 1 Em casos complicados deve-se proceder à retirada do dispositivo seguida de antibioticoterapia por 7 a 10 dias. O implante de um novo dispositivo deve ser prorrogado de preferência até o fim do curso de antibióticos e até que se obtenham culturas de controle negativas. Em casos de endocardite ou trombose séptica, mantêm-se os antibióticos por 4 a 6 semanas. Para terapia sistêmica são utilizados antibióticos com espectro amplo para Gram-positivos (vancomicina, por exemplo) associados a drogas com amplo espectro para Gram-negativos (cefalosporinas de quarta geração, carbapenêmicos). Na terapia intraluminal podem-se utilizar: gentamicina, vancomicina, amicacina e ciprofloxacina. Os germes envolvidos são, em geral, os mesmos relacionados à infecção de cateteres comuns: Staphylococcus coagulase-negativos, Staphylococcus aureus, bacilos Gram-negativos e fungos, principalmente Candida albicans. CATETERISMO VENOSO POR DISSECAÇÃO (FLEBOTOMIA)24 O acesso venoso central por dissecação é a escolha quando, por segurança ou indisponibilidade, não se consegue realizar o acesso por punção. No membro superior existem três possibilidades de realização da dissecação na face medial: a) terço inferior do braço, b) terço médio, c) terço superior. Por ser mais freqüente descrevemos o acesso no terço distal. O procedimento é semelhante nos outros segmentos, devendo-se no entanto considerar que a anatomia não permite a mesma facilidade em função da relação entre vasos e nervos. ORIENTAÇÕES PARA REALIZAR ANTIBIOTICOTERAPIA INTRALÚMEN (LOCK-THERAPY) 1. Utilizar uma solução com concentração entre 1-5mg/mL do antimicrobiano desejado e solução fisiológica ou 50-100 UI de heparina. 2. Preencher o lúmen do cateter com a solução. 3. Manter a solução no lúmen por período de 12 h enquanto o cateter não for usado. 4. Antes de utilizá-lo novamente, a quantidade da solução colocada previamente deve ser retirada. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15146
  23. 23. 147 PROURGENSEMCAD Figura 15 – Anatomia das veias superficiais dos membros superiores Cefálica Axilar Mediana Basílica Cefálica Basílica Safena magnaSafena magna Maléolo medialMaléolo medial Figura 16 – Anatomia da veia safena magna PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15147
  24. 24. 148ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS Com relação ao procedimento de cateterismo venoso por ressecção: [1] Opacientedevesercolocadoemdecúbitodorsal,comomembrosuperiorlevadoemabdução. [2] Identificado o vaso a ser dissecado, providencia-se a anti-sepsia rigorosa abrangendo todo o braço até o 1/3 médio do antebraço. [3] Realiza-se assepsia ampla com campos operatórios. [4] No sulco bicipital, injeta-se anestésico ao longo dos planos, em todo trajeto da dissecação. [5] Incisa-se a pele e o tecido celular subcutâneo transversalmente ao eixo maior do membro superior e divulssiona-se o tecido celular subcutâneo até expor a fáscia braquial superficial. Nesse momento, é possível visualizar a veia basílica e o nervo cutâneo medial do antebraço (ramos). Caso não seja possível visualizar a veia basílica, facilmente encontram-se os ramos do nervo citado, e a veia estará, freqüentemente, entre os dois ramos desse nervo. [6] Identifica-se a veia basílica e executa-se a dissecação da veia. [7] Deve-se isolar a veia com um fio de algodão, e outro fio de algodão deve estar distal ao primeiro (identificados como “fios de reparo”). [8] Oprocedimentoaserrealizadocomosfiosdereparointitula-se“testesdosreparos”econsistena tração simultânea dos fios distal e proximal ao vaso, esvaziando o conteúdo sangüíneo da veia, liberando inicialmente o fio proximal e observando se existe refluxo sangüíneo para dentro da veia. O teste será positivo para veia quando, na manobra de liberação do fio distal, a veia for preenchida de forma rápida e plena. [9] Se após a liberação do fio proximal for observado um rápido enchimento do vaso, dois fatores podem estar influenciando: ■■■■■ o paciente apresenta um aumento da pressão venosa central; ■■■■■ trata-se de uma artéria. Observando tal anormalidade deve-se reavaliar a anatomia do vaso dissecado para se continuar com o procedimento. [10]Certificando-se de que a estrutura dissecada é uma veia, procede-se à sua ligadura proximal. [11]Um botão anestésico é providenciado distal à ferida cirúrgica, para que se realize a contra- abertura e saída do cateter. Procedimento indispensável para uma boa manutenção da cateterização, minimiza os riscos de infecção da dissecação. [12]Antes de se providenciar a flebotomia, realiza-se a tunelização do cateter a partir da contra- abertura. [13]A flebotomia é realizada através de incisões combinadas, sendo a primeira transversa e a segunda longitudinal ao vaso, de tal forma a representar a figura de um “T” invertido. Esse detalhe técnico facilita a dilatação da incisão do vaso e possibilita uma melhor apreensão da borda da ferida venosa para progressão do cateter. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15148
  25. 25. 149 PROURGENSEMCAD LEMBRAR Figura 17 – Tempo cirúrgico de flebotomia O cateter deve ser mantido com soro fisiológico em seu interior a fim de evitar trombose de sua luz. Confirmada a posição do cateter, observa-se se há fluxo, com o livre escoamento do volume infundido, e refluxo, com o retorno de sangue pelo cateter. Outros locais, como o membro inferior e a região cervical, podem ser utilizados, porém são exceções. A escolha do local apropriado e a técnica cirúrgica meticulosa são decisivas na qualidade do acesso. São possíveis complicações do cateterismo venoso por dissecação: ■■■■■ trombose venosa superficial e profunda; ■■■■■ infecções locais e sistêmicas; ■■■■■ obstrução do cateter; ■■■■■ hematomas e hemorragias; ■■■■■ canulação inadvertida de artérias, o que pode gerar hemorragias ou gangrenas nos membros; ■■■■■ mal posicionamento do cateter; ■■■■■ lesão venosa; ■■■■■ pneumotórax; ■■■■■ embolia gasosa, etc. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15149
  26. 26. 150ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS CONSIDERAÇÕES FINAIS A utilização de vias de acesso para administração de medicamentos e ou fluidos é de vital importância na condução de cuidados emergenciais e deve ser procedimento de conhecimento do médico emergencista. 22. Que fatores confirmam quadro de infecção em cateteres de longa permanência? ......................................................................................................................................................... ......................................................................................................................................................... ....................................................................................................................................................... .......................................................................................................................................................... 23. Elabore um algoritmo com o manejo de infecções em cateteres de longa permanência. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15150
  27. 27. 151 PROURGENSEMCAD 24. Ordene os procedimentos do cateterismo venoso por dissecação (flebotomia). ( ) Identifica-se a veia basílica e executa-se a dissecação da veia. ( ) Certificando-se de que a estrutura dissecada é uma veia, procede-se à sua ligadura proximal. ( ) Incisa-se a pele e o tecido celular subcutâneo transversalmente ao eixo maior do membro superior e divulssiona-se o tecido celular subcutâneo até expor a fáscia braquial superficial. Nesse momento, é possível visualizar a veia basílica e o nervo cutâneo medial do antebraço (ramos). Caso não seja possível visualizar a veia basílica, facilmente encontram-se os ramos do nervo citado, e a veia estará, freqüentemente, entre os dois ramos desse nervo. ( ) Realiza-se assepsia ampla com campos operatórios. ( ) Um botão anestésico é providenciado distal à ferida cirúrgica, para que se realize a contra-abertura e saída do cateter. Procedimento indispensável para uma boa manutenção da cateterização, minimiza os riscos de infecção da dissecação. ( ) A flebotomia é realizada através de incisões combinadas, sendo a primeira transversa e a segunda longitudinal ao vaso, de tal forma a representar a figura de um “T” invertido. Esse detalhe técnico facilita a dilatação da incisão do vaso e possibilita uma melhor apreensão da borda da ferida venosa para progressão do cateter. ( ) Deve-se isolar a veia com um fio de algodão, e outro fio de algodão deve estar distal ao primeiro (identificados como “fios de reparo”). ( ) Antes de se providenciar a flebotomia, realiza-se a tunelização do cateter a partir da contra-abertura. ( ) Se após a liberação do fio proximal for observado um rápido enchimento do vaso, dois fatores podem estar influenciando: - o paciente apresenta um aumento da pressão venosa central; - trata-se de uma artéria. Observando tal anormalidade deve-se reavaliar a anatomia do vaso dissecado para se continuar com o procedimento. ( ) O procedimento a ser realizado com os fios de reparo intitula-se “testes dos reparos” e consiste na tração simultânea dos fios distal e proximal ao vaso, esvaziando o conteúdo sangüíneo da veia, liberando inicialmente o fio proximal e observando se existe refluxo sangüíneo para dentro da veia. O teste será positivo para veia quando, na manobra de liberação do fio distal, a veia for preenchida de forma rápida e plena. ( ) O paciente deve ser colocado em decúbito dorsal, com o membro superior levado em abdução. ( ) No sulco bicipital, injeta-se anestésico ao longo dos planos, em todo trajeto da dissecação. ( ) Identificadoovasoaserdissecado,providencia-seaanti-sepsiarigorosaabrangendo todo o braço até o 1/3 médio do antebraço. Respostas no final do capítulo 25. Quais as principais complicações do cateterismo venoso por dissecação? .......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................ ..................................................................................................................................................... PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15151
  28. 28. 152ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS 26. Paciente do sexo feminino, 55 anos, em regime de quimioterapia para tratamento de metástase de neoplasia de cólon procura serviço de emergência com queixa de calafrios. Ao exame, tem pressão arterial de 120 x 70, freqüência cardíaca de 80bpm, ausculta cardíaca e pulmonar normais, abdômen indolor sem visceromegalias. Você nota que a paciente possui um cateter implantado tipo porth-a-cath em região de hemitórax superior direito, não há sinais flogísticos na região. Exames de laboratório mostram leucograma 12.000 com 8% bastões e 72% de neutrófilos, urina I não mostra leucocitúria ou hematúria. Qual sua conduta? A) Trata-se provavelmente de um quadro de bacteremia relacionada ao cateter; devemos proceder com a retirada do mesmo, encaminhar ponta para cultura e colher hemoculturas; iniciar antibioticoterapia de amplo espectro. B) Trata-se provavelmente de um quadro de bacteremia relacionada ao cateter; devemos proceder à retirada do mesmo, encaminhar ponta para cultura e colher hemoculturas; não iniciar antibioticoterapia no momento. C) Suspeita-se de infecção relacionada ao cateter; colher cultura de sangue periférica e pelo cateter; iniciar antibioticoterapia sistêmica e também no lúmen do dispositivo; só retirar o cateter nos casos de não resolução ou cultura positiva para fungos. D) Suspeita-se de infecção relacionada ao cateter; colher cultura de sangue periférica e pelo cateter; iniciar antibioticoterapia sistêmica; retira-se o cateter e o uso de novo dispositivo semelhante está proscrito. Resposta no final do capítulo PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15152
  29. 29. 153 PROURGENSEMCAD RESPOSTAS ÀS ATIVIDADES E COMENTÁRIOS Atividade 1 Resposta: C Atividade 2 Resposta: B Comentário: Segundo a lei de Poiseuille, a velocidade através do cateter está diretamente relacionada à quarta potência do raio (r) do cateter e ao gradiente pressórico (através desse) e é inversamente proporcional ao comprimento do cateter e à viscosidade do fluido. Atividade 3 Resposta: D Comentário: vide Quadro 1. Atividade 7 Resposta: Tromboflebite, pseudoaneurisma arterial; osteomielite de clavícula; fístula venobrônquica. Atividade 9 Resposta: C Comentário: Por ser o acesso venoso central um procedimento que envolve um risco maior de sangramento acidental, a sua inserção em um local não-compressível (veia subclávia) é uma contra-indicação relativa ao uso de fibrinolítico.1,3,5 Atividade 11 Resposta: D Atividade 14 Resposta: D Atividade 15 Respostas: 2; 5; 6; 3; 8; 4; 1;7. Atividade 17 Resposta: A Atividade 24 Respostas: 6; 10; 5; 3; 11; 13; 7; 12; 9; 8; 1; 4; 2. Atividade 26 Resposta: C Comentário: Trata-se de uma suspeita de infecção por cateter em paciente portadora de dispositivo de longa permanência. Baseado nos dados clínicos e no exame do local do implante, estamos diante de uma infecção não-complicada, e a preservação do cateter é possível. Para confirmar o diagnóstico sem retirar o dispositivo, procede-se à coleta de culturas pelo cateter e periféricas; para confirmação deve-se preencher os critérios (ver texto), iniciaremos antibioticoterapia sistêmica e, como a intenção é não retirar o cateter, procedemos à terapia intralúmen para esterilização do mesmo. Como um novo implante demanda um ato cirúrgico, só devemos retirá-lo em caso de complicação ou fungemia. Após o tratamento, um novo cateter pode ser implantado nos pacientes em que a retirada foi necessária. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15153
  30. 30. 154ACESSOSVENOSOSEMEMERGÊNCIASCLÍNICAS REFERÊNCIAS 1 Flato UA, Flato E, Guimarães HP. Acessos venosos. In: Quilici AP, Gonzáles MM, Timerman A (eds.). Guia prático para o ACLS. Barueri: Manole; 2007. 2 Gut Al, Ferreira AL. Acesos venosos. In: Guimarães HP, Ferreira AL, Falcão LF (eds.). Introdução à medicina intensiva-LiGAMI. 2 ed. São Paulo: AMIB; 2006. p.133-44. 3 International Liaison Committee on Resuscitation. 2005 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science with Treatment Recommendations. Part 4: Advanced life support. Resuscitation. 2005 Nov-Dec;67(2-3):213-47. 4 Weinstein SM. Plumer's Principles & Practice of Intravenous Therapy. 8 ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2007. 5 Lopes RD, Falcão LF, Guimarães HP. Fármacos rotineiramente utilizados em emergências cardiovasculares. In: Costa MP, Guimarães HP. Ressuscitação cardiopulmonar: uma abordagem multidisciplinar. São Paulo: Atheneu; 2007. p.121-44. 6 Taylor RW, Palagiri AV. Central venous catheterization. Crit Care Med. 2007 May;35(5):1390-6. 7 Frascone RJ, Jensen JP, Kaye K, Salzman JG. Consecutive field trials using two different intraosseous devices. Prehosp Emerg Care. 2007 Apr-Jun;11(2):164-71. 8 Macnab A, Christenson J, Findlay J, Horwood B, Johnson D, Jones L, et al. A new system for sternal intraosseous infusion in adults. Prehosp Emerg Care. 2000 Apr-Jun;4(2):173-7. 9 Miller DD, Guimond G, Hostler DP, Platt T, Wang HE. Feasibility of sternal intraosseous access by emergency medical technician students. Prehosp Emerg Care. 2005 Jan-Mar;9(1):73-8. 10 Intraosseous Infusion System. Trainer's Manual. Canadá: Pyng Medical Corp.; 2005. 11 Leading Intraosseous Devices. Disponível em: http://www.ps-med.com/PDF/BIG_brochure.pdf 12 Chen KT, Lin HJ, Guo HR, Lin MT, Lin CC. Feasibility study of epinephrine administration via laryngeal mask airway using a porcine model. Resuscitation. 2006 Jun;69(3):503-7. Epub 2006 Mar 23. 13 Quinton DN, O'Byrne G, Aitkenhead AR. Comparison of endotracheal and peripheral intravenous adrenaline in cardiac arrest. Is the endotracheal route reliable? Lancet. 1987 Apr 11;1(8537):828-9. 14 Hörnchen U, Schüttler J, Stoeckel H, Eichelkraut W. Pharmacokinetics and dynamics of endogenously released and therapeutically administered adrenaline in resuscitation. Acomparative animal experimen- tal study. Anaesthesist. 1988 Oct;37(10):615-9. 15 Menezes FH. Acesso Venoso e Arterial. Rev Bras Med Intens. 2004;14:273-323. 16 Mermel LA, Farr BM, Sherertz RJ, Raad II, O'Grady N, Harris JS, et al. Guidelines for the management of intravascular catheter-related infections. Clin Infect Dis. 2001 May 1;32(9):1249-72. Epub 2001Apr 3. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15154
  31. 31. 155 PROURGENSEMCAD 17 III. NKF-K/DOQI Clinical Practice Guidelines for Vascular Access: update 2000. Am J Kidney Dis. 2001 Jan;37(1 Suppl 1):S137-81. 18 Saad TF, Vesely TM. Venous access for patients with chronic kidney disease. J Vasc Interv Radiol. 2004 Oct;15(10):1041-5. 19 Barth RH, DeVincenzo N. Use of vancomycin in high-flux hemodialysis: experience with 130 courses of therapy. Kidney Int. 1996 Sep;50(3):929-36. 20 Marx MA, Frye RF, Matzke GR, GolperTA. Cefazolin as empiric therapy in hemodialysis-related infections: efficacy and blood concentrations. Am J Kidney Dis. 1998 Sep;32(3):410-4. 21 Contreras G, Liu PY, Elzinga L,Anger MS, Lee J, Robert N, et al.Amulticenter, prospective, randomized, comparative evaluation of dual- versus triple-lumen catheters for hemodialysis and apheresis in 485 patients. Am J Kidney Dis. 2003 Aug;42(2):315-24. 22 Richet H, Hubert B, Nitemberg G, Andremont A, Buu-Hoi A, Ourbak P, et al. Prospective multicenter study of vascular-catheter-related complications and risk factors for positive central-catheter cultures in intensive care unit patients. J Clin Microbiol. 1990 Nov;28(11):2520-5. 23 Moro ML, Viganò EF, Cozzi LepriA. Risk factors for central venous catheter-related infections in surgical and intensive care units. The Central Venous Catheter-Related Infections Study Group. Infect Control Hosp Epidemiol. 1994 Apr;15(4 Pt 1):253-64. Erratum in: Infect Control Hosp Epidemiol. 1994 Aug;15(8):508-9. 24 Goffi FS. Técnica cirúrgica: bases anatômicas, fisiopatológicas e técnicas da cirurgia. 4 ed. São Paulo: Atheneu; 1997. PROURGEN-127-156.pmd 13/8/2008, 11:15155
  32. 32. Sociedade Brasileira de Clínica Médica Diretoria Presidente Antonio Carlos Lopes Vice-Presidente Cesar Alfredo Pusch Kubiak 1º Secretário Sérgio Hernani Struhr Domingues 1º Tesoureiro Abrão José Cury Jr. Diretores Assuntos Internacionais - Waldemar Mazar Jr. Relações Públicas - Flávio José Mombru Job Marketing e Publicidade - Luiz José de Souza Sociedade Brasileira de Clínica Médica Rua Botucatu, 572. Conjunto 112 04023-061 - São Paulo, SP Tel (11) 5572-4285. Fax (11) 5572-2968 E-mail: sbcm@sbcm.org.br http://www.sbcm.org.br Coordenadores das Comissões Científica - Celmo Celeno Porto Ética Médica - Ernani Geraldo Rolim Defesa Profissional e Honorários Médicos - Mário da Costa Cardoso Filho Título de Especialista - Maria Elena Guariento Combate ao Tabagismo - Flavio Emir Adura Comissão de Recertificação - José Luiz Bonamigo Filho Presidentes dos Capítulos Biologia Molecular - José Eduardo Krieger Informática Médica - Daniel Sigulen Medicina de Urgência - Sérgio Timerman Reanimação Cardio-Pulmonar-Cerebral - Edison Ferreira de Paiva Residentes e Pós-Graduandos - Renato Delascio Lopes Investigação Clínica - Sérgio Paulo Bydlowski Epidemiologia Clínica - Álvaro Avezum Assistência Domiciliar - Wilson Jacob Filho Bioética - José Ricardo de Oliveira Cuidados Paliativos - Marco Túllio de Assis Figueiredo Medicina de Família e Comunidade - Maria Elena Guariento Sócio Aspirante - Thiago Marques Fidalgo Presidentes das Regionais Acre: Thor Oliveira Dantas Alagoas: Diógenes de Mendonça Bernardes Amazonas: Miguel Ângelo Peixoto de Lima Bahia: Almério de Souza Machado Espírito Santo: Eurico Aguiar Schmidt Goiás: Celmo Celeno Porto Mato Grosso do Sul: Justiniano Barbosa Vavas Minas Gerais: Oswaldo Fortini Levindo Coelho Pará: Maria de Fátima Guimarães Couceiro Paraná: Cesar Alfredo Pusch Kubiak Piauí: Álvaro Regino Chaves Melo Rio de Janeiro: Luiz José de Souza Rio Grande do Sul: Flavio José Mombrú Job Santa Catarina: Carlos Roberto Seara Filho São Paulo: Abrão José Cury Jr. Sergipe: José Aragão Figueiredo PROURGEN-01-10.pmd 5/10/2007, 17:555
  33. 33. Reservados todos os direitos de publicação à ARTMED/PANAMERICANA EDITORA LTDA. Avenida Jerônimo de Ornelas, 670 – Bairro Santana 90040-340 – Porto Alegre, RS Fone (51) 3025-2550. Fax (51) 3025-2555 E-mail: info@semcad.com.br consultas@semcad.com.br http://www.semcad.com.br Capa e projeto: Tatiana Sperhacke Diagramação: Ethel Kawa Editoração eletrônica: Eska Design + Comunicação Ilustrações médicas: Enrique Blanco (p. 15, 16, 18, 82, 83, 89, 90, 99, 134, 137, 138, 139, 140, 141 e 147) Coordenação pedagógica: Magda Collin Coordenação de programa editorial: Israel Pedroso Secretaria editorial: Priscila da Silva Amaral Processamento pedagógico: Evandro Alves Revisão bibliográfica: Caroline Costa Charles Revisão de processamento pedagógico: Israel Pedroso Planejamento e controle da produção editorial: Bruno Bonfanti Rios Gerência da produção editorial: Lisiane Wolff Coordenação-geral: Geraldo Huff Diretor científico: Antonio Carlos Lopes Professor Titular da Disciplina de Clínica Médica da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina. Professor Titular de Medicina de Urgência pela Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina. Presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Fellow do American College of Physicians. Diretores acadêmicos: Hélio Penna Guimarães Médico Assistente da Disciplina de Clínica Médica – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP-EPM). Coordenador do Núcleo de Estudos em Emergências Clínicas da Disciplina de Clínica Médica – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP-EPM). Especialista em Clínica Médica com certificação de área de Atuação em Medicina de Urgência pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM) e Associação Médica Brasileira (AMB). Especialista em Terapia Intensiva pela Associação Brasileira de Medicina Intensiva (AMIB) e Associação Médica Brasileira (AMB). Médico da Divisão de Pesquisa do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Coordenador do Centro de Treinamento em Emergência do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Renato Delascio Lopes Médico Assistente da Disciplina de Clínica Médica – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP-EPM). Coordenador do Núcleo de Estudos em Emergências Clínicas da Disciplina de Clínica Médica – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP-EPM). Especialista em Clínica Médica com certificação de área de Atuação em Medicina de Urgência pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM) e Associação Médica Brasileira (AMB). Doutor em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo – (UNIFESP-EPM). Fellow da Duke University – EUA. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto – CRB 10/1023 P964 Programa de Atualização em Medicina de Urgência (PROURGEN) / organizado pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica; diretor científico: Antonio Carlos Lopes; diretores acadêmicos: Hélio Penna Guimarães, Renato Delascio Lopes. – Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora, 2007. 160p.;25cm.+cartela–(SistemadeEducaçãoMédicaContinuada a Distância – SEMCAD). ISSN: 1982-047X 1. Medicina de urgência – Educação a Distância. I. Sociedade Brasileira de Clínica Médica. II. Lopes, Antonio Carlos. III. Guimarães, Hélio Penna. IV. Lopes, Renato Delascio. CDU 616-083.98 PROURGEN-01-10.pmd 5/10/2007, 17:554

×