Institutos de Ciência e Tecnologia & Empresas

26 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Institutos de Ciência e Tecnologia & Empresas

  1. 1. Victor Pellegrini Mammana Diretor | Director victor.mammana@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6001 - Fax: +55 19 3746-6028 www.cti.gov.br Relacionamento entre ICT´s e as Empresas
  2. 2. “Doutor em Física pela USP (2000) com trabalho de tese realizado no Lawrence Berkeley Laboratory. Trabalhou de 2002 a 2004 no International Technology Center, empresa de P&D da Carolina do Norte, EUA. Atualmente é diretor do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, cargo para o qual foi nomeado em junho de 2011. Foi chefe da Divisão de Mostradores de Informação do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer coordenando pesquisas na área de displays de emissão de campo, displays flexíveis, células solares, roadmaps, ergonomia e educação, neste contexto é autor de diversos artigos científicos e patentes. Recebeu distinção da Society for Information Display em congresso no Japão, no ano de 2001 É referee de revistas científicas internacionais e foi invited speaker em diversos congressos nacionais e internacionais.” Quem é Victor Mammana:
  3. 3. ... e as futuras instalações, com a construção do Parque Tecnológico CTI- Tec CTI-TEC ● Unidade de pesquisa do MCTI ● Localizado em Campinas, SP ● Área total ~ 350.000 m2 ● Área construída ~ 13.500 m2 ● Composição da comunidade: 150 servidores 200-400 colaboradores Instituto CTI Renato Archer
  4. 4. Desenvolvendo Idéias … Você nasceu um criador ... ...e então você teve aquela idéia de um novo material, um novo processo, um novo Sistema ...
  5. 5. Como testar a idéia ? Como você poderia testar a viabilidade da sua invenção? Para desenvolver um protótipo você precisa de conhecimentos de preparo de materiais, de técnicas de processamento, montage, de modelamento e… etc... etc... Você precisa de um Protótipo!
  6. 6. Fabricando o produto Gerar um produto de sucesso e produzi-lo em escala é uma história totalmente diferente...
  7. 7. Barreira Uma ideia sobre a aplicação de algum fenômeno físico em um dispositivo prático Novo produto ? R&D Marca Capital Distribuição Mercado Gestão Cadeia HR Infraestrutura Alianças O quebra-cabeças da inovação
  8. 8. Novo produto R&D Marca Capital Distribuição Mercado Gestão Cadeia HR Infraestrutura Alianças O quebra-cabeças da inovação
  9. 9. Barreiras para a inovação
  10. 10. Stakeholders e atuação do CTI: Apoio ao ciclo de inovação de produtos e serviços Pesquisa & Desenvolvimento Atuação em políticas públicas URGÊNCIA PODERLEGITIMIDADE • Setor produtivo • Sociedade • Mercado • Governos • Academia • Sociedades científicas
  11. 11. Fase A Fase B Fase C Fase G ArbitraryIntensity fonte: “Oportunidades em micro e nanotecnologias para cargas úteis e satélites” (S.S. Mammana) O elo perdido... Fase A: Advêem de insights não lineares. Commercial and industrial feasibility is not yet confirmed, Viabilidade comercial but there is an perception of opportunity. Elements: solid scientific base, preliminary value assessment (economical relevance), new materials, new designs, first lab samples, IP protection. Fase B: the demonstration of small series production provides better means of communication with economic agents. As you turn the cranks, there is a steady output of samples with the desired characteristics. In this phase you demonstrate that the promisses are feasible in terms of rationality. This phase serves as the starting point for the preparation for large scale production. Elements: pilot line, further value assessment, new production machines, packaging issues, IP protection. Brazilian R&D Community Survey in 2005-2006
  12. 12. Our focus (I) Fase A Fase B Fase C Fase G
  13. 13. Our group is concerned with creating a consistent set of materials, methods, processes, designs, devices, techniques capable of rapidly generating flat Information Display prototypes based on different photonic principles and materials Information System Information Display Human Visual System Our focus (II)
  14. 14. Modelo bem sucedido Órgão federal: estabilidade institucional e garantia de alinhamento com políticas públicas e com o marco regulatório OSCIP: matriz de competências mais dinâmica e flexível
  15. 15. Exemplo: HP Labs e CTI • 9 anos de interação • 9 milhões de reais investidos (Lei de Informática) • CTI inserido em um ciclo de inovação internacional Instrumento de regulação: convênio de cooperação tecnológica Houston, TX
  16. 16. 2004 2005 2006 2007 2008 2009 R$ 220 K R$ 621 K R$ 1,1 M R$ 298 K R$ 978 K R$ 1,35 M 2001 R$ 14 K 2010 R$ 2,6 M 2011 R$ 1,9 M 2012 R$ (a definir) Definição sobre investimentos feita no Brasil Definição sobre investimentos feita nos EUA ✔ Marco regulatório brasileiro é bem definido; ✔ Fuso horário mais compatível; ✔ Orientação à resultados; ✔ Aprimoramento das competências; ✔ Semelhanças culturais Exemplo: HP Labs e CTI
  17. 17. Modelo de cooperação tecnológica ● Cláusulas de sigilos e controle da informação; ● Divisão de PI que incentiva o investimento do parceiro; ● Acompanhamento da evolução técnica por meio de reunião e relatórios periódicos; ● Parceiro é tratado como cliente; ● Escritório de projeto acompanha execução financeira; ● Parceiro tem suporte para elaboração das prestações de contas financeiras e técnicas
  18. 18. Muito obrigado!

×