Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso guido mantega

792 visualizações

Publicada em

Palestra do Ministro da Fazenda Guido Mantega na FIESP (em 04;07/2012)

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • 16-Título = Jogando.net/mu Venha se divertir de verdade !!!
    [b]Ola,sou o Pr1nceMG,Divulgador oficial do Servidor de Mu online Season 6 do Brasil
    ESTÁ ON HÁ MAIS DE 5 ANOS,Produzindo sua Diversão com qualidade.
    TODOS OS SERVERS ficam ON 24 horas por dia, Sempre Buscamos o Melhor para os Gamers.
    São varios Server esperando por você :
    * MuWar' 1000x/1500x
    * Super - 10.000x ** Pvp 15.000x
    * Very Easy - 5.000x
    * Hard 100 x
    * Extreme 10x
    * Novo servidor Phoenix: Free 3000x | Vip: 4000x Phoenix
    SÓ NO http://www.jogando.net/mu VOCÊ ENCONTRA
    Os Melhores itens e kits mais tops de um server De MU Online:
    * Novas asas level 4
    * Novos Kits DEVASTADOR
    * Novos Kits DIAMOND v2 + Kit Mystical (a combinação da super força)
    * Novos Sets especiais de TIME.
    *CASTLE SIEGE AOS SÁBADOS e DOMINGOS.
    Site http://www.jogando.net/mu/
    Esperamos pela sua visita.Sejam todos muito benvindos ao nosso Servidor.
    *Um mês de grandes eventos e Promoções do dia das Crianças e Sorteio de 1 iPad e 2.000.000 de Golds!
    E obrigado pela atençao de todos voces !!!
    Conheça também animes cloud http://animescloud.com/ São mais de 20.000 mil videos online.
    By:Pr1nceMG divulgador oficial do jogando.net/mu
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
792
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso guido mantega

  1. 1. Estratégia decrescimento num cenário mundial adverso Guido Mantega Ministro da Fazenda Seminário Econômico FIESP - LIDE São Paulo, 4 de julho de 2012 1
  2. 2. A economia mundial continua mergulhadanuma grave crise As mais recentes decisões europeias afastam a possibilidade de uma crise bancária no curto prazo. Mas a falta de crescimento e o encolhimento do comércio continuam a predominar nas economias avançadas e atingem também os emergentes. Em termos de gravidade e consequências, a crise de 2012 se assemelha à de 2009. 2
  3. 3. Crise afeta sobretudo o setor industrialÍndice de Gerentes de Compras (PMI) Industriais*, países selecionados * O Índice de Gerentes de Compras (PMI) Industriais Fonte: Bloomberg mede as intenções de compras de produtos e serviços, Elaboração: Ministério da Fazenda mediante pesquisa com empresas representativas do setor. Índices abaixo de 50 indicam contração da atividade. 3
  4. 4. Indústria estagnada nas economias avançadas e emergentes Em pontos* * Valores acima de 50 indicam expansão da Fonte: FMI atividade industrial. Elaboração: Ministério da Fazenda 44
  5. 5. Cenário de stress na Europa com o aprofundamento da crise: América Latina é a região menos afetada Impacto da crise da Zona do Euro na economia mundial, em % PIB Fonte: WEO (FMI) de abril de 2012 Elaboração: Ministério da Fazenda 55
  6. 6. Nova matriz macroeconômica: fiscal, monetária e cambialMedidas de longo prazo e de curto prazo 1. Política monetária mais eficiente, com juros menores e redução dos spreads 2. Política cambial resultando num real mais competitivo 3. Política de solidez fiscal, com contenção de gastos de custeio e aumento dos investimentos 4. Reforma da estrutura tributária, com simplificação, desburocratização e redução de tributos 5. Estímulos ao investimento e fortalecimento do mercado interno 6. Estímulos setoriais 6
  7. 7. REFORMA ESTRUTURAL DA ECONOMIAMedidas levam tempo para amadurecer A crise internacional retarda a materialização dos efeitos das medidas. Está em curso a reorganização de toda a macroeconomia, ajustando-se aos novos preços relativos. 7
  8. 8. MEDIDAS MACRO DE LONGO ALCANCEPolítica monetária: queda da taxa básica de jurosTaxa de juros nominal (meta Selic) e taxa de juros real ex-ante*, em % a.a. *Refere-se a razão das taxas dos contratos de swap-DI Fonte: Banco Central do Brasil 360 dias pela mediana das expectativas de inflação Elaboração: Ministério da Fazenda acumulada para os próximos 12 meses. 8
  9. 9. Queda da SELIC e dos spreads já começa a surtirefeitos para os tomadores finaisTaxa de juros (em % ao ano) e prazo médio (em dias) Crédito Pessoa Física Crédito Pessoa Jurídica Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: Ministério da Fazenda 9
  10. 10. Financiamento ao investimentoExpansão dos desembolsos do BNDESDesembolsos do BNDES, em R$ bilhões* Projeção do BNDES Fonte: BNDES Elaboração: Ministério da Fazenda 10
  11. 11. Efeitos da mudança estrutural da políticamonetária Estímulo à produção de bens e serviços Redução da rentabilidade das aplicações financeiras Viabilização dos mercados de capitais (debêntures, ações eoutros ativos ligados à produção) Mudança da taxa de câmbio Redução do déficit fiscal e das despesas públicas com juros Redução do endividamento e do comprometimento da rendadas famílias Queda da inflação 11
  12. 12. SELIC, reservas e restrições aos fluxos especulativos (IOF,swaps etc.) levam à taxa de câmbio mais competitivaCotação do dólar comercial, em R$/US$ Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: Ministério da Fazenda 12
  13. 13. Consequências da nova da taxa de câmbio Redução do custo Brasil Aumento da competitividade dos produtosbrasileiros Aumento das exportações, sobretudo de bensmanufaturados Baixo impacto sobre a inflação 13
  14. 14. Reforma da política fiscalResultado fiscal do setor público consolidado, em % do PIB* Projeção do Banco Central do Brasil Fonte: Banco Central do Brasil e Ministério da Fazenda Elaboração: Ministério da Fazenda 14
  15. 15. Dívida do setor público em declínioDívida líquida do setor público, em % do PIB* Projeção do Banco Central do Brasil para o final de 2012. Fonte: Banco Central do Brasil e Ministério da Fazenda Elaboração: Ministério da Fazenda 15
  16. 16. Tendência declinante dos juros da dívida públicaJuros nominas, em % PIB Fonte: Banco Central do Brasil e*Projeção do Ministério da Fazenda. Ministério da Fazenda Elaboração: Ministério da Fazenda 16
  17. 17. Solidez fiscal: Previdência Complementar doServidor Público Federal O Regime de Previdência Complementar da União limita o valor das aposentadorias e pensões ao teto dos benefícios concedidos pelo INSS. Proporciona ganho fiscal de longo prazo. Projeções apontam que o FUNPRESP será o maior fundo de previdência do País. Os recursos financeiros mobilizados pelo FUNPRESP estimularão a poupança e o mercado de capitais. 17
  18. 18. RISCOS FISCAIS: Projetos em tramitação no CongressoNacional com forte impacto sobre as contas públicas Plano Nacional da Educação (PNE) – eleva as despesascom educação para 7% do PIB, nos próximos cinco anos,e para 10% do PIB, a partir do sexto ano. Extinção do fator previdenciário. Redução para 30 horas da carga de trabalho semanalde enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem eparteiras. Aumento salarial dos servidores públicos. 18
  19. 19. ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO:Reforma do sistema tributário ICMS • Redução na alíquota interestadual (4%), unificação e simplificação. Da origem para o destino. • Fim da “guerra dos portos” (Projeto de Resolução nº 72 do Senado Federal). Em vigor a partir de janeiro de 2013. SUPERSIMPLES e MEI: ampliação do limite de enquadramento e estímulo às exportações. Folha de pagamento: desoneração e mudança na base de tributação. 19
  20. 20. Alíquota Alíquota Renúncia anual, Setor neutra fixada em R$ milhões Têxtil 2,32% 1% 550 Confecções* 2,32% 1% 385 Couro e calçados* 3,28% 1% 632 Móveis 2,09% 1% 209 Plásticos 1,87% 1% 530 Desoneração Material elétrico 1,88% 1% 372 da Folha de Auto-peças 2,19% 1% 1.130 Ônibus 1,72% 1% 77 Pagamentos Naval 4,59% 1% 145 Aéreo 2,83% 1% 225 BK mecânico 2,24% 1% 1.254 Exportador Hotéis 4,18% 2% 216 não paga TI e TIC 3,35% 2% 1.171 sobre Call Center 3,15% 2% 312Design House (chips) 6,67% 2% 4 faturamento TOTAL — — 7.214 20
  21. 21. O Governo atua em simultâneo em medidasestruturais e conjunturais Além das reformas estruturais, o Governo atua cominiciativas pontuais sobre os setores mais atingidos pelacrise internacional. Adoção de medidas de desoneração e de defesacomercial: • Oneração do IPI de carros importados • Desoneração do IPI – móveis, linha branca, mat. const., veículos • Desoneração de PIS/COFINS – trigo, farinha, massas • Operação “Maré vermelha” • Controles especiais no despacho de importações: linha cinza para suspeita de fraudes. • Compras governamentais – têxteis, complexo da saúde, caminhões, ônibus,ambulâncias etc. 21
  22. 22. Lista de desonerações anunciadas de 2010 a 2012 Impacto em 2012 Medidas Data (em R$ bilhões)Redução da CIDE para zero para gasolina e diesel 22/06/2012 4,7Redução do IOF sobre operações de crédito para pessoa física 21/05/2012 2,1Redução de IPI sobre automóveis e comerciais leves 21/05/2012 1,2Substituição da contribuição previdenciária patronal sobre 03/04/2012 1,8folha de salários para receita brutaAumento dos limites das faixas de tributação do SIMPLES 10/11/2011 5,3Redução da CIDE para gasolina e diesel 28/10/2011 4,1REINTEGRA - Regime Especial de Reintegração de Valores 02/08/2011 5,2Tributários para Empresas ExportadorasRedução do prazo de apropriação dos créditos sobre aquisição 02/08/2011 7,6de bens de capitalProrrogação da desoneração de IPI para materiais de 02/08/2011 1,7construçãoCorreção da tabela do Imposto de Renda Pessoa Física 25/03/2011 2,4Manutenção das receitas de obras de construção civil no 30/12/2010 1,8regime cumulativo do PIS/COFINSDemais 10,7TOTAL 48,6 22
  23. 23. MEDIDAS DE LONGO ALCANCE: Crescimentoacelerado dos investimentos e do consumoEm % a.a. Fonte: IBGE e Ministério da Fazenda Elaboração: Ministério da Fazenda 23
  24. 24. Investimentos em infraestruturaEm R$ bilhões de 2011 Fonte: Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base - ABDIB Elaboração: Ministério da Fazenda 24
  25. 25. Perspectivas de Investimento: 2012-2015Em R$ bilhões de 2011 Fonte: BNDES e Bradesco Elaboração: Ministério da Fazenda 25
  26. 26. MEDIDAS DE LONGO ALCANCEMercado interno em expansãoPesquisa Mensal do Comércio (PMC) Ampliado Fonte: IBGE (Pesquisa Mensal do Comércio) * Acumulado em 12 meses até abril de 2012 Elaboração: Ministério da Fazenda 26
  27. 27. Desemprego nos menores níveis da sériehistóricaTaxa de desemprego aberto, em % da população economicamente ativa Fonte: IBGE (Pesquisa Mensal do Emprego) Elaboração: Ministério da Fazenda 27
  28. 28. Massa salarial em expansãoMassa salarial, taxa de crescimento anual, em %* Taxa acumulada em 12 meses até maio 2012. Fonte: IBGE (Pesquisa Mensal do Emprego) Elaboração: Ministério da Fazenda 28
  29. 29. Medidas tomadas pelo Governo já começam asurtir efeitoEmplacamentos de veículos novos (autos e comerciais leves), média diária emunidades Fonte: Fenabrave Elaboração: Ministério da Fazenda 29
  30. 30. Criação de emprego formal em ascensão naconstrução civilCriação de empregos formais na construção civil, em milhares de postos detrabalho, acumulado em 12 meses Fonte: Sinduscon/SP, FGV e MTE Elaboração: Ministério da Fazenda 30
  31. 31. 31

×