Estudo do Setor deTransporte Aéreo do Brasil                     Apresentação na Airport Infra Expo                     Sã...
Temas        ▪ Escopo e propósito do estudo        ▪ Vi ã e objetivos para o setor          Visão   bj ti             t   ...
Escopo do estudo                              ▪   Mapeamento da atual infraestrutura aeroportuária                        ...
Nos últimos anos, o setor de transporte aéreo brasileiro viveu um período deacelerado crescimento em função do aumento do ...
Apesar do aumento significativo da demanda no Brasil, o modal aéreo aindatem bastante espaço para crescer                 ...
Em função do crescimento da demanda, praticamente todos os aeroportosbrasileiros já apresentavam, em 2009, algum tipo de g...
Considerando a expectativa de crescimento da demanda, o Brasil precisarápraticamente triplicar a capacidade de seus aeropo...
Além do desafio de infraestrutura, existem outras oportunidades de                                              ESTIMATIVA...
Temas        ▪ Escopo e propósito do estudo        ▪ Vi ã e objetivos para o setor          Visão   bj ti             t   ...
Visão 2030 para o setor aéreo                 “Brasil a pleno potencial”                                    Potenciais ben...
Temas        ▪ Escopo e propósito do estudo        ▪ Visão e objetivos para o setor        ▪ Diagnóstico e recomendações  ...
Com restrições hojeO crescimento acelerado trouxe desafios de capacidade                                                  ...
Plano para solucionar gargalos na infraestrutura aeroportuária baseia-se em3 alavancas                                    ...
Os 20 principais aeroportos brasileiros demandarão                                                                        ...
Temas        ▪ Escopo e propósito do estudo        ▪ Visão e objetivos para o setor        ▪ Diagnóstico e recomendações  ...
Sumário do diagnóstico do atual modelo de administração aeroportuária                           Diagnóstico/ problemas ide...
Recomendações para o modelo de administração aeroportuária     Expansão de           ▪   Permitir um maior envolvimento da...
Temas        ▪ Escopo e propósito do estudo        ▪ Visão e objetivos para o setor        ▪ Diagnóstico e recomendações  ...
Foram identificadas 5 oportunidades relacionadas a papéis, responsabilidadese hierarquia no setor aéreo brasileiro...     ...
...e 4 oportunidades relacionadas a gestão e incentivos, coordenação deoperações e arcabouço regulatório                  ...
Recomendações para modelo de governança e jurídico-regulatório (1/2)        Atividades          Aeroportos                ...
Recomendações para modelo de governança e jurídico-regulatório (2/2)        Atividades          Aeroportos        Companhi...
23
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2011_Painel / Panel 1_Arlindo Eira - McKinsey&Company

2.051 visualizações

Publicada em

Visão e objetivos para o setor: apresentação do estudo do setor de transporte aéreo do Brasil McKinsey & Company / Previsions and objectives to the trade: presenting an study produced by McKinsey&Company on air transportation in Brazil

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.051
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
209
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2011_Painel / Panel 1_Arlindo Eira - McKinsey&Company

  1. 1. Estudo do Setor deTransporte Aéreo do Brasil Apresentação na Airport Infra Expo São Paulo, 27 de abril de 2011
  2. 2. Temas ▪ Escopo e propósito do estudo ▪ Vi ã e objetivos para o setor Visão bj ti t ▪ Diagnóstico e recomendações g ç 2
  3. 3. Escopo do estudo ▪ Mapeamento da atual infraestrutura aeroportuária ▪ Identificação de gargalos Infraestrutura ▪ Pesquisa Origem/Destino ▪ Projeção de demanda ▪ Análise das alternativas de otimização do sistema e necessidades de investimento ▪ Avaliação do atual modelo de administração aeroportuário Administração aeroportuária e ▪ Avaliação das condições de competição em serviços aéreos serviços aéreos ▪ Avaliação da abrangência da malha aeroviária brasileira ▪ Mapeamento da estrutura de governança e Governança e arcabouço jurídico-regulatório do setor arcabouço jurídico- ▪ Identificação de lacunas e sobreposições regulatório ▪ Desenvolvimento de propostas de ajustes e possíveis diretrizes de mudança 3
  4. 4. Nos últimos anos, o setor de transporte aéreo brasileiro viveu um período deacelerado crescimento em função do aumento do PIB e da queda dos preçosdas passagens aéreas Aumento do PIB %, ao ano 4,7 Aumento do PIB 1,7 “Democra- tização” do Crescimento 1997-2002 2003-2008 transporte de 10% a a a.a. aéreo, aéreo com da demanda Preço da passagem ingresso de a partir de R$/passageiro.km (ajustado a valores de hoje) maior 2003 número de 0,6 06 0% passageiros i das classes Redução 0,5 0,48 -48% BeC do preço da d 0,4 passagem 0,3 0,26 0 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008FONTE: IBGE; ANAC; análise da equipe 4
  5. 5. Apesar do aumento significativo da demanda no Brasil, o modal aéreo aindatem bastante espaço para crescer Utilização de transporte aéreo no mundoEvolução da utilização de transporte aéreo no Brasil PAX/hab PAX/hab AUS 5,2 52 0,75 EUA 4,7 ESP 4,6 0,60 0 60 0,6 06 RU 3,9 CAN 3,2 0,45 FRA 2,3 23 0,30 ALE 2,3 ITA 2,1 0,15 0 15 JAP 1,5 BRA 0,6 0 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 3,3 Ano Média Número de passageiros por habitante ... mas ainda é apenas 1/5 do verificado praticamente dobrou nos últimos 20 anos... em países nos quais o modal é maduroFONTE: Infraero; ANAC; press clippings; análise da equipe 5
  6. 6. Em função do crescimento da demanda, praticamente todos os aeroportosbrasileiros já apresentavam, em 2009, algum tipo de gargalo Gargalos (considerando hora-pico) Aeroporto Pista Pátio TPS ▪ Guarulhos ▪ SP Congonhas Limitada ▪ Viracopos ▪ Galeão RJ R ▪ Santos D S t Dumontt ▪ Confins BH ▪ Pampulha ▪ Brasília ▪ Porto Alegre ▪ Curitiba ▪ Recife ▪ Salvador ▪ Fortaleza Demais ▪ Manaus ▪ Cuiabá D ▪ Natal ▪ Florianópolis ▪ Vitória ▪ Belém ▪ GoiâniaFONTE: ITA; análise da equipe 6
  7. 7. Considerando a expectativa de crescimento da demanda, o Brasil precisarápraticamente triplicar a capacidade de seus aeroportos até 2030Milhões PAX/ano Projeção de demanda Capacidade1 dos aeroportos Internacional VCP 3,5 Doméstico CGH 12,0 312 SDU 8,5 39 GRU 20,5 GIG 18,0 195 23 146 111 17 273 126 36 13 27 172 10 129 7 47 98 2009E 14E 20E 30E Total SP RJ Bra- BH Outros sília Necessidade de se expandir o equivalente a quase 10 GRU até 20301 Capacidade operacional dos aeroportos em 2009FONTE: Infraero; ITA; análise da equipe 7
  8. 8. Além do desafio de infraestrutura, existem outras oportunidades de ESTIMATIVAatuação no setor para que o País possa atingir seu “pleno potencial” # % d redução de d ã Custos atuais 12,0 Refletem decisões políticas de ▪ Impostos sobre combustíveis geração de ▪ Paridade de preço do receita Barreiras B i combustível pública 0,8 5,6 a 6,7 estruturais proveniente ▪ Tributos sobre receitas do setor ▪ Imposto de importação ▪ Restrições de infraestrutura aeroportuária e aeronáutica ▪ Limitação do tempo de voo Custos de aeroviários 1,0 5,6 a 8,7 evitáveis ▪ Tempo de turnaround de aeronaves Representam basicamente ▪ Regime de importação desperdício Custos potenciais 10,6 10 6FONTE: Entrevistas com linhas aéreas; relatórios anuais TAM e Gol; HOTRAN; ANAC; análise da equipe 8
  9. 9. Temas ▪ Escopo e propósito do estudo ▪ Vi ã e objetivos para o setor Visão bj ti t ▪ Diagnóstico e recomendações g ç 9
  10. 10. Visão 2030 para o setor aéreo “Brasil a pleno potencial” Potenciais benefícios adicionais ▪ Planejamento integrado com outros modaisGovernança ▪ Coordenação e planejamento do setor como um todo ▪ Utilização do modal ▪ Regulação integral do setor pela ANAC no BR se ▪ Novo marco regulatório do setor aproximando à de países maduros ▪ Maior utilização do modal aéreo ▪ >500 mil empregosInfraestrutura ▪ Principais aeroportos do País operando sem gargalos diretos e indiretos críticos no País ▪ RMSP como principal hub na América Latina ▪ 2 novos hubs internacionais: RJ e Nordeste ▪ De 450 a 600 novas ▪ GRU, VCP e GIG com acesso ferroviário rápido aeronaves (até 1/3 ▪ Controle de tráfego aéreo civil d classe mundial C t l d t áf é i il de l di l feitas no Brasil) ▪ RMSP como hub na ▪ Papel relevante da iniciativa privada na administração de América LatinaAdmin. aeroportosaeroportuária ▪ Eficiência Efi iê i operacional de classe mundial i ld l di l ▪ Até 800 mil PAX/ano atendidos em ▪ Receitas comerciais = 40-50% do total regiões remotas ▪ Sistema autossuficiente ▪ Impacto geral positivo na ▪ Mercado competitivo com novas rotas domésticas eServiços economia internacionaisaéreos ▪ Cias. aéreas operando com alto nível de eficiência, com ▪ Atendimento da repasse destes ganhos aos passageiros demanda extra da ▪ Redução R d ã na l lacuna de yield d i ld Copa 2014 e C ▪ Eliminação das barreiras estruturais e custos evitáveis Olimpíadas 2016 ▪ Dobro de aeroportos com rotas regulares 10
  11. 11. Temas ▪ Escopo e propósito do estudo ▪ Visão e objetivos para o setor ▪ Diagnóstico e recomendações – Infraestrutura – Modelos de administração aeroportuária e de serviços aéreos – Governança e arcabouço jurídico regulatório jurídico-regulatório 11
  12. 12. Com restrições hojeO crescimento acelerado trouxe desafios de capacidade Necessidade de investimento até 2030para a infraestrutura aeroportuária já em 2009 Capacidade atual suficiente até 2030Utilização na hora-pico para pista/pátio e no ano para TPS ( ) Ano limite para saturação Lado ar1 Lado terra Aeroporto Pista DECEA Pista ITA Pátio2 TPS ▪ Guarulhos ▪ (2030) ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ Saturado ▪ ▪ Limitado ▪ (2014) ▪ Saturado ▪ SP Congonhas Saturado ▪ Viracopos ▪ (2020) ▪ (2020) ▪ (2014) ▪ (2014) ▪ Galeão ▪ (2030) RJ ▪ ▪ (2030) ▪ (2030) ▪ ▪ R Santos Dumont Saturado (2030) ▪ Confins ▪ (2020) ▪ Saturado BH ▪ Pampulha ▪ (2030) ▪ (2014) ▪ (2014) ▪ Brasília ▪ (2030) ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ Saturado ▪ Porto Alegre ▪ (2030) ▪ (2030) ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ Curitiba ▪ (2030) ▪ (2020) ▪ Recife ▪ (2030) ▪ (2030) ▪ (2020) ▪ Salvador ▪ (2020) ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ (2014) ▪ ▪ ▪ Demais Fortaleza (2030) Saturado ▪ Manaus ▪ (2020) ▪ (2030) ▪ Cuiabá ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ Saturado ▪ Natal ▪ Saturado ▪ (2014) ▪ Florianópolis ▪ Saturado ▪ Saturado ▪ Vitória ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ Saturado ▪ Belém ▪ (2014) ▪ (2030) ▪ Goiânia ▪ (2030) ▪ Saturado ▪ Saturado1 Considera mesmo nível de crescimento tanto para aviação geral quanto para aviação regular2 Não considera equipamento para movimentação de passageiros (p.ex., ônibus, escada) que pode afetar o nível de serviço percebido pelo passageiroFONTE: ITA; DECEA; análise da equipe 12
  13. 13. Plano para solucionar gargalos na infraestrutura aeroportuária baseia-se em3 alavancas Como seria implementado? ▪ Li t d ações emergenciais Lista de õ i i 1) Ações ▪ Equipe incumbida da execução das emergenciais ações imediatamente p para 2010 ▪ Plano para implementar ações nos aeroportos Plano para Pl ▪ 2011-2013: medidas transitórias e 2011 2013: solucionar pequenas obras para evitar gargalos 2) Medidas gargalos de até 2014 estruturantes infraestrutura ▪ 2014, 2020 e 2030: plano de obras de readequação da infraestrutura ▪ Conjunto de medidas pontuais para 3) Medidas receber fluxo extra durante o período pontuais para dos eventos eventos ▪ Estabelecimento dos Escritórios da Copa e d Oli í d C das Olimpíadas 13
  14. 14. Os 20 principais aeroportos brasileiros demandarão ESTIMATIVAR$ 25-34 bilhões em investimentos até 2030 ...e concentrados no período entre 2021-30, quando a Os investimentos1 de médio-longo prazo são demanda por transporte aéreo estará crescendo mais em principalmente em terminal de passageiros... termos absolutos Investimento nos 20 aeroportos até 2030 Investimento nos 20 aeroportos até 2030 R$ bilhões R$ bilhões 24,5 – 33,6 24,5-33,6 3,5 – 5,3 10,7 – 14,2 5,0 – 6,9 16,0 - 21,4 7,8 - 11,0 6,0 - 8,4 TPS Pátio Pista Total 2010-14 2015-20 2021-30 20301 Não considera custos com terraplanagem, desapropriação, acessos viários e outras particularidades de cada sítio aeroportuárioFONTE: Análise da equipe 14
  15. 15. Temas ▪ Escopo e propósito do estudo ▪ Visão e objetivos para o setor ▪ Diagnóstico e recomendações – Infraestrutura – Modelos de administração aeroportuária e de serviços aéreos – Governança e arcabouço jurídico regulatório jurídico-regulatório 15
  16. 16. Sumário do diagnóstico do atual modelo de administração aeroportuária Diagnóstico/ problemas identificados Expansão de ▪ Pouca participação privada no modelo de administração aeroportuária capacidade ▪ Atraso no plano de investimentos da Infraero Utilização da ▪ Utilização dos aeroportos como ativos abaixo do potencial, p. ex. capacidade – Baixa alavancagem de receitas comerciais existente – Obras não finalizadas gerando áreas vazias nos aeroportos ▪ Transferência da menor eficiência nos aeroportos para contribuintes (via Tesouro) ▪ Entidades públicas do setor, em geral, não dispõem de sistema de setor geral Sistema de incentivos com metas e consequências alinhadas aos objetivos do setor, o gestão que permitiria: – Buscar ativamente a melhor utilização dos ativos – PPromover a melhoria de eficiência operacional lh i d fi iê i i l – Evitar o uso de soluções economicamente subótimas (p.ex., sloteamento de aeroporto apesar da possibilidade de expansão da capacidade) ▪ Degradação do nível de serviço em aeroportos importantes, principalmente Nível de serviço nos horários de pico e tarifas ▪ Apesar do nível de tarifas estar em linha com média internacional, sistema não é autossuficiente (necessitando de recursos do Tesouro para financiar sua expansão)FONTE: Análise da equipe 16
  17. 17. Recomendações para o modelo de administração aeroportuária Expansão de ▪ Permitir um maior envolvimento da iniciativa privada na construção de capacidade novos aeroportos e expansão de aeroportos existentes Utilização da ▪ Criar incentivos para promover uma maior exploração de receitas comerciais nos aeroportos p capacidade existente ▪ Desenvolver capacitação das equipes de operação nos aeroportos para adoção de melhores práticas internacionais, com monitoramento constante de indicadores de níveis de serviço ▪ Permitir um maior envolvimento da iniciativa privada na operação de aeroportos Sistema de Si t d ▪ Criar incentivos para administradores aeroportuários alinhados aos Ci i ti d i i t d t ái li h d gestão objetivos do setor ▪ Implementar mecanismos regulatórios para bonificar/onerar operador Nível de serviço em função de metas de níveis de serviço e eficiência operacional e tarifas ▪ Revisar periodicamente a estrutura tarifária com objetivo de repassar ganhos de eficiência aos usuáriosFONTE: Análise da equipe 17
  18. 18. Temas ▪ Escopo e propósito do estudo ▪ Visão e objetivos para o setor ▪ Diagnóstico e recomendações – Infraestrutura – Modelos de administração aeroportuária e de serviços aéreos – Governança e arcabouço jurídico-regulatório jurídico regulatório 18
  19. 19. Foram identificadas 5 oportunidades relacionadas a papéis, responsabilidadese hierarquia no setor aéreo brasileiro... Atividades Aeroportos Companhias áreas Espaço aéreo 1 Vinculação dos órgãos responsáveis pela aviação civil (p.ex., ANAC) ao Ministério Diretrizes e CONAC da Defesa não é padrão em outros países políticas 2 Responsável pela coordenação do setor como um todo Perguntas (aeroportos, transporte aéreo, controle de tráfego aéreo) e planejamento de longo prazo não está claro l j t d l ã tá l A Funções? Regulação e ANAC fiscalização B Responsabili- DECEA dades claras? Infraero Setor privado Atividades de regulação, C Sobreposições? Execução execução e fiscalização de controle de tráfego aéreo estão centralizadas no D Freios e 4 mesmo órgão (DECEA) contrapesos? Falta clareza na atribuição 3 Investigação de responsabilidades por prevenção de acidentes CENIPA E Hierarquia? de acidentes entre ANAC e CENIPA CENIPA está ligado hierarquicamente ao Comando da Aeronáutica, também responsável Prevenção ANAC pelo controle de tráfego aéreo, de acidentes não representando melhor configuração de governança 5FONTE: Análise da equipe 19
  20. 20. ...e 4 oportunidades relacionadas a gestão e incentivos, coordenação deoperações e arcabouço regulatório Questão identificada Gestão e ▪ 6 Ausência de um sistema de incentivos e processo de definição e acompanhamento de metas de indicadores de eficiência incentivos operacional, resultados financeiros e segurança para Infraero e DECEA Coordenação de ▪ 7 Há pouca ou nenhuma coordenação entre a Infraero e os órgãos públicos/autoridades que prestam serviços nos operações aeroportos, causando estresse na infraestrutura aeroportuária Arcabouço ▪ 8 Normatização não é organizada e há pouco ou nenhum uso da regulatório revogação expressa ▪ 9 A análise das normas superiores identificou lacunas e sobreposições pontuais em questões de direito material e procedimentalFONTE: Análise TozziniFreire; análise da equipe 20
  21. 21. Recomendações para modelo de governança e jurídico-regulatório (1/2) Atividades Aeroportos Companhias áreas Espaço aéreo 1 Transferir órgãos da aviação civil para o Ministério dos Transportes Diretrizes e CONAC políticas 2 ▪ No curto prazo, designar atribuições de coordenação à SAC ▪ No longo prazo, criar ou designar departamento ligado ao Ministério dos Transportes Regulação e ANAC fiscalização DECEA Infraero Setor privado ▪ Criar ou designar departamento Execução vinculado à ANAC para regulação e fiscalização do controle de tráfego aéreo 4 ▪ Considerar reestruturação da Estabelecer em legislação execução do controle de tráfego específica as responsabilidades aéreo para empresa pública Investigação de sobre prevenção de acidentes CENIPA dedicada acidentes (ANAC) e sobre investigação de 3 acidentes (CENIA) ANAC ▪ No curto prazo, transferir CENIA Prevenção de diretamente ao Ministro da Defesa acidentes ▪ Posteriormente, transferí-lo para o Ministério d T Mi i té i dos Transportes t 5FONTE: Análise da equipe 21
  22. 22. Recomendações para modelo de governança e jurídico-regulatório (2/2) Atividades Aeroportos Companhias áreas Espaço aéreo 6 Designar órgão para criação de processo de definição de metas de desempenho e Diretrizes e acompanhamento dos resultados da Infraero CONAC e do DECEA e de um sistema de incentivos políticas 7 Possível criação de uma coordenadoria de operações em aeroportos, composta por Regulação e ANAC representantes da ANAC, fiscalização Infraero, Polícia Federal, Receita Federal e demais DECEA órgãos com atuação aeroportuária Infraero Setor privado Execução ▪ Efetuar ajustes normativos para abordar questões de direito material e direito processual/ procedimental Investigação de CENIPA ▪ No médio prazo, após implementadas as mudanças de acidentes governança, ter a organização e consolidação das normas em ç poucos diplomas legais consolidados ANAC 8/9 Prevenção de acidentesFONTE: Análise da equipe 22
  23. 23. 23

×