O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
A colaboração para uma entrega eficiente e de qualidade
A RESPONSABILIDADE DO “DONE”
A G I L E T R E N D S , 1 0 D E O U T...
Rafael Buss Ferreira
QUEM SOU
• Técnico em programação Delphi
• Certificado CTFL e CTFL-AT
• Atualmente Analista de teste ...
A SOFTPLAN
A SOFTPLANTAMBÉM MUDOU
EXPONENCIALMENTE
DE 2009 ATÉ 2017
• 483 softplayers em toda a empresa
• Unidade de Justiça, tinha 195
• No time de Procuradorias, 10 softpl...
DESAFIO
Como responder às mudanças de maneira
rápida, com equipes maiores que 100 pessoas e
sem abrir mão da formalidade d...
UM POUCO DE
HISTÓRIA
A história da produção
ARTESÃOS
Domínio do processo, das ferramentas, da matéria prima, do saber e da comercialização.
MANUFATURA
Uma pessoa possui o domínio do processo, das ferramentas, da matéria prima e da
comercialização.
Outras possuem...
FÁBRICA
Separação das fases de produção por setores, por partes;
O domínio do processo e da criação do produto não está ma...
ESCOLA
Separação por turmas;
Separação com disciplinas
O domínio do conhecimento está nas mãos do professor;
Somos formado...
WATERFALL
Esteira de fábrica para construção de Software.
FRASES CONHECIDAS
Cultura gerada
"Isso não estava especificado!"
"O P.O. não tinha nos alertado sobre esta realidade!"
"Es...
EQUIPE ÁGIL
Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade;
Colaboração e complementaridade;
Visão holística.
Cada um com s...
DEFECT
INDIVÍDUOS E INTERAÇÕES
mais que processos e ferramentas
SOFTWARE EM FUNCIONAMENTO
mais que documentação abrangente
WORK IN PROGRESS
Redução
acentuada do
“InProgress”.
Maior
cadência.
CYCLETIME – COM DEFECT
Stories ficavam
abertas durante
muito tempo.
O retrabalho era
acentuado.
CYCLETIME – SEM DEFECT
Redução
acentuada do
tempo das
stories no status
“InProgress”.
Maior
quantidade de
entrega e com
ma...
ANTECIPAÇÃO DOS CENÁRIOS DETESTE
Levantamento dos cenários juntamente com o entendimento da
demanda
Análise dos requisitos...
MAIS PARCERIA E MENOS RETRABALHO
Atitude, convencimento e corresponsabilidade
AINDA SOBRE O DEFECT
1. É um artefato criado pelo
"testador" para a atuação do
"desenvolvedor".
2. Atrapalha o desenvolvim...
O QUE SE
ESPERA?
O profissional que uma empresa precisa para
entrega com maior qualidade e eficiência.
EQUIPE ÁGIL
Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade;
Colaboração e complementaridade;
Visão holística.
Cada um com s...
O PROFISSIONAL
4.0
MANIFESTO PELO ARTESANATO DE SOFTWARE
Não apenas software funcionando, mas também software bem feito.
Não apenas responder...
EQUIPE ÁGIL
Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade;
Colaboração e complementaridade;
Visão holística.
Cada um com s...
POSTURAS PARA CULTIVAR
Questione, duvide;
Aprenda algo fora de seu domínio, mas dentro do domínio da equipe;
Se coloque à ...
Rafael Buss Ferreira
OBRIGADO!
r a f a t o n e s @ g m a i l . c o m • 4 8 9 9 1 6 4 0 7 6 7
A responsabilidade do “Done”: a colaboração como condição de uma entrega ágil e de qualidade - Rafael Buss Ferreira (Softp...
A responsabilidade do “Done”: a colaboração como condição de uma entrega ágil e de qualidade - Rafael Buss Ferreira (Softp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A responsabilidade do “Done”: a colaboração como condição de uma entrega ágil e de qualidade - Rafael Buss Ferreira (Softplan)

149 visualizações

Publicada em

O modo waterfall é um espelho da indústria de produtos de bens de consumo. Este modo de produção de software gerou uma cultura de especialização excessiva e a prática de “passar a bola” para a próxima equipe, distanciando o cliente daqueles que produzem o software. O modo ágil de desenvolvimento representa uma mudança de cultura, muito mais do que entregar rápido. Significa ultrapassar os limites dos conhecimentos específicos e agir como um profissional multidisciplinar de ação interdisciplinar, com uma visão holistica e focado no cliente, não na próxima etapa da produção.

Publicada em: Tecnologia

A responsabilidade do “Done”: a colaboração como condição de uma entrega ágil e de qualidade - Rafael Buss Ferreira (Softplan)

  1. 1. A colaboração para uma entrega eficiente e de qualidade A RESPONSABILIDADE DO “DONE” A G I L E T R E N D S , 1 0 D E O U T U B R O D E 2 0 1 7
  2. 2. Rafael Buss Ferreira QUEM SOU • Técnico em programação Delphi • Certificado CTFL e CTFL-AT • Atualmente Analista de teste na empresa Softplan • Técnico implementador (correção, evolução e testes automatizados) • Formado em História pela UFSC • Professor de História durante 5 anos • Atuou na área de educação por 10 anos – na área de informática aplicada a educação
  3. 3. A SOFTPLAN
  4. 4. A SOFTPLANTAMBÉM MUDOU EXPONENCIALMENTE
  5. 5. DE 2009 ATÉ 2017 • 483 softplayers em toda a empresa • Unidade de Justiça, tinha 195 • No time de Procuradorias, 10 softplayers Hoje, a Softplan possui mais de 1500 softplayers (>300%) A Unidade de Justiça, mais de 850 (>400%) O time de procuradorias possui mais de 100 (>1000%)
  6. 6. DESAFIO Como responder às mudanças de maneira rápida, com equipes maiores que 100 pessoas e sem abrir mão da formalidade dos contratos exigidos pelos clientes?
  7. 7. UM POUCO DE HISTÓRIA A história da produção
  8. 8. ARTESÃOS Domínio do processo, das ferramentas, da matéria prima, do saber e da comercialização.
  9. 9. MANUFATURA Uma pessoa possui o domínio do processo, das ferramentas, da matéria prima e da comercialização. Outras possuem o saber da produção.
  10. 10. FÁBRICA Separação das fases de produção por setores, por partes; O domínio do processo e da criação do produto não está mais na mão do "trabalhador", mas de quem conduz a fábrica. Começa-se a separar o trabalho. As fases do trabalho não são mais feitas pela mesma pessoa. Especializa-se o trabalho e perde- se a noção do todo, perde-se a noção de entrega e cliente.
  11. 11. ESCOLA Separação por turmas; Separação com disciplinas O domínio do conhecimento está nas mãos do professor; Somos formados dentro da visão de segmentação do saber e do fazer. A lógica do aprendizado e da qualidade é a de se especializar e se aprofundar em um determinado ponto.
  12. 12. WATERFALL Esteira de fábrica para construção de Software.
  13. 13. FRASES CONHECIDAS Cultura gerada "Isso não estava especificado!" "O P.O. não tinha nos alertado sobre esta realidade!" "Esta alteração não faz parte do escopo!" "Este é um defeito de legado!" "Não poderia testar, pois não conhecia este cenário!" "Estas são definições técnicas!" "Isto já é uma questão de negócio!" "P@&#$, eles nunca fazem nada direito!" "Os caras vendem Ferrari, mas nós só podemos fazer Fusquinha!"
  14. 14. EQUIPE ÁGIL Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade; Colaboração e complementaridade; Visão holística. Cada um com sua especialidade, contribui para o todo, para a solução, para a qualidade. Enfim para a efetividade e eficácia do que é entregue.
  15. 15. DEFECT INDIVÍDUOS E INTERAÇÕES mais que processos e ferramentas SOFTWARE EM FUNCIONAMENTO mais que documentação abrangente
  16. 16. WORK IN PROGRESS Redução acentuada do “InProgress”. Maior cadência.
  17. 17. CYCLETIME – COM DEFECT Stories ficavam abertas durante muito tempo. O retrabalho era acentuado.
  18. 18. CYCLETIME – SEM DEFECT Redução acentuada do tempo das stories no status “InProgress”. Maior quantidade de entrega e com maior agilidade.
  19. 19. ANTECIPAÇÃO DOS CENÁRIOS DETESTE Levantamento dos cenários juntamente com o entendimento da demanda Análise dos requisitos e contextualização da solução Disponibilização dos cenários de teste o quanto antes para o desenvolvimento Redução de defects
  20. 20. MAIS PARCERIA E MENOS RETRABALHO Atitude, convencimento e corresponsabilidade
  21. 21. AINDA SOBRE O DEFECT 1. É um artefato criado pelo "testador" para a atuação do "desenvolvedor". 2. Atrapalha o desenvolvimento das users stories e/ou features. 3. É um problema que foi gerado geralmente pelo desenvolvimento 4. É de responsabilidade daqueles que geraram o erro. 5. O cadastro (registro do defeito) mostra o nível de qualidade de nossos sistemas. 6. Outro. Diferentes maneiras de ver o defect
  22. 22. O QUE SE ESPERA? O profissional que uma empresa precisa para entrega com maior qualidade e eficiência.
  23. 23. EQUIPE ÁGIL Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade; Colaboração e complementaridade; Visão holística. Cada um com sua especialidade, contribui para o todo, para a solução, para a qualidade. Enfim para a efetividade e eficácia do que é entregue.
  24. 24. O PROFISSIONAL 4.0
  25. 25. MANIFESTO PELO ARTESANATO DE SOFTWARE Não apenas software funcionando, mas também software bem feito. Não apenas responder às mudanças, mas obsessivos com a entrega de valor. Não apenas indivíduos e interações, mas também uma comunidade de profissionais. Não apenas colaboração do cliente, mas também parcerias produtivas.
  26. 26. EQUIPE ÁGIL Multidisciplinaridade e interdisciplinaridade; Colaboração e complementaridade; Visão holística. Cada um com sua especialidade, contribui para o todo, para a solução, para a qualidade. Enfim para a efetividade e eficácia do que é entregue.
  27. 27. POSTURAS PARA CULTIVAR Questione, duvide; Aprenda algo fora de seu domínio, mas dentro do domínio da equipe; Se coloque à disposição; Converse com outros profissionais (de sua área e de outras); Levante a bunda da cadeira; Utilize o "face-to-face".
  28. 28. Rafael Buss Ferreira OBRIGADO! r a f a t o n e s @ g m a i l . c o m • 4 8 9 9 1 6 4 0 7 6 7

×