Introdução
• Publicado pela primeira vez em livro em
1891, depois portanto de Memórias póstumas
de Brás Cubas (1881) e ant...
Tempo e Espaço
• A história inicia-se em
1867, em Barbacena, MG,
estendendo-se para o Rio
de Janeiro , a partir de
1870. O...
Narrador
• O principal elemento da estrutura da
narrativa de Machado de Assis é o narrador.
• Quincas Borba é narrado na p...
Personagens
• Quincas Borba – filósofo, amigo de Brás
Cubas ( aparece no livro anterior)
• Quincas Borba – Cão, reprodução...
• Major Siqueira – representa com a filha o
desejo por conseguir ascensão social, que não
atingem.
• Tonica – filha major ...
Enredo
• É a história de um professor mineiro, Rubião,
para quem o filósofo Quincas Borba deixa
todos os seus bens, com a ...
• Trocando a vida tranqüila provinciana pela
agitação da corte, Rubião muda-se para o Rio
de Janeiro, após a morte de seu ...
• Palha, seu novo amigo, se destaca como um
esperto comerciante e administra a fortuna de
Rubião, tirando parte de seus lu...
• Por outro lado, a ingenuidade de Rubião
torna-o presa fácil de várias outras pessoas
interessadas e oportunistas, que se...
• Manipulado por Sofia, depois de algum
tempo, Rubião começa a manifestar
sintomas de loucura, a mesma loucura
que matou s...
• Chega na cidade delirando e
achando que era Napoleão
Bonaparte, na rua, pega
chuva e contrai a tuberculose
e morre.
• O ...
Cão Quincas Borba
• O cão é um elemento curioso na Obra.
• Pode-se dizer que o título refere-se a ele, num
mecanismo que e...
Humanitismo
• Esse Principio de Quincas Borba:
“nunca há morte, há encontro de duas
expansões, ou expansão de duas
formas....
• - "Supõe-se em um campo e duas tribos famintas.
As batatas apenas chegam para alimentar
somente uma das tribos, que assi...
• Seguindo a trajetória do Humanitismo, a
filosofia inventada por Quincas Borba, de que
a vida é um campo de batalha onde ...
Realismo
• Foi dividida na I Fase e na II Fase
• I Fase - Tendências indefinidas, com maior
acento romântico. Exemplos: Re...
Característica do Realismo
• Objetivismo e impessoalidade
• Busca da verossimilhança
• Busca da perfeição formal
• Pessimi...
Detalhes
• Quincas Borba é um romance mais
tradicional e menos inovador.
• O titulo do livro faz com que pensamos que
Quin...
• A trajetória de Rubião está ligada a sombra de
Quincas Borba.
• Quincas Borba, mesmo morto, está sempre
presente, do tít...
• A loucura de Rubião é trabalhado com ironia
por Machado de Assis, que as vezes chama a
atenção.
• Machado de Assis faz c...
Conclusão
• Machado de Assis cria neste livro uma espécie
de parece-mas-não-é. Ele constrói uma
narrativa realista que mos...
Profª Lucília
• Allan Alves nº1
• Pedro Henrique nº24
• Lucas Henrique nº18
2ºA
Quincas Borba - Machado de Assis
Quincas Borba - Machado de Assis
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quincas Borba - Machado de Assis

5.922 visualizações

Publicada em

Esse projeto foi criado na Escola Estadual Hilda Rocha Pinto na cidade de Cruzeiro - SP e desenvolvido pelos alunos Allan Ferreira, Pedro Resende e Lucas Pacheco no ano de 2013. Esse projeto tem como propósito a analise do romance Quincas Borba de Machado de Assis.

Todos os direitos reservados aos seus devidos autores.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.922
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quincas Borba - Machado de Assis

  1. 1. Introdução • Publicado pela primeira vez em livro em 1891, depois portanto de Memórias póstumas de Brás Cubas (1881) e antes de Dom Casmurro (1899) • Quincas Borba é uma das obras mais marcantes da fase realista de Machado de Assis. • Foi o marco inaugural do Realismo no Brasil
  2. 2. Tempo e Espaço • A história inicia-se em 1867, em Barbacena, MG, estendendo-se para o Rio de Janeiro , a partir de 1870. O desfecho dramático de Rubião volta para Barbacena, alguns anos depois.
  3. 3. Narrador • O principal elemento da estrutura da narrativa de Machado de Assis é o narrador. • Quincas Borba é narrado na primeira e na terceira pessoa. • É onisciente e interfere na história, fazendo comentários diretamente ao leitor.
  4. 4. Personagens • Quincas Borba – filósofo, amigo de Brás Cubas ( aparece no livro anterior) • Quincas Borba – Cão, reprodução de seu dono. • Rubião – Ingênuo professor que será explorado pelo casal Sofia e Cristiano • Sofia – mulher manipuladora, que gosta de ser admirada, possui “olhos de convite”. • Cristiano Palha – Marido de Sofia, gosta de expor a mulher aos olhos dos outros.
  5. 5. • Major Siqueira – representa com a filha o desejo por conseguir ascensão social, que não atingem. • Tonica – filha major Siqueira, solteirona, interessada em Rubião. • D. Fernanda- mulher muito conceituada, da alta sociedade, parente de D. Carlos Maria • Carlos Maria – jovem da sociedade, casa-se com Maria Benedita. • Maria Benedita - prima de Sofia, do interior, sente ciúmes da prima com Carlos Maria. • Camacho – jornalista inescrupuloso, sócio de Rubião no jornal Ataiala.
  6. 6. Enredo • É a história de um professor mineiro, Rubião, para quem o filósofo Quincas Borba deixa todos os seus bens, com a condição de que o herdeiro cuide de seu cachorro, também chamado Quincas Borba. • Quincas Borba é bajulado por Rubião, que quase se havia tornado cunhado. • Já louco, Quincas morre enquanto estava no Rio de Janeiro.
  7. 7. • Trocando a vida tranqüila provinciana pela agitação da corte, Rubião muda-se para o Rio de Janeiro, após a morte de seu amigo. • Leva consigo o cão, também chamado de Quincas Borba. • Durante a viagem de trem para o Rio de Janeiro, Rubião conhece o casal Sofia e Palha, que logo percebem estar diante de um rico e ingênuo provinciano. • Atraído pela amabilidade do casal e, sobretudo, pela beleza de Sofia, Rubião passa freqüentar a casa deles, confiando cegamente no novo amigo.
  8. 8. • Palha, seu novo amigo, se destaca como um esperto comerciante e administra a fortuna de Rubião, tirando parte de seus lucros. • Com o tempo, Rubião sente-se cada vez mais atraído por Sofia, com seus “olhos de convite”, que mantém com ele atitude esquiva, encorajando-o e ao mesmo tempo impondo uma certa distância.
  9. 9. • Por outro lado, a ingenuidade de Rubião torna-o presa fácil de várias outras pessoas interessadas e oportunistas, que se aproximam dele para explorá-lo financeiramente. • Aos poucos, acompanhando a trajetória de Rubião, percebe-se como funciona a engrenagem social da época, como ocorre a disputa entre as pessoas, as lutas pelo poder político e pela ascensão econômica da época. • O romance projeta um quadro também bastante crítico das relações sociais da época
  10. 10. • Manipulado por Sofia, depois de algum tempo, Rubião começa a manifestar sintomas de loucura, a mesma loucura que matou seu amigo, o filósofo Quincas Borba, de quem herda a fortuna. • Acaba sendo internado em um asilo por D. Fernanda, mas foge e volta para Barbacena.
  11. 11. • Chega na cidade delirando e achando que era Napoleão Bonaparte, na rua, pega chuva e contrai a tuberculose e morre. • O cão Quincas Borba, é encontrado morto três dias depois. • Louco e explorado até ficar reduzido à miséria, o destino trágico de Rubião exemplifica a tese do Humanitismo. • “Ao vencedor as batatas”
  12. 12. Cão Quincas Borba • O cão é um elemento curioso na Obra. • Pode-se dizer que o título refere-se a ele, num mecanismo que engana o leitor – o livro não é, na verdade, sobre o homem Quincas Borba.
  13. 13. Humanitismo • Esse Principio de Quincas Borba: “nunca há morte, há encontro de duas expansões, ou expansão de duas formas.”    Explicando de uma melhor maneira, ele criou a frase: "Ao vencedor às Batatas!", principio que marcou e que é o enfoque principal do enredo.
  14. 14. • - "Supõe-se em um campo e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar somente uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutri-se suficientemente e morrerão de inanição. A paz, neste caso, é a destruição; a guerra, é a esperança. Uma das tribos extermina a outra recolhe os despojos.  Daí a alegria da vitória, os hinos, as aclamações. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se. Ao vencido, o ódio ou compaixão... Ao vencedor, as batatas !"
  15. 15. • Seguindo a trajetória do Humanitismo, a filosofia inventada por Quincas Borba, de que a vida é um campo de batalha onde só os mais fortes sobrevivem. • Os fracos e ingênuos, como Rubião, são manipulados e aniquilados pelos mais fortes e mais espertos, como Palha e Sofia, que no final, estão vivos e ricos, tal como dizia a teoria do Humanitismo.
  16. 16. Realismo • Foi dividida na I Fase e na II Fase • I Fase - Tendências indefinidas, com maior acento romântico. Exemplos: Ressurreição e Helena. • II Fase - Realista, mas de um realismo absolutamente singular, fora dos padrões europeus. Exemplos: Quincas Borba Memórias Póstumas de Brás Cubas
  17. 17. Característica do Realismo • Objetivismo e impessoalidade • Busca da verossimilhança • Busca da perfeição formal • Pessimismo • Racionalismo
  18. 18. Detalhes • Quincas Borba é um romance mais tradicional e menos inovador. • O titulo do livro faz com que pensamos que Quincas Borba é o personagem principal, mas na realidade é Rubião. • Machado de Assis, faz o leitor a rir de início a loucura de Rubião
  19. 19. • A trajetória de Rubião está ligada a sombra de Quincas Borba. • Quincas Borba, mesmo morto, está sempre presente, do título ao cachorro . • Narrador opina seu própria enredo (capítulo 117). • O Narrador usa formas verbais expressivas: “Rubião tratou de vir (e não de ir) ao Rio de Janeiro. (Capítulo 20)
  20. 20. • A loucura de Rubião é trabalhado com ironia por Machado de Assis, que as vezes chama a atenção. • Machado de Assis faz crítica a sociedade, mostrando a loucura de Rubião. • Ao mesmo tempo se ri e vê a dor de Rubião • Quando Rubião volta a Barbacena, sozinho, pobre, louco e falido ele e ri e se desfaz por completo.
  21. 21. Conclusão • Machado de Assis cria neste livro uma espécie de parece-mas-não-é. Ele constrói uma narrativa realista que mostra a loucura de Rubião e enche de detalhes que demonstram essa idéia, sendo maior deles a condição realista da narrativa. É também considerada a continuação de Memórias Póstumas de Brás Cubas
  22. 22. Profª Lucília • Allan Alves nº1 • Pedro Henrique nº24 • Lucas Henrique nº18 2ºA

×