Protagonismo dos leigos maristas

89 visualizações

Publicada em

Apresentação acerca da história do protagonismo do laicato marista, utilizado no VIDAMAR, em Porto Alegre.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
89
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Protagonismo dos leigos maristas

  1. 1. Protagonismo dos leigos/as maristas Como chegamos aqui. Para onde vamos? Ir. Afonso Murad
  2. 2. Nossas raízes judaico-cristãs • Israel: Somos o Povo de Deus. A promessa da terra é para todos. As leis também. • A ambiguidade do reinado: era para garantir a justiça e o direito. Mas o rei e sua corte se apropriam dos bens coletivos • Os profetas: anúncio e denúncia.
  3. 3. Jesus: a nova família... • Jesus chama homens e mulheres para segui- lo, apesar da sociedade patriarcar. • O grupo dos discípulos/as missionários tem prioridade sobre a família biológica. • A comunidade das origens tenta viver esta novidade.
  4. 4. O cristianismo se faz religião.. • Lentamente, começa a concentração de poder • A igreja assimila as estruturas dos império romano. • Clericalismo e submissão da mulher....
  5. 5. A proposta da Reforma.. • Lutero: a Igreja é uma grande assembleia reunida em torno da Palavra de Deus. • Também as Igrejas protestantes cedem à tentação do poder.
  6. 6. Na sociedade.... • A grande experiência de cidadania inaugurada pela Revolução Francesa. • A utopia não realizada: Liberdade, Igualdade, Fraternidade. • O movimento sindical na Europa: conquistas cidadãs. • 1968: brotos que não cresceram.
  7. 7. Concílio Vaticano II (1965) • Igreja, Povo de Deus -> leigos • Igual dignidade de todos os batizados • Liturgia participada • Religiosos voltarem às suas raízes • Atualização e volta às fontes. • Redescoberta da Bíblia
  8. 8. Na América Latina • 1968: Conferência de Medellín. • No Brasil: os planos de pastoral de Conjunto • Surgem as CEBs, como nova forma de ser Igreja. Pastorais sociais, Pastoral de Juventude, Catequese Renovada. • Conselhos paroquiais, assembleias diocesanas • 1979: Conferência de Puebla: comunhão e
  9. 9. Mas nem tudo são flores.. • Resistências ao Concílio, desde o começo. • A geração JPII: “uma igreja forte, para enfrentar um mundo enfraquecido”. • O clericalismo e a sedução das vestes litúrgicas... • Perseguição à pastorais sociais. • Esperanças reacendidas com Francisco.
  10. 10. No Instituto Marista • Diminuição de Irmãos. Aumento de colégios e obras sociais. • Os leigos entram devagar: operacional -> educadores -> gestores. • Os maristas na pastoral: parceria efetiva com as lideranças leigas. • Movimento Champagnat
  11. 11. • 1993: No 19º Capítulo Geral, os leigos “entram na casa” -> participação nas províncias. • 2001: Leigos voltam ao 20º Capítulo Geral. • 2007: Assembleia da Missão Marista, em Mendes. • 2009: Em torno da mesma mesa
  12. 12. Irmãos e leigos Missão Espiritualidade Vida Compartilhada
  13. 13. Mais passos... • Uma única comissão de Vida Consagrada e Laicato nas Províncias. • Leigos/as formando leigos/as • A tensão inevitável de parceria x relação profissional e trabalhista • Atenção para os riscos do poder • O Irmão como companheiro de caminho.
  14. 14. E mais... O protagonismo do leigo/a marista acontece também na pastoral, na educação, na defesa das crianças e adolescentes vulneráveis, e nas iniciativas da sociedade civil.

×