O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Inovação na gestão eclesial (CONAGE)

3.220 visualizações

Publicada em

Reflexão sobre as condições de inovação na Igreja. Apresentação no 9º CONAGE (Congresso de Gestão Eclesial)

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Inovação na gestão eclesial (CONAGE)

  1. 1. INOVAÇÃO NA GESTÃO ECLESIAL Afonso Murad www.afonsomurad.blogspot.com
  2. 2. Conceito de Inovação • Criação, desenvolvimento e implantação de produto, de serviço, de processo ou de tecnologia que introduz um diferencial qualitativo na organização e na sociedade. • Quem inova, sai na frente. Cria um diferencial competitivo.
  3. 3. Alguns tipos de inovação • • • • • • De produto. De serviço. De processo (de fabricação, de logística, de gestão da informação). Organizacional. De comunicação (interna e externa) De valores e práticas sociais (maneira original de ver o mundo e atuar sobre ele -> produz mudanças visão e de atitudes)
  4. 4. Exemplos de inovação na sociedade Produto (bem tangível) Serviço
  5. 5. Inovação organizacional Centrada na chefia Centrada no cliente
  6. 6. Inovação por trade-off (novo posicionamento)
  7. 7. Inovação cria hábitos e conceitos
  8. 8. Inovação passo a passo • Foco: missão da organização • Compreender e interpretar demandas latentes (oportunidades) -> Ideia inovadora. • Pesquisa e desenvolvimento (identificar o que existe de melhor -> aprender, copiar. criar). • Formatação e escolha dos parceiros. • Teste • Implantação (preparada por sedução e convencimento) • Avaliação • Aperfeiçoamento e ampliação
  9. 9. Para acontecer inovação • Pessoa(s) com mente aberta, que captam uma demanda e buscam alternativas. • Conhecimento para transformar a ideia em solução (Pesquisa e Desenvolvimento). • Recursos humanos, tecnológicos, organizacionais e financeiros. • Implantação -> teste -> avaliação -> melhoria -> consolidação
  10. 10. Constitui a inovação • Ideia criativa • Solução para uma demanda (por vezes implícita) • Impacto na sociedade ou na organização • Alto grau de difusão
  11. 11. Graus de novidade da inovação • Radical: extraordinária, de implantação. • Média: aperfeiçoamento de uma inovação anterior (incrementação). • Atualização de algo já existente.
  12. 12. Do celular ao Smartfone : vários graus de novidade na inovação
  13. 13. Inovação por atualização (pequena) Bíblia com letras enormes, para quem tem dificuldades de leitura
  14. 14. Inovação é sempre boa? Depende... • Inovação “do bem”: visa minimizar problemas e oferecer soluções para as pessoas, as nações e o planeta. • Inovação “neutra”: pode ser usada para o bem ou para o mal. • Inovação “do mal”: promove o crescimento de iniciativas que destroem pessoas, povos e a Terra. Cria necessidades e maximiza desejos em vista da exploração.
  15. 15. INOVAÇÃO NA IGREJA • Por que? • Para que? • Em que condições?
  16. 16. Compreender bem.. Conversão Restauração Renovação - Atualização Inovação
  17. 17. Conversão Mudança de vida, de perspectiva, de valores, de atitudes e de ações que toca o coração da pessoa e de um grupo, modificando seu núcleo vital. Acontece como resposta a um apelo de Deus. A conversão faz parte da existência cristã e da vida da Igreja, pois a gente sem perceber se desvia do caminho da vida ou esfria no “amor primeiro”
  18. 18. Renovação • Processos de mudança em grupos ou instituições, para se atualizar e adaptarse a novas circunstâncias históricas. A renovação pode ser breve ou duradoura, atingir pessoas e/ou estruturas com maior ou menor intensidade. • No correr da sua história, a Igreja promoveu processos de renovação. O mais recente foi desencadeado pelo Concílio Vaticano II.
  19. 19. Restauração • Adoção de modelos do passado próximo, como reação às mudanças na sociedade e na própria Igreja. • A Igreja adotou posturas de restauração no séculos 19 e 20, enfrentando a sociedade moderna com suas características: antropocentrismo, mentalidade científica, subjetividade, historicidade. • A restauração não volta às fontes primeiras do cristianismo, mas somente até a cristandade. • Movimentos neoconservadores utilizam várias inovações a serviço de sua causa.
  20. 20. Para que renovar e inovar? • Para que a Boa de Nova de Jesus Cristo continue significativa para homens e mulheres de hoje, numa sociedade plural e com rápidas mudanças. • Para que o Evangelho ressoe com sentido nas novas gerações. -> Renovar e inovar não é um capricho, mas uma necessidade no atual momento histórico da humanidade.
  21. 21. Horizonte para renovar e inovar, a partir do Concílio • Igreja Povo de Deus a caminho: estruturas participativas. Diferentes ministérios e serviços. Protagonismo dos leigos (LG). • Liturgia significativa (SC). • Centralidade da Palavra de Deus. Relação da Bíblia com a Tradição (DV). • Diálogo com o mundo contemporâneo. Discernir os “Sinais dos Tempos”. Compartilhar das alegrias e dores, tristezas e esperanças (GS)
  22. 22. A inovação eclesial articula: • Voltar às fontes primeiras do cristianismo: Bíblia e patrística. • Aprender com a Tradição Viva e o magistério. • Ser sensível à contemporaneidade.
  23. 23. O equilíbrio difícil e necessário • Voltar constantemente ao núcleo da Boa Nova de Jesus, a fonte primeira. • Conservar e transmitir a Tradição viva da Igreja: nos valores, na doutrina, nas práticas religiosas. • Inovar através de gestos, palavras e processos, para que o Evangelho ressoe nas pessoas e na sociedade.
  24. 24. Bíblia Sinais dos Tempos Tradição
  25. 25. Alguns tipos de inovação na Igreja • • • • • De serviço pastoral Organizacional (estruturas de poder). De comunicação (interna e externa) De valores e práticas sociais. De design • (Nova Evangelização: no ardor, no método, na linguagem)
  26. 26. Identifique as características inovadoras nas seguintes iniciativas • • • • • • • • • Preparação para os sacramentos. Curso de iniciação teológica para leigos(as). Campanha da Fraternidade. Círculos Bíblicos. Pastorais Sociais. Assembleias diocesanas e Planos de pastoral. Catequese renovada e novas pastorais. Organização do dízimo. Gestão econômico-financeira profissionalizada.
  27. 27. Estar sempre a caminho... Iniciativa ou processo inovador que não se atualiza tende a perder seu valor e a se transformar em algo anacrônico. Em vez de asas para voar, é peso para carregar!
  28. 28. O que impede a inovação/renovação • Medo de arriscar. • Concentração de poder (presbíteros e leigos). • Pouca conexão com a contemporaneidade. • Ausência de método. • Competição interna. • Visão paroquiana e pouco “católica”. • ....
  29. 29. O que favorece a inovação/renovação • • • • • Tradição como sabedoria milenar. Força do Espírito Santo que desinstala. Generosidade de pessoas e grupos. Espírito de aprendiz. Internacionalidade e catolicidade: a diversidade que soma.
  30. 30. Uma figura inspiradora de renovação/inovação Para Francisco no meio de um grupo de refugiados
  31. 31. Um convite: vamos inovar?
  32. 32. Sugestão de bibliografia CARVALHO, Marly Monteiro. Inovação. Estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009. CORAL, Eliza e al. (orgs). Gestão integrada da Inovação. São Paulo: Atlas, 2008. MURAD, Afonso. Gestão e Espiritualidade. São Paulo: Paulinas, 2012, 5 ed. Afonso Murad é teólogo, escritor e ambientalista. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Email: murad4@hotmail.com. Redes sociais: afonsomurad.

×