Inovação na gestão eclesial (CONAGE)

3.184 visualizações

Publicada em

Reflexão sobre as condições de inovação na Igreja. Apresentação no 9º CONAGE (Congresso de Gestão Eclesial)

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.184
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.731
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inovação na gestão eclesial (CONAGE)

  1. 1. INOVAÇÃO NA GESTÃO ECLESIAL Afonso Murad www.afonsomurad.blogspot.com
  2. 2. Conceito de Inovação • Criação, desenvolvimento e implantação de produto, de serviço, de processo ou de tecnologia que introduz um diferencial qualitativo na organização e na sociedade. • Quem inova, sai na frente. Cria um diferencial competitivo.
  3. 3. Alguns tipos de inovação • • • • • • De produto. De serviço. De processo (de fabricação, de logística, de gestão da informação). Organizacional. De comunicação (interna e externa) De valores e práticas sociais (maneira original de ver o mundo e atuar sobre ele -> produz mudanças visão e de atitudes)
  4. 4. Exemplos de inovação na sociedade Produto (bem tangível) Serviço
  5. 5. Inovação organizacional Centrada na chefia Centrada no cliente
  6. 6. Inovação por trade-off (novo posicionamento)
  7. 7. Inovação cria hábitos e conceitos
  8. 8. Inovação passo a passo • Foco: missão da organização • Compreender e interpretar demandas latentes (oportunidades) -> Ideia inovadora. • Pesquisa e desenvolvimento (identificar o que existe de melhor -> aprender, copiar. criar). • Formatação e escolha dos parceiros. • Teste • Implantação (preparada por sedução e convencimento) • Avaliação • Aperfeiçoamento e ampliação
  9. 9. Para acontecer inovação • Pessoa(s) com mente aberta, que captam uma demanda e buscam alternativas. • Conhecimento para transformar a ideia em solução (Pesquisa e Desenvolvimento). • Recursos humanos, tecnológicos, organizacionais e financeiros. • Implantação -> teste -> avaliação -> melhoria -> consolidação
  10. 10. Constitui a inovação • Ideia criativa • Solução para uma demanda (por vezes implícita) • Impacto na sociedade ou na organização • Alto grau de difusão
  11. 11. Graus de novidade da inovação • Radical: extraordinária, de implantação. • Média: aperfeiçoamento de uma inovação anterior (incrementação). • Atualização de algo já existente.
  12. 12. Do celular ao Smartfone : vários graus de novidade na inovação
  13. 13. Inovação por atualização (pequena) Bíblia com letras enormes, para quem tem dificuldades de leitura
  14. 14. Inovação é sempre boa? Depende... • Inovação “do bem”: visa minimizar problemas e oferecer soluções para as pessoas, as nações e o planeta. • Inovação “neutra”: pode ser usada para o bem ou para o mal. • Inovação “do mal”: promove o crescimento de iniciativas que destroem pessoas, povos e a Terra. Cria necessidades e maximiza desejos em vista da exploração.
  15. 15. INOVAÇÃO NA IGREJA • Por que? • Para que? • Em que condições?
  16. 16. Compreender bem.. Conversão Restauração Renovação - Atualização Inovação
  17. 17. Conversão Mudança de vida, de perspectiva, de valores, de atitudes e de ações que toca o coração da pessoa e de um grupo, modificando seu núcleo vital. Acontece como resposta a um apelo de Deus. A conversão faz parte da existência cristã e da vida da Igreja, pois a gente sem perceber se desvia do caminho da vida ou esfria no “amor primeiro”
  18. 18. Renovação • Processos de mudança em grupos ou instituições, para se atualizar e adaptarse a novas circunstâncias históricas. A renovação pode ser breve ou duradoura, atingir pessoas e/ou estruturas com maior ou menor intensidade. • No correr da sua história, a Igreja promoveu processos de renovação. O mais recente foi desencadeado pelo Concílio Vaticano II.
  19. 19. Restauração • Adoção de modelos do passado próximo, como reação às mudanças na sociedade e na própria Igreja. • A Igreja adotou posturas de restauração no séculos 19 e 20, enfrentando a sociedade moderna com suas características: antropocentrismo, mentalidade científica, subjetividade, historicidade. • A restauração não volta às fontes primeiras do cristianismo, mas somente até a cristandade. • Movimentos neoconservadores utilizam várias inovações a serviço de sua causa.
  20. 20. Para que renovar e inovar? • Para que a Boa de Nova de Jesus Cristo continue significativa para homens e mulheres de hoje, numa sociedade plural e com rápidas mudanças. • Para que o Evangelho ressoe com sentido nas novas gerações. -> Renovar e inovar não é um capricho, mas uma necessidade no atual momento histórico da humanidade.
  21. 21. Horizonte para renovar e inovar, a partir do Concílio • Igreja Povo de Deus a caminho: estruturas participativas. Diferentes ministérios e serviços. Protagonismo dos leigos (LG). • Liturgia significativa (SC). • Centralidade da Palavra de Deus. Relação da Bíblia com a Tradição (DV). • Diálogo com o mundo contemporâneo. Discernir os “Sinais dos Tempos”. Compartilhar das alegrias e dores, tristezas e esperanças (GS)
  22. 22. A inovação eclesial articula: • Voltar às fontes primeiras do cristianismo: Bíblia e patrística. • Aprender com a Tradição Viva e o magistério. • Ser sensível à contemporaneidade.
  23. 23. O equilíbrio difícil e necessário • Voltar constantemente ao núcleo da Boa Nova de Jesus, a fonte primeira. • Conservar e transmitir a Tradição viva da Igreja: nos valores, na doutrina, nas práticas religiosas. • Inovar através de gestos, palavras e processos, para que o Evangelho ressoe nas pessoas e na sociedade.
  24. 24. Bíblia Sinais dos Tempos Tradição
  25. 25. Alguns tipos de inovação na Igreja • • • • • De serviço pastoral Organizacional (estruturas de poder). De comunicação (interna e externa) De valores e práticas sociais. De design • (Nova Evangelização: no ardor, no método, na linguagem)
  26. 26. Identifique as características inovadoras nas seguintes iniciativas • • • • • • • • • Preparação para os sacramentos. Curso de iniciação teológica para leigos(as). Campanha da Fraternidade. Círculos Bíblicos. Pastorais Sociais. Assembleias diocesanas e Planos de pastoral. Catequese renovada e novas pastorais. Organização do dízimo. Gestão econômico-financeira profissionalizada.
  27. 27. Estar sempre a caminho... Iniciativa ou processo inovador que não se atualiza tende a perder seu valor e a se transformar em algo anacrônico. Em vez de asas para voar, é peso para carregar!
  28. 28. O que impede a inovação/renovação • Medo de arriscar. • Concentração de poder (presbíteros e leigos). • Pouca conexão com a contemporaneidade. • Ausência de método. • Competição interna. • Visão paroquiana e pouco “católica”. • ....
  29. 29. O que favorece a inovação/renovação • • • • • Tradição como sabedoria milenar. Força do Espírito Santo que desinstala. Generosidade de pessoas e grupos. Espírito de aprendiz. Internacionalidade e catolicidade: a diversidade que soma.
  30. 30. Uma figura inspiradora de renovação/inovação Para Francisco no meio de um grupo de refugiados
  31. 31. Um convite: vamos inovar?
  32. 32. Sugestão de bibliografia CARVALHO, Marly Monteiro. Inovação. Estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009. CORAL, Eliza e al. (orgs). Gestão integrada da Inovação. São Paulo: Atlas, 2008. MURAD, Afonso. Gestão e Espiritualidade. São Paulo: Paulinas, 2012, 5 ed. Afonso Murad é teólogo, escritor e ambientalista. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Email: murad4@hotmail.com. Redes sociais: afonsomurad.

×