Gestão eficaz e carisma

1.110 visualizações

Publicada em

Apresentação destinada a Gestores de Educação em instituições confessionais. Conexão Gestão e Espiritualidade

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.110
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão eficaz e carisma

  1. 1. Gestão Eficaz e Carisma A busca de equilíbrio Ir. Afonso Murad VIII Fórum das Mantenedoras
  2. 2. Ponto de Partida • Equilíbrio dinâmico, com tensões e conflitos. • Cada momento histórico exige reposicionamento. • Depende do tamanho e da complexidade das escolas e de suas mantenedoras. • Não se apresenta solução mágica,
  3. 3. (1) Pessoas com brilho no olhar, identificadas com o carisma, estimuladas à busca contínua
  4. 4. Já temos! • Leigos(as) que internalizaram nossos valores. • O respeito a cada pessoa. • Atenção diante de situações dramáticas. • Ambiente humano e acolhedor. • ....
  5. 5. Porém.... Porém... • Confusão: humanização seria amadorismo, protecionismo e bajulação. • Gestão de pessoas e talentos reduzida à RH e DP. • Desarticulação com o coração da missão e do negócio: a educação cristã. • Gestores autoritários e medianos, e
  6. 6. No caminho... • Aprimorar os processos de seleção com critérios múltiplos: CHÁ • Integrar as características do carisma no quadro de funções, atribuições e alçada (se ele existe....) • Política de benefícios (o que é possível) • Acompanhamento/Monitoramento, especialmente no primeiro ano. • Avaliação de desempenho anual (formal).
  7. 7. Clima organizacional Diagnóstico Retorno Ações práticas Avaliação Novo patamar
  8. 8. O que me compete? • Cultivar o olhar encantado com a vida, a gratuidade. • Visão estratégica • Gestão participativa em todos os níveis
  9. 9. Clipe: Não custa nada
  10. 10. Eu descobri que as coisas boas da vida são de graça, não custam nada. Eu descobri que o mundo inteiro pode ser o meu jardim, a minha casa, o teu abraço, não custa nada, um beijo seu, não custa nada, a boa ideia, não custa nada, missão cumprida, não custa nada. E quando tudo parecer que está perdido dê uma boa gargalhada. Eu descobri que as coisas boas da vida são de graça, não custam nada. Eu descobri que o mundo inteiro pode ser o meu quintal, a minha casa, o por do sol, não custa nada, a brincadeira, não custa nada, um gol de placa, não custa nada, vento no rosto, não custa nada, E quando tudo parecer que está perdido, dê uma boa gargalhada A flor do campo, não custa nada, onda do mar, não custa nada, a poesia, não custa nada, a nossa
  11. 11. A espiritualidade cristã propõe uma forma alternativa de entender a qualidade de vida, encorajando um estilo de vida profético e contemplativo, capaz de gerar profunda alegria sem estar obcecado pelo consumo. Tornar-se serenamente presente diante de cada realidade, por mais pequena que seja, abre-nos muitas mais possibilidades de compreensão e realização pessoal
  12. 12. A espiritualidade cristã propõe um crescimento na sobriedade e uma capacidade de se alegrar com pouco. É um regresso à simplicidade que nos permite parar e saborear as pequenas coisas, agradecer as possibilidades que a vida oferece sem nos apegarmos ao que temos nem entristecermos por aquilo que não possuímos (Francisco, LS 222).
  13. 13. Dar passos significativos para que as pessoas (professores, funcionários, gestores) sejam reconhecidos, cultivem o brilho no olhar, se sintam membros e sejam estimulados a crescer como seres humanos e profissionais
  14. 14. (2) Conexão com a contemporaneidade
  15. 15. Discernir os “Sinais dos Tempos” • Escola “em saída”: alarga seu horizonte aprendendo de tendências que apontam para o futuro-presente, o inédito viável. • O carisma institucional surgiu como resposta a situações-limite. Hoje ele deve ser recriado.
  16. 16. Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal destinado mais à evangelização do mundo
  17. 17. Uma opção capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura se tornem um canal destinado mais à educação e à evangelização do mundo atual do que a auto-preservação (EG 27) Refazendo as Instituições educacionais
  18. 18. Que todas as comunidades se esforcem, com os meios necessários, para avançar na conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como estão. Não basta uma simples administração. E sim,
  19. 19. Conectar-se com que? Com quem? A fé nos dá lucidez para aprender com o mercado, sem ceder à sua lógica perversa e fazer alianças com grupos do Bem
  20. 20. A escola católica, espaço eclesial (e não eclesiástico), diverso e multicultural, é importante protagonista para a conversão pastoral de uma “Igreja em saída”, em diálogo com a contemporaneidade. Colaborar na liderança multicultural da multicultural da sociedade democrática democrática brasileira (Marcelo Aquino)
  21. 21. Conhecimento encharcado de emoção, de bondade, de beleza
  22. 22. O grande apelo: Cuidar da Casa Comum • Tornar conhecida a Encílica Laudato Si. • Estimular iniciativas em diversas áreas do conhecimento. • Articular com as Campanhas da Fraternidade 2016 e 2017. • Adotar comportamentos e políticas ambientais. Visibilizar. • Desenvolver a espiritualidade ecológica com gestores, educadores,
  23. 23. (3) Profissionalização crescente em todos os âmbitos
  24. 24. Mantenedoras e Unidades • Relação de reciprocidade entre as mantenedoras e as Unidades. • Da parte da mantenedoras: ouvir, discutir, orientar, determinar, agradecer, avaliar-se. • Implementar processos simultâneos: horizontais, matriciais e verticais
  25. 25. Exercitamos um diálogo vivo entre Gestão Organizacional e visão pedagógica. Há conceitos úteis, como também questões irreconciliáveis (Artur Jacobus)
  26. 26. Profissionalização inclui: • domínio e desenvolvimento de saberes específicos, • adoção de tecnologias correspondentes, • busca de qualidade para responder às demandas, • formação continuada das pessoas, • conexão com outras áreas do conhecimento, • ética profissional,
  27. 27. Reduzir, aprimorar e criar (P. Drucker)Não é viável manter tudo o que temos e fazemos, e multiplicar ainda mais.
  28. 28. (4) Nossos valores guiam a estratégia e as práticas cotidianos
  29. 29. Dar o rumo, na sociedade como um barco à deriva, sem valores
  30. 30. Alguns exemplos... • Escolha do livro e do material didático • Quantidade e qualidade dasAtividades no ano letivo • Jeito de fazer os eventos • Critérios para formatura • Ecodesign nas reformas e construções • Escolha dos fornecedores -> O aluno/a e a família sabem em que acreditamos, conhecem nosso jeito de atuar. O sim
  31. 31. A Balsa de Medusa - Theodore Gericault Como colaboramos para salvar os jovens náufragos do nosso tempo?
  32. 32. Cidadania e inclusão social • Grande parte dos nossos Institutos nasceu para atender os pobres e necessitados. Com o tempo, voltamo-nos para a classe média e as elites. • Fidelidade ao carisma exige de nós: - Ser sinal profético no meio em que atuamos: consciência crítica, diferenciais em atitudes, iniciativas cidadãs. - Promover efetivamente a inclusão social dos pobres nas nossas iniciativas de filantropia.
  33. 33. Vamos ajudar crianças e jovens a “saltarem para dentro da vida”, a construirem uma civilização autenticamente brasileira? (Cleber (Cleber Ratto)
  34. 34. (5) Dar visibilidade e multiplicar as boas práticas
  35. 35. Precisamos dizer o que as nossas escolas católicas contribuem para as crianças e adolescentes do Brasil. Vocês compartilham o conhecimento com a formação da cidadania! (Lêda G. de Freitas)
  36. 36. Para que • Não é a visibilidade midiática da cultura da aparência. • Visibilidade do evangelho: “Brilhe a luz de vocês, para que vendo as suas boas obras, glorifique a Deus” (Mt 6). • Fortalecer a “corrente do bem”, entre as Unidades da Mantenedora, as famílias religiosas, as instituições católicas. Na educação e na sociedade civil.
  37. 37. Exemplo: Como fazer uma campanha do Bem • Aprenda de campanhas anteriores • Comece com quem está aberto para a ação • Promova comportamentos simples e realizáveis (um de cada vez) • Descubra e remova as barreiras de mudança de comportamento • Traga benefícios reais para o presente • Destaque as desvantagens da posição
  38. 38. • Promova algo que ajude o público-alvo a realizar o que se espera. • Torne o acesso fácil. • Faça mensagens com humor. • Use todos os canais possíveis na hora da decisão. • Recorra a lembretes • Acompanhe os resultados e faça ajustes (Kotler e Lee, Marketing social. Influenciando comportamentos para o bem. Bookman, 2011)
  39. 39. Em síntese: • Pessoas com brilho no olhar • Conexão com a contemporaneidade • Profissionalização crescente • Valores traduzidos em práticas • Visibilidade e multiplicação
  40. 40. Filme: Farol da Responsabilidade (Lighthouse)
  41. 41. Atrevo-me a propor de novo o desafio da Carta daTerra: “Como nunca antes na história, o destino comum obriga-nos a nos a procurar um novo início (...). Que o Que o nosso seja um tempo que se recorde recorde pelo despertar duma nova reverência face à vida, pela firme resolução resolução de alcançar a sustentabilidade, sustentabilidade, pela intensificação da luta da luta em prol da justiça e da paz e pela pela jubilosa celebração da vida” (LS 207)
  42. 42. amurad@marista.edu.b afonsomurad.blogspot.com

×