Empreendedorismo e profetismo na Gestão Eclesial

526 visualizações

Publicada em

Apresentação de Conferência na 10º CONAGE (Congresso Nacional de Gestão Eclesial). Apresentação dos conceitos. Articulação. Elementos de discernimento.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Empreendedorismo e profetismo na Gestão Eclesial

  1. 1. Afonso Murad
  2. 2. https://www.youtube.com/watch?v=qhU5JEd-XRo Veja o vídeo O que ele nos diz do tema?
  3. 3.  Indivíduo bem sucedido financeiramente.  Glamour e apelo midiático.
  4. 4.  Arrojado; Auto-confiante;  Busca incessante; Exigente;  Inovador;  Persistente;  Proativo; Realizador;  Esperto.
  5. 5. J.B. Say: quem move recursos econômicos para alta produtividade e retorno do investimento (Séc XIX). J. Schumpeter: Quem impulsiona o capitalismo, por meio de inovação e fatores de produção (Início séc XX).
  6. 6.  Estimula o senso de competição.  Tem somente perspectiva do sucesso individual.  Não valoriza a colaboração, a solidariedade, os valores humanos e espirituais.
  7. 7.  Pessoa com senso de oportunidade e iniciativa. Mobiliza recursos humanos e materiais e valorizarconhecimento e experiência. (P. Drucker)
  8. 8.  Aquele que cria seu próprio negócio e mantém relevantes seus produtos e serviços, em mercados de constante mutação. (Ph. Kotler)
  9. 9.  Início dos anos 90: Pouca segurança de “emprego para toda a vida”.  Modernização e aceleração da tecnologia.  Massa em busca de novas oportunidades.  Apoio aos criadores de microempresas. (SEBRAE)
  10. 10.  Dono de seu próprio negócio.  Empresário ou dirigente de empresa de sucesso.  Pessoa ou instituição proativa e arrojada em suas iniciativas.  Quem transforma seus sonhos em realidade.  Pessoa e grupos comprometidos com causas educativas, sociais e ambientais (empreendedores sociais).
  11. 11.  A Igreja Universal lança o modelo de Igreja como “negócio religioso”. Ela oferece um produto ao cliente, visando a superação do sofrimento e o bem estar.  O cristão seria um empreendedor de sucesso, em todos os âmbitos de sua vida (econômico, familiar, de saúde).  Foi seguido por outras “Igrejas do mercado”.  Chegou até a Igreja Católica....
  12. 12.  Quem prevê o futuro (premonição).  Quem fala em nome de Deus, sob inspiração do Espírito Santo (profecia).
  13. 13.  Nas culturas mediterrâneas: videntes  No judaísmo: interpretavam a vontade de Javé, o Deus da aliança, especialmente em momentos de crise.
  14. 14. Antes que eu te formasse dentro do ventre de tua mãe, Antes que tu nascesses, te conhecia e te consagrei. Para ser meu profeta entre as nações eu te escolhi, Irás onde enviar-te e o que eu mando proclamarás! Tenho que gritar, tenho que arriscar, Ai de mim se não o faço! Como escapar de ti, como calar, Se tua voz arde em meu peito? Tenho que andar, tenho que lutar, Ai de mim se não o faço! Como escapar de ti, como calar, Se tua voz arde em meu peito? Não temas arriscar-te, porque contigo eu estarei, Não temas anunciar-me, por tua boca eu falarei. Hoje te dou meu povo vai arrancar e demolir, Para edificar, construirás e plantarás! Deixa os teus irmãos, deixa teu pai e tua mãe, Deixa a tua casa, porque a terra gritando está. Nada tragas contigo, porque a teu lado eu estarei; É hora de lutar, porque meu povo sofrendo está.
  15. 15.  Experiência de Deus (mística);  Conexão com a realidade humana;  Ética social;  Denúncia;  Anúncio esperançoso.
  16. 16. Enraíza sua missão no chamado do Senhor e se alimenta constantemente da Palavra e da presença do Deus-conosco (Jer 1,4-8). Cultiva a sintonia com o Deus da aliança, cujo ápice é Jesus Cristo e o Reino de Deus.
  17. 17.  Para fazer uma leitura teológico-espiritual significativa da realidade humana, cada vez mais complexa, o profeta está conectado com as grandes questões da humanidade, por experiência prática, pela informação e pelo compromisso de vida. Participa de “redes do Bem”.
  18. 18.  O culto verdadeiro exige a prática da caridade (individual) e da justiça (social e comunitária) (Cf. Is 1,11-19, Am 5,21-24).  O profetismo purifica a religião do moralismo, do individualismo e do ritualismo.
  19. 19. Quanto mais o profeta experimenta a ternura do Deus, mais aumenta sua lucidez em perceber que muitos projetos humanos estão longe do sonho do Senhor. A palavra profética atua de forma desconstrutora e inovadora: “Para arrancar e arrasar, para demolir e destruir, em vista de construir e plantar” (Jr 1,10).
  20. 20.  Os profetas acreditam que o Senhor vai criar “novo céu e nova Terra” (Is 65,17; Ap 21,1). O Espírito de Deus planta, de forma ambígua e provisória, as sementes do definitivo. A última palavra de Deus sobre a história será a do Bem. É preciso se empenhar hoje, com toda intensidade.
  21. 21.  Empreendedorismo: enfatiza a competição, o sucesso, os resultados mensuráveis, a visibilidade do indivíduo, a auto justificação do grupo empreendedor.  Profetismo: analisa as motivações profundas, em Cristo. Grupo minoritário. Em nome de Deus, denuncia a religiosidade utilitária e superficial.
  22. 22. À luz do profetismo, o empreendedorismo pode ser útil para a gestão eclesial?
  23. 23. Impulsiona para:  Sair de sua zona de conforto;  Perceber as oportunidades;  Canalizar as energias de forma disciplinada;  Concretizar projetos a longo e médio prazo (sonhos realizáveis);  Exercitar a liderança para realizar iniciativas inéditas.
  24. 24.  Contaminado pela ideologia da competição, do individualismo e do consumismo.  Não se pergunta pela maneira humana e espiritual de conduzir os processos.  Às vezes primam por autoritarismo, vaidade e concentração de poder.  Valoriza pouco o protagonismo dos outros, principalmente os pobres e fragilizados.
  25. 25. A Igreja em saída, proposta pelo Papa Francisco.
  26. 26. Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal destinado mais à evangelização do mundo atual do que a auto-preservação (EG 27).
  27. 27. Espero que todas as comunidades se esforcem por atuar os meios necessários para avançar no caminho duma conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como estão. Não basta uma simples administração. E sim, estar em estado permanente de missão, em todas as regiões da terra (EG 25)
  28. 28. Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja doente pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro, e que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos (EG 49).
  29. 29. https://www.youtube.com/watch?v=qhU5JEd-XRo Veja o vídeo novamente Que tipo de empreendedorismo aparece aqui?
  30. 30.  Texto e montagem: Afonso Murad* *Doutor em teologia – Universidade Gregoriana (Roma). Especialização em Gestão com ênfase em Marketing na Fundação Dom Cabral (BH). Pesquisador bolsista do CNPq. Autor de “Gestão e Espiritualidade”, Paulinas.  Texto disponível na Internet.  Para saber mais: afonsomurad.blogspot.com Apoio:
  31. 31. Afonso MURAD, Gestão e Espiritualidade. São Paulo: Paulinas, 4 ed, 2010, p. 166-177. Angelo Brigato ÉSTHER. Empreendedorismo: Contexto, Concepções e Reflexões. Comunicação no VII Encontro de Estudos Organizacionais da ANAPAD (2014). Disponível em http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2014_EnEO64.pdf César S. SALIM, et al. Construindo planos de negócios. São Paulo: Campus, 3 ed ver, 2005, p. 41-113. Claudio NASAJON, Empreender nem sempre é a melhor opção. Disponível em: http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2004/11/19/494961/empreender-nem-sempre-e-melhor-opo.pdf Fernando DOLABELA, Pedagogia empreendedora in: Revista de Negócios, Blumenau, v. 9, n. 2, p. 127-130, abril/junho 2004. Disponível em http://gorila.furb.br/ojs/index.php/rn/article/viewFile/293/280 Fernando Shigueo Omoto BITTAR, Livia Tiemi BASTOS, Reflexões sobre o empreendedorismo: Uma análise crítica na perspectiva da economia das organizações. Disponível em: http://www.ead.fea.usp.br/semead/15semead/resultado/trabalhosPDF/1035.pdf Peter DRUCKER, Administração de Organizações sem fins lucrativos. São Paulo: Pioneira, 2006, p. 100-103 Geruza Tomé SABINO. Empreendedorismo: reflexões críticas sobre o conceito no Brasil. Disponível em http://www.estudosdotrabalho.org/anais-vii-7-seminario-trabalho-ret- 2010/Geruza_Tome_Sabino_Empreendedorismo_reflexes_crticas_sobre_o_conceito_no_Brasil.pdf José Luís SICRE. Com os pobres da Terra. A justiça social nos profetas de Israel. São Paulo: Paulus, 2011. Salli BAGGENSTOSS, Júlio Cesar DONADONE. Empreendedorismo social: reflexões acerca do papel das organizações e do estado in: Gestão e sociedade • Belo Horizonte • volume 7 • número 16 • p. 112-131, janeiro/abril 2013. Disponível em: file:///C:/Users/murad/Downloads/Baggenstoss_Donadone_2013_Empreendedorismo-social--refle_10552%20(1).pdf SEGET (org.), Empreendedor: Opção que Cresce no Brasil. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos08/236_Seget_Empreendedor.pdf

×