A intercessão de maria (afonso murad)

7.583 visualizações

Publicada em

Fundamentos teológicos do culto a Maria e da intercessão mariana, conforme o Concilio Vaticano II e a Marialis Cultus, de Paulo VI.

Publicada em: Espiritual
  • Caros, vocês falam com tanta propriedade da Bíblia, mas a ignorância prática de vocês é visível....vejam, se as mães o pais nos diz: "Deus lhe abençoe, meu filho ou minha filha" isso não é a mãe e o pai pedindo que Deus interceda por nós, através deste pedido ? Então, se nossos pais, irmãos, amigos, pedem que Deus nos abençoe e Deus atende, imaginem se Deus não atenderia um pedido da mãe de Cristo!!! Pensem antes de escreverem besteiras e mais, Maria não morreu, subiu ao céu em vida. Alba.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Se a Bíblia não for suficiente para fundamentar uma prática espiritual, tal prática não provém de Deus.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Tudo errado, a bíblia nos mostra que só há um mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo. Não há outromediador, não há outro intercessor. Isso aí está em desacordo com a a palavra de Deus: "HÁ UM SÓ MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS:JESUS CRISTO HOMEM".(I Timóteo 02:05)/ "ELE É CAPAZ DE SALVAR DEFINITIVAMENTE AQUELES QUE POR MEIO DELE,APROXIMAM-SE DE DEUS, POIS VIVE SEMPRE PARA INTERCEDER POR ELES"9Hebreus 07:25). Maria e nenhum outro Cristão morto , pode interceder por homens. Nós podemos clamar aqui, enquanto vivos, em o nome de Jesus, mas em o nome de Jesus, porque lá em cima o intercessor é ele. Meus irmãos dêem atenção à bíblia e não às mentiras dos homens.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

A intercessão de maria (afonso murad)

  1. 1. A intercessão de Maria na comunhão dos Santos Afonso MuradCongresso Mariológico 2012 – Aparecidawww.maenossa.blogspot.com
  2. 2. Fundamentos bíblicos da intercessão• Is 53: o servo sofredor se torna intercessor• Rm 8,27: O Espírito intercede pelos membros da comunidade cristã.• Rm 8,27: Jesus morreu, ressuscitou e intercede por nós.• Jo 13,16: Eu pedirei a Pai e ele dará a vocês outro intercessor (paráclito), para que permaneça com vocês para sempre.• 1 Jo 2,1: se alguém pecar, temos um advogado/intercessor junto do Pai: Jesus Cristo, o justo.• Tg 5,16: rogai uns pelos outros.
  3. 3. Quem são os intercessores? Espírito Jesus Santo
  4. 4. A cena de Caná• Interpretação mariana comum: Maria é intercessora, pois pediu a Jesus e ele concedeu. Logo, se pedirmos qualquer coisa a Maria, ela vai nos dar conseguir de Jesus.• Interpretação à luz da bíblia:- Contexto de aliança: façam tudo o que ele vos disser -> Ex 19,8; Ex 24,3.7; Esd 10,12.- Tão importante quanto a colaboração para o sinal acontecer é a função educativa de Maria. Ela leva os “servidores” a ouvir Jesus e a segui-lo.
  5. 5. A cena da cruz Maria não pede nada. Ela simplesmente persevera na cruz. Assume a missão de mãe da comunidade, que inclui a intercessão.
  6. 6. • Somente os textos bíblicos são insuficientes para fundamentar o culto e a intercessão de Maria.• É necessário recorrer à teologia da “Comunhão dos Santos”
  7. 7. Via histórica• Representação de Maria nas catacumbas de Priscila (sec. III), sempre com Jesus -> maternidade divina.• Sec II-V: escritos sobre Maria estão relacionados à Jesus, à Igreja e à vida cristã. Símbolos, analogias, alegorias.• Paralelo EVA – MARIA. (Em Efrém: com o mediador, tu és a mediadora).• A oração “Sob tua proteção...”, do séc III.• Concílio de Éfeso (431) e a posterior veneração a Maria.• André de Creta (+ 740).
  8. 8. Via histórica• Akatistós: hino de louvor a Maria, na perspectiva da História da Salvação. A intercessão é secundária.• Após o cisma do oriente, perdeu-se grande parte da relação entre Maria e Jesus.• Oração da “Ave Maria”, a partir do sec. XII. A segunda parte foi incluída no sec. XVI -> rogai por nós.• São Bernardo: Maria medianeira.• Salva Rainha: atribuída a Germano Contractus (+1054). Visão pessimista da realidade humana, devido a um contexto desafiador.• Oração do “Lembrai-vos”• Tratado da verdadeira devoção (Montfort)
  9. 9. Fundamento teológico• O Fundamento teológico da intercessão de Maria encontra-se na História da Salvação e na comunhão dos Santos.• Voltemos às bases colocadas pelo Vaticano II, no capítulo 8 da Lumen Gentium: Jesus Cristo é o único mediador. Maria coopera de forma especial na única mediação de Cristo.
  10. 10. O culto a Maria, em relação a Cristo na Lumen Gentium 8• (60) Cristo é o único mediador. A missão materna de Maria não diminui a mediação única de Cristo, mas mostra a sua potência. Não se origina de uma necessidade interna, mas do dom de Deus. Não impede, mas favorece a união dos fiéis com Cristo.
  11. 11. O culto a Maria, em relação a Cristo na Lumen Gentium 8• (62) Nenhuma criatura jamais pode ser colocada no mesmo plano do Verbo encarnado e redentor. Mas o sacerdócio de Cristo é participado de vários modos pelo povo de Deus, e a bondade de Deus é difundida nas criaturas. A única mediação do Redentor suscita nas criaturas uma variada cooperação, que participa de uma única fonte.• (66) O culto a Maria é singular, diferindo e se orientando para o culto à Trindade.
  12. 12. A única mediação de Cristo e a intercessão dos Santos• No horizonte católico e ortodoxo: a mediação de Cristo inclui a cooperação dos santos, especialmente a de Maria. (inclusiva)• No horizonte protestante: a mediação de Cristo é absoluta. Não necessita da colaboração de ninguém. (exclusiva)
  13. 13. A relação cultual com Maria é mais do que intercessãoA Igreja traduz as relações que a unem a Maria,em atitudes cultuais diversas e eficazes(Marialis Cultus 22)
  14. 14. Culto legítimo e coerente• De acordo com o espírito do Concílio Vaticano II, é deplorável e inadmissível, tanto no conteúdo quanto na forma, as manifestações cultuais e devocionais meramente exteriores, bem como expressões devocionais sentimentalistas estéreis e passageiras. Tudo o que é "manifestadamente lendário ou falso" deve ser banido do culto mariano (MC38).• "A finalidade última do culto à bem- aventurada Virgem Maria é glorificar a Deus e levar os cristãos a aplicarem-se numa vida absolutamente conforme à sua vontade"(MC39).
  15. 15. A intercessão no quadro maior do Culto a Maria (MC 56-57)O culto a Maria tem raízes na Palavra revelada esólidos fundamentos dogmáticos:- Singular dignidade de Mãe do Filho de Deus, filhapredileta do Pai e templo do Espírito Santo;- Cooperação de Maria nos momentos decisivos dahistória da Salvação;- Santidade plena da Imaculada, conjugada com osempre crescente progresso na fé.- Relação de Maria com o povo de Deus: membroeminente, modelo e mãe;- Intercessora (MC 56).
  16. 16. A intercessão no quadro maior do Culto a Maria (MC 56-57) • Cristo é o único caminho para o Pai. A piedade para com Maria, subordinada à piedade para com Jesus e em conexão com ela, tem grande eficácia pastoral e é uma força renovadora (57). A missão de Maria em relação ao Povo de Deus é reproduzir nos filhos as feições do Filho.
  17. 17. • A materna missão de Maria impele o Povo de Deus a dirigir-se com filial confiança a Ela. A devoção à Maria é "um auxílio poderoso para o homem em marcha para a conquista da sua própria plenitude.• Maria, a Mulher nova, está ao lado de Cristo, o Homem novo, em cujo mistério encontra verdadeira luz o mistério do ser humano. Nela se tornou já realidade o plano de Deus em Cristo para a salvação de todos” (57).
  18. 18. A Igreja aprende de Maria como realizar overdadeiro culto a Deus. Ela é modelo para nós Pela fé, Maria ouve, guarda no coração e coloca em prática a Palavra de Deus • Inspirada em Maria, a Igreja escuta com fé, acolhe, proclama e venera a Palavra de Deus, distribui-a aos fiéis como pão de vida. E à luz da Palavra, perscruta os sinais dos tempos, interpreta e vive os acontecimentos da história (MC 16).
  19. 19. Maria modelo da Igreja no culto (Marialis Cultus 16-22)Acolhe a palavraDada à oração.Mãe.Oferente.Mestra da vida espiritual
  20. 20. Maria coloca-se em oração (Magnificat, Caná, Cenáculo).• O cântico da Virgem Santíssima prolongando-se, tornou-se oração da Igreja inteira, em todos os tempos (MC 22).• (No Magnificat não há preces de pedido, e sim louvor, ação de graças, denúncia social e afirmação da misericórdia de Deus na história do seu povo. Começa com o indíviduo e se abre à comunidade).• Inspirada em Maria, a Igreja todos os dias apresenta ao Pai as necessidade dos seus filhos, e "louva o Senhor sem cessar e intercede pela salvação de todo o mundo" (SC 83).
  21. 21. A Maternidade de Maria é constituída por Deus como protótipo e modelo da fecundidade da Igreja.• A comunidade cristã se torna também mãe. Com a pregação e o batismo gera para vida “filhos concebidos por ação do Espírito Santo e nascidos de Deus" (LG 64).• Os antigos Padres ensinavam que a Igreja prolonga no sacramento do Batismo a maternidade virginal de Maria (MC 19)
  22. 22. Maria é a mulher oferente (MC 20).• Cenas: apresentação no templo, a cruz• Os cristãos aprendem de Maria a fazer de si mesmos ofertas vivas a Deus (MC 21). O sim de Maria antecipa a prece do Pai Nosso: “seja feita a vossa vontade”
  23. 23. As múltiplas relações dos fiéis com Maria (Marialis Cultus)Veneração profunda,Amor ardente,Invocação confiante,Serviço amoroso,Imitação operosa,Admiração comovida,Estudo atento

×