Auto da barca do inferno

2.025 visualizações

Publicada em

Por favor agradeço que nao copiem trabalhos dos outros Trabalhei para mim e vc´s tbm tem k trabalhar para vc´s espero que compreendem

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.025
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Auto da barca do inferno

  1. 1. André Rodrigues Nº 3 Fernanda Silva Nº Manuela… Tiago Sousa Nº Capa Trabalho realizado por:
  2. 2. Tema Auto da Barca Do Inferno
  3. 3. Auto da Barca Do Inferno O  Auto da Barca do Inferno  é uma complexa alegoria dramática de Gil Vicente, representada pela primeira vez em 1517 . É a primeira parte da chamada trilogia das Barcas (sendo que a segunda e a terceira são respectivamente o  Auto da Barca do Purgatório  e o  Auto da Barca da Glória ).
  4. 4. <ul><li>Cenário Comum </li></ul><ul><li>- duas embarcações na praia do purgatório: uma para o Paraíso, outra para o inferno </li></ul><ul><li>Argumento </li></ul><ul><li>- antítese salvação-condenação </li></ul>Trilogia das Barcas
  5. 5. <ul><li>Estrutura externa – esta peça tem apenas um acto, uma vez que não há qualquer mudança de cenário. E, apesar de Gil Vicente não usar a divisão em cenas, nós podemos fazer corresponder a cada entrada das personagens uma cena. Assim, o texto consta de onze cenas. </li></ul>Estrutura Externa
  6. 6. <ul><li>Estrutura interna – Sendo o texto composto de pequenas acções, tendo cada uma delas uma forma muito semelhante ( breve apresentação de cada personagem , argumentação com o Diabo e Anjo e embarque numa das barcas ) e não havendo qualquer ligação entre as várias sequências, não podemos afirmar que haja um enredo. </li></ul>Estrutura Interna
  7. 7. <ul><li>Um  Fidalgo , D. Antiqúe; </li></ul><ul><li>Um  Onzeneiro  (homem que vivia de emprestar dinheiro a juros muito elevados naquela época, um agiota); </li></ul><ul><li>Um  Sapateiro  de nome Joanantão, que parece ser abastado, talvez dono de oficina; </li></ul><ul><li>Joane , um Parvo, tolo, vivia simples e inconscientemente; </li></ul><ul><li>Um  Frade  cortesão, Frei Babriel, com a sua &quot;dama&quot;  Florença ; </li></ul><ul><li>Brísida Vaz , uma alcoviteira; </li></ul><ul><li>um  Judeu  usurário chamado Semifará; </li></ul><ul><li>Um  Corregedor  e um  Procurador , altos funcionários da Justiça; </li></ul><ul><li>Um  Enforcado ; </li></ul><ul><li>Quatro Cavaleiros que morreram a combater pela fé. </li></ul>Personagens
  8. 8. Sátrica Social Esta obra tem dado margem a leituras muito redutoras, que grosseiramente só nela vêem uma farsa. Mas se Gil Vicente fez a impiedosa das moléstias que corroíam a sociedade em que viveu, não foi para se ficar aí, como nas farsas, mas para propor um caminho decidido de transformação em relação ao presente. Normalmente classificada como uma moralidade, muitas vezes ela aproxima-se da farsa; o que indubitavelmente fornece ao leitor é uma visão, ainda que parcelar, do que era a sociedade portuguesa do século XVI. Apesar de se intitular  Auto da Barca do Inferno , ela é mais o auto do julgamento das almas
  9. 9. Video
  10. 10. <ul><li>Agradecimentos: </li></ul><ul><li>Prof.: Língua Portuguesa </li></ul>

×