Teratologia

2.587 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.587
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
109
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teratologia

  1. 1. TeratologiaNilza Cristina ButtowUEM/DCM
  2. 2. Definições Malformações ou anomalias congênitas: são altera-ções ou defeitos estruturais ou funcionais presentesno momento do nascimento e originadas de uma fa-lha na formação de um ou mais constituintes docorpo durante o desenvolvimento embrionário Congênitos refere-se às características adquiridasantes do desenvolvimento embrionário, tais caracte-rísticas podem ou não ser hereditárias.
  3. 3. Definições Teratologia consiste no estudo das mal forma-ções congênitas, ou seja, das anomalias de de-senvolvimento que provocam alterações morfoló-gicas presentes ao nascimento. Estas podem va-riar da formação defeituosa de um ou mais ór-gãos até a completa ausência do órgão.
  4. 4. Feto diencéfalo, ou seja, comdois encéfalos. Devido aonascimento de aberrações comoesta é que surgiu a disciplinaTeratologia (teratos = monstro;logia = estudo).Vemos aqui uma criança que, durantea organogênese, desenvolveu umsegundo feto em seu abdômen. Essefenômeno é decorrente de agentesteratogênicos.
  5. 5. Período crítico do desenvolvimento (semanas)
  6. 6. Desenvolvimento embrionário e fetalDesenvolvimento embrionário e fetalpodem ser afetados por:podem ser afetados por:Agentes FísicosAgentes FísicosAgentesAgentesInfecciososInfecciososAgentesAgentesQuímicosQuímicosFatores externosFatores externos Fatores internosFatores internosAlteraçõesGenéticasAlteraçõesCromossômicasDesnutriçãoRadiaçõesCalorVírusBactériasProtozoáriosDrogasCompostosQuímicosAmbientais
  7. 7. Fatores Genéticos a) fatores gênicos: envolvem a herançados genes que causam a anomalia. Umexemplo de malformação oriunda desse fa-tor é a polidactilia (o indivíduo apresentamais de cinco dedos, principalmente nasmãos). b) fatores cromossômicos: abordam asaberrações cromossômicas representadaspelo número anormal de cromossomos. Umexemplo seria a Síndrome de Down.
  8. 8. Síndrome de Turner 45,X
  9. 9. Síndrome de Down (trissomia do 21)
  10. 10. Trissomia do 18, retardo do crescimento, mãocerrada, esterno curto e pelve estreita
  11. 11. Trissomia do 13, fenda labial bilateral, orelhamal formada e polidactilia
  12. 12. Paciente com síndrome de Down, distúrbio originário defatores cromossômicos. Esse paciente exibe ainda línguageográfica, um processo em que há atrofia das papilaslinguais.
  13. 13. FATORES AMBIENTAIS agentes infecciosos: um teratógeno des-se tipo é o vírus da rubéola, cuja infecção,nas primeiras quatro semanas após a con-cepção, possui altos riscos de gerar mal-formações do tipo lesões cardíacas, micro-cefalia (encéfalo pequeno), retardo nocrescimento etc. agentes físicos: destaca-se, principalmen-te, a radiação. Pode causar cegueira, defei-tos cranianos e microcefalia (encéfalo pe-queno).
  14. 14. Catarata ocasionada pelo vírus da rubéola, defeitoscardíacos e surdez são outros defeitos congênitos
  15. 15. AnencefaliaAnencefalia
  16. 16. FATORES AMBIENTAIS (cont.) agentes químicos: envolvem substânciasquímicas e drogas. Exemplos clássicos se-riam o álcool (causando hipoplasia maxilar(maxila pequena), microcefalia (encéfalopequeno) e retardo do crescimento) e a ta-lidomida,uma droga utilizada no passadodurante a gestação para alívio de enjôo(provocando focomelia, ou seja, mãos epés inseridos diretamente no tronco) etc.
  17. 17. Síndrome do Alcoolismo fetal, lábio superior delgado,fissuras palpebrais curtas, ponte do nariz achatado,pequeno e filtro malformado
  18. 18. Malformação ocasionada pelo uso da Talidomida
  19. 19. Criança com bócio pela administração de excessode drogas antitireoidiana.
  20. 20. Genitália externa masculinizada de uma menina46, XX. Clitóris aumentado e grandes lábiosfundidos
  21. 21. Espinha BífidaEspinha Bífida
  22. 22. Duas crianças gêmeas unidas (fusionadas) pelotronco. Esse distúrbio é decorrente de algumteratógeno, provavelmente de origem ambiental.
  23. 23. Nomenclatura de Alterações doDesenvolvimento AGENESIA: ausência total ou parcial deum orgão. Comum nas anomalias congêni-tas. Um exemplo é agenesia de dentes(principalmente de incisivos laterais). Emalguns casos, a agenesia de algum órgão(como encéfalo - anencefalia) pode não sercompatível com a vida. APLASIA: há somente um esboço embrio-nário de uma região ou órgão, sem o com-pleto desenvolvimento destes.
  24. 24. Nomenclatura de Alterações doDesenvolvimento HIPOPLASIA (hipo = escassez; plasia = for-mação): formação deficiente de parte ou tota-lidade de um órgão ou tecido. Há diminuiçãodo número de células, porém, estas conser-vam morfologia e função normais; o tecido ouórgão é que tem o volume e a função diminuí-dos. Ex.: hipoplasia do esmalte dentário; odente com hipoplasia deve receber tratamentorestaurador. Em algumas situações, como emórgãos pares, a hipoplasia pode passar des-percebida.
  25. 25. Hipoplasia de esmalte. Veja que o molar estáamarelado. O que estamos vendo é o tecidodentinário; quase não existe esmalte. Àsvezes essa condição pode estar presente emtodos os dentes.
  26. 26. Nomenclatura de Alterações doDesenvolvimento ATRESIA: quando não há o completo desenvol-vimento de um órgão oco ou de um ducto, nãopermitindo a distinção dos lúmens desses órgãos. ECTOPIA: quando um tecido ou órgão se localizaem local não comumente observado. Por exem-plo, glândulas sebáceas na mucosa bucal (grânu-los de Fordyce) (lembre-se de que a mucosa bu-cal não possui glândulas sebáceasnormalmente). Um outro exemplo em Odontologiaé a presença de tecido da glândula tireóide noventre da língua.
  27. 27. Ovário seccionado ao meio exibindo pêlos emseu interior (setas). Esses pêlos sãoectópicos nesse tecido.
  28. 28. Doenças Maternas Diabetes: a hipoglicemia é teratogênica. Ainsulina não é teratogênica. Drogas hipogli-cêmicas orais: sulfoniluréias e biguanidassão teratogênicas. Fenilcetonúria: altas taxas de fenilcetonúriano sangue podem provocar: retardamentomental, microcefalia e defeitos cardíacos.
  29. 29. Defeitos Nutricionais Em humanos deficiências vitamínicas eproteicas parece não causarem malforma-ções, no entanto, a falta de iodo pode pro-vocar o cretinismo endêmico.
  30. 30. Hipoxia A deficiência em oxigênio parece promoverapenas o nascimento de bebês pequenos.
  31. 31. Metais Pesados Alimentos contaminados com mercúrio or-gânico provocam sintomas neurológicosmúltiplos semelhante a paralisia cerebral O chumbo está relacionado com um au-mento no número de abortos, retardamentomental e distúrbios neurológicos.
  32. 32. Teratogênese mediada pelohomem A exposição do homem a alguns produtosquímicos como etilnitrosouréia e a radiaçãopodem causar mutações nas células ger-minativas masculinas. A exposição a diversas substâncias comomercúrio, chumbo, álcool e cigarros podemocasionar abortos espontâneos, baixo pesoao nascimento e defeitos congênitos.
  33. 33. Prevenção de Defeitos Congênitos Suplementação do sal ou da água comiodo Controle metabólico de mulheres com dia-betes ou fenilcetonúria Suplementação com folato para redução deincidência de espinha bífida Evitar o consumo de álcool e drogas duran-te a gestação Iniciar estratégias de prevenção antes daconcepção
  34. 34. Prevenção de Defeitos Congênitos Evitar o uso de retinóides (isotretinoína,ácido 13-cis-retinóico) durante o períodofértil da mulher.

×