SEDENTARISMO DO IDOSO NAS INSTITUIÇÕES DE LONGAPERMANÊNCIAAna Paula M. PintoEdna Mara Marcolino.Resumo:Como menciona Morag...
que a inatividade é um fator que interfere no processo de envelhecimentoacelerando as perdas funcionais do indivíduo e con...
De um modo geral o efeito da diminuição natural das perdas funcionais podeser atenuado se forem desenvolvidos com os idoso...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sedentarismo do idoso nas instituições de longa permanência

490 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sedentarismo do idoso nas instituições de longa permanência

  1. 1. SEDENTARISMO DO IDOSO NAS INSTITUIÇÕES DE LONGAPERMANÊNCIAAna Paula M. PintoEdna Mara Marcolino.Resumo:Como menciona Moragas (1999), o processo de envelhecimento dapopulação mundial caracterizado por independência autonomia e qualidade de vida,pode ser uma das inovações do terceiro milênio. As instituições de longapermanência são, muitas vezes, a única alternativa viável para preservarmecanismos de sobrevivência, diante das dificuldades socioeconômicas, afetivas efamiliares. Mas ao chegar na instituição percebe -se que não há a participação deidosos em atividades sócio-recreativas, tornando-se quase inexistente a sua redede apoio social. Assim, faz-se necessária atenção especial, por parte do poderpúblico e pela sociedade no sentido de oferecer serviços que contribuem para umavelhice bem sucedida, ativa e com autonomia.Palavras Chave: Idoso, instituição e atividade.INTRODUÇÃOO processo de envelhecimento populacional vem ocorrendo no mundointeiro.No Brasil, tal processo, vem acontecendo de forma rápida devido à queda damortalidade e natalidade.De acordo com a organização mundial da saúde –OMS(2005), o Brasil será o sexto país com o maior número de pessoas idosas até2025.A expectativa de vida de um brasileiro hoje está em torno de 68 anos, sendoque na próxima década deverá chegar a 73 anos Ainda estatisticamente, estima-seque 2020 ocorrerá aumento de 84% a 167% no número de idosos com moderadaou grave incapacidade.A partir desses dados surgem diversas perguntas: Que seráde tanto idosos?Quem cuidará dos nossos idosos?As casas de longa permanênciaestão em condições de receber esses idosos? Elas oferecem atividades suficientespara suprir as necessidades dos idosos?O envelhecimento é um processo pessoal, natural, indiscutível e inevitável,para qualquer ser humano.Nessa fase sempre ocorrem mudanças biológicas,fisiológicas, psicossociais, econômicas e políticas na vida das pessoas. Há consenso,
  2. 2. que a inatividade é um fator que interfere no processo de envelhecimentoacelerando as perdas funcionais do indivíduo e contribuindo para o aparecimento demúltiplas enfermidades crônicas e incapacitantes.Um envelhecimento saudável é um somatório de uma boa alimentaçãoexercícios físicos, bom relacionamento com a família, bom convívio social eprincipalmente ter uma vida ativa.Onde a autonomia e a independência devem serpreservadas por maior tempo possívelAo chegarmos numa instituição de longa permanência deparamos com umarealidade bem preocupante.Os idosos ali residentes, não contam com atividadesque visam uma melhoria na qualidade de vida e bem estar físico, convivem comuma deficiência total de atividades recreativas, físicas, reabilitadoras e a ausênciade programas que estimulem o lazer, contribuindo diretamente para que a vidadestes idosos se torne cada vez mais ociosa. Os efeitos associados à inatividadesão notados nesses idosos institucionalizados.A maioria possui uma redução nodesempenho físico e motor, uma falta de concentração gerando processo de apatia,insegurança, perda de motivação, isolamento social e solidão.Não existe umacomunicação efetiva entre os residentes. Muitas idosas têm como companhiaapenas uma boneca. Percebemos, então, a vida monótona e solitária do asilo..A abordagem dos idosos institucionalizado é bastante complexa, visto quenormalmente ele sofre drásticas mudanças na estrutura social e familiar(destacando-se a perda de espaços físicos e afetivo e de pontos dereferência),comumente apresenta comprometimentos cognitivos(PY,1999)Desta forma começamos a entrevistar os idosos, alguns, a principio,evitando qualquer possibilidade de dialogo.Durante este contato percebemos asdificuldades físicas e psicológicas que iríamos encontrar e a falta de atividades queexistia no asilo para ocupar o tempo ocioso dos idosos.Ao final das entrevistas fizemos orientações sobre os benefícios da atividadesob o ponto de vista físico, cognitivo, emocional e proposta de oficinas para serrealizada duas vezes por semana. Essas atividades foram selecionadas vindo deencontro aos interesses do idoso, respeitando a individualidade de cada um, nabusca de alternativas de seu bem estar e qualidade de vida Observamos que osidosos participam das atividades com interesse e prazer. . Podemos constatar queatravés das atividades há um aumento da socialização entre os idosos durante assessões e também em outros horários, maior expressão de sentimentos, melhorada iniciativa dos idosos.
  3. 3. De um modo geral o efeito da diminuição natural das perdas funcionais podeser atenuado se forem desenvolvidos com os idosos, programas de atividadesfísicas e recreativas que visem à melhoria das capacidades motoras que apóiam arealização de suas atividades de vida diária (AVD`S) e atividades de vidainstrumental (AVI`S), preservando a qualidade de vida e aumentando o senso debem estar.Referências:ARAÚJO, L.F(2006).Representações Sociais da velhice: um estudo comparativoentre idosos de grupo de convivência e instituições de longa permanênciaOMS (2005).Envelhecimento Ativo: uma política de saúde.Brasília:Organização PanAmericana da SaúdeFREITAS, Elizabete Viana de - Py, Ligia - Cançado, Flávio Aluizio Xavier - Gorzoni,Milton Luiz – Tratado de Geriatria e Gerontologia. Editora: Guanabara Koogan

×