Radiacao ultravioleta e cancer de pele

906 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Radiacao ultravioleta e cancer de pele

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIRURGIA PLÁSTICA REPARADORA Coordenadora e Professora Titular: Profa.Dra.Lydia Masako Ferreira Renato Santos de Oliveira Filho RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE UNIFESP
  2. 2. Parte do espectro óptico da luz solar não visível com comprimento de onda entre 100 e 400 nm RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA - SOLAR UVA 315 – 400 nm (derme) UVB 280 – 315 nm (epiderme) UVC 100 – 280 nm maior energia não chega na Terra (Ozônio) derme epiderme Tecido adiposo
  3. 3. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA • Massa de ar • Turvação do ar • Espessura da camada de ozônio BARREIRAS
  4. 4. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Baixas doses - produzir vitamina D Efeitos biológicos na pele: Eritema Pigmentação Imunomodulação Mutagenicidade Carcinogenicidade Fotoenvelhecimento
  5. 5. Melanina • Fotoproteção Espessamento PROTEÇÃO FISIOLÓGICA À RUVPROTEÇÃO FISIOLÓGICA À RUV
  6. 6. APOPTOSEAPOPTOSE Células Queimadura Solar 1 2 20 100 Dose Eritematosa Mínima
  7. 7. GENES S.Halking 2002
  8. 8. MUTAGÊNESE E RESPOSTAS CELULARES ÀS LESÕES NO DNA
  9. 9. LESÃO DNA PELA RUV E SEU REPARO Substâncias Mutagênicas: Dímeros de pirimidina Dímeros de timina Fotoprodutos 4- 6 Xeroderma pigmentoso p53 (reparo celular) - Iniciação - Promoção - Progressão
  10. 10. REPARO POR EXCISÃO DE NUCLEOTÍDEOS Xeroderma pigmentoso • p53
  11. 11. CLARK, ELDER E GUERRY Melanócitos de nevos displásicos Melanoma in situ Melanócitos de lesões névicas Melanoma de CV Melanoma metastático Invasividade Instabilidade Genética
  12. 12. METÁSTASE Staquicini
  13. 13. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETARADIAÇÃO ULTRAVIOLETA • Queratinócitos - FGF-2, Endotelinas, M/SCF • Fibroblastos - FGF-2, M/SCF, HGF/SF MITÓGENOS FGF-2 - modulador da migração de melanócitos e melanomas (nevus, FCR FCV)
  14. 14. Três tipos principais: • Carcinoma Basocelular • Carcinoma Espinocelular • Melanoma CÂNCER DE PELE
  15. 15. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA ALTAS DOSES PODEM CAUSAR CÂNCER DE PELE • Exposição prolongada, constante (cumulativa) • Carcinoma basocelular • Carcinoma espinocelular • Exposição intensa repetida (queimaduras) • Melanoma
  16. 16. CÂNCER DE PELE espinocelular basocelular melanoma
  17. 17. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Tipos de pele de acordo com a reação ao sol (Fitzpatrick – 1988) Nunca se queimam Raramente se queimam e bronzeiam-se muito Queimam-se pouco e bronzeiam-se bastante Queimam-se moderadamente e bronzeiam-se uniformemente Sempre se queimam/bronzeado leve Sempre se queimam nunca se bronzeiam Tipo VI Tipo V Tipo IV Tipo III Tipo II Tipo I
  18. 18. FATOR DE RISCO RISCO RELATIVO Lesões pigmentadas Nevus atípicos com história familiar 148 Nevus atípicos sem história familiar 7-70 Lentigo Maligno (in situ) 10 Nevos melanocíticos benignos 2-64 Nevus congênito 17-21 Idade >= 15 anos 88 Melanoma cutâneo prévio 5-9 Antecedentes familiares de melanoma cutâneo 2-8 Imunossupressão 2-8 Exposição excessiva ao sol 3-5 Sensibilidade ao sol 2-3 FATORES DE RISCO
  19. 19. DIAGNÓSTICO CLÍNICO - ABCD A B C D
  20. 20. FATORES DE RISCOFATORES DE RISCO NEVUS CONGÊNITO GIGANTE NEVUSNEVUS DISPLÁSICODISPLÁSICO
  21. 21. DERMATOSCOPIA
  22. 22. BRASIL – MELANOMA - 2003 CASOS ESTIMADOS : 4470 (Total = 402.190) MORTES ESTIMADAS : 1125 (Total = 126.960) Fonte: INCA EPIDEMIOLOGIA Casos novos: 1,69 homens e 1,71 mulheres/ 100.000 Mortalidade: 0,67 homens e 0,48 mulheres/ 100.0000
  23. 23. Milvia Enokihara, 2003 BRESLOW
  24. 24. PREVENÇÃO PRIMÁRIA • Global Camada Ozônio • Individual Não exposição ao Sol Proteção ao Sol MELANOMA CUTÂNEO A incidência do MC continua aumentando, duplicará a cada 10 anos
  25. 25. PREVENÇÃO SECUNDÁRIA As taxas de sobrevida são muito diferentes para aqueles com lesão primária com espessura fina Pouca resposta aos tratamentos não cirúrgicos Diagnóstico precoce – tratamento cirúrgico • Auto-exame • Exame Clínico MELANOMA CUTÂNEO
  26. 26. • 90% dos MC - Exame Clínico • Período prolongado de crescimento horizontal • Diagnóstico precoce – 100 % curável • Tratamento cirúrgico apenas • Fatores de risco: • Diminuição da camada de ozônio • Radiação ultravioleta e Lesões precursoras ASPECTOS IMPORTANTES MELANOMA CUTÂNEO
  27. 27. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA FPS Dose eritematosa mínima Índice Ultravioleta
  28. 28. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA UVA UVB (pouco) Carcinomas Melanoma PUVA CEC CÂMARAS DE BRONZEAMENTO

×